Fim dos jornais, não do jornalismo | Marta Barcellos | Digestivo Cultural

busca | avançada
52947 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> O Buraco d’Oráculo leva dois espetáculos de seu repertório a praça em São Miguel Paulista
>>> Eleições 2022: Bolsonaro ganha no Nordeste e Lula no Sul e Sudeste, mas abstenções ganhará em todo o
>>> Paisagens Sonoras (1830-1880)
>>> III Seminário Sesc Etnicidades acontece no Sesc 24 de Maio nos dias 10, 11 e 12 de agosto.
>>> Longa nacional 'Dog Never Raised' estreia no 50º Festival de Gramado
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Elvis, o genial filme de Baz Luhrmann
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
>>> Sexo, cinema-verdade e Pasolini
>>> O canteiro de poesia de Adriano Menezes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
Últimos Posts
>>> Os chinelos do Dr. Basílio
>>> Ecléticos e eficazes
>>> Sarapatel de Coruja
>>> Descartável
>>> Sorria
>>> O amor, sempre amor
>>> The Boys: entre o kitsch, a violência e o sexo
>>> Dura lex, só Gumex
>>> Ponto de fuga
>>> Leite, Coalhada e Queijo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O Uso do Twitter no Brasil
>>> Górgias, de Platão, por Daniel R.N. Lopes
>>> Brothers Gather Round
>>> Poesia em Fibonacci
>>> Freud pela Companhia das Letras
>>> Parangolé: anti-obra de Hélio Oiticica
>>> Da Poesia Na Música de Vivaldi
>>> O novo sempre vem
>>> Música para olhar
>>> Uma outra visão do jornalismo
Mais Recentes
>>> Férias de Arrepiar de Graziela Bozano Hetzel pela Atual
>>> Antologia de Famosos Discursos Estrangeiros de Não Consta pela Logos
>>> Bausteine Fachdeutsch Fur Wissenschaftler de Julio Gross Verlag Heidelberg pela Pedagogia Universitária
>>> Banco de Henri Charriére pela Círculo do Livro
>>> Galeria Fosca de Erico Verissímo pela Globo
>>> Amiro de Wilma Ary pela Sol
>>> O Gigante de Botas de Ofélia e Narbal Fontes pela Atica
>>> A Escola e a Compreensão da Realidade de Maria Teresa Nidelcoff pela Brasilense
>>> Líder 8 de Não Consta pela Vitória Pública
>>> Sangue Fresco de João Carlos Marinho pela Global
>>> Women in Reformation and Counter-Reformation Europe de Sherrin Marshall pela Indiana University Press (1989)
>>> Livro - o Vingador de Frederick Forsyth pela Record (2004)
>>> Raça Como Questão - história, ciência e identidades no Brasil de Marcos Chor Maio e Ricardo Ventura Santos (ogr.) pela Fiocruz (2010)
>>> O Desenvolvimento do Capitalismo na Rússia de Vladimir Lênin pela Abril Cultural (1982)
>>> O Hitler na História de John Lukacs pela Zahar Editores (1998)
>>> A Riqueza das Nações Volumes 1 e 2 de Adam Smith pela Abril Cultural (1983)
>>> Notas para a História do Centro Dom Vital (presença de Alceu) de Alceu Amoroso Lima; Riolando Azzi pela Paulinas (2001)
>>> After the Fact: Two Countries, Four Decades, One Anthropologist de Clifford Geertz pela Harvard University Press (1996)
>>> Princípios de Economia Volumes 1 e 2 de Alfred Marshall pela Abril Cultural (1982)
>>> Museu a Arte Moderna de São Paulo de Não Consta pela Banco Safra
>>> Princípios de Economia Política Volume 1 de Stuart Mill pela Abril Cultural (1983)
>>> Livro - a Billion Voices de David Moser pela Penguin (2016)
>>> O Canto da Praça de Ana Maria Machado pela Atica (2002)
>>> Livro - Sonho Grande: Como Jorge Paulo Lemann, Marcel Telles e Bet... de Cristiane Correa pela Primeira Pessoa (2013)
>>> O Rei Artur e os Cavaleiros da Távola Redonda de Ana Maria Machado; Sir Thomas Malory pela Scipione (1997)
COLUNAS >>> Especial O fim dos jornais

Sexta-feira, 3/4/2009
Fim dos jornais, não do jornalismo
Marta Barcellos

+ de 5500 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Lembro-me como se fosse ontem. Eu estava de licença-maternidade. Entre uma troca de fraldas e outra, peguei o jornal e levei um susto: a América Online tinha comprado a Time Warner por US$ 124 bilhões. Em segundos, os neurônios se conectaram e, encharcados de hormônios, chegaram à conclusão de que eu teria que mudar de área quando voltasse ao batente no jornal. Eu era setorista de varejo na Gazeta Mercantil, ou seja, cobria o setor de supermercados, shoppings e lojas em geral. Na minha mente excitada com a revolução recém-descoberta lá fora, no mundo além fraldas, todo tipo de comércio migraria para a internet em alguns meses.

Dias depois percebi o exagero, após uma desgastante tentativa de fazer as compras do mês pelo site Amélia ― domínio pago a preço de ouro pelo grupo Pão de Açúcar a um desses jovens que saíram registrando nomes "geniais" na rede. Mas o meu raciocínio fazia sentido, e ainda hoje faz, quando se pensa em alguns tipos de compra, como a de eletrônicos. Naquele janeiro de 2000, a livraria virtual Booknet já tinha se transformado no site Submarino, uma das experiências de negócios que sobreviveriam ao estouro da bolha. De qualquer forma, hoje acho graça de ter pensado, seriamente, que a internet acabaria com shoppings centers e supermercados.

Um dos problemas de estar no meio de uma revolução em curso é que nossa excitação com o futuro muitas vezes embota a percepção em relação ao presente, ao mundo real que ainda dita as regras. Por isso, na discussão que existe hoje sobre o fim dos jornais, faço questão de manter um pé em cada lado. Consigo entender a euforia dos blogueiros diante da derrocada dos jornais impressos nos Estados Unidos (afinal, os blogs seriam o futuro), mas também a estratégia retrógrada de um jornal ou revista que fecha seu conteúdo para assinantes (afinal, é preciso pagar o salário dos jornalistas no fim do mês). Veja bem, nas frases acima, embaralhei de propósito pontos de vista "adversários": os blogueiros não conseguem esconder sua inconsequência diante do caos, os jornais são anacrônicos e só pensam no curto prazo.

Não, eu não vou cair na tentação de colocar mais lenha nessa fogueira, que já arde sozinha há tempos. Minha bola de cristal certamente anda embaçada por tanta fumaça, e lembrem que cheguei a acreditar piamente que os shoppings ficariam vazios por causa das compras pela internet. Mais prudente não fazer previsões de longo prazo.

O que dá para dizer, hoje, é que os mais jovens preferem se informar por meio da internet a sujar a mão abrindo desajeitados jornais. Que os sites de conteúdo e informações ainda não descobriram uma maneira de se financiar, a ponto de suportar uma estrutura de apuração semelhante àquela em que o jornalismo atual se apoia. Que há espaço para muitas experiências na rede, mas não há dinheiro de investidores sobrando. Que credibilidade, quando se trata de informação, é muito importante. Que as marcas dos grandes grupos de mídia guardam uma forte imagem de credibilidade, mas estão perdendo relevância nos sistemas de busca na internet. Que os jornalistas andam alheios e atrasados em relação a quase tudo o que acontece na rede.

A transição para o futuro, seja ele qual for, poderá ser longa. O modelo de patrocínio, por exemplo, já é uma realidade para alguns veículos, que fazem cadernos especiais de interesse dos anunciantes, mantendo (quase) intacta a credibilidade de seu noticiário e reportagens principais. Essa parceria pode migrar do papel para a tela tranquilamente, no momento em que isso for conveniente para jornais, revistas e anunciantes. O modelo de assinaturas e de micropagamentos também pode dar fôlego ao jornalismo especializado que oferecer conveniência ou informações que não costumam ser compartilhadas na rede, como as financeiras. Muita gente pagará por um clique no celular para saber por que o trânsito está parado, ou fará uma assinatura para ter dicas exclusivas de investimentos.

Oportunidades assim, aliás, estão disponíveis hoje para qualquer empreendedor ― e esse é o grande barato da internet. Por enquanto, porém, as boas experiências de conteúdo de qualidade na rede partem apenas dos modelos colaborativos ― a propagada "monetização" cobre no máximo o salário dos administradores dos sites. No jornalismo, ninguém duvida que os "furos" dos blogueiros, e agora twitteiros, vieram para ficar. Espalhados pelo planeta, compartilhando ao vivo fotos e notícias fresquinhas, eles parecem mesmo imbatíveis.

Só que o jornalismo não é só isso. Coberturas maçantes e importantes exigem jornalistas dedicados e remunerados. Confesso que não consigo imaginar um fluxo constante de informações bem apuradas, razoavelmente isentas e editadas com critério sem uma estrutura parecida com a de um jornal. Mas, vá lá, digamos que seja possível criar algo novo, sem hierarquia, com mais agilidade e autonomia, reinventando o jornalismo. Mesmo assim, para a sociedade estar bem informada sobre seus políticos, seus governantes, sobre as empresas, a economia, será necessário algum modelo que inclua profissionais comprometidos exclusivamente com esta função.

O que vai acontecer, se o jornalismo não encontrar na internet uma forma de se tornar autossustentável, seja com as antigas marcas dos jornais ou com novas, criadas por blogueiros e empreendedores da rede? Pode ser que ninguém sinta falta. Pode ser que a sociedade se mobilize, por achar relevante o papel da imprensa escrita. Na semana passada, por exemplo, um senador democrata propôs a isenção de impostos aos jornais americanos. Mas pode ser também que nada disso aconteça. Ao contrário, quem sabe os jornais se tornarão cult e conviverão harmonicamente com sites turbinados por rios de dinheiro dos investidores que não sabiam onde aplicar depois do fim da crise de 2009 (lembra dela?). Quanto aos shoppings e supermercados, eles estarão lotados, é claro. E você vai continuar brigando por uma vaga no estacionamento.

Nota do Editor
Marta Barcellos mantém o blog Espuminha de leite.


Marta Barcellos
Rio de Janeiro, 3/4/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Sarkozy e o privilégio de ser francês de Celso A. Uequed Pitol
02. Cavaleiros e o Inexplicável de Duanne Ribeiro
03. Sobre e-books e caipiras de Yuri Vieira
04. Só por uma noite de Carina Destempero
05. O Amor é Sexualmente Transmissível de Isabella Ypiranga Monteiro


Mais Marta Barcellos
Mais Acessadas de Marta Barcellos em 2009
01. Gostar de homem - 25/9/2009
02. Simplesmente feliz - 24/4/2009
03. Escrever pode ser uma aventura - 3/7/2009
04. Fim dos jornais, não do jornalismo - 3/4/2009
05. Palavras que explodem no chão - 19/6/2009


Mais Especial O fim dos jornais
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
6/4/2009
15h48min
Olá, Marta, concordo com ideias expostas no texto. Sou repórter de jornal impresso, mas não deixo de me atualizar sobre Web também. Há muito lero-lero, desconhecimento e "afobismo" dos dois lados. Se fosse acabar hoje com os jornais e depender de blogs, estariamos perdidos. E, engraçado, o mesmo vale para o contrário. E assim: eu também acredito ser difícil um monte de gente apurar assuntos por pura paixão, sem ganhar nada. Isso não existe. E se é pra ter gente inexperiente (tem blogueiros aos montes, jornalistas também) se metendo em assunto que não entende, nem Web nem jornal não vão servir pra nada, talvez pra piorar as coisas. Aí entra o "jornalismo cidadão" e tal. Legal é que numa lista de debates de cidadãos, vai poder entrar a assessoria e convencer um monte de gente. Vai poder entrar gente camuflada pra plantar mentiras, boatos também. Até porque a Web se assemelha à TV nesse afoite. Vide o que pipoca todo dia sobre BBB e que não é averiguado. Bom o teu blog também. Abraço.
[Leia outros Comentários de Rogério Kreidlow]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Matematica Financeira Facil 14°
Antônio Arnot Crespo
Saraiva
(2009)



Histórias dos Mares do Sul
W. Somerset Maugham
Globo



Empresas Familiares Brasileiras
Renato Bernhoeft e Outros
Negocio
(1999)



O Pagador de Promessas
Dias Gomes
Bertrand Brasil
(2010)



Minha primeira paixão
Pedro Bandeira e Elenice Machado de Almeida
Moderna
(2010)



Mulherzinhas - as Aventuras Que Eu Gosto de Ler
Ulisseia Infantil
Ulisseia Infantil
(1995)



Comentários à Convenção Americana Sobre Direitos Humanos - (Vol 4)
Vários Autores
Revista dos Tribunais
(2010)



For the Tough Times: Reaching Toward Heaven For Hope
Max Lucado
Thomas Nelson Publishers
(2008)



As Lutas, A Glória e o Martírio de Santos Dumont
Fernando Jorge
Nova Época
(1973)



Pequena História das Invenções
Abril
Abril
(1974)





busca | avançada
52947 visitas/dia
2,0 milhão/mês