Fim dos jornais, não do jornalismo | Marta Barcellos | Digestivo Cultural

busca | avançada
82631 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Curitiba On-line: atividades culturais disponíveis para fazer em casa
>>> Luis Stuhlberger, um dos maiores gestores de fundos do país, participa do próximo Dilemas Éticos
>>> Cia. Palhadiaço faz temporada online de Depósito acompanhada por oficinas grátis
>>> GRUPO MORPHEUS TEATRO leva obra audiovisual “BERENICES” para teatros públicos do munícipio de São Pa
>>> II Bibliofest debate Agenda 2030 da ONU/IFLA em bate-papos literários e oficinas culturais
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
>>> Cem encontros ilustrados de Dirce Waltrick
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Geração# terá estreia no feriado de 21 de abril
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
>>> Curtíssimas: mostra virtual estreia sexta, 16.
>>> Estreia: Geração# terá sessões virtuais gratuitas
>>> Gota d'agua
>>> Forças idênticas para sentidos opostos
>>> Entristecer
>>> Na pele: relação Brasil e Portugal é tema de obra
>>> Single de Natasha Sahar retrata vida de jovem gay
>>> A melancolia dos dias (uma vida sem cinema)
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Deficiente capilar
>>> A imaginação do escritor
>>> Caindo de paraquedas na escrita
>>> Inteligência artificial
>>> Rimbaud, biografia do poeta maldito
>>> 7 de Setembro
>>> Deixa se manifestar
>>> Auctoritas
>>> A arte do cinema imita o caos. Ou vice-versa
>>> Toca Raul!
Mais Recentes
>>> José Duarte- um Maquinita da Historia de Luiz Momesso pela 8 de Março (1988)
>>> Perfil Literário dos Presidentes das Sobrames Regionais- 2000/2002 de Varios Autores pela Santa Rita (2002)
>>> Dragões do Eter Vol. 3 - Círculos de Chuva de Raphael Draccon pela Leya (2010)
>>> Tecnica e Sociedade no Brasil - de Diana Gonsalves Vidal pela Contexto (1988)
>>> Projeto Resgate Pernambucano-vol. 01 de Varios Autores pela Alepe-pe (2007)
>>> Oásis do Meier de Altamir Tojal pela Calibar (2010)
>>> Redação para o 2 grau- Pensando lendo e escrevendo de Ernani e Nicola pela Scipione (1996)
>>> Gestao Radical: As Licoes Do Programa De Gestao Avancada Da Harvard Business de Mark Stevens pela Campus (2001)
>>> Os Vigilantes de Philip Cornford pela Record (1991)
>>> Inferno na Torre de Richard Martin Stern pela Record
>>> Contos Fluminenses-edições Criticas de Machado de Assis pela Civilização Brasileira (1975)
>>> Discursos- Vol. 01 - 1974 de Ernesto Geisel pela Assessoria Imprensa Nacional (1975)
>>> Cantos do Brasil - o Caminho das Pedras de Shirley Souza pela Escala Educacional (2000)
>>> Remedio Amargo de Arthur Hailey pela Record
>>> A Câmera do Sumiço de Laura Bergallo pela Dcl (2007)
>>> Turismo Em Cronicas de Geraldo Granja Falcão pela Do Autor (1977)
>>> Bonecos na Ladeira de Adriana Victor pela Publikimagem (2011)
>>> Operação Rhinemann de Robert Ludlum pela Record (1974)
>>> Abilio Diniz. Caminhos E Escolhas de Renato pela Campus (2004)
>>> Historias Que o Tempo Esqueceu de Melchiades Montenegro Filho pela Fac Form (2011)
>>> A Saga da Wilson Sons de Patricia Saboia pela Index (1997)
>>> Respostas ao Criador das Frutas de Sonia Carneiro Leão pela Do Autor (2010)
>>> Envolvido pela Luz - 3ª de Betty J. Eadie pela Nova Era (1994)
>>> A Era Da Mulher de Alison Maitland pela Campus (2008)
>>> Mais rápido, barato e melhor de Michael Hammer e Outros pela Campus (2011)
COLUNAS >>> Especial O fim dos jornais

Sexta-feira, 3/4/2009
Fim dos jornais, não do jornalismo
Marta Barcellos

+ de 4700 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Lembro-me como se fosse ontem. Eu estava de licença-maternidade. Entre uma troca de fraldas e outra, peguei o jornal e levei um susto: a América Online tinha comprado a Time Warner por US$ 124 bilhões. Em segundos, os neurônios se conectaram e, encharcados de hormônios, chegaram à conclusão de que eu teria que mudar de área quando voltasse ao batente no jornal. Eu era setorista de varejo na Gazeta Mercantil, ou seja, cobria o setor de supermercados, shoppings e lojas em geral. Na minha mente excitada com a revolução recém-descoberta lá fora, no mundo além fraldas, todo tipo de comércio migraria para a internet em alguns meses.

Dias depois percebi o exagero, após uma desgastante tentativa de fazer as compras do mês pelo site Amélia ― domínio pago a preço de ouro pelo grupo Pão de Açúcar a um desses jovens que saíram registrando nomes "geniais" na rede. Mas o meu raciocínio fazia sentido, e ainda hoje faz, quando se pensa em alguns tipos de compra, como a de eletrônicos. Naquele janeiro de 2000, a livraria virtual Booknet já tinha se transformado no site Submarino, uma das experiências de negócios que sobreviveriam ao estouro da bolha. De qualquer forma, hoje acho graça de ter pensado, seriamente, que a internet acabaria com shoppings centers e supermercados.

Um dos problemas de estar no meio de uma revolução em curso é que nossa excitação com o futuro muitas vezes embota a percepção em relação ao presente, ao mundo real que ainda dita as regras. Por isso, na discussão que existe hoje sobre o fim dos jornais, faço questão de manter um pé em cada lado. Consigo entender a euforia dos blogueiros diante da derrocada dos jornais impressos nos Estados Unidos (afinal, os blogs seriam o futuro), mas também a estratégia retrógrada de um jornal ou revista que fecha seu conteúdo para assinantes (afinal, é preciso pagar o salário dos jornalistas no fim do mês). Veja bem, nas frases acima, embaralhei de propósito pontos de vista "adversários": os blogueiros não conseguem esconder sua inconsequência diante do caos, os jornais são anacrônicos e só pensam no curto prazo.

Não, eu não vou cair na tentação de colocar mais lenha nessa fogueira, que já arde sozinha há tempos. Minha bola de cristal certamente anda embaçada por tanta fumaça, e lembrem que cheguei a acreditar piamente que os shoppings ficariam vazios por causa das compras pela internet. Mais prudente não fazer previsões de longo prazo.

O que dá para dizer, hoje, é que os mais jovens preferem se informar por meio da internet a sujar a mão abrindo desajeitados jornais. Que os sites de conteúdo e informações ainda não descobriram uma maneira de se financiar, a ponto de suportar uma estrutura de apuração semelhante àquela em que o jornalismo atual se apoia. Que há espaço para muitas experiências na rede, mas não há dinheiro de investidores sobrando. Que credibilidade, quando se trata de informação, é muito importante. Que as marcas dos grandes grupos de mídia guardam uma forte imagem de credibilidade, mas estão perdendo relevância nos sistemas de busca na internet. Que os jornalistas andam alheios e atrasados em relação a quase tudo o que acontece na rede.

A transição para o futuro, seja ele qual for, poderá ser longa. O modelo de patrocínio, por exemplo, já é uma realidade para alguns veículos, que fazem cadernos especiais de interesse dos anunciantes, mantendo (quase) intacta a credibilidade de seu noticiário e reportagens principais. Essa parceria pode migrar do papel para a tela tranquilamente, no momento em que isso for conveniente para jornais, revistas e anunciantes. O modelo de assinaturas e de micropagamentos também pode dar fôlego ao jornalismo especializado que oferecer conveniência ou informações que não costumam ser compartilhadas na rede, como as financeiras. Muita gente pagará por um clique no celular para saber por que o trânsito está parado, ou fará uma assinatura para ter dicas exclusivas de investimentos.

Oportunidades assim, aliás, estão disponíveis hoje para qualquer empreendedor ― e esse é o grande barato da internet. Por enquanto, porém, as boas experiências de conteúdo de qualidade na rede partem apenas dos modelos colaborativos ― a propagada "monetização" cobre no máximo o salário dos administradores dos sites. No jornalismo, ninguém duvida que os "furos" dos blogueiros, e agora twitteiros, vieram para ficar. Espalhados pelo planeta, compartilhando ao vivo fotos e notícias fresquinhas, eles parecem mesmo imbatíveis.

Só que o jornalismo não é só isso. Coberturas maçantes e importantes exigem jornalistas dedicados e remunerados. Confesso que não consigo imaginar um fluxo constante de informações bem apuradas, razoavelmente isentas e editadas com critério sem uma estrutura parecida com a de um jornal. Mas, vá lá, digamos que seja possível criar algo novo, sem hierarquia, com mais agilidade e autonomia, reinventando o jornalismo. Mesmo assim, para a sociedade estar bem informada sobre seus políticos, seus governantes, sobre as empresas, a economia, será necessário algum modelo que inclua profissionais comprometidos exclusivamente com esta função.

O que vai acontecer, se o jornalismo não encontrar na internet uma forma de se tornar autossustentável, seja com as antigas marcas dos jornais ou com novas, criadas por blogueiros e empreendedores da rede? Pode ser que ninguém sinta falta. Pode ser que a sociedade se mobilize, por achar relevante o papel da imprensa escrita. Na semana passada, por exemplo, um senador democrata propôs a isenção de impostos aos jornais americanos. Mas pode ser também que nada disso aconteça. Ao contrário, quem sabe os jornais se tornarão cult e conviverão harmonicamente com sites turbinados por rios de dinheiro dos investidores que não sabiam onde aplicar depois do fim da crise de 2009 (lembra dela?). Quanto aos shoppings e supermercados, eles estarão lotados, é claro. E você vai continuar brigando por uma vaga no estacionamento.

Nota do Editor
Marta Barcellos mantém o blog Espuminha de leite.


Marta Barcellos
Rio de Janeiro, 3/4/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Manual para revisores novatos de Ana Elisa Ribeiro
02. Sem cortes, o pai do teatro realista de Tais Laporta
03. Um brasileiro no Uzbequistão (IV) de Arcano9
04. Uma pirueta, duas piruetas, bravo, bravo! de Adriana Baggio
05. O Tigrão vai te ensinar de Rafael Lima


Mais Marta Barcellos
Mais Acessadas de Marta Barcellos em 2009
01. Gostar de homem - 25/9/2009
02. Simplesmente feliz - 24/4/2009
03. Escrever pode ser uma aventura - 3/7/2009
04. Palavras que explodem no chão - 19/6/2009
05. Fim dos jornais, não do jornalismo - 3/4/2009


Mais Especial O fim dos jornais
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
6/4/2009
15h48min
Olá, Marta, concordo com ideias expostas no texto. Sou repórter de jornal impresso, mas não deixo de me atualizar sobre Web também. Há muito lero-lero, desconhecimento e "afobismo" dos dois lados. Se fosse acabar hoje com os jornais e depender de blogs, estariamos perdidos. E, engraçado, o mesmo vale para o contrário. E assim: eu também acredito ser difícil um monte de gente apurar assuntos por pura paixão, sem ganhar nada. Isso não existe. E se é pra ter gente inexperiente (tem blogueiros aos montes, jornalistas também) se metendo em assunto que não entende, nem Web nem jornal não vão servir pra nada, talvez pra piorar as coisas. Aí entra o "jornalismo cidadão" e tal. Legal é que numa lista de debates de cidadãos, vai poder entrar a assessoria e convencer um monte de gente. Vai poder entrar gente camuflada pra plantar mentiras, boatos também. Até porque a Web se assemelha à TV nesse afoite. Vide o que pipoca todo dia sobre BBB e que não é averiguado. Bom o teu blog também. Abraço.
[Leia outros Comentários de Rogério Kreidlow]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Inovações no Código de Processo Civil
J. J. Calmon de Passos (2ª Edição)
Forense
(1995)



Desativação de Mina Conceitos Planejamento e Custos
José Baptista de Oliveira Júnior
Edufba
(2006)



Como Ser um Gestor de Sucesso
Diego Maia
Cdpv
(2012)



Manual Simplificado de Direito Constitucional para Concursos
Max Kolbe
Vestcom
(2012)



Talk Talk
T C Boyle
Dtv
(2008)



Da Posse e das Ações Possessorias
Tito Fulgêncio (encadernado)
Saraiva
(1936)



Spiral Guides Mallorca
Carol Baker
Aaa
(2001)



Apache Server Comentarios Detalhados do Codigo do Apache Server
Greg Holden
Makron Books
(2001)



Opinião Pública: Técnicas de Formação e Problemas de Controle
Sarah Chucid da Viá
Loyola
(1983)



Ticumbi Cadernos de Folclore Nº 12
Guilherme Santos Neves
Funarte (rj)
(1976)





busca | avançada
82631 visitas/dia
2,6 milhões/mês