Um olhar sobre Múcio Teixeira | Celso A. Uequed Pitol | Digestivo Cultural

busca | avançada
68983 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Chamada Vale recebe cadastro de cerca de 3 mil projetos
>>> Lançamento do Mini Doc Tempo dell'Anima
>>> Cinema in Concert com João Carlos Martins une o cinema à música sinfônica em espetáculo audiovisual
>>> Editora Unesp lança 20 livros para download gratuito
>>> Bruno Zolotar ensina como fortalecer a marca e ampliar vendas no mundo editorial
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A redoma de vidro de Sylvia Plath
>>> Mas se não é um coração vivo essa linha
>>> Zuza Homem de Mello (1933-2020)
>>> Eddie Van Halen (1955-2020)
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - II
>>> Vandalizar e destituir uma imagem de estátua
>>> Partilha do Enigma: poesia de Rodrigo Garcia Lopes
>>> Meu malvado favorito
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Nem morta!
Colunistas
Últimos Posts
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
>>> Como elas publicavam?
>>> Van Halen no Rock 'n' Roll Hall of Fame
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
>>> Sebo de Livros do Seu Odilon
Últimos Posts
>>> Normal!
>>> Os bons companheiros, 30 anos
>>> Briga de foice no escuro
>>> Alma nua
>>> Perplexo!
>>> Orgulho da minha terra
>>> Assim ainda caminha a humanidade
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A soberba de Beauvoir
>>> Somos todos consumidores
>>> Genealogia da Moral, de Nietzsche
>>> Virtual cai na real
>>> Literatura universal do Sul
>>> Clair de lune, de Debussy, por Lang Lang
>>> André Bazin e a crítica como militância
>>> Em Cena: Um Casal Admirável
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> O elogio da narrativa
Mais Recentes
>>> Dicionario biografico de ruas de atibaia--volume 1. de Pea pela Pea
>>> As viagens da nuvem mixirica de Angella lemos pela St5
>>> Na Rota do Perigo de Marcos Rey pela Ática (1991)
>>> Salada russa--salada tropical e mais 100 receitas de saladas de Ediouro pela Ediouro
>>> Ética e Cidadania de Carla Rodrigues e Herbert de Souza pela Moderna (1994)
>>> Pode Servir o Vinho de Cynthia Freeman pela Record (1980)
>>> Céu, inferno e além: o pós-morte na história das religiões de Deuzair José da Silva e Eduardo Gusmão de Quadros pela Brazil Publishing (2020)
>>> Pompa e circunstância de Gerson Donato pela Brazil Publishing (2020)
>>> A ressignificação do Direito a partir da pandemia do novo Coronavírus de Denilson Mascarenhas Gusmão, Luciano Souto Dias, Mírian Célia Gonçalves de Almeida e Teodolina Batista da Silva Cândido Vitório pela Brazil Publishing (2020)
>>> Testes de raciocinio de Horacio de paula pela Discubra (1971)
>>> Planejamento Participativo nas aulas de Educação Física Escolar: significados existentes nesta proposta de Peterson Amaro da Silva e Neide de Aquino Noffs pela Brazil Publishing (2020)
>>> Os segredos da boa culinaria rural de Senar pela Senar
>>> O polvo & outras historias de Varios pela Ases
>>> Menino de engenho de Jose lins do rego pela Jose olympio (1993)
>>> Nintendo world--25--2 anos--fomos ao japao e trouxemos todas as informaçoes sobre os dois novos consoles de Conrad pela Conrad
>>> Nintendo world--12--shadow man de Conrad pela Conrad
>>> Xbox--87--xbox one de Europa pela Europa
>>> Xbox--113--call of duty de Europa pela Europa
>>> Xbox--103--the witcher rild hunt 3 de Europa pela Europa
>>> Xbox--109--74 jogos matadores de Europa pela Europa
>>> Xbox--104--tomb raider de Europa pela Europa
>>> Xbox--107--star wars--battlefront de Europa pela Europa
>>> Xbox 360--80--assassins creed iv:black flag de Europa pela Europa
>>> Xbox 360--76--devil may cry de Europa pela Europa
>>> Xbox--96--battlefield hardline de Europa pela Europa
>>> Xbox 360--82--titanfall de Europa pela Europa
>>> Playstation--21--tudo sobre a loirinha sensual de Europa pela Europa
>>> Playstation--194--assassi creed:unity de Europa pela Europa (2014)
>>> Xbox--106--mortal kombat x de Europa pela Europa
>>> Xbox--111--quantum break de Europa pela Europa
>>> A quinta raça de Trigueirinho pela Pensamento
>>> A sabedoria interior de Irving oyle/susan jean pela Cultrix/pensamento
>>> Os sonhos de Quevedo pela Escala
>>> Tempo de retiro e tempo de vigilia de Trigueirinho pela Pensamento
>>> Erich von daniken em julgamento--polemica e discussao em todo o mundo--os deuses habtitaram a terra? de Melhoramentos pela Melhoramentos
>>> Projeçoes da consciencia de Waldo vieira pela Ak (1981)
>>> Ide e evangelizai os batizados de Jose h. prado flores pela Loyola
>>> Voce e aquilo que pensa de Jose sometti pela Cidade nova
>>> Guia pratico do zodiaco chines de Melanie claire pela Pensamento
>>> Em busca da vitoria de Darwin junior pela Ab
>>> O fogo criador de J. j. van der leeuw pela Pensamento
>>> Isaac Newton e sua Maçã de Kjartan Poskitt pela Cia das Letras (2011)
>>> Hei de vencer de Arthur riedel pela Pensamento
>>> Tráfico de Anjos de Luiz Puntel pela Ática (2010)
>>> Sou uma adolescente de Nuria roca pela Arxjovem
>>> O Grande Desafio de Pedro Bandeira pela Ática (2008)
>>> Bernardo o higgins de Gabriel passeti pela Nao consta
>>> Cadernos do beiral de Euclides sandoval pela Camara clara
>>> Papai Não é Perfeito de Sonia Salerno Forjas pela FTD (2007)
>>> Quatro num fusca de Esdras do nascimento pela Ediçoes de ouro
COLUNAS

Terça-feira, 12/2/2019
Um olhar sobre Múcio Teixeira
Celso A. Uequed Pitol

+ de 11800 Acessos

Quem quiser falar sobre Múcio Teixeira para um portoalegrense não deve esperar grande reação. A única referência a ele mais ou menos conhecida da população da capital é a rua do bairro Menino Deus que leva o seu nome. Os conterrâneos do poeta não têm ideia de quem foi Múcio e nem do motivo pelo qual nomeia uma via de sua cidade natal. Sequer sabem, aliás, que era poeta; e, naturalmente, não sabem que foi um artista celebrado, considerado pelo crítico português Teixeira Bastos como “um dos primeiros poetas do Brasil” em seu tempo, dono de obra traduzida para vários idiomas e respeitada pelos pares e pelo público. Esses conterrâneos, que um dia o aplaudiram, parecem tê-lo esquecido. Mas eu, que também sou conterrâneo de Múcio, não o esqueci – e, se não posso exigir que os leitores de hoje o aplaudam, posso ao menos convida-los a lançar um olhar sobre ele. É o que pretendo fazer neste artigo.

Múcio Scevola Lopes Teixeira nasceu em Porto Alegre em 1857 (1858, segundo algumas fontes). Filho do militar e político Manuel Lopes Teixeira Júnior, passou a infância no Rio de Janeiro e voltou a Porto Alegre ainda muito jovem, a fim de estudar no prestigiado Colégio Gomes. A cidade tinha, então, apenas vinte mil habitantes. Durante a época de colégio, Múcio demonstra uma aptidão precoce para a poesia e, já aos quinze anos, publica seu primeiro livro, “Vozes trêmulas”. No ano seguinte, participa das reuniões da Sociedade Partenon Literário, associação fundada em 1867, sob a liderança de Apolinário Porto Alegre e José Antonio do Vale Caldre e Fião, para promover a literatura, as artes e as discussões sociais e políticas de relevo. Em 1875 publica “Violetas”; em 1877, “Sombras e Clarões”; e em 1880, “Novos Ideais”: até os vinte e dois anos somará dezesseis livros publicados. O currículo impressiona pelo tamanho e pela variedade: inclui, além de poesia, o romance, a crítica, o ensaio histórico, a biografia e a crônica. E a produção não para: em 1882 publica “Prismas e vibrações”, e em 1885 a coletânea “Hugonianas”, de traduções de poemas de seu mestre Victor Hugo. Ao mesmo tempo, escreve para jornais e revistas das cidades onde reside - Porto Alegre, Rio de Janeiro, Salvador e Caracas, na Venezuela, exercendo, nesta última, a função de cônsul-geral do Brasil. Em Caracas, publica volumes em castelhano – algo pouco frequente, na época, para autores brasileiros - e recebe a grã-cruz do Libertador Simón Bolivar.

Múcio foi muito celebrado em toda parte. Na sequência de suas primeiras publicações, o jornalista Karl Von Koseritz via no jovem poeta um "talento robusto", enquanto o Visconde de Taunay, autor de "Inocência", elogiava o artista "espontâneo, verdadeiro, cheio de inspirações subjetivas". E o artista ganhou fama: em 1888, um entusiasmado Carlos de Laet dizia que a reputação de Múcio como grande poeta já não podia ser posta em dúvida. Mesmo um parnasiano como Raimundo Correia, que recriminava a filiação de Múcio a certa poesia de cunho social (algo frequente, aliás, no Partenon Literário do qual fizera parte), foi obrigado a reconhecer em "Primas e vibrações" a presença de "poesias esplêndidas, de formosura e sonoridade estranhas". Sílvio Romero, o mais importante crítico brasileiro da época, elogiou a abordagem realista da vida pampeana em "Flores do pampa”, opondo-as aos excessos formalistas dos parnasianos e seus "alexandrinos cheios de párias, de crimes esverdeados, de alcouces e barregas". Múcio, segundo ele, estava acima de tudo isso. O julgamento do crítico potiguar é claro: "Seu talento promete ainda mais".

A avaliação de Silvio Romero trazia, contudo, um aviso a Múcio: "Seu temperamento é e será sempre o de um poeta. Dificilmente tomará outra direção. Nem ele deve fugir ao seu destino; no meio do nosso pavoroso epigonismo literário, está predestinado a representar um grande papel". E Múcio, como veremos em breve, não prestou a devida atenção nesse aviso. Mas parecia ciente do destino mencionado por Romero. É o que podemos ler em seu poema de juventude “Profissão de fé”:

Fruto do amor dum justo e duma santa,
Eu não podia ser senão poeta;
Doirou-me o berço a estrela do profeta
Por isso é que meu estro se alevanta

Logo a seguir, ele confessa:

Quando nos versos meus a Musa canta,
E arde a rima na estrofe predileta,
Muita emoção incógnita e secreta
Nas almas vibra....e os corações encanta!


Múcio guardou emoções incógnitas e secretas por muito tempo. Precisava conhece-las melhor; e, na poesia, não encontrou as respostas adequadas. Buscou-as, então, em outro caminho: o do ocultismo. Nessa altura, Múcio vive uma transformação: passa a chamar-se Barão Ergonte e dedica-se ao estudo da alquimia, da astrologia, das artes adivinhatórias e dos mistérios antigos e modernos. Em jornais e revistas já não publica contos, crônicas e poemas, mas sim colunas de adivinhação e artes mágicas: chega mesmo a lançar um almanaque sobre o tema. Em sua atuação como vidente, anuncia, por exemplo, a morte de Ruy Barbosa para 1911. Passa o ano, e mais outro, e mais outro: o jurista baiano só deixará este mundo em 1923. A profecia de Múcio não se realiza. A maioria de suas profecias não se realiza. Sob a capa de Barão Ergonte, cai primeiro em descrédito, e depois, no ridículo. Quem o conheceu como artista não escondia a amargura: o outrora entusiasmado Carlos de Laet, por exemplo, exorta o poeta recém-tornado profeta a deixar aquilo tudo e retornar aos versos: “Quando virdes uma profecia do Múcio, ride, a bom rir, porque será mais uma pilhéria. E fazeis comigo votos para que lhe passe a mania hierofântica. Nesse dia ganharíamos o brilhante poeta de outros tempos”.

Mas o riso dos outros não o incomoda. Em 1916, publica “Terra Incógnita”. Nesse livro, o poeta de outros tempos apresenta-se com um homem guiado pelos “espíritos imortais”, e a eles dedica os derradeiros versos que compõe. No texto de apresentação, intitulado “Gênese Espiritual”, retoma o itinerário percorrido a partir da infância e da juventude, quando descobre a vida de poeta, até a maturidade, quando a abandona: “E foi assim que eu, que tive os sonhos da poesia desde que saí do berço, tenho as visões do acordado, agora que vou me encaminhando para a cova”. Nesse caminho Múcio seguiu até o fim de sua vida, no dia 8 de agosto de 1926. O obituário do “Correio da Manhã” de 10 de agosto de 1926 noticiou o falecimento de um “vulto curioso” das letras brasileiras, dono de uma "vida incerta e irregular, cheia de altos e baixos", que "oferece uma sucessão de fatos pitorescos de tudo". Múcio, o poeta cujo talento tanto prometia, terminava seus dias como uma figura excêntrica, quase cômica. Seu enterro, de acordo com o jornal, “foi o mais pobre e modesto que se possa imaginar”.

O caminho escolhido por Múcio afastou-o dos leitores; afastou-o, também, da memória da posteridade. Mas essa não parece ser a única razão para o esquecimento de seu nome: alguns mencionam, por exemplo, a dificuldade em enquadra-lo fixamente dentro das correntes literárias de sua época. Outros falam em um problema político: sendo amigo de Dom Pedro II, permaneceu fiel ao imperador após a proclamação da República e não gozou da simpatia dos novos donos do poder. Os motivos são muitos; nenhum deles, razoável. Por isso, ao finalizar este breve percurso, renovo o convite para que o leitor lance um olhar, compreensivo e crítico, sobre a obra de Múcio Teixeira – e espero que, na memória de seus conterrâneos, ele passe a ser algo mais do que um nome de rua em Porto Alegre.


Celso A. Uequed Pitol
Canoas, 12/2/2019


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Primavera para iniciantes de Elisa Andrade Buzzo
02. Brochadas, romance inquietante de Jacques Fux de Jardel Dias Cavalcanti
03. Mente Turbinada e Brasil na Copa de Marilia Mota Silva
04. Ninfomaníaca: um ensaio sob forma de cinema de Wellington Machado
05. Desejo estéril de Vicente Escudero


Mais Celso A. Uequed Pitol
Mais Acessadas de Celso A. Uequed Pitol
01. Dom Quixote, matriz de releituras - 8/3/2005
02. Um olhar sobre Múcio Teixeira - 12/2/2019
03. O Orkut é coisa nossa - 16/2/2006
04. A profecia de Os Demônios - 6/1/2005
05. Reflexões sobre a Liga Hanseática e a integração - 29/5/2018


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




DIREITO TRIBUTÁRIO PARA APRENDER DIREITO 7
MARCOS ANTÔNIO E MAURO SILVA
BARROS , FISHER E ASSOCIADOS
(2005)
R$ 5,00



OS GRANDES LÍDERES DENG XIAOPING
WENDY LUBETKIN
NOVA CULTURAL
(1988)
R$ 6,80



HISTORIA BURITI PLUS 4
MODERNA
MODERNA
(2018)
R$ 163,00



JUDY MOODY VOLUME 1
MEGAN MCDONALD
WALKER BOOKS UK
(2000)
R$ 19,81



O LIVRO DE OSWALDO
REJANE MACHADO
EDIOURO
(2000)
R$ 5,07



MARGARIDAS-DO-CAMPO: NOVELAS E CONTOS
SANTO CREMASCO
MASSONI
(2009)
R$ 8,87



MOLECAGEM
LUIZ CLAUDIO CARDOSO
SCIPIONE
(1990)
R$ 5,00



O RÉU E O REI
PAULO CESAR DE ARAÚJO
COMPANHIA DAS LETRAS
(2014)
R$ 18,56



ENTRE DOIS MUNDOS
DIVERSOS
ESTAÇÃO LIBERDADE
(2000)
R$ 10,00



TECNICA OPERATORIA ESQUEMATISADA FASCICULO II - 22 OPERAÇÕES DE ADBOME
ALFREDO MONTEIRO
CALVINO FILHO
(1934)
R$ 25,68





busca | avançada
68983 visitas/dia
2,1 milhões/mês