Um olhar sobre Múcio Teixeira | Celso A. Uequed Pitol | Digestivo Cultural

busca | avançada
38827 visitas/dia
1,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
>>> Do inferno ao céu
>>> Meninos, eu vi o Bolsonaro aterrando
>>> Manual para revisores novatos
>>> A Copa, o Mundo, é das mulheres
>>> O espelho quebrado da aurora, poemas de Tito Leite
Colunistas
Últimos Posts
>>> 100 nomes da edição no Brasil
>>> Eu ganhei tanta coisa perdendo
>>> Toda forma de amor
>>> Harvard: o que não se aprende
>>> Pedro Cardoso em #Provocações
>>> Homenagem a Paulo Francis
>>> Arte, cultura e democracia
>>> Mirage, um livro gratuito
>>> Lançamento de livro
>>> Jornada Escrita por Mulheres
Últimos Posts
>>> João Gilberto: o mito
>>> Alma em flor
>>> A mão & a luva
>>> Pesos & Contra-pesos
>>> Grito primal II
>>> Calcanhar de Aquiles
>>> O encanto literário da poesia
>>> Expressão básica II
>>> Expressão básica
>>> Minha terra, a natureza viva.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Os Romances de Mainardi
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> O longo sucesso de Guerra nas Estrelas
>>> Divórcio, de Ricardo Lísias
>>> Quanto custa rechear seu Currículo Lattes
>>> Paulo César Saraceni (1933-2012)
>>> Depois do ensaio
>>> Arte, cultura e democracia
>>> O Presépio e o Artesanato Figureiro de Taubaté
>>> O Vendedor de Passados
Mais Recentes
>>> Lyra Theatral. Monólogos, Cançonetas e Scenas Comicas de J. Vieira Pontes pela C. Teixeira & Cia. (1927)
>>> O Velho da Praça (Conte outra Vez) de Antonieta Dias de Moraes pela Atual/ Sp. (1993)
>>> Viver é uma Grande Aventura de Giselda Laporta Nicolélis / Ilustr. Semíramis Paterno pela Atual (1994)
>>> Viver é uma Grande Aventura de Giselda Laporta Nicolélis / Ilustr. Semíramis Paterno pela Atual (1994)
>>> Viver é uma Grande Aventura de Giselda Laporta Nicolélis / Ilustr. Semíramis Paterno pela Atual (1994)
>>> A Visitação do Amor - uma História Mágica Em Dó Menor de Jorge Miguel Marinho / Ilustr. Odilon Moraes pela Atual/ Sp. (1996)
>>> O Livro dos Guppies de Leon F. Whitney e Paul Hahnel pela Editorial Presença: M. Fontes (1980)
>>> Brasília: Patrimônio da Humanidade (um Relatório) de Osvaldo Peralva/ Capa: Lucio Costa pela Brasília/ DF (1985)
>>> Germinal de Emile Zola pela Bruguera (1969)
>>> Contos da Infância e da Adlescência de Luiz Vilela pela Ática/ SP. (1996)
>>> Contos da Infância e da Adlescência de Luiz Vilela pela Ática/ SP. (1998)
>>> As Sete Leis Espirituais do Sucesso e Criando Prosperidade de Deepak Chopra pela Bestbolso (2011)
>>> Análise das Coisas de Paul Gibier pela Feb (1981)
>>> Introducción Al Dibujo (Curso de Arte) de Jason Bowyer pela Blume/ Barcelona (1992)
>>> A Voz do Antigo Egito de Francisco Valdomiro Lorenz pela Feb (1987)
>>> Cristianismo e Espiritismo de Léon Denis pela Feb (1994)
>>> Socialismo e Espiritismo de Léon Denis pela Casa Ed. O Clarim (1982)
>>> Alucinado Som de Tuba (sinal Aberto) de Frei Betto pela Ática/ SP. (1997)
>>> Alucinado Som de Tuba (sinal Aberto) de Frei Betto pela Ática/ SP. (1995)
>>> Alucinado Som de Tuba (sinal Aberto) de Frei Betto pela Ática/ SP. (1993)
>>> Estude e Viva de Francisco Cândido Xavier e Waldo Vieira pela Feb (1986)
>>> Utopia e Paixão de Roberto Freire/ Fausto Brito pela Rocco/ RJ. (1986)
>>> E a Vida Continua de Francisco Cândido Xavier pela Feb (1992)
>>> Utopia e Paixão de Roberto Freire/ Fausto Brito pela Guanabara Koogan (1985)
>>> No Mundo Maior de Francisco Cândido Xavier pela Feb (1991)
>>> Evolução em Dois Mundos de Francisco Cândido Xavier e Waldo Vieira pela Feb (1991)
>>> Nos Domínios da Mediunidade de Francisco Cândido Xavier pela Feb (1993)
>>> As Revoluções do Século XX / O Socialismo: Utopia Prática/ Rússia, China e Cuba/ A Guerra Fria de Ricardo de Moura Faria/ Autografado pela Contexto (2001)
>>> O Caminho da Passarela: Tudo o que Voce Sempre Quis Saber... de Claudia Liz pela Prestigio (2006)
>>> Filosofia do Estado Em Hegel (capa Dura) de Célio César Paduani pela Mandamentos/ Belo Horizonte (2005)
>>> Um Deus Dentro Dele/ um Diabo Dentro de Mim de Nilza Rezende/ Apres.: Affonso Romano de Sant Anna pela Record/ RJ. (2003)
>>> A Terceira Perna de Vilma Arêas pela Brasiliense
>>> Top Notch Fundamentals B with ActiveBook - Second Edition de Joan M. Saslow, Allen Ascher pela Person Longman (2011)
>>> O Cálculo com Geometria Analítica - volume 1 de Louis Leithold pela Harbra (1986)
>>> Prática Forense: Processo Civil- Direito Civil...:Atual. com Novo Código Civil Brasileiro e Alterações do CPC 2002 de João Roberto Parizatto/ Rénan Kfuri Lopes pela Edipa: Ed. Parizatto (2003)
>>> O Guia do Mochileiro das Galáxias - Volume um da Trilogia de Cinco de Douglas Adams pela Sextante (2009)
>>> Direito de Família / Encadernado de Orlando Gomes pela Forense (1984)
>>> A Velhinha De Taubaté de Luis Fernando Veríssimo pela Lpm (1986)
>>> Coletânea de Legislação Notarial e de Registro (2012)/ Capa Dura de Wânia do Carmo de Carvalho Triginelli/ Marinella Machado Araujo (Organizadoras) pela Recivil/ Belo Horizonte (2012)
>>> Manifesto da Poesia Pau-Brasil - Manifesto Antropófago - O Rei da Vela de Oswald de Andrade pela Paz e Terra (1996)
>>> Os Maias de Eça de Queiroz pela Landy (2001)
>>> É Tudo Tão Simples de Danuza Leão pela Agir (2011)
>>> Luiza Brunet de Laura Malin pela Sextante (2013)
>>> Vencer É Ser Você de Eduardo Ferraz pela Gente (2012)
>>> Empreenda Sem Fronteiras de Bruno Pinheiro pela Gente (2016)
>>> Sonho Grande de Cristiane Correa pela Sextante (2013)
>>> Inglaterra - Grandes Civilizações do Passado de Grandes Civilizações do Passado pela Folio (2006)
>>> Índia Ontem e Hoje - Grandes Civilizações do Passado de Gordon Johnson pela Folio (2006)
>>> Índia Antiga - Grandes Civilizações Do Passado de Marilia Albanese pela Folio (2005)
>>> O Mundo Asteca e Maia - Grandes Civilizações do Passado de Charles Phillips pela Folio (2007)
COLUNAS

Terça-feira, 12/2/2019
Um olhar sobre Múcio Teixeira
Celso A. Uequed Pitol

+ de 4500 Acessos

Quem quiser falar sobre Múcio Teixeira para um portoalegrense não deve esperar grande reação. A única referência a ele mais ou menos conhecida da população da capital é a rua do bairro Menino Deus que leva o seu nome. Os conterrâneos do poeta não têm ideia de quem foi Múcio e nem do motivo pelo qual nomeia uma via de sua cidade natal. Sequer sabem, aliás, que era poeta; e, naturalmente, não sabem que foi um artista celebrado, considerado pelo crítico português Teixeira Bastos como “um dos primeiros poetas do Brasil” em seu tempo, dono de obra traduzida para vários idiomas e respeitada pelos pares e pelo público. Esses conterrâneos, que um dia o aplaudiram, parecem tê-lo esquecido. Mas eu, que também sou conterrâneo de Múcio, não o esqueci – e, se não posso exigir que os leitores de hoje o aplaudam, posso ao menos convida-los a lançar um olhar sobre ele. É o que pretendo fazer neste artigo.

Múcio Scevola Lopes Teixeira nasceu em Porto Alegre em 1857 (1858, segundo algumas fontes). Filho do militar e político Manuel Lopes Teixeira Júnior, passou a infância no Rio de Janeiro e voltou a Porto Alegre ainda muito jovem, a fim de estudar no prestigiado Colégio Gomes. A cidade tinha, então, apenas vinte mil habitantes. Durante a época de colégio, Múcio demonstra uma aptidão precoce para a poesia e, já aos quinze anos, publica seu primeiro livro, “Vozes trêmulas”. No ano seguinte, participa das reuniões da Sociedade Partenon Literário, associação fundada em 1867, sob a liderança de Apolinário Porto Alegre e José Antonio do Vale Caldre e Fião, para promover a literatura, as artes e as discussões sociais e políticas de relevo. Em 1875 publica “Violetas”; em 1877, “Sombras e Clarões”; e em 1880, “Novos Ideais”: até os vinte e dois anos somará dezesseis livros publicados. O currículo impressiona pelo tamanho e pela variedade: inclui, além de poesia, o romance, a crítica, o ensaio histórico, a biografia e a crônica. E a produção não para: em 1882 publica “Prismas e vibrações”, e em 1885 a coletânea “Hugonianas”, de traduções de poemas de seu mestre Victor Hugo. Ao mesmo tempo, escreve para jornais e revistas das cidades onde reside - Porto Alegre, Rio de Janeiro, Salvador e Caracas, na Venezuela, exercendo, nesta última, a função de cônsul-geral do Brasil. Em Caracas, publica volumes em castelhano – algo pouco frequente, na época, para autores brasileiros - e recebe a grã-cruz do Libertador Simón Bolivar.

Múcio foi muito celebrado em toda parte. Na sequência de suas primeiras publicações, o jornalista Karl Von Koseritz via no jovem poeta um "talento robusto", enquanto o Visconde de Taunay, autor de "Inocência", elogiava o artista "espontâneo, verdadeiro, cheio de inspirações subjetivas". E o artista ganhou fama: em 1888, um entusiasmado Carlos de Laet dizia que a reputação de Múcio como grande poeta já não podia ser posta em dúvida. Mesmo um parnasiano como Raimundo Correia, que recriminava a filiação de Múcio a certa poesia de cunho social (algo frequente, aliás, no Partenon Literário do qual fizera parte), foi obrigado a reconhecer em "Primas e vibrações" a presença de "poesias esplêndidas, de formosura e sonoridade estranhas". Sílvio Romero, o mais importante crítico brasileiro da época, elogiou a abordagem realista da vida pampeana em "Flores do pampa”, opondo-as aos excessos formalistas dos parnasianos e seus "alexandrinos cheios de párias, de crimes esverdeados, de alcouces e barregas". Múcio, segundo ele, estava acima de tudo isso. O julgamento do crítico potiguar é claro: "Seu talento promete ainda mais".

A avaliação de Silvio Romero trazia, contudo, um aviso a Múcio: "Seu temperamento é e será sempre o de um poeta. Dificilmente tomará outra direção. Nem ele deve fugir ao seu destino; no meio do nosso pavoroso epigonismo literário, está predestinado a representar um grande papel". E Múcio, como veremos em breve, não prestou a devida atenção nesse aviso. Mas parecia ciente do destino mencionado por Romero. É o que podemos ler em seu poema de juventude “Profissão de fé”:

Fruto do amor dum justo e duma santa, Eu não podia ser senão poeta; Doirou-me o berço a estrela do profeta Por isso é que meu estro se alevanta

Logo a seguir, ele confessa: Quando nos versos meus a Musa canta, E arde a rima na estrofe predileta, Muita emoção incógnita e secreta Nas almas vibra....e os corações encanta!

Múcio guardou emoções incógnitas e secretas por muito tempo. Precisava conhece-las melhor; e, na poesia, não encontrou as respostas adequadas. Buscou-as, então, em outro caminho: o do ocultismo. Nessa altura, Múcio vive uma transformação: passa a chamar-se Barão Ergonte e dedica-se ao estudo da alquimia, da astrologia, das artes adivinhatórias e dos mistérios antigos e modernos. Em jornais e revistas já não publica contos, crônicas e poemas, mas sim colunas de adivinhação e artes mágicas: chega mesmo a lançar um almanaque sobre o tema. Em sua atuação como vidente, anuncia, por exemplo, a morte de Ruy Barbosa para 1911. Passa o ano, e mais outro, e mais outro: o jurista baiano só deixará este mundo em 1923. A profecia de Múcio não se realiza. A maioria de suas profecias não se realiza. Sob a capa de Barão Ergonte, cai primeiro em descrédito, e depois, no ridículo. Quem o conheceu como artista não escondia a amargura: o outrora entusiasmado Carlos de Laet, por exemplo, exorta o poeta recém-tornado profeta a deixar aquilo tudo e retornar aos versos: “Quando virdes uma profecia do Múcio, ride, a bom rir, porque será mais uma pilhéria. E fazeis comigo votos para que lhe passe a mania hierofântica. Nesse dia ganharíamos o brilhante poeta de outros tempos”.

Mas o riso dos outros não o incomoda. Em 1916, publica “Terra Incógnita”. Nesse livro, o poeta de outros tempos apresenta-se com um homem guiado pelos “espíritos imortais”, e a eles dedica os derradeiros versos que compõe. No texto de apresentação, intitulado “Gênese Espiritual”, retoma o itinerário percorrido a partir da infância e da juventude, quando descobre a vida de poeta, até a maturidade, quando a abandona: “E foi assim que eu, que tive os sonhos da poesia desde que saí do berço, tenho as visões do acordado, agora que vou me encaminhando para a cova”. Nesse caminho Múcio seguiu até o fim de sua vida, no dia 8 de agosto de 1926. O obituário do “Correio da Manhã” de 10 de agosto de 1926 noticiou o falecimento de um “vulto curioso” das letras brasileiras, dono de uma "vida incerta e irregular, cheia de altos e baixos", que "oferece uma sucessão de fatos pitorescos de tudo". Múcio, o poeta cujo talento tanto prometia, terminava seus dias como uma figura excêntrica, quase cômica. Seu enterro, de acordo com o jornal, “foi o mais pobre e modesto que se possa imaginar”.

O caminho escolhido por Múcio afastou-o dos leitores; afastou-o, também, da memória da posteridade. Mas essa não parece ser a única razão para o esquecimento de seu nome: alguns mencionam, por exemplo, a dificuldade em enquadra-lo fixamente dentro das correntes literárias de sua época. Outros falam em um problema político: sendo amigo de Dom Pedro II, permaneceu fiel ao imperador após a proclamação da República e não gozou da simpatia dos novos donos do poder. Os motivos são muitos; nenhum deles, razoável. Por isso, ao finalizar este breve percurso, renovo o convite para que o leitor lance um olhar, compreensivo e crítico, sobre a obra de Múcio Teixeira – e espero que, na memória de seus conterrâneos, ele passe a ser algo mais do que um nome de rua em Porto Alegre.


Celso A. Uequed Pitol
Canoas, 12/2/2019


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Uma Receita de Bolo de Mel de Heloisa Pait
02. As pedras de Estevão Azevedo de Wellington Machado
03. O Vendedor de Passados de Marilia Mota Silva
04. Sabemos pensar o diferente? de Guilherme Carvalhal
05. YouTube, lá vou eu de Adriane Pasa


Mais Celso A. Uequed Pitol
Mais Acessadas de Celso A. Uequed Pitol
01. Dom Quixote, matriz de releituras - 8/3/2005
02. O Orkut é coisa nossa - 16/2/2006
03. A profecia de Os Demônios - 6/1/2005
04. Reflexões sobre a Liga Hanseática e a integração - 29/5/2018
05. O ensaísta Machado de Assis - 8/9/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




OSCAR WILDE: THE COMPLETE WORKS ILLUSTRATED
OSCAR WILDE
BARNES AND NOBLE
(2007)
R$ 148,00
+ frete grátis



CURSO PREPARATÓRIO DE ESPIRITISMO
FEDERAÇÃO ESPÍRITA DO ESTADO DE SÃO PAULO
FEESP
(2000)
R$ 4,50



COZINHAS DA ITÁLIA - 7 SARDENHA 4224
FOLHA DE SÃO PAULO
FOLHA DE SÃO PAULO
(2011)
R$ 13,00



ACIDENTES DE TRABALHO COM MATERIAL BIOLÓGICO NA EQUIPE DE ENFERMAGEM
DNIEBER CHAGAS DE ASSIS, DEISY V. RESENDE UND MÁRIO A. S. MIRANZI
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 251,00



SEMENTES PARA UM MUNDO MELHOR
IVAN DUTRA
EME
(2000)
R$ 9,27



A VERDADE SOBRE O AMOR - EDUCAÇÃO SEXUAL DOS 12 AOS 15 ANOS
MARIA-CLÁUDIA MONCHAUX
EDIÇÕES PAULINAS
(1976)
R$ 5,00



DONA ANJA
JOSUÉ GUIMARÃES
CIRCULO DO LIVRO
(1985)
R$ 13,00



MARÉS BÁRBARAS - 1550-600 A.C.
EDITORES DE TIME LIFE LIVROS E ABRIL COLEÇÕES
ABRIL LIVROS
(1991)
R$ 12,00



O NATURALISTA NO RIO AMAZONAS 2º VOLUME
HENRY WALTER BATES
BRASILIANA
(1944)
R$ 35,00



PENSADORES
MARIO VITOR SANTOS
REALEJO
(2015)
R$ 54,90





busca | avançada
38827 visitas/dia
1,0 milhão/mês