Um olhar sobre Múcio Teixeira | Celso A. Uequed Pitol | Digestivo Cultural

busca | avançada
62542 visitas/dia
1,7 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Novos projetos do Festival de Dança de Joinville promovem atividades culturais para 120 alunos
>>> Toca do Morcego anuncia agenda primavera/verão 2022/2023
>>> Poeta Ivete Nenflidio lança obra 'Ataque - cale-se agora e para sempre'
>>> Alunos de Ribeirão Preto constroem maquete com trajetória das águas da cidade até o mar
>>> Coletivo oferece eventos de danças angolanas em outubro e novembro
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
>>> Jô Soares (1938-2022)
>>> Casos de vestidos
>>> Elvis, o genial filme de Baz Luhrmann
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
Colunistas
Últimos Posts
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
Últimos Posts
>>> Baby, a chuva deve cair. Blade Runner, 40 anos
>>> Conforme o combinado
>>> Primavera, teremos flores
>>> Além dos olhos
>>> Marocas e Hermengardas
>>> Que porcaria
>>> Singela flor
>>> O cerne sob a casca
>>> Assim é a vida
>>> Criança, minha melhor idade
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Acho que entendi o Roberto Setubal
>>> Layon pinta o silêncio da cidade em quarentena
>>> Francisco Alves, o esquecido rei da voz
>>> Francisco Alves, o esquecido rei da voz
>>> Bréqui Friday
>>> 19 de Outubro #digestivo10anos
>>> Etapas da criação de uma pintura digital * VÍDEO *
>>> Separar-se, a separação e os conselhos
>>> Genealogia da Moral, de Nietzsche
>>> Robinson Shiba do China in Box
Mais Recentes
>>> Participação Popular na Gestão Escolar de Elie Ghanem (organização) pela Ação Educativa (1995)
>>> Nudez Mortal (n. 1) de Nora Roberts / J. D. Robb pela Bertrand (2011)
>>> Não Quero Ficar Gripada de Tony Ross pela Wmf Martins Fontes (2009)
>>> Jornalismo Cultural: Apontamentos, Resenhas e Críticas Sobre Artes Plá de Jorge Anthonio e Silva pela Pantemporâneo (2010)
>>> Resumos Gráficos de Direito do Trabalho de Marcelo Antonio de Oliveira Alves Moura pela Impetus (2014)
>>> Processo Diagnostico T. 2 de Jamil Abuchem pela Dsl (1987)
>>> Predgel - o Messias de Reinaldo Favoreto Júnior pela Somos (2014)
>>> As 10 Melhores Decisões Que os Pais Devem Tomar de Bill Farrel pela Cpad (2008)
>>> Perspectivas do Seminário 5 de Lacan de Jacques-alain Miller pela Jorge Zahar (1999)
>>> Coleção Primeiros Passos : o Que É Amor (de Bolso) de Betty Milan pela Brasilense (1985)
>>> Morte e Vida de Charlie St. Cloud de Ben Sherwood pela Novo Conceito (2010)
>>> Celebracões Espirituais: As Práticas de Oração ao Redor do Mundo de Maggie Oman Shannon pela Pensamento (2009)
>>> Trilogia Paris de Dan Franck pela L&pm Pocket (2017)
>>> Ninguém é de Ninguém de Harold Robbins pela Record (2000)
>>> Cozinha Tropical Brasileira: Mistura Morena de Varios Autores pela Senac
>>> Passo a Passo: Microsoft Office Excel 2007 de Cláudio Belleza Dias pela Bookman (2007)
>>> Essência & Aparência: o Dilema do Século XXI de Cecília de Campos Góes pela Tekoá (2017)
>>> Lepoldianum - Estudos Sobre Filosofia de Varios Autores pela Edições Loyola (1984)
>>> Dc Comics Coleção de Graphic Novels - Solo: Parte 1 de Varios Autores pela Dc Comics
>>> O Seminário, Livro 16: de um Outro ao Outro de Jacques Lacan pela Zahar (2008)
>>> Combatentes de Alá de Ayesha Jalal pela Larousse (2009)
>>> Grande Enciclopédia Médica da Família Vol 3 de Victor Civita pela Abril (1985)
>>> A Mentira do Glúten de Alan Levinovitz pela Citadel (2015)
>>> A Outra Face Col. Super Títulos Estadão de Sidney Sheldon pela Record (2008)
>>> Os Tambores Silenciosos de Josué Guimarães pela L&pm (1997)
COLUNAS

Terça-feira, 12/2/2019
Um olhar sobre Múcio Teixeira
Celso A. Uequed Pitol

+ de 23500 Acessos

Quem quiser falar sobre Múcio Teixeira para um portoalegrense não deve esperar grande reação. A única referência a ele mais ou menos conhecida da população da capital é a rua do bairro Menino Deus que leva o seu nome. Os conterrâneos do poeta não têm ideia de quem foi Múcio e nem do motivo pelo qual nomeia uma via de sua cidade natal. Sequer sabem, aliás, que era poeta; e, naturalmente, não sabem que foi um artista celebrado, considerado pelo crítico português Teixeira Bastos como “um dos primeiros poetas do Brasil” em seu tempo, dono de obra traduzida para vários idiomas e respeitada pelos pares e pelo público. Esses conterrâneos, que um dia o aplaudiram, parecem tê-lo esquecido. Mas eu, que também sou conterrâneo de Múcio, não o esqueci – e, se não posso exigir que os leitores de hoje o aplaudam, posso ao menos convida-los a lançar um olhar sobre ele. É o que pretendo fazer neste artigo.

Múcio Scevola Lopes Teixeira nasceu em Porto Alegre em 1857 (1858, segundo algumas fontes). Filho do militar e político Manuel Lopes Teixeira Júnior, passou a infância no Rio de Janeiro e voltou a Porto Alegre ainda muito jovem, a fim de estudar no prestigiado Colégio Gomes. A cidade tinha, então, apenas vinte mil habitantes. Durante a época de colégio, Múcio demonstra uma aptidão precoce para a poesia e, já aos quinze anos, publica seu primeiro livro, “Vozes trêmulas”. No ano seguinte, participa das reuniões da Sociedade Partenon Literário, associação fundada em 1867, sob a liderança de Apolinário Porto Alegre e José Antonio do Vale Caldre e Fião, para promover a literatura, as artes e as discussões sociais e políticas de relevo. Em 1875 publica “Violetas”; em 1877, “Sombras e Clarões”; e em 1880, “Novos Ideais”: até os vinte e dois anos somará dezesseis livros publicados. O currículo impressiona pelo tamanho e pela variedade: inclui, além de poesia, o romance, a crítica, o ensaio histórico, a biografia e a crônica. E a produção não para: em 1882 publica “Prismas e vibrações”, e em 1885 a coletânea “Hugonianas”, de traduções de poemas de seu mestre Victor Hugo. Ao mesmo tempo, escreve para jornais e revistas das cidades onde reside - Porto Alegre, Rio de Janeiro, Salvador e Caracas, na Venezuela, exercendo, nesta última, a função de cônsul-geral do Brasil. Em Caracas, publica volumes em castelhano – algo pouco frequente, na época, para autores brasileiros - e recebe a grã-cruz do Libertador Simón Bolivar.

Múcio foi muito celebrado em toda parte. Na sequência de suas primeiras publicações, o jornalista Karl Von Koseritz via no jovem poeta um "talento robusto", enquanto o Visconde de Taunay, autor de "Inocência", elogiava o artista "espontâneo, verdadeiro, cheio de inspirações subjetivas". E o artista ganhou fama: em 1888, um entusiasmado Carlos de Laet dizia que a reputação de Múcio como grande poeta já não podia ser posta em dúvida. Mesmo um parnasiano como Raimundo Correia, que recriminava a filiação de Múcio a certa poesia de cunho social (algo frequente, aliás, no Partenon Literário do qual fizera parte), foi obrigado a reconhecer em "Primas e vibrações" a presença de "poesias esplêndidas, de formosura e sonoridade estranhas". Sílvio Romero, o mais importante crítico brasileiro da época, elogiou a abordagem realista da vida pampeana em "Flores do pampa”, opondo-as aos excessos formalistas dos parnasianos e seus "alexandrinos cheios de párias, de crimes esverdeados, de alcouces e barregas". Múcio, segundo ele, estava acima de tudo isso. O julgamento do crítico potiguar é claro: "Seu talento promete ainda mais".

A avaliação de Silvio Romero trazia, contudo, um aviso a Múcio: "Seu temperamento é e será sempre o de um poeta. Dificilmente tomará outra direção. Nem ele deve fugir ao seu destino; no meio do nosso pavoroso epigonismo literário, está predestinado a representar um grande papel". E Múcio, como veremos em breve, não prestou a devida atenção nesse aviso. Mas parecia ciente do destino mencionado por Romero. É o que podemos ler em seu poema de juventude “Profissão de fé”:

Fruto do amor dum justo e duma santa,
Eu não podia ser senão poeta;
Doirou-me o berço a estrela do profeta
Por isso é que meu estro se alevanta

Logo a seguir, ele confessa:

Quando nos versos meus a Musa canta,
E arde a rima na estrofe predileta,
Muita emoção incógnita e secreta
Nas almas vibra....e os corações encanta!


Múcio guardou emoções incógnitas e secretas por muito tempo. Precisava conhece-las melhor; e, na poesia, não encontrou as respostas adequadas. Buscou-as, então, em outro caminho: o do ocultismo. Nessa altura, Múcio vive uma transformação: passa a chamar-se Barão Ergonte e dedica-se ao estudo da alquimia, da astrologia, das artes adivinhatórias e dos mistérios antigos e modernos. Em jornais e revistas já não publica contos, crônicas e poemas, mas sim colunas de adivinhação e artes mágicas: chega mesmo a lançar um almanaque sobre o tema. Em sua atuação como vidente, anuncia, por exemplo, a morte de Ruy Barbosa para 1911. Passa o ano, e mais outro, e mais outro: o jurista baiano só deixará este mundo em 1923. A profecia de Múcio não se realiza. A maioria de suas profecias não se realiza. Sob a capa de Barão Ergonte, cai primeiro em descrédito, e depois, no ridículo. Quem o conheceu como artista não escondia a amargura: o outrora entusiasmado Carlos de Laet, por exemplo, exorta o poeta recém-tornado profeta a deixar aquilo tudo e retornar aos versos: “Quando virdes uma profecia do Múcio, ride, a bom rir, porque será mais uma pilhéria. E fazeis comigo votos para que lhe passe a mania hierofântica. Nesse dia ganharíamos o brilhante poeta de outros tempos”.

Mas o riso dos outros não o incomoda. Em 1916, publica “Terra Incógnita”. Nesse livro, o poeta de outros tempos apresenta-se com um homem guiado pelos “espíritos imortais”, e a eles dedica os derradeiros versos que compõe. No texto de apresentação, intitulado “Gênese Espiritual”, retoma o itinerário percorrido a partir da infância e da juventude, quando descobre a vida de poeta, até a maturidade, quando a abandona: “E foi assim que eu, que tive os sonhos da poesia desde que saí do berço, tenho as visões do acordado, agora que vou me encaminhando para a cova”. Nesse caminho Múcio seguiu até o fim de sua vida, no dia 8 de agosto de 1926. O obituário do “Correio da Manhã” de 10 de agosto de 1926 noticiou o falecimento de um “vulto curioso” das letras brasileiras, dono de uma "vida incerta e irregular, cheia de altos e baixos", que "oferece uma sucessão de fatos pitorescos de tudo". Múcio, o poeta cujo talento tanto prometia, terminava seus dias como uma figura excêntrica, quase cômica. Seu enterro, de acordo com o jornal, “foi o mais pobre e modesto que se possa imaginar”.

O caminho escolhido por Múcio afastou-o dos leitores; afastou-o, também, da memória da posteridade. Mas essa não parece ser a única razão para o esquecimento de seu nome: alguns mencionam, por exemplo, a dificuldade em enquadra-lo fixamente dentro das correntes literárias de sua época. Outros falam em um problema político: sendo amigo de Dom Pedro II, permaneceu fiel ao imperador após a proclamação da República e não gozou da simpatia dos novos donos do poder. Os motivos são muitos; nenhum deles, razoável. Por isso, ao finalizar este breve percurso, renovo o convite para que o leitor lance um olhar, compreensivo e crítico, sobre a obra de Múcio Teixeira – e espero que, na memória de seus conterrâneos, ele passe a ser algo mais do que um nome de rua em Porto Alegre.


Celso A. Uequed Pitol
Canoas, 12/2/2019


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Cuba e O Direito de Amar (3) de Marilia Mota Silva
02. Carta aberta a quem leu Uma Carta Aberta ao Brasil de Adriane Pasa
03. América Latina, ainda em construção de Heloisa Pait
04. Gostar de homem de Marta Barcellos


Mais Celso A. Uequed Pitol
Mais Acessadas de Celso A. Uequed Pitol
01. O ensaísta Machado de Assis - 8/9/2006
02. Um olhar sobre Múcio Teixeira - 12/2/2019
03. Dom Quixote, matriz de releituras - 8/3/2005
04. O Orkut é coisa nossa - 16/2/2006
05. A profecia de Os Demônios - 6/1/2005


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Grande Hotel - Col. Grandes Sucessos
Vicki Baum
Abril
(1980)



Evangélicos Em Crise: Decadência Doutrinaria na Igreja Brasileira
Paulo Romeiro
Mundo Cristão
(1995)



Blade - a Lamina do Imortal: 04
Hiroaki Samura
Conrad
(2005)



Livro - Mil Lugares para Conhecer Antes de Morrer - um Guia para Toda a Vida
Patricia Schultz
Sextante
(2006)



Escola do Terror Não Coma da Carne Misteriosa
Tom B. Stone
Rocco
(2000)



Terapia de Vidas Passadas
Brian L. Weiss, M.D
salamandra
(1996)



Luta pela Democracia 1911 - 1914
Hélio Silva
tres
(1975)



I Funerali Della Mama Grande
Gabriel García Márquez
Mondadori
(1997)



Penguin Readers - Jamaica Inn - Level 6
Daphne Du Maurier
Penguin Readers
(2008)



Jogo Duro - A História de João Havelange
Ernesto Rodrigues
Record
(2007)





busca | avançada
62542 visitas/dia
1,7 milhão/mês