Escrever pode ser uma aventura | Marta Barcellos | Digestivo Cultural

busca | avançada
64744 visitas/dia
1,7 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Evento de reinauguração da Praça do Centro de Convenções da Unicamp
>>> Oficina Som Entre Fronteiras está com inscrições abertas
>>> Projeto “Curtas de Animação” com estudantes da zona rural de Valinhos/SP
>>> Novos projetos do Festival de Dança de Joinville promovem atividades culturais para 120 alunos
>>> Toca do Morcego anuncia agenda primavera/verão 2022/2023
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
>>> Jô Soares (1938-2022)
>>> Casos de vestidos
>>> Elvis, o genial filme de Baz Luhrmann
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
Colunistas
Últimos Posts
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
Últimos Posts
>>> Baby, a chuva deve cair. Blade Runner, 40 anos
>>> Conforme o combinado
>>> Primavera, teremos flores
>>> Além dos olhos
>>> Marocas e Hermengardas
>>> Que porcaria
>>> Singela flor
>>> O cerne sob a casca
>>> Assim é a vida
>>> Criança, minha melhor idade
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Vivo
>>> Assange: efeitos da internet em nosso cotidiano
>>> Nuvem Negra*
>>> Discurso de William Faulkner
>>> Os Incríveis
>>> Erik Satie
>>> Ronnie James Dio em 1983
>>> O Leão e o Unicórnio
>>> O outro Carpeaux
>>> Something that grows
Mais Recentes
>>> Livro - Não Verás País Nenhum de Ignácio de Loyola Brandão pela Global (2000)
>>> Redes Ou Paredes a Escola Em Tempos de Dispersão de Paula Sibilia pela Contraponto (2012)
>>> Práticas Corporais - V. 2 Trilhando e Compar(trilhando) as Ações de Ana Márcia Silva / Iara Regina Damiani Orgs. pela Nauemblu Ciencia & Arte (2005)
>>> Termodinâmica de Gilberto Ieno pela N/d
>>> Nelson Rodrigues - Série Encanto Radical de Carlos Vogt pela Brasiliense (1985)
>>> Diário de um Banana 7 - Segurando Vela de Jeff Kinney pela V&r (2013)
>>> Palabras Compartidas. Español - Volume Único de Henrique Romanos pela Ftd (2014)
>>> A Lei do Trabalho de Percy Rubens Mello pela Universalista (1997)
>>> Princípios da Transmissão de Calor de Frank Kreith pela Edgard Blücher Ltda (1969)
>>> Livro - Sereias na Lua de Elizabeth Stuckey French pela Best Seller (2003)
>>> A Revolução Burguesa no Brasil: Ensaio de Interpretação Sociológica de Florstan Fernandes pela Kotter (2020)
>>> Livro - A Torre Negra - Traição de Stephen King pela Suma (2012)
>>> Fragmentos Históricos da Regulamentação da Profissão de Educação de Américo Valdanha Netto e Outros pela Cref4/sp (2019)
>>> O Mago de Fernando Morais pela Planeta (2008)
>>> A Família Substituta no Estatuto da Criança e do Adolescente de José Luiz Mônica da Silva pela Saraiva (1995)
>>> A revolução dos bichos em de George Orwell pela Do Brasil (2021)
>>> Da Importância de Criar Mancuspias de Amilcar Neves pela Garapuvu (2005)
>>> Olga de Fernando Morais pela Alfa-Omega (1985)
>>> Olga de Fernando Morais pela Alfa-Omega (1985)
>>> Georg Büchner - Série encanto radical de Fernando Peixoto pela Brasiliense (1983)
>>> Pato Donald: O Segredo do Castelo de Carl Barks pela Abril (2016)
>>> Livro - Os Trabalhos de Hércules de Agatha Christie pela Circulo do Livro (1997)
>>> A Terapia do Abraço de Kathleen Keating pela Pensamento (1987)
>>> Livro - A Torre Negra - o Longo Caminho para Casa de Stephen King pela Stephen King (2011)
>>> Combateremos a Sombra de Lídia Jorge pela Leya (2014)
COLUNAS >>> Especial Como se escreve

Sexta-feira, 3/7/2009
Escrever pode ser uma aventura
Marta Barcellos

+ de 6600 Acessos
+ 6 Comentário(s)

Eu poderia começar dando uma fórmula para se escrever bem (ler bem), ou contar que nunca tenho "brancos" diante da tela vazia (o impasse vem depois). Seriam boas aberturas para um texto relativamente longo, com mais de 6 mil caracteres, e provavelmente fisgaria leitores no primeiro parágrafo, como aprendi a fazer em muitos anos de jornalismo. Assim seria até pouco tempo atrás, antes da tal crise dos 40 anos me pegar e eu perceber que não conseguia mais me realizar fazendo apenas o que já sabia fazer. Especialmente se tratando de algo tão vital, como o ato de escrever é para mim.

Por isso vou ousar fisgar você, leitor, aqui no segundo parágrafo. Para fazer o que estou aprendendo a fazer agora. Lançarei mão também de algo recente em minha vida de escrevinhadora: contar uma história pessoal. Ela começa com um telefonema de minha filha, às voltas com as primeiras redações na escola.

― Mãe, precisei escrever um texto hoje, mas fiquei concentrada demais, e quando vi era a única da classe que ainda não tinha acabado.

Era um preâmbulo. O fecho viria a seguir:

― No final da aula, a professora chamou a atenção da turma e leu a minha redação lá na frente. Disse que estava ótima, que eu posso ser uma escritora quando crescer.

Imediatamente meus olhos se encheram d'água. Sim, eu também tinha vivido aquela mesma cena, só que com 10 anos, e não com 9. O arrepio foi mais intenso pela forma como ela se descreveu naquele episódio, "concentrada demais", ainda sem conseguir identificar os sentimentos de engajamento e paixão absolutamente essenciais para um texto ficar "ótimo".

Na semana seguinte, em um evento na escola, a professora veio elogiar a habilidade de minha filha, e aproveitei para tirar uma dúvida: ela por acaso sabia que eu escrevia, que era jornalista? "Não!", se surpreendeu. "Então está no sangue!", emendou.

Só que eu não acredito nisso. Mas posso imaginar, sim, que eu tenha despertado nela alguma paixão pela palavra escrita ao ler em voz alta, empolgada que estava com a redescoberta da literatura infantil, ou quando me esmerei em encontrar significados para a expressão de um livro. "Mãe, o que é estar solitário?" É provável que numa dessas respostas ela tenha vislumbrado a aventura de se embrenhar no universo das letras, e nele identificar e expressar sentimentos recém-descobertos. "Já me senti solitária", é provável que tenha concluído. "Poderia ter escrito aquilo."

Não por acaso o impulso de escrever, e desnudar emoções, costuma acontecer com os primeiros versos da adolescência. Os poemas acabam no lixo (quase sempre o lugar certo para eles), e os adultos que continuam no ofício aprimoram seu estilo com a técnica e a sensibilidade de quem sabe amadurecer e ler bons livros. O problema é que o tal impulso primordial, a faísca que provoca todo o processo, muitas vezes é relegado a segundo plano, como se algo adolescente fosse. Nessas horas, uma boa crise da meia-idade (nova adolescência?) pode ajudar a colocar as coisas no lugar.

Percebi, na crise, que dominar a escrita é apenas o começo. A realização está em deixar a sua marca pessoal. E para se escrever algo realmente original é preciso estar com o coração inteiro. Mesmo diante de uma encomenda, tem-se que descobrir uma linha de pensamento própria, um raciocínio baseado na experiência assimilada ― e aí vale ler, pesquisar, trocar ideias no botequim com um amigo inteligente. Deve-se provocar o insight. No jornalismo, existe o grande privilégio de buscar (e conseguir) as melhores fontes, poder submeter suas ideias a quem já domina aquele assunto. Em compensação, haverá as amarras do texto jornalístico tradicional, mais impessoal ― que mesmo assim você poderá aprender a subverter, graças ao domínio da linguagem e das ideias.

Quando escrevo uma reportagem ou um perfil, daqueles em que me engajei de fato, raramente olho minhas anotações. Elas servem no máximo para alguma checagem final, porque o texto já está praticamente estruturado na minha cabeça. Existe um momento em que percebo: cheguei lá, a matéria existe. Tem uma essência, e eu acredito nela. Nessas alturas, fiz alguns links entre parágrafos mentalmente, e é provável que tenha pensado em um lead (abertura) no chuveiro ou correndo na esteira. É sentar e escrever, "concentrada demais", esquecida da vida, certa de que sairá da melhor forma possível (se o prazo não tiver ficado absurdamente curto).

Passei a observar esse processo interno de criação depois que um colega me perguntou se eu fazia uma estrutura prévia para escrever uma matéria com muitas fontes, já que tudo parecia tão encadeado. Contei que o texto saía pronto, mas talvez tenha passado a falsa impressão de algo fluido e fácil. Raramente é. Há momentos de sofrimento, de cansaço, em que é preciso dar uma parada, tomar um café, se possível continuar no dia seguinte. Um bom lead precisa dormir uma noite no computador para acordar tinindo. No caso dos livros que escrevi sob encomenda, todos jornalísticos, a imersão beirou a loucura na reta final, a ponto de eu sonhar com capítulos inteiros e descobrir soluções de madrugada.

Depois que saí da rotina de jornal diário ― quando momentos de privacidade e prazos mais flexíveis se tornaram possíveis ―, descobri alguns truques para aperfeiçoar a escrita. Ler em voz alta, por exemplo, pode ser de grande ajuda. Outra dica é aprender a valorizar o ato de reescrever. Escrever é reescrever. Escrever é reescrever. E a repetição não é minha, é do escritor Moacyr Scliar, no livro O Texto, ou: A Vida ― Uma trajetória literária. Aliás, o último conselho ― talvez o mais importante ― que sempre dou a estudantes de jornalismo é: leia bons livros. Um romance lapidado por um escritor de primeira, além de ótima companhia, é uma influência fundamental. E ajuda a compensar as leituras triviais do dia-a-dia, como a notícia apressada do jornal e o post coloquial do blog preferido.

Só não vale ficar intimidado pelos gênios, e se deixar bloquear. Já fui muito perseguida pelo terror de estar imitando meus autores preferidos, ou mesmo o escritor que no momento me deslumbrava com sua obra. Abandonei minhas pretensões literárias na adolescência por conta dessa autocrítica acentuada. Hoje percebo que essas influências são sempre benéficas, especialmente quando múltiplas. Desde que o mandamento número 1 seja preservado: escrever com o coração inteiro. Com engajamento, empolgação, paixão. Concentrada demais, mesmo que a turminha em volta jamais compreenda a intensidade de sua aventura.

Nota do Editor
Marta Barcellos mantém o blog Espuminha de leite.


Marta Barcellos
Rio de Janeiro, 3/7/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. 'As vantagens do pessimismo', de Roger Scruton de Celso A. Uequed Pitol
02. Tom e Tim de Marta Barcellos
03. A simplicidade do humano em Pantanal de Taís Kerche
04. Cidade limpinha de Elisa Andrade Buzzo
05. Sala de aula é o mínimo de Ana Elisa Ribeiro


Mais Marta Barcellos
Mais Acessadas de Marta Barcellos em 2009
01. Gostar de homem - 25/9/2009
02. Simplesmente feliz - 24/4/2009
03. Escrever pode ser uma aventura - 3/7/2009
04. Fim dos jornais, não do jornalismo - 3/4/2009
05. Palavras que explodem no chão - 19/6/2009


Mais Especial Como se escreve
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
23/6/2009
23h00min
Marta, obrigado pelo texto. Li e, entusiasmado, reli em voz alta para uma pessoa querida. Além de inspirador é emocionante. Digno da aventura da escrita.
[Leia outros Comentários de Fred]
24/6/2009
2. ;-)
01h36min
Vou colocar um link no meu blog agora mesmo. Parabéns, você é uma fonte de inspiração, sucesso a você e à sua filha!
[Leia outros Comentários de Guilherme]
3/7/2009
17h27min
Olá, Marta! Seu texto é inspirador. Hoje irei começar a minha aventura na escrita. Sucesso!
[Leia outros Comentários de Leonardo]
13/7/2009
19h51min
Adorei seu texto, Marta. Apesar de não escrever profissionalmente (pelo menos não textos originais, só traduções - os textos originais ficam para o blog), me identifiquei com suas descrições; para escrever bem é preciso gostar de ler e de escrever, e mergulhar na tarefa com prazer. É mesmo uma aventura, ainda que solitária. E escrever é, mesmo, reescrever, assino embaixo. Grande abraço!
[Leia outros Comentários de Cristine]
1/8/2009
07h33min
No meu caso, a tal crise da meia-idade (antecipada uns 5 anos) surgiu por eu ter me desviado dessa paixão e seguido outra carreira. Mas acostumada a cem tarefas em paralelo, estou de volta. E prestando muita atenção nas faíscas que chegam nos lugares mais inusitados. Acrescento mais uma dica: escrever é cortar. Parabéns pelo texto, Marta.
[Leia outros Comentários de Ana Cristina Melo]
4/2/2012
17h20min
Oi, Marta, você transmite muito bem essa postura de escritora. Obviamente, não é pra menos, pois é uma profissional das melhores, sem perder o múnus de artesã na arte das letras. Guardada a devida proporção, comigo acontece, à altura da minha sexagenarice, o que nunca acontecia quando eu era um jovem escrevinhador contumaz e oferecido. Creio que o meu senso crítico se tornou mais aguçado. Outro poblema é que, por acúmulo natural de conhecimentos e informações, em decorrência do meu tempo cronológico e de meu interesse em criação, fica mais difícil escolher palavras corretas e dar corpo ao pensamento em letras que nem sei quem as lerá.
[Leia outros Comentários de Geraldo Generoso]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Auditoria de Enfermagem - nos Hospitais e Operadoras de Planos....
Ana Leticia Carnevalli Mota
Iátria
(2013)



Doze Anos de Escravidão
Solomon Northup
Penguin
(2014)



A Outra Face de Deus
F. T. Farah
Rai
(2012)



As Aventuras de Pi
Yann Martel
Nova Fronteira
(2012)



Além da Medicina
Hans Holzer
Record
(1987)



Livro - Marx Hoje - Volume 1
J. Chasin / Outros
Ensaio
(1988)



Constituição e Política
Janaína Santin e Liton Lanes Sobrinho (orgs.)
Upf
(2006)



O Monstro do Seringal
Rubem Rocha Filho
Bagaço
(1996)



Jornal Nacional - A Notícia Faz História
Memória Globo
jorge zahar
(2004)



Janelas do Interior
Carlos Mendes
Cobra
(2006)





busca | avançada
64744 visitas/dia
1,7 milhão/mês