Sua Excelência, o Ballet de Londrina | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
75359 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Cia Fragmento de Dança lança seminário “Amor Mundi – Pensando com Hannah Arendt”
>>> Realidade e ficção na Terça Aberta na Quarentena de agosto
>>> OBMJazz: OBMJ lança primeiro clipe de novo projeto
>>> Serginho Rezende é entrevistado por Zé Guilherme na série EntreMeios
>>> TOGETHER WE RISE TRAZ UMA HOMENAGEM ÀS PESSOAS QUE FIZERAM PARTE DA HISTÓRIA DO GREEN VALLEY
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
>>> Filmes de guerra, de outro jeito
>>> Meu reino por uma webcam
>>> Quincas Borba: um dia de cão (Fuvest)
>>> Pílulas Poéticas para uma quarentena
>>> Ficção e previsões para um futuro qualquer
>>> Freud explica
>>> Alma indígena minha
Colunistas
Últimos Posts
>>> Uma aula com Thiago Salomão do Stock Pickers
>>> MercadoLivre, a maior empresa da América Latina
>>> Víkingur Ólafsson toca Rameau
>>> Philip Glass tocando Mad Rush
>>> Elena Landau e o liberalismo à brasileira
>>> O autoritarismo de Bolsonaro avança
>>> Prelúdio e Fuga em Mi Menor, BWV 855
>>> Blooks Resiste
>>> Ambulante teve 3 mil livros queimados
>>> Paul Lewis e a Sonata ao Luar
Últimos Posts
>>> Coincidência?
>>> Gabbeh
>>> Dos segredos do pão
>>> Diário de um desenhista
>>> Uma pedra no caminho...
>>> Sustentar-se
>>> Spiritus sanus
>>> Num piscar de olhos
>>> Sexy Shop
>>> Assinatura
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Nelson Freire em DVD e Celso Furtado na Amazônia
>>> Um caos de informações inúteis
>>> Asia de volta ao mapa
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Parei de fumar
>>> Ford e Eastwood: cineastas da (re)conciliação
>>> Amor à segunda vista
>>> O Gmail (e o E-mail)
>>> Diogo Salles no podcast Guide
Mais Recentes
>>> Os caminhos de Mandela de Richard Stengel pela Principium (2013)
>>> Vencer a Crise - Lições para superar as dificuldades financeiras de Herbert Kimura pela Do Autor (2019)
>>> 1984 de George Orwell pela Companhia das Letras (2009)
>>> Resistência de Agnes Humbert pela Nova fronteira (2008)
>>> Questões do Coração de Emily Giffin pela Novo Conceito (2011)
>>> Elimine a Sua Energia Negativa - Com Fé ou sem Fé, acreditando ou Não de Kika Miranda pela Corus (2006)
>>> O Mar de John Banville pela Nova Fronteira (2007)
>>> The golden of morocco--english edition--160 colour illustrations. de Bonechi pela Bonechi (1998)
>>> Pedraria e bijurerias extra--mais de 260 fotos. de Escala pela Escala
>>> Marley e Eu A vida e o amor ao lado do pior cão do mundo de John Grogan pela Prestígio (2006)
>>> Maria na terra de meus olhos de Oscar Araripe pela Rocco (1975)
>>> A Bruxa de Portobello de Paulo Coelho pela Planeta (2006)
>>> Descartes - Biblioteca de Filosofia de Pierre Guenancia pela Zahar (1991)
>>> A Fada e o Bruxo As Crônicas de Ivi de F Medina pela Hamelin (2012)
>>> Para Sempre Contigo de Evanice Maria Pereira pela Petit (2012)
>>> Globo Rural--Ele faz a terra dar de tudo de Editora globo pela Globo (1989)
>>> O Milagre da Manhã com Deus de Padre Reginaldo Manzotti pela Petra (2018)
>>> Globo rural--107--flores/especial--explosao no ar. de Editora globo pela Globo (1994)
>>> Cuidar & ser Cuidado de Lluis Segarra pela Cultor de Livros (2019)
>>> O Poder da Mulher que Ora de Stormie Omartian pela Mundo Cristão (2003)
>>> Pesquisa Princípio Científico e Educativo de Pedro Demo pela Cortez (1996)
>>> O Maravilhoso Mágico de Oz de L Frank Baum pela Ciranda Cultural (2019)
>>> Peter Pan de James M Barrie pela Ciranda Cultural (2019)
>>> Pinóquio de Carlo Collodi pela Ciranda Cultural (2019)
>>> Globo rural--39--descoberto um tesouro:a mandioca. de Editora globo pela Globo (1989)
>>> Galerie des offices--guide officiel toutes les ceuvres. de Gloria fossi pela Giunti (2004)
>>> Em Meu Próprio Caminho de Allan Watts pela Siciliano (1992)
>>> Cama de Gato de Kurt Vonnegut pela Record (1991)
>>> A História Secreta de Donna Tartt pela Companhia das Letras (1995)
>>> Os Invictos de William Faulkner pela Arx (2003)
>>> Paralelo 42 de John dos Passos pela Rocco (1987)
>>> Para onde você vai com Tanta Pressa de Christiane Singer pela Martins Fontes (2005)
>>> Carta Sobre o Comércio do Livro de Denis Diderot pela Casa da Palavra (2002)
>>> Rimas da Vida e da Morte de Amos Óz Amós Oz pela Companhia das Letras (2008)
>>> Uma Desolação de Yasmina Reza pela Rocco (2001)
>>> O Fio Perigoso Das Coisas de Michelangelo Antonioni pela Nova Fronteira (1990)
>>> Hacia un Teatro Pobre de Jerzy Grotowski pela Siglo Veintuno (1970)
>>> Este é Orson Welles de Peter Bogdanovich pela Globo (1995)
>>> À Espera do Tempo Filmando Com Kurosawa de Teruyo Nogami pela Companhia das Letras (2010)
>>> Invisible Man de Ralph Ellison pela Penguin (2009)
>>> The Plot Against America de Philip Roth pela Vintage (2005)
>>> Vida, o Filme. Como o Entretenimento Conquistou a Realidade de Neal Gabler pela Companhia das Letras (1999)
>>> Rituais de Sofrimento de Silvia Viana pela Boitempo (2012)
>>> Um Sussuro nas trevas de H. P. Lovecraft pela Francisco Alves (1983)
>>> O Aleph de Jorge Luis Borges pela Globo (1992)
>>> O Deslumbramento (le Ravissement de Lol. V. Stein) de Marguerite Duras pela Nova Fronteira (1986)
>>> O Segredo do Padre Brown de G. K. Chesterton pela Círculo do Livro (1986)
>>> Se Não Agora, Quando? de Primo Levi pela Companhia das Letras (1999)
>>> O compromisso da fé de Emmanuel Mounier pela Duas Cidades (1971)
>>> A Doutrina Secreta - Vol. 6 de Helena Petrovna Blavatsky pela Pensamento (1989)
COLUNAS

Terça-feira, 21/10/2008
Sua Excelência, o Ballet de Londrina
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 3300 Acessos

Dedicado aos que, em estado de loucura, amaram. E aos que em estado de amor, enlouqueceram.

"Eu estava em ti, ó movimento, e fora de todas as coisas".
(A alma e a dança ― Paul Valéry)

O país do futebol, do samba e do carnaval consegue, por vezes, produzir milagres no que diz respeito à dança contemporânea. Um desses milagres é o Ballet de Londrina. Fruto da vontade hercúlea encarnada na pessoa do seu diretor e coreógrafo Leonardo Ramos e do impressionante e vigoroso grupo de bailarinos que compõem o Ballet de Londrina, esse milagre se perpetua a cada novo espetáculo.

O Ballet de Londrina comemora seus 15 anos mostrando uma experiência mais que adulta, radical. Com o espetáculo Decalque, sob a música vibrante do compositor russo Sergei Prokofiev, o grupo expõe o resultado de anos de pesquisas e sério envolvimento com a idéia de que a renovação da própria linguagem é o princípio que alimenta e justifica a existência de uma obra de arte.

O espetáculo viajou Brasil afora e exterior, emocionando as platéias que puderam encontrar na dança a força dos movimentos irracionais da alma.

O leitmotiv do espetáculo Decalque é o drama de Romeu e Julieta. Mas não espera-se encontrar aqui uma transposição literal do tema do casal trágico de Verona. Pois a idéia de um "decalque", no sentido de apropriar-se de um tema e decalcá-lo em outro espaço/forma/gênero, é o que move a criação do espetáculo do grupo de dança de Londrina. E a forma com que essa idéia se implementa é o que verdadeiramente conta neste trabalho e o que revela o caráter impressionante e radical da experiência singular do Ballet de Londrina.



Há um componente técnico de onde parte a experiência renovada deste espetáculo: a proposta de se trabalhar de uma maneira diferente com os eixos de equilíbrio e apoio para a locomoção do corpo. "Privilegiando a horizontalidade do corpo para explorar pontos de apoio e eixos de equilíbrio, os bailarinos dançam na maior parte do tempo ao nível do solo, trabalhando bastante os braços e o abdômen, numa proposta diferente da dança clássica centrada no trabalho de pés e pernas. De certa forma, Decalque é um desafio coreográfico que provoca algum estranhamento pela inversão da 'lógica' corporal da dança. O processo foi um desafio para o elenco que, tendo corpos solidamente formados na vertical, através de anos de estudo de balé clássico, teve que construir novos apoios e eixos, fazendo de suas limitações fonte de descoberta de movimentos singulares e até dotados de algum ineditismo".

Este é o dado técnico sob o qual o espetáculo foi criado com grande competência. Mas se fosse apenas isso, o que já é uma experiência e tanto, já seria muito. Pois como sabemos, a arte é mais do que apenas um domínio técnico sobre a matéria que se trabalha. Se apenas a técnica bastasse teríamos vários Picassos, Mozarts e Nureievs andando por aí.

À parte o perfeito domínio técnico/corporal dos bailarinos, o Ballet de Londrina renova o conjunto dos movimentos geralmente já em estado de calcificação em várias companhias de dança. Essa renovação traz junto a ela um comportamento expressivo também novo, fruto de uma busca por algo que transponha o domínio limitado do elemento apenas intelectual/conceitual que tem prejudicado várias companhias de dança do país.

O que importa aqui é a experiência, o risco e a ousadia. E a disposição para colocar o corpo em estado de solicitação para o novo. Deixar o corpo entregar-se a esse desconhecido, a situações onde não prevaleçam normas pré-estabelecidas é o que dota o espetáculo de surpresas as mais intensas possíveis.



E essas surpresas são todas organizadas num conjunto de situações equilibradas, que tornam a coreografia um desafio visual para o espectador que é pego de surpresa a cada momento da apresentação. Corpos insinuam uma decolagem e imediatamente transportam-se para o chão onde realizam uma série de movimentos dotados de força, equilíbrio e paixão. Sintomas da pulsão que os remete simultaneamente aos estados elevados da alma e que trazem em si, ao mesmo tempo, os estados mais baixos dos arroubos irracionais típicos da paixão amorosa. Como no estado de paixão, a força e a emoção tentam equilibrar o que não pode ser equilibrado. E isso o corpo dos bailarinos demonstra com muita sensibilidade nos movimentos que parecem se contradizer o tempo todo.

Há um vai-e-vem entre os movimentos dóceis, em gestos lineares, e os movimentos pesados, carregados de drama e de entrecortes. A doçura e o desregramento do espírito produzem as belas movimentações que unem e separam os corpos dos amantes. E sentimos o grau de ansiedade deste ir e vir, quase nos desequilibrando com a impossibilidade exposta de se controlar a situação daqueles corpos em constante mudança de estado emocional. E os músculos dramatizam o que o espírito sente. Há momentos de felicidade, mas há também momentos duros de choque, de violência e de insatisfação. A música leva tudo isso ao seu mais alto grau de dramatização. Ela guia a força, o peso e a velocidade dos corpos em ação. Sentimos intuitivamente a presença da história de Shakespeare, com a possibilidade da paixão terminar no seu mais dramático fim: a morte dos amantes. Nos lembramos de uma força que ultimamente encontra-se sobre o controle da razão: a paixão irracional. Sobre controle e diagnosticada como loucura.

Mas não no corpo dos dançarinos, onde a paixão existe, se manifesta e move cada gesto, cada situação, cada encontro e desencontro. Renova-se asism a leitura de Romeu e Julieta, não mais na retórica da obra literária, mas na ação dos corpos movidos pela irracionalidade do desejo de amar e pelo gosto da morte por amar.

O impacto causado pelo grupo de dançarinos se deve, então, a esse conjunto de elementos: competência técnica, vontade experimental e ousada coreografia que não teme a força do encontro entre emoção e forma plástica. Tudo isso levado a termo pela presença também expressiva da música de Prokofiev que articula o tempo dos movimentos dos corpos, sua força e dramaticidade dentro da coreografia.

O Ballet de Londrina nos mostra que o corpo de um artista/bailarino pode criar sempre a novidade, o espanto e a beleza, tal qual um teclado de piano em sua infinita possibilidade de variações sonoras.



O Brasil ainda é tímido na apreciação da grande arte e os discursos populistas preferem jogar sobre o público o lixo que anestesia as consciências e a vida. Financia-se o próprio lucro e vende-se a cultura industrial como arte. Entristece ver o pouco financiamento que uma companhia do porte do Ballet de Londrina tem, mas ficamos felizes em ver que isso não os abate, ao contrário, os engrandece na sua luta pela qualidade, pela grande arte que produz no especatdor a chance de se tornar, tal qual os bailarinos, grandes almas.

A Companhia Ballet de Londrina não se mede apenas por este espetáculo que comentamos, mas por sua história e persistência como um todo. Sob a coordenação singular e apaixonada de Leonardo Ramos e com o envolvimento também apaixonado dos seus bailarinos, por anos a fio a companhia tem se dedicado a experimentar com o corpo aquilo que Romeu e Julieta experimentaram com a alma: a paixão.

Para ir além
Ballet de Londrina.


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 21/10/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Os enciclopedistas franceses rolam nos túmulos de Ana Elisa Ribeiro


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2008
01. Quem destruiu Anita Malfatti? - 16/9/2008
02. Escrevo deus com letra minúscula - 5/3/2008
03. Arthur Bispo do Rosário, Rei dos Reis - 11/11/2008
04. Evidências do Nada: a poesia de Paulo Ferraz - 1/1/2008
05. Jogos olímpicos na China - 2/9/2008


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




REINVENTANDO A SI MESMO LUIZ CALAINHO
LUIZ CALAINHO
AGIR
(2013)
R$ 12,00



AS GEORGICAS
CLAUDE SOMON
NOVA FRONTEIRA
(1986)
R$ 16,00
+ frete grátis



VOLTA ÀS AULAS!
COLIN THIBERT E VÉRONIQUE BOIRY
SCIPIONE
(1995)
R$ 6,99



GEOLOGIC STRUCTURES
BAILEY WILLIS E ROBIN WILLIS
MCGRAW-HILL
(1934)
R$ 49,16



ARMAS DA INFANTARIA 7
JOHN WEEKS
RENES
(1974)
R$ 6,90



A FILOSOFIA ATRAVÉS DOS TEXTOS
ALEXANDRE CABALLERO - VÁRIOS AUTORES
CULTRIX
R$ 6,50



UM CASO SECRETO DE AMOR
BARBARA TAYLOR BRADFORD
RECORD
(1997)
R$ 6,90



NAZISTAS ENTRE NÓS: A TRAJETÓRIA DOS OFICIAIS DE HITLER .. - 1ª EDIÇÃO
MARCOS GUTERMAN
CONTEXTO
(2016)
R$ 35,95



VEJA 2373 - OS SUPERPODERES DA LEITURA
VARIOS AUTORES
ABRIL
(2014)
R$ 8,00



A TRANSFIGURAÇÃO
YVES MABIN CHENNEVIÉRE
MANDARIM
(1997)
R$ 12,00





busca | avançada
75359 visitas/dia
2,6 milhões/mês