Sua Excelência, o Ballet de Londrina | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
32696 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Michael Jackson: a lenda viva
>>> Gente que corre
>>> Numa casa na rua das Frigideiras
>>> Numa casa na rua das Frigideiras
>>> Reinaldo Azevedo no Fórum CLP
>>> Introdução ao filosofar, de Gerd Bornheim
>>> Companheiro dileto
>>> O Vendedor de Passados
>>> Eugène Delacroix, um quadro uma revolução
>>> Meus Livros
Mais Recentes
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
>>> A Igreja Católica de Hans Kung pela Objetiva (2002)
>>> O Comunismo de Richard Pipes pela Objetiva (2002)
>>> Lições para o Cotidiano de Masaharu Taniguchi pela Seicho-No-Ie (1996)
>>> Guerra sem fim – Edição especial de Joe Haldeman pela Aleph (2019)
>>> O Renascimento de Paul Johnson pela Objetiva (2001)
>>> Homeopatia a Ciência e a Cura de Ralph Twentyman pela Círculo do livro (1989)
>>> A Descoberta do Amor em Versos de Diversos pela Cen (2003)
>>> O Islã de Karen Armastrong pela Objetiva (2001)
>>> O Sumiço do Mentiroso de Lourenço Cazarré pela Atual (1998)
>>> A Turma da Tia e os Bilhetes Misteriosos de Ganymédes José pela Ftd (1991)
>>> Camões Os Lusíadas de Luís Vaz de Camões pela L&PM Pocket (2008)
>>> Destruição e Equilíbrio de Sérgio de Almeida Rodrigues pela Atual (1989)
>>> Armadilha para Lobisomem de Luiz Roberto Guedes pela Cortez (2005)
>>> A Menina que Descobriu o Brasil de Ilka Brunhilde Laurito pela Ftd (2001)
>>> Guerra no Rio de Ganymédes José pela Moderna (1992)
>>> Paraíso de Toni Morrison pela Companhia das Letras (1998)
>>> Introduction à la Psycholinguistique de Hans Hörmann pela Larousse Université (1974)
>>> A idéia de cultura de Victor Hell pela Martins Fontes (1989)
>>> Poesia Concreta de Lumna Mara Simon (Org.) pela Abril (1982)
>>> Las Armas Secretas de Julio Cortazar pela Editorial sudamericana/ Buenos Aires (1970)
>>> Maio Apagou o Inverno de Carlos Roberto Douglas pela Ateniense/ S.P (1994)
>>> Utopia Selvagem de Darcy Ribeiro pela Nova Fronteira (1982)
>>> Twittando o Amor, Contando Uma História em 140 Caracteres de Teresa Medeiros pela Novo Conceito (2014)
>>> Estrela Oculta de Robert A. Heinlein pela Francisco Alves/ RJ. (1981)
>>> O Alimento dos Deuses de H. G. Wells (herbert George - 1866-1946) pela Francisco Alves/ RJ. (1984)
>>> Focus de Arthur Miller pela Ediouro (2001)
>>> Trinta Anos Depois da Volta - o Brasil na II Guerra Mundial de Octávio Costa (ilustr): Carlos Scliar pela Expressão e Cultura (1977)
>>> Tuareg (formato Original) de Alberto Vázquez- Figueiroa pela L&pm, Porto Alegre (2000)
>>> Cenas Noturnas na Bíblia (v. 1) : Tardes e Manhãs Que Conduzem... de Christian Chen pela Tesouro Aberto/ Belo Horizonte (2001)
>>> Fall of the House of Windsor (capa Dura; Sobrecapa) de Nigel Blundell & Susan Blackhall pela Contemporay Books/ L. A. (1992)
>>> Todos os Homens do Presidente de Carl Bernstein & Bob Woodward pela Francisco Alves/ RJ. (1977)
>>> A Primeira Comunhão de Verônica de Vários: Pia Sociedade de S. Paulo pela Edições Paulinas (1959)
>>> O Grande Livramento de Valdemiro Santiago: Apóstolo pela Impd (2009)
>>> Poema Sujo de Ferreira Gullar/ Pref.: Alcides Villaça pela Livr José Olympio Ed. (2001)
>>> Poema Sujo de Ferreira Gullar/ Pref.: Alcides Villaça pela Livr José Olympio Ed. (2001)
>>> Poema Sujo de Ferreira Gullar/ Pref.: Alcides Villaça pela Livr José Olympio Ed. (2001)
>>> Poema Sujo de Ferreira Gullar/ Pref.: Alcides Villaça pela Livr José Olympio Ed. (2001)
>>> Poema Sujo de Ferreira Gullar/ Pref.: Alcides Villaça pela Livr José Olympio Ed. (2001)
>>> O Poder dos Pais Que Oram de Stormie Omartian pela Mundo Cristão (2001)
COLUNAS

Terça-feira, 21/10/2008
Sua Excelência, o Ballet de Londrina
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 3100 Acessos

Dedicado aos que, em estado de loucura, amaram. E aos que em estado de amor, enlouqueceram.

"Eu estava em ti, ó movimento, e fora de todas as coisas".
(A alma e a dança ― Paul Valéry)

O país do futebol, do samba e do carnaval consegue, por vezes, produzir milagres no que diz respeito à dança contemporânea. Um desses milagres é o Ballet de Londrina. Fruto da vontade hercúlea encarnada na pessoa do seu diretor e coreógrafo Leonardo Ramos e do impressionante e vigoroso grupo de bailarinos que compõem o Ballet de Londrina, esse milagre se perpetua a cada novo espetáculo.

O Ballet de Londrina comemora seus 15 anos mostrando uma experiência mais que adulta, radical. Com o espetáculo Decalque, sob a música vibrante do compositor russo Sergei Prokofiev, o grupo expõe o resultado de anos de pesquisas e sério envolvimento com a idéia de que a renovação da própria linguagem é o princípio que alimenta e justifica a existência de uma obra de arte.

O espetáculo viajou Brasil afora e exterior, emocionando as platéias que puderam encontrar na dança a força dos movimentos irracionais da alma.

O leitmotiv do espetáculo Decalque é o drama de Romeu e Julieta. Mas não espera-se encontrar aqui uma transposição literal do tema do casal trágico de Verona. Pois a idéia de um "decalque", no sentido de apropriar-se de um tema e decalcá-lo em outro espaço/forma/gênero, é o que move a criação do espetáculo do grupo de dança de Londrina. E a forma com que essa idéia se implementa é o que verdadeiramente conta neste trabalho e o que revela o caráter impressionante e radical da experiência singular do Ballet de Londrina.



Há um componente técnico de onde parte a experiência renovada deste espetáculo: a proposta de se trabalhar de uma maneira diferente com os eixos de equilíbrio e apoio para a locomoção do corpo. "Privilegiando a horizontalidade do corpo para explorar pontos de apoio e eixos de equilíbrio, os bailarinos dançam na maior parte do tempo ao nível do solo, trabalhando bastante os braços e o abdômen, numa proposta diferente da dança clássica centrada no trabalho de pés e pernas. De certa forma, Decalque é um desafio coreográfico que provoca algum estranhamento pela inversão da 'lógica' corporal da dança. O processo foi um desafio para o elenco que, tendo corpos solidamente formados na vertical, através de anos de estudo de balé clássico, teve que construir novos apoios e eixos, fazendo de suas limitações fonte de descoberta de movimentos singulares e até dotados de algum ineditismo".

Este é o dado técnico sob o qual o espetáculo foi criado com grande competência. Mas se fosse apenas isso, o que já é uma experiência e tanto, já seria muito. Pois como sabemos, a arte é mais do que apenas um domínio técnico sobre a matéria que se trabalha. Se apenas a técnica bastasse teríamos vários Picassos, Mozarts e Nureievs andando por aí.

À parte o perfeito domínio técnico/corporal dos bailarinos, o Ballet de Londrina renova o conjunto dos movimentos geralmente já em estado de calcificação em várias companhias de dança. Essa renovação traz junto a ela um comportamento expressivo também novo, fruto de uma busca por algo que transponha o domínio limitado do elemento apenas intelectual/conceitual que tem prejudicado várias companhias de dança do país.

O que importa aqui é a experiência, o risco e a ousadia. E a disposição para colocar o corpo em estado de solicitação para o novo. Deixar o corpo entregar-se a esse desconhecido, a situações onde não prevaleçam normas pré-estabelecidas é o que dota o espetáculo de surpresas as mais intensas possíveis.



E essas surpresas são todas organizadas num conjunto de situações equilibradas, que tornam a coreografia um desafio visual para o espectador que é pego de surpresa a cada momento da apresentação. Corpos insinuam uma decolagem e imediatamente transportam-se para o chão onde realizam uma série de movimentos dotados de força, equilíbrio e paixão. Sintomas da pulsão que os remete simultaneamente aos estados elevados da alma e que trazem em si, ao mesmo tempo, os estados mais baixos dos arroubos irracionais típicos da paixão amorosa. Como no estado de paixão, a força e a emoção tentam equilibrar o que não pode ser equilibrado. E isso o corpo dos bailarinos demonstra com muita sensibilidade nos movimentos que parecem se contradizer o tempo todo.

Há um vai-e-vem entre os movimentos dóceis, em gestos lineares, e os movimentos pesados, carregados de drama e de entrecortes. A doçura e o desregramento do espírito produzem as belas movimentações que unem e separam os corpos dos amantes. E sentimos o grau de ansiedade deste ir e vir, quase nos desequilibrando com a impossibilidade exposta de se controlar a situação daqueles corpos em constante mudança de estado emocional. E os músculos dramatizam o que o espírito sente. Há momentos de felicidade, mas há também momentos duros de choque, de violência e de insatisfação. A música leva tudo isso ao seu mais alto grau de dramatização. Ela guia a força, o peso e a velocidade dos corpos em ação. Sentimos intuitivamente a presença da história de Shakespeare, com a possibilidade da paixão terminar no seu mais dramático fim: a morte dos amantes. Nos lembramos de uma força que ultimamente encontra-se sobre o controle da razão: a paixão irracional. Sobre controle e diagnosticada como loucura.

Mas não no corpo dos dançarinos, onde a paixão existe, se manifesta e move cada gesto, cada situação, cada encontro e desencontro. Renova-se asism a leitura de Romeu e Julieta, não mais na retórica da obra literária, mas na ação dos corpos movidos pela irracionalidade do desejo de amar e pelo gosto da morte por amar.

O impacto causado pelo grupo de dançarinos se deve, então, a esse conjunto de elementos: competência técnica, vontade experimental e ousada coreografia que não teme a força do encontro entre emoção e forma plástica. Tudo isso levado a termo pela presença também expressiva da música de Prokofiev que articula o tempo dos movimentos dos corpos, sua força e dramaticidade dentro da coreografia.

O Ballet de Londrina nos mostra que o corpo de um artista/bailarino pode criar sempre a novidade, o espanto e a beleza, tal qual um teclado de piano em sua infinita possibilidade de variações sonoras.



O Brasil ainda é tímido na apreciação da grande arte e os discursos populistas preferem jogar sobre o público o lixo que anestesia as consciências e a vida. Financia-se o próprio lucro e vende-se a cultura industrial como arte. Entristece ver o pouco financiamento que uma companhia do porte do Ballet de Londrina tem, mas ficamos felizes em ver que isso não os abate, ao contrário, os engrandece na sua luta pela qualidade, pela grande arte que produz no especatdor a chance de se tornar, tal qual os bailarinos, grandes almas.

A Companhia Ballet de Londrina não se mede apenas por este espetáculo que comentamos, mas por sua história e persistência como um todo. Sob a coordenação singular e apaixonada de Leonardo Ramos e com o envolvimento também apaixonado dos seus bailarinos, por anos a fio a companhia tem se dedicado a experimentar com o corpo aquilo que Romeu e Julieta experimentaram com a alma: a paixão.

Para ir além
Ballet de Londrina.


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 21/10/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Meshugá, a loucura judaica, de Jacques Fux de Jardel Dias Cavalcanti
02. O quanto podemos compreender de Guilherme Carvalhal
03. O que vai ser das minhas fotos? de Ana Elisa Ribeiro
04. O que aconteceu com a Folha de S. Paulo? de Julio Daio Borges
05. Seriados made in the USA de Juliana Lima Dehne


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2008
01. Quem destruiu Anita Malfatti? - 16/9/2008
02. Escrevo deus com letra minúscula - 5/3/2008
03. Arthur Bispo do Rosário, Rei dos Reis - 11/11/2008
04. Evidências do Nada: a poesia de Paulo Ferraz - 1/1/2008
05. Jogos olímpicos na China - 2/9/2008


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




NOSSO HOMEM EM HAVANA
GRAHAM GREENE
O GLOBO
(2003)
R$ 10,00



COMO SE FAZ HUMOR POLÍTICO
HELFIL; TARIK DE SOUZA
KUARUP
(2014)
R$ 40,00



MINHA 1ª BIBLIOTECA: LAROUSSE MUNDO - VOL. 5
LAROUSSE
LAROUSSE JÚNIOR
(2007)
R$ 10,00



LUGAR, TEMPO, OLHAR
ANNE LOUYOT; RITA FALEIROS
ATELIE
(2009)
R$ 25,00



PROMETEU AGRILHOADO
ÉSQUILO
ATLÂNTIDA - COIMBRA
(1967)
R$ 10,00



MORTE NO NILO ASSASSÍNIO NA MESOPOTÂMIA VOL 14 DA COLEÇÃO VAMPIRO
AGATHA CHRISTIE
LIVROS DO BRASIL
(1984)
R$ 39,00



VIAGEM VIRAGEM CORAGEM
ANNA MARIA FEITOSA
PIAGET
(1998)
R$ 44,70



POEMAS NO VERSO (AUTOGRAFADO)
SILVIO CÉSAR AROUCK GEMAQUE
FIUZA
(2000)
R$ 15,00



CURSO DE DIREITO COMERCIAL - VOLUME 1
FÁBIO ULHOA COELHO
SARAIVA
(2002)
R$ 10,00



OXFORD STUDENTS DICTIONARY OF ENGLISH (LIVRO SEM CD)
OXFORD UNIVERSITY PRESS
OXFORD UNIVERSITY PRESS
(2002)
R$ 35,00





busca | avançada
32696 visitas/dia
1,3 milhão/mês