Evidências do Nada: a poesia de Paulo Ferraz | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
35344 visitas/dia
1,6 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Ciclo de leitura online e gratuito debate renomados escritores
>>> Nano Art Market lança rede social de nicho, focada em arte e cultura
>>> Eric Martin, vocalista do Mr. Big, faz show em Porto Alegre dia 13 de abril
>>> Gabriel Cândido lança livro no Sesc São Caetano que aborda a aborda diáspora negra
>>> 'Estilhaços', o novo livro de Luís Fernando Amâncio
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Obra traz autores do século XIX como personagens
>>> As turbulentas memórias de Mark Lanegan
>>> Gatos mudos, dorminhocos ou bisbilhoteiros
>>> Guignard, retratos de Elias Layon
>>> Entre Dois Silêncios, de Adolfo Montejo Navas
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
>>> O segredo para não brigar por política
>>> Endereços antigos, enganos atuais
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> Saudades, lembranças
>>> Promessa da terra
>>> Atos não necessários
>>> Alma nordestina, admirável gênio
>>> Estrada do tempo
>>> A culpa é dele
>>> Nosotros
>>> Berço de lembranças
>>> Não sou eterno, meus atos são
>>> Meu orgulho, brava gente
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Para amar Agostinho
>>> Discos de MPB essenciais
>>> Conceitos musicais: blues, fusion, jazz, soul, R&B
>>> O Passado, de Hector Babenco
>>> Curtas e Grossas
>>> Caneando o blog
>>> Arte é entropia
>>> Amor fati
>>> 50 anos da língua de Riobaldo
>>> Dando nome aos progres
Mais Recentes
>>> Introdução à Engenharia Ambiental: O Desafio do Desenvolvimento Sustentável de Benedito Braga pela Pearson Universidades (2005)
>>> Magia e cura Kahuna: Saúde holística e práticas de cura da Polinésia de Serge Kahili King pela Madras (2004)
>>> Dicionário De Filosofia de Nicola Abbagnano pela WMF Martins Fontes (2000)
>>> PNF: Facilitação neuromuscular proprioceptiva: Um guia ilustrado de Susan S. Adler pela Manole (2007)
>>> Teoria Do Estado E Da Constituição de Jorge miranda pela Forense (2009)
>>> Livro Completo De Etiqueta De Amy Vanderbilt de Nancy Tuckerman pela Nova Fronteira (2000)
>>> Faça Como Steve Jobs de Carmine Gallo pela Lua de Papel (2010)
>>> A Chave do Reino Interior Inner Work de Robert A. Johnson pela Mercuryo (1989)
>>> O Livro de Deus - a Bíblia Romanceada de Walter Wangerin Jr. pela Mundo Cristão (1998)
>>> Araribá Plus. Geografia - 9º Ano de Cesar brumuni dellore pela Moderna (2018)
>>> Araribá Plus Artes 9º Ano de Denis Rafael pereira pela Moderna (2018)
>>> Projeto do Submarino Nuclear Brasileiro de Fernanda das Graças Corrêa pela Capax Dei (2010)
>>> Um Futuro Moldado por Deus de Ron Phillips pela Graça (2013)
>>> Mudança de Mo Yan pela Cosac & Naify (2013)
>>> Cem anos de solidao de Gabriel Garcia pela Mediasat (1967)
>>> Quando uma Garota Entra Em um Bar de Helena S. Paige pela Novo Conceito (2013)
>>> História do Japão: Origem, Desenvolvimento e Tradição de um País Milenar de Associação Cultural e Esportiva Saúde pela Graftipo Ltda (1995)
>>> Minha formação de Joaquim Nabuco pela Topbooks (2004)
>>> 64 Contos de Rubem Fonseca de Rubem Fonseca pela Cia das Letras (2004)
>>> Processo de Enfermagem de Wanda de Aguiar pela E.p.u. (1979)
>>> Paganism: An Introduction to Earth-Centered Religions de Joyce Higginbotham pela Llewellyn Publications (2011)
>>> Fantasma - Edição Histórica nº 14 A invasão de Bengala e A vitória em Bengala de Vários Autores pela King Features Syndicate (1995)
>>> Penguin Minis, Legend: 1 de Marie Lu pela Penguin (2019)
>>> Sem Tesão não há Solução de Roberto Freire pela Sol e Chuva (1990)
>>> A Arte De Amar de Erich Fromm pela Itatiaia (1995)
COLUNAS

Terça-feira, 1/1/2008
Evidências do Nada: a poesia de Paulo Ferraz
Jardel Dias Cavalcanti
+ de 6500 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Acaba de ser lançado pela editora Selo Sebastião Grifo o longo poema "De novo nada", de Paulo Ferraz. Em seus 584 versos livres o poema abre-se à experiência da própria existência contemporânea: fragmentada, crispada, insegura, flutuante e fraturada. Para isso, vale-se da liberdade dada pelo ritmo de uma escrita ela também flutuante e fragmentada, tal qual a realidade que nos cerca.

Bacharel em Direito e mestre em Teoria Literária, Paulo Ferraz é autor de outros dois livros: Constatação do óbvio (1999) e Evidências pedestres (2007), também publicados pela Sebastião Grifo.

O título do livro De novo nada, relacionado na capa à antiqüíssima imagem da Vênus de Willendorf, evoca a idéia de que sempre estivemos vivendo numa espécie de "terra desolada" ou no círculo vicioso e diabólico de Sísifo e que, conseqüentemente, "nada de novo há sob o sol".

Existiria no centro do poema, a partir da consciência da fragmentação universal e da ausência de utopias ou de qualquer desejo de transcendência, a crença na falência da cultura? Não, pois se assim fosse nem o poema seria escrito pelo poeta.

O que se passa é que é a partir dessa consciência, alfinetada pelo desqualificado mundo contemporâneo, que o poeta parte para sua experiência de escrita poética. Como dizia Walter Benjamim, autor de uma das epígrafes do livro, se só temos o caos é a partir dele que devemos criar. A poesia de Paulo Ferraz, pode-se dizer, adequa-se a esse pensamento. O resultado é seu instigante poema "De novo nada".

Na orelha do livro Viviana Bosi chama a atenção para o aspecto da experiência da cidade contemporânea (metáfora do existir contemporâneo) "que fundamenta toda a paisagem e sensibilidade do poema — história embebida na singularidade subjetiva". É, pois, a partir da experiência dentro da cidade que o poeta mergulha seu focinho na realidade desconcertante e na suposta falaciosidade da vida contemporânea.

O livro se abre com um encontro inusitado entre o poeta e uma cigana, mais mendiga que cigana, que lhe agarra a mão num átimo. Nesse encontro já se anuncia a crise com as utopias, pois o futuro lido por uma mendiga mais que cigana (decadência dos oráculos) já traz em si o desconcerto de qualquer idéia de realização ou adivinhação futura. A utopia, impossibilitada de habitar a memória, esta inútil, "perdeu-se na poluição".

O poema expõe na sua linguagem irritantemente desenraizada o principal aspecto da nossa existência "asfáltica, estéril, onde nada nasce", inclusive "imprópria para o plantio das palavras". Por isso, "nossa mudez é absoluta, mesmo a daqueles que pensam ter o dom da palavra, mudez seca como nem a pedra é seca".

A idéia já apresentada e, inclusive, defendida pela literatura moderna, da experiência como um espelho aos cacos, de onde só podemos captar fragmentos isolados, parece ao poeta tingida por uma certa melancolia. Embora seu próprio poema seja um amontoado de cacos, captação de dados relativos, sem a mínima pretensão à totalidade, há uma contradição dentro do poeta e dentro do poema: uma utopia negativa, um desejo insistente de que não deveria ser assim e que pode ser percebida na preocupação com a mulher do outdoor ("É de carne? Paga suas contas no fim de cada mês? Come o que como?"), "seu corpo falso, luzes prisioneiras do papel, não nos esconde que é engodo". O que diria o poeta diante do belo ideal das esculturas gregas? O mesmo que Platão?

E o que diz do mundo contemporâneo? Diz, talvez, o mesmo que Saramago, que estamos como sempre e mais que sempre dentro da caverna de Platão. A relação que o poeta estabelece entre a beleza falsa da modelo do outdoor e a cigana, que é apenas uma mendiga inapta para o projeto de adivinhar possibilidades para o futuro, se dá através da idéia da impossibilidade da constituição de significados ou de palavras que tenham valor: o resultado é claro — "nossa mudez é absoluta". Ou ainda: "não tenho mais nada a dizer, não espere de mim a palavra ou o gesto".

A experiência da desterritorialização (outro aspecto da existência contemporânea), vista como um terrível isolamento social, aparece nos versos seguintes: "Se tombamos, não há quem nos levante, e na cama, quem nos aqueça, e na ofensa, quem nos defenda". Ao longo do poema alguns versos anunciam a contraditória nostalgia por um lugar outro que não esse da desolação da realidade falsa, da esterilidade ou da transcendência inviável: "Devo esquecê-la? Sem ela, viver não posso, não posso viver contente, pois a sombra me cobre aonde eu for, uma espessa nuvem de tormentas e saudade que minha vida envenena."

Embora condene este mundo é dele que sua poesia nasce, é dele que retira os seus versos velozes e estonteantes, é dele que brota seu poder de dialogar com a possibilidade de conviver em crise com a incapacidade de comunicação, inclusive transformando isso em poesia: "O mundo nos atravessando a cento e dez, o mundo em movimento, o mundo se perdeu na confusão de tanta noite e tanto dia, na profusão das coisas passando...". Como que descrevendo a negatividade de sua própria experiência poética, diz: "mas essas linhas são confusas, não me levam a nenhuma visão".

O que o poeta parece temer é o que Joyce transformou em máxima para sua obra: "A história é um pesadelo do qual eu quero acordar". O real pode ser apenas "êxtase-tormento", já que tornou-se deserdado do passado, do presente ou do futuro, mas é onde o poeta mergulha sua fuça para nos trazer seus versos, frutos da sua vivência pelas ruas, "em que nada mantém sua aura".

A Vênus da capa do livro não é apenas o atestado de que estamos sempre paralisados num tempo morto. Talvez seja a lembrança de que esta estatueta, tal qual a poesia, seja um talismã da fertilidade, e que a única verdadeira fertilidade possível, a da linguagem, só pode ser alcançada pela poesia. Mesmo que a poesia não signifique mais nada nesse mundo. E o mundo, o que, afinal, significa? De novo nada. Assim vaticina o poeta.


Jardel Dias Cavalcanti
Campinas, 1/1/2008

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Se a vida começasse agora de Luís Fernando Amâncio
02. O romance do 'e se...' de Cassionei Niches Petry
03. Fui assaltado de Julio Daio Borges
04. 2008, o ano de Chigurh de Vicente Escudero
05. O Natal somos nozes de Pilar Fazito


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2008
01. Quem destruiu Anita Malfatti? - 16/9/2008
02. Escrevo deus com letra minúscula - 5/3/2008
03. Arthur Bispo do Rosário, Rei dos Reis - 11/11/2008
04. Evidências do Nada: a poesia de Paulo Ferraz - 1/1/2008
05. Jogos olímpicos na China - 2/9/2008


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
24/1/2008
10h10min
Muito bem colocada a experiência fragmentada da realidade no poema de Paulo Ferraz, como o fez também nos seus outros livros, onde relata visões peculiares (que só um poeta pode perceber) do mudo visível e palpável em que estamos inseridos (no caso de Paulo a cidade de São Paulo e seus habitantes), com uma maestria invejável. Uma correção: os Versos de Paulo Ferraz não são versos livres, são uma redondilha maior (7 sílabas poéticas) com uma divisão peculiar.
[Leia outros Comentários de Danilo Zanirato]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Evolucao dos Seres Vivos
Nelio Bizzo
Atica
(1994)



A Carruagem Alada: Memórias
Maria de Lourdes Teixeira
Pioneira
(1986)



Homeopatia: o Que é e o Que Não é
Gerson Rodrigues Marins
Nacional
(1986)



Outro Diálogo é Possivel na Cooperação Norte - Sul
Varios Autores
Peirópolis
(2003)



Nutrição e Atividade Física
Dilson Kamel / José Kamel
Sprint
(1998)



Bts - Reis do K-pop
Helen Brown
Astral Cultural
(2019)



Livro - Lúcifer - Volume um - a Infernal Comédia - Peço por Comida
Neil Gaiman, Dan Watters, Max Fiumara
Panini
(2019)



Uma Vida Tratando Águas - Memórias do Engenheiro Armando Fonzari Pera
Manoel Henrique Campos Botelho
Engenho
(2000)



Magia do Caminho Real
Anna Sharp
Rosa dos Tempos
(1994)



Guia de Restaurantes Japoneses 2010 (são Paulo Rio e Janeiro
Vários Autores
Jbc
(2010)





busca | avançada
35344 visitas/dia
1,6 milhão/mês