O mundo é pequeno demais para nós dois | Renato Alessandro dos Santos | Digestivo Cultural

busca | avançada
41871 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Namíbia, Não! curtíssima temporada no Sesc Bom Retiro
>>> Ceumar no Sesc Bom Retiro
>>> Mestrinho no Sesc Bom Retiro
>>> Edições Sesc promove bate-papo com Willi Bolle sobre o livro Boca do Amazonas no Sesc Pinheiros
>>> SÁBADO É DIA DE AULÃO GRATUITO DE GINÁSTICA DA SMART FIT NO GRAND PLAZA
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Modernismo e além
>>> Pelé (1940-2022)
>>> Obra traz autores do século XIX como personagens
>>> As turbulentas memórias de Mark Lanegan
>>> Gatos mudos, dorminhocos ou bisbilhoteiros
>>> Guignard, retratos de Elias Layon
>>> Entre Dois Silêncios, de Adolfo Montejo Navas
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> O que há de errado
>>> A moça do cachorro da casa ao lado
>>> A relação entre Barbie e Stanley Kubrick
>>> Um canhão? Ou é meu coração? Casablanca 80 anos
>>> Saudades, lembranças
>>> Promessa da terra
>>> Atos não necessários
>>> Alma nordestina, admirável gênio
>>> Estrada do tempo
>>> A culpa é dele
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Bate-papo com Odir Cunha
>>> Entrevista com Sérgio Rodrigues
>>> Leblon
>>> Uma entrevista literária
>>> A ilusão da alma, de Eduardo Giannetti
>>> Salinger, de David Shields e Shane Salerno
>>> O Coronel, o Lobisomem e o Vestibular
>>> O delfim, de José Cardoso Pires
>>> Apresentação autobiográfica muito solene
>>> #ImpeachemnetPapaFrancisco
Mais Recentes
>>> Chico Xavier Nº 1 Vida e Obra de Vários Autores pela Escala
>>> Terra meus primeiros 4,54 Bilhões de Anos 379 de Stacy McAnulty pela Melhoramentos (2022)
>>> O Ressurgimento de Fátima de Trigueirinho pela Pensamento (1992)
>>> O Patinho Matemático 379 de Jean-Claude Alphen pela Melhoramentos (2017)
>>> Te Quero Verde (ótimo estado) de Ieda Martins De Oliveira pela Cpb (1999)
>>> Roteiro - Pocket de Francisco Cândido Xavier pela Federação Espírita Brasileira (1994)
>>> Com Vacina tudo em Cima 379 de Carme Dolz pela Melhoramentos (2022)
>>> A História do Lobo Solitário 379 de Lúcia Brandão pela Melhoramentos (2022)
>>> A Política do Precariado do Populismo à Hegemonia Lulista de Ruy Braga pela Boitempo (2012)
>>> Nosso corpo é Demais 379 de Tyler Feder pela Melhoramentos (2022)
>>> A Menina e o Vestido de Sonhos 379 de Alexandre Rampazo pela Melhoramentos (2022)
>>> Cosmogênese de Dr. Jorge Adoum pela Feeu (1977)
>>> Araxá - Põe a Mesa - Vol. 2 de Fernando Braga de Araújo pela O Lutador
>>> Os Fundamentos Da Fisica 1- Mecanica - 7ª Ed (muito bom) de Toledo Ramalho, Nicolau pela Moderna (2000)
>>> O Trabalho no Mundo Contemporâneo: fundamentos e desafios para a saúde de Ialê Falleiros Braga, Muza Clara Chaves Velasques e outros (Orgs.) pela Fiocruz (2016)
>>> A Garota que não se Calou de Daré pela Tag (2021)
>>> "Eu Sou" o "Eu Sou" de Ponte Para a Liberdade pela Feeu (1979)
>>> Escravidão Volume 1 de Laurentino Gomes pela Globo Livros (2019)
>>> O Novo Livro de Massagem de Lucy Lidell / Sara Thomas pela Manole (2000)
>>> Ultimate Guide to Link Building de Eric Ward pela Entrepreneur (2013)
>>> Herdeiras do Mar de Mary Lynn Bracht pela Paralele (2020)
>>> A serra do rola-moça de Martinho da Vila pela Zfm (2009)
>>> Sexo, Amor e Sedução (como novo) de Fatima Moura pela Harbra (2006)
>>> Dom Quixote vol. 1 de Miguel de Cervantes pela Abril Cultural (1981)
>>> Potestade de Gleides Giorgio Affonso (Org) pela Átomo (1999)
COLUNAS

Terça-feira, 3/8/2021
O mundo é pequeno demais para nós dois
Renato Alessandro dos Santos
+ de 1900 Acessos



A morte de um advogado corrupto está no epicentro deste novo romance de George dos Santos Pacheco. Embora o autor ainda não tenha soprado as 40 velinhas, ele já chega ao quarto romance, contando ainda com livros de contos, com poemas e com crônicas que vem lançando frequentemente. Agora, é outra narrativa policial que ele publica; a anterior, O pacto, respinga aqui, em O mundo é pequeno demais para nós dois, obra repleta de marcas que, longe de uma abordagem tradicional, carregam os sinais de estranhamento que a literatura brasileira atual vem irradiando com autores exatamente como George.

Théo, o protagonista que o diabo alicia, é mencionado, mas, muito mais do que ele, é o próprio autor, George dos Santos Pacheco, que habita o novo romance como... George dos Santos Pacheco. Eis uma das marcas de estranhamento; sim, nada de novo sob o Cruzeiro do Sul, mas são artimanhas assim que revitalizam a literatura contemporânea da qual George faz parte, e, no romance, George, personagem de si mesmo, narra seu encontro com Suzanne em uma livraria, por conta da publicação de O pacto. Do ponto de vista dos recursos aos quais a imaginação recorre – naqueles momentos em que a criação literária, no gerúndio, vai acontecendo – é bastante instigante.

George é narrador também; quer dizer, um dos narradores, porque, além dele, há outros, para desespero de leitores que, porventura, pairando um centímetro acima do chão, terão de retornar algumas páginas. É preciso ficar agarrado ao que vai: quem conhece o trabalho do autor sabe que ele faz de propósito, confiando na argúcia da gente, seus leitores. Não, não se trata de desatenção com a estrutura narrativa; em vez disso, é construir engenhosamente um mundo fictício onde as coisas acontecem e, na aparição dessas coisas, a certeza de que se está com um autor que se preocupa em fazer diferente aquilo que, na arte literária, jamais deve ser feito apenas repetindo o que outros, antes, fizeram. Literatura não é algo a ser vendido a preço de banana, como um kit em que se paga por uma unidade e se leva três. Nada disso. O trabalho de George segue um caminho nem sempre asfaltado e, por esse motivo, tem de contar com leitores que saibam desviar de obstáculos que queiram malograr a travessia.

George desaparece, e a polícia o tem como suspeito no assassinato do advogado. Outros possíveis candidatos à morte do corruptor emergem. Um deles é Raphael, que também vira narrador; em seu encalço, vai Pedro Avellar, que investiga o caso contando com a ajuda de X, seu amigo de infância, que também vai ajudar na solução do crime. Ambos tornam-se narradores, como Miltão... Tropeço... Confuso?

Como repetiria um bem-humorado professor de latim dos tempos de graduação: Pay attention, s’il vous plait! Faz parte. Leitores saberão bem o que é esta narrativa, na ulterior hora quando a literatura vira leitura em progresso: enquanto peripécias – que fazem a cabeça do autor – vão surgindo, como em toda boa narrativa policial, a gente avança, rumo ao clímax e ao posterior desenlace do enredo. Por falar nisso, um elemento narrativo que merece destaque é o espaço que serve de cenário à trama: Friburgo, ou melhor, Nova Friburgo, cidade do estado do Rio de Janeiro onde reside George e que, além de contar com a Mata Atlântica a retocar a região, serve de palco para as ações que vão se desenvolvendo ao longo dos 16 capítulos de O mundo é pequeno demais para nós dois.



Enfim, trata-se de um escritor que parece não sossegar e, por isso, não está disposto a pendurar seu Microsoft Word. Leitores novos e veteranos torcem para que o autor vá cada vez mais fundo nesta forma narrativa longa, o romance, que, quando conta com empenhados & criativos contadores de histórias, só faz fluir a vida com mais dinâmica; no caso, amarrando todas as pontas, George serve-se do fio narrativo que, à beira do precipício, conduz a gente pelo labirinto; os leitores hão de se lembrar disso, ao percorrer, do início ao fim, esta trama que se arrisca naquelas veredas inventivas cheias de rupturas, lá onde vai brotando – feito foz – a literatura.

Nota do Autor
Renato Alessandro dos Santos, 48, é autor de Lado B: música, literatura e discos de vinil, de Todos os livros do mundo estão esperando quem os leia (volumes I e II), de O espaço que sobra, seu primeiro livro de poesia (todos publicados pela Engenho e arte), além de outras obras.


Renato Alessandro dos Santos
Batatais, 3/8/2021

Quem leu este, também leu esse(s):
01. O momento do cinema latino-americano de Humberto Pereira da Silva
02. O artista hoje: entre o 'proponente' e o pedinte de Almandrade
03. Eu, Marília de Marília Almeida
04. Voto fulo de Guga Schultze
05. Vida ou arte em Zuzu Angel de Marcelo Miranda


Mais Renato Alessandro dos Santos
Mais Acessadas de Renato Alessandro dos Santos em 2021
01. Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra - 14/9/2021
02. Isto é para quando você vier - 19/1/2021
03. LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo - 17/8/2021
04. As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e... - 18/5/2021
05. O mundo é pequeno demais para nós dois - 3/8/2021


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Elefante Xadrez - Série Arca de Noé
Alvaro Cardoso Gomes
Ftd
(2000)



Mulheres Pintadas
Dóris Fleury
Celebris
(2003)



De Volta ao Ventre
Eduardo Rodrigues
Ftd
(1992)



Construtivismo e Mudança 29/ 10ªed / Confira!!
Sanny S da Rosa
Cortez
(1994)



Livro - O Aniversário do Dinossauro// Coleção de Aniversários (volume 1)
Índigo
Dedo de Prosa
(2012)



Louco por Viver
Roberto Shinyashiki
Gente
(2013)



O Manual da Garota Geek
Sam Maggs
Única
(2015)



O Espião Que Saiu do Frio
John Le Carre
Abril Cultural
(1980)



No Tempo da Abolição (1994)
Julieta de Godoy Ladeira
Moderna
(1994)



Rough Guide South Africa 7ªed (2012) (ingês)
Rough Guide
Rough Guides
(2012)





busca | avançada
41871 visitas/dia
1,4 milhão/mês