Leitura vertical e leitura horizontal | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
34554 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Banco Inter É uma BOLHA???
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
>>> Nubank na Hotmart
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Festa na floresta
>>> A crítica musical
>>> 26 de Julho #digestivo10anos
>>> Por que escrevo
>>> História dos Estados Unidos
>>> Meu Telefunken
>>> Uma Receita de Bolo de Mel
>>> O apanhador no campo de centeio
>>> Curriculum vitae
>>> O Salão e a Selva
Mais Recentes
>>> Harry Potter e a Pedra Filosofal de J. K. Rowling pela Rocco (2000)
>>> Infinite Jest de David Foster Wallace pela Back Bay Books (1996)
>>> Nine Dragons de Michael Connelly pela Hieronymus (2009)
>>> The Innocent de Taylor Stevens pela Crown Publishers (2011)
>>> The Watchman de Robert Crais pela Simon & Schuster (2007)
>>> The Watchman de Robert Crais pela Simon & Schuster (2007)
>>> Filosofia Para Crianças e Adolescentes de Maria Luiza Silveira Teles pela Vozes (2008)
>>> O Caminho da Perfeição de A. C. Bhaktivedanta Swami pela The Bhaktivedanta (2012)
>>> O Caminho da Perfeição de A. C. Bhaktivedanta Swami pela The Bhaktivedanta (2012)
>>> Vida de São Francisco de Assis de Tomás de Celano pela Vozes (2018)
>>> Apóstolo Paulo de Sarah Ruden pela Benvirá (2013)
>>> Apóstolo Paulo de Sarah Ruden pela Benvirá (2013)
>>> Astrologia e Fatalismo Magnetismo e Hipnose de Ferni Genevè pela Fase (1983)
>>> Práticas da leitura de Roger Chartier (org.) pela Estação Liberdade (2001)
>>> Universo em Desencanto A Verdadeira Origem da Humanidade Vol 1 de Não Informada pela Mundo Racional
>>> Matemática Financeira de Roberto Zentgraf pela Ztg (2002)
>>> Como Negociar Qualquer Coisa Com Qualquer Pessoa Em Qualquer Lugar do Mundo de Frank L. Acuff pela Senac (1998)
>>> Morte e Vida Severinas: das Ressurreições e Conservações ... Ed. Ltda. de Nelci Tinem e Luizamorim: Organização pela Impre. Univ. J. Pessoa (2012)
>>> Mais Trinta Mulheres que Estão Fazendo a Nova Literatura de Luiz Ruffato pela Record (2005)
>>> Príncipe Sidarta A Fuga do Palácio de Patricia Chendi pela Rocco (2000)
>>> Como Criar Filhos Autoconfiantes de Anthony Gunn pela Gente (2011)
>>> Como Criar Filhos Autoconfiantes de Anthony Gunn pela Gente (2011)
>>> Como Criar Filhos Autoconfiantes de Anthony Gunn pela Gente (2011)
>>> Como Criar Filhos Autoconfiantes de Anthony Gunn pela Gente (2011)
>>> Como Criar Filhos Autoconfiantes de Anthony Gunn pela Gente (2011)
>>> Smart Work Why Organizations Full Of Intelligent People ... de Steven A. Stanton pela Do Autor (2016)
>>> Estatística Objetiva de Roberto Zentgraf pela Ztg (2001)
>>> Diários Messiânicos: uma Experiência de Extensão Universitária de Bruno Cesar Euphrasio de Mello pela Univ. Federal Rgs. (2015)
>>> The Lost Symbol de Dan Brown pela Doubleday (2009)
>>> Dez Dias de Cortiço de Ivan Jaf pela Ática (2009)
>>> Medicina do Além Um Presente de Jesus para a Humanidade de Fabio Alessio Romano Dionisi pela Dionisi (2014)
>>> Energia Renovável de Dme pela Dme
>>> São João Paulo Grande Seus Cinco Amores de Jason Evert pela Quadrante (2018)
>>> At Risk de Patricia Cornwell pela Little Brown And Company (2006)
>>> Gone For Good de Harlan Coben pela Na Orion Paperback (2007)
>>> When The Wind Blows de James Patterson pela Little Brown And Company (1998)
>>> Windmills Of The Gods de Sidney Sheldon pela William Morrow And Companhy (1987)
>>> If Tomorrow Comes de Sidney Sheldon pela William Morrow And Companhy (1985)
>>> Pearl Dakotah Treasures 2 de Lauraine Snelling pela Bethany House (2004)
>>> Pearl Dakotah Treasures 2 de Lauraine Snelling pela Bethany House (2004)
>>> Children Of The Lamp Book One de P. B. Kerr pela Orchard Books (2004)
>>> The Tale Of Despereaux de Kate Di Camillo pela Candlewick Press (2003)
>>> What She Left For Me de Tracie Peterson pela Bethany House (2005)
>>> Mulher (Trilingue) de Orestes Campos Barbosa pela Sografe, Belo Horizonte (2009)
>>> Mulher (Trilingue) de Orestes Campos Barbosa pela Sografe, Belo Horizonte (2009)
>>> A Christmas Carol de Charles Dickens pela Bendon (2014)
>>> A Christmas Carol de Charles Dickens pela Bendon (2014)
>>> Ruby Dakotah Treasures 1 de Lauraine Snelling pela Bethany House (2003)
>>> Opal Dakotah Treasures 3 de Lauraine Snelling pela Bethany House (2005)
>>> Amethyst Dakotah Treasures 4 de Lauraine Snelling pela Bethany House (2005)
COLUNAS

Sexta-feira, 26/5/2006
Leitura vertical e leitura horizontal
Julio Daio Borges

+ de 17300 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Quanto à nomenclatura, acho que foi a expressão "blogs verticais" aplicada a portais como Weblogs, Inc., de Jason Calacanis, nos Estados Unidos, e Weblogs SL, de Julio Alonso, na Espanha, que me fez pensar nos dois tipos de leitura que apresento aqui. Na realidade, não tem nada a ver em termos de conceito. "Blogs verticais", se você quer saber, são blogs hiperespecializados, de nicho, que acabam se tornando referência no assunto. Quanto às minhas "leituras", vamos começar pelo começo...

Desde que comecei a ler mais a internet - algo que sempre recomendo -, através dos feeds, descobri que minha percepção, da própria leitura, começou a mudar. Antes do Digestivo, apenas para exemplificar, eu, como leitor, ia onde meus interesses me levavam. Até sofria interferência da mídia, mas acho que conseguia dividir 50% para cada lado. Quando você se torna um "profissional de mídia", porém, a indústria cultural, e a indústria de releases (principalmente), acaba te afetando, não adianta. Inconscientemente, você adota o ritmo deles e embarca nas novidades que eles te apontam...

Como jornalista, ao me desligar momentaneamente dos releases, para me concentrar nos feeds, me dei conta de como nós, leitores, somos o que lemos. (Atenção, se você não está entendendo as expressões, siga para os links: "blogs", "feeds", "releases" - e depois volte.) Como naquele ditado, "somos o que comemos", acredito que, mais do que nunca, nossa cabeça é também produto do que mentalmente processamos. Por mais que sempre nos desculpemos - acostumados que estamos a digerir informação trash (música trash, televisão trash, internet trash) - dizendo que todo mundo está sujeito à sua cota de fast-food, temos de reconhecer que a sabedoria oriental ainda funciona: quanto mais bobagem você ouve, mais bobagem você vai falar.

Quem me acompanha aqui, sabe que, por minha própria conta e risco, embarquei numa pesquisa sobre Web 2.0 (pára-quedista, olhe o link) e descobri que existe um outro mundo na internet do qual a mídia daqui nem desconfia. Me "ausentei", como leitor, dos releases-nossos-de-cada-dia, e, de repente, comecei a reportar o que acontecia nessa nova Web, o que me indicavam os meus feeds: no Blog, nos Digestivos e nas Colunas. Se vocês prestaram atenção, vocês viram...

O fato é que quando saí dos feeds e voltei para os releases (tradução: saí da pesquisa sobre Web 2.0 e regressei para a indústria cultural daqui), notei o quanto estava condicionado às informações que os blogs me passavam. Eles eram as minhas novas "fontes"! Eles sem querer, ou querendo, como um todo orgânico, estavam orientando meus passos, minhas leituras, minha percepção do mundo. Foi um choque.

No fundo, eu sempre fui um leitor bastante exigente da mídia tupiniquim e sempre impliquei com a informação que dela provinha. E sabia, obviamente, que esses mecanismos - de informação e de formação - estavam em jogo o tempo todo. Mas, com a internet, eu nunca havia sentido isso: eu nunca havia sentido que, mais do que a velha mídia, ela pode ser, sim, um instrumento poderoso para formar nossa percepção das coisas, das pessoas, do mundo enfim.

Conclui, dessa viagem toda, que existem, basicamente, dois tipos de leitura. A horizontal que você faz, dia a dia, caçando as mesmas notícias em diferentes veículos; e a vertical que você faz, mais eventualmente, sobretudo na internet, quando mergulha num tópico e quer explorar - ao longo do tempo - tudo o que puder sobre ele. Digamos: você faz uma leitura horizontal quando tenta acompanhar a semana do "terror em São Paulo", por conta dos ataques do PCC; e você faz uma leitura vertical quando consulta a internet para se aprofundar sobre determinado tema (pode até ser o "PCC" de novo, mas, desta vez, você entra em arquivos e não segue atrás da novidade mais fresquinha...).

É a mudança que Seth Godin, paralelamente, apontou do Yahoo para o Google. Pense nos antigos portais de informação (quase todos os do Brasil): muita coisa na tela, algumas fotos, uma pancada de links e quase sempre, em destaque, as últimas notícias. Agora pense no Google (outro portal, quer queira, quer não): uma tela quase toda em branco, com meia dúzia (literalmente) de links e uma caixa onde você deve indicar o assunto, o tema, da sua busca, ou poderíamos sugestivamente dizer, da sua pesquisa.

Você percebe que são duas propostas completamente distintas? Uma é o "hoje", com suas urgências, seus erros e seus atropelos (leitura horizontal). E outra é atemporal, com erros também, claro, mas com uma dose talvez maior de acertos (leitura vertical). Num caso, você está à mercê do bombardeio da mídia e vai absorver, dizer e sentir o que a imprensa te indicar (vide o clima da semana passada nesta nossa capital...). No outro caso, você vai possivelmente se descolar da realidade, vivendo, quem sabe, um outro tempo que não, historicamente, o seu.

Até aí, você pode dizer - velho profissional de mídia - que essa dualidade sempre existiu. As bibliotecas sempre conviveram com o jornal diário, por exemplo. Quem queria ir para a pesquisa, dirigia-se às primeiras; quem preferia o dia-a-dia, atinha-se ao embrulha-peixe e às bancas de revista. Acontece, porém, que na internet uma coisa está ao lado da outra: você pula do livro (em PDF) para a notícia (em HTML); do blog para a Wikipédia; do podcast para o acervo da Amazon. E isso - esse salto tão perto assim - antes não existia.

A novidade também está, creio, no fato de a internet caminhar cada vez mais para a sua vocação de biblioteca. Nos exemplos que eu citei, das empresas mais bem-sucedidas na WWW, isso é nítido: o Google, embora se diga, não é tradicionalmente uma "empresa de mídia"; a Wikipédia sofre mais atualizações do que qualquer outra enciclopédia, mas vive, evidentemente, da acumulação de conhecimento; e a Amazon, por mais que tenha diversificado seu portfolio, é a biblioteca de Alexandria do presente, nem aí para as notícias...

O que eu acho, também, -e esse é o aspecto mais radical do meu texto- é que a mídia -apesar de, a princípio, não ser "biblioteca" ou não ter essa vocação- caminha igualmente para isso. Eu vejo no Digestivo. Os colaboradores notam as milhares de visitas por dia e me perguntam para onde vão essas pessoas: pois sabem que elas não vão necessariamente para as primeiras páginas do site, para a homepage; elas vão, majoritariamente, para o nosso arquivo. O que pode ser esquisito para uma revista eletrônica, mas é o que tem acontecido.

Não sei se por influência do Google, mas nós, profissionais de mídia, temos de abrir os olhos para isso: o leitor está fazendo muito mais "leituras verticais" do que "horizontais", hoje em dia. Por que o Google é o Google? Porque, em tese, ele possui o arquivo de toda a internet. Você já pensou nisso? O Google replica, em seus servidores, a internet inteira - e foi a empresa (ou iniciativa) mais eficiente, até agora, no sentido de colocar ordem no caos. (E não é uma empresa de mídia!)

Aqui no Digestivo, desde o nosso segundo layout, em 2002, eu passei a orientar a estrutura do site para o aspecto "biblioteca" da internet, de modo que o leitor pára-quedista se sentisse também confortável, e "se encontrasse", em qualquer página do Digestivo Cultural. O leitor novo, raramente, vai começar pela homepage. Ele vem quase que direto do Google, de acordo com a palavra-chave que digitou, e que o Google associou a alguma página interna do Digestivo. Então, ele precisa encontrar um "logo", um título, um "autor", uma forma de contato, um "menu" e o caminho de volta. E ele precisa encontrar, fundamentalmente, mais subsídio ("arquivo"), se precisar de mais informação - se aquela da página não for suficiente.

Isso - se a minha viagem aqui ainda comporta - vai induzir os produtores de conteúdo a trabalhar uma "forma" mais perene. Justamente ao contrário da mídia hoje estabelecida: apoiada em releases descartáveis, em informações que estão velhas já no outro dia, em nada que prenda a atenção por mais de... 24 horas. E vai obrigar todo mundo a organizar melhor o conteúdo que disponibiliza - para que ele sempre seja "encontrável" por quem realmente interessa. Caso contrário, terá sido inútil - e nem merecerá registro.

Eu, como convivi muito com ficção científica, gosto bastante da metáfora do "fim do mundo", depois de uma guerra nuclear. Aquele monte de escombros da civilização, e os sobreviventes caminhando, pisando, tropeçando... à procura de vestígios que expliquem o que houve antes da hecatombe, quem eram aquelas pessoas, como elas viviam? Às vezes penso que podemos estar produzindo informação para esse leitor completamente perdido lá no infinito... Informação que vai ter de parar em pé sozinha; informação que vai ter de se encadear não só numa seqüência de "leituras horizontais", mas numa série de "leituras verticais" também!

Alô, leitor do futuro: "Você consegue me ouvir?".


Julio Daio Borges
São Paulo, 26/5/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O jornalismo cultural na era das mídias sociais de Fabio Gomes
02. Meshugá, a loucura judaica, de Jacques Fux de Jardel Dias Cavalcanti
03. Memorial de Berlim de Marilia Mota Silva
04. Eu matei Marina Abramovic (Conto) de Jardel Dias Cavalcanti
05. 50 tons de Anastasia, Ida e outras protagonistas de Elisa Andrade Buzzo


Mais Julio Daio Borges
Mais Acessadas de Julio Daio Borges em 2006
01. Novos Melhores Blogs - 17/3/2006
02. O Gmail (e o E-mail) - 3/3/2006
03. Por que os blogs de jornalistas não funcionam - 22/9/2006
04. Desconstruindo o Russo - 21/7/2006
05. The Search, John Battelle e a história do Google - 6/1/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
27/5/2006
13h51min
Antigamente, para se montar uma cena era preciso passar 4 folhas explicando como era uma esquina em Lion, já que as pessoas não tinham como saber senão por fotos e que não ajudavam muito. Quando ouvimos falar da Estátua da Liberdade, parece uma coisa óbvia graças ao nivel de informação de hoje (basta procurar fotos no Google, digamos), mas a idéia de uma mulher gigante segurando uma tocha não parece muito coerente. Sem dúvida a informação modificou a literatura. Não sei se para melhor ou pior. Sem precisar ser detalhista, o escritor pode se aprofundar no tema, mas talvez, como você disse, um dia esses detalhes podem ser necessários.
[Leia outros Comentários de Edward Bloom]
13/2/2007
16h04min
julio, sem querer me repetir muito mas vc é fera, rapah. uma profundida e visão de longa distância raras. megatexto! pati
[Leia outros Comentários de pati ]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O HOSPITAL: A LEI E A ÉTICA
JOSÉ DE QUEIROZ CAMPOS E JUAREZ DE QUEIROZ CAMPOS
LTR (SP)
(1976)
R$ 21,28



SE EU TIVESSE NADADEIRAS
JEANE CABRAL SCHLATTER
CIRANDA CULTURAL
(2012)
R$ 19,90



O QUE É JAZZ
ROBERTO MUGGIATI
BRASILIENSE
R$ 8,00



COMENTÁRIOS À CONSOLIDAÇÃO DAS LEIS DO TRABALHO
VALENTIN CARRION
SARAIVA
(2005)
R$ 27,00



VILLA LOBOS - O FLORESCIMENTO DA MÚSICA BRASILEIRA
MANUEL NEGWER
MARTINS FONTES
(2009)
R$ 26,00



O SENHOR DA CHUVA
ANDRÉ VIANCO
NOVO SECULO
(2002)
R$ 15,00



ANJOS DO MEU ALTAR
IRIS DE CARVALHO
RAZÃO CULTURAL
(1988)
R$ 24,00



ORIGEM DOS DIREITOS DOS POVOS
JAYME DE ALTAVILA
MELHORAMENTOS
R$ 10,50



TURISMO E HOTELARIA UMA VISÃO MULTIDISCIPLINAR
LECY CIRILO E SILVANA FURTADO ( ORG. )
ANHEMBI MORUMBI
(2007)
R$ 4,78



NÃO ME DEIXE AQUI RINDO SOZINHO
ANDRÉ LAURENTINO
REALEJO EDITORA
(2017)
R$ 31,84





busca | avançada
34554 visitas/dia
1,1 milhão/mês