Isto é para quando você vier | Renato Alessandro dos Santos | Digestivo Cultural

busca | avançada
73886 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> ZapMusic, primeiro streaming de músicos brasileiros, abre inscrições para violonistas
>>> Espetáculo de dança em homenagem à Villa-Lobos estreia nesta sexta
>>> Filó Machado comemora 70 anos de vida e 60 de carreira em show inédito com sexteto
>>> Série 8X HILDA tem sessões com leitura das peças As Aves da Noite e O Novo Sistema
>>> Festival Digital Curta Campos do Jordão chega a todo o território nacional com 564 filmes inscritos
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
Colunistas
Últimos Posts
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
>>> Mehmari, Salmaso e Milton Nascimento
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
Últimos Posts
>>> Tiro ao alvo
>>> A TETRALOGIA BUARQUEANA
>>> Bom de bico
>>> Diário oxigenado
>>> Canção corações separados
>>> Relógio de pulso
>>> Centopéia perambulante
>>> Fio desemcapado
>>> Verbo a(fiado)
>>> Janelário
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O melhor presente que a Áustria nos deu
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Desfazendo alguns mitos sobre 64
>>> Uma homenagem a Maysa
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> pessoas que me acontecem
>>> A Literatura na poltrona
>>> Eduardo Arcos en el EBE 2008
>>> Nasce um imortal: José Saramago
>>> Diogo Salles no podcast Guide
Mais Recentes
>>> As Perguntas do Pastor e as respostas do seu Lunga de João Peron pela Não informado
>>> O romance do Pavão Misterioso de José Camelo de Melo pela Não informado
>>> Trilogia- Veneno, Feitiço e Poder de Edmundo Barreiros; Sarah Pinborough pela Única (2013)
>>> Balaio de Gato e Rato e ninho de Cobras na Es pra nada de Francisco Zenio pela Não informado (2013)
>>> Geografia e mídia impressa de Angela massumi katuta pela Uel (2009)
>>> Geografia de são paulo- a metrópole do século xxi de Ana fani alessandri carlos pela Contexto (2004)
>>> A revolução industrial de José jobson de andrade arruda pela Atica (1994)
>>> Globalização e desemprego- diagnóstico e alternativas de Paul singer pela Contexto (2001)
>>> Penso e Acontece de Bob Proctor pela CDG Grupo Editorial (2014)
>>> A Escada para o triunfo de Napoleon Hill pela CDG Grupo Editorial (2016)
>>> O Pajé de Cristo de Homer E. Dowdy pela Sepal (1997)
>>> A Verdadeira Religião Christã 2 Volumes de Emanuel Swedenborg pela Freitas Bastos S/A (1964)
>>> Direito Previdenciário em Tempos de Crise de Ana Paula Fernandes, Roberto de Carvalho Santos, Marco Aurélio Serau Júnior pela Ieprev (2019)
>>> História Geral da Civilização Brasileira - III o Brasil Republicano de Boris Fausto Diretor pela Difel (1981)
>>> Rumo a uma Civilização Solar de Omraam Mikhaël Aïvanhov pela Prosveta (1982)
>>> O Simbolismo das Religiões de Mario Roso de Luna pela Siciliano (1990)
>>> Os manuscritos do mar morto de Geza Vermes pela Mercuryo (1997)
>>> Estrutura e Origem das Paisagens Tropicais e Subtropicais de João José Bigarella pela Ufsc (2003)
>>> Jogos Radicais de Teresa M. G. Jardim pela Assírio & Alvim (2010)
>>> Brusque - Cidade Schneeburg de Saulo Adami/Tina Rosa pela S&t (2021)
>>> Psicología Y Alquimia (em Espanhol) de Carl G Jung pela Santiago Rueda (1957)
>>> The Beatles - a Biografia de Bob Spitz pela Larrousse (2007)
>>> Enciclopédia De Dificuldades Bíblicas de Gleason Archer pela Vida
>>> Wagner, Mitologo Y Ocultista de Mario Roso De Luna pela Glem (1958)
>>> Impactando cidades - 4 estratégias de batalha espiritual para avançar na conquista de sua cidade de Martin Scott pela Danprewan (2005)
COLUNAS

Terça-feira, 19/1/2021
Isto é para quando você vier
Renato Alessandro dos Santos

+ de 1900 Acessos



Deixa eu ver se entendi. Foi com esse comentário que, de madrugada, me ocupei sem mais nem menos. Vinha do meu cérebro, de uma das sinapses mais impacientes e histéricas. A discussão havia começado já fazia um certo tempo. A coisa ia longe. Mas, para a alegria delas, a campainha tocou: era o entregador do iFood, com as pizzas no portão, o que as apaziguou um pouco, embora o circo ainda pegasse fogo. Tudo por causa de Bernardo. O eremita? Não. Bernardo Carvalho. Há obras literárias que pedem um tempo nem sempre instantâneo para a compreensão delas. Aconteceu comigo, hoje, após ter passado alguns dias com Nove noites, romance publicado em 2003 e que, a partir de 2020, começou a fazer parte do vestibular da Fuvest.



Embora tenha outros livros de Bernardo na estante, nunca havia lido nenhum deles. Nem mesmo O filho da mãe ou Mongólia ou Aberração ou O sol se põe em São Paulo. Pouca vergonha, Renato! Eu tenho de admitir que nem sempre a gente consegue calibrar o espírito com um romance, e foi esse desequilíbrio entre obra e mundo interior que deixou Bernardo mexendo os pesinhos para frente e para trás, em silêncio, enquanto aguardava no parapeito, rodela de limão no copo de Martini, sol se pondo no horizonte batataense, Ocaso sereno. Pacientemente, pacientemente, pacientemente esperando. Veio Chklovski me falando de desautomatização. A arte como procedimento na mão esquerda, dois dedos de vodca na outra; com o sobrolho, apontou na direção de Bernardo, que a essa altura já estava diante de um bangalô, pernas cruzadas, raminho de relva no canto da boca, esperando ainda, tranquilo como aquela silenciosa aranha paciente do Whitman; perguntei se iria chover, e ele me ofereceu um pouco de ayahuasca e a narrativa difusa de Nove noites, à qual me voltei, com o espírito ajustado à razão e à calma que a leitura solicita, e cá estamos eu e você, leitor\a.

Aí, kiel vi scias, após o sábado findar quando já era madrugada de domingo, fui dormir e, de repente, como a aurora, me vejo acordado, olhando para um ponto qualquer no escuro e pensando no livro de Bernardo, tentando dar-lhe algum sentido, sem precisar ler nada em nenhum lugar. Ah, quer dizer então que todo o motivo, todo o porquê do enredo resume-se ao dia em que...

...e Bernardo, fazendo com arte & engenho seu trabalho de artesão, compondo aqui, costurando ali, imagina o procedimento todo (Chklovski), os cenários, os elementos narrativos mensurados, os personagens assinalados, o presente narrativo, a metaficção, um narrador sem nome etc., e... Pronto: eis aqui o romance Nove noites, produto híbrido entre a imaginação e a vida vivida empiricamente ao longo de décadas; memória literária fabricada + vida que segue = literatura.



Há alguma coisa extraordinária nessas obras que fazem a gente ficar pensando nelas depois da coisa finda, não? Prosa que, longe de oferecer uma resposta segura aos leitores, fica a tamborilar o picadeiro do cérebro, cá onde as coisas tendem a ser organizadas em causa e consequência ou mesmo em uma linearidade que tende a habitar a ordem onde há desordem, confusão... Em outras palavras: literatura, não é? Quer dizer... Quando ela fica a pedir da gente um sentido àquilo que, aparentemente, não parece fazer muito sentido... Um significado que possa dar nome às coisas e que possa conter, com segurança, o esperado; isto é: isto não é um cachimbo! Entendeu? Não tem importância.

Buell Quain aportou nos desalentados trópicos na década de 1930. Foi um antropólogo norte-americano que quis vir ao Brasil para viver entre os índios Krahô e, deles, registrar seus costumes, sua vida, suas tradições. A experiência não deu muito certo, uma vez que terminou com o suicídio do pesquisador e, também, com um monte de coisa arrastada para baixo do tapete, isto é, coisas sem explicação, que ficam à espera de alguém que dê sentido a elas, e quem foi esse alguém? Sim: Bernardo.

Carvalho, ou melhor, seu narrador alter ego, juntou uma coisa (um artigo sobre o antropólogo, lido por acaso) com outra (uma experiência pessoal que se liga a um passado familiar e ao Xingu, além da suposição de que um nome, ouvido da boca de um moribundo em um hospital pudesse ser, talvez, o de Quain) e, demãos e demãos depois, nasceu Noive noites, romance que vestibulandos vêm desbravando com dedicação e, certamente, bem mais felizes do que outros que, antes deles, tiveram de, com Peri, arrancar aquela palmeira que vai servir de cavalinho-de-pau anfíbio a Cecília & o guarani, em um dos finais que, se Alencar fosse pop, seria dos mais hippies da história da literatura brasileira, com o casal ninado nos braços da natureza, flores atrás da orelha, sem lenço e sem documento, mas, em vez disso, O guarani tem um dos mais mornos – nem frio nem quente – desenlaces aos quais um romance já foi submetido, mesmo com aquela enchente de Arca de Noé. Não fosse este Noive noites, provavelmente, outro Alencar estaria sobre o criado-mudo dos adolescentes, e nada mais fora de nossa realidade contemporânea do que aquela colonização feminina à qual Iracema se submete, após compartilhar o segredo da Jurema com seu gajo do além-mar: “O coração da esposa está sempre alegre junto de seu guerreiro e senhor”. Sério, América?!



Eis então que, longe do céu do Ceará, de tabajaras e de pitiguaras, o Xingu e o pulmão amazônico compõem parte do cenário onde dois narradores põem a narrativa de Nove noites em perspectiva: Manoel Perna, um velho engenheiro brasileiro amigo de Quain, por nove noites não consecutivas, conviveu com o americano e pôde ouvir dele a história em fragmentos contada pelo antropólogo. É do engenheiro o bordão “isto é para quando você vier”, endereçado – por que não? – a nós, leitores, mas, principalmente, ao outro narrador, o qual não sabemos o nome, mas que é, supostamente, abre aspas, o autor (fecha aspas); isto é, dentro da metaficção pós-moderna que alimenta a verossimilhança do romance, o instinto de leitor vai avisando que poderia ser o autor – e, de certa maneira, suspendendo a descrença, muitos leitores acreditam ser mesmo, ignorando a regra número 1 das narrativas literárias, isto é, narrador não é autor. Deu certo, não é, Bernardo? Pois bem, será esse segundo narrador anônimo que vai pôr ordem no labirinto em ponta-cabeça... Aliás, vale recomendar não estragar a surpresa – que nem é lá assim uma grande surpresa! –, porque [isto é para quando você vier] há coisas que é melhor deixar que fiquem onde estão, à espera de alguém. Assim, lá pelo fim, como sói acontecer, o romance de Bernardo estará desvendado, o narrador, o mistério e a coisa toda no seu devido lugar, certo?

Simples assim, não?

Não.

Leitores vão acordar de madrugada, mirando a parede escura e, lá, verão passar imagens do romance que, sem ordem aparente, ficarão à espera da ordem que nossa imaginação tanto espera pôr em livros que nos tiram o sono. O bom é descobrir que tal resposta encontra-se onde obras nem sempre fáceis nem sempre descartáveis residem.

É o caso deste Nove noites?

Bem, isto...

Nota do Autor
Renato Alessandro dos Santos, 48, é autor de Lado B: música, literatura e discos de vinil, de Todos os livros do mundo estão esperando quem os leia (volumes I e II), de O espaço que sobra, seu primeiro livro de poesia (todos publicados pela Engenho e arte), além de outras obras.



Renato Alessandro dos Santos
Batatais, 19/1/2021


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Estevão Azevedo e os homens em seus limites de Guilherme Carvalhal
02. Ah!... A Neve de Marilia Mota Silva
03. Mídia Ninja coloca o eixo em xeque de Humberto Pereira da Silva
04. As iluminações musicais de Rodrigo Garcia Lopes de Jardel Dias Cavalcanti
05. Por que Harry Potter é boa literatura de Fernanda Prates


Mais Renato Alessandro dos Santos
Mais Acessadas de Renato Alessandro dos Santos
01. A forca de cascavel — Angústia (Fuvest) - 24/9/2019
02. Meu Telefunken - 16/7/2019
03. Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1 - 20/8/2019
04. Vespeiro silencioso: "Mayombe", de Pepetela - 13/11/2018
05. O massacre da primavera - 29/5/2018


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Direita e Esquerda
Norberto Bobbio
Unesp
(2001)
R$ 36,30
+ frete grátis



cafeicultor
ministério da educação e cultura
edição do autor
(1973)
R$ 24,78



Expansão Geographica do Brasil Colonial
Basilio de Magalhães
Cia. Ed. Nacional
(1935)
R$ 30,00



Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Trabalho
Richard Carlson; Joana Mozela
Rocco
(1999)
R$ 12,00



O Evangelho da Meninada
Eliseu Rigonatti
Pensamento
(1965)
R$ 5,00



Revista Fórum Justiça do Trabalho
Editora Fórum
Fórum
(2016)
R$ 80,00



Longe da Terra
José Mauro de Vasconcelos
Melhoramentos
(1969)
R$ 7,50



Introdução ao Islam
Mohammad Hamidullah
Alvorada
(1985)
R$ 18,00



Oriente: Apocalipse Antecipado
Rogério Zola Santiago
Mazza
(2003)
R$ 5,00



Café 25 de Abril: as Ruinas
Álvaro Guerra
Publicações Dom Quixote
(1998)
R$ 30,88





busca | avançada
73886 visitas/dia
2,1 milhões/mês