Isto é para quando você vier | Renato Alessandro dos Santos | Digestivo Cultural

busca | avançada
59122 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> 14ª Visões Urbanas tem Urbaninhas com quatro espetáculos para crianças
>>> Visões Urbanas permanece online em sua 14ª edição
>>> Ensaios Perversos traz papo cabeça com drag, performances e festa pra dançar
>>> Chega a São Paulo projeto cultural que vai levar teatro a crianças de seis estados
>>> Clube do Disco - Os Saltimbancos
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
>>> Uma história da Chilli Beans
>>> Depeche Mode no Kazagastão
>>> Uma história da Sambatech
>>> Uma história da Petz
Últimos Posts
>>> Mundo Brasil
>>> Anônimos
>>> Eu tu eles
>>> Brasileira muda paisagens de Veneza com exposição
>>> Os inocentes do crepúsculo
>>> Inação
>>> Fuga em concerto
>>> Unindo retalhos
>>> Gente sem direção
>>> Além do ontem
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O Kindle, da Amazon
>>> God save the newspapers!
>>> O Prêmio Nobel para Mario Vargas Llosa
>>> Monteiro Lobato, a eugenia e o preconceito
>>> Ser intelectual dói
>>> A invenção da imprensa
>>> Deitado eternamente em divã esplêndido – Parte 3
>>> Coetzee, um escritor inventivo
>>> O vampiro de almas
>>> 7º Cordas na Mantiqueira, em São Francisco Xavier
Mais Recentes
>>> Como dizer tudo em francês em viagens de Ron Martinez e Angela F. Perricone Pastura pela Elsevier (2011)
>>> Araca - Arquiduquesa do Encantado de Herminio Bello de Carvalho pela Folha Seca (2014)
>>> Nunca Deixe de Tentar de Michael Jordan pela Sextante (2009)
>>> O mercado de trabalho feminino na região metropolitana de são paulo de Fundação seade pela Fundação seade (2001)
>>> Como dizer tudo em inglês em viagens de Ron Martinez pela Elsevier (2006)
>>> Dicionário de Idéias Semelhantes - 4 Volumes de Everton Florenzano pela Tecnoprint (1961)
>>> 1822 de Laurentino Gomes pela Nova Fronteira (2010)
>>> Jornalista pra Quê? os Profissionais Diante da ética de Chico nelson, nilton santos e outros pela Sjpmrj (1989)
>>> Preparatório para Residência Médica SUS/SP de Juliano Silveira de Araújo pela Sanar (2017)
>>> RT Mini Códigos Coletânea de Legislação Administrativa Constituição Federal de Odete Medauar pela Revista Dos Tribunais (2005)
>>> Belezas imaginárias: antropologia do corpo e do parentesco de Pierre-Joseph Laurent pela Ideias & Letras (2013)
>>> Como escolher a sua Residência Médica de Caio Nunes e Marco Antônio Santana pela Sanar (2014)
>>> Legend de David Gemmell pela Orbit Books (2012)
>>> A Educação pela Pedra de João Cabral de Melo Neto pela Alfaguara (2008)
>>> The Hobbit de J. R. R. Tolkien pela Harper Collins (1997)
>>> Vitória de Joseph Conrad pela Dublinense (2016)
>>> Arquitetura: uma experiência na área de saúde de João Filgueiras Lima pela Romano Guerra (2012)
>>> O viés médico na literatura de Guimarães Rosa de Eugênio Marcos Andrade Goulart pela Faculdade de Medicina da UFMG (2011)
>>> Introducao à isostatica de Eloy Ferraz Machado Junior pela Eesc Usp (2021)
>>> Manual Prático de Arquitetura Hospitalar de Ronald de Góes pela Blucher (2011)
>>> O Xará de Jhumpa Lahiri pela Globo (2017)
>>> Cavalo de Tróia 2 - Massada de J. J. Benitez pela Planeta (2013)
>>> RT Mini Códigos Penal Processo Penal Constituição Federal de Luiz Flávio Gomes pela Revista Dos Tribunais (2004)
>>> Vida e Proezas de Aléxis Zorbás de Nikos Kazantzákis pela Grua (2011)
>>> Maíra de Darcy Ribeiro pela Record (2007)
COLUNAS

Terça-feira, 19/1/2021
Isto é para quando você vier
Renato Alessandro dos Santos

+ de 4000 Acessos



Deixa eu ver se entendi. Foi com esse comentário que, de madrugada, me ocupei sem mais nem menos. Vinha do meu cérebro, de uma das sinapses mais impacientes e histéricas. A discussão havia começado já fazia um certo tempo. A coisa ia longe. Mas, para a alegria delas, a campainha tocou: era o entregador do iFood, com as pizzas no portão, o que as apaziguou um pouco, embora o circo ainda pegasse fogo. Tudo por causa de Bernardo. O eremita? Não. Bernardo Carvalho. Há obras literárias que pedem um tempo nem sempre instantâneo para a compreensão delas. Aconteceu comigo, hoje, após ter passado alguns dias com Nove noites, romance publicado em 2003 e que, a partir de 2020, começou a fazer parte do vestibular da Fuvest.



Embora tenha outros livros de Bernardo na estante, nunca havia lido nenhum deles. Nem mesmo O filho da mãe ou Mongólia ou Aberração ou O sol se põe em São Paulo. Pouca vergonha, Renato! Eu tenho de admitir que nem sempre a gente consegue calibrar o espírito com um romance, e foi esse desequilíbrio entre obra e mundo interior que deixou Bernardo mexendo os pesinhos para frente e para trás, em silêncio, enquanto aguardava no parapeito, rodela de limão no copo de Martini, sol se pondo no horizonte batataense, Ocaso sereno. Pacientemente, pacientemente, pacientemente esperando. Veio Chklovski me falando de desautomatização. A arte como procedimento na mão esquerda, dois dedos de vodca na outra; com o sobrolho, apontou na direção de Bernardo, que a essa altura já estava diante de um bangalô, pernas cruzadas, raminho de relva no canto da boca, esperando ainda, tranquilo como aquela silenciosa aranha paciente do Whitman; perguntei se iria chover, e ele me ofereceu um pouco de ayahuasca e a narrativa difusa de Nove noites, à qual me voltei, com o espírito ajustado à razão e à calma que a leitura solicita, e cá estamos eu e você, leitor\a.

Aí, kiel vi scias, após o sábado findar quando já era madrugada de domingo, fui dormir e, de repente, como a aurora, me vejo acordado, olhando para um ponto qualquer no escuro e pensando no livro de Bernardo, tentando dar-lhe algum sentido, sem precisar ler nada em nenhum lugar. Ah, quer dizer então que todo o motivo, todo o porquê do enredo resume-se ao dia em que...

...e Bernardo, fazendo com arte & engenho seu trabalho de artesão, compondo aqui, costurando ali, imagina o procedimento todo (Chklovski), os cenários, os elementos narrativos mensurados, os personagens assinalados, o presente narrativo, a metaficção, um narrador sem nome etc., e... Pronto: eis aqui o romance Nove noites, produto híbrido entre a imaginação e a vida vivida empiricamente ao longo de décadas; memória literária fabricada + vida que segue = literatura.



Há alguma coisa extraordinária nessas obras que fazem a gente ficar pensando nelas depois da coisa finda, não? Prosa que, longe de oferecer uma resposta segura aos leitores, fica a tamborilar o picadeiro do cérebro, cá onde as coisas tendem a ser organizadas em causa e consequência ou mesmo em uma linearidade que tende a habitar a ordem onde há desordem, confusão... Em outras palavras: literatura, não é? Quer dizer... Quando ela fica a pedir da gente um sentido àquilo que, aparentemente, não parece fazer muito sentido... Um significado que possa dar nome às coisas e que possa conter, com segurança, o esperado; isto é: isto não é um cachimbo! Entendeu? Não tem importância.

Buell Quain aportou nos desalentados trópicos na década de 1930. Foi um antropólogo norte-americano que quis vir ao Brasil para viver entre os índios Krahô e, deles, registrar seus costumes, sua vida, suas tradições. A experiência não deu muito certo, uma vez que terminou com o suicídio do pesquisador e, também, com um monte de coisa arrastada para baixo do tapete, isto é, coisas sem explicação, que ficam à espera de alguém que dê sentido a elas, e quem foi esse alguém? Sim: Bernardo.

Carvalho, ou melhor, seu narrador alter ego, juntou uma coisa (um artigo sobre o antropólogo, lido por acaso) com outra (uma experiência pessoal que se liga a um passado familiar e ao Xingu, além da suposição de que um nome, ouvido da boca de um moribundo em um hospital pudesse ser, talvez, o de Quain) e, demãos e demãos depois, nasceu Noive noites, romance que vestibulandos vêm desbravando com dedicação e, certamente, bem mais felizes do que outros que, antes deles, tiveram de, com Peri, arrancar aquela palmeira que vai servir de cavalinho-de-pau anfíbio a Cecília & o guarani, em um dos finais que, se Alencar fosse pop, seria dos mais hippies da história da literatura brasileira, com o casal ninado nos braços da natureza, flores atrás da orelha, sem lenço e sem documento, mas, em vez disso, O guarani tem um dos mais mornos – nem frio nem quente – desenlaces aos quais um romance já foi submetido, mesmo com aquela enchente de Arca de Noé. Não fosse este Noive noites, provavelmente, outro Alencar estaria sobre o criado-mudo dos adolescentes, e nada mais fora de nossa realidade contemporânea do que aquela colonização feminina à qual Iracema se submete, após compartilhar o segredo da Jurema com seu gajo do além-mar: “O coração da esposa está sempre alegre junto de seu guerreiro e senhor”. Sério, América?!



Eis então que, longe do céu do Ceará, de tabajaras e de pitiguaras, o Xingu e o pulmão amazônico compõem parte do cenário onde dois narradores põem a narrativa de Nove noites em perspectiva: Manoel Perna, um velho engenheiro brasileiro amigo de Quain, por nove noites não consecutivas, conviveu com o americano e pôde ouvir dele a história em fragmentos contada pelo antropólogo. É do engenheiro o bordão “isto é para quando você vier”, endereçado – por que não? – a nós, leitores, mas, principalmente, ao outro narrador, o qual não sabemos o nome, mas que é, supostamente, abre aspas, o autor (fecha aspas); isto é, dentro da metaficção pós-moderna que alimenta a verossimilhança do romance, o instinto de leitor vai avisando que poderia ser o autor – e, de certa maneira, suspendendo a descrença, muitos leitores acreditam ser mesmo, ignorando a regra número 1 das narrativas literárias, isto é, narrador não é autor. Deu certo, não é, Bernardo? Pois bem, será esse segundo narrador anônimo que vai pôr ordem no labirinto em ponta-cabeça... Aliás, vale recomendar não estragar a surpresa – que nem é lá assim uma grande surpresa! –, porque [isto é para quando você vier] há coisas que é melhor deixar que fiquem onde estão, à espera de alguém. Assim, lá pelo fim, como sói acontecer, o romance de Bernardo estará desvendado, o narrador, o mistério e a coisa toda no seu devido lugar, certo?

Simples assim, não?

Não.

Leitores vão acordar de madrugada, mirando a parede escura e, lá, verão passar imagens do romance que, sem ordem aparente, ficarão à espera da ordem que nossa imaginação tanto espera pôr em livros que nos tiram o sono. O bom é descobrir que tal resposta encontra-se onde obras nem sempre fáceis nem sempre descartáveis residem.

É o caso deste Nove noites?

Bem, isto...

Nota do Autor
Renato Alessandro dos Santos, 48, é autor de Lado B: música, literatura e discos de vinil, de Todos os livros do mundo estão esperando quem os leia (volumes I e II), de O espaço que sobra, seu primeiro livro de poesia (todos publicados pela Engenho e arte), além de outras obras.



Renato Alessandro dos Santos
Batatais, 19/1/2021


Quem leu este, também leu esse(s):
01. As luzes se apagam de Cassionei Niches Petry
02. Relatório de compra de Ana Elisa Ribeiro
03. Houston, we have a problem de Renato Alessandro dos Santos
04. Famílias terríveis - um texto talvez indigesto de Ana Elisa Ribeiro
05. Alice in Chains, Rainier Fog (2018) de Luís Fernando Amâncio


Mais Renato Alessandro dos Santos
Mais Acessadas de Renato Alessandro dos Santos em 2021
01. Isto é para quando você vier - 19/1/2021
02. As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e... - 18/5/2021
03. LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo - 17/8/2021
04. Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra - 14/9/2021
05. O mundo é pequeno demais para nós dois - 3/8/2021


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Alucinado Som de Tuba
Frei Betto
Ática
(1985)



Direito Sumular Tst Esquematizado
Bruno Klippel / Pedro Lenza Org
Saraiva
(2011)



O Advento da Democracia
Robert Legros
Instituto Piaget
(2001)



Você: a Alma do Negócio
Roberto Shinyashiki
Gente Bb
(2001)



Madonna 60 Anos
Lucy Obrien
Agir
(2018)



A mulher, a cultura e a sociedade
Michelle Zimbalist Rosaldo e Louise Lamphere (coordenadores)
Paz e terra
(1979)



Xisto e o Pássaro Cosmico
Lucia Machado de Almeida
Atica
(1983)



Vida do Padre António Vieira
João Francisco Lisboa
Brasileira
(1964)



Perdido na Amazonia - Dan Contra a Terrivel Doutora Nova Vol1
Toni Brandão
Sm
(2005)



Dicionário de Inglês-português
Editora Porto
Porto





busca | avançada
59122 visitas/dia
1,8 milhão/mês