Toda poesia de Paulo Leminski | Humberto Pereira da Silva | Digestivo Cultural

busca | avançada
51145 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> ANUAL DE ARTE FAAP ABRE AO PÚBLICO NO DIA 30 DE NOVEMBRO
>>> JOSYARA FAZ SHOW NO SESC BELENZINHO
>>> Revista Úrsula na Copa
>>> Mostra Contemporânea de Natal - Vai na Fé - no Museu de Arte Sacra
>>> Feira Criativa Fuzuê será realizada diariamente a partir desta quinta, no Saltare Centro de Dança
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
>>> O segredo para não brigar por política
>>> Endereços antigos, enganos atuais
>>> Rodolfo Felipe Neder (1935-2022)
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
>>> Jô Soares (1938-2022)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> Desapega, só um pouquinho.
>>> Menos, Redentor. Menos
>>> Sou grato a Deus
>>> Água das águas
>>> Súplica
>>> Por que me abandonastes
>>> Política na corda bamba
>>> Aonde anda a liberdade
>>> Calar não é consentir
>>> Eu já morri, de Edyr Augusto
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Lost
>>> Eles vão invadir seu Orkut!
>>> Escrever não é trabalho, é ofício
>>> O filósofo da contracultura
>>> Sobre a vida no campo
>>> Orgasmo ao avesso
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Lendo Dom Quixote
>>> Defesa dos Rótulos
>>> O mundo aos olhos de um pescador
Mais Recentes
>>> Reunião de Família de Lya Luft pela Siciliano (1991)
>>> Blade - A Lâmina Imortal nº 24 de Hiroaki Samura pela Conrad (2005)
>>> Os Homens Que Não Amavam as Mulheres de Stieg Larsson pela Companhia das Letras (2008)
>>> Cidades de Papel de John Green pela Intrínseca (2013)
>>> Anjos e Demônios - Edição Econômica de Dan Brown pela Arqueiro (2012)
>>> Star Wars - The Clone Wars - Abenteuer der Jedi de Simon Beecroft pela Dk (2013)
>>> Fundamentos de Matemática Elementar - Volume 10 - Geometria Espacial de Oswaldo Dolce; José Nicolau Pompeo pela Atual (2013)
>>> O Olho do Furacão de Murillo Nunes de Azevedo pela Civilização Brasileira (1973)
>>> A Pergunta Definitiva 2.0 de Fred Reichheld pela Campus (2011)
>>> She - A Chave do Entendimento da Psicologia Feminina de Robert A. Johson pela Mercuryo (1987)
>>> A Arte de Falar Bem - Retórica, Eloquência, Acadêmica de Silveira Bueno pela Brasilivros (1987)
>>> Confarad II - Congresso Sefaradi de Vários autores pela W-Edith
>>> Física 3 - Eletromagnetismo - Física Moderna - Ensino Médio de Bonjorno; Clinton; Eduardo Prado; Casemiro pela Ftd (2013)
>>> Die Schwarzen Musketiere - Das Buch der Nacht de Oliver Pötzsch pela Bloomoon (2015)
>>> Golfinhos e Tubarões - O Outro Mundo de Tais Cortez pela Chiado (2013)
>>> Meditações Metafísicas de Rene Descartes pela Folha de S.Paulo (2015)
>>> Ponte Para Terabítia de Katherine Paterson pela Salamandra (2006)
>>> Quem Manipula Quem? de Ciro Marcondes Filho pela Vozes (1991)
>>> A Mulher Que Amou Demais de Nelson Rodrigues (Myrna) pela Companhia das Letras (2003)
>>> Die Wörter de Jean-Paul Sartreª pela Rowohlt (1966)
>>> Uma Certa Justiça de P. D. James pela Companhia das Letras (1999)
>>> A Lista Vip de Zoey Dean pela Nova Fronteira (2005)
>>> Mera Fotografia de Magalhães, Carlos Eduard pela Rocco (1998)
>>> Html 5 - Embarque Imediato de Fabio Flatschart pela Brasport (2011)
>>> Seja Foda! de Caio Carneiro pela Buzz (2017)
COLUNAS

Quarta-feira, 8/5/2013
Toda poesia de Paulo Leminski
Humberto Pereira da Silva

+ de 7400 Acessos



Acaba de ser lançada Toda Poesia (Companhia das Letras, 421 pág.), de Paulo Leminski (1944-1989). A edição reúne livros publicados em vida, Caprichos e relaxos (1983) e Distraídos venceremos (1987), que foram objetos de culto entre apreciadores de poesia nos anos de 1980; traz também livros raros, como Quarenta clics em Curitiba (1976), e póstumos, como La vie em close (1991).

Edição "caprichada", enriquecida pela apresentação de Alice Ruiz, viúva do poeta, assim como pela reprodução de textos de Haroldo de Campos, Caetano Veloso, Leyla Perrone-Moisés e Wilson Bueno, que fizeram "orelhas" para as primeiras edições de seus livros. Completa ainda Toda poesia breve ensaio de José Miguel Wisnik, no qual é tratada da importância das incursões de Leminski no meio cancionista: destaque para "Verdura", canção gravada por Caetano Veloso em Outras Palavras (1981).

O curitibano Paulo Leminski foi principalmente uma figura de proa na cena cultural dos anos de 1980. Além de poeta, escreveu prosa experimental, Catatau (1974), Agora que são elas (1984), traduziu John Fante, Pergunte ao pó, James Joyce, Giacomo Joyce, Yukio Mishima, Sol e aço, Samuel Beckett, Malone morre, biografou Cruz e Souza, Matsuô Bashô, assim como se destaca como um dos grandes divulgadores de haicais, poemas curtos japoneses.

Um aspecto invariavelmente ressaltado na poesia de Leminski é o trânsito entre a vanguarda e a contracultura. De um lado, ele se aproxima dos concretistas, Haroldo e Augusto de Campos e Décio Pignatari, que reivindicavam o diálogo com experiências eruditas e de ruptura formal. Jovem, ele participa em 1963 da Semana Nacional de Poesia de Vanguarda, onde é acolhido e se alia ao grupo Noigandres, que poucos anos antes lançara o "Manifesto da Poesia Concreta".

Mas ele não se retém nas rígidas fronteiras concretistas. Sua poesia em seguida transborda e transita com igual desenvoltura entre os poetas da "geração mimeógrafo", fortemente influenciada pelos beatniks, os hippies e a transgressividade comportamental. No Brasil, os nomes mais representativos dessa geração foram Ana Cristina Cesar e Cacaso, que imprimiram um sentido informal, "desbundado", em suas composições poéticas.

Figura híbrida na cena cultural, Leminski se equilibra entre a formalidade erudita e a informalidade contracultural. E assim ocupa zona fronteiriça única na poesia contemporânea brasileira. Por isso, Caetano Veloso define sua produção poética como uma mistura de concretismo e beatnik. Mas, justamente por isso, ele se coloca no alvo de discussões sobre o valor literário do que realizou. O poeta Bruno Tolentino, em rota de colisão com concretistas e "poetas marginais", alerta para o embuste publicitário e superficial daqueles que seguem o caminho trilhado por estes.

A polêmica levantada por Tolentino sinaliza para certo tipo de embate que simplesmente se diluiu nas duas últimas décadas. Chamar a atenção para ela tem por fim ilustrar o quanto provocações literárias, a poesia em particular, mobilizavam a cena cultural de outrora. No contrapé de Tolentino, cuja poesia e digressão teórica podem ser acusadas de elitismo, o não menos elitista José Guilherme Merquior é um dos defensores da "poesia marginal".

Na cena literária dos últimos anos, poetas e romancistas se acomodam bem nas feiras literárias, num ambiente de explícito marketing cultural. E com isso não correm riscos, não se expõem a confrontos que pesam; enfim, rezam conforme regras do mercado editorial, da arte institucionalizada. Os argumentos utilizados por Tolentino para criticar a poesia de Leminski não são levianos, nem despropositados, mas qual o sentido deles hoje? Sim, qual o sentido quando a poesia assume feição solipsista: praticamente não ocupa espaço fora de eventos destinados a celebridades culturais e "especialistas".

O lançamento de Toda poesia poderia oxigenar o debate, trazer à tona a necessidade de colocar a poesia na pauta da questão cultural. E assim abrir espaço para discussão sobre o que se faz e como se faz poesia hoje, tanto quanto dar resposta às inquirições de Tolentino (nesse sentido, com respeito ao cinema Kleber Mendonça, queira ele ou não, instaura o debate com seu O Som ao Redor).

Mas não é o que pressinto. Apesar de ter quase toda sua poesia publicada de modo independente, infelizmente Toda poesia parece não ir além de grande lançamento com marketing editorial. Ótimo que as pessoas em geral, e os jovens em particular, leiam Leminski: Torquato Neto, Wally Salomão, Ana Cristina Cesar, Chacal, Cacaso..., podiam bem se incluir num projeto amplo em que se discutisse afetivamente o lugar da poesia nos dias de hoje.

Não há sinais, contudo, de que isso vá ocorrer. Assim, por caminhos tortuosos, essa publicação dá razão à parte do alerta de Tolentino: um embuste publicitário. Leminski, a poesia que fez - assim como os riscos e embates a que sua geração se expôs - congelaram-se nos anos de 1970 e 1980. A recepção de Toda poesia se confina à etiqueta Paulo Leminski; está, sim, bem divulgada pela Companhia das Letras, é provável não dê prejuízo.

Para ir além


Humberto Pereira da Silva
São Paulo, 8/5/2013


Mais Humberto Pereira da Silva
Mais Acessadas de Humberto Pereira da Silva em 2013
01. Olgária Matos - 1/2/2013
02. Mídia Ninja coloca o eixo em xeque - 21/8/2013
03. Toda poesia de Paulo Leminski - 8/5/2013
04. Mino Carta e a 'imbecilização do Brasil' - 6/3/2013
05. O Som ao Redor - 13/2/2013


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A Magica da Arrumação
Marie Kondo
Sextante
(2015)



O Caminho
Michael Berg
imago
(2003)



As Conexões Ocultas
Fritjof Capra
cultrix
(2005)



Turismo e Ecologia
Sergio Molina E.
Edusc
(2001)



Nosso amigo chico Xavier
Luciano da Costa
eme
(1995)



Chicken Soup For the Teenage Soul (inglês) (2010)
Canfield Jack(editor)
Scholastic Inc
(2010)



O Casarão Solitário
Armando Fernandes de Oliveira
eme
(2001)



Enfermagem Médico-cirurgica - 03 Volumes Enfermagem Pratica
Sonia Regina de Souza ( Revisão Tecnica )
Reichmann & Affonso Editores
(2004)



Clone; os Caminhos para Dolly
Gina Kolata
Campus
(1998)



As Plantas Medicinais e o Coracao
Jaap Huibers
Hemus
(1983)





busca | avançada
51145 visitas/dia
2,0 milhão/mês