Mino Carta e a 'imbecilização do Brasil' | Humberto Pereira da Silva | Digestivo Cultural

busca | avançada
37001 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quarta-feira, 6/3/2013
Mino Carta e a 'imbecilização do Brasil'
Humberto Pereira da Silva

+ de 6200 Acessos



1. O jornalista Mino Carta, dono da revista Carta Capital, publicou editorial, com ampla divulgação na web, no qual apresenta diagnóstico negativo acerca do momento atual da cultura no Brasil. "A imbecilização do Brasil" começa com a afirmação de que há muito nossas letras não produzem grandes escritores, há muito não temos grandes historiadores, jornalistas, repórteres ou pintores de relevância. Para ele, causa encanto e surpresa o lançamento do filme O Som ao Redor, de Kleber Mendonça, um oásis no deserto cultural em que nos encontramos.

2. O editorial conclui com a afirmação de que a situação a que chegamos tem largas explicações e, dentre essas, destaca a lassidão dos que poderiam resistir. O diagnóstico apresentado por Carta gerou mensagens de apoio, concordâncias, o sentimento de que ele toca num ponto incômodo, que muitos preferem esconder por meio de uma cortina de fumaça. Do mesmo modo - e não podia ser diferente - suas afirmações geraram desconfortos, acusações de elitismo cultural; enfim, as mais variadas discordâncias. Entre estas, Cynara Menezes, jornalista da própria Carta Capital, contesta a ideia de que houve "uma imbecilização do Brasil".

Para ela, Carta se equivoca ao afirmar que vivemos "um deserto cultural". A questão diz respeito ao que se considera arte, a que tipo de arte se tem em vista. Nos termos que Cynara propõe, não há "deserto cultural" algum no país, pois há uma "nova cultura", uma cultura para a qual é preciso ter olhos para vê-la. Ou seja, na contramão do que Carta sustenta, para ela devemos, sim, reeducar o olhar e enxergar o que vem da periferia. O que Carta defende é uma arte produzida por uma elite que, esta sim, hoje não mais produz. Nesse sentido, para ela, a elite brasileira se imbecilizou e não o Brasil.

3. Sinto desapontar Cynara Menezes, mas ela não discorda, no sentido estrito, de Mino Carta (ou como ela, e muitos talvez, imagine discordar). O que ela defende é uma redefinição do que se deve entender por arte, que se repense a cena cultural nos dias de hoje pela inclusão de expressões artísticas que não tiveram espaço. Mais, ela entende que significativa parcela dos recentemente incluídos que produzem cultura não foi capaz ainda de formar uma geração com o peso da que Mino Carta reclama.

Vale dizer, na medida em que busca uma nova definição de arte, ela escapa ao que é essencial ao texto de Carta - o deserto cultural do país -, e introduz uma nova palavra, "inclusão". Assim, ela se refere ao que hoje deve ser entendido por arte, a qual por sua vez incorpora o que no passado não gozava de legitimidade no editorial de Carta. Ocorre que Carta faz um diagnóstico que não tem a pretensão de uma discussão ontológica sobre arte - o que é isso a arte?

Nesse diagnóstico, está subentendido o que usualmente se entende por arte. Se hoje dermos um novo sentido ao que é arte, isso não invalida o que Carta sustenta. E é curioso notar que a própria Cynara admite isso. A elite hoje não cria, diz Cynara, por isso, diz Carta, há um deserto cultural. A cultura que vem da periferia hoje não produziu uma geração de peso, diz Cynara, mas, digo eu, Carta não nega nem afirma que isso se dê, por isso, a partir do que ele disse Cynara não pode extrair, como ela o faz, que não há "deserto cultural". Melhor, ao admitir que a cultura atual carece de legitimidade, ela acaba por reafirmar a ideia de "deserto cultural"

A confusão no texto dela tem a seguinte origem: mistura o diagnóstico de Carta - com o qual no fundo ela concorda - com um quadro atual de inclusão cultural e uma projeção otimista para o futuro.

4. No editorial da Carta Capital, subliminarmente, a ideia de ausência, hoje, de um clima favorável de recepção, debates e discussões no plano da cultura. Não se trata, pois, como Cynara supõe, de fazer um catálogo de artistas, escritores e poetas que realizaram obras nas décadas recentes, mas principalmente de chamar a atenção para a recepção, a ressonância, o impacto do que produziram. No editorial, ainda, a ideia de que num ambiente cultural diverso do de hoje, escrever um romance, uma peça teatral ou poesia, era um investimento a que alguns se lançavam. Com isso, o intuito de intervenção nos acontecimentos, a busca de interpretação do país, ou mesmo oferecer uma digressão intimista sobre a vida e o mundo.

No fundo, para Mino Carta, a questão é: a produção artística e cultural se impõe, tem sentido, fôlego e se legitima na medida em que é discutida, debatida, posta em questão (não à toa, registra o inesperado com a recepção de O Som ao Redor). Nas décadas recentes, governadas pela lógica do mercado, pelo pragmatismo com relação ao lucro, perdeu-se a utopia, certo idealismo descompromissado que impulsionava um indivíduo a produzir uma obra simplesmente pela necessidade de se posicionar em relação ao seu tempo.

A questão, portanto, não é, em sentido estrito, que não se faz "arte", mas tão somente que a arte que se faz não é posta em questão (bem entendido, nisso uma crítica embutida às futilidades e nonsenses de grupos de discussão na internet). Na visão de Mino Carta, grandes escritores se impuseram no passado porque legitimados num espaço favorável de recepção, porque estimulados a produzir num ambiente de efervescência cultural. Por isso, não é gratuito que, ao final de seu texto, ele exorte àqueles que estariam na posição de por a cultura em questão, mas não o fazem por lassidão.

5. Cynara Menezes defende a reeducação do olhar para a nova cultura no país. Cultura que não é criada pela elite, mas nos guetos, nas periferias, e que brota, nos termos dela, das vísceras. Creio que Cynara há de concordar que palavras como "reeducação" ou "inclusão" dependem de um clima favorável de recepção, de efervescência, de discussão, ou seja, que o que é feito e recebe o nome de arte seja posto em questão. Enquanto isso não ocorrer, o diagnóstico de Mino Carta sobre a "imbecilização do Brasil" não só é correto como o texto de Cynara fica sob a suspeita de otimismo ingênuo, para lembrar , de Voltaire, que diante das maiores desgraças enxerga o melhor dos mundos.


Humberto Pereira da Silva
São Paulo, 6/3/2013


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Manual para revisores novatos de Ana Elisa Ribeiro
02. Sebastião Rodrigues Maia, ou Maia, Tim Maia de Renato Alessandro dos Santos
03. Dilúvio, de Gerald Thomas de Jardel Dias Cavalcanti
04. Notas de leitura sobre Inácio, de Lúcio Cardoso de Cassionei Niches Petry
05. O Wunderteam de Celso A. Uequed Pitol


Mais Humberto Pereira da Silva
Mais Acessadas de Humberto Pereira da Silva em 2013
01. Olgária Matos - 1/2/2013
02. Mino Carta e a 'imbecilização do Brasil' - 6/3/2013
03. Mídia Ninja coloca o eixo em xeque - 21/8/2013
04. Toda poesia de Paulo Leminski - 8/5/2013
05. O Som ao Redor - 13/2/2013


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




MULHERES CHEIAS DE GRAÇA
PE. FABIO DE MELO
EDIOURO
(2018)
R$ 12,00



OS ARTIFICIOS DO CAPITALISMO
DAVID T BAZELON
CIVILIZAÇÃO BRASILEIRA
(1968)
R$ 9,00



UM PONTO NO HOLOGRAMA: A HISTÓRIA DE VIDAL, MEU PAI
EDGAR MORIN
A GIRAFA
(2006)
R$ 25,50



DIRETRIZES ESPIRITUALISTAS DA LBV MUNDIAL
JOSÉ DE PAIVA NETTO
LBV
(1989)
R$ 5,00



TRAVESSIA
CARMEN FISCHER
CÍRCULO DO LIVRO
(1986)
R$ 13,39



O HOMEM, ÊSSE DESCONHECIDO - 1937
DR.ALEXIS CARREL
ED.EDUCAÇÃO NACIONAL
(1937)
R$ 13,00



O MARIDO DO DOUTOR POMPEU
LUÍS FERNANDO VERÍSSIMO
L&PM
(1987)
R$ 14,00



BABYJI
ABHA DAWESAR

(2009)
R$ 20,00



AMAZONIA HOMBRE Y CULTURA EN UN PARAISO ILUSORIO
BETTY J. MEGGERS
SIGLO VEINTIUNO
(1976)
R$ 39,00



ILHA DE MARAJÓ - MARAJÓ ISLAND
BANCO SUDAMERIS
PRÊMIO
(1996)
R$ 12,00





busca | avançada
37001 visitas/dia
1,4 milhão/mês