As sementes de Flowerville, de Sérgio Rodrigues | Paulo Polzonoff Jr | Digestivo Cultural

busca | avançada
39901 visitas/dia
1,6 milhão/mês
Mais Recentes
>>> SÁBADO É DIA DE AULÃO GRATUITO DE GINÁSTICA DA SMART FIT NO GRAND PLAZA
>>> Curso de Formação de Agentes Culturais rola dias 8 e 9 de graça e online
>>> Ciclo de leitura online e gratuito debate renomados escritores
>>> Nano Art Market lança rede social de nicho, focada em arte e cultura
>>> Eric Martin, vocalista do Mr. Big, faz show em Porto Alegre dia 13 de abril
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Modernismo e além
>>> Pelé (1940-2022)
>>> Obra traz autores do século XIX como personagens
>>> As turbulentas memórias de Mark Lanegan
>>> Gatos mudos, dorminhocos ou bisbilhoteiros
>>> Guignard, retratos de Elias Layon
>>> Entre Dois Silêncios, de Adolfo Montejo Navas
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> Saudades, lembranças
>>> Promessa da terra
>>> Atos não necessários
>>> Alma nordestina, admirável gênio
>>> Estrada do tempo
>>> A culpa é dele
>>> Nosotros
>>> Berço de lembranças
>>> Não sou eterno, meus atos são
>>> Meu orgulho, brava gente
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Vamos comer Wando - Velório em tempos de internet
>>> Cinema em Atibaia (IV)
>>> Curriculum vitae
>>> Entrevista com Milton Hatoum
>>> Discutir, debater, dialogar
>>> Eu e o Digestivo
>>> A lei da palmada: entre tapas e beijos
>>> A engenharia de Murilo Rubião
>>> Qualidade de vida
>>> O pior cego é o que vê tevê
Mais Recentes
>>> Poemas De Natal de Luiz Coronel pela Sulina (1999)
>>> Buque Cenas de Rua de José de Carvalho pela Córrego (2013)
>>> Opções de Liv Ullmann pela Nórdica (1985)
>>> Perguntas que Eu Faria à Irmã White de Ellen G. White pela Casa Publicadora Brasileira (1977)
>>> 32 X 2 Instantaneos - Haikai de Margarida Oliva , Idéo Bava pela Musa (2003)
>>> The National gallery London de Nicholas Penny pela Scala (2011)
>>> Com a Cara na Mão de Ricardo Leite Muniz pela Espaço ditorial (1992)
>>> Filhos - Novas Ideias Sobre Educação de Ashley Merryman pela Lua de Papel (2010)
>>> Lost de A a Z de Diversos autores pela Abril
>>> Homem-Aranha: a última caçada de Kraven de J. M. DeMatteis Mike Zeck Bob McLeond Mike Zeck Ian Tetrault pela Abril Jovem (1990)
>>> Vitória a Qualquer Custo de Cecil B. Currey pela Biblioteca do Exercito (2002)
>>> Vitória a Qualquer Custo de Cecil B. Currey pela Biblioteca do Exercito (2002)
>>> Esperança Triunfante de Ellen G. White pela Casa Publicadora Brasileira (1961)
>>> Doris Kloster de Doris Kloster pela Taschen (1995)
>>> Doris Kloster de Doris Kloster pela Taschen (1995)
>>> A Mão de Deus ao Leme de Enoch de Oliveira pela Casa Publicadora Brasileira (1985)
>>> O Poder da Imagem de José S. Martins pela Artes Gráficas (1992)
>>> Os Caminhos de Deus de Floyd Rittenhouse pela Casa Publicadora Brasileira (1984)
>>> Os Iranianos - Pérsia, Islã e a Alma de uma Nação de Sandra Mackey pela Biblioteca do Exercito (2008)
>>> A era dos Impérios 1875-1914 de Eric J. Hobsbawm pela Paz Terra (2003)
>>> A Guerra do Iraque de John Keegan pela Biblioteca do Exercito (2005)
>>> A Democracia na América de Alexis de Tocqueville pela Folha de S. Paulo (2010)
>>> A Sociedade do Espetáculo de Guy Debord pela Contraponto (2003)
>>> Psicossomática Hoje de Julio de Mello Filho pela Artmed (1992)
>>> Leitura Dinâmica de Ricardo Soares - William Douglas pela Campus (2009)
COLUNAS >>> Especial Melhores de 2006

Quinta-feira, 14/12/2006
As sementes de Flowerville, de Sérgio Rodrigues
Paulo Polzonoff Jr
+ de 7100 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Fiz uma entrevista há muito tempo com Olavo de Carvalho, na qual ele dizia que "o otimismo é a ideologia dos assassinos". Nunca me esqueci da frase de efeito. Acho até que ele deve ter razão, num sentido político, que aqui não cabe. O otimismo pequeno e individual é que me interessa. Aquele que faz meus olhos brilharem não porque o Paraíso se aproxima, mas porque reconheço que felicidade é algo possível - sempre num contexto individual, minúsculo, restritíssimo. Este otimismo, defitivamente, não faz assassinos.

Passei os últimos três ou quatro anos da minha vida mergulhado num pessimismo macabro. Curiosamente, foi o reconhecimento da derrota que me libertou do sofrimento. Reconhecer-se derrotado no campo das idéias foi libertador. Já usei mais de uma vez a imagem militar, mas não me ocorre outra: recolhi as armas, retirei os exércitos, contei os feridos, enterrei os mortos - e voltei à vida. Anotem: lição de Montaigne.

O exemplo que interessa aqui: eu costumava pensar que a literatura brasileira estava fadada ao mais retumbante e assustador fracasso. Não temos autores que prestem, eu dizia, para quem quisesse ouvir. Nossos melhores escritores estão na casa dos oitenta anos - e não há quem os possa substituir, eu decretava, num tom sempre interpretado como raiva, mas, caramba, era só tristeza mesmo.

E, percebo agora, um tanto de cegueira.

Abri um longo e redentor sorriso ao terminar de ler As sementes de Flowerville (Objetiva, 2006, 136 págs.), de Sérgio Rodrigues. O livro me fez perceber que, apesar do ninho de cobras que é o mercado editorial brasileiro, apesar da falta de profissionalismo, apesar das desonestidades, apesar de necessidade de auto-afirmação, apesar de tudo (e de mim), a literatura brasileira continua a nos dar momentos únicos de realização. Garimpá-los pode ser penoso e desestimulante. Mas também pode ser recompensador.

As sementes de Flowerville é apenas um dos bons livros nacionais que li em 2006. Ana Maria Gonçalves nos brindou com um épico como há muito tempo não se via na nossa literatura, Um defeito de cor. Daniel Galera nos fez acreditar que há talento numa geração marcada pela transgressão estéril, com seu Mãos de cavalo. Antônio Fernando Borges concluiu sua trilogia metalingüística com Memorial de Buenos Aires. Fernando Molica encontrou amor em meio à violência em Bandeira Negra, Amor.

E deve haver outros, que não li por preguiça ou preconceito.

O grande problema, em relação a todos estes livros, continua a ser o despreparo do leitor médio. É o caso de Memorial de Buenos Aires, de Antônio Fernando Borges, lido apenas como um exercício de referências a Machado de Assis e Jorge Luis Borges. Não li um só comentário a respeito do livro que se aprofundasse nas relações do tempo, de que o livro tanto trata. O mesmo acontecerá, acredito, com As sementes de Flowerville. A simplicidade enganadora, entre a maioria dos leitores brasileiros, sempre sai ganhando.

Perdão. Não se trata de um insulto. É apenas um jeito trôpego de ressaltar a maior das qualidades de As sementes de Flowerville, isto é, a tal da simplicidade enganadora. Tudo ali é feito para enganar - e engana. A começar por quem se arrisca a localizar o livro no tempo. Todo mundo está dizendo que é futuro. Mas há algo de passado e mais um tanto de presente. O que é? Ou melhor, quando é? A estas perguntas eu retruco com outra, mais enfática: importa?

Também não é o caso de recorrer ao expediente acadêmico e dizer que As sementes de Flowerville é um romance atemporal. Não: o tempo existe. Só que a ambigüidade (antrigüidade?) proposital deve ser entendida como ela é: ambígua. Reduzi-lo a passado ou presente ou futuro é fazer com que a confusão se perca. E, com ela, uma das belezas do livro.

Não quero, com isso, dizer que o livro é confuso. A confusão, aliás, tem sido a marca de uma literatura que não me agrada. Livros que não vão e nem ficam, que não dizem nem se calam. Deles continuo mantendo distância. As sementes de Flowerville não é um livro confuso. Apenas não é reto e, em não sendo reto, não é torto. Confuso?

Eu realmente me impressiono com a capacidade que as pessoas têm de fazer sinopses de livros como As sementes de Flowerville. Não consigo. Qualquer coisa que eu escrevesse seria reduzir demais o romance. Fica aqui o pedido: compre, leia e depois tente dizer para si mesmo sobre o que é o livro. Se conseguir, se pergunte se não está esquecendo de alguma coisa. Estava, viu?

Claro que o fio condutor da história é Victorino Peçanha. E é claro que existe um mistério a ser resolvido nas páginas finais. Mas como me ater apenas à obviedade e deixar de falar sobre os personagens secundários, cujos nomes, veja só, sequer recordo? As histórias destes personagens secundários vão ficando pelo caminho. Mas que caminho? Ah, sim, como caminhos de biscoito que, na floresta da minha história de fada, levam a lugar nenhum.

Eu gosto desta sensação cada vez mais rara na literatura moderna: a de se sentir completamente fascinado por um detalhe da história que parece não interessar a mais ninguém, nem ao autor. E que, nem por isso, perde a força.

Para mim, o grande personagem de As sementes de Flowerville é Neumani, o matemático contratado, logo nas primeiras páginas do livro, para desenvolver um algoritmo que possibilitasse uma espécie de democracia na qual o meu voto teria mais valor do que o de um analfabeto, por exemplo. Neumani é um perdedor clássico, mas sem a violência dos romances juvenis. Eu percebo nele uma honra triste, daqueles que nadaram e perderam a medalha de ouro por um centésimo de segundo.

Mas cada um há de encontrar o que há de mais fascinante em As sementes de Flowerville: a estrutura de falsas pistas, a prosa cheia de efeitos metalingüísticos, a violência, a ambigüidade temporal, o sexo - e, por fim, o fim. Sim, porque, ao contrário dos livros que eu costumava, nos meus tempos de pessimismo, entender como representativos da literatura brasileira contemporânea, As sementes de Flowerville tem um fim que você, leitor, vai querer alcançar com ansiedade.

As sementes de Flowerville é a primeira aventura de Sérgio Rodrigues pelo romance, seis anos depois de publicar a coletânea de contos O homem que matou o escritor. Corre à boca pequena, porém, o boato de que o autor vai desistir da ficção. Sinceramente, não estou preocupado. Eu não me importo se o escritor demorar mais seis anos para publicar um livro, depois de muitas ponderações. Valem a pena tanto a angústia do autor (no final das contas, sempre produtiva) quanto a ansiedade do leitor.

Ah, sim. Só para não dizer que não falei das flores, há outros bons nomes a serem descobertos pelo leitor brasileiro. Dos mais novos cito Alexandre Soares Silva, que infelizmente só encontrou espaço em editoras pequenas e despreparadas. De uma geração intermediária, vale a pena lembrar o nome de Ruy Tapioca, que deve lançar um novo romance ano que vem.

Para ir além






Paulo Polzonoff Jr
Nova York, 14/12/2006

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Arrumações de Ano Novo de Adriana Baggio


Mais Paulo Polzonoff Jr
Mais Acessadas de Paulo Polzonoff Jr em 2006
01. Grande Sertão: Veredas (uma aventura) - 13/4/2006
02. As sementes de Flowerville, de Sérgio Rodrigues - 14/12/2006
03. Não existem autores novos - 8/5/2006
04. Orkut: terra de ninguém - 9/2/2006
05. Relativismos literários - 9/6/2006


Mais Especial Melhores de 2006
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
14/12/2006
03h24min
É bom saber que talvez tenha um livro novo e bom na praça. Fui lá no Todoprosa checar o Sérgio Rodrigues (que não conheço), li os textos e, de cara, nota-se inteligência e cultura (muita). Esbarrei numas coisas: a ressalva que ele faz ao Norman Mailer (que é pretensioso; mas no caso de Mailer, é melhor que ele seja assim mesmo); uma defesa da "literatura que se dobra sobre si mesma" ("metalinguagem" e outros babados) e o fato dele (Sergio Rodrigues) me parecer meio machadiano num conto que tem lá. Já o Polzonoff, num outro texto (publicado aqui no Digestivo), diz que o Francis, como romancista, é "sofrível". Bem, na minha singela opinião, Machado é sofrível e poucos romances brasileiros chegam perto das duas cabeças de Francis. Acho que vou ter de ler o Sergio Rodrigues - vamos ver. Torço, sinceramente, pra ele ser mesmo um ótimo autor. Mesmo que eu não goste, sei que isso não quer dizer nada. Nesse caso, apenas não consigo ler inteiro. Mas torço pro autor.
[Leia outros Comentários de Guga Schultze]
14/12/2006
17h50min
Que bom ler novamente um texto seu, Paulo! Bom ver que você ainda continua com seu olhar atento que realça qualidades de um livro que normalmente não são vistas!
[Leia outros Comentários de Leandro Oliveira]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Livro - O Mundo Segundo Garp
John Irving
Circulo do Livro
(1978)



Amigos do Folclore Brasileiro - Mundo Mirim
Jonas Ribeiro
Mundo Mirim
(2010)



A Vida na Escola e a Escola da Vida 9ªed(1996)
Claudius Ceccon, Miguel Darcy de Oliveira
Vozes
(1996)



O Mundo é Eu
João Mohana
Agir
(1963)



Ninguém É de Ninguém
Harold Robbins
Record
(1967)



O Livro Verde - the Green Book - Pequenos Passos Que Cada um Pode Dar
Elizabeth Rogers e Thomas M. Kosti
Sextante
(2009)



A Herança Scarlatti - Confira !!!
Robert Ludlum
Rocco
(2006)



Entre o Amor e a Guerra (1997)
Zibia Gasparetto
Vida & Conciência
(1997)



Amor de Salvação - Coleção Jabuti
Camilo Castelo Branco
Saraiva
(1996)



O Livreiro de Cabul
Asne Seierstad, Grete Skevik
Record
(2006)





busca | avançada
39901 visitas/dia
1,6 milhão/mês