Orkut: terra de ninguém | Paulo Polzonoff Jr | Digestivo Cultural

busca | avançada
63094 visitas/dia
2,3 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Série Brasil Visual tem pré-estreia neste sábado no RJ e estreia dia 25/6, no canal Curta!
>>> Thiago Monteiro apresenta seu primeiro álbum autoral “Despretensioso”, em Rib. Preto - 25/06
>>> DIADORIM | NONADA SP
>>> Porto Blue Sound, festival de música gratuito chega a Belo Horizonte em julho
>>> Projeto Memória leva legado de Lélia Gonzalez ao CCBB BH
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pulsão Oblómov
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jensen Huang, da Nvidia, na Computex
>>> André Barcinski no YouTube
>>> Inteligência Artificial Física
>>> Rodrigão Campos e a dura realidade do mercado
>>> Comfortably Numb por Jéssica di Falchi
>>> Scott Galloway e as Previsões para 2024
>>> O novo GPT-4o
>>> Scott Galloway sobre o futuro dos jovens (2024)
>>> Fernando Ulrich e O Economista Sincero (2024)
>>> The Piper's Call de David Gilmour (2024)
Últimos Posts
>>> O mais longo dos dias, 80 anos do Dia D
>>> Paes Loureiro, poesia é quando a linguagem sonha
>>> O Cachorro e a maleta
>>> A ESTAGIÁRIA
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O fim das coisas
>>> Crônica de Aniversário
>>> Oiti
>>> Uma certa inocência
>>> A TV é uma droga
>>> Arroz com rapa
>>> No TV
>>> A Onda de Protestos e o Erro de Jabor
>>> São Francisco Xavier I
>>> O Código de Defesa do Consumidor e Maradona
Mais Recentes
>>> A Sangue Frio - Grandes Sucessos de Truman Capote pela Abril (1980)
>>> Análise Do Caráter - Volume 4 de Wilhelm Reich pela Martins Fontes (1998)
>>> Curral Novo (Romance) de Adalberon Cavalcanti Lins pela São José (1958)
>>> Biodisponibilidade De Nutrientes de Silvia Maria Franciscato Cozzolino pela Manole (2005)
>>> Halo: Um Amor Que Ultrapassa As Barreiras Do Ceu E de Alexandra Adornetto pela Agir (2010)
>>> Principles of the theory of solids de J. M. Ziman pela Cambridge University Press (1969)
>>> 1968 O Ano Que Não Terminou: Aventura De Uma Geracão de Zuenir Ventura pela Objetiva (2013)
>>> Dinheiro: Os segredos de quem tem de Gustavo Cerbasi pela Sextante (2024)
>>> Nuclear Physics de Irving Kaplan pela Addison-Wesley (1964)
>>> Coisas Maiores de Steven Furtick pela Inspire (2021)
>>> Oscar Wilde: A Biography de Richard Ellmann pela Penguin Canada (1988)
>>> Ordem e Progresso de Philip Murdoch pela Lan (2018)
>>> A Importância Do Ato Ler de Paulo Freire pela Cortez (1998)
>>> A Revolução Dos Bichos de George Orwell pela Companhia Das Letras (2007)
>>> Autoridade na Oração de Dutch Sheets pela Lan (2018)
>>> Profetas Modernos de Shawn Bolz pela Chara (2018)
>>> Peregrinos da eternidade de A.W.Tozer pela Hagnos (2021)
>>> A Vida Crucificada de A.W.Tozer pela Vida (2021)
>>> Honrando ao Senhor com nossos bens de Luciano Subirá pela Orvalho (2005)
>>> Descobrindo Crianças: Abordagem Gestáltica Com Crianças E Adolescentes de Violet Oaklander pela Summus (1980)
>>> Físico Química. Para As Ciências Químicas E Biológicas - Volume 1 de Raymond Chang pela Mc Graw Hill (2008)
>>> Laikos de Dag Heward-Mills pela Parchment House (2006)
>>> Mundos Invisíveis de Marcelo Gleiser / Frederico neves pela Globo (2024)
>>> Sinais E Sistemas Lineares de B.p. Lathi pela Bookman (2024)
>>> A Alma Do Líder de Ken Blanchard pela Garimpo (2009)
COLUNAS >>> Especial Orkut

Quinta-feira, 9/2/2006
Orkut: terra de ninguém
Paulo Polzonoff Jr
+ de 6700 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Quando recebi o convite para fazer parte da Orkut, senti-me um privilegiado. Naquele tempo nem tão remoto assim, a comunidade era seletiva. A idéia ainda estava intacta. Poucas pessoas de um círculo bastante restrito tinham acesso àquele site. O conceito não havia ainda se vulgarizado.

A história da ascensão e queda da Orkut se confunde com a ascensão e queda da própria internet. Claro que me refiro aqui a uma ascensão e queda de qualidade, e não comercial. Afinal, pelo lado mercadológico, a Orkut continua a ser um excelente banco de dados. E uma amiga minha, especialista nestas coisas do mundo virtual, é enfática ao afirmar que bancos de dados são uma verdadeira mina de ouro neste mundo.

Sem meias-palavras: o problema da Orkut foi que chegou até o povo. O povão, este Leviatã que consegue destruir tudo com seu mau-gosto epidêmico. No começo, as comunidades da Orkut tratavam de assuntos que, se não eram elevados, tampouco eram tão rasteiros quanto a discussão de telenovelas ou a idolatria de cantoras de funk. As pessoas que recebiam convites para entrar na comunidade respeitavam sua principal e mais cara característica: a verdade.

Quando surgiu, a Orkut quis dar uma cara ao internauta. O anonimato, dentro da comunidade, era uma possibilidade que não passava pela cabeça da maioria das pessoas. Mesmo algumas raras pessoas que cultivavam pseudônimos na Grande Rede se sentiam constrangidas e acabam por revelar suas identidades secretas na Orkut. Era nisso que residia a graça da coisa toda: éramos, novamente, indivíduos, com nome e sobrenome, e não nicknames com números randômicos de IP.

Mas daí, com a popularização da coisa, tudo degringolou. Os tão cobiçados convites para a Orkut se disseminaram para além das fronteiras do mundo civilizado. Houve até quem os vendesse pelo eBay. As hordas de bárbaros invadiram o site com desenhos onde deveria constar a foto, nicknames no lugar do antiquado binônimo nome mais sobrenome. E, claro, junto com os visigodos, ostrogodos e quetais, a total falta de idéias e as piores intenções possíveis.

Foi mais ou menos nesta época que cometi meu primeiro "orkuticídio", isto é, apaguei todos os meus dados. Fiquei mais de um ano longe da Orkut. Às vezes, lia reportagens que se referiam à comunidade como um site de relacionamentos cheio de pedófilos e de nazistas. Ri. A pedofilia e os ideais nazistas parecem ser o futuro de toda e qualquer novidade na internet. Aquele clube que até então era exclusivo de pessoas que não tinham nada a esconder (e por isso mesmo usavam o nome e sobrenome em seu perfil) havia se transformado no caos do anonimato, que tornou, já há alguns anos, impossível a convivência nas outrora agradáveis salas de bate-papo.

Foi então que, por mera curiosidade sociológica, refiz o meu cadastro na Orkut. Faz pouco tempo, menos de um ano. Conseguir um convite não era nada difícil. Em quinze minutos eu tinha o meu. Por coerência (?), não apelei para o anonimato. Armado de nome, sobrenome e foto real, me dispus a desbravar aquela terra de ninguém, onde imperava a vontade dos tolos, o mau-gosto, o vácuo de idéias e o desprezo às regras mínimas de convivência numa sociedade, mesmo que virtual. Sim, eu estava entre os bárbaros.

Eis aqui o paradoxo que me encanta, mas só um pouquinho. Por um lado, a popularização (ou vulgarização, como preferirem) da Orkut tornou aquele espaço infestado por gente feia e, sem meias-palavras, idiota. Por outro, permitiu o reencontro com pessoas que, de outro modo, continuariam perdidas na imensidão da Rede e - por que não? - da vida.

Graças à Orkut, em sua fase mais decadente (esta que parece não ter fim), reencontrei várias pessoas que eu pensava soterradas pelo passado. Amigas, amigos, namoradinhas, desafetos. De repente me peguei mergulhando na filosofia das encruzilhadas, tentando encontrar um sentido para tantas vidas que um dia coincidiam e hoje eram quase paralelas. Entrei numa espiral sem fim da memória. E, por fim, angustiado com as máximas possibilidades do destino, acabei por cometer "orkuticídio" novamente.

Saí da hipercomunidade (em tempo: não existe comunidade possível que seja hiper) realizado e ao mesmo tempo desesperado. Ela havia, por fim, se tornado útil. A idéia se concretizara. Já então era (é) possível reencontrar velhos amigos pela Rede. No entanto, para chegasse a este ponto, a Orkut teve de permitir também que a massa se juntasse a ela. Foi preciso abrir caminho no meio de um milhão de pessoas para encontrar apenas uma. Foi preciso ler centenas de mensagens para descobrir aquela que interessava, aquela (rara) que tinha algo a dizer. O "orkuticídio" (definitivo, vale dizer) foi uma declaração de desistência e uma reafirmação da individualidade que ousa dizer seu nome e seu sobrenome; que não se esconde atrás de nicknames. Foi também uma redescoberta da convivência no mundo real, da rede de amigos que se constrói na mesa de um bar, com longos telefonemas e dramas verdadeiros. Uma convivência que não contabiliza os contatos e que tem espaço até para silêncios.

Pode soar pretensioso demais, mas a verdade é que negar a Orkut é afirmar a vida em todas as suas possibilidades. Inclusive aquela que ousei (ousamos todos) desafiar: a possibilidade de desaparecermos, de vivermos nossa vida atual desatrelados do passado.


Paulo Polzonoff Jr
Rio de Janeiro, 9/2/2006

Mais Paulo Polzonoff Jr
Mais Acessadas de Paulo Polzonoff Jr em 2006
01. Grande Sertão: Veredas (uma aventura) - 13/4/2006
02. As sementes de Flowerville, de Sérgio Rodrigues - 14/12/2006
03. Não existem autores novos - 8/5/2006
04. Orkut: terra de ninguém - 9/2/2006
05. Relativismos literários - 9/6/2006


Mais Especial Orkut
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
9/2/2006
21h53min
Dois links para você: 1 e 2. Adorei o artigo!
[Leia outros Comentários de Daniela Castilho]
10/2/2006
13h39min
Eu estou no orkut há um ano, apenas. Estou lá com meu nome próprio, esse mesmo aí do lado. Tenho umas 40 comunidades, algumas só para delinear minha subjetividade, outras, de estudo, e uma – sobre Asterix – na qual me divirto à beça com o "quizz" (coisa de fã incondicional). 80% dos meus "amigos" conheço pessoalmente e já encontrei antigos colegas e pessoas "sumidas". Foi bom, muito bom. Já consegui um livro importado ("Il sont fous, ces humains") a preço de banana que, se fosse encomendar, sairia por preço de "foi gras". Foi um membro da comunidade "Asterix" que me proporcionou. E se tornou meu amigo, claro. Enfim, o orkut é mais um meio de eu, que vejo novela das oito e gosto de futebol e samba, me relacionar de maneira satisfatória com o mundo e com as pessoas e, até hoje, todos meus amigos mantêm intacto esse princípio.
[Leia outros Comentários de Jacques Salvador]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Livro História do Brasil Guia Politicamente Incorreto da História do Brasil
Leandro Narloch
Leya
(2009)



Ultimate Marvel
Roy Thomas
Dk
(2017)



Nunca Fui Primeira Dama
Wendy Guerra
Benvira
(2008)



O Prazer de Pensar - 10º Ano de Filosofia
João Amado; Joaõ Gama; Artur Morão
Edições 70
(1987)



La Vie Amoureuse de Richard Wagner
Louis Barthou
Americ



A Boa Politica
Renato Janine Ribeiro
Companhia Das Letras
(2017)



Líderes religiosos
Ruth Guimarães
Cultrix
(1961)



Pride and Prejudice
Jane Austen
StandFor
(2018)



Democracia nos Meios de Comunicação (lacrado)
Enzo Bello, Samantha Moura Ribeiro
Lumen Juris
(2016)



A Ilusão de Scorpio
Robert Ludlum
Rocco
(1995)





busca | avançada
63094 visitas/dia
2,3 milhões/mês