Orkut: terra de ninguém | Paulo Polzonoff Jr | Digestivo Cultural

busca | avançada
41560 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS >>> Especial Orkut

Quinta-feira, 9/2/2006
Orkut: terra de ninguém
Paulo Polzonoff Jr

+ de 5200 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Quando recebi o convite para fazer parte da Orkut, senti-me um privilegiado. Naquele tempo nem tão remoto assim, a comunidade era seletiva. A idéia ainda estava intacta. Poucas pessoas de um círculo bastante restrito tinham acesso àquele site. O conceito não havia ainda se vulgarizado.

A história da ascensão e queda da Orkut se confunde com a ascensão e queda da própria internet. Claro que me refiro aqui a uma ascensão e queda de qualidade, e não comercial. Afinal, pelo lado mercadológico, a Orkut continua a ser um excelente banco de dados. E uma amiga minha, especialista nestas coisas do mundo virtual, é enfática ao afirmar que bancos de dados são uma verdadeira mina de ouro neste mundo.

Sem meias-palavras: o problema da Orkut foi que chegou até o povo. O povão, este Leviatã que consegue destruir tudo com seu mau-gosto epidêmico. No começo, as comunidades da Orkut tratavam de assuntos que, se não eram elevados, tampouco eram tão rasteiros quanto a discussão de telenovelas ou a idolatria de cantoras de funk. As pessoas que recebiam convites para entrar na comunidade respeitavam sua principal e mais cara característica: a verdade.

Quando surgiu, a Orkut quis dar uma cara ao internauta. O anonimato, dentro da comunidade, era uma possibilidade que não passava pela cabeça da maioria das pessoas. Mesmo algumas raras pessoas que cultivavam pseudônimos na Grande Rede se sentiam constrangidas e acabam por revelar suas identidades secretas na Orkut. Era nisso que residia a graça da coisa toda: éramos, novamente, indivíduos, com nome e sobrenome, e não nicknames com números randômicos de IP.

Mas daí, com a popularização da coisa, tudo degringolou. Os tão cobiçados convites para a Orkut se disseminaram para além das fronteiras do mundo civilizado. Houve até quem os vendesse pelo eBay. As hordas de bárbaros invadiram o site com desenhos onde deveria constar a foto, nicknames no lugar do antiquado binônimo nome mais sobrenome. E, claro, junto com os visigodos, ostrogodos e quetais, a total falta de idéias e as piores intenções possíveis.

Foi mais ou menos nesta época que cometi meu primeiro "orkuticídio", isto é, apaguei todos os meus dados. Fiquei mais de um ano longe da Orkut. Às vezes, lia reportagens que se referiam à comunidade como um site de relacionamentos cheio de pedófilos e de nazistas. Ri. A pedofilia e os ideais nazistas parecem ser o futuro de toda e qualquer novidade na internet. Aquele clube que até então era exclusivo de pessoas que não tinham nada a esconder (e por isso mesmo usavam o nome e sobrenome em seu perfil) havia se transformado no caos do anonimato, que tornou, já há alguns anos, impossível a convivência nas outrora agradáveis salas de bate-papo.

Foi então que, por mera curiosidade sociológica, refiz o meu cadastro na Orkut. Faz pouco tempo, menos de um ano. Conseguir um convite não era nada difícil. Em quinze minutos eu tinha o meu. Por coerência (?), não apelei para o anonimato. Armado de nome, sobrenome e foto real, me dispus a desbravar aquela terra de ninguém, onde imperava a vontade dos tolos, o mau-gosto, o vácuo de idéias e o desprezo às regras mínimas de convivência numa sociedade, mesmo que virtual. Sim, eu estava entre os bárbaros.

Eis aqui o paradoxo que me encanta, mas só um pouquinho. Por um lado, a popularização (ou vulgarização, como preferirem) da Orkut tornou aquele espaço infestado por gente feia e, sem meias-palavras, idiota. Por outro, permitiu o reencontro com pessoas que, de outro modo, continuariam perdidas na imensidão da Rede e - por que não? - da vida.

Graças à Orkut, em sua fase mais decadente (esta que parece não ter fim), reencontrei várias pessoas que eu pensava soterradas pelo passado. Amigas, amigos, namoradinhas, desafetos. De repente me peguei mergulhando na filosofia das encruzilhadas, tentando encontrar um sentido para tantas vidas que um dia coincidiam e hoje eram quase paralelas. Entrei numa espiral sem fim da memória. E, por fim, angustiado com as máximas possibilidades do destino, acabei por cometer "orkuticídio" novamente.

Saí da hipercomunidade (em tempo: não existe comunidade possível que seja hiper) realizado e ao mesmo tempo desesperado. Ela havia, por fim, se tornado útil. A idéia se concretizara. Já então era (é) possível reencontrar velhos amigos pela Rede. No entanto, para chegasse a este ponto, a Orkut teve de permitir também que a massa se juntasse a ela. Foi preciso abrir caminho no meio de um milhão de pessoas para encontrar apenas uma. Foi preciso ler centenas de mensagens para descobrir aquela que interessava, aquela (rara) que tinha algo a dizer. O "orkuticídio" (definitivo, vale dizer) foi uma declaração de desistência e uma reafirmação da individualidade que ousa dizer seu nome e seu sobrenome; que não se esconde atrás de nicknames. Foi também uma redescoberta da convivência no mundo real, da rede de amigos que se constrói na mesa de um bar, com longos telefonemas e dramas verdadeiros. Uma convivência que não contabiliza os contatos e que tem espaço até para silêncios.

Pode soar pretensioso demais, mas a verdade é que negar a Orkut é afirmar a vida em todas as suas possibilidades. Inclusive aquela que ousei (ousamos todos) desafiar: a possibilidade de desaparecermos, de vivermos nossa vida atual desatrelados do passado.


Paulo Polzonoff Jr
Rio de Janeiro, 9/2/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Michelle Campos e a poesia dentro do oco de Jardel Dias Cavalcanti
02. Ascensão e queda do cinema iraniano de Wellington Machado
03. Ribamar, de José Castello de Isabel Furini
04. Questões de Honra de Guilherme Pontes Coelho
05. Um Twitter só para escritores de Marcelo Spalding


Mais Paulo Polzonoff Jr
Mais Acessadas de Paulo Polzonoff Jr em 2006
01. Grande Sertão: Veredas (uma aventura) - 13/4/2006
02. As sementes de Flowerville, de Sérgio Rodrigues - 14/12/2006
03. Não existem autores novos - 8/5/2006
04. Orkut: terra de ninguém - 9/2/2006
05. Relativismos literários - 9/6/2006


Mais Especial Orkut
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
9/2/2006
21h53min
Dois links para você: 1 e 2. Adorei o artigo!
[Leia outros Comentários de Daniela Castilho]
10/2/2006
13h39min
Eu estou no orkut há um ano, apenas. Estou lá com meu nome próprio, esse mesmo aí do lado. Tenho umas 40 comunidades, algumas só para delinear minha subjetividade, outras, de estudo, e uma – sobre Asterix – na qual me divirto à beça com o "quizz" (coisa de fã incondicional). 80% dos meus "amigos" conheço pessoalmente e já encontrei antigos colegas e pessoas "sumidas". Foi bom, muito bom. Já consegui um livro importado ("Il sont fous, ces humains") a preço de banana que, se fosse encomendar, sairia por preço de "foi gras". Foi um membro da comunidade "Asterix" que me proporcionou. E se tornou meu amigo, claro. Enfim, o orkut é mais um meio de eu, que vejo novela das oito e gosto de futebol e samba, me relacionar de maneira satisfatória com o mundo e com as pessoas e, até hoje, todos meus amigos mantêm intacto esse princípio.
[Leia outros Comentários de Jacques Salvador]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




PODER, POLÍTICA, PUEBLO
C. WRIGHT MILLS
FONDO DE CULTURA ECONOMICA
(1973)
R$ 62,28



DESCUBRA SUA PERSONALIDADE FINANCEIRA
JORDAN E. GOODMAN
BEST SELLER
(2008)
R$ 15,00



AS DORES DA ALMA (PELO ESPÍRITO HAMMED)
FRANCISCO DO ESPÍRITO SANTO NETO
BOA NOVA
(2001)
R$ 12,00



O PODER DA TV
JOSÉ ARBEX
SCIPIONE
(2002)
R$ 12,89



SETE HISTÓRIAS DA HISTÓRIA
DANIEL FRESNOT
MELHORAMENTOS
(1994)
R$ 7,90



TRATAMENTOS NATURAIS, SAÚDE E BEM-ESTAR COMBATER O STRESS 2° PARTE
READERS DIGEST
READERS DIGEST
(1997)
R$ 5,00



O GUIA DOS CURIOSOS
MARCELO DUARTE
CIA DAS LETRAS
(1995)
R$ 8,00



REGRAS DE ULPIANO - RESUMO DE DIREITO ROMANO
GAETANO SCIASCIA
NÃO CONSTA
(1952)
R$ 50,00



PARASITOLOGIA HUMANA - 6ª EDIÇÃO
DAVID PEREIRA NEVES
ATHENEU
(1985)
R$ 44,91



A CERIMÔNIA DO ADEUS
SIMONE DE BEAUVOIR
NOVA FRONTEIRA
(2015)
R$ 25,00





busca | avançada
41560 visitas/dia
1,3 milhão/mês