Modelos plus size: as novas mulheres irreais | Pati Rabelo | Digestivo Cultural

busca | avançada
64744 visitas/dia
1,7 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Evento de reinauguração da Praça do Centro de Convenções da Unicamp
>>> Oficina Som Entre Fronteiras está com inscrições abertas
>>> Projeto “Curtas de Animação” com estudantes da zona rural de Valinhos/SP
>>> Novos projetos do Festival de Dança de Joinville promovem atividades culturais para 120 alunos
>>> Toca do Morcego anuncia agenda primavera/verão 2022/2023
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
>>> Jô Soares (1938-2022)
>>> Casos de vestidos
>>> Elvis, o genial filme de Baz Luhrmann
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
Colunistas
Últimos Posts
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
Últimos Posts
>>> Baby, a chuva deve cair. Blade Runner, 40 anos
>>> Conforme o combinado
>>> Primavera, teremos flores
>>> Além dos olhos
>>> Marocas e Hermengardas
>>> Que porcaria
>>> Singela flor
>>> O cerne sob a casca
>>> Assim é a vida
>>> Criança, minha melhor idade
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Discurso de William Faulkner
>>> Os Incríveis
>>> Erik Satie
>>> Ronnie James Dio em 1983
>>> O Leão e o Unicórnio
>>> O outro Carpeaux
>>> Something that grows
>>> Façam suas apostas
>>> Tempo de aspargos
>>> No caso de a Dilma sair, quem assume?
Mais Recentes
>>> Abarat de Clive Barker pela Companhia das Letras (2003)
>>> A Nova Classe no Poder de J. H. Dacanal pela Autor (1999)
>>> Seis Suspeitos de Vikas Swarup pela Companhia das Letras (2009)
>>> Paixão de Cristo - Paixão do Mundo de Leonardo Boff pela Vozes (2003)
>>> Antes de Voce Dormir de Linn Ullmann pela Rocco (2000)
>>> Curso de Direito Civil Parte Geral de Washington de Barros Monteiro pela Saraiva (1981)
>>> Painter 6 de Ligia Bugay e Nataska Bugay pela Visual Books (2000)
>>> Gerenciamento de Projetos: o Processo Gerencial 4e de Clifford F. Gray pela Mcgraw-hill (2009)
>>> Fora de Mim de Martha Medeiros pela Objetiva
>>> Ecumenismo para o Século Xxi: Subsidios Teológicos para a Vocação... de Alessandro Rocha (org.) pela Fonte (2011)
>>> A Vida de Francisco - o Papa do Povo de Evangelina Himitian pela Objetiva (2013)
>>> Negro: Reconstruindo Nossa História de Nancy Caruso Ventura pela Noovha América (2009)
>>> A Arte do Rock - Imagens Que Marcaram a era Clássica do Rock de Paul Grushkin pela Nacional (2011)
>>> O Mendigo e o Milionário - um Intrigante Conto Filosófico de Benoit Saint Girons pela Vozes (2009)
>>> Lúbia de Hyarbas Olavo Ferreira pela Jayssém (1985)
>>> Pacto de Sangue de Fanny Abramovich pela Vaga Lume (2000)
>>> Contos Bruxólicos de Inês Carmelita Lohn pela Pistis (2014)
>>> A Sociedade do S de Susan Hubbard pela Novo Século (2010)
>>> O Diário (nem Sempre) Secreto de Pedro de Telma Guimarães Castro Andrade; Paulo Tenente pela Atual (2004)
>>> Pai Rico Pai Pobre: o Que os Ricos Ensinam a Seus Filhos Sobre Dinheir de Robert T. Kiyosaki pela Alta Books (2017)
>>> Sir Richard Francis Burton: o Agente Secreto Que Fiz a Peregrinação... de Edward Rice pela Companhia das Letras (1991)
>>> O Milagre de Cada Dia de Giselda Laporta Nicolelis pela Scipione (1990)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Bertrand Brasil (2005)
>>> Matemática Financeira: Teoria e 700 Questões 5ª Edição... de Benjamin Cesar pela Impetus (2004)
>>> Mãe, Você Não Tá Entendendo... de Heloisa Perisse Tiza Lobo pela Objetiva (2004)
COLUNAS

Terça-feira, 19/11/2013
Modelos plus size: as novas mulheres irreais
Pati Rabelo

+ de 16500 Acessos

Não procure mulheres reais em anúncios de sapatos, num desfile da Dior, em editoriais de moda ou na capa da Nova. A tentativa tem tudo pra ser frustrante, pois você dificilmente achará. Talvez você pense ter encontrado ao se deparar com algo ligado ao segmento plus size. É que, nos últimos anos, querendo dar a entender que estão reconhecendo a cidadania das mulheres que não se parecem com manequins de vitrines vivos, a indústria da moda e a mídia colocaram esse padrão sob os holofotes. (Lá fora, esse rótulo engloba a numeração que vai do 12 a 24, o que no Brasil equivale ao intervalo que vai do 40 ao 52. Sim, é bastante absurdo dizer que plus size começa no 40, mas é verdade.)

À primeira vista, pode parecer que isso é um passo no sentido de universalizar o direito das mulheres de terem as formas corporais que elas quiserem e puderem. Sem pressão, sem alguém dizendo que elas estão erradas por destoarem das magérrimas modelos, que, por definição, significam referências, exemplos a serem imitados. Engano. Quando você encontrar mulheres gordas na mídia, elas terão rostos lindos de morrer, todas com suas medidas e formas também "ideais" pro padrão daquelas que vestem mais que 38. Sem contar que, assim como as magras, as modelos de manequins maiores só terão suas fotos publicadas após muitas camadas de tratamento digital: suas peles parecerão sempre lisinhas, uniformes e sem celulites, e elas terão cintura fina e coxas grossas em um conjunto que revelará proporcionalidade. Dessa forma, do ponto de vista da mulher da vida real, uma modelo plus size (e observe que aqui estamos falando novamente de um modelo) é tão idealizada e possui uma imagem tão inalcançável para a mulher comum quanto a Gisele.

Outro aspecto que parece indicar que a "inclusão midiática" da mulher gorda não passa de discurso fabricado pra vender coisas são os eufemismos: elas são chamadas de gordinhas, de "cheias de curvas" - de plus size, enfim. Porque falar que alguém é "plus size" (ou "tamanho extra") é utilizar um eufemismo, sim, como se dizer que a pessoa é gorda fosse um palavrão. Há toda uma construção social conferindo uma carga negativa a esse termo e que o faz soar como ofensa. Já a palavra "gordinha", assim no diminutivo, também parece uma manobra pra minimizar o problema, a gravidade da falha quase moral de possuir mais que o nível permitido de gordura no corpo. Se estivéssemos falando de uma democratização real no que diz respeito a pesos e medidas femininos, nenhuma adulta precisaria ser chamada de gordinha, pois não haveria nada de errado com o adjetivo gorda.

Assim, por mais que se tente fazer parecer o contrário, na moda e na mídia, só há espaço para mulheres idealizadas. Afinal, se é sempre aquilo que não se tem - a falta, o que não se alcançou ainda - que vai movimentar o desejo, que, por sua vez, é o principal motor do consumo, por que nesse caso seria diferente? O problema aqui é fingir que se está, finalmente, utilizando representações visuais condizentes com aquelas que as mulheres comuns veem no espelho, quando, de fato, o jogo continua o mesmo: segue-se vendendo imagens aspiracionais irreais. No auge da sua carreira e do próprio império das supermodelos, Cindy Crawford deu uma declaração que ilustra perfeitamente esse descompasso entre a mulher da revista e a mulher da vida real: "Todo mundo tem que entender que, antes de duas horas fazendo o cabelo e a maquiagem, nem eu me pareço com a Cindy Crawford".

Há ainda o fato de que a mulher gorda é tratada sempre como excentricidade, como algo não natural, já que natural é a magreza, segundo o discurso oficial. Nenhuma marca classifica uma calça 36 como tamanho especial, tampouco alguma revista destacaria na capa um editorial de moda cujo chamariz fosse o fato de só apresentar magras tipo Twiggy. É como se moças gordas fizessem parte de um gueto: estão em anúncios de produtos feitos especialmente pras elas; estão em editoriais de moda com o "tema" plus size. Veja que não se trata de mulheres aparecendo, em toda a sua diversidade, em uma campanha qualquer de um produto qualquer e não apenas daqueles direcionados às plus size. Assim, 48 não é um número dentro do espectro possível; é um tema. Mesmo no auge da febre plus size na mídia, por volta de 2009, não se viam modelos de aspecto renascentista em comerciais de xampu, por exemplo. E, em lojas de departamentos americanas como Nordstrom, Forever 21 e Macy's, você vê seções como men, girls e plus size. Fica claro que não estamos falando de mais um tamanho da grade e sim de um segmento à parte: há roupas para homens, roupas para mulheres e roupas para [mulheres] plus size.

A Dove, com sua "Campanha pela Real Beleza", que apresenta mulheres comuns com corpos, rostos e faixas etárias diversos em seus anúncios, é caso clássico de exceção que confirma a regra. Se a marca escolheu esse mote pra sua comunicação nos últimos anos, o motivo é justamente a homogeneização existente no discurso contemporâneo sobre o que é bonito e, por que não dizer, válido e certo. Claro que o objetivo último da campanha é vender mais, porém esse caso é digno de nota, pois não deixa de ser corajoso uma marca de produtos de beleza estampar, por exemplo, o close no rosto de uma senhora toda cheia de rugas em um anúncio de revista.

Então, magra ou gorda, não importa muito: você verá sempre uma figura moldada para gerar expectativas irreais nas mulheres em relação a si mesmas e às demais. Mas o público feminino parece perceber isso, ainda que intuitivamente. Um estudo conduzido, em 2009, por uma equipe de pesquisadores da Alemanha, EUA e Holanda, concluiu que as fotos das modelos em revistas, sejam elas magras ou gordas, fazem as mulheres acima do peso se sentirem piores com os seus corpos. E, na contramão disso, mulheres abaixo do peso normal se sentem melhores quando olham as mesmas fotos.

Essa conclusão põe em cheque as pretensas intenções democráticas da indústria da moda, tendo a mídia como fiel escudeira, ao difundir o rótulo plus size. Isso porque nos faz pensar que redefinir os padrões estéticos por meio das revistas e outdoors talvez não seja a panaceia pra já fragilizada autoestima das mulheres que estão fora dos cânones atuais da beleza.

Como a autoestima das mulheres consideradas com sobrepeso sempre diminui, independentemente das modelos que elas veem, o problema não parece ser uma imagem em particular que alguém olha, mas sim a apresentação da beleza sob qualquer padrão. Assim, ver uma modelo tamanho GG como a garota da capa não necessariamente fará uma garota que veste 50 se sentir melhor consigo mesma. A menos, claro, que ela já faça uma distinção saudável entre a fantasia embutida nas imagens da mídia, mesmo quando se trata das modelos plus size, e a realidade que ela vê todos os dias no espelho.


Pati Rabelo
Fortaleza, 19/11/2013


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Alameda de água e lava de Elisa Andrade Buzzo
02. A noite do meu bem, de Ruy Castro de Julio Daio Borges
03. Tipos brasileiros de Guilherme Pontes Coelho
04. Classificados de Bruno Garschagen


Mais Pati Rabelo
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Prosperidade Profissional 5ªed(1998)
Luiz Antonio Gasparetto
Vida e Consciência
(1998)



O Novo Posicionamento (1996)
Trout Jackrivkin Steve
Makron Books
(1996)



Como Empreender Com Equilíbrio Financeiro
Reinaldo Domingos
Dsop
(2012)



Charlie Brown e Sua Turma / 1ª Ed
Charles M. Schulz; Eduardo Brandão / Capa Dura
Companhia das Letrinhas
(2016)



Pequeno Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa
Jefferson L. Alves / Outros
Global
(2011)



Os Fundamentos Históricos da Pedagogia Espírita
Pinheiro Martins
leon denis
(2006)



Passageiro para Frankfurt
Agatha Christie
Nova Fronteira
(2005)



Um Mundo Transparente
Morris West
Record
(1983)



Transcomunicação Instrumental Espiritismo e Ciência
Sonia Rinaldi
DPL
(2000)



A Cidade dos Bebês (2001)
Jane Green
Record
(2001)





busca | avançada
64744 visitas/dia
1,7 milhão/mês