Videogame também é cultura | Rafael Fernandes | Digestivo Cultural

busca | avançada
74045 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Férias de Julho: Museu Catavento e Teatro Sérgio Cardoso recebem a Cia. BuZum!
>>> Neos firma parceria com Unicamp e oferece bolsas de estudo na área de inteligência artificial
>>> EcoPonte apresenta exposição Conexões a partir de 16 de julho em Niterói
>>> Centro em Concerto - Palestras
>>> Crônicas do Não Tempo – lançamento de livro sobre jovem que vê o passado ao tocar nos objetos
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
>>> Sexo, cinema-verdade e Pasolini
>>> O canteiro de poesia de Adriano Menezes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
Colunistas
Últimos Posts
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
Últimos Posts
>>> PANFLETO AMAZÔNICO
>>> Coruja de papel
>>> Sou feliz, sou Samuel
>>> Andarilhos
>>> Melhores filme da semana em Cartaz no Cinema
>>> Casa ou Hotel: Entenda qual a melhor opção
>>> A lantejoula
>>> Armas da Primeira Guerra Mundial.
>>> Você está em um loop e não pode escapar
>>> A vida depende do ambiente, o ambiente depende de
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Os enciclopedistas franceses rolam nos túmulos
>>> Entrevista com Chico Pinheiro
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Era uma casa nada engraçada
>>> Entrevista da Camille Paglia
>>> Vamos sentir saudades
>>> Sexo virtual
>>> The more you ignore me, the closer I get
>>> Padre chicoteia coquetes e dândies
Mais Recentes
>>> Simplesmente Irresistível de Rachel Gibson; Leila Kommers pela Jardim dos Livros (2013)
>>> Anotações Sobre um Escândalo - Romance - Autografado de Zoë Heller pela Record (2007)
>>> A Região do Maduro de Jaime Leitão Rodrigues pela Amrc (1986)
>>> Mundo sem Hemisférios de Octavio Costa pela Record
>>> Revelada - uma Odisséia Feminina de Eliana de Freitas pela Conecta Brasil (2012)
>>> Crítica Teatral - Obras Completas de Machado de Assis de Machado de Assis pela W. M. Jackson Inc.
>>> Marcas da Iatrogenia no Discurso de Profissionais Em Hospital-dia de Luís Gustavo Vechi pela Casa do Psicólogo (2003)
>>> As Duas Vidas de Adonis de Mustafa Yazbek pela Ftd (1991)
>>> Gail 200 Anos de Sucesso Industrial - 200 Years of Industrial Success de Hilde Herbold - Texto pela Dba (2012)
>>> O Olhar de Lanceta - Ensaios Críticos Sobre Literatura e Sociedade de Elói Alves pela Apmc (2015)
>>> Reima de Dau Bastos pela Record (2009)
>>> Revista Arte e Cultura da América Latina - Vol. VII - Nº 1 de Adonay Ariza/rosane Borges e Outros pela Terceira Margem (2000)
>>> O Projeto Lottie de Jacqueline Wilson pela Sm (2005)
>>> São Jorge dos Ilhéus de Jorge Amado pela Martins (1968)
>>> Não Há Silêncio Que Não Termine de Ingrid Betancourt; Rosa Freire Daguiar pela Companhia das Letras (2010)
>>> Fluxus de Cristiane Grando pela Gato de Papel (2005)
>>> O Vau da Vida de Ariosto Augusto de Oliveira pela Nankin (2004)
>>> Uma Questão de Vida e Sexo de Oscar Moore pela José Olympio (2006)
>>> Subtexto - Revista de Teatro do Galpão Cine Horto - Nº 3 de Chico Pelúcio/beto Franco/kil Abreu/e Outros pela Não Identificada (2006)
>>> Une Vie Maupassant - Analyse Critique de Jean et Veronique Ehrsam pela Hatier (1986)
>>> The Last of the Giants de George Otis pela Chosen Books (1991)
>>> Dados - Revista de Ciências Sociais - Volume 51 -1 de Charles Pessanha - Edit. pela Iuperj (2008)
>>> Madame Casanova de Gaby Von Schonthan pela Nova Fronteira (1974)
>>> Um Reizinho Entre Nós de Yasmin Garrido Bruno pela Best Seller (2003)
>>> A Sintese Organica do Itinerarium Aetheriae de Enio Aloisio Fonda pela Ffcla (1966)
COLUNAS

Quarta-feira, 10/12/2008
Videogame também é cultura
Rafael Fernandes

+ de 8000 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Do Houaiss:

Cultura
Datação
sXV cf. IVPM

Acepções
■ substantivo feminino

5 Derivação: sentido figurado.
o cabedal de conhecimentos, a ilustração, o saber de uma pessoa ou grupo social
Ex.: estudioso, possuía uma vasta c.
6 Rubrica: antropologia.
conjunto de padrões de comportamento, crenças, conhecimentos, costumes etc. que distinguem um grupo social
Obs.: cf. contracultura
7 forma ou etapa evolutiva das tradições e valores intelectuais, morais, espirituais (de um lugar ou período específico); civilização
Ex.:
8 complexo de atividades, instituições, padrões sociais ligados à criação e difusão das belas-artes, ciências humanas e afins
Ex.: um governo que privilegiou a c.


Videogame é uma atividade de criação e entretenimento das mais criticadas. Costuma ser taxada de desperdício, inutilidade e/ou burrice ― em geral por quem não conhece, não quer conhecer ou não procura diferenciar o joio do trigo. Da mesma forma que existem livros mal escritos, músicas horrendas e filmes desprezíveis, nos jogos há do lixo ao luxo. E pegando as definições do Houaiss acima citadas, o videogame é cultura de muita gente que nasceu por volta dos anos 80. Penso que minha geração está para o videogame como a geração que viu o nascer e florescer do cinema. Em princípio, não faço uma comparação artística, mas sim comportamental: o fato de que parte dessa minha geração cresceu integrada com uma nova mídia de entretenimento, crescendo com ela e participando seus desdobramentos. Como aconteceu com o cinema há mais de 100 anos, estamos acompanhando o desenvolvimento dos consoles, jogos, sua influência social e até em outras mídias, como a própria sétima arte: pense em Matrix, 300, Speed Racer e adaptações diretas como Final Fantasy. A jogatina esteve e continua estando integrada à nossa vida. A disseminação dos jogos eletrônicos trouxe uma profunda mudança comportamental para muita gente ― o fato de existirem estereótipos para retratá-los (como o "roqueiro drogado", o "intelectual pedante", a "modelo-e-atriz burra") já é uma prova clara de seu impacto. Há que não queira admitir, mas esse universo existe, é grande e tem seus próprios códigos e rituais.

É uma atividade de entretenimento e, como outra qualquer, tem suas qualidades. Talvez não tenha um diálogo interessante como uma boa série, uma frase marcante de um livro, ou uma direção memorável como num filme, mas muitos têm visuais retumbantes, requerem coordenação motora, raciocínio rápido e, acreditem ou não, senso de estratégia. Também pode ser pura e simplesmente diversão ― qual o problema nisso? E não é uma atividade estritamente solitária, como muitos imaginam. O jogar junto ― em dupla ou grupo ― é costumaz. Videogame não é considerado "arte" ou "alta cultura". Um motivo pode ser a falta de críticos de jogos ― críticos num sentido mais amplo, e não comentadores da performance, jogabilidade e dificuldade. Alguém que possa descobrir algo mais neles, sutilezas e observações além do apertar de botões ou das dicas para avançar de fase. Talvez porque o assunto continue restrito à mídia (on-line e off-line) especializada. Mas muito provavelmente, como diz este texto da Esquire, porque é difícil observá-lo pelos "padrões artísticos" pelos quais são avaliados filmes, livros, músicas etc. ― e acho que nem precisa. Não é necessário tentar achar o Bergman do videogame, ou procurar traçar um (absurdo) paralelo com Dostoiévski. É outra coisa, outra mídia, outra expressão.

Além disso, por ser interativo, conflituoso (toda ação tem uma reação), atemporal (dá pra jogar inúmeras vezes o mesmo jogo, inclusive parando-o no meio) e com várias alternativas (ainda que limitadas), é quase impossível um jogador seguir o mesmíssimo "roteiro" que o outro. E não me refiro apenas a uma única "experiência", mas sim ao caminho ― diferente das artes, que por mais que cada um tenha sua própria experiência, deve seguir os mesmos destinos se consumidas do começo ao fim. Pense num jogo de "fases": a história é a mesma, mas cada jogador escolhe qual porta abrir primeiro, os números de inimigos "dizimados" difere, assim como o número de "vidas" que é usada, entre tantas outras coisas. Ou pense, ainda, num jogo de esporte. Ainda que as alternativas programadas possam ser limitadas (e que podem ser muitas), as variáveis disponíveis dão a sensação de serem tão diversas quanto ocorre na realidade. Mas um grande fator que impede sua avaliação mais profunda ― mais do que um jogo ― é o preconceito.

Acredito que a maioria das críticas venha da falta de contato e/ou conhecimento. Seja em novelas, filmes, seriados ou jornais o jogador é sempre o já citado estereótipo: o adolescente cheio de espinhas, abobalhado e sem tato para as mulheres. O amante de computador que atira em colegas de escola; o adulto que não consegue amadurecer; o geek total. E assim vai: sempre alguém com ausência de tino social. Não esqueçamos das absurdas indicações dos games como supostos catalisadores de tragédias como Columbine ― como se o bullying, problemas psicológicos anteriores, conturbações da sociedade e a cultura da arma nos EUA fossem detalhes insignificantes. Principalmente para quem tem mais de trinta anos, a idéia de jogar videogames é simplesmente rechaçada ― bobagem, coisa de criança ou de quem tem complexo de Peter Pan etc. Não é bem assim. Como já ressaltado, é uma atividade de entretenimento como outra qualquer: pode ser saudável como pode ser um mal.

Há os que culpam os videogames de infantilizarem adultos e deixar crianças hiperativas e viciadas. Em geral é um argumento, novamente, baseado no desconhecimento de causa. Se alguns adultos estão mais infantis e algumas crianças viciadas, pode ser um problema de momento social ― que não cabem ser dissecados por este texto. O excesso de videogame pode ser um efeito, talvez um sintoma, mas não causa. Se as crianças estão mais ativas, pode ser uma característica de geração; se estão bitoladas nos games pode ser um problema de educação ou ausência de limites. Novamente: o videogame não é a causa. Reclamações semelhantes ocorreram contra a TV (a "babá eletrônica") com a geração que cresceu nos anos 70 e 80.

Seu filho só joga videogame? O problema não é o jogo, mas quanto se gasta com ele. Não é a atividade ou a mídia em si, mas sim como nos relacionamos com ela. O mesmo vale para TV ou para qualquer outra atividade: excesso de exercício pode trazer males, tanto quanto se isolar na literatura, por exemplo. Para as crianças, imagino que os jogos de videogame deveriam estar numa cesta variada de atividades junto com leitura, lazer, estudos, ócio etc. Elas devem ser apresentadas às mais diversas produções humanas para adquirir conhecimento, saber suas opções e futuramente decidir sozinho ― isso é educação e liberdade de escolha. E convoco os pais a jogarem com seus filhos. Não será uma perda, mas sim um ganho de tempo com seu filho ― sejam curiosos, perguntem, tentem aprender, afinal, não são só os pais que ensinam. Em vez de assistirem novela das sete, Jornal Nacional e novela das nove, todo dia tirem um tempo para jogar e, quem sabe, em seguida, convidar os filhos para assistir a um belo filme ou ler um bom livro.

Não sou um louco viciado em videogame. Há tempos não tenho um ― provavelmente o mesmo período que penso em voltar a ter, mas os fatores tempo, dinheiro e prioridades acabam deixando essa vontade de lado. Mas tem feito parte de minha vida, de alguma forma. Tenho lembranças fortes até hoje de jogar River Raid no Atari com meu irmão; ou um dia à frente à TV jogando o Super Mario Bros 3 (no Nintendinho) com os amigos, cada um disputando "uma vida", tentando avançar no jogo ― ao nosso lado uma revista aberta, ensinando os truques de cada fase. Para depois irmos jogar bola na rua, ou passar um final de tarde falando besteiras. Recentemente, as gozações entre amigos antes, durante e depois de jornadas de Winning Eleven, alternadas por muitas conversas e muitas risadas. Seja antes ou depois de sair, ou simplesmente numa noitada de jogos como pretexto para juntar os amigos. Até hoje eventualmente jogo, via emulador, meu preferido: Mario Kart, do Super Nintendo, que tem a cara da Nintendo: a junção do lúdico com boa jogabilidade e competição, mas sem tantas dificuldades para se jogar. Muitas lembranças e diversão: sozinho ou acompanhado.

Não dissocio nenhuma dessas lembranças à memória de um jogo de futebol, da cena de um filme, do vento batendo numa árvore numa tarde de verão, de um momento de um livro. Como uma passagem memorável de Machado de Assis, um bom almoço, um passeio, as sensações de certos momentos me são retomadas através de lembranças de certos jogos, fases, conversas em torno dos games. Me lembro até hoje do frisson causado pelo lançamento do jogo Donkey Kong Country e seus gráficos inovadores (para a época). Ou a admiração do Nintendo 64 recém-comprado por um dos amigos e a falta de noção de controle inicial num de seus principais jogos, o Mario 64 ― e, principalmente, o momento que eu passava ali. E nenhum de nós virou um problemático por causa disso. O pior mal, na verdade, é o da ignorância e do pré-julgamento. É rotular alguma coisa sem o mínimo conhecimento de causa nem contextualização. Para quem ainda não tolera os videogames, meus pêsames. Eles estão aí há muito tempo e com muita força para se achar que vão passar ou que são irrelevantes.

Nota do Editor
Leia também "Civilizado?"


Rafael Fernandes
Sorocaba, 10/12/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Silêncio e grito de Ana Elisa Ribeiro
02. A sujeira embaixo do tapete de Renato Alessandro dos Santos
03. Um grande romance para leitores de... poesia de Renato Alessandro dos Santos
04. Filmes de guerra, de outro jeito de Ana Elisa Ribeiro
05. Sobreviver à quarentena de Luís Fernando Amâncio


Mais Rafael Fernandes
Mais Acessadas de Rafael Fernandes em 2008
01. High School Musical e os tweens - 9/1/2008
02. Violões do Brasil - 13/8/2008
03. Tritone: 10 anos de um marco da guitarra rock - 10/9/2008
04. Videogame também é cultura - 10/12/2008
05. Blog precisa ser jornalismo? - 9/4/2008


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
16/12/2008
14h54min
É. Enfrentei monstros terríveis quando passava noites jogando os velhos Doom, Duke Nuken, Quake, Heretic e Hexen. Acompanhei um pouco até coisas como Resident Evil, já no Play Station. O que ficou disso tudo? Bem, aprendemos que os monstros reais, do dia-a-dia, são piores. Infelizmente não dá pra reiniciar o jogo e não se pode exterminá-los. Mas a gente aprende estratégia, aprende a levar nossa própria revista interessante para ler na sala de espera do dentista, por exemplo. Depois ele vem com aquele alfinete grandão cutucar o seu dente (bem no lugar onde dói) e você pode abrir a revista e dizer: "óia fó ki lehál ifu aki", e ele para por um momento a tortura. Beleza de texto, abraços!
[Leia outros Comentários de Guga Schultze]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Entre o Amor e a Paixão
Lesley Pearse
Novo Conceito
(2013)



Ponte Estaiada
Luciana Cotrim
Estaçao das Letras
(2014)



Manual Prático da Autoridade Policial Militar
Sergio Moreira dos Santos
Suprema Cultura
(2007)



Entrada para o Paraíso
Junji Miyaura
Seicho-no-ie
(2012)



Observatório de Geog. 8 Ano Fronteiras e Nações -8ano
Regina Araujo- Angela Cortes da Silva Raul Borges
Moderna
(2010)



Coleção Info no 13 - Windows Xp
Carlos Machado (editor)
Abril
(2004)



The Keys of Hell
Jack Higgins
Harper Collins



Os Males do Tabaco e Outras Peças Em um Ato
Tchékhov, Homero Freitas de Andrade
Ateliê Editorial
(2003)



Projeto Radix Ciências 8º Ano
Leonel /karina / Elisangela
Scipione
(2013)



Curso de Processo Penal [CAPA DURA]
Eugênio Pacelli de Oliveira
Del Rey
(2007)





busca | avançada
74045 visitas/dia
1,8 milhão/mês