Videogame também é cultura | Rafael Fernandes | Digestivo Cultural

busca | avançada
33925 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Namíbia, Não! curtíssima temporada no Sesc Bom Retiro
>>> Ceumar no Sesc Bom Retiro
>>> Mestrinho no Sesc Bom Retiro
>>> Edições Sesc promove bate-papo com Willi Bolle sobre o livro Boca do Amazonas no Sesc Pinheiros
>>> SÁBADO É DIA DE AULÃO GRATUITO DE GINÁSTICA DA SMART FIT NO GRAND PLAZA
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Modernismo e além
>>> Pelé (1940-2022)
>>> Obra traz autores do século XIX como personagens
>>> As turbulentas memórias de Mark Lanegan
>>> Gatos mudos, dorminhocos ou bisbilhoteiros
>>> Guignard, retratos de Elias Layon
>>> Entre Dois Silêncios, de Adolfo Montejo Navas
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> A moça do cachorro da casa ao lado
>>> A relação entre Barbie e Stanley Kubrick
>>> Um canhão? Ou é meu coração? Casablanca 80 anos
>>> Saudades, lembranças
>>> Promessa da terra
>>> Atos não necessários
>>> Alma nordestina, admirável gênio
>>> Estrada do tempo
>>> A culpa é dele
>>> Nosotros
Blogueiros
Mais Recentes
>>> 100 homens que mudaram a História do Mundo
>>> Entrevista com Ruy Castro
>>> Um conto-resenha anacrônico
>>> Um parque de diversões na cabeça
>>> Rindo de nossa própria miséria
>>> História da leitura (V): o livro na Era Digital
>>> Duas crises: a nossa e a deles
>>> As pessoas estão revoltadas
>>> Eu sou fiscal do Sarney
>>> Vamos sentir saudades
Mais Recentes
>>> Curso de Direito Natural de Luís Taparelli D'Azeglio, Sj;Nicolau Rosseti pela Anchieta (1945)
>>> Tiro no coração de Mikal Gilmore pela Companhia das Letras (1996)
>>> A Crise Do CapitalismoA de A Crise Do Capitalismo pela A Crise Do Capitalismo (1999)
>>> Histórias de Fadas de Oscar Wilde pela Saraiva (2015)
>>> Eu, Robô de Isaac Asimov pela Ediouro (2004)
>>> Gramatica de la lengua espantola de Emilio Alarcos Llorach pela Espasa (2015)
>>> A costureira de Dachau de Mary Chamberlain pela HarperCollins (2014)
>>> Grande Sertão. Veredas de Guimarães Rosa pela Nova Fronteira (2010)
>>> The India-Rubber Men de Edgar Wallace pela London hodder & stoughton limited (1940)
>>> Flash Mx Com Actionscript - Orientado A Objetos de Francisco Tarcizo B. Junior pela Érica (2002)
>>> Destros e canhotos de José Quadros Franca pela Melhoramentos (1969)
>>> História da riqueza do homem de Leo Huberman pela Zahar (1971)
>>> Sentimentos Modernos de Maria Angela D'incao pela Brasiliense (1996)
>>> A Criança Saudável de Wilhelm Zur Linden pela Brasiliense (1977)
>>> A Mae Do Freud de Luis Fernando Veríssimo pela L&pm (1987)
>>> Irritacao - O Fogo Destruidor de Torkom Saraydarian pela Aquariana (1991)
>>> Boa Noite Punpun de Inio Asano pela JBc (2019)
>>> Biblioteca Desafios Matemáticos - 7 volumes de Vários Autores pela RBA / Editec (2023)
>>> Mude a sua Mente e Transforme a sua Vida de Gerald G. Jampolsky e Diane V. Cirincione pela Cultrix (1999)
>>> Uns e Outros: Contos Espelhados - Tag de Helena Terra e Luiz Ruffato pela Tag / Dublinense (2017)
>>> A Metafísica do Cinema de Robert Bresson de Carlos Frederico Gurgel Calvet da Silveira pela Batel (2011)
>>> Violencia Política en el Siglo XXI de Adalberto C. Agozino pela Dosyuna (2011)
>>> Religiões e Homossexualidades de Maria das Dores Campos Machado; Fernanda Delvalhas Piccolo (Orgs.) pela Fgv (2010)
>>> Jerusalém de Gonçalo M. Tavares pela Companhia das Letras (2006)
>>> Cinema, Pipoca e Piruá de Sérgio Klein pela Fundamento (2009)
COLUNAS

Quarta-feira, 10/12/2008
Videogame também é cultura
Rafael Fernandes
+ de 8300 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Do Houaiss:

Cultura
Datação
sXV cf. IVPM

Acepções
■ substantivo feminino

5 Derivação: sentido figurado.
o cabedal de conhecimentos, a ilustração, o saber de uma pessoa ou grupo social
Ex.: estudioso, possuía uma vasta c.
6 Rubrica: antropologia.
conjunto de padrões de comportamento, crenças, conhecimentos, costumes etc. que distinguem um grupo social
Obs.: cf. contracultura
7 forma ou etapa evolutiva das tradições e valores intelectuais, morais, espirituais (de um lugar ou período específico); civilização
Ex.:
8 complexo de atividades, instituições, padrões sociais ligados à criação e difusão das belas-artes, ciências humanas e afins
Ex.: um governo que privilegiou a c.


Videogame é uma atividade de criação e entretenimento das mais criticadas. Costuma ser taxada de desperdício, inutilidade e/ou burrice ― em geral por quem não conhece, não quer conhecer ou não procura diferenciar o joio do trigo. Da mesma forma que existem livros mal escritos, músicas horrendas e filmes desprezíveis, nos jogos há do lixo ao luxo. E pegando as definições do Houaiss acima citadas, o videogame é cultura de muita gente que nasceu por volta dos anos 80. Penso que minha geração está para o videogame como a geração que viu o nascer e florescer do cinema. Em princípio, não faço uma comparação artística, mas sim comportamental: o fato de que parte dessa minha geração cresceu integrada com uma nova mídia de entretenimento, crescendo com ela e participando seus desdobramentos. Como aconteceu com o cinema há mais de 100 anos, estamos acompanhando o desenvolvimento dos consoles, jogos, sua influência social e até em outras mídias, como a própria sétima arte: pense em Matrix, 300, Speed Racer e adaptações diretas como Final Fantasy. A jogatina esteve e continua estando integrada à nossa vida. A disseminação dos jogos eletrônicos trouxe uma profunda mudança comportamental para muita gente ― o fato de existirem estereótipos para retratá-los (como o "roqueiro drogado", o "intelectual pedante", a "modelo-e-atriz burra") já é uma prova clara de seu impacto. Há que não queira admitir, mas esse universo existe, é grande e tem seus próprios códigos e rituais.

É uma atividade de entretenimento e, como outra qualquer, tem suas qualidades. Talvez não tenha um diálogo interessante como uma boa série, uma frase marcante de um livro, ou uma direção memorável como num filme, mas muitos têm visuais retumbantes, requerem coordenação motora, raciocínio rápido e, acreditem ou não, senso de estratégia. Também pode ser pura e simplesmente diversão ― qual o problema nisso? E não é uma atividade estritamente solitária, como muitos imaginam. O jogar junto ― em dupla ou grupo ― é costumaz. Videogame não é considerado "arte" ou "alta cultura". Um motivo pode ser a falta de críticos de jogos ― críticos num sentido mais amplo, e não comentadores da performance, jogabilidade e dificuldade. Alguém que possa descobrir algo mais neles, sutilezas e observações além do apertar de botões ou das dicas para avançar de fase. Talvez porque o assunto continue restrito à mídia (on-line e off-line) especializada. Mas muito provavelmente, como diz este texto da Esquire, porque é difícil observá-lo pelos "padrões artísticos" pelos quais são avaliados filmes, livros, músicas etc. ― e acho que nem precisa. Não é necessário tentar achar o Bergman do videogame, ou procurar traçar um (absurdo) paralelo com Dostoiévski. É outra coisa, outra mídia, outra expressão.

Além disso, por ser interativo, conflituoso (toda ação tem uma reação), atemporal (dá pra jogar inúmeras vezes o mesmo jogo, inclusive parando-o no meio) e com várias alternativas (ainda que limitadas), é quase impossível um jogador seguir o mesmíssimo "roteiro" que o outro. E não me refiro apenas a uma única "experiência", mas sim ao caminho ― diferente das artes, que por mais que cada um tenha sua própria experiência, deve seguir os mesmos destinos se consumidas do começo ao fim. Pense num jogo de "fases": a história é a mesma, mas cada jogador escolhe qual porta abrir primeiro, os números de inimigos "dizimados" difere, assim como o número de "vidas" que é usada, entre tantas outras coisas. Ou pense, ainda, num jogo de esporte. Ainda que as alternativas programadas possam ser limitadas (e que podem ser muitas), as variáveis disponíveis dão a sensação de serem tão diversas quanto ocorre na realidade. Mas um grande fator que impede sua avaliação mais profunda ― mais do que um jogo ― é o preconceito.

Acredito que a maioria das críticas venha da falta de contato e/ou conhecimento. Seja em novelas, filmes, seriados ou jornais o jogador é sempre o já citado estereótipo: o adolescente cheio de espinhas, abobalhado e sem tato para as mulheres. O amante de computador que atira em colegas de escola; o adulto que não consegue amadurecer; o geek total. E assim vai: sempre alguém com ausência de tino social. Não esqueçamos das absurdas indicações dos games como supostos catalisadores de tragédias como Columbine ― como se o bullying, problemas psicológicos anteriores, conturbações da sociedade e a cultura da arma nos EUA fossem detalhes insignificantes. Principalmente para quem tem mais de trinta anos, a idéia de jogar videogames é simplesmente rechaçada ― bobagem, coisa de criança ou de quem tem complexo de Peter Pan etc. Não é bem assim. Como já ressaltado, é uma atividade de entretenimento como outra qualquer: pode ser saudável como pode ser um mal.

Há os que culpam os videogames de infantilizarem adultos e deixar crianças hiperativas e viciadas. Em geral é um argumento, novamente, baseado no desconhecimento de causa. Se alguns adultos estão mais infantis e algumas crianças viciadas, pode ser um problema de momento social ― que não cabem ser dissecados por este texto. O excesso de videogame pode ser um efeito, talvez um sintoma, mas não causa. Se as crianças estão mais ativas, pode ser uma característica de geração; se estão bitoladas nos games pode ser um problema de educação ou ausência de limites. Novamente: o videogame não é a causa. Reclamações semelhantes ocorreram contra a TV (a "babá eletrônica") com a geração que cresceu nos anos 70 e 80.

Seu filho só joga videogame? O problema não é o jogo, mas quanto se gasta com ele. Não é a atividade ou a mídia em si, mas sim como nos relacionamos com ela. O mesmo vale para TV ou para qualquer outra atividade: excesso de exercício pode trazer males, tanto quanto se isolar na literatura, por exemplo. Para as crianças, imagino que os jogos de videogame deveriam estar numa cesta variada de atividades junto com leitura, lazer, estudos, ócio etc. Elas devem ser apresentadas às mais diversas produções humanas para adquirir conhecimento, saber suas opções e futuramente decidir sozinho ― isso é educação e liberdade de escolha. E convoco os pais a jogarem com seus filhos. Não será uma perda, mas sim um ganho de tempo com seu filho ― sejam curiosos, perguntem, tentem aprender, afinal, não são só os pais que ensinam. Em vez de assistirem novela das sete, Jornal Nacional e novela das nove, todo dia tirem um tempo para jogar e, quem sabe, em seguida, convidar os filhos para assistir a um belo filme ou ler um bom livro.

Não sou um louco viciado em videogame. Há tempos não tenho um ― provavelmente o mesmo período que penso em voltar a ter, mas os fatores tempo, dinheiro e prioridades acabam deixando essa vontade de lado. Mas tem feito parte de minha vida, de alguma forma. Tenho lembranças fortes até hoje de jogar River Raid no Atari com meu irmão; ou um dia à frente à TV jogando o Super Mario Bros 3 (no Nintendinho) com os amigos, cada um disputando "uma vida", tentando avançar no jogo ― ao nosso lado uma revista aberta, ensinando os truques de cada fase. Para depois irmos jogar bola na rua, ou passar um final de tarde falando besteiras. Recentemente, as gozações entre amigos antes, durante e depois de jornadas de Winning Eleven, alternadas por muitas conversas e muitas risadas. Seja antes ou depois de sair, ou simplesmente numa noitada de jogos como pretexto para juntar os amigos. Até hoje eventualmente jogo, via emulador, meu preferido: Mario Kart, do Super Nintendo, que tem a cara da Nintendo: a junção do lúdico com boa jogabilidade e competição, mas sem tantas dificuldades para se jogar. Muitas lembranças e diversão: sozinho ou acompanhado.

Não dissocio nenhuma dessas lembranças à memória de um jogo de futebol, da cena de um filme, do vento batendo numa árvore numa tarde de verão, de um momento de um livro. Como uma passagem memorável de Machado de Assis, um bom almoço, um passeio, as sensações de certos momentos me são retomadas através de lembranças de certos jogos, fases, conversas em torno dos games. Me lembro até hoje do frisson causado pelo lançamento do jogo Donkey Kong Country e seus gráficos inovadores (para a época). Ou a admiração do Nintendo 64 recém-comprado por um dos amigos e a falta de noção de controle inicial num de seus principais jogos, o Mario 64 ― e, principalmente, o momento que eu passava ali. E nenhum de nós virou um problemático por causa disso. O pior mal, na verdade, é o da ignorância e do pré-julgamento. É rotular alguma coisa sem o mínimo conhecimento de causa nem contextualização. Para quem ainda não tolera os videogames, meus pêsames. Eles estão aí há muito tempo e com muita força para se achar que vão passar ou que são irrelevantes.

Nota do Editor
Leia também "Civilizado?"


Rafael Fernandes
São Paulo, 10/12/2008

Mais Rafael Fernandes
Mais Acessadas de Rafael Fernandes em 2008
01. High School Musical e os tweens - 9/1/2008
02. Violões do Brasil - 13/8/2008
03. Tritone: 10 anos de um marco da guitarra rock - 10/9/2008
04. Videogame também é cultura - 10/12/2008
05. Blog precisa ser jornalismo? - 9/4/2008


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
16/12/2008
14h54min
É. Enfrentei monstros terríveis quando passava noites jogando os velhos Doom, Duke Nuken, Quake, Heretic e Hexen. Acompanhei um pouco até coisas como Resident Evil, já no Play Station. O que ficou disso tudo? Bem, aprendemos que os monstros reais, do dia-a-dia, são piores. Infelizmente não dá pra reiniciar o jogo e não se pode exterminá-los. Mas a gente aprende estratégia, aprende a levar nossa própria revista interessante para ler na sala de espera do dentista, por exemplo. Depois ele vem com aquele alfinete grandão cutucar o seu dente (bem no lugar onde dói) e você pode abrir a revista e dizer: "óia fó ki lehál ifu aki", e ele para por um momento a tortura. Beleza de texto, abraços!
[Leia outros Comentários de Guga Schultze]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Livro - Réquiem Caribenho
Brigitte Aubert
Companhia das Letras
(2001)



Macaco
Jeff Stone
Pavio
(2009)



Col Truques & Maquiagem Maquiagem para Festas
Editora Gold
Gold
(2012)



Da "bela Velhice" às "velhinhas de Bengala"
Aline Ribeiro
Letramento



Para Comer Com os Olhos
Renata Santanna
Panda Books
(2011)



Evolução para o Terceirp Milênio
Carlos Toledo Rizzini
Edicel
(1978)



O Sonho das Pedras
Vanderlei Timoteo, Ferruccio
Rhj
(1993)



Catecumenato Crismal - Gente Em Busca de Algo Mais 6ªed(1990)
Lúcio Zorzi
Paulinas
(1990)



Seu Emprego no Futuro - Voce e Esperto, Ágil, Flexível?
Carmen Nascimento
Terceiro Nome
(2006)



Livro - Primeiro de Maio / Livro de Bolso
Carlos Vogt e Outros
Imprensa Oficial
(2009)





busca | avançada
33925 visitas/dia
1,4 milhão/mês