Violões do Brasil | Rafael Fernandes | Digestivo Cultural

busca | avançada
54617 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Projetos culturais e acessibilidade em arte-educação em cursos gratuitos
>>> Indígenas é tema de exposição de Dani Sandrini no SESI Itapetininga
>>> SESI A.E. Carvalho recebe As Conchambranças de Quaderna, de Suassuna, em sessões gratuitas
>>> Sesc Belenzinho recebe cantora brasiliense Janine Mathias
>>> Natália Carreira faz show de lançamento de 'Mar Calmo' no Sesc Belenzinho
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Mamãe falhei
>>> Sobre a literatura de Evando Nascimento
>>> Velha amiga, ainda tão menina em minha cabeça...
>>> G.A.L.A. no coquetel molotov de Gerald Thomas
>>> O último estudante-soldado na rota Lisboa-Cabul
Colunistas
Últimos Posts
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
>>> Trader, investidor ou buy and hold?
>>> Slayer no Monsters of Rock (1998)
>>> Por que investir no Twitter (TWTR34)
>>> Como declarar ações no IR
Últimos Posts
>>> Auto estima
>>> Jazz: 10 músicas para começar
>>> THE END
>>> Somos todos venturosos
>>> Por que eu?
>>> Dizer, não é ser
>>> A Caixa de Brinquedos
>>> Nosferatu 100 anos e o infamiliar em nós*
>>> Sexta-feira santa de Jesus Cristo.
>>> Fé e dúvida
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Monteiro Lobato, a eugenia e o preconceito
>>> Vale Emprego
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> internet jornalismo revolução
>>> Façam suas apostas
>>> Estômago, com João Miguel
>>> A política brasileira perdeu a agenda
>>> Iniciantes, de Raymond Carver
>>> A Teoria de Tudo
>>> No caso de a Dilma sair, quem assume?
Mais Recentes
>>> O Fracasso Escolar e a Busca de Soluções Alternativas de Maria Apparecida Mamede Neves pela Vozes (1993)
>>> Paixão Em Vender - 5 Segredos do Vencedor de Silvia Bez pela Ithalia (2016)
>>> Meu Amigo Raio de Regina Rennó pela Do Brasil (2000)
>>> Decamerão de Giovanni Boccaccio pela Abril
>>> Faraday 1 - Caderno de Exercícios de Anglo pela Abril Educação (2014)
>>> Vai Dar M.... Solucoes para Seu Projeto Não Afundar de Francisco Higa pela Gente (2004)
>>> Colocando o I no Pingo e Outras Idéias Jurídicas e Sociais de Jayme Vita Roso pela Rg (2005)
>>> Enciclopédia do Estudante - Vol. 16 de Abril Cultural pela Abril Cultural (1973)
>>> Novelas Exemplares de Miguel de Cervantes pela Abril Cultural
>>> Lino - Col. Itaú Social de André Neves pela Callis (2011)
>>> Só é Gordo Quem Quer de João Ichôa Jr. pela Guanabara (1986)
>>> A Vantagem Essencial de Paul Leinwand pela Bookman (2012)
>>> O Homem de Aluisio de Azevedo pela Martin Claret (2003)
>>> Deadpool 9 de Carlo Barberi; Daniel Way pela Marvel Books (2012)
>>> História Universal Vol Xii de Césare Cantu pela Edameris (1969)
>>> Barbie: o Sumico das Joias - Colecao Clube das Irm de Mattel pela Ciranda Cultural
>>> Simples Nacional de James Marins pela Revista dos Tribunais (2007)
>>> Iaiá Garcia de Machado de Assis pela Atica (1981)
>>> Princípios de Economia Política - Volume I - os Economistas de Stuart Mill pela Abril Cultural (1983)
>>> Ataque Espetacular ao Mundo de Minecraft - Vol. 2 de Danica Davidson pela Universo dos Livros (2016)
>>> Curso de Iniciação Logosófica de Carlos Bernardo González Pecotche pela Logosófica (2009)
>>> Popes of Avignon, The de Edwin Mullins pela Independent Publishe (2011)
>>> Politica Social Familia e Juventude de Mione Apolinario Sales e Outros pela Cortez (2008)
>>> Organização Judiciaria do Estado de São Paulo de Varios Autores pela Atlas (1987)
>>> Sexo E Destino de Francisco Candido Xavier pelo Espirito Andre Luiz pela Feb (2009)
COLUNAS

Quarta-feira, 13/8/2008
Violões do Brasil
Rafael Fernandes

+ de 9400 Acessos

O violão é um dos símbolos da música brasileira. Não vejo outro país no mundo que tenha uma ligação tão intensa com esse instrumento ― nem a Espanha, com o flamenco. Desde Villa-Lobos, passando pelo inevitável João Gilberto até as rodinhas de violão e luais, é um marco. Em qualquer lugar sempre tem alguém com um violãozinho. Não é à toa. É um instrumento barato, de fácil transporte e que se resolve: basta um modelo com cordas (afinadas, preferencialmente) que o som está feito. Pode servir de acompanhamento ou solo; pode fazer melodia, harmonia e ritmo. É também um instrumento que se encaixa bem ao corpo e nos dá a sensação de profunda ligação ― para tocar, damos um "abraço" nele. É um companheiro, sempre. Quando bem executado é irresistível seu som. E desde 2005 foi contemplado com um livro acompanhado de DVD, Violões do Brasil (Editora Senac São Paulo, 2007, 236 págs.), organizado por Myriam Taubkin, com informações preciosas sobre o instrumento; no ano passado foi relançado em versão ampliada.

Misto de pequena enciclopédia, perfis, crônicas, fotos, vídeos e listagem de músicos e luthiers brasileiros, faz um belo apanhado da história e importância do instrumento no país. Apresenta nomes vitais na escala evolutiva das 6 (ou 7) cordas. Logo no início do livro conhecemos a figura de Zé Lansac, que dizem ter sido o maior violonista brasileiro dos anos 20 aos 40, sendo elogiado por Canhoto e até Andrés Segovia, mas que teria ficado longe do grande público por sua "modéstia e desinteresse em se profissionalizar". Em seguida, um breve histórico do instrumento mostra como a sua chegada no Brasil é um tanto nebulosa. Há quem afirme que foi trazido pelos jesuítas; outra corrente defende que veio junto com ciganos fugidos de Portugal.

Violões do Brasil tem a grande vantagem de ser como um guia: não é necessário ler de uma única vez, pode-se abrir em certa página e se ater a um só perfil. Ficamos sabendo da transição do piano como o instrumento mais popular do país para o violão, que é mais barato e mais prático, o que proporcionou o surgimento dos grupos regionais que acabaram substituindo boa parte das orquestras de rádio. Passamos por nomes amplamente conhecidos, outros nem tanto, mas todos com grande relevância; notamos a evolução do violão, de simples acompanhante até chegar a instrumento de destaque. Entre os nomes apresentados estão Canhoto, Dilermando Reis, Villa-Lobos, Dino 7 Cordas, Guinga, Baden Powell, Zé Barbeiro, Zé Menezes e muitos outros.

Um bom exemplo da importância do livro é que podemos conhecer melhor a história de músicos como Meira, figura mítica do violão nacional, um professor cujos métodos até hoje são lembrados e utilizados. Entre outros, ensinou "apenas" Baden Powell e Raphael Rabello. Tocou em diversos grupos e gravou com inúmeros artistas (como Carmem Miranda e Sílvio Caldas), mas nunca fez um disco-solo. Sua história aparece numa breve biografia e em texto de Mauricio Carrilho, outro grande nome do violão nacional, também aluno de Meira. É destacada sua importância não só como músico, mas principalmente como professor na formação do violão brasileiro moderno, com uma abordagem diferenciada; além disso, Carrilho conta deliciosas histórias sobre o mestre. Outros textos interessantes são de Turíbio Santos sobre o violão de Villa-Lobos, explicitando, inclusive, a relação entre ele e outro mito do violão, Andrés Segovia. E o de Luis Nassif sobre Agustín Barrios, um paraguaio que estudou diversas vertentes do violão mundial (de Bach ao choro, passando por diversos ritmos sul-americanos) criando um caldeirão sonoro importante para a formação do violão no Brasil.

O DVD ― que é dividido em "Os Mestres", "O Violão" e "O Violonista" ― apresenta bom conteúdo, embora de produção bastante simples, com uma câmera apenas, por vezes balançando, com algumas edições assustadas. Mas consegue mostrar a imensidão do violão: instrumentistas de diversos cantos do país, de diversas escolas; da técnica mais próxima do clássico ao auto-didata. E é possível notar que mesmo nas mais distintas escolas há ligações, intersecções na formação e execução. O mais divertido é que a trajetória, características musicais e causos desses mitos e a influência que geraram vão sendo verbalizadas pelos músicos, o que dá um melhor sabor às histórias.

Em "Os Mestres", aparece um depoimento de Sérgio Abreu (que agora é luthier, mas formou com seu irmão Eduardo o lendário Duo Abreu), no qual conta como sempre gostou da música, mas mais de tocar em casa. As turnês, entrevistas e afins o cansavam, por isso optou pela construção de violões. Depois são listados importantes nomes do instrumento, com alguns curtos comentários dos músicos de hoje e alguns estudiosos (como Jairo Severiano) sobre a história dos mestres. Destaque para as participações de Turíbio Santos, que explica e mostra no violão como as técnicas e escolas foram sendo construídas. Nos depoimentos, algumas constatações interessantes. Garoto ― de grande técnica e um trabalho harmônico forte ― é considerado, por Turíbio Santos e Carlos Lyra, um ponto de partida para da bossa nova que ainda afirma que a música "Duas Contas" (de Garoto em parceria com José Vasconcelos) é a base para a estética da bossa. Baden Powell é "o mais completo" nas palavras de Jairo Severiano e "figura paralela (...), herdeiro e criador" de uma escola, na opinião de Turíbio; "o trabalho mais revolucionário", na definição de Maurício Carrilho. Turíbio Santos ainda afirma que João Gilberto seria a síntese do que ocorria no violão à época e que talvez não tenha criado, mas certamente "padronizou" a bossa nova.

Já na parte "O Violão" os músicos dão seus depoimentos sobre a história e desenvolvimento do violão brasileiro e como se relacionam com o instrumento. Lula Galvão o considera um mistério, com mais descobertas a cada dia; Antonio Madureira ressalta sua relação desde criança e de como o usa para realizar seus sonhos e fantasias; Fabio Zanon diz que o violão "é tudo"; Zé Menezes exagera e diz que é bonito até mal tocado. Nessa parte também é apresentado o trabalho de luthieria ― o artesanato de fazer um grande instrumento, bem como as particularidades de tocá-lo. Ainda se destaca a necessidade de saber tocar o violão, um instrumento em que os músicos precisam criar as notas, e suas diferentes formas de expressão, com mais força, mais delicadeza, como fazer a nota soar bem etc.

Na última parte do vídeo, "O Violonista", notamos que a solidão é uma constante para os músicos, pelos estudos, viagens, hotéis e apresentações. Alguns acham terrível, outros até gostam, e há os que acham que a própria presença do violão minimiza o estar só. E há ainda a falta que o violão faz quando quando não se toca, seja pela "saudade" pura e simples, seja pelas conseqüências na execução pela falta de treino ― já que o estudo constante e a repetição são a base para um grande instrumentista. E notamos algumas diferenças de ritmos que o violão engloba e suas misturas.

Vejo como um dos grandes momentos do DVD Guinga assumindo que um dia não conseguiu tocar uma música própria, por estar sendo executada mais rápida que suas possibilidades e faz um brilhante comentário sobre a velocidade: "(...) tem músico que não consegue ser veloz, e aí fala assim 'ah, música não é olimpíada'. Isso é uma desculpa. Que o cara às vezes dá porque não consegue ser veloz e tripudia sobre a velocidade. A velocidade é uma maravilha. O músico que tem velocidade ele já saiu com um corpo e meio de vantagem na frente. Mas só não pode virar escravo da velocidade (...)". E cita Baden Powell e Helio Delmiro, velozes, técnicos, mas que não perderam a expressão.

O livro e o DVD Violões do Brasil são um bom início para quem quer conhecer e estudar o mundo do violão. Não é de grande profundidade, mas também não é sua intenção. É um bom apanhado de informações, apresentando com competência um panorama do violão moderno no país, suas diferentes abordagens e estilos e como é sua relação com os músicos. Consegue retratar bem a riqueza, diferenças e semelhanças de um dos instrumentos mais importantes ― senão o mais ― na construção da música popular brasileira.

Para ir além






Rafael Fernandes
Sorocaba, 13/8/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Sobre a literatura de Evando Nascimento de Jardel Dias Cavalcanti
02. Anarquia brasileira de Luiz Rebinski Junior
03. 10 sugestões de leitura para as férias de Marcelo Spalding
04. Sobre o ato de fumar de Rafael Lima


Mais Rafael Fernandes
Mais Acessadas de Rafael Fernandes em 2008
01. High School Musical e os tweens - 9/1/2008
02. Tritone: 10 anos de um marco da guitarra rock - 10/9/2008
03. Violões do Brasil - 13/8/2008
04. Videogame também é cultura - 10/12/2008
05. Blog precisa ser jornalismo? - 9/4/2008


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Desvendando os Mistérios Proféticos de Israel
Jonathan Bernis
Ames
(2019)



Maria
Rodrigo Alvarez
Globo
(2015)



Gravelight
Marion Zimmer Bradley
Rocco
(2001)



Aprende Com... Jogos para Férias
Editora Girassol
Girassol
(2018)



Inculta & Bela
Pasquale Ciro Neto
PubliFolha
(2000)



O Escândalo Rei
Dep. Carlos Alberto de Carli
Global
(1985)



Amor sem Limites
Nick Vujicic
Novo Conceito
(2016)



Como Aumentar a Sua Altura (1980)
Charles W. Linart
Ediouro
(1980)



Identification Of North American Commercial Pulpwoods
I. Strelis and R. W. Kennedy
Pulp and Paper
(1967)



On the Beach
Nevil Shute
Penguin Readers
(1999)





busca | avançada
54617 visitas/dia
1,8 milhão/mês