Violões do Brasil | Rafael Fernandes | Digestivo Cultural

busca | avançada
74378 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Zé Guilherme recebe o pianista Matheus Ferreira na série EntreMeios
>>> Chamada Vale recebe cadastro de cerca de 3 mil projetos
>>> Lançamento do Mini Doc Tempo dell'Anima
>>> Cinema in Concert com João Carlos Martins une o cinema à música sinfônica em espetáculo audiovisual
>>> Editora Unesp lança 20 livros para download gratuito
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A redoma de vidro de Sylvia Plath
>>> Mas se não é um coração vivo essa linha
>>> Zuza Homem de Mello (1933-2020)
>>> Eddie Van Halen (1955-2020)
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - II
>>> Vandalizar e destituir uma imagem de estátua
>>> Partilha do Enigma: poesia de Rodrigo Garcia Lopes
>>> Meu malvado favorito
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Nem morta!
Colunistas
Últimos Posts
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
>>> Como elas publicavam?
>>> Van Halen no Rock 'n' Roll Hall of Fame
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
Últimos Posts
>>> Normal!
>>> Os bons companheiros, 30 anos
>>> Briga de foice no escuro
>>> Alma nua
>>> Perplexo!
>>> Orgulho da minha terra
>>> Assim ainda caminha a humanidade
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Filmes de saiote
>>> Aerosmith no Morumbi
>>> E aí...
>>> Goodbye, virtual. Hello, new.
>>> Alguém ainda acredita em Deus?
>>> Mirage, um livro gratuito
>>> As Cem Melhores Crônicas Brasileiras
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> A soberba de Beauvoir
>>> Somos todos consumidores
Mais Recentes
>>> Construindo uma Vida de Roberto Justus pela Larousse (2007)
>>> Espaço de G. Carmo pela Ibrasa (1984)
>>> Senha: "Coragem ! " de John Castle pela Flamboyant (1965)
>>> Don Quixote Americano de Richard Powell pela Nova Fronteira (2003)
>>> As Duas Vidas de Audrey Rose de Frank de Fellita pela Circulo do Livro (1975)
>>> O Duelo de Roger Pla pela Brasileira (1951)
>>> Freud e o Desejo de Marie Cariou pela Imago (1978)
>>> O Ponto da Virada de Malcolm Gladwell pela Sextante (2009)
>>> Passeando Pela Vida Lições de Filosofia de Lúcio Packter pela Garapuvu (1999)
>>> A vulnerabilidade do ser de Claudia Andujar pela Cosac Naif (2005)
>>> A Relação ao Outro em Husserl e Levinas de Marcelo Luiz Pelizzoli pela Edipucrs (1994)
>>> O Pensamento Vivo de Teilhard de Chardin de José Luiz Archanjo pela Martin Claret (1988)
>>> Revista Brasileira de Filosofia – Volume XLVI – Fascículo 190 de Vários Autores pela Instituto Brasileira de Filosofia (1998)
>>> Grandes Tendências na Filosofia do Século XX e Sua Influência no Brasil de Urbano Zilles pela Educs (1987)
>>> Descartes – Os Pensadores de Rene Descartes pela Abril Cultural (1983)
>>> O mistério da estrela cadente de Vários Autores pela Ftd (1996)
>>> Lydia e Eu de Dimia Fargon pela Literis (2010)
>>> Na saga dos anos 60 de Carlos Olavo da Cunha Pereira pela Geração (2013)
>>> O paraíso dos desafortunados de Amanda Hernández Marques pela Chiado (2013)
>>> Madamme C 05 de Vinícius Ulrich pela Rocco (2000)
>>> Bodas de Pedra de Kissyan Castro pela Chiado (2013)
>>> Apague o cigarro da sua vida de Dra. Cammille pela Alaúde (2006)
>>> Transição Revolucionária de David Carneiro pela Atena
>>> Quem sou eu? Como o Evangelho Completo devolve a verdadeira identidade de Willy Torresin de Oliveira pela Victory (2017)
>>> Comunidade - A busca por segurança no mundo atual de Zygmunt Bauman pela Jorge Zahar (2003)
>>> Modernidade Líquida de Zygmunt Bauman pela Jorge Zahar (2001)
>>> Mundos do Trabalho - Novos Estudos Sobre História Operária 3ªed. de Eric J. Hobsbawm pela Paz e Terra (2000)
>>> Sangue suor & lágrimas - A Evolução do Trabalho de Richard Donkin pela M. Books (2003)
>>> Ideologia e Cultura Moderna 6ªed. de John B. Thompson pela Vozes (2002)
>>> Os Anormais - Curso no Collége de France (1974-1975) de Michel Foucault pela Martins Fontes (2002)
>>> Psworld--35--28--16--5--24. de Digerati pela Digerati
>>> Super gamepower--26--46--38--32--43--51. de Nova cultural pela Nova cultural
>>> Triangulo de Ken follett pela Abril cultural
>>> Nintendo world--35--tres vezes tony hawk! de Conrad pela Conrad (2001)
>>> Nintendo world--49. de Conrad pela Conrad (2002)
>>> Nintendo world--34--cobertura completa da e3--jogamos o gamecube! de Conrad pela Conrad (2001)
>>> Nintendo world--45--resident evil de Conrad pela Conrad (2002)
>>> Nintendo world--38--mario kart--super circuit de Conrad pela Conrad (2001)
>>> Curar como jesus curou de Barbara leahy shiemon/dennis linn/mathew linn pela Loyola
>>> Jovem,o caminho se faz caminhando de Dunga pela Cançao nova (2005)
>>> Nintendo world--37--nasceu de Conrad pela Conrad (2001)
>>> Nintendo world--27--o mundo nao e o bastante para james bons de Conrad pela Conrad (2000)
>>> Nintendo world--76--prince of persia de Conrad pela Conrad (2004)
>>> Nintendo world--40--harry potter de Conrad pela Conrad (2001)
>>> Nintendo world--29--2001--espetacular de Conrad pela Conrad
>>> Nintendo world--193--the legend of zelda--tri force heroes de Conrad pela Conrad
>>> Nintendo--52--invasao metroid. de Conrad pela Conrad
>>> Nintendo world--6--nos temos a força! de Conrad pela Conrad
>>> Maria Antonieta de Obras Completas de Stefan Zweig pela Guanabara (1951)
>>> As Três Paixões de Obras Completas de Stefan Zweig pela Guanabara (1950)
COLUNAS

Quarta-feira, 13/8/2008
Violões do Brasil
Rafael Fernandes

+ de 6100 Acessos

O violão é um dos símbolos da música brasileira. Não vejo outro país no mundo que tenha uma ligação tão intensa com esse instrumento ― nem a Espanha, com o flamenco. Desde Villa-Lobos, passando pelo inevitável João Gilberto até as rodinhas de violão e luais, é um marco. Em qualquer lugar sempre tem alguém com um violãozinho. Não é à toa. É um instrumento barato, de fácil transporte e que se resolve: basta um modelo com cordas (afinadas, preferencialmente) que o som está feito. Pode servir de acompanhamento ou solo; pode fazer melodia, harmonia e ritmo. É também um instrumento que se encaixa bem ao corpo e nos dá a sensação de profunda ligação ― para tocar, damos um "abraço" nele. É um companheiro, sempre. Quando bem executado é irresistível seu som. E desde 2005 foi contemplado com um livro acompanhado de DVD, Violões do Brasil (Editora Senac São Paulo, 2007, 236 págs.), organizado por Myriam Taubkin, com informações preciosas sobre o instrumento; no ano passado foi relançado em versão ampliada.

Misto de pequena enciclopédia, perfis, crônicas, fotos, vídeos e listagem de músicos e luthiers brasileiros, faz um belo apanhado da história e importância do instrumento no país. Apresenta nomes vitais na escala evolutiva das 6 (ou 7) cordas. Logo no início do livro conhecemos a figura de Zé Lansac, que dizem ter sido o maior violonista brasileiro dos anos 20 aos 40, sendo elogiado por Canhoto e até Andrés Segovia, mas que teria ficado longe do grande público por sua "modéstia e desinteresse em se profissionalizar". Em seguida, um breve histórico do instrumento mostra como a sua chegada no Brasil é um tanto nebulosa. Há quem afirme que foi trazido pelos jesuítas; outra corrente defende que veio junto com ciganos fugidos de Portugal.

Violões do Brasil tem a grande vantagem de ser como um guia: não é necessário ler de uma única vez, pode-se abrir em certa página e se ater a um só perfil. Ficamos sabendo da transição do piano como o instrumento mais popular do país para o violão, que é mais barato e mais prático, o que proporcionou o surgimento dos grupos regionais que acabaram substituindo boa parte das orquestras de rádio. Passamos por nomes amplamente conhecidos, outros nem tanto, mas todos com grande relevância; notamos a evolução do violão, de simples acompanhante até chegar a instrumento de destaque. Entre os nomes apresentados estão Canhoto, Dilermando Reis, Villa-Lobos, Dino 7 Cordas, Guinga, Baden Powell, Zé Barbeiro, Zé Menezes e muitos outros.

Um bom exemplo da importância do livro é que podemos conhecer melhor a história de músicos como Meira, figura mítica do violão nacional, um professor cujos métodos até hoje são lembrados e utilizados. Entre outros, ensinou "apenas" Baden Powell e Raphael Rabello. Tocou em diversos grupos e gravou com inúmeros artistas (como Carmem Miranda e Sílvio Caldas), mas nunca fez um disco-solo. Sua história aparece numa breve biografia e em texto de Mauricio Carrilho, outro grande nome do violão nacional, também aluno de Meira. É destacada sua importância não só como músico, mas principalmente como professor na formação do violão brasileiro moderno, com uma abordagem diferenciada; além disso, Carrilho conta deliciosas histórias sobre o mestre. Outros textos interessantes são de Turíbio Santos sobre o violão de Villa-Lobos, explicitando, inclusive, a relação entre ele e outro mito do violão, Andrés Segovia. E o de Luis Nassif sobre Agustín Barrios, um paraguaio que estudou diversas vertentes do violão mundial (de Bach ao choro, passando por diversos ritmos sul-americanos) criando um caldeirão sonoro importante para a formação do violão no Brasil.

O DVD ― que é dividido em "Os Mestres", "O Violão" e "O Violonista" ― apresenta bom conteúdo, embora de produção bastante simples, com uma câmera apenas, por vezes balançando, com algumas edições assustadas. Mas consegue mostrar a imensidão do violão: instrumentistas de diversos cantos do país, de diversas escolas; da técnica mais próxima do clássico ao auto-didata. E é possível notar que mesmo nas mais distintas escolas há ligações, intersecções na formação e execução. O mais divertido é que a trajetória, características musicais e causos desses mitos e a influência que geraram vão sendo verbalizadas pelos músicos, o que dá um melhor sabor às histórias.

Em "Os Mestres", aparece um depoimento de Sérgio Abreu (que agora é luthier, mas formou com seu irmão Eduardo o lendário Duo Abreu), no qual conta como sempre gostou da música, mas mais de tocar em casa. As turnês, entrevistas e afins o cansavam, por isso optou pela construção de violões. Depois são listados importantes nomes do instrumento, com alguns curtos comentários dos músicos de hoje e alguns estudiosos (como Jairo Severiano) sobre a história dos mestres. Destaque para as participações de Turíbio Santos, que explica e mostra no violão como as técnicas e escolas foram sendo construídas. Nos depoimentos, algumas constatações interessantes. Garoto ― de grande técnica e um trabalho harmônico forte ― é considerado, por Turíbio Santos e Carlos Lyra, um ponto de partida para da bossa nova que ainda afirma que a música "Duas Contas" (de Garoto em parceria com José Vasconcelos) é a base para a estética da bossa. Baden Powell é "o mais completo" nas palavras de Jairo Severiano e "figura paralela (...), herdeiro e criador" de uma escola, na opinião de Turíbio; "o trabalho mais revolucionário", na definição de Maurício Carrilho. Turíbio Santos ainda afirma que João Gilberto seria a síntese do que ocorria no violão à época e que talvez não tenha criado, mas certamente "padronizou" a bossa nova.

Já na parte "O Violão" os músicos dão seus depoimentos sobre a história e desenvolvimento do violão brasileiro e como se relacionam com o instrumento. Lula Galvão o considera um mistério, com mais descobertas a cada dia; Antonio Madureira ressalta sua relação desde criança e de como o usa para realizar seus sonhos e fantasias; Fabio Zanon diz que o violão "é tudo"; Zé Menezes exagera e diz que é bonito até mal tocado. Nessa parte também é apresentado o trabalho de luthieria ― o artesanato de fazer um grande instrumento, bem como as particularidades de tocá-lo. Ainda se destaca a necessidade de saber tocar o violão, um instrumento em que os músicos precisam criar as notas, e suas diferentes formas de expressão, com mais força, mais delicadeza, como fazer a nota soar bem etc.

Na última parte do vídeo, "O Violonista", notamos que a solidão é uma constante para os músicos, pelos estudos, viagens, hotéis e apresentações. Alguns acham terrível, outros até gostam, e há os que acham que a própria presença do violão minimiza o estar só. E há ainda a falta que o violão faz quando quando não se toca, seja pela "saudade" pura e simples, seja pelas conseqüências na execução pela falta de treino ― já que o estudo constante e a repetição são a base para um grande instrumentista. E notamos algumas diferenças de ritmos que o violão engloba e suas misturas.

Vejo como um dos grandes momentos do DVD Guinga assumindo que um dia não conseguiu tocar uma música própria, por estar sendo executada mais rápida que suas possibilidades e faz um brilhante comentário sobre a velocidade: "(...) tem músico que não consegue ser veloz, e aí fala assim 'ah, música não é olimpíada'. Isso é uma desculpa. Que o cara às vezes dá porque não consegue ser veloz e tripudia sobre a velocidade. A velocidade é uma maravilha. O músico que tem velocidade ele já saiu com um corpo e meio de vantagem na frente. Mas só não pode virar escravo da velocidade (...)". E cita Baden Powell e Helio Delmiro, velozes, técnicos, mas que não perderam a expressão.

O livro e o DVD Violões do Brasil são um bom início para quem quer conhecer e estudar o mundo do violão. Não é de grande profundidade, mas também não é sua intenção. É um bom apanhado de informações, apresentando com competência um panorama do violão moderno no país, suas diferentes abordagens e estilos e como é sua relação com os músicos. Consegue retratar bem a riqueza, diferenças e semelhanças de um dos instrumentos mais importantes ― senão o mais ― na construção da música popular brasileira.

Para ir além






Rafael Fernandes
Sorocaba, 13/8/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Os Doze Trabalhos de Mónika. Epílogo. Ambaíba de Heloisa Pait
02. Gerald Thomas: Cidadão do Mundo (parte IV) de Jardel Dias Cavalcanti
03. Presenças de Paula Ignacio
04. A Poética do Chá de Felipe Leal
05. Suicídio, parte 2 de Marta Barcellos


Mais Rafael Fernandes
Mais Acessadas de Rafael Fernandes em 2008
01. High School Musical e os tweens - 9/1/2008
02. Tritone: 10 anos de um marco da guitarra rock - 10/9/2008
03. Videogame também é cultura - 10/12/2008
04. Blog precisa ser jornalismo? - 9/4/2008
05. 2007 e os meus CDs ― Versão Internacional 1 - 7/5/2008


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O QUE É CONSTITUINTE - COLEÇÃO PRIMEIROS PASSOS VOL.143
MARÍLIA GARCIA
BRASILIENSE
(1985)
R$ 8,00



EM NOME DE TODOS OS MEUS
MARTIN GRAY
LIVRARIA BERTAND
(1971)
R$ 120,00
+ frete grátis



DISCURSOS DO BEM AMADO HILARION 10860
HILARION
PONTE PARA LIBERDADE
(1995)
R$ 10,00



REVISTA NOVA ACRÓPOLE N 63 PRÁBOLAS DE BUDA A PRÁTICA DO YOGA ANGÚS...
DIVERSOS AUTORES
NOVA ACRÓPOLE PORTUGAL
(1996)
R$ 8,93



AS ERVAS QUE CURAM - UM REENCONTRO COM A FARMACOLOGIA NATURAL
ROBERTO WEIL
GAIA
(2010)
R$ 25,00



OS MENINOS DE DEUS
JOSÉ RIBEIRO ROCHA
NOVO SÉCULO
(2012)
R$ 9,88



PERRY RHODAN O ESPEHO DO TERROR P160
KURT MAHR
EDIOURO
(1980)
R$ 5,00



APPUNTI TOPONOMASTICI SUL TERRITORIO DI LU
ALDO DI RICALDONE
PRO LOCO LUESE
(1982)
R$ 120,00



DOLPHIN MUSIC
ANTOINETTE MOSES
CAMBRIDGE
(2014)
R$ 5,00



PANORAMA DO NOVO TESTAMENTO
ROBERT H. GUNDRY
VIDA NOVA
(1998)
R$ 68,00





busca | avançada
74378 visitas/dia
2,1 milhões/mês