Violões do Brasil | Rafael Fernandes | Digestivo Cultural

busca | avançada
32715 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quarta-feira, 13/8/2008
Violões do Brasil
Rafael Fernandes

+ de 5800 Acessos

O violão é um dos símbolos da música brasileira. Não vejo outro país no mundo que tenha uma ligação tão intensa com esse instrumento ― nem a Espanha, com o flamenco. Desde Villa-Lobos, passando pelo inevitável João Gilberto até as rodinhas de violão e luais, é um marco. Em qualquer lugar sempre tem alguém com um violãozinho. Não é à toa. É um instrumento barato, de fácil transporte e que se resolve: basta um modelo com cordas (afinadas, preferencialmente) que o som está feito. Pode servir de acompanhamento ou solo; pode fazer melodia, harmonia e ritmo. É também um instrumento que se encaixa bem ao corpo e nos dá a sensação de profunda ligação ― para tocar, damos um "abraço" nele. É um companheiro, sempre. Quando bem executado é irresistível seu som. E desde 2005 foi contemplado com um livro acompanhado de DVD, Violões do Brasil (Editora Senac São Paulo, 2007, 236 págs.), organizado por Myriam Taubkin, com informações preciosas sobre o instrumento; no ano passado foi relançado em versão ampliada.

Misto de pequena enciclopédia, perfis, crônicas, fotos, vídeos e listagem de músicos e luthiers brasileiros, faz um belo apanhado da história e importância do instrumento no país. Apresenta nomes vitais na escala evolutiva das 6 (ou 7) cordas. Logo no início do livro conhecemos a figura de Zé Lansac, que dizem ter sido o maior violonista brasileiro dos anos 20 aos 40, sendo elogiado por Canhoto e até Andrés Segovia, mas que teria ficado longe do grande público por sua "modéstia e desinteresse em se profissionalizar". Em seguida, um breve histórico do instrumento mostra como a sua chegada no Brasil é um tanto nebulosa. Há quem afirme que foi trazido pelos jesuítas; outra corrente defende que veio junto com ciganos fugidos de Portugal.

Violões do Brasil tem a grande vantagem de ser como um guia: não é necessário ler de uma única vez, pode-se abrir em certa página e se ater a um só perfil. Ficamos sabendo da transição do piano como o instrumento mais popular do país para o violão, que é mais barato e mais prático, o que proporcionou o surgimento dos grupos regionais que acabaram substituindo boa parte das orquestras de rádio. Passamos por nomes amplamente conhecidos, outros nem tanto, mas todos com grande relevância; notamos a evolução do violão, de simples acompanhante até chegar a instrumento de destaque. Entre os nomes apresentados estão Canhoto, Dilermando Reis, Villa-Lobos, Dino 7 Cordas, Guinga, Baden Powell, Zé Barbeiro, Zé Menezes e muitos outros.

Um bom exemplo da importância do livro é que podemos conhecer melhor a história de músicos como Meira, figura mítica do violão nacional, um professor cujos métodos até hoje são lembrados e utilizados. Entre outros, ensinou "apenas" Baden Powell e Raphael Rabello. Tocou em diversos grupos e gravou com inúmeros artistas (como Carmem Miranda e Sílvio Caldas), mas nunca fez um disco-solo. Sua história aparece numa breve biografia e em texto de Mauricio Carrilho, outro grande nome do violão nacional, também aluno de Meira. É destacada sua importância não só como músico, mas principalmente como professor na formação do violão brasileiro moderno, com uma abordagem diferenciada; além disso, Carrilho conta deliciosas histórias sobre o mestre. Outros textos interessantes são de Turíbio Santos sobre o violão de Villa-Lobos, explicitando, inclusive, a relação entre ele e outro mito do violão, Andrés Segovia. E o de Luis Nassif sobre Agustín Barrios, um paraguaio que estudou diversas vertentes do violão mundial (de Bach ao choro, passando por diversos ritmos sul-americanos) criando um caldeirão sonoro importante para a formação do violão no Brasil.

O DVD ― que é dividido em "Os Mestres", "O Violão" e "O Violonista" ― apresenta bom conteúdo, embora de produção bastante simples, com uma câmera apenas, por vezes balançando, com algumas edições assustadas. Mas consegue mostrar a imensidão do violão: instrumentistas de diversos cantos do país, de diversas escolas; da técnica mais próxima do clássico ao auto-didata. E é possível notar que mesmo nas mais distintas escolas há ligações, intersecções na formação e execução. O mais divertido é que a trajetória, características musicais e causos desses mitos e a influência que geraram vão sendo verbalizadas pelos músicos, o que dá um melhor sabor às histórias.

Em "Os Mestres", aparece um depoimento de Sérgio Abreu (que agora é luthier, mas formou com seu irmão Eduardo o lendário Duo Abreu), no qual conta como sempre gostou da música, mas mais de tocar em casa. As turnês, entrevistas e afins o cansavam, por isso optou pela construção de violões. Depois são listados importantes nomes do instrumento, com alguns curtos comentários dos músicos de hoje e alguns estudiosos (como Jairo Severiano) sobre a história dos mestres. Destaque para as participações de Turíbio Santos, que explica e mostra no violão como as técnicas e escolas foram sendo construídas. Nos depoimentos, algumas constatações interessantes. Garoto ― de grande técnica e um trabalho harmônico forte ― é considerado, por Turíbio Santos e Carlos Lyra, um ponto de partida para da bossa nova que ainda afirma que a música "Duas Contas" (de Garoto em parceria com José Vasconcelos) é a base para a estética da bossa. Baden Powell é "o mais completo" nas palavras de Jairo Severiano e "figura paralela (...), herdeiro e criador" de uma escola, na opinião de Turíbio; "o trabalho mais revolucionário", na definição de Maurício Carrilho. Turíbio Santos ainda afirma que João Gilberto seria a síntese do que ocorria no violão à época e que talvez não tenha criado, mas certamente "padronizou" a bossa nova.

Já na parte "O Violão" os músicos dão seus depoimentos sobre a história e desenvolvimento do violão brasileiro e como se relacionam com o instrumento. Lula Galvão o considera um mistério, com mais descobertas a cada dia; Antonio Madureira ressalta sua relação desde criança e de como o usa para realizar seus sonhos e fantasias; Fabio Zanon diz que o violão "é tudo"; Zé Menezes exagera e diz que é bonito até mal tocado. Nessa parte também é apresentado o trabalho de luthieria ― o artesanato de fazer um grande instrumento, bem como as particularidades de tocá-lo. Ainda se destaca a necessidade de saber tocar o violão, um instrumento em que os músicos precisam criar as notas, e suas diferentes formas de expressão, com mais força, mais delicadeza, como fazer a nota soar bem etc.

Na última parte do vídeo, "O Violonista", notamos que a solidão é uma constante para os músicos, pelos estudos, viagens, hotéis e apresentações. Alguns acham terrível, outros até gostam, e há os que acham que a própria presença do violão minimiza o estar só. E há ainda a falta que o violão faz quando quando não se toca, seja pela "saudade" pura e simples, seja pelas conseqüências na execução pela falta de treino ― já que o estudo constante e a repetição são a base para um grande instrumentista. E notamos algumas diferenças de ritmos que o violão engloba e suas misturas.

Vejo como um dos grandes momentos do DVD Guinga assumindo que um dia não conseguiu tocar uma música própria, por estar sendo executada mais rápida que suas possibilidades e faz um brilhante comentário sobre a velocidade: "(...) tem músico que não consegue ser veloz, e aí fala assim 'ah, música não é olimpíada'. Isso é uma desculpa. Que o cara às vezes dá porque não consegue ser veloz e tripudia sobre a velocidade. A velocidade é uma maravilha. O músico que tem velocidade ele já saiu com um corpo e meio de vantagem na frente. Mas só não pode virar escravo da velocidade (...)". E cita Baden Powell e Helio Delmiro, velozes, técnicos, mas que não perderam a expressão.

O livro e o DVD Violões do Brasil são um bom início para quem quer conhecer e estudar o mundo do violão. Não é de grande profundidade, mas também não é sua intenção. É um bom apanhado de informações, apresentando com competência um panorama do violão moderno no país, suas diferentes abordagens e estilos e como é sua relação com os músicos. Consegue retratar bem a riqueza, diferenças e semelhanças de um dos instrumentos mais importantes ― senão o mais ― na construção da música popular brasileira.

Para ir além






Rafael Fernandes
São Paulo, 13/8/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Quando amor e terra quase se confundem de Elisa Andrade Buzzo
02. Quem é o abutre de Marta Barcellos
03. Perry Rhodan - 50 anos de aventuras espaciais de Gian Danton
04. 2010 e os meus álbuns musicais de Rafael Fernandes
05. Os quase-livros de Wellington Machado


Mais Rafael Fernandes
Mais Acessadas de Rafael Fernandes em 2008
01. High School Musical e os tweens - 9/1/2008
02. Tritone: 10 anos de um marco da guitarra rock - 10/9/2008
03. Videogame também é cultura - 10/12/2008
04. Blog precisa ser jornalismo? - 9/4/2008
05. 2007 e os meus CDs ― Versão Internacional 1 - 7/5/2008


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




MITOLOGIA 2 - VÊNUS
EDITORA ABRIL CULTURAL
ABRIL CULTURAL
(1976)
R$ 7,00



HISTÓRIA DE ROMA
MÁRIO CURTIS GIORDANI
VOZES
(1972)
R$ 28,00



A VAGA DE CALOR
URBANO TAVARES RODRIGUES
PUBLICAÇÕES EUROPA - AMÉRICA
(1986)
R$ 15,63



O BARBEIRO DE SEVILHA
GIOACCHINO ROSSINI
ALTEA
(2008)
R$ 30,00



O PENSAMENTO VIVO DE EINSTEIN
EDITORA MARTIN CLARET
MARTIN CLARET
(1990)
R$ 7,19



BRÁS, BEXIGA E BARRA FUNDA
ALCÂNTARA MACHADO
MODERNA
(1997)
R$ 5,00



MÉTODO COMPLETO PARA DIVISÃO EXPRESSAMENTE COMPOSTO PARA OS DISCÍPU...
P. BONA
IRMÃOS VITALE
R$ 17,00



INSTITUIÇÕES DE DIREITO PÚBLICO E PRIVADO
NELSON GODOY BASSIL DOWER
NELPA
(1995)
R$ 5,00



HISTÓRIA DO BRASIL 2º GRAU
ANTONIO PEDRO
FTD
(1987)
R$ 10,00



A MULHER OS RAPAZES (DA HISTÓRIA DA SEXUALIDADE)
MICHEL FOUCAULT
PAZ E TERRA
(1997)
R$ 8,91





busca | avançada
32715 visitas/dia
1,4 milhão/mês