Violões do Brasil | Rafael Fernandes | Digestivo Cultural

busca | avançada
57904 visitas/dia
1,9 milhão/mês
Mais Recentes
>>> POETICAS de um outro || BELIZARIO Galeria
>>> Livro ajuda crianças a compreender novas configurações familiares
>>> Sesc Pinheiros recebe Paulinho Moska em ‘Beleza e Medo’,
>>> Sesc 24 de Maio recebe o espetáculo O Pessoa nas Pessoas com Mônica Salmaso e mais artistas
>>> Evento literário em BH reúne João Anzanello Carrascoza, Nelson Cruz e Anna Cunha
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> A história de Claudio Galeazzi
>>> Naval, Dixon e Ferriss sobre a Web3
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
Últimos Posts
>>> Iguais sempre
>>> Entre outros
>>> Corpo e alma
>>> O tempo é imbatível
>>> Consciência
>>> A cor da tarja é de livre escolha
>>> Desigualdades
>>> Novembro está no fim...
>>> Indizível
>>> Programador - Trabalho Remoto que Paga Bem
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Não, não gosto de Harry Potter
>>> A pequena grande obra de Josefina Vicens
>>> PARÁBOLA
>>> Haydn: 200 anos da morte
>>> Paquetá: Ilha Ditosa e Florida
>>> Listen Again
>>> Microcontos ou micropoemas?
>>> Ainda a Flip
>>> 5 de Julho #digestivo10anos
>>> Se eu não te amar mais...
Mais Recentes
>>> Crime na Polícia de Georges Simenon pela Circulo do Livro (1987)
>>> Nada Fica sem Resposta de Elisa Masselli pela Mensagem de Luz (2006)
>>> Enquanto o Amor Não Vem de Iyanla Vanzant pela Sextante (1999)
>>> O Grande Plano do Amor de T. L. Osborn pela Graça Editorial (2000)
>>> O Demonologista de Andrew Pyper pela Darkside (2015)
>>> Flores de Outono de Jésus Gonçalves e Francisco Cândido Xavier pela Lake (1984)
>>> Bênção de Paz de Francisco Cândido Xavier Espírito Emmanuel pela Sociedade Civil (1971)
>>> O Advogado de Deus de Zibia Gasparetto pela Vida e Consciência (1999)
>>> Hora da Pesquisa 3611 Pesquisas de Arnaldo Soveral Coord pela Bolsa Nacional do Livro (2002)
>>> Medicina Alternativa de a a Z de Carlos Nascimento Spethmann pela Natureza (2003)
>>> Oscar Niemeyer Folha De S. Paulo de Guilherme Wisnik pela Folha de S. Paulo (2012)
>>> Santa Maria da Escócia Protetora dos Pobres e Oprimidos de Newton Drummond pela Armazém de Ideias (1999)
>>> O Símbolo Perdido de Dan Brown pela Sextante (2009)
>>> Fortaleza digital de Dan Brown pela Sextante (2008)
>>> Outlander O Resgate no Mar Livro Três Parte II de Diana Gabaldon pela Arqueiro (2016)
>>> Memnoch As Crônicas Vampirescas de Anne Rice pela Rocco (1997)
>>> Existe um Modo Esplêndido de Viver de Seicho Taniguchi pela Seicho no Ie
>>> O Vale dos Girassóis de Sebastião de Lima pela Sebastião de Lima
>>> O Fantasma de Tio William de Rubens Francisco Lucchetti pela Ática
>>> Ah! Se Eu Soubesse - Volume III de Rose dos Anjos pela Reflexos
>>> Como Chegar no Sim - a Negociação de Acordos sem Concessões de Roger Fisher pela Imago
>>> Master Johnson- o Vinculo do Prazer de Robert J. Levin pela Circulo do Livro
>>> O Que é Sindicalismo - Coleção Primeiros Passos de Ricardo C. Antunes pela Brasiliense/ Abril Cultural
>>> A Viagem de uma Alma de Peter Richelieu pela Pensamento
>>> O Que é Homossexualidade - Coleção Primeiros Passos de Peter Fry e Edward Macrae pela Brasiliense/ Abril Cultural (1985)
COLUNAS

Quarta-feira, 13/8/2008
Violões do Brasil
Rafael Fernandes

+ de 7300 Acessos

O violão é um dos símbolos da música brasileira. Não vejo outro país no mundo que tenha uma ligação tão intensa com esse instrumento ― nem a Espanha, com o flamenco. Desde Villa-Lobos, passando pelo inevitável João Gilberto até as rodinhas de violão e luais, é um marco. Em qualquer lugar sempre tem alguém com um violãozinho. Não é à toa. É um instrumento barato, de fácil transporte e que se resolve: basta um modelo com cordas (afinadas, preferencialmente) que o som está feito. Pode servir de acompanhamento ou solo; pode fazer melodia, harmonia e ritmo. É também um instrumento que se encaixa bem ao corpo e nos dá a sensação de profunda ligação ― para tocar, damos um "abraço" nele. É um companheiro, sempre. Quando bem executado é irresistível seu som. E desde 2005 foi contemplado com um livro acompanhado de DVD, Violões do Brasil (Editora Senac São Paulo, 2007, 236 págs.), organizado por Myriam Taubkin, com informações preciosas sobre o instrumento; no ano passado foi relançado em versão ampliada.

Misto de pequena enciclopédia, perfis, crônicas, fotos, vídeos e listagem de músicos e luthiers brasileiros, faz um belo apanhado da história e importância do instrumento no país. Apresenta nomes vitais na escala evolutiva das 6 (ou 7) cordas. Logo no início do livro conhecemos a figura de Zé Lansac, que dizem ter sido o maior violonista brasileiro dos anos 20 aos 40, sendo elogiado por Canhoto e até Andrés Segovia, mas que teria ficado longe do grande público por sua "modéstia e desinteresse em se profissionalizar". Em seguida, um breve histórico do instrumento mostra como a sua chegada no Brasil é um tanto nebulosa. Há quem afirme que foi trazido pelos jesuítas; outra corrente defende que veio junto com ciganos fugidos de Portugal.

Violões do Brasil tem a grande vantagem de ser como um guia: não é necessário ler de uma única vez, pode-se abrir em certa página e se ater a um só perfil. Ficamos sabendo da transição do piano como o instrumento mais popular do país para o violão, que é mais barato e mais prático, o que proporcionou o surgimento dos grupos regionais que acabaram substituindo boa parte das orquestras de rádio. Passamos por nomes amplamente conhecidos, outros nem tanto, mas todos com grande relevância; notamos a evolução do violão, de simples acompanhante até chegar a instrumento de destaque. Entre os nomes apresentados estão Canhoto, Dilermando Reis, Villa-Lobos, Dino 7 Cordas, Guinga, Baden Powell, Zé Barbeiro, Zé Menezes e muitos outros.

Um bom exemplo da importância do livro é que podemos conhecer melhor a história de músicos como Meira, figura mítica do violão nacional, um professor cujos métodos até hoje são lembrados e utilizados. Entre outros, ensinou "apenas" Baden Powell e Raphael Rabello. Tocou em diversos grupos e gravou com inúmeros artistas (como Carmem Miranda e Sílvio Caldas), mas nunca fez um disco-solo. Sua história aparece numa breve biografia e em texto de Mauricio Carrilho, outro grande nome do violão nacional, também aluno de Meira. É destacada sua importância não só como músico, mas principalmente como professor na formação do violão brasileiro moderno, com uma abordagem diferenciada; além disso, Carrilho conta deliciosas histórias sobre o mestre. Outros textos interessantes são de Turíbio Santos sobre o violão de Villa-Lobos, explicitando, inclusive, a relação entre ele e outro mito do violão, Andrés Segovia. E o de Luis Nassif sobre Agustín Barrios, um paraguaio que estudou diversas vertentes do violão mundial (de Bach ao choro, passando por diversos ritmos sul-americanos) criando um caldeirão sonoro importante para a formação do violão no Brasil.

O DVD ― que é dividido em "Os Mestres", "O Violão" e "O Violonista" ― apresenta bom conteúdo, embora de produção bastante simples, com uma câmera apenas, por vezes balançando, com algumas edições assustadas. Mas consegue mostrar a imensidão do violão: instrumentistas de diversos cantos do país, de diversas escolas; da técnica mais próxima do clássico ao auto-didata. E é possível notar que mesmo nas mais distintas escolas há ligações, intersecções na formação e execução. O mais divertido é que a trajetória, características musicais e causos desses mitos e a influência que geraram vão sendo verbalizadas pelos músicos, o que dá um melhor sabor às histórias.

Em "Os Mestres", aparece um depoimento de Sérgio Abreu (que agora é luthier, mas formou com seu irmão Eduardo o lendário Duo Abreu), no qual conta como sempre gostou da música, mas mais de tocar em casa. As turnês, entrevistas e afins o cansavam, por isso optou pela construção de violões. Depois são listados importantes nomes do instrumento, com alguns curtos comentários dos músicos de hoje e alguns estudiosos (como Jairo Severiano) sobre a história dos mestres. Destaque para as participações de Turíbio Santos, que explica e mostra no violão como as técnicas e escolas foram sendo construídas. Nos depoimentos, algumas constatações interessantes. Garoto ― de grande técnica e um trabalho harmônico forte ― é considerado, por Turíbio Santos e Carlos Lyra, um ponto de partida para da bossa nova que ainda afirma que a música "Duas Contas" (de Garoto em parceria com José Vasconcelos) é a base para a estética da bossa. Baden Powell é "o mais completo" nas palavras de Jairo Severiano e "figura paralela (...), herdeiro e criador" de uma escola, na opinião de Turíbio; "o trabalho mais revolucionário", na definição de Maurício Carrilho. Turíbio Santos ainda afirma que João Gilberto seria a síntese do que ocorria no violão à época e que talvez não tenha criado, mas certamente "padronizou" a bossa nova.

Já na parte "O Violão" os músicos dão seus depoimentos sobre a história e desenvolvimento do violão brasileiro e como se relacionam com o instrumento. Lula Galvão o considera um mistério, com mais descobertas a cada dia; Antonio Madureira ressalta sua relação desde criança e de como o usa para realizar seus sonhos e fantasias; Fabio Zanon diz que o violão "é tudo"; Zé Menezes exagera e diz que é bonito até mal tocado. Nessa parte também é apresentado o trabalho de luthieria ― o artesanato de fazer um grande instrumento, bem como as particularidades de tocá-lo. Ainda se destaca a necessidade de saber tocar o violão, um instrumento em que os músicos precisam criar as notas, e suas diferentes formas de expressão, com mais força, mais delicadeza, como fazer a nota soar bem etc.

Na última parte do vídeo, "O Violonista", notamos que a solidão é uma constante para os músicos, pelos estudos, viagens, hotéis e apresentações. Alguns acham terrível, outros até gostam, e há os que acham que a própria presença do violão minimiza o estar só. E há ainda a falta que o violão faz quando quando não se toca, seja pela "saudade" pura e simples, seja pelas conseqüências na execução pela falta de treino ― já que o estudo constante e a repetição são a base para um grande instrumentista. E notamos algumas diferenças de ritmos que o violão engloba e suas misturas.

Vejo como um dos grandes momentos do DVD Guinga assumindo que um dia não conseguiu tocar uma música própria, por estar sendo executada mais rápida que suas possibilidades e faz um brilhante comentário sobre a velocidade: "(...) tem músico que não consegue ser veloz, e aí fala assim 'ah, música não é olimpíada'. Isso é uma desculpa. Que o cara às vezes dá porque não consegue ser veloz e tripudia sobre a velocidade. A velocidade é uma maravilha. O músico que tem velocidade ele já saiu com um corpo e meio de vantagem na frente. Mas só não pode virar escravo da velocidade (...)". E cita Baden Powell e Helio Delmiro, velozes, técnicos, mas que não perderam a expressão.

O livro e o DVD Violões do Brasil são um bom início para quem quer conhecer e estudar o mundo do violão. Não é de grande profundidade, mas também não é sua intenção. É um bom apanhado de informações, apresentando com competência um panorama do violão moderno no país, suas diferentes abordagens e estilos e como é sua relação com os músicos. Consegue retratar bem a riqueza, diferenças e semelhanças de um dos instrumentos mais importantes ― senão o mais ― na construção da música popular brasileira.

Para ir além






Rafael Fernandes
Sorocaba, 13/8/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Marcelo Mirisola: entrevista de Jardel Dias Cavalcanti
02. Melhores exposições de 2010 de Jardel Dias Cavalcanti
03. 29ª Bienal de São Paulo: a politica da arte de Jardel Dias Cavalcanti
04. Fahrenheit 451, Oralidade e Memória de Mariana Portela
05. Made in China de Pilar Fazito


Mais Rafael Fernandes
Mais Acessadas de Rafael Fernandes em 2008
01. High School Musical e os tweens - 9/1/2008
02. Tritone: 10 anos de um marco da guitarra rock - 10/9/2008
03. Videogame também é cultura - 10/12/2008
04. Blog precisa ser jornalismo? - 9/4/2008
05. Violões do Brasil - 13/8/2008


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Paratii Entre Dois Polos
Amyr Klink
Companhia das Letras
(2011)



123 Respostas Sobre Drogas
Içami Tiba
Scipione
(1997)



Retirada de Patrocinadora
Wladimir Novaes Martinez
LTr
(2007)



Cinquenta e um Tons de Sexo - Luxúria (lacrado)
Ada Gama
Tinta Negra
(2014)



Curso de Preparação para o Casamento
Pastoral Familiar
Vozes
(1979)



Candide ou L'optimisme
Voltaire
La Bibliothèque Française
(1947)



O Mandarim Coleção a Obra Prima de Cada Autor
Eça de Queiroz
Martin Claret
(2004)



Ortografia Teoria e Prática
Agnelo de Carvalho Pacheco e Maria Fernanda Soave
Atual
(1989)



Bechara para Concursos
Evanildo Bechara
Nova Fronteira
(2019)



Nunca Lhe Prometi um Jardim de Rosas
Hanna Green
Imago
(1993)





busca | avançada
57904 visitas/dia
1,9 milhão/mês