O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
37883 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Impressões sobre São Paulo
>>> Lobato e os amigos do Brasil
>>> A Promessa da Política, de Hannah Arendt
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Luciano do Valle (1947-2014)
>>> Por que as velhas redações se tornaram insustentáveis on-line
>>> Ação Social
>>> Dá-lhe, Villa!
>>> forças infernais
>>> 20 de Abril #digestivo10anos
Mais Recentes
>>> Dicionário de termos ambientais de Antonio Leal pela Letras & Magia (2007)
>>> Casa de Praia com Piscina de Herman Koch pela Intrínseca (2015)
>>> Natureza Humana, Justiça vs. Poder de Michel Foucault e Noam Chomsky pela Martins Fontes (2014)
>>> A Arvore dos Anjos de Lucinda Riley pela Arqueiro (2017)
>>> A Herdeira da Morte de Melinda Salisbury pela Fantastica Rocco (2016)
>>> Uma Gentileza por Dia de Orly Wahba pela Benvira (2017)
>>> Eu sou as Escolhas que Faço de Elle Luna pela Sextante (2016)
>>> Coroa Cruel - Série a Rainha Vermelha de Victoria Aveyard pela Seguinte (2016)
>>> Sade em Sodoma de Flávio Braga pela BestSeller (2008)
>>> Curso de Filosofia em Seis Horas e Quinze Minutos de Witold Gombrowicz pela José Olympio (2011)
>>> O pequeno Principe de Antoine de Saint Exupery pela Agir (2009)
>>> Zoloé e Suas Duas Amantes de Marquês de Sade pela Record (1968)
>>> Expressões Diante do Trono de Ministério de Louvor Diante do Trono pela Diante do Trono (2003)
>>> A separação dos amantes - uma fenomenologia da morte de Igor Caruso pela Cortez (1989)
>>> Os Titãs / A Saga da Família Kent (Volume V) de John Jakes pela Record/ RJ.
>>> A Universidade em Ritmo de Barbárie de José Arthur Giannotti pela Brasiliense (1986)
>>> A Mulher Só de Harold Robbins/ (Tradução) Nelson Rodrigues pela Record/ RJ.
>>> Dependência e desenvolvimento na América Latina - ensaio de interpretação sociológica de Fernando Henrique Cardoso e Enzo Faletto pela Zahar (1970)
>>> Tubarão de Peter Benchley pela Nova Cultural (1987)
>>> O Titã de Fred Mustard Stewart pela Record
>>> O Beijo da Mulher Aranha de Manuel Puig pela Codecri/ RJ. (1981)
>>> A Traição de Rita Hayworth/ Capa Dura de Manuel Puig pela Circulo do Livro/ SP. (1993)
>>> Boquitas Pintadas/ Capa Dura de Manuel Puig pela Circulo do Livro/ SP. (1988)
>>> Kit De Estudo Para Concursos: Só concursos (3 CDs + Folheto) + Guia do Concurseiro + Redação para Concursos de Equipe Mundial Editorial pela DCL - difusão cultural do livro (2016)
>>> Numa Terra Estranha de James Baldwin pela Rio Gráfica (1986)
>>> 1934 de Alberto Moravia pela Rio Gráfica (1986)
>>> Mil Platôs Vol. 1 de Gilles Deleuze e Félix Guattari pela 34 (2011)
>>> A Menina que Roubava Livros de Markus Zusak pela Intrínseca/RJ. (2007)
>>> Mil Platôs Vol. 2 de Gilles Deleuze e Félix Guattari pela 34 (2011)
>>> Mil Platôs Vol. 3 de Gilles Deleuze e Félix Guattari pela 34 (2012)
>>> Ajin - Demi-Human #01 de Gamon Sakurai pela Panini (2016)
>>> Ajin - Demi-Human #02 de Gamon Sakurai pela Panini (2016)
>>> Ajin - Demi-Human #03 de Gamon Sakurai pela Panini (2016)
>>> Incendio de Troia (capa dura couro) de Marion ZimmerBradley pela Circulo do Livro/ SP. (1994)
>>> Ajin - Demi-Human #04 de Gamon Sakurai pela Panini (2017)
>>> Ajin - Demi-Human #05 de Gamon Sakurai pela Panini (2017)
>>> Ajin - Demi-Human #06 de Gamon Sakurai pela Panini (2017)
>>> Ajin - Demi-Human #07 de Gamon Sakurai pela Panini (2017)
>>> Ajin - Demi-Human #08 de Gamon Sakurai pela Panini (2017)
>>> Ajin - Demi-Human #09 de Gamon Sakurai pela Panini (2017)
>>> The Buenos Aires Affair de Manuel Puig pela Nova Cultural (1987)
>>> Ajin - Demi-Human #10 de Gamon Sakurai pela Panini (2018)
>>> Ajin - Demi-Human #11 de Gamon Sakurai pela Panini (2018)
>>> Estratégia da Decepção de Paul Virilio pela Estação Liberdade (2000)
>>> Ajin - Demi-Human #12 de Gamon Sakurai pela Panini (2019)
>>> The Buenos Aires Affair de Manuel Puig pela Circulo do Livro/ SP. (1989)
>>> The Buenos Aires Affair de Manuel Puig pela Codecri (1981)
>>> Fort of Apocalypse #10 de Yu Kuraishi, Kazu Inabe pela JBC/Ink Comics (2016)
>>> The Buenos Aires Affair de Manuel Puig pela Codecri (1981)
>>> Fort of Apocalypse #09 de Yu Kuraishi, Kazu Inabe pela JBC/Ink Comics (2016)
COLUNAS

Terça-feira, 17/9/2019
O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 2100 Acessos



1715 é o ano da morte de Luís XIV. A partir dessa data a França mudaria radicalmente seu espírito. O comportamento do reinado de Luís XIV, austero, solene, com sua etiqueta praticamente litúrgica chegava ao fim.

O herdeiro foi Luís XV, que estava com cinco anos quando Luís XIV morreu. Até atingir a maioridade, quem ficou na regência foi Philip de Orléans, que governava de seu Palais Royal. O Palácio de Versalhes, pronto mas abandonado, só se tornou residência real em 1723, com a vinda de Luis XV, já em sua maioridade.

A diversão começou. Luís XV era inteligente, culto, admirador das artes... e do amor. Tão logo instalou-se em Versalhes, entregou-se a uma vida extravagante, com excessos devassos, em busca da joie de vivre. Depois de um tempo casado com Maria Leszczynska, que lhe deu filhos, mas era considerada tola e irritante e lhe desagradava na cama, partiu para os braços de outras mulheres, como Madame de Mailley e suas irmãs, pulando de cama em cama.

Em 1742 acontece a grande reviravolta na vida de Luís XV, ao conhecer a mulher que ficaria ao seu lado por pelo menos vinte anos: Madame de Pompadour. Ela exerceu forte influência sobre a arte francesa e contribuiu para a criação do famoso estilo Luís XV. Mesmo vindo da petite bourgeoisie, absorveu os costumes da corte e sob sua forte personalidade transformou a própria corte. Talentosa, dançava, cantava, representava, sabia pintar, fazia gravuras (aluna de Boucher) e acompanhava a manufatura da porcelana de Sèvres. Era leitora dos autores enciclopedistas, tendo interesse por O Espírito das Leis, de Montesquieu. Seu retrato, feito por Latour, a mostra rodeada por estes livros. Deu proteção aos artistas e marceneiros destacados da época. Tornou-se para a França uma espécie de arbiter elegantiarum, sendo ela a chave para se compreender o gosto francês da primeira metade do século XVIII, ao qual conferiu graciosidade e feminilidade. Grande colecionadora de arte, grande leitora e importante influência na corte de Luís XV, foi a mulher mais ativa do período.



Talvez sob a influência de Pompadour, o rei acabou se preocupando mais com seu guarda-roupa, seus móveis e a decoração dos seus châteux do que com assuntos de estado. Tudo o que dizia respeito à moda e arte passou a interessá-lo.

A moda tornou-se a tirania da época (até as cadeiras tinham que se submeter à roupa das mulheres — os enormes vestidos usados criaram a necessidade de cadeiras com braços curtos para que as amplas dobras de seda multicolorida pudessem cair graciosamente pela tapeçaria petit-point de forrava os assentos. A frivolidade picante, picaresca convidada à busca dos prazeres, em todos os sentidos e lugares.

O ambiente das casas mudou, buscando-se a cálida intimidade de apartamentos pequenos, com salas compactas, decoradas com padrões vistosos, alegres. Tudo era vistoso, brilhante e confortável, mesmo sendo rebuscado.

A influência sobre os ricos se deu imediatamente, tornando-os colecionadores de desenhos, pinturas, porcelana, conchas — tudo o que atiçasse a fantasia e fosse elegante, despertando o prazer estético. Era hábito de Luís XV presentear monarcas com caixas de rapé cravejadas de diamantes e adornadas com seu retrato.

A exótica China também se apresentou ao seu reinado, uma China sui generis, empoada, coquete que fornecia laca para os móveis dos marceneiros parisienses e magníficos vasos de porcelana, que ourives europeus adornavam para aumentar sua graciosidade e beleza.

A época do Bien-Aimé Luís XV foi o reinado da frivolidade e do luxo excessivo, mas também foi a época do pensamento. Voltaire dizia que na sua época “as mentes se esclarecem bem mais do que em todos os séculos anteriores”. Rousseau (com suas ideias de igualdade e volta à natureza), Montesquieu (despertando o pensamento político), os enciclopedistas (D`Alembert e Diderot), deram início ao pensamento moderno que desaguou na Revolução de 1789.

Luís XV sempre protegeu os interesses da arte, escolhendo o que havia de mais contemporâneo em termos de talento, como os pintores La Tour e Boucher, por exemplo, dentre outros. Foi a partir de 1737 que se passaram a realizar os Salons (primeiras exposições de pintura do mundo), que foram motivo das crônicas críticas de Diderot.

Esplendor e magnificência são palavras que definem a corte de Luís XV. A imagem que melhor define o período é a de Madame Pompadour, num inverno rigoroso, enchendo os canteiros de seu jardim com flores de porcelana e borrifando sobre ela perfumes para completar a ilusão.

A arquitetura também definiu o gosto da época. Arquitetos produziam projetos que inspiravam a criatividade dos artesão, dos marceneiros, dos ourives que multiplicavam a delicadeza sobre todos os objetos do cotidiano. O planejamento urbano também foi se aperfeiçoando com a criação de praças, pátios com seus arcos e portais encimados por motivos rococós dourados.

O rocaille tornou-se o termo definidor para o estilo decorativo do século XVIII. Os motivos decorativos eram encontrados em todo lugar, no punho de uma espada real, na alça de um jarro, nas peças de bronze de uma cômoda, na indumentária de uma deusa pintada por Boucher, no bordado de um vestido, na alça de um sapato etc. Essencialmente, rocaille é um padrão ornamental derivado de motivos encontrados na natureza, mas totalmente abstrato do ponto de vista decorativo. Agora comumente se chama de estilo rococó toda arte derivada dessa prática decorativa.

Mesmo com seu reinado finalizado, continuou-se a produzir móveis e peças rococó, de maneira que o rótulo Luís XV não implica necessariamente que o objeto seja feito durante seu reinado, entre 1722 e 1744.



A pintura francesa, no século XVIII, foi dominada por artistas excepcionais como Watteau, Boucher, Fragonard, Chardin, La Tour, dentre outros.

Só no século XVIII o mobiliário adquiriu o requinte do conforto e da beleza ao mesmo tempo, adornando de forma despreocupada, rica e elegante as salas da sociedade da França de Luís XV.

Foi com Luís XV e Madame de Pompadour que a França tornou-se o centro do bom gosto e da moda, que se propagou por toda a Europa, a Meca cultural almejada por todos. Na Rússia, Alemanha e Suécia, o francês tornou-se a língua das pessoas cultas. Os principais monarcas competiam pelos serviços dos artistas franceses, sendo, por exemplo, Frederico, O Grande, a maior colecionador de Watteaus. Voltaire e Diderot tornaram-se conselheiro de muitos monarcas europeus em termos de coleções de arte, literatura e filosofia política.

É claro que tudo isso não tem nada a ver com o governo tosco, medíocre e acéfalo de Bolsonaro e sua pequena dama.

Para ir além:




Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 17/9/2019


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020) de Renato Alessandro dos Santos
02. Dor e Glória, de Pedro Almodóvar de Jardel Dias Cavalcanti
03. A Copa, o Mundo, é das mulheres de Luís Fernando Amâncio
04. Paris branca de neve de Renato Alessandro dos Santos
05. Um olhar sobre Múcio Teixeira de Celso A. Uequed Pitol


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2019
01. Dor e Glória, de Pedro Almodóvar - 16/7/2019
02. Minimundos, exposição de Ronald Polito - 19/3/2019
03. Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes - 9/7/2019
04. A menos-valia na poesia de André Luiz Pinto - 5/3/2019
05. O espelho quebrado da aurora, poemas de Tito Leite - 11/6/2019


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




PEROLAS OU PORCOS
IZABEL KIRIE
CASA DE AGUA
(2012)
R$ 28,00



CINESIOLOGIA A SINTESE MODERNA DOS METODOS DE CURA TRADICIONAIS
KATHARINA B GATTIKER
CULTRIX
(2012)
R$ 25,00



CROSSCURRENTS STUDENT BOOK 1
MARCIA /KATHLEEN/DONALD
LONGMAN
R$ 7,00



MY JOB DOCE ILUSÃO - AUTOGRAFADO
JOSÉ AUGUSTO FIGUEIREDO
ÉVORA
(2013)
R$ 39,00
+ frete grátis



A BRUXA DE NEAR
VICTORIA SCHWAB
PLANETA
(2013)
R$ 20,00



PSICOTERAPIA EN PRISIÓN
ANDRÉ-GILLES MATHÉ
EV
(1976)
R$ 30,00



AVANTE VINGADORES Nº 2 - ASSUNTOS DE FAMÍLIA - PARTE UM
MARVEL
PANINI COMICS
(2007)
R$ 8,00



POUR UNE AUTRE CROISSANCE
ROBERT LATTES
SEUIL (PARIS)
(1972)
R$ 17,82



BENITO PÉREZ GALDÓS - ANTOLOGIA
AMANDO DE MIGUEL
DONCEL
(1967)
R$ 80,00



ELEMENTOS DO DIREITO, V. 6 - PROCESSO CIVIL
FABIO DE VASCONCELOS MENNA
RT
(2009)
R$ 10,00





busca | avançada
37883 visitas/dia
1,3 milhão/mês