Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
74383 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Povo Fulni-ô Encontra Ponto BR
>>> QUEÑUAL
>>> Amilton Godoy Show 70 anos. Participação especial de Proveta
>>> Bacco’s promove evento ao ar livre na Lagoa dos Ingleses, em Alphaville
>>> Vera Athayde é convidada do projeto Terreiros Nômades em ação na EMEF Ana Maria Benetti sobre Cavalo
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
Colunistas
Últimos Posts
>>> Rodrigão Campos e a dura realidade do mercado
>>> Comfortably Numb por Jéssica di Falchi
>>> Scott Galloway e as Previsões para 2024
>>> O novo GPT-4o
>>> Scott Galloway sobre o futuro dos jovens (2024)
>>> Fernando Ulrich e O Economista Sincero (2024)
>>> The Piper's Call de David Gilmour (2024)
>>> Glenn Greenwald sobre a censura no Brasil de hoje
>>> Fernando Schüler sobre o crime de opinião
>>> Folha:'Censura promovida por Moraes tem de acabar'
Últimos Posts
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Jobim: maestro ou compositor?
>>> 7 de Outubro #digestivo10anos
>>> A insignificância perfeita de Leonardo Fróes
>>> Soco no saco
>>> De Siegfried a São Jorge
>>> O Paulinho da Viola de Meu Tempo é Hoje
>>> Pelas curvas brasileiras
>>> A pintura admirável de Glória Nogueira
>>> A Flip como Ela é... I
>>> Convivendo com a Gazeta e o Fim de Semana
Mais Recentes
>>> O Administrador do Rei - coleção aqui e agora de Aristides Fraga Lima pela Scipione (1991)
>>> Memória do Cinema de Henrique Alves Costa pela Afrontamento (2024)
>>> Os Filhos do Mundo - a face oculta da menoridade (1964-1979) de Gutemberg Alexandrino Rodrigues pela Ibccrim (2001)
>>> Arranca-me a Vida de Angeles Mastretta pela Siciliano (1992)
>>> Globalizacão, Fragmentacão E Reforma Urbana: O Futuro Das Cidades Brasileiras Na Crise de Luiz Cezar de Queiroz Ribeiro; Orlando Alves dos Santos Junior pela Civilização Brasileira (1997)
>>> Movimento dos Trabalhadores e a Nova Ordem Mundial de Clat pela Clat (1993)
>>> Falso Amanhecer: Os Equívocos Do Capitalismo Global de John Gray pela Record (1999)
>>> Os Colegas de Lygia Bojunga pela Casa Lygia Bojunga (1986)
>>> Amazonas um Rio Conta Historias de Sergio D. T. Macedo pela Record (1962)
>>> A História de Editora Sextante pela Sextante (2012)
>>> Villegagnon, Paixaƒo E Guerra Na Guanabara: Romance de Assis Brasil pela Rio Fundo (1991)
>>> A Política de Aristóteles pela Ediouro
>>> A Morte no Paraíso a tragédia de Stefan Zweig de Alberto Dines pela Nova Fronteira (1981)
>>> Rin Tin Tin a vida e a lenda de Susan Orlean pela Valentina (2013)
>>> Estudos Brasileiros de População de Castro Barretto pela Do Autor (1947)
>>> A Origem do Dinheiro de Josef Robert pela Global (1989)
>>> Arquitetos De Sonhos de Ademar Bogo pela Expressão Popular (2024)
>>> Desafio no Pacífico de Robert Leckie pela Globo (1970)
>>> O Menino do DedoVerde de Maurice Druon pela José Olympio (1983)
>>> A Ciencia Da Propaganda de Claude Hopkins pela Cultrix (2005)
>>> Da Matriz Ao Beco E Depois de Flavio Carneiro pela Rocco (1994)
>>> Testemunho de Darcy Ribeiro pela Edições Siciliano (1990)
>>> Tarzan e o Leão de Ouro de Edgar Rice Burroughs pela Record (1982)
>>> Viagem de Graciliano Ramos pela Record (1984)
>>> O Saber e História de Nilo Odália pela Brasiliense (1994)
COLUNAS

Terça-feira, 8/10/2019
Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
Jardel Dias Cavalcanti
+ de 11700 Acessos



Como falar de uma escrita sem a obrigação de entendê-la? Como penetrar nesse entrelace de invólucros fixos que são esses poemas em prosa do livro Rinoceronte, de Ronald Polito, agora lançado pela Editora Quelônio?

As acentuações insólitas dos versos-frases de Rinoceronte parecem advir de uma escuta atenta de Berg, Webern e Messiaen. Pequenos grupos de elementos constitutivos se relacionam, sem que um deva obrigação ao outro. Veja-se os elementos do escrito “Às voltas”, onde a confluência é paradoxal, onde tudo que está à volta está longe, e se há dois é o encontro de desertos. Essa máquina-de-frases concatena os elementos díspares de deslocação espaçotemporal dos elementos à volta, numa circularidade infernal que termina no vazio.

Em cada um dos textos de Rinoceronte, o que está fixo não se define por uma identidade comum dos elementos, mas por uma variedade que nos faz perceber o estriado (de)composto de aglomerações de versos. E não adianta, a partir dessa variedade, fazer uma catalogação de ideias ou de objetos temáticos, lançando sobre eles uma rede furada de compreensão, que afinal será derrotada pelos efeitos de distância e proximidade que avançam como um trem descarrilhado sobre linhas quebradas.



Fragmentação, isolamento, comunicação antissináptica, redução de sentido, modulações como minas terrestres endereçadas à hermenêutica, redistribuição não cartesiana de séries decididamente paradoxais. A aranha tece uma teia onde as linhas não se encontram. Nada se comunica, numa espécie de mundo explodido. Nesse sentido, o que importa é mais a forma que o conteúdo. Não simplesmente o que se diz, mas como se diz.

Esse “método para ruir”, como o escritor diz em “Engrenar”, impede qualquer simetria, focalidade e até mesmo a lateralidade, ou “o que resta sem resto nem remissão”, como diz no texto “Um bocado”. Uma espécie de impossibilidades infinitas é o que garante essa escrita trans(contra)versal, onde tudo se dispersa, tudo explode, tudo se dissolve.

Se o “cão sem órgãos”, presente em Rinoceronte, nos remete ao “corpo sem órgãos”, também o “texto sem órgãos” torna-se capaz de existir e resistir à unificação de uma ideia num corpo-texto sem texto.

Essa multiplicidade difusa e heterogênea de versos-prosa, totalmente presente no livro de Ronald Polito, contraria nossa volonté de savoir. Esses textos inconstituintes celebram o disperso entrelaço de forças ocasionais indispostas umas com as outras. Toda possível potencialidade é anulada, quebrada na sua raiz, como uma contraestratégia de sentido.



Podemos falar de zonas de intensidade, isto sim, mas desterritorializadas, pois são apenas fluxos de força sempre em linha de fuga. Rinoceronte, por isso, torna-se incompreensível para os engajados nas causas do real, para quem as anomalias selvagens não contam tanto. A potência própria de um texto como “crítica da razão do texto”, como contraponto ao significado banal do entendimento, é a proposição de Ronald Polito.



Aqui não vale o conhecimento como uma compreensão preexistente do mundo (e da literatura). O Rinoceronte pesa porque oferece, ao contrário, um conjunto de forças-linhas irredutíveis umas às outras. O que conta não são os termos ou os elementos, mas o que há entre (between). Citando Deleuze, “uma linha não vai de um ponto a outro, mas passa entre os pontos, sem parar de bifurcar e divergir, como uma linha de Pollock”.

A ilustração acima, trabalho do próprio escritor, define melhor ainda essas linhas de força, pontiagudas, ameaçadoras, que se cruzam perigosamente sem direção determinada. Ou... em direção ao espectador.

Eis o Rinoceronte que Ronald Polito nos apresenta.

Para ir além
Cactos Implacáveis: entrevista com Ronald Polito, Lô Borges e a MPB e Livros de Ronald Polito.


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 8/10/2019

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Hebreus e monstros, parte I de Guilherme Pontes Coelho


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2019
01. O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour - 17/9/2019
02. Dor e Glória, de Pedro Almodóvar - 16/7/2019
03. Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito - 8/10/2019
04. As Lavadeiras, duas pinturas de Elias Layon - 22/1/2019
05. O espelho quebrado da aurora, poemas de Tito Leite - 11/6/2019


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A História a um Clique
Débora Araújo Leal
Clube de Autores
(2018)



Diario Do Futuro: Mirai Nikki - Vol.7
Sakae Esuno
Jbc
(2013)



Manual do Sexo Virtual
José Custódio Rosa Filho
Nova Alexandria
(2000)



Livro Literatura Brasileira O Conde de Monte Cristo
Alexandre Dumas
Ediouro
(2002)



A Revolução do Pouquinho
Eduardo Zugaib
Dvs
(2014)



A Bíblia da Menopausa
Dr Wladmir Taborda e Dr Mariano Tamura
CMS
(2006)



O Anão no Televisor - Contos
Moacyr Scliar
Globo
(1979)



Livro Psicologia Saúde Mental Na Escola O Que Os Educadores Devem Saber
Gustavo M. Estanislau
Artmed
(2014)



Til
José de Alencar
Melhoramentos
(2012)



Hyper Link Volume Único 2 Cds Livro do Aluno
Vinicius Nobre e Albina Escobar
Pearson
(2011)





busca | avançada
74383 visitas/dia
2,4 milhões/mês