Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
51627 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> PAULUS Editora promove a 6º edição do Simpósio de Catequese
>>> Victor Arruda, Marcus Lontra, Daniela Bousso e Francisco Hurtz em conversa na BELIZARIO Galeria
>>> Ana Cañas e Raíces de América abrem a programação musical de junho, no Sesc Santo André
>>> Sesc Santo André recebe Cia. Vagalum Tum Tum, em junho
>>> 3º K-Pop Joinville Festival já está com inscrições abertas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Mamãe falhei
>>> Sobre a literatura de Evando Nascimento
>>> Velha amiga, ainda tão menina em minha cabeça...
>>> G.A.L.A. no coquetel molotov de Gerald Thomas
Colunistas
Últimos Posts
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
>>> Trader, investidor ou buy and hold?
>>> Slayer no Monsters of Rock (1998)
>>> Por que investir no Twitter (TWTR34)
Últimos Posts
>>> Parei de fumar
>>> Asas de Ícaro
>>> Auto estima
>>> Jazz: 10 músicas para começar
>>> THE END
>>> Somos todos venturosos
>>> Por que eu?
>>> Dizer, não é ser
>>> A Caixa de Brinquedos
>>> Nosferatu 100 anos e o infamiliar em nós*
Blogueiros
Mais Recentes
>>> YouTube, lá vou eu
>>> Uma história da Sambatech
>>> The Shallows chegou
>>> Ceifadores
>>> É hoje (de novo)!
>>> Trump e adjacências
>>> Entrevista com Pollyana Ferrari
>>> O novo sempre vem
>>> O estilo de Freddie Hubbard
>>> Fábrica
Mais Recentes
>>> Maya de Jostein Gaarder pela Companhia das Letras (2000)
>>> Aos Amigos, a Poesia de Jandira de Albuquerque pela Brasília (2003)
>>> Estado Novo: Política Externa e Projeto Nacional de Francisco Luiz Corsi pela Unesp (2000)
>>> Princípios De Administração Financeira de Lawrence J. Gitman pela Harbra (1987)
>>> Toda a História História Geral e História do Brasil de José Jobson de A. Arruda pela Ática (2000)
>>> Direto do Coração de Ricardo Farah pela Sarcinelli (1988)
>>> Honoráveis Bandidos de Palmério Dória pela Geração Editorial (2009)
>>> A Idade da Razão de Satre pela Victor Civita (1981)
>>> Organização estruturada de computadores de Andrew S. Tanenbaum pela Pearson (2007)
>>> Dieta Só para Garotas de Daphne Oz pela V&r (2009)
>>> História dos Reinos Bárbaros: Acontecimentos Políticos de Mário Curtis Giordani pela Vozes (1970)
>>> Quincas Borba - Série Bom Livro de Machado de Assis pela Atica
>>> Antes Que a Terra Acabe de John Kerry / Teresa Heinz Kerry pela Saraiva (2008)
>>> Areia Pesada de Anatoli Ribakov pela Best Seller (1979)
>>> O capital de Marx e o capitalismo de hoje - Volume 1 de Antony Cutler Barry Hindess Paul Hirst e Athar Hussain pela Zahar
>>> Living in Japan de Reto Guntli, Alex Kerr, Kathy Arlyn Sokol pela Taschen (2006)
>>> História de Belém (2º Volume) de Ernesto Cruz pela Universidade Federal do Pará (1973)
>>> Introsução à revolução de 1964 de Carlos Castelo Branco pela Artenova (1976)
>>> A história de Lula o filho do Brasil de Denise Paraná pela Objetivo (2009)
>>> Orange is the New Black de Piper Kerman pela Intrinseca (2014)
>>> Todo Homem é um Homem de Jean Bartrand Aristide pela Paz e terra (1992)
>>> Beleza Negra memórias de um cavalo de Susana Ventura pela Folha de S. Paulo (2016)
>>> Escandinavos Em Caso de Emergência Quebre o Vidro de Denio Maués pela Patuá
>>> The Lost Gospel: The Book of Q Christian Origins de Burton L. Mack pela Harper Collins (1993)
>>> Confissões de uma Máscara de Yukio Mishima pela Circulo do Livro
COLUNAS

Terça-feira, 8/10/2019
Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 10600 Acessos



Como falar de uma escrita sem a obrigação de entendê-la? Como penetrar nesse entrelace de invólucros fixos que são esses poemas em prosa do livro Rinoceronte, de Ronald Polito, agora lançado pela Editora Quelônio?

As acentuações insólitas dos versos-frases de Rinoceronte parecem advir de uma escuta atenta de Berg, Webern e Messiaen. Pequenos grupos de elementos constitutivos se relacionam, sem que um deva obrigação ao outro. Veja-se os elementos do escrito “Às voltas”, onde a confluência é paradoxal, onde tudo que está à volta está longe, e se há dois é o encontro de desertos. Essa máquina-de-frases concatena os elementos díspares de deslocação espaçotemporal dos elementos à volta, numa circularidade infernal que termina no vazio.

Em cada um dos textos de Rinoceronte, o que está fixo não se define por uma identidade comum dos elementos, mas por uma variedade que nos faz perceber o estriado (de)composto de aglomerações de versos. E não adianta, a partir dessa variedade, fazer uma catalogação de ideias ou de objetos temáticos, lançando sobre eles uma rede furada de compreensão, que afinal será derrotada pelos efeitos de distância e proximidade que avançam como um trem descarrilhado sobre linhas quebradas.



Fragmentação, isolamento, comunicação antissináptica, redução de sentido, modulações como minas terrestres endereçadas à hermenêutica, redistribuição não cartesiana de séries decididamente paradoxais. A aranha tece uma teia onde as linhas não se encontram. Nada se comunica, numa espécie de mundo explodido. Nesse sentido, o que importa é mais a forma que o conteúdo. Não simplesmente o que se diz, mas como se diz.

Esse “método para ruir”, como o escritor diz em “Engrenar”, impede qualquer simetria, focalidade e até mesmo a lateralidade, ou “o que resta sem resto nem remissão”, como diz no texto “Um bocado”. Uma espécie de impossibilidades infinitas é o que garante essa escrita trans(contra)versal, onde tudo se dispersa, tudo explode, tudo se dissolve.

Se o “cão sem órgãos”, presente em Rinoceronte, nos remete ao “corpo sem órgãos”, também o “texto sem órgãos” torna-se capaz de existir e resistir à unificação de uma ideia num corpo-texto sem texto.

Essa multiplicidade difusa e heterogênea de versos-prosa, totalmente presente no livro de Ronald Polito, contraria nossa volonté de savoir. Esses textos inconstituintes celebram o disperso entrelaço de forças ocasionais indispostas umas com as outras. Toda possível potencialidade é anulada, quebrada na sua raiz, como uma contraestratégia de sentido.



Podemos falar de zonas de intensidade, isto sim, mas desterritorializadas, pois são apenas fluxos de força sempre em linha de fuga. Rinoceronte, por isso, torna-se incompreensível para os engajados nas causas do real, para quem as anomalias selvagens não contam tanto. A potência própria de um texto como “crítica da razão do texto”, como contraponto ao significado banal do entendimento, é a proposição de Ronald Polito.



Aqui não vale o conhecimento como uma compreensão preexistente do mundo (e da literatura). O Rinoceronte pesa porque oferece, ao contrário, um conjunto de forças-linhas irredutíveis umas às outras. O que conta não são os termos ou os elementos, mas o que há entre (between). Citando Deleuze, “uma linha não vai de um ponto a outro, mas passa entre os pontos, sem parar de bifurcar e divergir, como uma linha de Pollock”.

A ilustração acima, trabalho do próprio escritor, define melhor ainda essas linhas de força, pontiagudas, ameaçadoras, que se cruzam perigosamente sem direção determinada. Ou... em direção ao espectador.

Eis o Rinoceronte que Ronald Polito nos apresenta.

Para ir além
Cactos Implacáveis: entrevista com Ronald Polito, Lô Borges e a MPB e Livros de Ronald Polito.


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 8/10/2019


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2019
01. O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour - 17/9/2019
02. Dor e Glória, de Pedro Almodóvar - 16/7/2019
03. Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito - 8/10/2019
04. Minimundos, exposição de Ronald Polito - 19/3/2019
05. As Lavadeiras, duas pinturas de Elias Layon - 22/1/2019


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Tentada 6
P.C. Cast
Novo Século
(2010)



That's all about fame 4
Sérgio Barreto
Wise Up
(2008)



África - 9
Fflch/usp
Fflch/usp
(1986)



Minha Primeira Paixão
Elenice Machado de Almeida; Pedro Bandeir
Ftd
(1994)



Na Espiral do Tempo - uma Viagem pelo Calendário Judaico
David Gorodovits
Séfer
(2008)



Companhia das Ciências - 9º Ano
João Usberco e Outros
Saraiva
(2015)



Desapropriação no Direito Positivo
Edson Jacinto da Silva
De Direito



O Caráter Nacional Brasileiro
Dante Moreira Leite
Pioneira
(1969)



Cadernos Adenauer: Juventudes no Brasil
Felix Dane
Konrad Adenauer Stiftung
(2015)



Pai
Darcio Valente
Edições Galo Branco
(2010)





busca | avançada
51627 visitas/dia
1,8 milhão/mês