Dor e Glória, de Pedro Almodóvar | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
62220 visitas/dia
1,6 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Sempre Um Papo com Silvio Almeida
>>> FESTIVAL DE ORQUESTRAS JUVENIS
>>> XIII Festival de Cinema da Fronteira divulga Programação
>>> Centro em Concerto: ¡Navidad Nuestra!
>>> Edital Retomada Cultural apresenta Conexão Brasil-Portugal: podcast produzido pelo Coletivo Corpos p
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
>>> O segredo para não brigar por política
>>> Endereços antigos, enganos atuais
>>> Rodolfo Felipe Neder (1935-2022)
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
>>> Jô Soares (1938-2022)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> Nosotros
>>> Berço de lembranças
>>> Não sou eterno, meus atos são
>>> Meu orgulho, brava gente
>>> Sem chance
>>> Imcomparável
>>> Saudade indomável
>>> Às avessas
>>> Amigo do tempo
>>> Desapega, só um pouquinho.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Garanto que você não vai gostar
>>> Colunismo em 2004
>>> Frases de Drummond
>>> Luciano do Valle (1947-2014)
>>> 28 de Junho #digestivo10anos
>>> 19 de Julho #digestivo10anos
>>> Citizen Kane
>>> Gal Costa (1945-2022)
>>> Vida conjugal
>>> Querem acabar com as livrarias
Mais Recentes
>>> O Néctar da Devoção - a Ciência Completa da Bhakti-yoga de A C Bhaktivedanta Swami Prabhupáda pela The Bhaktivedanta Book Trust (1995)
>>> 3333 Pontos Riscados e Cantados - Volume 1 de Pallas pela Pallas (2008)
>>> 3333 Pontos Riscados e Cantados de Pallas pela Pallas (2011)
>>> As Chaves do Inconsciente de Renate Jost de Moraes pela Agir (1985)
>>> Mapas Mentais e Memorização para Provas e Concursos de Felipe Lima e William Douglas pela Impetus (2010)
>>> Yes, Nós Temos Bananas - Histórias e Receitas Com Biomassa de Banana de Heloisa de Freitas Valle Marcia Camargos pela Senac (2003)
>>> Técnicas de Redação para Concursos Teoria e Questões de Lilian Furtado/vinicius Carvalho Pereira pela Método Ltda. (2013)
>>> A Magia do Caminho Real de Anna Sharp pela Rocco (1993)
>>> Krsna - a Suprema Personalidade de Deus de A. C. Bhaktivedanta Swami Prabhupada pela The Bhaktivedanta Book Trust (2006)
>>> Relâmpagos com Claror - Lygia Clark e Helio Oiticica, vida como arte de Beatriz Scigliano Carneiro pela Imaginária (2004)
>>> Introduçao a Estilistica de Nilce Santanna Martins pela Tao (1997)
>>> Filosofia Concreta - Tomo 2 de Mário Ferreira dos Santos pela Logos (1961)
>>> Psicologia de Mário Ferreira dos Santos pela Logos (1963)
>>> Noologia Geral de Mário Ferreira dos Santos pela Logos (1961)
>>> Teoria da Pena e Execução penal - Uma Introdução Crítica de Massimo Pavarino; André Giamberardino pela Lumen Juris (2011)
>>> O Homem Perante o Infinito de Mário Ferreira dos Santos pela Logos (1963)
>>> Manual de Heráldica Portuguesa de Armando de Mattos pela Livraria Fernando Machado
>>> Pitágoras e o Tema do Número de Mário Ferreira dos Santos pela Logos (1960)
>>> Ontologia e Cosmologia de Mário Ferreira dos Santos pela Logos (1964)
>>> Filosofia Concreta dos Valores de Mário Ferreira dos Santos pela Logos (1964)
>>> Amazonas: águas, pássaros, seres e milagres de Thiago de Mello pela Salamandra (1998)
>>> A Bíblia e a Homeopatia de Carlos R. D. Brunini e Ezequiel P. Viriato pela Robe (2003)
>>> Princípios de Biologia do Desenvolvimento de Lewis Wolpert / Rosa Beddington / outros pela Artmed (2000)
>>> Nova Floresta - 5 Volumes de Padre Manuel Bernardes pela Lello e Irmão
>>> Amizade e Estética da Existência em Foucault de Francisco ortega pela Graal (1999)
COLUNAS

Terça-feira, 16/7/2019
Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 24400 Acessos



Almodóvar é sensível às cores, aos objetos e aos mais profundos sentimentos humanos. É com esses elementos que ele tem criado seus filmes. Em Dor e Glória não é diferente.

O ambiente no qual os personagens transitam é marcado ora por cores fortes, que acentuam os seus sentimentos, ora por cores mais delicadas, que atenuam os dramas interiores dos personagens. Além das cores, há objetos como livros, quadros, xícaras, roupas, aparelhos domésticos que são devidamente focados pela câmera, compondo, assim, o espaço estético-existencial dos personagens, reforçando dessa maneira suas características psicológicas. A fotografia é impecável no tratamento desses elementos, aliás, em todo o filme.

Os sentimentos, em Dor e Glória, são os espaços fortes do filme, onde as experiências-limite traçam a linha do desenvolvimento de sua narrativa. A história da redenção precária dos personagens, envolvidos em dramas que os congelam em espaços sem saída, é o motor que fará com que os mesmos passem por um processo de realimentação criativa para voltarem a cumprir seu ofício, seja o de intérprete (como é o caso de Alberto) ou o de cineasta (como é o caso de Salvador).

No caso do personagem Alberto, após uma crítica do diretor sobre sua interpretação sob efeito de heroína (na época denominada de Cavallo em Madri), rompe-se o laço que os unia e que o leva ao aprofundamento no uso da droga e ao trabalho mediano como ator. Será no retorno da presença do diretor à sua vida, abrindo e fechando feridas, que retornará aos palcos.

No caso do cineasta, denominado Salvador (vivido por Antônio Bandeiras), suas dores terríveis por todo o corpo e, principalmente na coluna, constituem, junto com as feridas emocionais, uma forma de bloqueio criativo e emocional que o leva ao isolamento e solidão profunda. Da retomada dos cuidados sobre si e das lembranças dolorosas e/ou afetivas do passado - que o fará passar por um processo de convivência com o “retorno do reprimido” – é que tirará a matéria imaginativa para sua volta à escrita e às filmagens.



É reencontrando as feridas do passado, via memória, após o consumo de heroína - também uma experiência-limite - que o diretor retoma sua criação, já que a impossibilidade da mesma se torna uma de suas maiores angústias.

Nesse entremeio, o passado da infância retorna, no relato de sua relação com a mãe (vivida por Penélope Cruz) e da descoberta do desejo homossexual. O destino que aquela família pobre impõe ao garoto (o internato) e a vibração febril do desejo no desmaio da criança diante do belíssimo nu frontal masculino do pedreiro - que encarna a teoria freudiana da existência da sexualidade infantil – são dois elementos importantes na constituição dos dramas que se seguirão.

Da costura desses elementos à narrativa da vida presente do diretor vai-se fazendo o filme. Depois de resolver seu problema do passado com Alberto, o ator do seu primeiro filme, levando-o a encenar um texto autobiográfico que acabara de escrever, dá-se nesse momento o resgate também do seu amor do passado (frustrado pela relação tumultuada com seu parceiro, um drogadicto incurável que os leva à ruptura do relacionamento), que ao assistir à peça autobiográfica do diretor, encenada por Alberto, se vê ali envolto também com as duras questões do seu passado amoroso. Ao se reencontrar com Salvador, além de passar em revista sua relação com ele, revela-lhe que está casado com uma mulher, com filhos, e que sua única vivência homossexual de 3 anos foi com o diretor. Nesse encontro, selado por um vigoroso beijo na boca, mas que não os leva à consumação do ato sexual, por escolha de Salvador, mais uma porta entreaberta do passado se fecha.



Resta a Salvador a lembrança do seu último encontro com a mãe, perto de sua morte. Em um diálogo marcado com cobranças de ambas as partes - mais um “retorno do reprimido” -, refaz-se o percurso que se iniciou na infância. E da aceitação da impossível redenção, renova-se a energia criadora do diretor, que agora, numa cena anterior que é retomada para fechar o filme (a cena da mãe e do filho dormindo na estação), nos mostra que este filme que estamos vendo é o filme que marca seu retorno às filmagens, a partir do retorno das lembranças do passado, numa autobiografia (psicanalítica?) que nos faz pensar no valor da dor e do desejo, que constituem nossos mais importantes dramas pessoais, como componentes existenciais que abastecem a criação artística.



O tema do reencontro com as fomes originais do passado, principalmente da infância, se dá, finalmente, no reencontro com o quadro pintado pelo pedreiro que lhe apareceu nu, revelando-lhe o destino do seu desejo. Desse retrato de Salvador na infância, que agora lhe retorna, é que podemos pensar mais uma vez nessa espécie de reencontro consigo mesmo a partir das experiências interiores e que estão guardadas no mais profundo espaço da alma, esperando serem libertadas pela criação das obras de arte.


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 16/7/2019


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Fabio Weintraub, poesia em queda livre de Jardel Dias Cavalcanti
02. Eu + Você = ? de Ana Elisa Ribeiro
03. Sabe-tudo dá plantão em boteco paulistano de Ana Elisa Ribeiro
04. Recuerdos da Fliporto de Julio Daio Borges
05. Minha segunda vez de Rafael Rodrigues


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2019
01. O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour - 17/9/2019
02. Dor e Glória, de Pedro Almodóvar - 16/7/2019
03. Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito - 8/10/2019
04. As Lavadeiras, duas pinturas de Elias Layon - 22/1/2019
05. Minimundos, exposição de Ronald Polito - 19/3/2019


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Introdução à História das Idéias Econômicas
R L Heiçbroner
Zahar
(1969)



A Orquidea Tatuada e Outras Viagens
Pedro Veludo
Arte Final
(2011)



Vença o Desânimo
Lewis E. Losoncy
circulo do livro



Adestramento e Cuidados para Seu Cão
Desconhecido
Escala



O Cirio Perfeito
Pedro Nava
Nova Fronteira
(1983)



Gato Zen, O: um Livro para Meditar e Colorir
Jean-vincent Sénac
Publifolha
(2015)



O Bale Quebra-nós
Carlos Eduardo Novaes
Circulo do Livro
(1979)



O Segredo da Lua
Yedda Pereira dos Santos
Heresis
(2007)



Inocência
Visconde de Taunay
Atica
(2006)



O Ateneu
Raul Pompéia
Scipione
(2010)





busca | avançada
62220 visitas/dia
1,6 milhão/mês