As Lavadeiras, duas pinturas de Elias Layon | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
28946 visitas/dia
1,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Sesc Belenzinho recebe show de Zé Guilherme que lança quarto disco e comemora 20 anos de carreira
>>> Compositor Murray Schafer cria exercícios para melhorar audição e produção musical
>>> Cientistas políticos debatem reforma e crise política no Brasil
>>> Universidade do Livro abre duas turmas para Oficina de revisão de provas
>>> Primeiros escritos filosóficos de Adorno ganham tradução inédita em português
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Cidadão Samba: Sílvio Pereira da Silva
>>> No palco da vida, o feitiço do escritor
>>> Um olhar sobre Múcio Teixeira
>>> Algo de sublime numa cabeça pendida entre letras
>>> estar onde eu não estou
>>> Nos escuros dos caminhos noturnos
>>> As Lavadeiras, duas pinturas de Elias Layon
>>> T.É.D.I.O. (com um T bem grande pra você)
>>> As palmeiras da Politécnica
>>> Como eu escrevo
Colunistas
Últimos Posts
>>> Por que ler poesia?
>>> O Livro e o Mercado Editorial
>>> Mon coeur s'ouvre à ta voix
>>> Palestra e lançamento em BH
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
Últimos Posts
>>> Flauta Sincera
>>> Ciência & Realidade
>>> Amor
>>> Cágado
>>> Sonhos & Raízes
>>> É premente reinventar-se
>>> Contraponto
>>> Aparições
>>> Palavra final
>>> Direções da véspera I
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Mondrian: a aventura espiritual da pintura
>>> 50 anos de poesia concreta
>>> movimento respiratório
>>> Sobre a leitura dos clássicos
>>> UM VENTO ERRANTE
>>> O enigma de Michael Jackson
>>> Drummond: o mundo como provocação
>>> Cânticos à Rainha do Céu, por Walter Weiszflog
>>> O Capital no Século XXI, de Thomas Piketty, o livro do ano
>>> Entrevista com Jaime Pinsky
Mais Recentes
>>> Efeito Facebook de David Kirkpatrick pela Intrínseca (2011)
>>> Teatro: Lampiao A Beata Maria do Egito de Raquel de Queiroz pela Siciliano (2001)
>>> O Pacifista de John Boyne pela Companhia das Letras (2012)
>>> A descoberta da América pelos turcos de Jorge Amado pela Record (1994)
>>> Inverno do Mundo de Ken Follett pela Arqueiro (2012)
>>> Tracos & trocos de Odayr Miguel de Lima pela Reluz Grafica (2007)
>>> Queda de Gigantes de Ken Follett pela Arqueiro (2010)
>>> Eternidade Por um Fio de Ken Follett pela Arqueiro (2014)
>>> A Linguagem do Corpo de David Cohen pela Vozes (2014)
>>> As margens da tradução de Gustavo Bernardo (org.) pela Faperj - Caetés (2002)
>>> A Voz e o Olhar do Outro (Vol. IV) de Leila Assumpção Harris (org.) pela Letra Capital (2012)
>>> A Gravidade e a Graça de Simone Weil pela Ece (1986)
>>> Trabalhismo e Socialismo no Brasil de Moniz Bandeira pela Global (1985)
>>> Ensaios Imprudentes de Roberto Campos pela Record (1986)
>>> Pedagogia da Autonomia de Paulo Freire pela Paz e Terra (2007)
>>> A ditadura Escancarada de Elio Gaspari pela Companhia das letras (2004)
>>> Revista Matraga 29 - Estudos Linguísticos e Literários de Ana Lucia de Souza Henriques (edição) pela Instituto de Filosofia e Letras - UERJ (1986)
>>> Planeta--177--curas-o avanço da radiestesia. de Editora tres pela Tres (1987)
>>> Planeta--405--atletas da mente. de Editora tres pela Tres (2006)
>>> A Civilização do Espetáculo de Mario Vargas Llosa pela Objetiva (2013)
>>> Planeta--261--o budismo conquista o ocidente. de Editora tres pela Tres (1994)
>>> Planeta--320--explorando a quarta dimensao. de Editora tres pela Tres (1999)
>>> Até Eu Te Encontrar de Graciela Mayrink Rold pela Aa (2011)
>>> O Temor do Sábio de Patrick Rothfuss pela Arqueiro (2011)
>>> O Jogador Nº 1 de Ernest Cline pela Leya (2015)
>>> Planeta--122--presidios naturalistas. de Editora tres pela Tres (1982)
>>> Admirável Mundo Novo de Aldous Huxley pela Biblioteca Azul (2014)
>>> Os Pilares da Terra de Ken Follett pela Rocco (2012)
>>> Me Chame Pelo Seu Nome de André Aciman pela Intrínseca (2018)
>>> A Cabana de William P. Young pela Arqueiro (2008)
>>> Morte e Vida de Charlie St. Cloud de Ben Sherwood pela Novo Conceito (2011)
>>> O Guardião de Memórias de Kim Edwards pela Arqueiro (2007)
>>> O camarote vazio de Josué Montello pela Nova Fronteira (1990)
>>> Planeta--321--sabedoria eterna-a mensagem universal de jesus. de Editora tres pela Tres (1999)
>>> Os Crimes da Luz de Giulio Leoni pela Planeta (2007)
>>> Premiers Dialogues de Platon pela Flammarion
>>> Significação, Revista de Cultura Audiovisual No. 27 outono-inverno 2007 de A. J. Greimas, Ana Amado et alli pela Usp (2007)
>>> No Caminho de Swann de Marcel Proust pela Abril (1979)
>>> Cleopatra de Christian-georges e schwentzel pela L&pm
>>> Rêde de Dormir, Uma Pesquisa Etnográfica de Luís da Câmara Cascudo pela Ministério da Educação e Cultura (1959)
>>> Acabou-se o que era doce. de Gepp e maia pela Jornal da tarde
>>> O assassinato de idi amin de Leslie watkins pela Edibolso s.a
>>> Os grandes atentados--3. de Editora tres pela Tres
>>> Uma História de Rabos Presos de Ruth Rocha pela Salamandra (1989)
>>> Histórias do Amor Maldito de Vários Autores pela Record (1967)
>>> A História de Vivant Lanon de Marc Cholodenko pela Brasiliense (1986)
>>> Oposição Operária -1920/1921 de Alexandra Kollontai pela Global (1980)
>>> Amar, Verbo Intransitivo de Mário de Andrade pela Villa Rica
>>> O Tiro Perfeito de Alfred Hitchcock pela Nova Época
>>> Tocaia Grande de Jorge Amado pela Record
COLUNAS

Terça-feira, 22/1/2019
As Lavadeiras, duas pinturas de Elias Layon
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 1600 Acessos

Em um tempo não muito remoto, os rios e riachos não eram ainda poluídos por redes de esgoto ou lixo. A roupa era lavada nesses rios de água límpida, pois, em geral, as redes de água não serviam à toda cidade.

O pintor mineiro Elias Layon ainda guarda lembranças desse tempo, pois segundo sua memória, sua mãe lavava as roupas de casa num desses riachos. Duas telas recentes do artista, final de 2018, visitam essa prática comum daqueles tempos. “As lavadeiras” refaz o trabalho dessas mulheres que desciam para o rio com seus baldes e com suas trouxas de roupas, que eram carregadas sobre a cabeça até o local do trabalho.



Mariana, a primeira cidade de Minas Gerais e cidade do artista, é o cenário dessas telas. Além da paisagem do rio e árvores, observa-se ao fundo igrejas e casarios coloniais típicos da região. Não é objetivo do artista fazer papel de historiador, tratando o tema das lavadeiras como documento. A arte não é documento, é uma invenção, fruto da fantasia e das lembranças do artista, que refaz uma dada situação em termos de trabalho artístico, buscando tingir a realidade, ou ultrapassá-la no que ela tem de prosaico, para transformá-la numa supra-realidade ou fato estético.

O tema das lavadeiras não é uma novidade no campo da representação artística, e para ficar em apenas dois exemplos, veja-se os desenhos e telas de Honoré Daumier sobre as lavadeiras do rio Sena, em Paris, ou as “Lavadeiras nas margens do rio Touques” (1890), de Boudin. Cumpre dizer que a aproximação temática aqui se diferencia, no caso de Layon e Daumier, sendo que no primeiro caso, há uma perspectiva de se fazer da pintura uma experiência estética pura (apesar da memorialística que o tema lhe traz), enquanto em Daumier há uma preocupação social de denúncia do trabalho pesado a que as lavadeiras profissionais são submetidas.



Já em Boudin, pode-se inferir uma aproximação com Layon que é de natureza mais poética e próxima ao impressionismo, no sentido de uma pintura de empastes, cores e luminosidade.



Há também na lírica de Victor Hugo uma menção às lavadeiras, talvez uma ode a essas trabalhadoras:

Ô laveuse à la taille mince, Ó lavadeira com cintura fina,
Qui vous aime est dans un palais. Quem te ama está em um palácio.
Si vous vouliez, je serais prince; Se você quisesse, eu seria o príncipe;
Je serais dieu, si tu voulais. Eu seria deus, se você quisesse.

Layon é um poeta das tintas, das cores, das texturas e luminosidades diáfanas. Faz o mundo mergulhar numa espécie de neblina, que nos transporta, dessa forma, para um universo quase onírico. O tempo da lembrança, talvez, só possa ser assim reavivado, como um espaço da sensibilidade tingido pelas tintas da emoção e que encontram, nessa superfície diáfana das telas de um artista, seu lugar privilegiado para existir.

O espaço da tela “As Lavadeiras” é submetido a uma veladura delicada e fina que diminui a presença da luz que esbate-se sobre as figuras impedindo que sejam vistas nitidamente em seus contornos. Assim também opera nossa memória, nossas lembranças e emoções passadas.

O que vemos nas duas telas é o cenário de um riacho, onde mulheres lavam a roupa, algumas dentro do riacho, outras fora, algumas esfregando a roupa e outras carregando a trouxa, enquanto crianças no entorno brincam livremente soltando pipa ou jogando bola, hábitos também comuns naquele tempo quando suas mães traziam as crianças para o espaço do trabalho. Nos varais, algumas peças de roupas secam, ao lado de uma mata que emoldura acima a aparição da cidade com suas casas e igrejas.

Layon, como excelente colorista que é, pincela brilhos aqui e ali sob o impacto de variações cromáticas que se harmonizam como numa bela composição musical. Seus pincéis dão substancial trato a cada pequeno espaço dentro das telas: o chão, as árvores, o casario, as montanhas, o céu, recebem uma gama variada de cores que torna a composição como um todo uma experiência visual encantadora.



A veladura discreta que dilui a paisagem e os personagens numa indefinição delicada nos faz pensar nas descrições impressionistas do escritor Marcel Proust ou na música de Debussy. Um mundo acariciado pela cortina de neblinas como a memória resgatada sob a impressão de um sentimento nostálgico.

O mundo reencontrado nessas telas, onde não há nenhum sinal de urbanização desenfreada, faz da convivência entre natureza, personagens e trabalho uma comunhão ímpar. Os delicados tons de rosas ou azuis que perpassam as telas nos convidam a olhar delicadamente este mundo: um lugar especial do tempo perdido e aqui reencontrado, que o artista recria para que possamos voltar na história, não como quem analisa um documento, mas como alguém que mergulha profundamente nas texturas, cores, cheiros e movimentos internos da natureza que estariam perdidos para sempre se não fosse o trabalho do artista.


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 22/1/2019


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Goeldi, o Brasil sombrio de Jardel Dias Cavalcanti
02. O artífice do sertão de Celso A. Uequed Pitol
03. Joan Brossa, inéditos em tradução de Jardel Dias Cavalcanti
04. Como se me fumasse: Mirisola e a literatura do mal de Jardel Dias Cavalcanti
05. Bates Motel, o fim do princípio de Luís Fernando Amâncio


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti
01. Parangolé: anti-obra de Hélio Oiticica - 17/12/2002
02. Davi, de Michelangelo: o corpo como Ideia - 3/11/2009
03. Felicidade: reflexões de Eduardo Giannetti - 3/2/2003
04. Vanguarda e Ditadura Militar - 14/4/2004
05. Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I) - 20/12/2011


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




QUATRO RODAS--NOVO HONDA CR-V--JAC J3 E QUENTE OU UMA GELADA?.
ABRIL
ABRIL
(2012)
R$ 16,00



ATRACAO DECODIFIQUE A LINGUAGEM DO AMOR
TRACEY COX
FUNDAMENTO
(2004)
R$ 14,00



A ALIMENTAÇÃO DOS PEIXES DE AQUÁRIO
GASTÃO BOTELHO E OUTROS
NOBEL
(1984)
R$ 10,00



AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E UNIVERSIDADES
LUIZ CARLOS DE FREITAS
KOMEDI
(2018)
R$ 60,00



TRANSITIONS 1 - STUDENT BOOK + WORK BOOK (INTEGRATED ENGLISH)
LINDA LEE
OXFORD UNIVERSITY PRESS
(1998)
R$ 90,00



MANUAL GERAL DA REDAÇAO
FOLHA DE SAO PAULO
FOLHA DE SAO PAULO
R$ 8,00



MANGÁ - O LIVRO MONSTRO DO MANGÁ
DANIEL DE ROSA
LIVROS ESCALA
(2009)
R$ 15,00



REVISTA NINTENDO WORLD--41--QUEBRA-PAU.
CONRAD
CONRAD
R$ 22,00



DIREITO CONSTITUCIONAL DESCOMPLICADO
VICENTE PAULO E MARCELO ALEXANDRINO
MÉTODO
(2016)
R$ 100,00



O AVESSO DAS COISAS
CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE
RECORD
(1997)
R$ 12,90





busca | avançada
28946 visitas/dia
1,0 milhão/mês