'Noé' e 'Êxodo': Bíblia, Especismo e Terrorismo | Duanne Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
72442 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> FESTIVAL CORO NA QUARENTENA
>>> MAB FAAP estará fechado nos próximos dois finais de semana, devido ao Plano SP
>>> Exposição de Pietrina Checcaci é prolongada no Centro Cultural Correios
>>> Escritora Luci Collin participa de encontro virtual gratuito
>>> Máscaras Decoloniais: Dança e Performance (edição bilingue)
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
>>> Jogando com Cortázar
>>> Os defeitos meus
>>> Confissões pandêmicas
>>> Na translucidez à nossa frente
Colunistas
Últimos Posts
>>> Mehmari, Salmaso e Milton Nascimento
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
Últimos Posts
>>> Kate Dias vive Campesina em “Elise
>>> Editora Sinna lança “Ninha, a Bolachinha”
>>> “Elise”: Lara Oliver representa Bernardina
>>> Tonus cristal
>>> Meu avô
>>> Um instante no tempo
>>> Salvem à Família
>>> Jesus de Nazaré
>>> Um ato de amor para quem fica 2020 X 2021
>>> Os preparativos para a popular Festa de Réveillon
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O dia em que Paulo Coelho chorou
>>> Ao Portal Galego da Língua
>>> Have a nice day
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Esboços de uma biografia precoce não autorizada
>>> A une passante
>>> 12 de Julho #digestivo10anos
>>> The Good Life
>>> A odisseia do homem tecnomediado
>>> A diferença entre baixa cultura e alta cultura
Mais Recentes
>>> Isaac Newton - uma Biografia de James Gleick pela Companhia das Letras (2004)
>>> O Noivo da Princesa de William Goldman pela Marco Zero (1987)
>>> Tudo Começou Em Babel de Herbert Wendt pela Ibrasa (1958)
>>> La Misión de Sigmund Freud de Erich Fromm pela Fondo del Cultura Económica (1960)
>>> Rumo a uma Vida Significativa de Simon Jacobson (adap) pela Maayanot (2001)
>>> Sufismo Universal de H. J. Witteveen pela Triom (2003)
>>> Na Escola da Fenomenologia de Paul Ricoeur pela Vozes (2009)
>>> Iniciação à História da Filosofia de Danilo Marcondes pela Zahar (2010)
>>> A Conquista do Presente de Michel Mafessoli pela Rocco (1984)
>>> A Potência de Existir de Michel Onfray pela Martins Fontes (2010)
>>> Ética como Amor-próprio de Fernando Savater pela Martins Fontes (2000)
>>> O Visível e o Invisível de Merleau-Ponty pela Perspectiva (2000)
>>> Não Pise na Bola de Richard Simonetti pela Clarim (1997)
>>> A Consciência em Expansão: os caminhos da abordagem Transpessoal na edução, na clínica e nas organizações de Maria Cristina Monteiro de Barros pela EdiPUCRS (2008)
>>> Folha Explica - Guimarães Rosa de Walnice Nogueira Galvão pela Publifolha (2000)
>>> A Linguagem das Cem Flores de Regina Obata pela Círculo do Livro (1986)
>>> A partilha do Sensível de Jacques Rancière pela 34 (2009)
>>> Revista Caras Extra Nr 18 Álbum De Xuxa E Sasha de Vários Autores pela Caras (1998)
>>> Marco Polo e a Rota da Seda de Jean-Pierre Drège pela Objetiva (2021)
>>> Psicoterapia Reencarnacionista: A terapia da Reforma Íntima de Mauro Kwitko pela Besouro Box (2015)
>>> A pesquisa na psicologia social de Leon Festinger e Daniel Katz pela FGV (1974)
>>> Xuxa de Ana Lucia Neiva pela ArtMeios (2001)
>>> Poesia 1930 - 1962 (Edição Crítica) de Carlos Drummond de Andrade pela Cosac Naify (2012)
>>> Psicoterapia à luz da Apometria de Clecio Carlos Gomes pela Terceira Margem (2000)
>>> O prazer de Viver de Felipe Rodrigues pela Chiado (2016)
>>> Psicologia Integral de Ken Wilber pela Cultrix (2017)
>>> Leadership and the New Science: Discovering Order in a Chaotic World de Margaret J. Wheatley pela Berrett-Koehler (1999)
>>> Por que os Homens Amam as Mulheres Poderosas de Sherry Argov pela Sextante (2009)
>>> A Aura Humana de Walter J. Kilner a Aura Humana pela Pensamento (1989)
>>> Estudios Sobre Técnica Psicoanalitica de Heinrich Racker pela Editorial Paidos (1979)
>>> Learning to Be Me: My Twenty-three-year Battle With Bulimia de Jocelyn Golden pela Iuniverse (2007)
>>> Em Busca de Mim de Isabel Vieira pela Ftd (2000)
>>> Valiosa Vida de Felipe Quartero pela Livre Expressão (2011)
>>> O Cérebro Consciente de Steven Rose pela Alfa-omega (1984)
>>> Royal Botanic Gardens Kew de Souvenir Guide pela Royal Botanic Gardens (2000)
>>> As Dez Maiores Descobertas da Medicina de Meyer Friedman; Gerald W. Friedland pela Companhia das Letras (2000)
>>> A Arte de Curar no Budismo Tibetano de Terry Cliffford pela Pensamento (1987)
>>> And the Winner Is... os Bastidores do Oscar de Emanuel Levy pela Trajetória Editorial (1990)
>>> The Fate of Art - Aesthetic Alienation From Kant to Derrida and Adorno de J. M. Bernstein pela Penn State University Press (1992)
>>> Loterofilia - A arte de colecionar bilhetes de loteria de Sylvio Luongo pela Publicação independente (2014)
>>> Viva Bem Com a Coluna Que Você Tem. de José Knoplich pela Ibrasa (1979)
>>> O Sorriso Distante de Anita Brookner pela Bertrand (2000)
>>> O Eu e o Inconsciente - Vol. VII / 2 de Carl Gustav Jung pela Vozes (2008)
>>> Auras Humanas: Onde o Abstrato Se Cruza Com o Concreto de Colette Tiret pela Pensamento (1985)
>>> Samba na Cidade de São Paulo - 1900-1930: um Exercício de Resistência de Iêda Marques Britto pela Ffclusp (1981)
>>> Fotos e Faces do Brasil, Personae de Madalena Schwartz pela Funarte (1997)
>>> Semiologia e Comunicação Linguística de Eric Buyssens pela Cultrix
>>> Gangsta - Vol. 1 de Kohske pela Jbc (2015)
>>> Exercícios de Arte para Grupos de Marian Liebmann pela Summus Editorial (2000)
>>> Zetsuen no Tempest - Vol. 10 de Kyo Shirodaira Ren Saizaki e Arihide Sano pela Jbc (2015)
COLUNAS

Terça-feira, 20/1/2015
'Noé' e 'Êxodo': Bíblia, Especismo e Terrorismo
Duanne Ribeiro

+ de 5300 Acessos

Ambas lançadas ao longo de 2014, Noé, de Darren Aronofsky (o mesmo de Cisne Negro), e Êxodo: Deuses e Reis, de Ridley Scott, são as mais recentes adaptações da Bíblia feitas por Hollywood. Com liberdades tomadas em relação ao cânone, conseguem frescor novo para histórias batidas, mas são, no fim das contas, produções apenas medianas. No entanto, é interessante explorar os significados que se escondem na maneira como o texto bíblico foi interpretado ou exposto, quais marcas deixaram os debates políticos de nossa época nas entrelinhas. Já foi dito que não se faz nunca um filme propriamente histórico (no caso, pseudo-histórico) - sempre se trata de retomar fatos mais ou menos antigos na medida em que revestem apreensões contemporâneas. É esse tipo de processo que criou um Noé não-especista e um Moisés guerrilheiro.

Dilúvio Sustentável
A história de Noé é reformada por Aronofsky em um cenário pós-apocalíptico, no qual a enorme civilização industrial construída pela linhagem do primeiro assassino, Caim, degradou a Terra ao extremo - os recursos do planeta foram exauridos (o que é indicado pela fala dos três homens no começo do filme "Sabe há quanto tempo não comemos carne? Há quanto tempo não vemos um animal?" e pela passagem do protagonista por uma fábrica abandonada) e a moral, do modo como vista pelos heróis da narrativa, se deteriorou. Frente a tal situação, Deus decide pelo genocídio e encarrega Noé de salvar uma parcela da Criação. Para a tarefa, ele acaba recebendo a ajuda de um grupo de anjos caídos, os Guardiões, gigantes de pedra e lodo com um gosto de Tolkien (inspirados por um apócrifo, o Livro de Enoch). Seu antagonista é Tubal-cain, descendente de Caim e ao que tudo indica rei da humanidade, que consegue entrar na arca e é responsável pelas tensões finais do roteiro.

Retomemos aquela descrição inicial. Indústria e degradação planetária são um comentário óbvio aos dilemas ecológicos pelos quais passamos. O autor do Genesis diz apenas: "E viu Deus a terra, e eis que estava corrompida; porque toda a carne havia corrompido o seu caminho sobre a terra. Então disse Deus a Noé: O fim de toda a carne é vindo perante a minha face; porque a terra está cheia de violência". O deslocamento que se faz, portanto, quer nos colocar diante da destruição possível; é uma formulação do argumento ambientalista em que Deus e Noé são só ad hoc.

Este último, com efeito, é defensor, de certa "sustentabilidade" (ele diz ao filho "só coletamos o que precisamos") e é vegetariano (a ideia de que "a Bíblia preconiza o vegetarianismo" não é injustificada, mas, em prejuízo à ideologia de Noé, é justo após o Dilúvio que a divindade permite ao homem que coma carne: "Tudo quanto se move, que é vivente, será para vosso mantimento; tudo vos tenho dado como a erva verde. "). Tubal-cain, vilão que é, diz: "Este é seu mundo. Desfrute-o" e "nós estamos sós, filhos órfãos, amaldiçoados, em luta por sobrevivência. Maldito seja se não fizer tudo pela sobrevivência. Maldito seja se não tomar o que quero".

Assim, o conteúdo político - problema exibido e resposta proposta - é claro. O crescimento desenfreado, fundado em um egoísmo convicto, convoca o apocalipse. Contra ele, o sustentável e o holístico. Deixo ao leitor o debate sobre quem tem razão nesses dois lados e sobre os meios tons que desfaçam esse maniqueísmo. Ressalto somente que esta visão de mundo alinha o filme a outros como Interestelar (2014), de Christopher Nolan, em que também se mostra uma Terra destruída pelo progresso ("nós cometemos muitos erros", afirma um personagem, "seis bilhões de pessoas. Apenas imagine isto. Cada uma delas querendo ter tudo"), e que a coincidência de dois diretores de destaque terem estado no mesmo ano a serviço da mesma crítica nos sugere especular o valor dela em Hollywood. Como escreveu João Moreira Salles, "a grande sabedoria da indústria do entretenimento é intuir o que pode ou não ser dito em determinado momento".

Deus de Guerrilha
A versão de Scott sobre o Êxodo... coloca Ramsés II, herdeiro do trono egípcio, e Moisés, adotado pela família do faraó, como companheiros de armas, líderes do exército. Moisés, encontrado às margens do rio Nilo, desconhece sua origem hebraica. Em serviço, entre em contato com o povo escravo que o serve e termina por descobrir sua pertença a eles, o que causa sua condenação ao exílio. Longe do império, é contatado por Deus, que havia decidido por um genocídio, e lhe ordena comandar a rebelião dos hebreus. As modificações em relação ao original (no qual ele sabe sua identidade e não se detalha a proximidade com a estirpe real) encorpam a narrativa: por um lado, se humaniza a tensão entre o rebelde e o imperador, por outro, produz uma jornada de autoconhecimento que o protagonista deve cumprir.

Com essa missão, Moisés se infiltra no Egito e passa a coordenar um grupo de dissidentes. Treina soldados, organiza a produção de armas e planeja ataques. (De todo inexistente no fonte bíblica, em que a maldição divina é única arma de Moisés.) Sua intenção é a guerra de guerrilha, lenta e marcada por ações de terrorismo - ataques ao povo egípcio com o objetivo de impactar seus governantes. Essa caracterização da resistência hebraica possui intertextos inescapáveis. A atividade de grupos paramilitares sionistas no período anterior à fundação de Israel (1949), com a região sob controle do Império Britânico, é um deles. Outro, a de grupos contemporâneos que atuam pela criação de um estado palestino. Por fim, o terrorismo de uma forma geral.

Sucessor dos grupos Hashomer e Bar-Giora, em 1920 é criado o Haganah, agrupamento amador, de defesa de assentamentos, que se torna um exército de fato (desenvolvimento semelhante ao do filme); ele é a base do atual exército israelense. Dele, formam-se duas cisões, que aderem a práticas terroristas: o Irgun, cuja crença determinava: "Só a retaliação ativa deterá os árabes, só a força armada judia garantirá o estado judeu" (e que explodiu o King David Hotel; no filme, ocorre uma ação do tipo) - ele é raiz do partido de direita Likud, presente ou à frente de vários governos do país; e o Lehi, responsável, junto ao anterior, pelo massacre de Deir Yassin - seu nome batiza uma condecoração militar criada em 1980, que homenageia a "participação na luta pelo estabelecimento de Israel". A analogia parece cabível: por liberdade e autonomia, violência; retorno dos hebreus à Canaã (o qual, na Bíblia, também implica em ataque aos residentes da região); retorno dos judeus à Palestina.

Uma analogia em outro sentido é plausível quanto aos grupos Hamas e Fatah, entre outros, que realizam ataques de guerrilha. O caráter provocativo surge de que é Moisés, fundador da religião judaica, a defender os métodos de quem confronta o estado israelense, e que o faz por motivos de que Israel conheceu, por sua própria experiência, como mandatórios, justos. Se aceitamos a ideia de que esses métodos aparecem em Êxodo... sob uma luz mais benigna, se as fronteiras da legalidade constituída se borram na medida em que consideramos o processo histórico que lhe deu forma, surge um problema relacionado: como encarar a barbárie de uma Al Qaeda, de um Estado Islâmico (tema tão mais pungente pelo recente atentado contra o Charlie Hebdo)?

Christian Bale, que interpretou Moisés, disse que "o terrorista de um é o guerreiro pela liberdade de outro", o que condensa um pouco do que vimos falando, mas tanto quanto o filme não deixa ir muito adiante nesse debate. Deus intensifica a destruição do território do faraó com as pragas, protótipos imemoriais das guerras biológicas, lances a-históricos que desencadeiam a libertação dos hebreus e o massacre das hostes egípcias no Mar Vermelho. Como na questão anterior, eu confio ao leitor a continuação daquelas provocações. Esboço apenas um critério: a partir de um dizer de Hannah Arendt, talvez se possa dividir aqueles que lutam, mesmo que através do terrorismo, pela sua salvaguarda identitária e aqueles que visam o extermínio de um outro, e que assim são focos de extinção do mundo, isto é, dos pontos de vista e expressão sobre a vida.


Duanne Ribeiro
São Paulo, 20/1/2015


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Getúlio Vargas e sua nova biografia de Eugenia Zerbini
02. Billy Wilder: o mestre do cinema, parte II de Gian Danton
03. Pela estrada afora de Guga Schultze
04. Práticas inconfessáveis de jornalismo de Adriana Carvalho
05. Herzog e o grito de desespero humanista de Jonas Lopes


Mais Duanne Ribeiro
Mais Acessadas de Duanne Ribeiro
01. Diário de Rato, Chocolate em Pó e Cal Virgem - 2/10/2012
02. Manual para o leitor de transporte público - 29/3/2011
03. Bailarina salta à morte, ou: Cisne Negro - 15/2/2011
04. O que mata o prazer de ler? - 21/12/2010
05. Pra que ler jornal de papel? - 18/5/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Pedagogia Vivencionista
Marcelo Rodrigues
Marcelo Rodrigues
(2010)
R$ 7,87



Revista de Protugal Serie a Lingua Portuguesa Vol. 2 - N. 6 a 10
Alvaro Pinto
Imperio
(1943)
R$ 140,07



Um Traidor da Memória
Elizabeth George
Rocco
(2005)
R$ 15,00



A Natureza do Processo Administrativo
Jesse B. Sears
Livraria Pioneira
(1966)
R$ 6,75



Les Vêtements de Quoi Sont-ils Faits?
Claude Fauque
Gallimard Jeunesse
(1999)
R$ 15,00



O Papa é Culpado?
Geoffrey Robertson
L&pm
(2011)
R$ 21,00



Festas Populares Brasileiras / Traditional Brazilian Festivities
Luciana Cattani / Gabriel Boieras - 10081
Manole
(2006)
R$ 20,00



Livro do Desassossego
Fernando Pessoa
Principis
(2019)
R$ 17,00



Queda Livre
Renato Tapajós
Atica
(1998)
R$ 13,30



Annuário De Jurisprudência Federal com um Apêndice de Legislação 1930
Octavio Kelly
A. Coelho Branco F.
(1930)
R$ 100,00





busca | avançada
72442 visitas/dia
2,4 milhões/mês