'Noé' e 'Êxodo': Bíblia, Especismo e Terrorismo | Duanne Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
29939 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Nubank na Hotmart
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
>>> Steve Jobs em 1997
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Em busca de cristãos e especiarias
>>> Fim dos jornais? Desconfie
>>> O gênesis na argila
>>> Desejo de Status
>>> Até você se recompor
>>> Lobão e Olavo de Carvalho
>>> Sabemos pensar o diferente?
>>> Crítica à arte contemporânea
>>> A literatura feminina de Adélia Prado
>>> Jorge Caldeira no Supertônica
Mais Recentes
>>> Aí vem o sonhador de Ronald S. Wallace pela Vida (2014)
>>> Cantando ao Senhor de D. Martyn lloyd- Jones pela Pes (2013)
>>> A vida crucificada de A.w. tozer pela Vida (2013)
>>> Relógio de Pandora de John J. Nance pela Record
>>> A Vinha do Desejo de Sylvio Back pela Geração Editorial (1993)
>>> Mana Silvéria de Canto e Melo pela Civilização Brasileira (1961)
>>> O Ladrão de Palavras de Marco Túlio Costa pela Record (1983)
>>> Belle Époque de Max Gallo pela Globo/ RJ. (1989)
>>> Sonetos (livro de Bolso) de Antero de Quental pela Edições Cultura/ SP.
>>> O Imprecador de René-Victor Pilhes pela Círculo do Livro
>>> Escola de Mulheres (Capa dura) de Molière (Tradução): Millôr Fernandes pela Circulo do Livro (1990)
>>> Vida Incondicional de Deepak Chopra pela Best Seller (1991)
>>> Poesias Escolhidas de Sá de Miranda pela Itatiaia (1960)
>>> Prosas Históricas de Gomes Eanes De Zurara pela Itatiaia (1960)
>>> Historiadores Quinhentistas de Rodrigues Lapa (Seleção pela Itatiais (1960)
>>> Os Oceanos de Vênus de Isaac Asimov pela Hemus (1980)
>>> O Vigilante de Isaac Asimov pela Hemus (1976)
>>> Today and Tomorrow And... de Isaac Asimov pela Doubleday & Company (1973)
>>> Como Fazer Televisão de William Bluem pela Letras e Artes (1965)
>>> Clipper Em Rede - 5. 01 de Gorki da Costa Oliveira pela Érica (1999)
>>> Para Gostar de Ler - Volume 7 - Crônicas de Carlos Eduardo Novaes e outros pela Ática (1994)
>>> londres - American Express de Michael jackson pela Globo (1992)
>>> Programando em Turbo Pascal 5.5 inclui apêndice da versão 6.0 de Jeremy G. Soybel pela Makron Books (1992)
>>> Lisa- Biblioteca do Ensino Médio -vol. 7 - Ciências - Minerais e sua pesquisa de Aurélio Bolsanelo pela Livros Irradiantes (1973)
>>> Ciências - Corpo Humano de Francisco Andreolli pela Do Brasil (1988)
>>> standard postage stamp catalogue de Sem autor pela Scott (1976)
>>> standard postage stamp catalogue de Sem autor pela Scott (1977)
>>> standard postage stamp catalogue de Sem autor pela Scott (1977)
>>> A World on Film de Stanley Kauffmann pela Harper & Row (1966)
>>> American Wilderness de Charles Jones pela Goushã (1973)
>>> Brazil on the Move de John dos Passos pela Company (1963)
>>> A Idade Verdadeira ( Sinta-se mais Jovem cada dia) de Michael R. Roizen M.D. pela Campus (2007)
>>> The Experience of America de Louis Decimus Rubin pela Macmillan Company (1969)
>>> Regions of the United States de H. Roy Merrens pela Nally & Company (1969)
>>> The Making of Jazz de James Lincoln Collier pela Company (1978)
>>> The Borzoi College Reader de Charles Muscatine pela Alfred. A. Knopf
>>> Architecture in a Revolutionary Era de Julian Eugene Kulski pela Auropa (1971)
>>> Asatru - Os Deuses do Tempo de Bruder pela Do autor (2018)
>>> Talento para ser Feliz de Leila Navarro pela Thomas Nelson Brasil (2009)
>>> Trappers of the West de Fred Reinfeld pela Crowell Company (1957)
>>> Familiar Animals of America de Will Barker pela Alastair (1956)
>>> Asatru - Os Deuses do Tempo de Bruder pela Do autor (2018)
>>> O Outro Lado do Céu de Arthur C. Clarke pela Nova Fronteira (1984)
>>> international human rights litigation in U. S. courts de Beth stephens pela Martiuns (2008)
>>> the round dance book de Lloyd shaw pela Caxton printers (1949)
>>> Fonte de Fogo de Anne Fraisse pela Maud (1998)
>>> The Story of Baseball de John Durant pela Hastings House (1947)
>>> Dicionário de Clínica Médica - 4 volumes de Humberto de Oliveira Garboggini pela Formar
>>> Modern artists na art de robert L. Hebert pela A spectrum book (1964)
>>> A Treasury of American Folklore de Benjamin Albert Botkin pela Crown (1947)
COLUNAS

Terça-feira, 20/1/2015
'Noé' e 'Êxodo': Bíblia, Especismo e Terrorismo
Duanne Ribeiro

+ de 4900 Acessos

Ambas lançadas ao longo de 2014, Noé, de Darren Aronofsky (o mesmo de Cisne Negro), e Êxodo: Deuses e Reis, de Ridley Scott, são as mais recentes adaptações da Bíblia feitas por Hollywood. Com liberdades tomadas em relação ao cânone, conseguem frescor novo para histórias batidas, mas são, no fim das contas, produções apenas medianas. No entanto, é interessante explorar os significados que se escondem na maneira como o texto bíblico foi interpretado ou exposto, quais marcas deixaram os debates políticos de nossa época nas entrelinhas. Já foi dito que não se faz nunca um filme propriamente histórico (no caso, pseudo-histórico) - sempre se trata de retomar fatos mais ou menos antigos na medida em que revestem apreensões contemporâneas. É esse tipo de processo que criou um Noé não-especista e um Moisés guerrilheiro.

Dilúvio Sustentável
A história de Noé é reformada por Aronofsky em um cenário pós-apocalíptico, no qual a enorme civilização industrial construída pela linhagem do primeiro assassino, Caim, degradou a Terra ao extremo - os recursos do planeta foram exauridos (o que é indicado pela fala dos três homens no começo do filme "Sabe há quanto tempo não comemos carne? Há quanto tempo não vemos um animal?" e pela passagem do protagonista por uma fábrica abandonada) e a moral, do modo como vista pelos heróis da narrativa, se deteriorou. Frente a tal situação, Deus decide pelo genocídio e encarrega Noé de salvar uma parcela da Criação. Para a tarefa, ele acaba recebendo a ajuda de um grupo de anjos caídos, os Guardiões, gigantes de pedra e lodo com um gosto de Tolkien (inspirados por um apócrifo, o Livro de Enoch). Seu antagonista é Tubal-cain, descendente de Caim e ao que tudo indica rei da humanidade, que consegue entrar na arca e é responsável pelas tensões finais do roteiro.

Retomemos aquela descrição inicial. Indústria e degradação planetária são um comentário óbvio aos dilemas ecológicos pelos quais passamos. O autor do Genesis diz apenas: "E viu Deus a terra, e eis que estava corrompida; porque toda a carne havia corrompido o seu caminho sobre a terra. Então disse Deus a Noé: O fim de toda a carne é vindo perante a minha face; porque a terra está cheia de violência". O deslocamento que se faz, portanto, quer nos colocar diante da destruição possível; é uma formulação do argumento ambientalista em que Deus e Noé são só ad hoc.

Este último, com efeito, é defensor, de certa "sustentabilidade" (ele diz ao filho "só coletamos o que precisamos") e é vegetariano (a ideia de que "a Bíblia preconiza o vegetarianismo" não é injustificada, mas, em prejuízo à ideologia de Noé, é justo após o Dilúvio que a divindade permite ao homem que coma carne: "Tudo quanto se move, que é vivente, será para vosso mantimento; tudo vos tenho dado como a erva verde. "). Tubal-cain, vilão que é, diz: "Este é seu mundo. Desfrute-o" e "nós estamos sós, filhos órfãos, amaldiçoados, em luta por sobrevivência. Maldito seja se não fizer tudo pela sobrevivência. Maldito seja se não tomar o que quero".

Assim, o conteúdo político - problema exibido e resposta proposta - é claro. O crescimento desenfreado, fundado em um egoísmo convicto, convoca o apocalipse. Contra ele, o sustentável e o holístico. Deixo ao leitor o debate sobre quem tem razão nesses dois lados e sobre os meios tons que desfaçam esse maniqueísmo. Ressalto somente que esta visão de mundo alinha o filme a outros como Interestelar (2014), de Christopher Nolan, em que também se mostra uma Terra destruída pelo progresso ("nós cometemos muitos erros", afirma um personagem, "seis bilhões de pessoas. Apenas imagine isto. Cada uma delas querendo ter tudo"), e que a coincidência de dois diretores de destaque terem estado no mesmo ano a serviço da mesma crítica nos sugere especular o valor dela em Hollywood. Como escreveu João Moreira Salles, "a grande sabedoria da indústria do entretenimento é intuir o que pode ou não ser dito em determinado momento".

Deus de Guerrilha
A versão de Scott sobre o Êxodo... coloca Ramsés II, herdeiro do trono egípcio, e Moisés, adotado pela família do faraó, como companheiros de armas, líderes do exército. Moisés, encontrado às margens do rio Nilo, desconhece sua origem hebraica. Em serviço, entre em contato com o povo escravo que o serve e termina por descobrir sua pertença a eles, o que causa sua condenação ao exílio. Longe do império, é contatado por Deus, que havia decidido por um genocídio, e lhe ordena comandar a rebelião dos hebreus. As modificações em relação ao original (no qual ele sabe sua identidade e não se detalha a proximidade com a estirpe real) encorpam a narrativa: por um lado, se humaniza a tensão entre o rebelde e o imperador, por outro, produz uma jornada de autoconhecimento que o protagonista deve cumprir.

Com essa missão, Moisés se infiltra no Egito e passa a coordenar um grupo de dissidentes. Treina soldados, organiza a produção de armas e planeja ataques. (De todo inexistente no fonte bíblica, em que a maldição divina é única arma de Moisés.) Sua intenção é a guerra de guerrilha, lenta e marcada por ações de terrorismo - ataques ao povo egípcio com o objetivo de impactar seus governantes. Essa caracterização da resistência hebraica possui intertextos inescapáveis. A atividade de grupos paramilitares sionistas no período anterior à fundação de Israel (1949), com a região sob controle do Império Britânico, é um deles. Outro, a de grupos contemporâneos que atuam pela criação de um estado palestino. Por fim, o terrorismo de uma forma geral.

Sucessor dos grupos Hashomer e Bar-Giora, em 1920 é criado o Haganah, agrupamento amador, de defesa de assentamentos, que se torna um exército de fato (desenvolvimento semelhante ao do filme); ele é a base do atual exército israelense. Dele, formam-se duas cisões, que aderem a práticas terroristas: o Irgun, cuja crença determinava: "Só a retaliação ativa deterá os árabes, só a força armada judia garantirá o estado judeu" (e que explodiu o King David Hotel; no filme, ocorre uma ação do tipo) - ele é raiz do partido de direita Likud, presente ou à frente de vários governos do país; e o Lehi, responsável, junto ao anterior, pelo massacre de Deir Yassin - seu nome batiza uma condecoração militar criada em 1980, que homenageia a "participação na luta pelo estabelecimento de Israel". A analogia parece cabível: por liberdade e autonomia, violência; retorno dos hebreus à Canaã (o qual, na Bíblia, também implica em ataque aos residentes da região); retorno dos judeus à Palestina.

Uma analogia em outro sentido é plausível quanto aos grupos Hamas e Fatah, entre outros, que realizam ataques de guerrilha. O caráter provocativo surge de que é Moisés, fundador da religião judaica, a defender os métodos de quem confronta o estado israelense, e que o faz por motivos de que Israel conheceu, por sua própria experiência, como mandatórios, justos. Se aceitamos a ideia de que esses métodos aparecem em Êxodo... sob uma luz mais benigna, se as fronteiras da legalidade constituída se borram na medida em que consideramos o processo histórico que lhe deu forma, surge um problema relacionado: como encarar a barbárie de uma Al Qaeda, de um Estado Islâmico (tema tão mais pungente pelo recente atentado contra o Charlie Hebdo)?

Christian Bale, que interpretou Moisés, disse que "o terrorista de um é o guerreiro pela liberdade de outro", o que condensa um pouco do que vimos falando, mas tanto quanto o filme não deixa ir muito adiante nesse debate. Deus intensifica a destruição do território do faraó com as pragas, protótipos imemoriais das guerras biológicas, lances a-históricos que desencadeiam a libertação dos hebreus e o massacre das hostes egípcias no Mar Vermelho. Como na questão anterior, eu confio ao leitor a continuação daquelas provocações. Esboço apenas um critério: a partir de um dizer de Hannah Arendt, talvez se possa dividir aqueles que lutam, mesmo que através do terrorismo, pela sua salvaguarda identitária e aqueles que visam o extermínio de um outro, e que assim são focos de extinção do mundo, isto é, dos pontos de vista e expressão sobre a vida.


Duanne Ribeiro
São Paulo, 20/1/2015


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Sarkozy e o privilégio de ser francês de Celso A. Uequed Pitol
02. Você sabe quem escreveu seu show preferido? de Fabio Gomes
03. Um estranho chamado Joe Strummer de Celso A. Uequed Pitol
04. A utopia das paredes de vidro de Carla Ceres
05. Tempo de nebulosas de Elisa Andrade Buzzo


Mais Duanne Ribeiro
Mais Acessadas de Duanne Ribeiro
01. Bailarina salta à morte, ou: Cisne Negro - 15/2/2011
02. Manual para o leitor de transporte público - 29/3/2011
03. Diário de Rato, Chocolate em Pó e Cal Virgem - 2/10/2012
04. O que mata o prazer de ler? - 21/12/2010
05. Pra que ler jornal de papel? - 18/5/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




CIENCIACI DO FUTURO - A CIÊNCIA PROIBIDA DO SÉCULO XXI
MAURICE COTTERELL
MADRAS
(2012)
R$ 49,90



O GALANTE SR. FERGUSON
KRISTIN JAMES
NOVA CULTURAL
(1991)
R$ 4,00



WISH CASA ABRIL
LUCIANO RIBEIRO (EDITORIAL)
WISH CASA
(2013)
R$ 8,00



PINTURA NO MUSEU CALOUSTE GULBENKIAN
LUÍSA SAMPAIO
FUNDAÇÃO CALOUSTE GULBENKIAN
(2009)
R$ 200,00



VIDA
KEITH RICHARDS
GLOBO
(2010)
R$ 25,00



AMANTE LIBERTADA
J. R. WARD
UNIVERSO DOS LIVROS
(2012)
R$ 39,90
+ frete grátis



DEUS ME LIVRE !
ROSA AMANDA STRAUSZ
COMPANHIA DAS LETRINHAS
(1999)
R$ 18,00



O DESAFIO AMAZÔNICO - SAMUEL MURGEL BRANCO (ECOLOGIA/POLÍTICA)
SAMUEL MURGEL BRANCO
MODERNA
(1995)
R$ 4,00



ANTOLOGIA POÉTICA
OLAVO BILAC
L&M POCKET
(2007)
R$ 19,90
+ frete grátis



ATAQUES DE RISO POLITICAMENTE INCORRETOS
MARCELO JUCÁ
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 489,00





busca | avançada
29939 visitas/dia
1,1 milhão/mês