Pra que ler jornal de papel? | Duanne Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
48334 visitas/dia
1,6 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Residência Artística FAAP São Paulo realiza Open Studio neste sábado
>>> CONHEÇA OS VENCEDORES DO PRÊMIO IMPACTOS POSITIVOS 2022
>>> Espetáculo 'Figural', direçãod e Antonio Nóbrega | Sesc Bom Retiro
>>> Escritas de SI(DA) - o HIV/Aids na literatura brasileira
>>> Com Rincon Sapiência, Samanta Luz prepara quiche vegana no Sabor & Luz
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
>>> O segredo para não brigar por política
>>> Endereços antigos, enganos atuais
>>> Rodolfo Felipe Neder (1935-2022)
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
>>> Jô Soares (1938-2022)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> Nosotros
>>> Berço de lembranças
>>> Não sou eterno, meus atos são
>>> Meu orgulho, brava gente
>>> Sem chance
>>> Imcomparável
>>> Saudade indomável
>>> Às avessas
>>> Amigo do tempo
>>> Desapega, só um pouquinho.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> As mulheres e o futebol
>>> São Luiz do Paraitinga
>>> Discurso de William Faulkner
>>> Road Warrior
>>> O crime da torta de morango
>>> PT saudações
>>> Oscar Wilde, dândi imortal
>>> 30 de Novembro #digestivo10anos
>>> Uma história do Jazz
>>> Quando morre uma paixão
Mais Recentes
>>> Dicionário Jurídico Tributário de Eduardo Marcial Ferreira Jardim pela Dialética (2005)
>>> Pão Nosso de Chico Xavier pela Feb (2019)
>>> O caso do hotel Bertram / o misterioso caso de styles de Agatha Christie pela Best Bolso (2010)
>>> Teoria da personalidade na sociedade de massa - A contribuição de Gramsci de Dario Ragazzini pela Autores Associados (2005)
>>> Ética de Spinoza pela Autêntica (2009)
>>> A origem da desigualdade entre os homens de Jean-Jacques Rousseau pela Penguin e Companhia das Letras (2017)
>>> A dominação masculina - a condição feminina e a violência simbólica de Pierre Bourdieu pela Bertrand Brasil (2019)
>>> História da Sexualidade - 1. A vontade de saber de Michel Foucault pela Editora Paz e Terra (2020)
>>> Sociedade do Cansaço de Byung-chul Han pela Editora Vozes (2015)
>>> O mito de Sísifo de Albert Camus pela Edições Bestbolso (2022)
>>> Os sete pilares da sabedoria de T E Lawrence pela Circulo do livro
>>> P.S.: Ainda Amo Você de Jenny Han pela Intrínseca (2016)
>>> Escandalo na sociedade de Harold Robbins pela Circulo do livro
>>> O vale do medo de Arthur Conan Doyle pela Ediouro (2006)
>>> O veu pintado de Somerset Maugham pela Circulo do livro
>>> Se houver amanhã / Nada dura para sempre vira-vira de Sidney Sheldon pela Best Bolso (2010)
>>> Doze anos de escravidão de Solomon Northup pela Penguin Books (2014)
>>> Livro dos sonhos de Jorge Luis Borges pela Circulo do livro
>>> Enterrem meu coração na curva do rio de DeeBrown pela Circulo do livro
>>> Confie em mim de Harlan Coben pela Sextante (2009)
>>> Assassins creed renegado de Oliver Bowden pela Record (2012)
>>> Assassins creed unity de Oliver Bowden pela Record (2015)
>>> Confesso Que Vivi - memórias de Pablo Neruda pela Difel (1974)
>>> A rosa da meia-noite de Lucinda Riley pela Novo Conceito (2014)
>>> O Poder da Visualização Criativa: Conheça a técnica que mudou a vida de milhares de pessoas em todo o mundo de Elizabeth Mednicoff pela Universo dos Livros (2007)
COLUNAS

Terça-feira, 18/5/2010
Pra que ler jornal de papel?
Duanne Ribeiro

+ de 9800 Acessos
+ 5 Comentário(s)

As pessoas em geral parecem pensar uma só coisa a respeito dos jornais de papel (penso em O Estado de S.Paulo, Folha de S.Paulo e semelhantes): eles seriam excessivos. Isso se traduz de muitas formas: ou o jornal é parcialmente ou totalmente desnecessário (porque o leitor se informa por outros meios) ou ele é pesado demais ― à ideia de ler um Estadão completo ocorre ao leitor o mesmo cansaço que lhe viria se de súbito tivesse de subir a pé uma ladeira íngreme e interminável. Esse último leitor sente o que sente porque pensa que necessita ler o jornal da primeira à última folha, por alguma espécie de obrigação. Eu acredito que todas essas opiniões são verdadeiras. As notícias, é evidente para todos, estão em quaisquer outros lugares. E, de fato, só ver a pilha de papel já cansa. Mas há pelo menos duas utilidades que só se terá levando a cabo alguns jornalões.

Antes de falar disso, vamos ver essa ideia de excessividade de perto. O Estado e a Folha tentam abranger todos os assuntos de modo a vender para todos os públicos, mas boa parte das pessoas é absorvida pelas mídias especializadas e não sente necessidade desses jornais. O cotidiano (cidades, polícia, Brasil, política) é distribuído regularmente por rádios e televisões, e a maior parcela do público não entende que haja qualquer coisa de específico no produto impresso, e, mesmo quando sente precisão de análises e discussão, pode ser tomado pelas revistas semanais ou por programas de discussão e talk shows. Outra imensa parte se informa pela internet, prefere descobrir o que lhe interesse por redes sociais, interagindo; ou quer uma informação mais individualizada, pessoal, próxima: os blogs. É possível desconstruir qualquer jornalão e chegar à conclusão de que ele não precisa existir.

Quando aparelhos como o Kindle se popularizarem, isso será uma evidência ainda maior. Adicione uma conexão à internet e não será necessário nem a compilação em uma "edição", só o site. Desse tipo de conclusão é que se extraem os prognósticos de "fim dos jornais" (sobre isso leia este artigo e mais este). Também me parece que é por isso que a mais recente reforma do Estadão tentou torná-lo mais interativo e decretou que cada editoria é um lugar de sociabilização, uma rede que uniria os interessados em torno de cada tema. Assim como um dos motivos para o Guardian contratar blogueiros de todo o mundo, sem necessidade de curso de jornalismo. Por outro lado, a eventual conveniência, a fidelidade e o respeito ao nome de algumas publicações ainda garantem a venda de muito papel. Principalmente, é preciso "não confundir o fim dos jornais com o fim do jornalismo".

Sempre haverá a necessidade de informação e de quem informe. E existe também uma certa crença de que precisamos ou (em alguns casos) temos a obrigação de nos informar. Isso é mais comum do que parece à primeira vista: posso apostar que qualquer conhecido seu dirá que é correto assistir ao Jornal Nacional, justificando com alguma variante de "precisamos saber o que está acontecendo", mesmo que se termine o programa sabendo apenas de tragédias, mortes e falcatruas repetidas. Ou, em outro contexto, como em um relato de Julio Daio Borges: "quanto mais eu me aproximo da informação que realmente me interessa, menos tranquilidade eu alcanço, mais inquietação esse exercício me proporciona" (esse texto tem um interesse particular porque amplia este artigo: relembra o excessivo na internet). Qual é o sentimento que leva a isso? Uma espécie de senso de dever? A constatação de que se está perdendo muito, "há tanto, tanto a descobrir!"...?

Para mim, e especificamente quanto aos jornais de papel, me senti, digamos, obrigado a ler a Folha ou o Estado quando estudante de jornalismo, por obviedade da condição e por conselho contínuo dos professores. É minha experiência como assinante dos dois que me sugere aquelas duas utilidades para o jornal de papel lá do primeiro parágrafo. Desde o começo, minha proposta para mim mesmo era a tortura voluntária: leria todas as editorias e quase todo o jornal, retirando-se as notícias burocráticas, pouco interessantes ou sem muita novidade no curso de um assunto. Havia uma tentativa de abranger o máximo possível, de modo que mesmo que as pilhas se acumulassem, não eram jogadas fora de pronto, e sim lidas de uma só vez na ocasião propícia. Aprendi muito com isso. Passei a não incorrer mais nas opiniões imediatas que as pessoas têm logo depois de uma matéria de TV, e, com o tempo, subir aquela ladeira feroz não me era mais doloroso. Uma das dificuldades dos jornais é que há uma série de acontecimentos em curso, e quem tenta entrar é meio que repelido. Com a leitura, acabamos sabendo precedentes e perspectivas, e tudo flui de forma mais natural, de política aos esportes.

Há certo prazer em encher a cabeça de informação. E com esse prazer e aquela rotina de leitura, percebi duas características do jornal de papel que a internet não podia me proporcionar a priori, pela sua própria constituição. Em primeiro lugar, o jornal me sugere um percurso. Realiza uma seleção, dispõe discussões relativas ao tema, agrupa as matérias de forma que eu as visualize todas com o virar das páginas. Navegando na Folha Online, eu teria de passar de link relacionado a link anunciado, mas nada ali me diz que aquilo faz parte de um todo, só me diz que foi acumulado no mesmo lugar. A internet não é um percurso. É o mar aberto. Essa é uma das utilidades que vi nos jornalões: me manter em um rumo ― e isso não quer dizer que eu confie totalmente na informação ou não vá ler de outras fontes; mas é um rumo. Nessa sugestão de caminho, encontramos a segunda utilidade: ao longo das editorias, sou apresentado a assuntos que eu não procuraria virtualmente, e, por isso, nunca saberia deles. Esportes, temas femininos, construção, design ― não procuraria nada no Google sobre eles; mas ali no jornal estava uma matéria e por acaso eu aprendi. A internet é como o mar de certo conto de Poe: te drena em uma espiral e te afunda. No fim das contas, ela te dá mais e mais de você mesmo, seguidamente.

Talvez tudo isso seja só uma justificativa que encontrei para me ater aos jornais, uma argumentação corporativa ― afinal, eu estava me formando em jornalismo e era onde eu queria trabalhar. De qualquer modo, me parecem bem verdadeiras, essas duas utilidades. Talvez, além de sociabilizar editorias, um dos caminhos para as mídias que querem abranger todos os assuntos seja criar seleções de matérias, percursos possíveis além dos vínculos relacionados. Como os dossiês da Cult, mas onipresentes. E também, quem sabe, uma função como a do Stumble Upon, que nos envia aleatoriamente a coisas interessantes. Ou outras ideias. Que acham?


Duanne Ribeiro
São Paulo, 18/5/2010


Mais Duanne Ribeiro
Mais Acessadas de Duanne Ribeiro
01. Diário de Rato, Chocolate em Pó e Cal Virgem - 2/10/2012
02. Bailarina salta à morte, ou: Cisne Negro - 15/2/2011
03. Manual para o leitor de transporte público - 29/3/2011
04. O que mata o prazer de ler? - 21/12/2010
05. Pra que ler jornal de papel? - 18/5/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
18/5/2010
02h50min
Na internet geralmente o espaço é pequeno, pois a informação é rápida, é tudo muito solto. Até podemos entender muita coisa, mas isso exige de nós uma boa bagagem cultural de informações.
[Leia outros Comentários de Manoel Messias Perei]
19/5/2010
10h50min
Concordo com o comentário acima, a informação pela internet costuma ser menor que a do jornal, muitas das vezes superficial também. Sem falar nessa ausência de rumo, que gera autodirecionamento do leitor a seus interesses específicos, fazendo-o ignorar assuntos diversos que poderiam acrescentar em seu dia a dia. No entanto, creio que esse acréscimo pode levar o indivíduo a uma superdosagem de informações e perda considerável de tempo. E eu não acredito no fim do jornal, pelo menos não no Brasil, por 40, 50 anos ou mais.
[Leia outros Comentários de Nilton Mendonça]
22/5/2010
13h13min
No alvo. O ponto é que as mídias servem para coisas diferentes. Ler só a superfície do que acontece é surfar. E nem sempre é o suficiente. Outro ponto interessante: as reformas gráficas de todos os tempos, em todos os jornais famosos, tiveram como argumento a melhoria na interação com o leitor. Sempre.
[Leia outros Comentários de Ana Elisa Ribeiro]
24/5/2010
13h02min
Impresso x Digital é um assunto que tomará seu próprio rumo, independente de opiniões, mas que poderia ter algum resultado em ações. Os principais tópicos ainda serão os jornais, revistas e livros, neste primeiro momento, mas as artes também se iniciaram neste movimento até um pouco antes, e estes resultados todos já podem perceber, visto que a área de investimento nas artes está caindo, galerias fechando e a arte de reproduções, da decoração e da escolha do cliente pelo que ele gosta e pode pagar aumentou consideravelmente. É só uma questão de tempo... Alguns como eu foram radicais na pintura, abandonando completamente a técnica tradicional para investir em novas tecnologias, na nova ferramenta, o computador. A arte digital, agora já valorizada pelo alcance da tecnologia na área pictórica, acadêmica ou clássica, foi criticada quando deu seus primeiros passos. Os jornais deverão decidir por suas pesquisas, então, olhar para este o público que está chegando, pois nós senis já estamos partindo...
[Leia outros Comentários de Celito Medeiros]
7/6/2010
08h58min
E além de tudo isso, jornal em papel serve para embrulhar peixe. Ninguém me conte que os peixeiros deixaram de usar jornal!
[Leia outros Comentários de Felipe Pait]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Boa Nova
Chico Xavier
feb
(2010)



Dicionario Ilustrado Ingles-portugues
Tony Wolf
Moderna
(2003)



A Serra do Mar e a Baixada
Samuel Murgel Branco
Moderna
(1992)



O Que é Corpo
Jose A. Gaiarsa
Brasiliense
(1986)



doutor Goebbels
Roger Manvell e Heinrich
madras
(2012)



Divorcio e Separação 2 Volumes 8ª Edição
Yussef Said Cahali
Revista dos Tribunais
(1995)



Paiva Chaves - e as Janelas de Sua Mente
Armando L M de Paiva Chaves
Bibliex
(2010)



Pique
Regis Castro
Cupolo
(1982)



Natureza e Agroquimicos
Samuel Murgel Branco
Moderna
(2012)



OP genter
Tom Clancy
Record
(1997)





busca | avançada
48334 visitas/dia
1,6 milhão/mês