Pra que ler jornal de papel? | Duanne Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
80332 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Canto dos Recuados - espetáculo musical mergulha na cultura afrobarroca
>>> Primeiro Roteiro
>>> Festival Cine Inclusão abre inscrições de curtas-metragens com o tema terceira idade
>>> Musical Guerra de Papel estreia dia 3 de setembro no Teatro Viradalata
>>> Monólogo Te Falo com Amor e Ira de Branca Messina ganha nova temporada
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
>>> Poesia como Flânerie, Trilogia de Jovino Machado
>>> O mundo é pequeno demais para nós dois
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Unchained by Sophie Burrell
>>> Deep Purple em Nova York (1973)
>>> Blue Origin's First Human Flight
>>> As últimas do impeachment
>>> Uma Prévia de Get Back
>>> A São Paulo do 'Não Pode'
>>> Humberto Werneck por Pedro Herz
>>> Raquel Cozer por Pedro Herz
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
Últimos Posts
>>> O cheiro da terra
>>> Vivendo o meu viver
>>> Secundário, derradeiro
>>> Caminhemos
>>> GIRASSÓIS
>>> Biombos
>>> Renda Extra - Invenção de Vigaristas ou Resultado
>>> Triste, cruel e real
>>> Urgências
>>> Ao meu neto 1 ano: Samuel "Seu Nome é Deus"
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Por que as curitibanas não usam saia?
>>> Incubus - Circles
>>> Citizen Kane
>>> Da vitrola ao microchip
>>> De onde vem a carne que você come?
>>> (Re)masterizados e (Re)mixados
>>> Um mundo além do óbvio
>>> Anarchy in the U.K.
>>> História do Ganesha
>>> A sombra de Saramago
Mais Recentes
>>> Como Cuidar do Seu Meio Ambiente de Desconhecido pela Bei (2002)
>>> Esposa 22 de Melanie Gideon pela Intrinseca (2012)
>>> Você, Líder do Seu Sucesso de Inácio Dantas pela Clube dos Autores (2018)
>>> Mundo Em Transformação de Antonio Cabral; Leonardo Coelho pela Autêntica (2006)
>>> Nós Dois na Madrugada de Sanne Munk Jensen e Ringtve pela Suma (2018)
>>> O Videogame do Rei de Ricardo Silvestrin pela Record (2009)
>>> Cinema Transcendental: um Guia de Filmes Sobre a Vida Após a Morte de Lyn, Tom Davis Genelli pela Pensamento (2014)
>>> Histórias para o Coração da Mãe de Alice Gray pela United Press (2005)
>>> Lua Nova - Formato Menor de Stephenie Meyer pela Intrinseca (2009)
>>> O Mar de Monstros - Percy Jackson e os Olimpianos Livro Dois de Rick Riordan pela Intrinseca (2009)
>>> Amanhecer de Stephenie Meyer pela Intrinseca (2009)
>>> Os Lusíadas de Luís de Camões pela Estadão (1995)
>>> Lua Nova de Stephenie Meyer pela Intrinseca (2008)
>>> Revista do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro Volume 321 de Vários Autores pela Imprensa Nacional (1978)
>>> Guia do Servidor Linux Edição Servidor 3 de Conectiva pela Conectiva (1999)
>>> Introdução a Teoria das Linhas de Transmissão de José Thomaz Senise pela Mauá (1979)
>>> Feijoada na Copa de Chico Anísio pela Círculo do Livro (1976)
>>> Espinhos do Tempo de Zibia Gasparetto pela Os Caminheiros (1990)
>>> Os Insaciáveis de Harold Robbins pela Record (1978)
>>> Catálogo Antunes 87/8 de José Manuel Antunes pela Do Autor (1988)
>>> Biologia de los Microelementos y Su Funcion de Karl H. Schutte pela Tecnos (1966)
>>> Dicionário do Antiquariato de Codex pela Codex (1968)
>>> Relais & Chateaux 2001 de Relais pela Relais (2001)
>>> Guatemala Kunst Der Maya de I. Bolz-augenstein pela Greven (1966)
>>> Julie Ou La Nouvelle Heloise de Rousseau pela Flammarion (1967)
COLUNAS

Terça-feira, 18/5/2010
Pra que ler jornal de papel?
Duanne Ribeiro

+ de 9000 Acessos
+ 5 Comentário(s)

As pessoas em geral parecem pensar uma só coisa a respeito dos jornais de papel (penso em O Estado de S.Paulo, Folha de S.Paulo e semelhantes): eles seriam excessivos. Isso se traduz de muitas formas: ou o jornal é parcialmente ou totalmente desnecessário (porque o leitor se informa por outros meios) ou ele é pesado demais ― à ideia de ler um Estadão completo ocorre ao leitor o mesmo cansaço que lhe viria se de súbito tivesse de subir a pé uma ladeira íngreme e interminável. Esse último leitor sente o que sente porque pensa que necessita ler o jornal da primeira à última folha, por alguma espécie de obrigação. Eu acredito que todas essas opiniões são verdadeiras. As notícias, é evidente para todos, estão em quaisquer outros lugares. E, de fato, só ver a pilha de papel já cansa. Mas há pelo menos duas utilidades que só se terá levando a cabo alguns jornalões.

Antes de falar disso, vamos ver essa ideia de excessividade de perto. O Estado e a Folha tentam abranger todos os assuntos de modo a vender para todos os públicos, mas boa parte das pessoas é absorvida pelas mídias especializadas e não sente necessidade desses jornais. O cotidiano (cidades, polícia, Brasil, política) é distribuído regularmente por rádios e televisões, e a maior parcela do público não entende que haja qualquer coisa de específico no produto impresso, e, mesmo quando sente precisão de análises e discussão, pode ser tomado pelas revistas semanais ou por programas de discussão e talk shows. Outra imensa parte se informa pela internet, prefere descobrir o que lhe interesse por redes sociais, interagindo; ou quer uma informação mais individualizada, pessoal, próxima: os blogs. É possível desconstruir qualquer jornalão e chegar à conclusão de que ele não precisa existir.

Quando aparelhos como o Kindle se popularizarem, isso será uma evidência ainda maior. Adicione uma conexão à internet e não será necessário nem a compilação em uma "edição", só o site. Desse tipo de conclusão é que se extraem os prognósticos de "fim dos jornais" (sobre isso leia este artigo e mais este). Também me parece que é por isso que a mais recente reforma do Estadão tentou torná-lo mais interativo e decretou que cada editoria é um lugar de sociabilização, uma rede que uniria os interessados em torno de cada tema. Assim como um dos motivos para o Guardian contratar blogueiros de todo o mundo, sem necessidade de curso de jornalismo. Por outro lado, a eventual conveniência, a fidelidade e o respeito ao nome de algumas publicações ainda garantem a venda de muito papel. Principalmente, é preciso "não confundir o fim dos jornais com o fim do jornalismo".

Sempre haverá a necessidade de informação e de quem informe. E existe também uma certa crença de que precisamos ou (em alguns casos) temos a obrigação de nos informar. Isso é mais comum do que parece à primeira vista: posso apostar que qualquer conhecido seu dirá que é correto assistir ao Jornal Nacional, justificando com alguma variante de "precisamos saber o que está acontecendo", mesmo que se termine o programa sabendo apenas de tragédias, mortes e falcatruas repetidas. Ou, em outro contexto, como em um relato de Julio Daio Borges: "quanto mais eu me aproximo da informação que realmente me interessa, menos tranquilidade eu alcanço, mais inquietação esse exercício me proporciona" (esse texto tem um interesse particular porque amplia este artigo: relembra o excessivo na internet). Qual é o sentimento que leva a isso? Uma espécie de senso de dever? A constatação de que se está perdendo muito, "há tanto, tanto a descobrir!"...?

Para mim, e especificamente quanto aos jornais de papel, me senti, digamos, obrigado a ler a Folha ou o Estado quando estudante de jornalismo, por obviedade da condição e por conselho contínuo dos professores. É minha experiência como assinante dos dois que me sugere aquelas duas utilidades para o jornal de papel lá do primeiro parágrafo. Desde o começo, minha proposta para mim mesmo era a tortura voluntária: leria todas as editorias e quase todo o jornal, retirando-se as notícias burocráticas, pouco interessantes ou sem muita novidade no curso de um assunto. Havia uma tentativa de abranger o máximo possível, de modo que mesmo que as pilhas se acumulassem, não eram jogadas fora de pronto, e sim lidas de uma só vez na ocasião propícia. Aprendi muito com isso. Passei a não incorrer mais nas opiniões imediatas que as pessoas têm logo depois de uma matéria de TV, e, com o tempo, subir aquela ladeira feroz não me era mais doloroso. Uma das dificuldades dos jornais é que há uma série de acontecimentos em curso, e quem tenta entrar é meio que repelido. Com a leitura, acabamos sabendo precedentes e perspectivas, e tudo flui de forma mais natural, de política aos esportes.

Há certo prazer em encher a cabeça de informação. E com esse prazer e aquela rotina de leitura, percebi duas características do jornal de papel que a internet não podia me proporcionar a priori, pela sua própria constituição. Em primeiro lugar, o jornal me sugere um percurso. Realiza uma seleção, dispõe discussões relativas ao tema, agrupa as matérias de forma que eu as visualize todas com o virar das páginas. Navegando na Folha Online, eu teria de passar de link relacionado a link anunciado, mas nada ali me diz que aquilo faz parte de um todo, só me diz que foi acumulado no mesmo lugar. A internet não é um percurso. É o mar aberto. Essa é uma das utilidades que vi nos jornalões: me manter em um rumo ― e isso não quer dizer que eu confie totalmente na informação ou não vá ler de outras fontes; mas é um rumo. Nessa sugestão de caminho, encontramos a segunda utilidade: ao longo das editorias, sou apresentado a assuntos que eu não procuraria virtualmente, e, por isso, nunca saberia deles. Esportes, temas femininos, construção, design ― não procuraria nada no Google sobre eles; mas ali no jornal estava uma matéria e por acaso eu aprendi. A internet é como o mar de certo conto de Poe: te drena em uma espiral e te afunda. No fim das contas, ela te dá mais e mais de você mesmo, seguidamente.

Talvez tudo isso seja só uma justificativa que encontrei para me ater aos jornais, uma argumentação corporativa ― afinal, eu estava me formando em jornalismo e era onde eu queria trabalhar. De qualquer modo, me parecem bem verdadeiras, essas duas utilidades. Talvez, além de sociabilizar editorias, um dos caminhos para as mídias que querem abranger todos os assuntos seja criar seleções de matérias, percursos possíveis além dos vínculos relacionados. Como os dossiês da Cult, mas onipresentes. E também, quem sabe, uma função como a do Stumble Upon, que nos envia aleatoriamente a coisas interessantes. Ou outras ideias. Que acham?


Duanne Ribeiro
São Paulo, 18/5/2010


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Caetano, não seja velho coronel de Humberto Pereira da Silva
02. Ilustres convidados de Carla Ceres
03. Sobre o Acordo Ortográfico de Ricardo de Mattos
04. Livro dos Homens de Rafael Rodrigues
05. Schopenhauer sobre o ofício de escritor de Julio Daio Borges


Mais Duanne Ribeiro
Mais Acessadas de Duanne Ribeiro
01. Diário de Rato, Chocolate em Pó e Cal Virgem - 2/10/2012
02. Manual para o leitor de transporte público - 29/3/2011
03. Bailarina salta à morte, ou: Cisne Negro - 15/2/2011
04. O que mata o prazer de ler? - 21/12/2010
05. Pra que ler jornal de papel? - 18/5/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
18/5/2010
02h50min
Na internet geralmente o espaço é pequeno, pois a informação é rápida, é tudo muito solto. Até podemos entender muita coisa, mas isso exige de nós uma boa bagagem cultural de informações.
[Leia outros Comentários de Manoel Messias Perei]
19/5/2010
10h50min
Concordo com o comentário acima, a informação pela internet costuma ser menor que a do jornal, muitas das vezes superficial também. Sem falar nessa ausência de rumo, que gera autodirecionamento do leitor a seus interesses específicos, fazendo-o ignorar assuntos diversos que poderiam acrescentar em seu dia a dia. No entanto, creio que esse acréscimo pode levar o indivíduo a uma superdosagem de informações e perda considerável de tempo. E eu não acredito no fim do jornal, pelo menos não no Brasil, por 40, 50 anos ou mais.
[Leia outros Comentários de Nilton Mendonça]
22/5/2010
13h13min
No alvo. O ponto é que as mídias servem para coisas diferentes. Ler só a superfície do que acontece é surfar. E nem sempre é o suficiente. Outro ponto interessante: as reformas gráficas de todos os tempos, em todos os jornais famosos, tiveram como argumento a melhoria na interação com o leitor. Sempre.
[Leia outros Comentários de Ana Elisa Ribeiro]
24/5/2010
13h02min
Impresso x Digital é um assunto que tomará seu próprio rumo, independente de opiniões, mas que poderia ter algum resultado em ações. Os principais tópicos ainda serão os jornais, revistas e livros, neste primeiro momento, mas as artes também se iniciaram neste movimento até um pouco antes, e estes resultados todos já podem perceber, visto que a área de investimento nas artes está caindo, galerias fechando e a arte de reproduções, da decoração e da escolha do cliente pelo que ele gosta e pode pagar aumentou consideravelmente. É só uma questão de tempo... Alguns como eu foram radicais na pintura, abandonando completamente a técnica tradicional para investir em novas tecnologias, na nova ferramenta, o computador. A arte digital, agora já valorizada pelo alcance da tecnologia na área pictórica, acadêmica ou clássica, foi criticada quando deu seus primeiros passos. Os jornais deverão decidir por suas pesquisas, então, olhar para este o público que está chegando, pois nós senis já estamos partindo...
[Leia outros Comentários de Celito Medeiros]
7/6/2010
08h58min
E além de tudo isso, jornal em papel serve para embrulhar peixe. Ninguém me conte que os peixeiros deixaram de usar jornal!
[Leia outros Comentários de Felipe Pait]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A Construção Social da Cor - 2ª Edição - Diferença e Desigualdade ...
José D Assunção Barros
Vozes
(2009)



A Arte do Ator - as Primeiras Seis Lições - 1ª Edição - 4ª Reimpressão
Richard Boleslavski
Perspectiva
(2012)



Mala Mágica Sonhos Coloridos
Anna Rosa Campagnano
Joarte
(2012)



Mini Código Saraiva 2014 - Processo Civil
Saraiva
Saraiva
(2014)



Manual Prático de Escavação - Terraplenagem e Escavação de Rocha
Hélio de Souza Ricardo e Guilherme Catalani
Mcgraw-hill
(1977)



Amores Modernos - 1ª Edição
Daniel Bullen
Seoman
(2014)



Turma da Mônica Coleção Histórica Cebolinha Nº 34
Maurício de Souza
Panini Comics
(2013)



Desconstruções e Contextos Sociais
Alcides Cardoso dos Santos
7 Letras
(2006)



Tempo De Esperança
Mark Finley
Casa Publicadora Brasileira
(2010)



Além do microfone
Sidney Botelho
Literare Books International
(2015)





busca | avançada
80332 visitas/dia
2,6 milhões/mês