Brochadas, romance inquietante de Jacques Fux | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
59113 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Terça-feira, 29/9/2015
Brochadas, romance inquietante de Jacques Fux
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 2700 Acessos


"Brochadas", segundo romance do escritor Jacques Fux, editado pela Rocco, é uma divertida e inteligente epopéia do homem que fracassa na hora H. Mas não é só isso, também é uma grande discussão sobre o sentido dos afetos, da sexualidade e da própria escrita literária. O escritor ainda se propõe um debate crítico sobre as raízes judaicas do personagem. Este último tópico já se encontrava presente no primeiro romance de Fux, "Antiterapias", publicado pela editora Scriptum, de Belo horizonte.

Para "Brochadas" vale partir dos versos de Fernando Pessoa: "o poeta é um fingidor, finge tão completamente, que chega a fingir que é dor, a dor que deveras sente". Pois é disso que se trata, ficcionalizar a própria vida, os retalhos das experiências sexuais, afetivas, literárias, filosóficas e de cultura (o judaísmo).

O romance é uma espécie de psicanálise literária, onde o personagem Jacques (também nome do autor) tem uma conversa consigo mesmo e com suas parceiras da vida a respeito do grande tabu que é a brochada. Além disso, o romance faz um relato histórico sobre grandes personagens que brocharam ou como a tradição ocidental se relacionou com o tema.

Através dos relatos (verídicos ou ficcionais, não se sabe) sobre as razões que levaram Jacques a brochar em algumas de suas relações sexuais - relatos esses enviados às suas parceiras, que depois de lerem as observações do personagem (autor) respondem dizendo se brocharam com ele ou como vêem as explicações dadas pelo escritor - através desses relatos acabamos conhecendo os elementos que levam o homem e a mulher a brochar.

As variadas razões femininas e masculinas para a brochada são elencadas já nas páginas iniciais do livro: "Tentativas de esgotamento do motivo das brochadas masculinas e femininas". São algumas delas que vão determinar a causa das brochadas. No caso masculino, há de mau hálito, chulé, fedor na xoxota, seios murchos, ansiedades, pensar na mãe, mulher que não quer chupar, dor de barriga, até mulher mandona demais, dentre outros elementos. No caso feminino, há de mau hálito, pinto fedido, pinto pequeno, pinto meia-bomba, não ligar no dia seguinte, erros de português, falar da mãe, soltar pum na hora, até homem que chama de putinha, vadia, que goza na cara, que levanta e vai embora, dentre outros motivos para a mulher brochar.

Se, como diz o autor, "tudo aqui é verdade, exceto o que não invento", estamos no meio de uma mistureba entre realidade e ficção, ou seja, daquilo que Fernando Pessoa anuncia como fingir a dor que deveras sente (como citado anteriormente). Então, vamos crer que o relato de Jacques (personagem), pode ser o relato de Jacques (escritor), brilhantemente construído pela sua literatura. A sensação é de que é necessário esse álibe literário para a verdade vir à tona. O autor no confessionário psicanalítico-literário, justificando o despudorado relato de sua "fraqueza", do tabu dos fracassos sexuais, via literatura, que o redime ou o encoraja a tal.

Estamos, então, numa espécie de "Recherche das brochadas perdidas", como o próprio autor denomina um dos capítulos do livro. Indo além, procurando no espelho da cultura judaica, que parece abominar, as razões dos seus pés na bunda e impulsos literários, que resulta na sopa de sentimentos amorosos frustrados, desdém por uma cultura religiosa que não o agrada e a busca pela "salvação" na literatura.

Tudo bem construído no livro "Brochadas". A leitura é divertidíssima, mas também inteligentíssima. Aquilo que é a vida ordinária do personagem, seu drama incessante com as mulheres que amou ou odiou, é circundado (ôpa! quase disse circuncidado) por reflexões que vão desde o pensamento da Grécia antiga e a época medieval, passando por Poe, Joyce, Hemingway, Borges (todos brochas), até o Talmude, dentre outras referências. No fundo de tudo isso, o fracasso sexual, alimentando (e sublimando a vida) a criação da cultura e a verve criativa dos escritores. Assunto tabu.

O que é marcante no livro de Fux é seu humor. O melhor filósofo é o que ri de si mesmo, já dizia Nietzsche. Com essa "estratégia", o rir de si mesmo (ou o humor judaico encarnado), o escritor pode colocar na ordem do dia a discussão tabu que é a brochada. E não é sem diversão e sem amargor que o debate aparece. Mulheres revoltadas com a criação de Jacques (personagem) nos seus relatos, não deixando de acusá-lo também de ser a razão de suas brochadas. Ah! Sim, as mulheres brocham, apesar de ser mais fácil para elas fingir. Brocham ora por causa de si mesmas, ora por causa do comportamento masculino. E o personagem brocha sem parar, por causa delas e também por si mesmo, pelos embrulhos de culpa, impaciência, incompreensão que se colocam nesse saco de ressentimentos que aflora a cada página do livro de Fux.

Mas o que é ainda maior no livro "Brochadas" é a discussão - que o autor acaba fazendo no final de cada relato - sobre o sentido da ficção e sua correspondência com a realidade.

A insuportável plenitude seria o que move a cultura, os avanços da ciência e da literatura. "A dor e a dificuldade de mudar, transformar, metamorfosear e aceitar o outro". É aquilo que sempre nos faltará, é a mulher que não nos fez ficar de pau duro ou gozar, é o vazio que advém da falta, que nos fará dar o passo em direção à criação.

Cito o trecho: "Acho que a plenitude é um sentimento que o ser humano não pode suportar. Só os deuses. Nós, incompletos, não conseguimos aguentar momentos de alegria e prazer intensos. Precisamos sentir a falta. Pulsão. Temos que viver em meio à carência e ao espaço vazio que nutre a pulsão por viver e por morrer."

É nesse espaço que vive o escritor, o artista. É da ferida narcísica, do fracasso da vida, que surgirá a flor do mal, a flor da beleza, a arte, uma promessa de felicidade. Fux escreve sobre o tabu da brochada porque quer falar do tabu que é a vida fracassada: sua incompletude. Porque quer falar da busca pela completude na arte. O autor faz tudo muito bem... nos deixando inquietos.

Alberto Mussa resumiu bem "Brochadas", dizendo que é obra "de um autor culto, extremamente original e inquietante".


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 29/9/2015


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A menos-valia na poesia de André Luiz Pinto de Jardel Dias Cavalcanti
02. Algo de sublime numa cabeça pendida entre letras de Elisa Andrade Buzzo
03. O Voto de Meu Pai de Heloisa Pait
04. Gosta de escrever? Como não leu este livro ainda? de Renato Alessandro dos Santos
05. Não quero ser Capitu de Cassionei Niches Petry


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2015
01. Daumier, um caricaturista contra o poder - 24/2/2015
02. Livro das Semelhanças, de Ana Martins Marques - 24/11/2015
03. Eu matei Marina Abramovic (Conto) - 17/3/2015
04. Fake-Fuck-Fotos do Face - 18/8/2015
05. Gerald Thomas: cidadão do mundo (parte I) - 2/6/2015


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




TERRENOS OU EXTRATERRENOS
MICHEL GRANGER
NOVA FRONTEIRA
(1977)
R$ 10,00



GESTÃO HOSPITALAR: UM DESAFIO PARA O HOSPITAL BRASILEIRO
ROSA MARIA CASTEAR; PATRICK MORDELET; VICTOR GRABO
ENSP
(1995)
R$ 70,00



UMA BIBLIOGRAFIA SOBRE JORGE DE SENA, SEPARATA DE AS ESCADAS NÃO
JORGE FAZENDA LOURENÇO
COTOVIA
(1997)
R$ 42,70



O MASSACRE DA SERRA ELÉTRICA
STEFAN JAWORZYN
DARKSIDE
(2013)
R$ 32,00



CONTRATOS
ARNALDO RIZZARDO
FORENSE
(2016)
R$ 150,00



ENCICLOPÉDIA DO HUMOR JUDAICO - DOS TEMPOS BÍBLICOS À ERA MODERNA
HENRY D. SPALDING
SÊFER
(1997)
R$ 20,00



A NOVA EXECUÇÃO DE SENTENÇA
ALEXANDRE FREITAS CÂMARA
LUMEN JURIS (RJ)
(2006)
R$ 24,82



MANUAL DOS CRIMES CONTRA AS RELAÇÕES DE CONSUMO
DORA DUSSAB CASTELO NATÁLIA FERNANDES ALIE...
CENACON
(1999)
R$ 14,97



ARCO-IRIS EM PRETO E BRANCO
NARA VIDAL
DIMENSÃO
(2014)
R$ 20,00



A CABEÇA DE ALVISE
LINA WERTMÜLLER
RECORD
(1981)
R$ 8,00





busca | avançada
59113 visitas/dia
1,1 milhão/mês