Livro das Semelhanças, de Ana Martins Marques | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
75949 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Guerreiros e Guerreiras do Mundo pelas histórias narradas por Daniela Landin
>>> Conheça Incêndio no Museu. Nova obra infantil da autora Isa Colli fala sobre união e resgate cultura
>>> Arte do Granja
>>> Prorrogadas as inscrições para 20ª Mostra de Cinema Infantil de Florianópolis
>>> Projeto Trovadores Urbanos 30 anos, live cinco, “Serenata para Silvio Caldas”, segunda dia 19 de abr
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
>>> Curtíssimas: mostra virtual estreia sexta, 16.
>>> Estreia: Geração# terá sessões virtuais gratuitas
>>> Gota d'agua
>>> Forças idênticas para sentidos opostos
>>> Entristecer
>>> Na pele: relação Brasil e Portugal é tema de obra
>>> Single de Natasha Sahar retrata vida de jovem gay
>>> A melancolia dos dias (uma vida sem cinema)
>>> O zunido
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O que querem os homens? Do Sertão a Hollywood
>>> 8 de Junho #digestivo10anos
>>> Voltar com ex e café requentado
>>> Vinicius de Moraes Reeditado pela Companhia das Letras
>>> Deep Purple Made in Japan
>>> The Newspaper of the Future
>>> Se eu fosse você 2
>>> Lady Gaga, uma aula do pastiche
>>> Comunicado importante: TV mata!
>>> A bolha da blogosfera
Mais Recentes
>>> O Carneiro Revoltado de Francisco Candido Xavier ( pela Feb (2008)
>>> O Dia De Ver Meu Pai de Vivina de Assis pela Formato (2007)
>>> Caravana de Amor de Francisco Cândido Xavier e Outros pela Instituto de Difusão Espírita (1985)
>>> Pedrinho Dá o Grito de Ana Cecilia Carvalho - Robinso pela Formato (2014)
>>> Bem-Te-Verde de Santuza Abras pela Formato (2007)
>>> Camila Nao Quer Emprestar Seus Brinquedos de Aline de Delvaux, Nancy Petigny pela Lorousse (2004)
>>> Caca-Fumaca de Eva Furnari pela Paulinas (2003)
>>> Chuveiro de Karen Acioly pela Rocco (2008)
>>> O Soldadinho De Chumbo Em Cordel de João Bosco Bezerra Bonfim pela Prumo (2009)
>>> Amigos Do Mar - Coleção Dedinho Encantado de Nely A. Guernelli Nucci pela Paulinas (2004)
>>> Quem Faz Os Dias Da Semana? de Lúcia Pimentel Goés pela Lorousse (2005)
>>> Eu Vi! de Jonas Ribeiro pela Mundo Mirim (2009)
>>> Rei Artur de Allan Massie pela Ediouro (2004)
>>> Nicola Tem Vergonha Ate de Jogar Bola de Graziela Beting pela Lorousse (2006)
>>> Cadê o Juízo do Menino? de Tino Freitas pela Manati (2009)
>>> Rita Sapeca e o Boneco de Neve de Peral Schumurl pela Lorousse (2006)
>>> A Mão que Conta a História de Márcia Leite pela LeYa (2011)
>>> Na Bucha! de Trambaiolli Neto Egidio pela Uirapuru (2007)
>>> Trilogia do Corpo de Fernando Barreto pela Lge (2009)
>>> É Hora! É Hora! de Anna Claudia Ramos pela Nova Fronteira (2005)
>>> Tempo de Voo de Bartolomeu Campos de Queirós pela SM Paradidático (2009)
>>> Brasília: de cerrado a capital da república de Jô Oliveira pela Cortez (2008)
>>> Sujo, eu? de David Roberts pela Companhia Nacional (2006)
>>> Corpo humano de Charline Zeitoun pela Companhia Nacional (2006)
>>> As cores do arco-íris de Jennifer Moore Mallinos pela Companhia Nacional (2008)
COLUNAS

Terça-feira, 24/11/2015
Livro das Semelhanças, de Ana Martins Marques
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 6300 Acessos


A poeta Ana Martins Marques lançou este ano, pela Companhia das Letras, "O livro das semelhanças", seu terceiro livro de poesia. Lançada inicialmente pela Editora Scriptum, com "A vida Submarina", de 2009, publicou ainda, pela Companhia das Letras, o livro "Da Arte das Armadilhas", em 2011.

O novo livro é dividido em várias seções, cujos títulos são "Livro", "Cartografias", "Visitas ao lugar-comum" e "O livro das semelhanças". Formam um conjunto interessante de poemas que dão conta daquilo que está proposto nas seções. Não sabemos se os títulos vieram antes dos poemas, ou se a existência dos poemas criou a necessidade de tais denominações.

As seções marcam uma pequena linha divisória sobre as preocupações da poeta, como no primeiro momento, que vai do interesse pelo formato do livro às consequências que se pode tirar de cada parte do seu formato, transposto agora para uma espécie de relação entre mundo pessoal/existencial e composição do objeto livro.

Na segunda parte, uma espécie de cartografia sentimental vai se delineando a cada poema, marcando a significação do encontro ou desencontro afetivo que tem como ponto de partida a ideia do mapa.

Na terceira parte, o afeto é ainda o leitmotiv da sua criação poética, onde rusgas e incertezas, com um certo pessimismo intravenoso, dominam quase todos os poemas.

Enfim, na última parte, que forma o maior conjunto de poemas, e onde também concentra-se a maior densidade do livro, é o momento da desconstrução da realidade pela palavra poética, onde, então, se realiza de forma mais pungente a inflexão do Ser diante da vida.

Todo leitor apaixonado por poesia, imagino, é também um apaixonado por livros, por sua feitura, sua aparência, enfim, seu design. Ana Marques vai além dessa paixão fetichista (e adorável) pelo objeto na primeira seção do livro. Da capa ao nome do autor, título, dedicatória, epígrafe, tipo de papel, primeiro e segundo poemas, índice remissivo até a contracapa, os poemas buscam perscrutar a alma de cada uma dessas partes, relacionando o autor ao receptor, fazendo da poesia um corpo expositivo das entranhas abertas dessa relação, com uma simplicidade aparente, mas onde cada poema guarda momentos de atenção para aquilo que criamos e para o qual não atentamos para o seu sentido, dada sua funcionalidade quase automática na nossa existência de amantes de livros.

Em "Nome do autor", por exemplo: "Impresso/ como parece estranho/ o mesmo nome/ com que te chamam." Ou em "Dedicatória": "Ainda que não te fossem dedicadas/ todas as palavras nos livros/ pareciam escritas para você". Algo próximo à perplexidade de uma criança que descobre pela primeira vez o funcionamento de algo que o interessa e o toca desde sempre.

Também pode-se pensar na constituição do livro, no andamento da criação de cada poema, como o lugar espacial longe dos atropelos da existência: "o dia: contas a pagar/ correspondência atrasada/ congestionamento/ xícaras sujas// aqui ao menos não encontrarás,/ leitor,/ xícaras sujas". Uma espécie também de ponto de encontro, onde o interior do livro, nas suas marcações (dobras, manchas, mapas, citações), se constitui em momentos para a poeta filosofar sobre a vida, como ao aproveitar uma ideia de Robert Walser: "privar-se de alguma coisa/ também tem seu perfume e sua energia". Ou no poema "Papel de seda", onde reflete sobre o sentido que outrora tinha o papel de seda nas divisões entre imagem e texto: "receavam a comunhão universal/ dos traços/ receavam que as palavras e as imagens/ não fossem vistas como rivais/ que são/ mas como iguais/ que são".

A seção "Cartografias" atende aos sentimentos amorosos, delineados como as próprias linhas do mapa, que costuram as diferentes configurações do afeto. São imagens líricas bastante simples que a poeta constrói para externar a profundidade do lugar que o amor ocupa na existência. Por exemplo: "E então você chegou/ como quem deixa cair/ sobre um mapa/ esquecido aberto sobre a mesa/ um pouco de café uma gota de mel/ cinzas de cigarro/ preenchendo/ por descuido/ um qualquer lugar até então/ deserto".

"Visitas ao lugar comum" não fica longe do exemplo anterior, embora aqui pareça se edificar um círculo vicioso do ir e vir, cortar e remendar, ficando no fim a existência (corriqueira ou afetiva) marcada pelas cicatrizes. "Cortar relações/ e depois voltar-se/ verificar se o que restou/ suporta/ remendo/ demorar-se/ sobre a cicatriz/ do corte". Ou, sob os auspícios da dúvida: "Amar/ profundamente/ mas testar/ volta e meia/ se ainda/ dá pé". Dúvida que não desaparece: "e ao fim/ arfante/ da corrida/ voltar-se/ para avaliar/ o traçado".

A parte final é "O livro das semelhanças", que retoma o título do livro. Aqui se adensam as experiências que são tratadas com certa leveza nas outras partes do livro. Esse adensamento não hierarquiza as partes do livro. Ana Martins é uma grande criadora de imagens rápidas, que dissolve as certezas sem que seja necessário precisar o antes, o entre e o depois das ações. O corte é rápido. Quase não dá tempo de perceber o tamanho do rasgo. Por isso voltamos aos poemas, precisando acreditar que aquilo que se anunciava como um verso singelo, guarda, na sua composição, o preâmbulo para o desalento.

Por vezes, ainda, o poema se constrói sobre o anúncio daquilo que virá sem dó nem piedade. Não precisa, a poeta, dizer o que virá, mas sua matéria, uma faca se afiando, não é mais que "cinzas/ por dizer". Vale ler o poema onde esse verso aparece:

Ainda é tarde

para saber

Ainda há facas

cruas demais para o corte



Ainda há música

no intervalo entre as canções



Escuta:

é música ainda



Ainda há cinzas

por dizer

Como um "acervo de acidentes", essa parte final do livro carrega uma certa melancolia. Não há ajustes que possam remediar perdas, como no poema "O que eu levo nos bolsos", onde a poeta pode até ter "teu nome/ anotado/ num papel dobrado", mas finaliza o poema com o significado que essa presença tem para ela: "meu deserto/ de bolso". O poema "O beijo" também faz transparecer essa ausência de doçura que o reino dos afetos parece prometer, mas que não consegue cumprir: "Ao me beijar/ esqueceu uma palavra em minha boca/ (...)/ É pequena e dura/ mais salgada que doce/ e amarga um pouco/ no fim."


O espaço de uma resenha é pouco para as variáveis que um livro de poesia possui. Ao se olhar o conjunto de poemas de "O livro das semelhanças" nota-se o apreço da poeta pela clareza das composições. Aqui não se quebra o pé do verso para um efeito especial. Quebra-se, isso sim, a possibilidade de se configurar uma realidade dócil e amena. E embora o afeto seja um tema recorrente, ele alegoriza, na sua própria precariedade, o sentido da existência. O convite da poeta não é o de um retorno ao parnaso, como se pode supor ao primeiro corte no nervo do leitor, mas o contrário: "vem/ escuta/ no meu peito/ o silêncio/ elementar/ dos metais".


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 24/11/2015


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A poesia de Carol Sanches de Jardel Dias Cavalcanti
02. O bosque inveterado dos oitis de Elisa Andrade Buzzo
03. K 466 de Renato Alessandro dos Santos
04. Imprimam - e repensem - suas fotografias de Ana Elisa Ribeiro
05. Por que a discussão política tem de evoluir de Julio Daio Borges


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2015
01. Daumier, um caricaturista contra o poder - 24/2/2015
02. Livro das Semelhanças, de Ana Martins Marques - 24/11/2015
03. Fake-Fuck-Fotos do Face - 18/8/2015
04. Eu matei Marina Abramovic (Conto) - 17/3/2015
05. Gerald Thomas: cidadão do mundo (parte I) - 2/6/2015


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Un Nouveau Style Dobéissance: Problemas de Vie Religieuse
M. Aunet, P. Charpentier e Outros
Editions Du Cerf
(1968)



As Aventuras do Capitão Pirilampo e do Comandante Noita
Flávio Rezende - Suzana Gasparian
Girafinha
(2011)



A Descoberta do Reino de Deus - Hoje Deus nos Faz Viver Em Seu Re
Editorial Dom Bosco (vol 2)
Editorial Dom Bosco
(1965)



A Ideologia
Ari Herculano de Souza
Do Brasil
(1989)



A Pintura Flamenga e Holandesa da Fundação Medeiros Almeida
Realidade e Capricho Novembro 2008
Fundação Medeiros e Almeida
(2008)



Estratégias empresariais para pequenas e médias empresas
Maurício Sita
Literare Books International
(2015)



Não Me Grite!
Quinto
Don Quixote
(1982)



Perspectiva para Pincipiantes
Arnaldo Belmiro (capa Verde)
Edições de Ouro
(1979)



Objective Ket Students Book
Annette Capel / Wendy Sharp
Cambridge
(2012)



O Noviço/ o Juiz de Paz da Roça
Martins Pena
Sol





busca | avançada
75949 visitas/dia
2,6 milhões/mês