Rebocos da memória: 1929, de Rafael Fava Belúzio | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
84380 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Novo livro de Nélio Silzantov, semifinalista do Jabuti de 2023, aborda geração nos anos 90
>>> PinForPeace realiza visita à Exposição “A Tragédia do Holocausto”
>>> ESTREIA ESPETÁCULO INFANTIL INSPIRADO NA TRAGÉDIA DE 31 DE JANEIRO DE 2022
>>> Documentário 'O Sal da Lagoa' estreia no Prime Box Brazil
>>> Mundo Suassuna viaja pelo sertão encantado do grande escritor brasileiro
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
Colunistas
Últimos Posts
>>> Glenn Greenwald sobre a censura no Brasil de hoje
>>> Fernando Schüler sobre o crime de opinião
>>> Folha:'Censura promovida por Moraes tem de acabar'
>>> Pondé sobre o crime de opinião no Brasil de hoje
>>> Uma nova forma de Macarthismo?
>>> Metallica homenageando Elton John
>>> Fernando Schüler sobre a liberdade de expressão
>>> Confissões de uma jovem leitora
>>> Ray Kurzweil sobre a singularidade (2024)
>>> O robô da Figure e da OpenAI
Últimos Posts
>>> Salve Jorge
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
>>> Ícaro e Satã
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O escritor está nu
>>> Lamartine Babo e futebol, uma simbiose
>>> Quem é Daniel Lopes
>>> Arte é intriga
>>> Primavera e Jukebox
>>> 20 anos de Trapo
>>> Bonjour, tristesse
>>> Big Bang
>>> 2013: mulheres escritoras e suas artes
>>> Les Misérables
Mais Recentes
>>> Guia Completo Do Tricô de Denise Gianoglio pela Escala (2019)
>>> Livro Literatura Estrangeira Um luxo de Perfume de Roberto D’Angelo pela Caravana
>>> Educação Escolar das Relações Étnico-raciais de José Antônio Marçal, Silvia Maria Amorim Lima pela Intersaberes (2015)
>>> Batman - A Maldição do Caveliro Branco de Sean Murphy pela Panini Comics (2020)
>>> A Guardia Da Minha Irma de Jodi Picoult pela Verus (2011)
>>> Livro Psicologia Motivação, Liderança e Lucro A trilogia para uma empresa de sucesso de Marco Aurélio Ferreira Vianna pela Gente (1999)
>>> Heróis De Verdade: Pessoas Comuns Que Vivem Na Sua Essência de Roberto Shinyashiki pela Gente (2005)
>>> Leonardo Da Vinci E Seu Supercérebro de Michael Cox pela Seguinte (2004)
>>> Ponto de Criação - Contos e Crônicas de Temáticas Livre de Alfer Medeiros pela Andross (2016)
>>> Finding Sky Die Macht Der Seelen: Roman de Joss Stirling pela Dtv Verlagsgesellschaft (2014)
>>> A Menina Que Contava Histórias de Jodi Picoult pela Verus (2015)
>>> Livro Filosofia Platão de Nova Cultural Ltda. pela Nova Cultural Ltda. (2004)
>>> Prosperity? de Ken, Maura, Michael, Piper, John, Grudem, Wayne, Mbewe, Conrad Mbugua pela Acts Kenya (2016)
>>> Introdução a psicologia de Donald Olding Hebb pela Atheneu (1971)
>>> Livro Literatura Estrangeira Meridian Um romance sobre o movimento dos direitos civis e a luta das mulheres negras de Alice Walker pela José Olympio (2022)
>>> O Despertar de Snyder, Murphy pela Panini Comics
>>> Ensaios de Michel De Montaigne pela Edit 34 (2016)
>>> Livro Turismo Mil Lugares para Conhecer Antes de Morrer de Patricia Schultz pela Sextante (2006)
>>> Coleção Biblioteca Infantil Encyclopedia Britânica do Brasil 10 Livros do Eu + Das Cores + Animais + Formas + Palavras + Números + Animais + Tempo de Christine Timmons pela Encyclopedia Britannica do Brasil Publicações (1979)
>>> Diálogos Da Perplexidade de Bernardo Kucinski pela Fundacao Perseu Abramo (2009)
>>> Livro Literatura Brasileira O Sedutor do Sertão de Ariano Suassuna pela Nova Fronteira (2020)
>>> Introducao À Leitura De Hegel de Alexandre Kojève pela Contraponto (2014)
>>> Encontrando Deus em O Senhor dos Anéis de Kurt Bruner, Jim Ware pela Bompastor (2002)
>>> O Poder Da Mente de R. Stanganelli pela Martin Claret (2006)
>>> Livro Poluição do Ar Polêmica Coleção Polêmica de Samuel Murgel Branco; Eduardo Murgel pela Moderna (2004)
COLUNAS

Segunda-feira, 29/3/2021
Rebocos da memória: 1929, de Rafael Fava Belúzio
Jardel Dias Cavalcanti
+ de 1100 Acessos



Memórias só se constroem sobre ruínas. Ou embaixo delas. Ou como elas. O cronista, embora mergulhado no presente, alimenta-se também daquilo que é sem devir, mas que se apresenta aos seus olhos como o presente de uma existência destroçada. São as ruínas... que apenas ao flâneur-cronista se apresentam.

O livro recém-lançado de Rafael Fava Belúzio, denominado 1929, publicado pela editora Impressões de Minas, trata de uma data, mas também de uma cidade, em crônicas que se inscrevem como ruínas. Pedaços da memória, como decalques da existência de uma pequena cidade de Minas Gerais, Carangola, que sob o peso da crise de 1929, tornou-se uma espécie de cidade fantasma e espaço intérieur para os devaneios do cronista.

Composto de pequenos textos, o livro registra em fotografias as janelas, antigos casarões, ruínas de casas, anjos de cemitério, pessoas numa estação de trem ou rodoviária, um pequeno sítio. A incerteza narrativa impera. Fragmentos, em sua forma estilhaçada, vão compondo um vitral que não se completa, seja de experiências, de memórias ou de sonhos - vitral aos cacos, impossível de se colar.

A abordagem caleidoscópica, num empilhar de fatos e lembranças, não oferece uma visão totalizante de Carangola. Os rebocos que a escrita vai colocando na memória ou nos fatos observados pelo cronista não conseguem tapar todos os buracos. O escrito em ruínas é o estilo que melhor se adapta à sensibilidade contemporânea, ela também em ruínas. Mesmo as datas das crônicas se misturam num vai-e-vem constante, como o fato da data de uma crônica de 2014 aparecer antes de 2010, por exemplo.

O capítulo “Fotojornalismo” tenta apresentar uma possível ideia de crônica, citando autores como Olavo Bilac, Antonio Candido, Walter Benjamim, Artur Azevedo. As definições se embaralham com a própria ideia de cidade: a crônica (ou a cidade ou a memória) como “esse cemitério que tem o aspecto de um interior, um local isolado”, no dizer de Benjamin.

Em outro caso, como na definição de Bilac (“Eu, o rabiscador de crônica, já sinto que me falta o solo abaixo dos pés”), onde apresenta-se a incapacidade de construção de uma história, já que falta ao cronista a possibilidade de estabelecer um ponto fixo de entendimento (ou interpretação) do real.

Cambaleante, o texto de Belúzio se insere nessa consciência do fracasso de se querer definir um lugar ou quaisquer situações com alguma certeza - ou de se querer amontoar nas "caco-crônicas" uma montanha de ideias sobre uma cidade ou sua memória quando tudo parece trespassado por uma nuvem de melancolia.

Um vai-e-vem de contrapontos entre a cidade grande e a cidade perdida no fim do mundo, Carangola, vai estabelecendo diferenças, mas ao mesmo tempo esclarecendo o devir da impossibilidade das duas. A antena parabólica ao lado de uma mãe dando comida às galinhas numa pequena chácara perdida do mundo é o retrato da conexão (im)possível entre dois mundos.



Belúzio propõe uma viagem entre cidades - entre os recantos de um mundo que parece parado no tempo e a velocidade e arquiteturas de uma cidade grande. Nesse cruzamento de diferenças, seu texto vai estabelecendo colagens, quase de natureza surrealistas, pode-se dizer, entre imagens desconexas que se apresentam entre uma crônica e outra.

Da descrição de um “bater as botas” (“Todo mundo vai trocar um dia de novela pelo último capítulo de sua vida”), até um passeio de férias pela Pampulha, em Belo Horizonte (férias como “uma anistia para as extravagâncias”), o que se constrói nas crônicas é uma tentativa de encontrar algo para além do "meu quarto, silencioso cubo de trevas".

Sua cidade é esta possibilidade de evasão para o exterior, mesmo quando sabe que seu exterior é o chamado do interior, "pois como há muito interior, pode chamar o meu interior de interior de Minas."

A cidadezinha está dentro do autor, aquele que observa sua “vida besta” (Drummond). Janelas com cadeados, burrinhos na rua, adolescentes comprando doces... E não o abandona a ideia de ruína: “Observo escombros e mais escombros sobre as praças... Ruínas de igrejas católicas esvaziadas, dos túmulos desabados do cemitério... Declínios... eu sou o que no mundo anda perdido tangendo um noturno, flanando na parte adormecida de Minas”.

Como texto pós-moderno que é (desculpem-me por não encontrar outra terminologia), essas crônicas, em suas entradas e saídas para uma cidade que vive dentro e fora do autor, são construídas como reboco, a partir de referências de leituras, trechos de música, poemas, que aparecem aqui e ali como colagens sensíveis e poéticas diante de imagens vistas, sonhadas e/ou sentidas como motivos para uma construção textual que não deve satisfação ao real.

Essa vertigem do texto (o que é isso que não é descrição, memória, relato, causo e nem mesmo a tradicional crônica?) nos coloca dentro e fora de uma cidade como dentro e fora do autor. “Carangola, decepção da minha vida... Pierrotesca... Como um som longínquo e longo de trompa num entardecer lento, muito lento...”

1929 reúne crônicas produzidas por uma espécie de resultado da superação dilatada da sensação de vazio que pode se apoderar melancolicamente de quem deixou (ou está deixando) para trás aquele sentimento profundo de pertencer a um lugar.

Ao sair de sua cidade natal e passar a “morar no vazio”, a melancolia do flâneur se torna texto errante, um texto prodigioso em sentimentos que fazem o autor catar aqui e ali os cacos de uma cidade (ou da lembrança dela), mesmo sabendo que deles não poderá criar um vitral.


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 29/3/2021

Quem leu este, também leu esse(s):
01. O curioso caso de Alberto Mussa de Rafael Rodrigues


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2021
01. A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques - 31/8/2021
02. O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis - 17/8/2021
03. Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia - 18/5/2021
04. Poética e política no Pântano de Dolhnikoff - 23/3/2021
05. Cem encontros ilustrados de Dirce Waltrick - 20/4/2021


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O Aniversário da Infanta
Oscar Wilde
Folha de S. Paulo
(2018)



Livro Pedagogia Educação Emocional
Edênio Valle
Olho D Água
(2024)



Arquivo X - Sangue p- Vol. 7
Chris Carter
Caras
(1997)



Manual Prático de Conversação Português, Inglês-alemão
Carl Huber
Artesc
(1992)



Praticando Valores Prevenindo Vicios
Daise Aguiar Silva
Daise Publicações
(2014)



Quarenta Mil Anos de Arte Moderna
L. A. Mauduit
Itatiaia
(1959)



Revista Mundo Estranho Junho 2007 Edição nº 64
Abril
Abril
(2007)



A Revolução no Ensino
W Kenneth Richmond
Companhia Nacional
(1975)



Dog Soldiers a Flag For Sunrise Outerbridge Reach
Robert Stone
The Library of America
(2020)



As Grandes Obras Politicas de Maquiavel a Nossos Dias
Jean Jacques Chevallier
Agir
(1982)





busca | avançada
84380 visitas/dia
2,0 milhão/mês