Poética e política no Pântano de Dolhnikoff | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
88566 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Clube do Conto Apresenta: Criaturas, de Carol Bensimon
>>> Vancouver Animation School apresenta webinário gratuito de animação
>>> Núcleo Menos1 Invisível evoca novas formas de habitar o mundo em “Poemas Atlânticos”
>>> Cia O Grito faz intervenção urbana com peças sonoras no Brás
>>> Simbad, o Navegante está na mostra online de teatro de Jacareí
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Blue Origin's First Human Flight
>>> As últimas do impeachment
>>> Uma Prévia de Get Back
>>> A São Paulo do 'Não Pode'
>>> Humberto Werneck por Pedro Herz
>>> Raquel Cozer por Pedro Herz
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
>>> Fernando Cirne sobre o e-commerce no pós-pandemia
Últimos Posts
>>> Renda Extra - Invenção de Vigaristas ou Resultado
>>> Triste, cruel e real
>>> Urgências
>>> Ao meu neto 1 ano: Samuel "Seu Nome é Deus"
>>> Rogai por nós
>>> Na cacimba do riacho
>>> Quando vem a chuva
>>> O tempo e o vento
>>> “Conselheiro do Sertão” no fim de semana
>>> 1000 Vezes MasterChef e Nenhuma Mestres do Sabor
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Despindo o Sargento Pimenta
>>> 15 de Agosto #digestivo10anos
>>> E se refez a Praça Roosevelt em sete anos
>>> Uma História do LED
>>> Caetano, não seja velho coronel
>>> Vento Bravo, com Edu e Tom
>>> Como o Google funciona
>>> A boa literatura brasileira
>>> Sebo de Livros do Seu Odilon
>>> História da leitura (III): a imprensa de Gutenberg
Mais Recentes
>>> Novíssimo Aulete - Dicionário Contemporâneo da Língua Portuguesa de Caldas Aulete - Paulo Geiger ( Org. ) pela Lexikon (2011)
>>> O Laptop de Leonardo de Ben Shneiderman pela Nova Fronteira (2006)
>>> História da Paz de Demétrio Magnoli ( Org. ) pela Contexto (2008)
>>> O amor jamais te esquece de André Luiz Ruiz pela Ide (2003)
>>> Nosso Livro de Francisco Cândido Xavier pela Lake (2005)
>>> Direito Penal 1 Parte Geral de Sophie Kinsella pela Record (2010)
>>> Em Espírito e Em Verdade de Andy Park pela Vida
>>> Mente e Cérebro Poderosos de Conceição Trucom pela Cultrix (2010)
>>> Todo Ar Que Respiras de Judith Mcnaught pela Bertrand Brasil (2009)
>>> Tudo Bem Ser Diferente de Todd Parr pela Panda Books # (2002)
>>> Sonho Oriental Sabores e Receitas de Editora Caras pela Caras
>>> O Que Fazer? Falando de Convivência de Liliana Iacocca pela Ática
>>> O Homem Que Roubava Horas de Daniel Munduruku e Janaina Tokitaka pela Brinque Book (2010)
>>> Mulheres Inteligentes, Relações Saudáveis de Augusto Cury pela Academia
>>> Ana Karênina Volume 1 de Tolstoi pela Nova Cultural (1997)
>>> A Bíblia do Otimismo de R. Stanganelli pela Tríade
>>> Coleção na Luz da Verdade 1, 2 e 3 de Abdruschin pela Ordem do Graal na Terra (1999)
>>> O Rapto do Garoto de Ouro Série Vaga-lume de Marcos Rey pela Atica
>>> Como Fazer Qualquer Pessoa Se Apaixonar por Você! de Leil Lowndes pela Record
>>> A Sombra do Vulcão de Malcom Lowry pela L&pm Pocket (2007)
>>> Manual de Direito Penal Parte Especial Vol II 27ª Edição de Julio Fabbrini Mirabete pela Atlas (2010)
>>> Do Outro Mundo - Coleção Ana Maria Machado de Ana Maria Machado pela Ática (2002)
>>> Dicionário Jurídico Brasileiro Acquaviva - Edição de Luxo de Marcus Claudio Acquaviva pela Jurídica Brasileira (1995)
>>> A Tecnologia Acima do Bem e do Mal de José Rubens Salles Toledo pela Itafi (2016)
>>> Cómo Pintar a óleo de Jose Maria Parramon pela Parramón
COLUNAS

Terça-feira, 23/3/2021
Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 2100 Acessos



O livro de poemas Impressões do Pântano, de Luis Dolhnikoff, lançado pela editora paulista Quatro Cantos, em 2020, merece um debate. No centro do livro está estabelecido um problema que envolve as artes, talvez, desde sempre, que é a questão de sua relação com o mundo real e as questões urgentes da política. Nesse campo, o que parece virtude, pode tornar-se defeito, podendo comprometer a poética do autor, que se salva em alguns momentos. Construído nessa tensão entre bons poemas e poemas “viscerais”, o livro está numa corda bamba. Há dois abismos para o poeta escolher cair, no da linguagem ou no do mundo real.

No filme Terra em transe, de Glauber Rocha, há uma cena em que o ator Jardel Filho diz algo mais ou menos assim: “Não é possível caber dentro de um mesmo homem o poeta e o político”. Essa era uma tensão muito comum nos anos 60-70: a necessidade de engajamento político podia surrupiar do poeta a sua necessidade de nadar contra a corrente da realidade, de se ausentar das questões urgentes (naqueles anos a ditadura militar) em prol da criação artística livre de responsabilidades sociais. No quadro atual do mundo, com o retorno visível de frentes reacionárias a problemática voltou à cena. Vamos introduzir a tese.

Introdução de um velho debate
“A política é uma pedra amarrada no pescoço da literatura, e que em menos de seis meses a submerge. A política no meio dos interesses da imaginação é como que um tiro no meio de um concerto. É um ruído que é cruel sem ser enérgico. Não harmoniza com o som de nenhum instrumento. Essa política irá ofender mortalmente metade dos leitores, e aborrecer a outra, que a viu de uma forma muito mais interessante e enérgica nos jornais da manhã.” Esta frase aparece no romance O vermelho e o negro, de Stendhal, e encontra eco no livro de Sartre, O que é literatura, onde o filósofo exime o poeta de engajamento, reservando o uso da linguagem explicativa para o romancista. Questão resolvida por Maiakovski, na sua famosa frase: “Não existe arte revolucionária sem uma forma revolucionária”.

Segundo o escritor Milan Kundera, os porta-vozes do óbvio, do auto-evidente e daquilo em que todos acreditamos são falsos poetas. Os estreitos horizontes da mentalidade paroquial não servem à criação do poeta, já que o principal fato de uma obra de arte literária não é o que ela significa, mas o que ela faz – como ela funciona, com que eficácia ela funciona, enquanto arte.

Em nome de uma percepção contemporânea de que o mundo é um amontoado de ruínas e de que o ser humano não passa de uma besta-fera (percepção que qualquer historiador sabe - desde sempre), os poetas têm sido por demais solicitados pelos fatos e pelos acontecimentos. A consequência direta da adesão a essa solicitação é que a poesia se “politizou” perdendo muitas vezes a sua preocupação primeira, que é realizar-se enquanto fato da linguagem.

A questão perigosa da poesia política é seu necessário caráter didático, que degrada seus próprios meios para falar das coisas de uma forma imediata e segundo uma linha de menor resistência para o espectador. Voltando a Sartre: “Ninguém é verdadeiramente poeta por haver decidido dizer certas coisas, mas por haver decidido dizê-las de determinado modo. E se o artista apenas narra, explica ou ensina, a poesia torna-se prosaica; ele perdeu a partida.”

Já que estamos num mundo esfacelado (pessoalmente não acredito nisso, o mundo sempre foi assim, basta estudar história), recusar proposições fechadas deveria ser o primeiro mandamento do poeta, tornando a forma aberta de sua linguagem, a priori, o próprio conteúdo do poema: saber que a poesia não é um comentário, mas a coisa em si; não uma reflexão, mas uma compreensão; não uma interpretação, mas a coisa a ser interpretada. Como disse T. W. Adorno, a sociedade aparece de modo tão mais manifesto na arte quão menos representada nela estiver (para bom entendedor, uma página de Beckett basta).

Portanto, a problemática de ordenar as tragédias do mundo, os desatinos humanos e da politicagem numa sequência de versos irritados com a desumanidade (houve algum dia humanidade?) não basta para concretizar o fato poético. Citando Afons Hug: “Não se deve confundir reportagem com arte. É óbvio que a arte se alimenta do mundo real, mas não o analisa com métodos científicos, como o documental, mas cria um mundo paralelo, ou até antagônico, ao mundo real. Neste momento utópico reside, portanto, a função política da arte”. Ou como disse Albert Camus, no seu livro O homem revoltado: “Em arte, a revolta se completa e se perpetua na verdadeira criação, não apenas na crítica ou no comentário”.

A poesia não pode simplesmente servir aos desígnios da ideologia. Obras de arte devem ser o que não gostaríamos que fossem e deveriam desmentir a cada instante o que elas gostariam de ser: fugir da linguagem comum – e o discurso político é comum - como o arco-íris que desaparece para aquele que caminha em sua direção.

As inovações formais dentro da própria linguagem que um artista realiza no seu trabalho acarretam novas formas de sentir e de perceber a realidade, como também a modifica. Sujeitar o discurso poético aos ditames da “realidade político-social” é sujeitar-se à linguagem do discurso dominante, que usa justamente a linguagem ordinária - como a do discurso político - para manter sua dominação. A arte, dizia Maiakovski, não é um espelho para refletir o mundo, mas um martelo para forjá-lo.

Vale finalizar essa introdução com o argumento de Silviano Santiago: “Eu acho que o compromisso do escritor, pelo menos do grande escritor, é com a liberdade absoluta. É isso que torna um livro uma obra de arte. Os textos que nós escrevemos nos últimos trinta anos são textos por demais solicitados pelos fatos e pelos acontecimentos e isso de certa maneira que é ao mesmo tempo bom, ao mesmo tempo positivo, porque você está respondendo, você está de certa maneira combatendo, você está tornando a literatura útil, socialmente, politicamente, etc., por outro lado, retira da literatura esta capacidade que ela tem de transcender o seu próprio tempo”.

E, como disse Affonso Ávila, ao comentar a relação entre poesia e participação, “a contribuição do poeta para a transformação da realidade tem de basear-se no modo de ser específico da poesia como ato criador”.

Em arte, nem sempre quem cala, consente.

Poesias do Pântano
Ao lado de excelentes poemas como, por exemplo, “Cortázar com insônia”, há vários poemas de natureza crítica em Impressões do pântano que podem apenas confirmar o que pensa qualquer cidadão médio bem informado sobre as mazelas políticas do mundo, sobre as torpezas da “mentalidade” das classe-médias ou as crises por que passa um poeta que não vê sentido na poesia no mundo atual (deveria ter um?), mas que acredita que ainda tem que poetar, nem que seja comentando as desgraças desse mundo. Esses poemas se enfraquecem quando apenas confirmam aos leitores os desarranjos do mundo que ele já conhece através das notícias de jornal ou através da convivência com seus vizinhos. Jorram intempestivos palavreados chulos (às vezes com o mesmo palavreado que ele questiona nas classes médias “liberadas” de sua repressões), desqualificando o comportamento das classe sociais, o que nos deixa um riso amargo na boca, sem dúvida, mas que abre mão de procedimentos da linguagem necessários ao fazer poético.

Contra esses “poemas sociais”, o livro tem a virtude de produzir poemas como “uma víscera”, esse sim, que trata de um drama profundo da alma humana, chegando às suas vísceras, sem ser um poema raivoso que corre o risco de ser uma narrativa de um faits-divers. Os faits divers contribuem como uma forma de estruturar o mundo, pois apelam para o imaginário da sociedade, que busca um sentido maior nestes, como se dá nos romances, em que as conexões carregam um sentido mais amplo, gradualmente revelado na narrativa. A poesia, ao contrário, deve buscar a desestruturação da mente “narrativa”, vivendo numa espécie de entrelugar entre o reconhecível e o irreconhecível, sentimento produzido pela vertigem da linguagem.

O que o leitor tem que fazer em relação a Impressões do pântano é aproveitar, numa primeira leitura, esses poemas “raivosos” e, depois, numa escolha mais refinada, deter-se na releitura dos bons poemas, aqueles que escapam do imediatismo da interpretação do real, aqueles que nos fazem devanear pelos incógnitos da linguagem poética mais madura.

Belos poemas não faltam, como “A gralha”, “A mesma”, “Ode áspera à nicotina”, dentre outros. Mas gostaria de chamar a atenção para o poema “O martelo”, que se propõe uma poética do autor. Aqui está muito de uma reflexão sobre o fazer poético de que os poemas sociais do livro abrem mão: “a secura/ pontiaguda/ da frase quebrada/ pelo martelo/ da sintaxe dura/ imaleável(...)”, essa sintaxe é o forte no livro, ela salva o livro. O poema de nosso mundo, como a sintaxe visual de Guernica, de Picasso, que estilhaça a pintura para falar dos estilhaços de uma cidade/vidas humanas picotadas por bombas fascistas. Não há realismo ali, há a destruição da própria noção de representação ou da possibilidade de se representar tamanho horror.

Não fossem estes poemas que mencionei, dentre outros ótimos poemas, sem dúvida, não sobraria “Quase nada”, título de um poema do livro:

Quase nada
um vislumbre apenas
talvez
da beleza

A mesma crítica reservada ao poeta Ferreira Gullar, no poema “a morte da morte de ferreira gullar”, funciona para o livro de Luis Dolhnikoff:

“no fim, o que conta/ é a parte boa/ como numa fruta/ da qual se corta/ um pedaço apodrecido// se o que resta tem matéria densa/ seja doce ou seca/ e mesmo amarga/ o estrago do estragado é anulado// só o que resta é a matéria densa(...)”.

Nota do Autor
A foto no início do texto, "Ave sarjeta", é da artista londrinense Ana "bacana" Lucca.

Para ir além


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 23/3/2021


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Pobre rua do Vale Formoso de Elisa Andrade Buzzo
02. O Vosso Reino de Luís Fernando Amâncio
03. A barata na cozinha de Luís Fernando Amâncio
04. Rubem Fonseca (1925-2020) de Julio Daio Borges
05. Literatura, quatro de julho e pertencimento de Guilherme Carvalhal


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti
01. Parangolé: anti-obra de Hélio Oiticica - 17/12/2002
02. Davi, de Michelangelo: o corpo como Ideia - 3/11/2009
03. Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I) - 20/12/2011
04. Felicidade: reflexões de Eduardo Giannetti - 3/2/2003
05. Vanguarda e Ditadura Militar - 14/4/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Brás, Bexiga e Barra Funda - Literatura Brasileira Em Quadrinhos
Antônio Alcântara Machado Adap Jo Ferrero
Escala Educacional
(2006)



A Poética de Maiakóvski - 2ª Edição - Revista e Aumentada
Boris Schnaiderman
Perspectiva
(2014)



O Jogo de Búzios por Odu
Adilson Antonio Martins
Pallas
(2013)



Casa do Cuco - 1ª Edição
Alexandre Camanho
Pulo do Gato
(2016)



Seis Fundamentos do Sucesso Profissional
Stuart Levine
Sextante
(2005)



A Arca de Noésio
Gustavo Bolognani Martins
Ateliê
(1996)



Gestão Transversal
Price Pritchett
Pritchett
(2001)



Pequis - Química Cidadã 1
Wildson Santos e Gerson Mol ( Coord.)
Ajs
(2013)



Felicidade ilimitada
Renato Alahmar, Waldyr Bevilacqua Júnior, Walter Quintana, J. Lima
Literare Books International
(2020)



O marketing aplicado aos relacionamentos
Douglas de Matteu, Maurício Sita
Literare Books International
(2012)





busca | avançada
88566 visitas/dia
2,4 milhões/mês