Poesia como Flânerie, Trilogia de Jovino Machado | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
78907 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Teatro Sérgio Cardoso recebe As Conchambranças de Quaderna de Ariano Suassuna
>>> “Meus bichos do sertão”, da artista mineira Maria Lira, em exposição na AM Galeria
>>> Maurício Limeira fará parte do DICIONÁRIO DO PROFUNDO, da Ao Vento Editorial
>>> Longa documental retrata música e territorialidade quilombola
>>> De Priscila Prade, Exposição Corpo em Quarentena abre dia 4/10
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
>>> Uma história da Chilli Beans
>>> Depeche Mode no Kazagastão
>>> Uma história da Sambatech
>>> Uma história da Petz
>>> A história de Chieko Aoki
>>> Uma história do Fogo de Chão
>>> BDRs, um guia
>>> Iggor Cavalera por André Barcinski
Últimos Posts
>>> Brasileira muda paisagens de Veneza com exposição
>>> Os inocentes do crepúsculo
>>> Inação
>>> Fuga em concerto
>>> Unindo retalhos
>>> Gente sem direção
>>> Além do ontem
>>> Indistinto
>>> Mais fácil? Talvez
>>> Riacho da cacimba
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Pronétaires, unissez-vous!
>>> O mapa da África
>>> Tem café?
>>> Dois anos de Cinema Independente
>>> O filme do Lula e os dois lados da arquibancada
>>> O comércio
>>> Isto é para quando você vier
>>> A vez dos veteranos
>>> A morte e a morte de jorge amado
>>> Solidão Moderna
Mais Recentes
>>> Assumindo o Controle do Seu Tempo de Hbr pela Elsevier (2007)
>>> Feliz Ano Novo de Rubem Fonseca pela Companhia das Letras (1990)
>>> Ai de Ti, Copacabana de Rubem Braga pela Record
>>> O Poder da Esposa Que Ora de Stormie Omartian pela Mundo Cristão (1998)
>>> Alexandre e Outros Heróis de Graciliano Ramos pela Record
>>> Nosso Lar de Chico Xavier pela Feb (1997)
>>> Pai Nosso de Francisco Cândido Xavier pela Feb
>>> Pai Nosso de Francisco Cândido Xavier pela Feb
>>> Maria, a Maior Educadora da História de Augusto Cury pela Planeta (2007)
>>> O Pequeno Príncipe de Antoine de Saint Exupéry pela Harper Collins Br (2006)
>>> Ação e Reação de Francisco Cândido Xavier pela Feb
>>> O Mestre dos Mestres Análise da Inteligência de Cristo Vol 1 de Augusto Cury pela Sextante (2006)
>>> Seara dos Médiuns de Francisco Cândido Xavier pela Feb
>>> Mantenha Seu Cérebro Vivo de Lawrence C Katz pela Sextante (2000)
>>> Terminologia Em Enfermagem de Maria Aparecida Modesto dos Santos pela Martinari (2006)
>>> Oração de São Francisco de Leonardo Boff pela Sextante (1999)
>>> Dom Quixote - Série Reencontro de Miguel de Cervantes / José Angeli pela Scipione (1985)
>>> Orixás, Caboclos e Guias de Edir Macedo pela Unipro (2007)
>>> A Suspeita de Friedrich Durrenmatt pela Circulo do Livro
>>> O Quinze de Rachel de Queiroz pela Salamandra
>>> O Que Você Precisa Saber Sobre Maçonaria de Elias Mansur Neto pela Universo dos Livros
>>> Filha da Noite de Marion Zimmer Bradley pela Imago
>>> A Rainha da Dança de Thalia Kalkipsakis pela Fundamento (2005)
>>> Ansiedade Como Enfrentar o Mal do Século de Augusto Cury pela Saraiva (2014)
>>> Ansiedade Como Enfrentar o Mal do Século de Augusto Cury pela Saraiva (2014)
COLUNAS

Terça-feira, 3/8/2021
Poesia como Flânerie, Trilogia de Jovino Machado
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 1100 Acessos



Quando a poesia atual produzida no Brasil não é extremamente intelectualizada, ela parece escrita para freiras. Não é o caso do poeta Jovino Machado. Seu novo livro A Trilogia do Álcool, muito bem editado pela Impressões de Minas (2021), traz um universo para a poesia onde se pode perceber o cheiro do álcool, a luxúria do sexo, os delírios da paixão, o universo das leituras da literatura que o autor consome, as andanças pela vida e pelas cidades e os amores que ele vive.

Um livro tesudo, diria Cazuza, se o pudesse ter lido. Veja-se, por exemplo, o poema “Libriana”: “seu pé lindo/ desfila sob a saia/ não sabe se vai/ se fica/ ou se desespera// dentro da saia rubra/ você rebola/ intensa e trágica// o amor não anda de uber.” Como não se deliciar com as imagens que esse flanêur/voyer/poeta captura e nos devolve em sua poesia?

O único, o verdadeiro soberano das cidades é o flâneur. Jovino faz sua poesia passear por lugares inspiradores como a cidade de Paris e suas personagens. Não deixa de situá-los, no entanto, num cenário “poético” de cinema. É o caso do poema “A bonequinha de luxo”: “a bonequinha de luxo/ bebe vinho na place de clichy/ em montmartre/ não vê as nuvens manchadas de frio/ movendo-se devagar/ como se empurrassem pelo céu acima/ um bando de corvos/ que não podem ser vistos/ no crepúsculo do quartier latin”.

Visitando o universo da literatura, cria poemas ligados a um de seus escritores preferidos, tanto literariamente como biograficamente: James Joyce. (Re)compõe as aventuras do autor com a esposa – a partir das cartas devassas entre ambos – entrando na história como devasso admirador. Daí que surge o seu poema “minha Nora”, do qual reproduzo aqui alguns versos: “eu sujei os lençóis/ com meu rubro sangue/ você vampiro sedento/ molhou as mãos/ na minha vulva encharcada/ e coloriu avermelhando/ as cartas eróticas do irlandês”.

Há uma galera que interessa Jovino Machado. Personagens desviantes, como Henry Miller e Vinicius de Moraes: boêmio libertino amante do álcool o primeiro; um eterno apaixonado pelas mulheres e pelo uísque o segundo. E porque não, as putas Phyryne (cortesã na Grécia antiga) e Verônica (cortesã na Veneza renascentista). Também os mitológicos Dionísio, Baco, Sísifo e Zeus que completam a coleção de referências aos quais o poeta admira e com os quais cria sua poesia.

Beijos, mágoas, perambular pelas ruas, notar as saias das mulheres, entristecer-se e afogar as dores no álcool, beijar e se apaixonar, comungar com os solitários dos botecos, observar as divas durante sua flânerie pela urbe – tudo o que cai na sua vista vira poesia. Como dizia Balzac, a flânerie é "a gastronomia do olho".

Amante da beleza, aliás, das belezas, as define em lírica, tétrica, tristonha, fabulosa, tediosa, cinematográfica, tropical, gelada, iluminada, escaldante, esplendorosa: sejam gaivotas de penhasco, corujas de cemitério, andorinhas de telhado, morcegos da montanha, monstros da floresta, canários de gaiola, dinossauros de cinema, jacarés de pântano, baleias congeladas, vaga-lumes do brejo, ilhas desertas, tórridos desertos, dentre outras enumeradas pelo poeta.

É captando essas imagens, por vezes descuidada dos olhos dos homens normais, que o poeta, esse observador do mundo par excellence, nos reacende o interesse pelo mundo e suas belezas, sejam elas de natureza esplendorosa ou grotesca.



Na sua memória (imaginária ou não) Paris continua “a capital do prazer”, com seus escritores (Henry Miller), pintores (Lautrec), poetas (Rimbaud/Verlaine) e a quantidade maravilhosa de bordéis e putas. E a poesia de Jovino Machado não se furta às estatísticas da permanência secular da admirada devassidão parisiense: “em 1841 havia 2335 bordéis catalogados na cidade luz”, “na segunda metade do século XIX/ paris registrava uma média de uma prostituta para cada duzentos homens”, “paris/ era a capital da devassidão/ no início do século XX”.

Os jograis eróticos, divertidos e sensuais, povoam seus versos. Um ar fresco na poesia – coitada, tão intelectualizada e ascética ultimamente, quando não, pior ainda, ideologizada. Que delicioso poema o que vem a seguir: “amar é/ tirar a calcinha da mulher/ amada// amar é/ não tirar a calcinha da mulher/ armada”. A pausa entre o verso “a calcinha da mulher” e a palavra “amada” que se segue em novo verso é como o tempo lento e prazeroso de descer a calcinha da amada. E o contrapeso no poema com a mulher “armada” na outra estrofe cria o jogral do prazer e sua interdição, também parte do jogo de sedução.

O belo livro de Jovino Machado, A trilogia do álcool, tem também um projeto gráfico excelente, que já é uma fonte de prazer, noturno em sua cor preta na capa, com a foto distorcida do autor (foto embriagada, podemos dizer) e suas divisões com fotos e motivos em arabesco. E, claro, um livro como esse teve que necessariamente ser dedicado à musa do autor, Janaína, e a indicação para ser lido ouvindo Miles Davis. Que assim seja!

Parafraseando Wilhelm Reich, que a poesia de Jovino Machado nos inspire: “a força da criação é a mesma que te habita entre as pernas”.


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 3/8/2021


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Literatura Falada (ou: Ora, direis, ouvir poetas) de Fabio Gomes
02. O Vendedor de Passados de Marilia Mota Silva
03. Apresentação - Luís Fernando Amâncio de Luís Fernando Amâncio
04. Solidão Moderna de Mentor Muniz Neto
05. Necrológico da Biblioteca de Viegas Fernandes da Costa


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2021
01. Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia - 18/5/2021
02. Cem encontros ilustrados de Dirce Waltrick - 20/4/2021
03. Poética e política no Pântano de Dolhnikoff - 23/3/2021
04. Poesia como Flânerie, Trilogia de Jovino Machado - 3/8/2021
05. O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis - 17/8/2021


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Noite de Autógrafos
Reinaldo
Desiderata
(2010)



Muito além da loucura
Marcelo Simões
Geração
(2013)



Empreendedorismo Na Veia
Rogerio Chér
Elsevier
(2014)



Aos Quatro Ventos
Ana Maria Machado
Nova Fronteira
(1993)



Concreto Armado - Eu Te Amo - Vol. 2 - 4ª Edição
Manoel Henrique Campos Botelho & Osvaldemar M. ...
Blucher
(2015)



Complete Cae Students Book Without Answers With Cd Row
Guy Brook Hart and Simon Haines
Cambridge
(2012)



Poesia Visual - Vídeo Poesia - 1ª Edição
Ricardo Araújo
Perspectiva
(2012)



Onde a Religiao Termina?
Marcelo da Luz
Editares
(2011)



Manual de Ioga
Georg Feuerstein
Cultrix
(1975)



Imunizações Em Pediatria Serie Atualizações Pediatricas
Helena Keico Sato e Outros
Atheneu
(2013)





busca | avançada
78907 visitas/dia
2,2 milhões/mês