A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
72073 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Poeta paulista lança “O que habita inabitáveis lugares” abordando as relações humanas durante a pand
>>> Biografias e Microrroteiros do Parque
>>> MONUMENTOS NA ARTE: O OBJETO ESCULTÓRICO E A CRISE ESTÉTICA DA REPRESENTAÇÃO
>>> Cia Triptal faz ensaios abertos para Pedreira das Almas, de Jorge Andrade
>>> Integridade Garantida, peça de Alberto Santoz sobre violência urbana, estreia no Cacilda Becker
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
>>> Uma história da Chilli Beans
>>> Depeche Mode no Kazagastão
Últimos Posts
>>> Mundo Brasil
>>> Anônimos
>>> Eu tu eles
>>> Brasileira muda paisagens de Veneza com exposição
>>> Os inocentes do crepúsculo
>>> Inação
>>> Fuga em concerto
>>> Unindo retalhos
>>> Gente sem direção
>>> Além do ontem
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Quando o virtual cai na real
>>> Um Amor Anarquista
>>> ego shots fazem bem à saúde
>>> Curso de Criação Literária
>>> O Sol é Para Todos
>>> Entrevista com Miguel Sanches Neto
>>> De volta às férias I
>>> Píramo e Tisbe
>>> A Última Ceia de Leonardo da Vinci
>>> O Desprezo de Alberto Moravia e Jean-Luc Godard
Mais Recentes
>>> Almas de lama e de aço de Gustavo Barroso pela Abc (2012)
>>> Civilização E Barbárie N'Os Sertões: Entre Domingo Faustino Sarmiento E Euclides Da Cunha de Miriam V Gárate pela Fapesp (2001)
>>> Herois E Bandidos - Os Cangaceiros Do Nordeste de Gustavo Barroso pela Abc (2012)
>>> O Cabeleira de Franklin Távora pela Abc (2021)
>>> Recados da Vida de Francisco Cândido Xavier - Autores Diversos pela Geem (1983)
>>> O Silêncio das Montanhas de Khaled Hosseini pela Globo Livros (2013)
>>> Novas Mensagens de Francisco Cândido Xavier pela Feb (1987)
>>> Bellini e o Demônio de Tony Bellotto pela Companhia das Letras (1997)
>>> O Problema do Ser, do Destino e da Dor de Léon Denis pela Feb (1999)
>>> Energia Elétrica e Integração na América do Sul de Ligia Maria Martins Cabral pela Centro da Memória da Eletric (2004)
>>> Sylvio Pinto. 55 anos de pintura de José Maria Carneiro pela Rbm (1993)
>>> Jornal Nacional - Modo de Fazer de William Bonner pela Globo (2008)
>>> Design sem Fronteiras: a Relação Entre o Nomadismo e a Sustentabilidade de Lara Leite Barbosa pela Edusp (2012)
>>> Dicionário de sociologia: Guia prático da linguagem sociológica de Allan Johnson pela Jorge Zahar (1997)
>>> Quando fui outro de Fernando Pessoa pela Alfaguara (2006)
>>> Neve de Orhan Pamuk pela Companhia das Letras (2006)
>>> Português Alemão Português Vocabulário Básico de Curso de Idiomas Globo pela Globo (1991)
>>> Os espiões de Luis Fernando Verissimo pela Alfaguara (2009)
>>> Minidicionário Alemão Português Portugues Alemão de Erich Ronald Zwickau pela Edelbra
>>> Dicionário Inglês Português - Português Inglês de Liege Maria de Souza Marucci pela Bicho Esperto (2012)
>>> Morrer de Prazer de Ruy Castro pela Foz (2013)
>>> Ponto de Impacto de Dan Brown pela Sextante (2005)
>>> Par Ou Ímpar - Vivendo a Matemática de José Jakubovic pela Scipione (1992)
>>> The Brothers Karamazov de Fyodor Dostoyevsky pela University of Chicago (1989)
>>> Capítulos de História Colonial 1500-1800 de J. Capistrano de Abreu pela Publifolha (2000)
COLUNAS

Terça-feira, 31/8/2021
A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 1900 Acessos



Ana está toda prosa. Acaba de lançar pela Companhia das Letras o seu novo livro de poemas: Risque esta palavra. É seu terceiro livro de poesia. O primeiro A vida submarina, de 2009, foi lançado pela editora Scriptum, depois, em 2011, publicou Da arte das armadilhas pela Companhia das Letras e, em 2015, saiu pela mesma editora O livro das semelhanças. Um conjunto de poemas, somados todos os livros, bastante significativo. Tendo, além de tudo, boa recepção crítica. E isso não tem nada a ver com o fato de que está havendo uma valorização da literatura produzida por mulheres. Ana Martins Marques é valorizada como a boa poeta que é, como escritora consistente que é. E isso é bom. Para ela e para quem quer ler boa poesia.

A poeta decidiu dividir seu livro em quatro seções, “A porta de saída”, “Postais de alguma parte”, “Noções de linguística” e “Parar de fumar”. Entre as quatro partes do livro há um elemento em comum, que perpassa boa parte dos poemas, que é seu aspecto prosaico. Parece intencional. Como se a poeta, ao mergulhar na essência prosaica da vida cotidiana, quisesse, pela via da prosa, dar à vida o que ela merece. Não que não haja um tom cerebral, que transforma em poesia o cotidiano. Ao contrário, cada fato é pensado como vislumbre do poético e passado na máquina de moer de uma avaliação crítica constante. No entanto há um poema-exemplo dentro do livro que revela a metamorfose para a poesia prosaica desse livro, que é o poema “Prosa (II)”, onde ela comenta o processo de escrita do escritor Roberto Bolaño, nos seguintes termos: “Há quem acredite/ que o autor trocou/ a miséria da poesia/ pela mercadoria da prosa// Ou quem sabe a poesia/ é impossível/ e ele faz o luto do verso/ na linha da prosa (...)”.

O que eu disse acima, o “dar à vida o que ela merece”, talvez seja a cicatriz exposta da poeta e, nesse sentido, por derivação, o fato da poesia mais prosaica fazer bem seu dever, revelando o desajuste que existe entre a palavra e o mundo. No poema “Relâmpagos” isso fica claro como o próprio raio do relâmpago: “Já tive palavras rápidas/ como relâmpagos/ atravessando a pele// o que foi feito das palavras/ que trocamos?// o que foi feito desse ser/ desajustado para o mundo?// o que foi além da cicatriz/ dos relâmpagos?”

Um elemento importante do novo livro de Ana Marques é a conversa dentro dos poemas sobre a questão da linguagem, e isso fica latente no grupo de poemas “Noções de linguística”. Mas não só lá, a problemática da linguagem (metalinguagem) se dá aqui e ali ao longo dos poemas. E o poema de abertura do livro – no qual aparece o verso que dá título ao livro - é já uma conversa franca e dolorosa sobre a eficiência ou não da palavra em dar significado ao mundo: “O que eu encontrei/ um dia após o outro/ não foi uma palavra/ mas uma canoa em chamas// (...) um poema não é mais/ do que uma pedra que grita// risque por favor/ esta palavra”.

Muitos dos poemas podem ser lidos, inclusive, como alegorias da própria poesia, esse ser indecifrável em sua amplitude inesgotável de significados (a arte é a morte de seus pretendentes, eu diria): “É uma alegria haver línguas/ que não entendo/ delas foram varridas/ as lembranças todas// nelas o sentido passa entre as palavras/ como a luz entre as plantas// nelas é sempre a infância: mar, mãe, manhã/ (...)”. O labor do poeta também pode aparecer aqui e ali, em versos que traduzem as cicatrizes do seu ofício: “minhas palavras arruinaram meu corpo”, “alguns poemas/ nos tiram as palavras/ que nos dão”.

Mas, que fique claro, este livro é sobre a vida, a vida sobre o filtro e as cinzas do cigarro-poesia, que se queima na insatisfação do seu fim e no prazer do seu renascimento num novo trago: “ela - a poesia - parece estar de volta// quando menos se espera/ e sem que se tenha a certeza/ de que é mesmo ela”.

O poema que se alimenta da prosa, que veste a pele da prosa, se disfarça ali, mas que continua poesia, um lobo mal à espreita dos ingênuos que serão, a cada insight, comidos nas suas certezas, este poema que parece prosa, e que é prosa sendo também poesia, é a essência do livro Risque esta palavra.

Em “Poema com o som de sua própria fabricação”, Ana Marques nos fala dos vários sons que geram o poema, o som além do “som do caderno se abrindo-se/ o som da caneta seguindo a linha pautada”, também o som dos passos pela cidade, dos carros, do café fervendo na cafeteria, o som das palavras não sendo retiradas das coisas... Aqui fica demarcada a opção por navegar em águas próximas, aquela que o cotidiano fornece, mesmo que haja um veneno no final, uma poluição, "um brilho sujo enquanto o poema vai se fazendo/ tarde demais".

Uma resenha não consegue dar conta de uma grande quantidade de poemas, dos problemas que cada poema produz, ou mesmo que um único verso possa trazer. Como sugere Susan Sontag, no seu ensaio “Contra a interpretação”, nos resta uma relação de pele, erótica, com a poesia, com a arte, uma relação menos cartesiana, que seja mais sensorial, tocada naquele lugar onde a razão não penetra.

O livro de Ana Martins Marques, portanto – “é mais ou menos isso/ mas com outras palavras” - como diz um verso de um poema que se inicia com “você se dá conta”.


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 31/8/2021


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão de Elisa Andrade Buzzo
02. Os Doze Trabalhos de Mónika. 2. O Catolotolo de Heloisa Pait
03. Imprimam - e repensem - suas fotografias de Ana Elisa Ribeiro
04. Um Cântico para Rimbaud, de Lúcia Bettencourt de Jardel Dias Cavalcanti
05. Abdominal terceirizado - a fronteira de Marta Barcellos


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2021
01. Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia - 18/5/2021
02. Cem encontros ilustrados de Dirce Waltrick - 20/4/2021
03. Poética e política no Pântano de Dolhnikoff - 23/3/2021
04. A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques - 31/8/2021
05. O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis - 17/8/2021


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




The Franchise Affair
Josephine Tey
Heinemann



Tenente, onde fica o alegrete?
Boaventura Martins Braga
Marbra
(2012)



Estudos de Pele
Floriano Martins
Lamparina
(2004)



A Epistemologia Genética (1970)
Jean Piaget
Abril Cultural
(1980)



Crises Monetárias
Paul Krugman
Pearson
(2001)



O Clube dos Sete
Marconi Leal
34
(2005)



Gerenciando Vendedores Pit Bulls
Luis Paulo Luppa
Landscape
(2005)



And the winner is... - Os bastidores do Oscar
Emanuel Levy
Trajetória
(1990)
+ frete grátis



Cal Ou Tinta - Qual Profissional Você Quer Ser?
Anderson Tonnera
Elsevier - Alta Books
(2014)



Índia Thiara - Romance Indígena
Lindberg Albuquerque Brito
Região
(2008)





busca | avançada
72073 visitas/dia
1,8 milhão/mês