O Quixote de Will Eisner | Celso A. Uequed Pitol | Digestivo Cultural

busca | avançada
30036 visitas/dia
773 mil/mês
Mais Recentes
>>> Segundas de julho têm sessões extras do espetáculo À Espera
>>> Circo dos Sonhos, do ator Marcos Frota, desembarca no Shopping Metrô Itaquera
>>> Startup brasileira levará pessoas de baixa renda para intercâmbio gratuito fora do país
>>> Filho de suicida, padre lança livro sobre o tema
>>> LANÇAMENTO DO LIVRO "DIALÓGOS DE UM RABINO REFLEXÕES PARA UM MUNDO DE MONÓLOGOS" DE MICHEL SCHLESI
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O dia em que não conheci Chico Buarque
>>> Um Furto
>>> Mais outro cais
>>> A falta que Tom Wolfe fará
>>> O massacre da primavera
>>> Reflexões sobre a Liga Hanseática e a integração
>>> A Fera na Selva, filme de Paulo Betti
>>> Raio-X do imperialismo
>>> Cães, a fúria da pintura de Egas Francisco
>>> O Vendedor de Passados
Colunistas
Últimos Posts
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
>>> Sarau Libertário em BH
Últimos Posts
>>> Sob o mesmo teto
>>> O alívio das vias aéreas
>>> PRESSÁGIOS. E CHAVES II
>>> Honra ao mérito
>>> Em edição 'familiar', João Rock chega à 17ª edição
>>> PATÉTICA
>>> Presságios. E chaves III
>>> Minha história com Philip Roth
>>> Lars Von Trier não foi feito para Cannes
>>> O brasileiro e a controvérsia
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A Erva do Diabo, de Carlos Castaneda
>>> Recordações da casa dos mortos
>>> Viral Loop, de Adam Penenberg
>>> Lauro Machado Coelho
>>> Voltar com ex e café requentado
>>> O Agressor, de Rosário Fusco
>>> Elke Coelho e a estética glacial-conceitual
>>> Como escrever bem - parte 3
>>> Como escrever bem - parte 3
>>> Maria Rezende no Sesc BH
Mais Recentes
>>> Apontamentos para a História da Revolução Rio-grandense de 1893
>>> Einstein Apaixonado + Um romance científico
>>> Leonardo, o primeiro cientista
>>> Envie Meu Dicionário + Cartas e Alguma Crítica
>>> O Segredo de Guilherme Storitz
>>> A selva do dinheiro + Histórias clássicas do inferno econômico
>>> Oscarito Nosso Oscar de Ouro
>>> A Nudez da Verdade
>>> Emoções em Prosa e Verso
>>> A Telessaúde no Brasil e a Inovação Tcnológica na Atenção ...
>>> O Pagador de Promessas
>>> O Caçador das Bolachas Perdidas
>>> Juizado Especial: Criação Instalação, Funcionamento e a ...
>>> Meu Querido Canibal
>>> Anjo de Quatro Patas
>>> Vencendo Aflições, Alcançando Milagres
>>> Eles Pedem em Casamento, Elas Pedem o Divórcio
>>> Procurando Firme
>>> Ensino Holístico da Medicina
>>> Depressão e Autoconhecimento: Como Extrair Preciosas Lições ...
>>> Utopia?
>>> Resistência: a História de uma Mulher Que Desafiou Hitler
>>> Uma Herença Preciosa
>>> Prazer uma Abordagem Criativa da Vida
>>> O Retorno Financeiro de Programas de Promoção da Segurança, ...
>>> Confissão de uma Harpista
>>> Os Mestres de Gurdjieff
>>> Proposta para uma Graduação Médica Contemporânea
>>> O Tao da Física
>>> O Santeiro do Mangue e Outros Poemas
>>> Português para Concursos
>>> Bola na Rede: a Batalha do Bi
>>> Paulo Francis Polemista Profissional
>>> Fisiologia e Fisiopatologia do Hormônio de Crescimento
>>> Ser Médico no Brasil - o Presente no Passado
>>> Padre Severino da Pessoa ao Instituto
>>> Micropoderes Macroviolencias
>>> Educação e Tecnologias no Brasil
>>> Cultura e Tecnologias no Brasil
>>> Hupe - Série Rotinas Hospitalares Pediatria 2 Volumes
>>> A Exposição Oral nos Anos Iniciais do Ensino Fundamental - Vol. 3
>>> O Reverso da Logística e as Questões Ambientais no Brasil
>>> Gestão Financeira de Fundos de Pensão
>>> Águias Terrestres - uma Missão Planetária
>>> Homem de Montana
>>> Freud - Pensamento Vivo
>>> Manuelzão e Miguilim
>>> O Poder dos Pêndulos
>>> Confesso Que Vivi
>>> Em Cantos do Ser
COLUNAS

Terça-feira, 20/9/2016
O Quixote de Will Eisner
Celso A. Uequed Pitol

+ de 1500 Acessos

Sobre “Dom Quixote de La Mancha”, de Miguel de Cervantes, já se debruçaram cineastas, pintores, desenhistas, músicos e muito mais. No campo dos quadrinhos, coube a Will Eisner, autor do clássico personagem “The Spirit”, elaborar a versão em arte sequencial – para muitos, a versão definitiva em arte sequencial – da história do Cavaleiro da Triste Figura. Falamos aqui de “O Último cavaleiro andante” (Editora Companhia das Letras, tradução de Carlos Sussekind).

Publicada em 1999, “O Último cavaleiro andante” tem 27 páginas e inscreve-se entre as últimas produções de Eisner, nascido em 1917, em Nova York, e morto em 2005, na mesma cidade. Àquela altura, o autor já havia publicado algumas de suas mais celebradas obras, como “Um Contrato com Deus”, que muitos consideram a primeira graphic novel de todos os tempos. Já era, portanto, um conhecido e admirado quadrinista “sério” – alguém capaz de adaptar um clássico da literatura para o formato das HQs.

No entanto, uma primeira mirada nos daria a impressão de que Eisner não tinha tanta confiança na autonomia de sua obra em relação ao clássico. O título original de “O último cavaleiro andante”, de Will Eisner, é revelador das intenções que seu autor tinha ao escrevê-lo: “An introduction to Don Quixote by Miguel de Cervantes”. Uma introdução, portanto, ao texto original, que deveria ser devidamente lido após o fruir da história em quadrinhos. Eisner parecia preocupado em preparar o terreno para o leitor jovem encarar o grosso volume de Cervantes, e nada além disso. Conforme veremos, há uma boa razão para crer que as coisas não são bem assim.

A narrativa da obra fica a cargo por Sancho Pança, o fiel escudeiro do Cavaleiro da Triste Figura, na altura já velho e contando histórias do seu tempo de juventude. O início coincide com o da obra original: em algum lugar de La Mancha vive um fidalgo chamado Alonso Quijana que é particularmente afeiçoado aos livros de cavalaria. De tanto lê-los, Alonso acaba acreditando nos ideais dos cavaleiros ali descritos e resolve por bem armar-se em um: toma uma armadura de seu bisavô, uma lança, um cavalo – ao qual batiza de Rocinante – e sai pelo mundo em busca de aventuras, lutando em prol dos necessitados, dos desvalidos, das donzelas e da honra.

A partir daí surgem algumas divergências entre a obra de Eisner e a original: para compor a HQ, foram escolhidos episódios particularmente rocambolescos da obra original, aqueles que mais deixam explícita a distância entre o sonho de Alonso Quijano e o mundo real: o capítulo da taverna que Quixote considera ser um castelo; o do menino açoitado, que ele pensa ter libertado; o da libertação dos presos, que “agradecem” agredindo-o; o da luta contra os moinhos de vento, que ele imagina serem gigantes; e assim por diante, até o fim da narrativa.

Lá pelas tantas, um diálogo entre Quixote e Sancho explicita as convicções do cavaleiro. O escudeiro pergunta-lhe o que são os ideais da cavalaria e como poderia explicá-los. Quixote afirma que o importante de tudo é acreditar: ele, Alonso Quijana, acredita que é um cavaleiro; logo é um cavaleiro, o grande Dom Quixote de La Mancha. De início, Sancho, o representante do bom senso e da sabedoria prática, acha aquilo sem sentido. Aos poucos, contudo, passará a participar do sonho do cavaleiro.

A narrativa, focada nos episódios que apontamos anteriormente, segue até o momento em que Alonso Quijana volta a si. É o momento em que deixa de ser Dom Quixote e transforma-se, novamente, no velho Alonso Quijano. Dá-se conta de que viveu um delírio – e nem os pedidos de Sancho Pança ao pé de sua cama para que volte a sonhar o fazem mudar de ideia.

No final da obra, uma inovação: surge o escritor Miguel de Cervantes com uma espada na mão e proclama: “eu o armo Dom Quixote para sempre!” E a história termina. Esta cena não consta na obra original: no último capítulo do “Dom Quixote” de Cervantes, a morte de Quijana serve para o autor tecer uma consideração crítica sobre a leitura das obras de cavalaria e dos delírios que ela acarretaria em seus aficcionados, que tenderiam a enlouquecer tal como o Quixote. A amargura cervantina, a ironia usada para descrever as ações e o fim de Dom Quixote, a crítica aos livros de cavalaria, aqui se transforma numa celebração ao sonho: em vez de ver no Quixote um homem adoentado pela leitura de obras fantasiosas e delirantes, Eisner o coloca como um mestre dos sonhadores de todos os tempos, digno de ser celebrado pela memória coletiva (na boca de Sancho, homem simples e rude do povo) e pela cultura “letrada” (representada por Cervantes), que imortalizarão o sonho e a utopia do Cavaleiro da Triste Figura.

Por isso, não me parece correto interpretar a adaptação de Eisner como mera “introdução”. Vejo “O último cavaleiro andante” como obra plena.

A beleza do traço de Eisner, com sua incomparável capacidade de dar expressão e vida às personagens, é um ponto à parte: os sonhos quixotescos são particularmente vívidos quando retratados a partir de sua pena. Quanto à narrativa, o procedimento de reduzir episódios foi correto tendo em vista o objetivo da obra: ela ficaria demasiado grande para o formato de arte sequencial .

Importante ressaltar o ano de lançamento de “O último cavaleiro andante”: foi em 1999 – dez anos após o fim do socialismo de Estado, desapontando milhões mundo afora. Era também o auge do discurso de fim da História, do neoliberalismo, dos “órfãos das utopias”, para usar a expressão de Ernildo Stein. Assim como o Quixote original aponta os últimos dias do romance de cavalaria, o Quixote de Eisner surge num contexto em que ninguém tem mais expectativas quanto ao futuro. Nos dois casos, o cavaleiro da Triste Figura percorre caminhos que já ninguém quer percorrer.


Celso A. Uequed Pitol
Canoas, 20/9/2016


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O massacre da primavera de Renato Alessandro dos Santos
02. Sebastião Rodrigues Maia, ou Maia, Tim Maia de Renato Alessandro dos Santos
03. Corot em exposição de Jardel Dias Cavalcanti
04. Minha plantinha de estimação de Elisa Andrade Buzzo
05. Uma suposta I.C. de Elisa Andrade Buzzo


Mais Celso A. Uequed Pitol
Mais Acessadas de Celso A. Uequed Pitol em 2016
01. Sarkozy e o privilégio de ser francês - 14/6/2016
02. 80 anos de Alfredo Zitarrosa - 10/5/2016
03. 'As vantagens do pessimismo', de Roger Scruton - 12/4/2016
04. A coerência de Mauricio Macri - 12/1/2016
05. Lembrança de Plínio Zalewski - 8/11/2016


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ANTÔNIA - AUTOGRAFADO
ALEXANDRE SALEM SZKLO
SETTE LETRAS
(1996)
R$ 12,00



AMOR & CIA. LTDA. - PASCHOAL MELANTÔNIO (LITERATURA BRASILEIRA)
PASCHOAL MELANTÔNIO
PRVDENTIA
(1970)
R$ 8,00



TERRAS E POVOS MISTERIOSOS
JIM HICKS
ABRIL LIVROS
(1995)
R$ 10,00



INTRODUÇÃO À INFORMÁTICA - VOLUME ÚNICO
MAURÍCIO KISCHNHEVSKY / OTTON TEIXEIRA
FAPERJCEDERJ
(2005)
R$ 15,90



UMA CURVA NO TEMPO
DANI ATKINS
ARQUEIRO
(2015)
R$ 8,30



O AMERICANO TRANQUILO
GRAHAM GREENE
ABRIL
(1981)
R$ 8,00



O ENFORCADO DE SAINT - PHOLIEN
SIMENON
COMPANHIA DAS LETRAS
(2018)
R$ 10,00



THE NEW EIGHTEENTH-CENTURY STYLE HARDCOVER - DECEMBER 1, 2006
BY MICHELE LALANDE (AUTHOR),‎ GILLES TRILLARD (PHOTOGRAPHER),‎ LAUREL HIRSCH (TRANSLATOR) 4.0 OUT OF 5 STARS 16 CUSTOMER REVIEWS
EUROPA
(2018)
R$ 120,00



FARDA FARDÃO CAMISOLA DE DORMIR
JORGE AMADO
RECORD
(1979)
R$ 8,99



A PESQUISA EM ARTE
SILVIO ZAMBONI
AUTORES ASSOCIADOS
(2002)
R$ 21,00





busca | avançada
30036 visitas/dia
773 mil/mês