80 anos de Alfredo Zitarrosa | Celso A. Uequed Pitol | Digestivo Cultural

busca | avançada
55418 visitas/dia
1,9 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Abertas as Inscrições para a Oficina Conteúdo Audiovisual Infantil e Infantojuvenil
>>> Lançamento da Ubook, 'Desditas Cariocas' traz contos inspirados nas temáticas rodriguianas
>>> Balé de repertório, D. Quixote estará no Teatro Alfa dia 27/1
>>> Show de Zé Guilherme no Teatro da Rotina marca lançamento do EP ZÉ
>>> Baianas da Vai-Vai são convidadas de roda de conversa no Teatro do Incêndio
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Olavo de Carvalho (1947-2022)
>>> Maradona, a série
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
Colunistas
Últimos Posts
>>> O melhor da Deutsche Grammophon em 2021
>>> A história de Claudio Galeazzi
>>> Naval, Dixon e Ferriss sobre a Web3
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
Últimos Posts
>>> Brega Night Dance Club e o afrofuturismo amazônico
>>> Fazer o que?
>>> Olhar para longe
>>> Talvez assim
>>> Subversão da alma
>>> Bons e Maus
>>> Sempre há uma próxima vez
>>> Iguais sempre
>>> Entre outros
>>> Corpo e alma
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A indigência do rock e a volta dos dinossauros
>>> A terra das oportunidades
>>> Acordo Internetês Ortográfico
>>> Trágico e Cômico, o livro, de Diogo Salles
>>> Equipe econômica
>>> Literatura Falada (ou: Ora, direis, ouvir poetas)
>>> Jornais: conteúdo pago?
>>> Assum Preto, Me Responde?
>>> Assum Preto, Me Responde?
>>> Noturno para os notívagos
Mais Recentes
>>> Superdicas para Empreender Seu Próprio Negócio de Ruy Leal pela Saraiva (2008)
>>> Paulo o 13º Apóstolo de Ernest Renan pela Martin Claret (2008)
>>> Cadenos Puc 11- Psicologia - Reflexões sobre a Psicologia de Pontificia Universidade Católica pela Cortez (2000)
>>> Era dos Extremos - O breve século XX 1914-1991 de Eric Hobsbawm pela Companhia Das Letras (1996)
>>> O Livro dos Médius de Allan Kardec pela Lake (2007)
>>> O Homem no Cotidiano - Alicerce do Paraíso de Meishu-sama pela Fundação Mokiti Okada (2010)
>>> O Racismo na História do Brasil - Mito e Realidade - Coleção História em Movimento de Maria Luiza Tucci Caneiro pela Ática (2003)
>>> Sobrevivente - Edição Slim de Chuck Palahniuk pela Leya (2020)
>>> O Reencontro de uma Família de Adriana Gumz pela Educarte (1998)
>>> A Ditadura Acabada de Elio Gaspari pela Intrinseca (2016)
>>> Memórias do Trabalho: depoimentos sobre profissões em extinção de Luiz A. Egypto de Cerqueira pela Confederação Nacional dos Metalúrgicos (1999)
>>> Quem esta escondido? - Estegossauro de Susie Brooks pela Ciranda Cultural (2017)
>>> A Mesa do Mestre-Cervejeiro - Descobrindo os prazeres das cervejas e das comidas verdadeiras de Garrett Oliver pela Senac (2012)
>>> Mistérios de Lygia Fagundes Telles pela Nova Fronteira (1981)
>>> Jesus, O Maior Psicólogo Que Já Existiu de Mark W. Baker pela Sextante (2009)
>>> A Cabana de William P. Young pela Arqueiro (2012)
>>> Como Calar o Acusador de David Alsobrook pela Atos (2010)
>>> A Mágica de Pensar Grande de David J. Schwartz pela Pro Net (1996)
>>> Eu escolho ser Feliz de Susana Naspolini pela Agir (2019)
>>> Eneida (Capa dura) de Virgílio pela Nova Cultural (2003)
>>> Windows on the World de Frédéric Beigbeder pela Record (2005)
>>> A Linguagem das Cores de René-Lucien Rousseau pela Pensamento (1991)
>>> As Sete Chaves da Cura pela Cor de Roland Hunt pela Pensamento (1993)
>>> Renovando Atitudes de Francisco do Espirito Santo Neto pela Boa Nova (1997)
>>> Anjos e Demônios de Dan BrownS pela Sextante (2009)
COLUNAS

Terça-feira, 10/5/2016
80 anos de Alfredo Zitarrosa
Celso A. Uequed Pitol

+ de 4500 Acessos

Neste ano de 2016 - mais precisamente, no dia 16 de março - o cantor e compositor uruguaio Alfredo Zitarrosa completaria 80 anos.

Ao contrário do que acontece a muitos cantores, este montevideano criado nos pampas uruguaios descobriu-se músico um pouco tarde: sua estréia foi no Peru, em 1963, onde apresentou-se em um programa de televisão. Até então, Zitarrosa era radialista, escritor – ganhou um prêmio pelo livro “Explicaciones”, de 1959, que entretanto jamais foi publicado – e jornalista do mítico semanário uruguaio “Marcha”, um dos melhores jornais independentes deste continente. A apresentação, que só ocorreu por insistência de um amigo, foi um sucesso e deu início uma carreira cheia de êxitos, que nem exílio forçado pela ditadura uruguaia (à qual se opunha) e o banimento de suas músicas das rádios puderam impedir: canções como “Candombe del olvido“, “Guitarra negra” e “El violín de Becho” são conhecidas em toda a América e fazem parte de qualquer seleção do melhor cancioneiro latinoamericano do século passado. Em 1984, voltou ao seu país, e uma multidão lotou as ruas da rambla montevideana para recebê-lo. Cinco anos depois sofre um infarto, que o vitimará em poucas horas.

Um de seus amigos, o poeta Washington Benavides, definiu-o certa vez como “um homem renascentista, atento a tudo aquilo que pode mudar uma vida”. Uma mirada por sua obra dá mesmo essa impressão: ela compreende seus quarenta discos, gravados entre 1965 e 1988; seus ensaios filosóficos e artísticos, reunidos no volume “El ofício del cantor”; e seus contos, presentes em “Fábulas materialistas”. Foi publicada também uma seleção de suas reportagens e artigos em “Marcha”, onde podemos encontrar uma memorável entrevista com o escritor uruguaio Juan Carlos Onetti. Lá pelas tantas, o então jovem Zitarrosa pergunta ao autor de “O Poço”, não sem certa petulância, porque achava que era tão famoso. Ao que Onetti lhe respondeu:

“Porque la fama es puro cuento”.

O caso do próprio Zitarrosa viria a invalidar esta regra.

E, para citar outro que a invalida, deixamos aqui um candombe de Zitarrosa em homenagem a Garrincha, gravada em 1987:

https://www.youtube.com/watch?v=B48AruPfEtA

Lo lleva atado al pie, como una luna atada al flanco de un jinete,
lo juega sin saber que juega el sentimiento de una muchedumbre,
y le pega tan suave, tan corto, tan bello,
que el balón es palomo de comba en el vuelo,
y lo toca tan justo, tan leve, tan quedo,
que lo limpia de barro y lo cuelga del cielo,
¡y se estremece la gente, y lo ovaciona la gente!

Lo lleva unido al pie, como un equilibrista unido va a la muerte,
lo esconde –no se ve–, le infunde magia y vida y luego lo devuelve,
y se escapa, lo engaña, lo deja, lo quiere,
y el balón le persigue, le cela, le hiere,
y se juntan y danzan y grita la gente,
y se abrazan y ruedan por entre las redes,
¡y se estremece la gente, y lo ovaciona la gente!

¿Quién se llevó de pronto la multitud?
¿Quién le robó de pronto la juventud?
¿Quién le quitó de un golpe el hechizo mágico del balón?
¿Quién le enredó en la sombra la pierna, el flanco y el corazón?
¿Quién le llenó su copa en la soledad?
¿Quién lo empujó de golpe a la realidad?
¿Quién lo volvió al suburbio penoso y turbio de la niñez?
¿Quién le gritó en la cara: –Usted no es nada, ya no es usted?
Ya no es usted, señor, ya no es usted.*

El último balón lo para con el pecho y junto al pie lo duerme,
lo mira y sólo ve cenizas del amor que estremeció a la gente,
y lo pierde en la hierba, lo deja, lo olvida,
no lo quiere, le teme, no puede, no atina,
y se siente de nuevo enterrado en la vida,
y el balón se le escapa entre insultos y risas,
¡y se enfurece la gente, y le abuchea la gente!

¿Quién se llevó de pronto la multitud?
¿Quién le robó de pronto la juventud?
¿Quién le quitó de un golpe el hechizo mágico del balón?
¿Quién le enredó en la sombra la pierna, el flanco y el corazón?
¿Quién le llenó su copa en la soledad?
¿Quién lo empujó de golpe a la realidad?
¿Quién lo volvió al suburbio penoso y turbio de la niñez?
¿Quién le gritó en la cara: –Usted no es nada, ya no es usted?

Ya no es usted señor, ya no es usted…


Celso A. Uequed Pitol
Canoas, 10/5/2016


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Os Doze Trabalhos de Mónika. 10. O Gerador de Luz de Heloisa Pait
02. O Que Podemos Desejar; ou: 'Hope' de Duanne Ribeiro
03. Srta Peregrine e suas crianças peculiares de Ricardo de Mattos
04. Diálogos no Escuro de Heloisa Pait
05. Sarkozy e o privilégio de ser francês de Celso A. Uequed Pitol


Mais Celso A. Uequed Pitol
Mais Acessadas de Celso A. Uequed Pitol em 2016
01. 'As vantagens do pessimismo', de Roger Scruton - 12/4/2016
02. 80 anos de Alfredo Zitarrosa - 10/5/2016
03. 'A Imaginação Liberal', de Lionel Trilling - 8/3/2016
04. Sarkozy e o privilégio de ser francês - 14/6/2016
05. A coerência de Mauricio Macri - 12/1/2016


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Amores Possíveis
Paulo Halm
Objetiva
(2001)



O Menino Que Acordou o Rio
Claudia Lins
Cortez
(2012)



Folhetins: A semana Lírica - Martins Pena
Martins Pena
Mec/Inl
(1965)



Illustrated Young Readers English Dictionary
John Grisewood
Nova Fronteira
(1988)



Crescer Em Comunhão - Pela Força do Espírito Santo Volume V
Pe. José Geeurickx e Outros
Vozes
(1982)



Ven Espiritu Santo Renueva Toda La Creacion
Emilio Castro
La Aurora
(1990)



Pequena Abelha
Chris Cleave
Intrinseca
(2010)



Ser Mãe
Miraglia Orlandino Micheletti
Círculo do Livro
(1975)



O avesso do retrato
Angela Dutra de Menezes
Record
(1999)



Escola da Fama - Alcancando as Estrelas
Cindy Jefferies
Ciranda Cultural
(2009)





busca | avançada
55418 visitas/dia
1,9 milhão/mês