A língua da comida | Daniela Sandler | Digestivo Cultural

busca | avançada
50856 visitas/dia
2,3 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Prêmio AF de Arte Contemporânea abre inscrições para a edição comemorativa de 10 anos
>>> Inscrições abertas para o Prêmio LOBA Festival: objetivo é fomentar o protagonismo de escritoras
>>> 7ª edição do Fest Rio Judaico acontece no domingo (16 de junho)
>>> Instituto SYN realiza 4ª edição da campanha de arrecadação de agasalhos no RJ
>>> O futuro da inteligência artificial: romance do escritor paranaense Roger Dörl, radicado em Brasília
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pulsão Oblómov
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jensen Huang, da Nvidia, na Computex
>>> André Barcinski no YouTube
>>> Inteligência Artificial Física
>>> Rodrigão Campos e a dura realidade do mercado
>>> Comfortably Numb por Jéssica di Falchi
>>> Scott Galloway e as Previsões para 2024
>>> O novo GPT-4o
>>> Scott Galloway sobre o futuro dos jovens (2024)
>>> Fernando Ulrich e O Economista Sincero (2024)
>>> The Piper's Call de David Gilmour (2024)
Últimos Posts
>>> O mais longo dos dias, 80 anos do Dia D
>>> Paes Loureiro, poesia é quando a linguagem sonha
>>> O Cachorro e a maleta
>>> A ESTAGIÁRIA
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Da Poesia Na Música de Vivaldi
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Construção de um sonho
>>> Quem é mesmo massa de manobra?
>>> A crise dos 28
>>> Snoop Dogg - Ups & Downs
>>> Leitura vertical e leitura horizontal
>>> Cameron Frye: o rapaz que se cansou de sentir medo
>>> O delfim, de José Cardoso Pires
>>> The best is yet to come
Mais Recentes
>>> Livro Literatura Estrangeira Moby Dick Volume 43 de Herman Melville pela Abril (1972)
>>> Livro História do Brasil Ipiranga Apropriado - Ciência, Política e Poder O Museu Paulista 1893-1922 de Ana Maria De Alencar Alves pela Humanitas, Usp (2001)
>>> Livro Poesia Lira dos Vinte Anos Edição de Bolso Volume 118 de Álvares de Azevedo pela L&pm Pocket (1988)
>>> Livro Literatura Estrangeira Germinal Volume 36 de Emile Zola pela Abril (1972)
>>> Livro História do Brasil Advogado Dos Escravos de Nelson Câmara pela Lettera.doc (2010)
>>> Livro Literatura Estrangeira 24 Horas na Vida de Uma Mulher Edição de Bolso de Stefan Zweig pela L&pm Pocket (2007)
>>> Livro Literatura Estrangeira Jogos Vorazes Volume 1 de Suzanne Collins pela Rocco Jovens Leitores (2010)
>>> Livro Ciência Política Corações Vermelhos - Os Comunistas Brasileiros No Século XX de Antonio Carlos Mazzeo, Maria Izabel Lagoa pela Cortez (2003)
>>> Livro Literatura Brasileira O Que é Trabalho Edição de Bolso Coleção Primeiros Passos Volume 171 de Suzana Albornoz pela Brasiliense (1986)
>>> Livro História Geral Os Jogos das Trocas Volume 2 Coleção Civilização Material de Fernand Braudel pela Martins Fontes (1996)
>>> Livro História do Brasil História das Lutas dos Trabalhadores no Brasil de Vito Giannotti pela Mauad X, Npc (2007)
>>> Livro Ciência Política Diplomacia de Henry Kissinger pela Francisco Alves (1994)
>>> Livro Artes Paisagens Urbanas de Nelson Brissac Peixoto pela Marca D'água, Senac São Paulo (1996)
>>> Livro Religião A Gênese Os Milagres e as Predições Segundo o Espiritismo Edição de Bolso de Allan Kardec pela Feb (1999)
>>> Livro Economia O Capital No Seculo XXI de Thomas Piketty pela Intrinseca (2014)
>>> Livro Sociologia Cultura e Democracia de Marilena Chaui pela Moderna (1980)
>>> Livro História Geral Oliver Cromwell Uma Vida de Antonia Fraser pela Record (2000)
>>> Livro Moda 101 Lições Que Aprendi na Escola de Moda de Matthew Frederick e Alfredo Cabrera pela Gg Brasil (2014)
>>> Livro Esoterismo A Cabala Desvendada de Temporator Escriba pela Rosa Cruz (1992)
>>> Livro Sociologia Sociedade Brasileira Uma História Através Dos Movimentos Sociais de Various pela Record (2000)
>>> Blue Dragon - Secret Trick de Ami Shibata pela Jbc (2006)
>>> Livro História Geral História Concisa da Semiótica Edição de Bolso Coleção na Ponta da Língua Volume 9 de Anne Hénault pela Parábola (2006)
>>> Livro Literatura Estrangeira Fernão Capelo Gaivota de Richard Bach pela Record (2014)
>>> Livro História do Brasil Cangaceiros de Elise Jasmin pela Terceiro Nome (2006)
>>> Soul Love. A Noite O Ceu E Perfeito! de Lynda Waterhouse pela Melhoramentos (2006)
COLUNAS >>> Especial Gastronomia

Terça-feira, 29/5/2001
A língua da comida
Daniela Sandler
+ de 9400 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Jantar às seis da tarde? Era o final do verão, o sol brilhando, meu lanche ainda no estômago, e meus amigos norte-americanos iam comemorar um aniversário jantando às seis da tarde. Fora a minha surpresa, não tinha nada de anormal. As pessoas aqui nos Estados Unidos não só jantam à tarde, ainda por cima chamam "tarde" de "noite". Passou das cinco, anoiteceu - ainda que seja um longo dia de verão e o sol se ponha às nove.

Não é só na hora da janta que os americanos comem diferente, embora o império do McDonald's nos faça crer que a gente é igual. Não é. Começa no café: café não, chafé. Pense no café mais fraco que você já bebeu. Acrescente ainda mais água. O resultado é o que eles chamam de café. Mas aí eles enchem um copo gigante e acabam bebendo tanta ou mais cafeína quanto a gente no nosso cafezinho - com a diferença de que colocam litros de leite, creme e açúcar. Claro, para compensar a sem-gracice da bebida original…

Almoço aqui, fazendo jus ao som da palavra inglesa - lunch -, é isso mesmo, apenas um lanche. Um sanduíche, uma salada ou uma caneca de sopa - comida que se engole depressa, em geral fazendo outra coisa. Refeição completa, quente, com vários pratos postos na mesa, só no jantar (aquele das seis da tarde). Quanto ao que eles chamam de lanche (snack), é o que se come lá pelas nove ou dez da noite, quando bate a fome horas depois do jantar.

Falando em jantar, muita gente aqui cresce bebendo leite junto com o bife e o purê de batatas. Em vez de suco, água ou coca, copos de leite gelado para enxaguar o macaroni and cheese (macarrão curtinho com molho de queijo gratinado. Molinho, cremoso, com o gosto fácil do queijo, é uma das "comidas d'alma" dos EUA).

Não me entendam errado - há gourmets nos Estados Unidos. Não vou nem falar de São Francisco, Chicago ou Nova York, metrópoles cheias de restaurantes estrelados e chefes-estrela. Falo, por exemplo, de haver cinco ou seis revistas de culinária gourmet - tipo as nossas duas (Gula e Sabor), só que com o dobro de páginas e de mercado… Falo dos chefes-celebridade, como Emeril Lagasse, que tem show na TV e linha de panelas com seu nome; da indústria de turismo para gourmands; da moda dos farmers markets (nada mais que a nossa feira-livre, que aqui é chique, já que os hipermercados tinham quase enterrado essa forma de comércio). Alain Ducasse, o chefe francês que cobra US$ 200 por um almoço em seu restaurante em Nova York, já inclui queijos norte-americanos em seu menu, tão boa é sua qualidade. Fora a gama alaranjada de cheddars envelhecidos, queijo típico do país, alguns artesãos produzem uma variedade enorme de queijos de cabra que não ficam nada a dever aos franceses - com impressionantes cascas de mofo coloridas, interiores de todas as consistências, e até um queijo em que a massa firme é separada da casca por uma camada de queijo quase líquido.

Eu sempre tenho a impressão de que tendências culturais muito intensas são como uma reação a tendências opostas, tão intensas quanto, na mesma sociedade. Os americanos podem estar bailando com seus chinois e mandolins, mas quando vou ao cineplex eu vejo mesmo é os baldes de pipoca amarela e os jarros de coca-cola - e a fileira de cadeiras especiais, duplas, para acomodar as pessoas obesas. Não canso de ouvir o espanto de amigos que estiveram no país: como as pessoas são gordas! Como tem gordo!

Tem mesmo muito gordo. E é um tipo de gordo diferente: muuuito gordo, de uma gordura flácida, flutuante (um amigo diz que parecem pessoas feitas de geléia). Pudera: um mero muffin, que eles comem de lanche como a gente come um pedaço de bolo de cenoura, mais parece o bolo inteiro. O bagel, que é para eles como o pão-de-queijo é para a gente, é um pão em forma de rosca, massudo e pesado, com umas 300 calorias (mas eles sempre passam cream-cheese, então fica mais calórico). Quando vim morar aqui, os cookies tinham o tamanho de um CD, que para mim já era enorme. Hoje em dia, os cookies têm o diâmetro de uma mini-pizza! Ontem vi na TV um lugar que vende hambúrgueres do tamanho de um bolo de noiva: dois quilos de carne, meio quilo de alface, um lago de maionese e dois pães gigantescos. Se você comer tudo em menos de uma hora, o hambúrguer é por conta da casa.

Até as laranjas e as cebolas são agigantadas. A gente liga a TV e é bombardeado com propaganda de comida (quando não é propaganda de carro). Comerciais de doces, congelados, restaurantes - não só de McDonald's. Transformaram tudo em McDonald's. Os subúrbios estão tomados por redes de restaurantes de várias especialidades - Olive Garden (italiano), Red Lobster (frutos do mar), Olé! (Tex Mex), Applebee's (americano). O restaurante de rede padroniza culinárias populares; faz comida com cara apetitosa, caseira, até mesmo com toque gourmet (basta pôr vinagre balsâmico), de preço barato e sabor inofensivo. Não há sustos quando há homogeneidade. Pelo país inteiro, espalham os mesmos letreiros, ambientes e cestas de pão de alho.

Outro dia fui a um restaurante (não de rede) e vi pela primeira vez pizzas de verdade nos EUA: assadas no forno a lenha, massa fina, recheios delicados. Nada daquele pão grosso e aerado, cheio de óleo e queijo, vendido pela Pizza Hut. Disse aos meus amigos que, finalmente, via pizza como se deve neste país.

Uma me chamou de esnobe. O outro tirou sarro: "São Paulo não é exatamente conhecida por suas pizzas…" (Gente, ninguém aqui sabe que São Paulo tem uma das melhores pizzas do mundo. Preciso trazer esses gringos para uma imersão no domingo paulistano.) Mas eu dei a prova final de nossa superioridade: a Pizza Hut não pegou no Brasil! Quase faliu! Por aqui, no entanto, Pizza Hut e congêneres são a regra (e pizza de forno a lenha, a exceção). Qualquer biboca que vende pizza na esquina faz a mesma massaroca da Pizza Hut (em São Paulo, a biboca da esquina faz pizza decente - incluindo a pizza de padaria, de forno a gás. Quem já foi à paulistana Venite sabe…).

Mas eu me divirto. Uma amiga torceu o nariz quando contei que a gente come goiabada com queijo. "Cheese? Yuck!" ("yuck" = eca). Ora! Sabem qual o acompanhamento tradicional do peru assado no dia de Ação de Graças? Batata-doce amassada servida com pedacinhos de marshmallow, abóbora assada com açúcar mascavo, além de um molho que consiste em geléia de groselha. (Provei tudo isso e gostei.)

Outro dia uma amiga me contou que o sabor de infância para ela é sanduíche de manteiga de amendoim com geléia - o alimento infantil padrão daqui. Por que raios alguém inventou a combinação específica de pão, creme de amendoim e geléia (de uva, de preferência)??? Disseram-me que a manteiga de amendoim dá sustância, mas é muito seca - aí entra a geléia, para dar umidade e um gostinho. Meu gosto de infância é um sanduichinho de pão seven boys, com a casca marrom esfarelenta e doce, mostrando o amarelo e o rosa das fatias dobradas de queijo e presunto. Acho que já sei a primeira coisa que vou comer quando chegar em São Paulo nas próximas férias.

* * *

Pus o paladar norte-americano à prova com comidas brasileiras um par de vezes. Primeiro foram as apostas seguras: pão-de-queijo e brigadeiro. O pão-de-queijo, ou cheese ball, foi sucesso total. Gostaram do brigadeiro, mas acharam um pouco doce demais. (Tenho uns amigos brasileiros que vivem reclamando que os doces norte-americanos não são doces o suficiente.) Depois fiz caipirinha - nem preciso dizer que foi um hit. Alguns já conheciam o drinque poderoso, que fez diversas vítimas (uma canadense ficou traumatizada). Também ofereci coisas prontas: sonho-de-valsa (não impressionou muito); paçoca (ganhou alguns fãs); chá mate (todo mundo adorou). Por fim, na semana passada, o maior desafio: fiz moqueca de peixe. Com todos os acompanhamentos: pirão, farofa e arroz à brasileira (refogado). Só não tive coragem de pôr azeite-de-dendê (depois alguém me processava por indigestão…), então ficou sendo uma espécie de moqueca capixaba. Foi a apoteose. Lembro-me de rostos em deleite, exclamando: "obrigado! Nunca provei um peixe tão bom!". O pirão, cuja aparência não inspirou confiança no começo, foi um dos preferidos. O pessoal está até hoje falando nos pratos brasileiros (falando em termos, porque ninguém conseguiu aprender a dizer "moqueca"… Mas quem precisa saber os nomes quando se tem boca e barriga vazia?)


Daniela Sandler
Rochester, 29/5/2001

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Meus Livros de Spacca
02. Pouca gente sabe de Rafael Lima


Mais Daniela Sandler
Mais Acessadas de Daniela Sandler em 2001
01. O primeiro Show do Milhão a gente nunca esquece - 8/8/2001
02. Quiche e Thanksgiving - 21/11/2001
03. A língua da comida - 29/5/2001
04. Notícias do fim-do-mundo - 24/10/2001
05. Mas isso é arte??? - 29/8/2001


Mais Especial Gastronomia
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
8/7/2006
14h37min
Bom, bom, muito bom mesmo, não consegui deixar de ler, queria e precisava parar, mas não consegui. Fiquei, no ato, fã da Daniela. Mas... onde ela está em 2006???
[Leia outros Comentários de Mauricio Ribeiro]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A Vaca Na 4ª Dimensão
Edy Lima
Global
(2015)



Emma
Jane Austen
Best Seller
(2008)



História da Psiquiatria 482
Franz G. Alexander
Ibrasa



Tornando 2 + 2 = 5
John H. Zenger
Nobel
(1998)



Constituição da República Federativa do Brasil
Coleção Saraiva
Saraiva
(2016)



Oro - uma Aventura na Costa Rica
Cizia Zykë
Bestseller
(1987)



História do Brasil - curso ginasial 5 edição
Renato Azevedo; J S Tiné
Francisco Alves
(1971)



Historia Universal 12 Epoca Ogival
Carl Grimberg
Europa America
(1989)



Já Tenho Idade Para Saber
Michael W. Smith
Bompastor
(1991)



Livro - Poderosa: Diário de Uma Garota que Tinha o Mundo na Mão - Vol. 2
Klein, Sergio
Geral
(2010)





busca | avançada
50856 visitas/dia
2,3 milhões/mês