Notícias do fim-do-mundo | Daniela Sandler | Digestivo Cultural

busca | avançada
88566 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Clube do Conto Apresenta: Criaturas, de Carol Bensimon
>>> Vancouver Animation School apresenta webinário gratuito de animação
>>> Núcleo Menos1 Invisível evoca novas formas de habitar o mundo em “Poemas Atlânticos”
>>> Cia O Grito faz intervenção urbana com peças sonoras no Brás
>>> Simbad, o Navegante está na mostra online de teatro de Jacareí
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Blue Origin's First Human Flight
>>> As últimas do impeachment
>>> Uma Prévia de Get Back
>>> A São Paulo do 'Não Pode'
>>> Humberto Werneck por Pedro Herz
>>> Raquel Cozer por Pedro Herz
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
>>> Fernando Cirne sobre o e-commerce no pós-pandemia
Últimos Posts
>>> Renda Extra - Invenção de Vigaristas ou Resultado
>>> Triste, cruel e real
>>> Urgências
>>> Ao meu neto 1 ano: Samuel "Seu Nome é Deus"
>>> Rogai por nós
>>> Na cacimba do riacho
>>> Quando vem a chuva
>>> O tempo e o vento
>>> “Conselheiro do Sertão” no fim de semana
>>> 1000 Vezes MasterChef e Nenhuma Mestres do Sabor
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Caetano, não seja velho coronel
>>> Vento Bravo, com Edu e Tom
>>> Como o Google funciona
>>> A boa literatura brasileira
>>> Sebo de Livros do Seu Odilon
>>> História da leitura (III): a imprensa de Gutenberg
>>> Talk Show
>>> Para ler o Pato Donald
>>> Isto é um experimento
>>> Em quem a Tropicália vai votar
Mais Recentes
>>> Novíssimo Aulete - Dicionário Contemporâneo da Língua Portuguesa de Caldas Aulete - Paulo Geiger ( Org. ) pela Lexikon (2011)
>>> O Laptop de Leonardo de Ben Shneiderman pela Nova Fronteira (2006)
>>> História da Paz de Demétrio Magnoli ( Org. ) pela Contexto (2008)
>>> O amor jamais te esquece de André Luiz Ruiz pela Ide (2003)
>>> Nosso Livro de Francisco Cândido Xavier pela Lake (2005)
>>> Direito Penal 1 Parte Geral de Sophie Kinsella pela Record (2010)
>>> Em Espírito e Em Verdade de Andy Park pela Vida
>>> Mente e Cérebro Poderosos de Conceição Trucom pela Cultrix (2010)
>>> Todo Ar Que Respiras de Judith Mcnaught pela Bertrand Brasil (2009)
>>> Tudo Bem Ser Diferente de Todd Parr pela Panda Books # (2002)
>>> Sonho Oriental Sabores e Receitas de Editora Caras pela Caras
>>> O Que Fazer? Falando de Convivência de Liliana Iacocca pela Ática
>>> O Homem Que Roubava Horas de Daniel Munduruku e Janaina Tokitaka pela Brinque Book (2010)
>>> Mulheres Inteligentes, Relações Saudáveis de Augusto Cury pela Academia
>>> Ana Karênina Volume 1 de Tolstoi pela Nova Cultural (1997)
>>> A Bíblia do Otimismo de R. Stanganelli pela Tríade
>>> Coleção na Luz da Verdade 1, 2 e 3 de Abdruschin pela Ordem do Graal na Terra (1999)
>>> O Rapto do Garoto de Ouro Série Vaga-lume de Marcos Rey pela Atica
>>> Como Fazer Qualquer Pessoa Se Apaixonar por Você! de Leil Lowndes pela Record
>>> A Sombra do Vulcão de Malcom Lowry pela L&pm Pocket (2007)
>>> Manual de Direito Penal Parte Especial Vol II 27ª Edição de Julio Fabbrini Mirabete pela Atlas (2010)
>>> Do Outro Mundo - Coleção Ana Maria Machado de Ana Maria Machado pela Ática (2002)
>>> Dicionário Jurídico Brasileiro Acquaviva - Edição de Luxo de Marcus Claudio Acquaviva pela Jurídica Brasileira (1995)
>>> A Tecnologia Acima do Bem e do Mal de José Rubens Salles Toledo pela Itafi (2016)
>>> Cómo Pintar a óleo de Jose Maria Parramon pela Parramón
COLUNAS

Quarta-feira, 24/10/2001
Notícias do fim-do-mundo
Daniela Sandler

+ de 7000 Acessos
+ 3 Comentário(s)

Os “vapores do antraz”

Casos de antraz estão virando rotina nos Estados Unidos – quem diria, país tão neurótico com relação a substâncias contaminantes que proíbe a entrada de queijos franceses cuja maturação seja inferior a 60 dias. É uma sensação engraçada, a de ver uma doença primitiva (praticamente erradicada dos países desenvolvidos, subsiste em cantões pobres como o Afeganistão) invadir silenciosamente um país asséptico.

Os esporos de antraz têm endereço e destinatário precisos, ao menos por enquanto – mídia, governo –, e é por isso talvez que a população não tenha entrado em pânico. Apesar dessa “localização específica” dos casos de antraz, a impressão é a de que a doença está penetrando no país como uma espécie de nuvem invisível, como aquele vaporzinho de desenho animado que permeia os ambientes sem que os personagens percebam – ou, se percebem, sem que possam reagir. Como deter um “vaporzinho”, afinal?

Sinal dessa impressão é a idéia que se espalhou por aqui de que o país estaria à mercê de um “bombardeio de antraz”. As pessoas começaram a temer uma chuva de esporos e a estocar antibióticos em casa. Especialistas não tardaram a tranqüilizar os norte-americanos: a idéia de uma pulverização de antraz sobre as ruas da cidade não procede. Os esporos seriam dispersos e destruídos ainda no ar – seria um desperdício de antraz. O problema estaria em espaços fechados, como teatros e cinemas.

De todo modo, com a notificação de novos casos de contato com os esporos se tornando cotidiana, o terror arrefece. Muito pozinho contaminado já foi achado sem que tanta morte tenha sido notificada – em boa parte porque há um estado de alerta para situações suspeitas. Antraz está ficando banal. Um professor universitário me disse não estar preocupado porque “antraz não é contagioso, não vai passar facilmente de uma pessoa para outra”. No supermercado, uma senhora declarou, enfática: “Não vou mudar minha vida, minha rotina. A gente vai vivendo. A gente tem de levar uma vida normal”. Um amigo, cientista político, deu o veredito: “Tem doença bem pior que antraz. O ruim seria se eles estivessem usando Ebola ou varíola...”

Pois é, esse é o ponto: o antraz parece estar sob controle, mas será ele a única arma que os terroristas islâmicos vão usar? Produtores e agrônomos estão tentando tomar precauções contra “agroterrorismo”. Plantações, criações de animais, abatedouros e frigoríficos são extremamente vulneráveis. De sua parte, epidemiologistas discutem a conveniência de desenvolver ou colocar à disposição do público vacinas para várias doenças. Quando esses especialistas começam a elaborar hipóteses – o que é necessário para que possam preparar suas defesas –, tenho vontade de mandá-los ficar quietos: estão dando idéias ao inimigo.

Pensar no pior, tentar ser advogado do diabo, pensar “como eles” – e o conflito entre sigilo estratégico e liberdade de imprensa. Tudo nebuloso, invisível e no escuro: assim como a nuvem silenciosa de antraz. É essa a sensação: o “mal” é pervasivo, disperso, sem corpo; o medo é generalizado, vago e preconceituoso. No país asséptico, já que não se podem deter esporos de antraz no setor de imigração, que sejam detidos os estrangeiros, os “outros”, os suspeitos, aqueles de cor escura ou de nome impronunciável. Brincadeira? Pois saibam que há uma moratória sobre vistos de estudante por no mínimo seis meses aqui nos EUA, já que alguns dos terroristas entraram no país com esse tipo de visto. Se eu tivesse atrasado a minha vinda para cá em três anos, não teria conseguido permissão para fazer meu doutorado aqui.

A importância da população universitária estrangeira, em especial na pós-graduação (ou seja, na pesquisa e produção de novo conhecimento), vem não apenas da grande quantidade de alunos como também da sua variedade e da possibilidade de intercâmbio entre os diversos conhecimentos e bagagens culturais. As instituições norte-americanas, em pensamento e na prática, têm se esforçado por estimular a abertura e a tolerância. Essas palavras não devem ser entendidas aqui no seu sentido raso, o do “pluralismo multicultural”, que já não significa muita coisa depois do politicamente correto.

A abertura a nacionalidades ou culturas diversas traz resultados concretos no avanço do conhecimento, não apenas por impedir a eterna replicação do mesmo, mas por infundir matéria-prima valiosa. Basta ver os experts convidados a falar, na tevê, sobre a nova guerra: boa parte deles vem do Oriente Médio. Não é só a área de humanidades que se beneficia. Por algum motivo curioso, algumas culturas demonstram aptidões especiais (digo “culturas” porque não quero sugerir determinismo biológico): indianos e romenos, por exemplo, são notórios por suas habilidades numéricas e estão presentes “em massa” nas ciências exatas.

Esse esforço de abertura e tolerância está sendo rapidamente consumido pelo vaporzinho invisível, pela “nuvem de antraz”. Isso sim, um desperdício.

Valeu a pena? Será que realmente aprendemos alguma coisa?

Essa pergunta é feita por Helen K., sobrevivente de Auschwitz, no depoimento que gravou em meados dos anos 80 para a série de testemunhos em vídeo feita pela Universidade de Yale (o projeto chama-se Fortunoff Archives). Helen estava pensando na indiferença do mundo em relação à tragédia do Cambódia, repetindo a indiferença em relação ao Holocausto.

É um espanto – um espanto de horror, horror, horror – que o ódio e a destrutividade tenham permeado uma sociedade com tanta intensidade. O espanto não é com o ódio ou o ato em si – assassinos e ladrões há por todo canto, sempre: gente que se acha no direito de violar as coisas, o corpo e a vida de outras pessoas. O espanto é com a dimensão: como a aberração virou norma social, apoiada tácita ou ativamente pela maioria e sancionada por mecanismos formais: as leis, a polícia, a política.

Peço ao leitor que releia o parágrafo acima, mas sem pensar nos nazistas. Peço que pense em nós; que pense naqueles que se vêem no direito de mandar envelopes com antraz ou aviões desgovernados; e também naqueles que se vêem no direito de jogar bombas e atar fogo a um país em ruínas, de mandar e desmandar em nações alheias para cavar poços de petróleo ou combater o comunismo; e na lista imensa de gente e ações desse tipo que se pode fazer revendo a história dos últimos cinqüenta e seis anos.

Será que realmente aprendemos alguma coisa?

Sobre universidades, em resposta ao Fabio

Nesta semana, meu colega de digestivo Fabio Danesi Rossi condenou a greve dos professores das universidades federais brasileiras, a alocação de recursos em geral para o ensino público e a qualidade do ensino superior no Brasil. Não vou responder nos termos específicos desta greve, mas de forma mais geral.

Creio que não se pode travar a discussão do ensino público superior no Brasil em termos dos problemas do ensino básico e médio. Essas instâncias não são excludentes (e, logicamente, como podem ser?). Há que se destinar mais verbas públicas às instituições dos ciclos básico e médio? Sim, sem dúvida. A disparidade entre essas instituições e as universidades públicas existe e inegavelmente agrava as diferenças sociais, políticas e econômicas do país. Tudo isso é verdade. Mas dizer que se devem estancar recursos para as universidades públicas por causa da falta de recursos para colégios e escolas é colocar a questão em termos antagonistas. Resolve-se um problema para criar outro. Em outras palavras: como pode o declínio do ensino superior ajudar na melhoria do ensino básico e médio?

Apesar de todos os problemas, defeitos, falhas e desvios inquestionáveis, as universidades públicas brasileiras ainda são – ainda que desigualmente – respeitáveis. Para estragar isso não custa muito. Assusta-me pensar que, antes mesmo que possamos construir um outro sistema, decente, para o ensino básico e médio, nos deparemos com a destruição/deterioração do ensino superior.

Não se pode jogar o bebê junto com a água da banheira. Há defeitos, mas isso não significa que o sistema esteja todo perdido. Estudei em universidade pública no Brasil, tive uma formação excelente – ainda que imperfeita – que, sinceramente, não me deixou nada a dever a meus colegas de Harvard ou Columbia. A maior parte dos meus professores era competente; muitos deles foram notáveis em seu talento e em sua dedicação aos alunos, à pesquisa e a projetos sociais; e alguns são decididamente brilhantes. O salário que essa gente ganha é uma vergonha. É uma vergonha em si, é uma vergonha comparado ao salário de professores de universidades particulares, é uma vergonha comparado ao salário de profissionais de outras atividades, é uma vergonha comparado à importância incomensurável (nos dois sentidos) de seu trabalho, é uma vergonha comparado ao custo de vida no Brasil, e é ainda mais vergonhoso comparado aos salários de universidades estrangeiras e até mesmo à minha modesta bolsa de doutorado.

A perversidade do nosso sistema educacional – que faz com que, de modo geral, o melhor ensino superior (o público) só seja acessível às camadas mais altas da sociedade, que puderam pagar ensino médio e básico privado – não pode ser corrigida com equações financeiras. Nesse ponto, a realocação de verbas se aproxima, curiosamente, de uma sugestão que pode ser considerada seu anátema ideológico: a “ação afirmativa” (esta, uma espécie de atadura...) . Medidas sociais mais profundas, demoradas e dolorosas que essas deveriam ser nosso ponto de discussão. Distribuição de renda, salários injustos, corrupção, políticos venais, opressão e carências sociais, violência – a lista é enorme e multifária. Para começar, e em consonância com o primeiro desses temas, por que não discutir a “taxação proporcional” do ensino público, pela qual as famílias com mais dinheiro pagam mais pela educação de seus filhos, ainda que na universidade pública? Afinal, como vejo aqui na América do Norte, universidade pública não significa universidade grátis (e vice-versa).


Daniela Sandler
Riverside, 24/10/2001


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O amor e o amor plagiado de Alexandre Inagaki
02. O Corpo que fala de Rennata Airoldi
03. A valente e polivalente batata de Vera Moreira


Mais Daniela Sandler
Mais Acessadas de Daniela Sandler em 2001
01. O primeiro Show do Milhão a gente nunca esquece - 8/8/2001
02. Quiche e Thanksgiving - 21/11/2001
03. A língua da comida - 29/5/2001
04. Mas isso é arte??? - 29/8/2001
05. Notícias do fim-do-mundo - 24/10/2001


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
23/10/2001
00h00min
Concordo com o argumento de que nao adianta piorar a Universidade Publica para "melhorar" o ciclo basico. Num Pais com governantes como os nossos, piorar as Universidades Publicas, so se for para ganhar muito dinheiro nas particulares. No Rio de Janeiro a unica Universidade particular com qualidade parecida a das Federais eh a PUC. Que alias recebe muito dinheiro do MEC.
[Leia outros Comentários de Aridio Schiappacassa]
23/10/2001
00h00min
Gostaria de fazer um comentário sobre ensino público e privado: há um abismo gigantesco entre alunos da escola pública e privada, com claríssima vantagem para o segundo. Entra ano, sai ano e os alunos das escolas públicas vão tomando uma surra homérica dos alunos provenientes das escolas particulares. Aí ele chega a um curso preparatório para o vestibular: da até pena de ver... os alunos das escolas particulares humilham intelectualmente, óbvio... Aí então o governo teve uma "brilhante" idéia: ENEM. Agora sim, o abismo que havia entre esses dois alunos agora se transformou em um verdadeiro Grand Cannyon... Agora para um aluno proveniente da escola pública entrar em uma faculdade pública ficou IMPOSSÍVEL... Para não me alongar mais: sou totalmente a favor da reserva de vagas para alunos de escola pública, é só ver os estacionamentos da USP, por exemplo, parecem as concecionárias da Rua Europa, só carros importados... Será que eles fizeram escolinha vagabunda na periferia?????
[Leia outros Comentários de Adriano Silva]
26/10/2001
3. UFA!
00h00min
Daniela, eu te amo!!! (sem conotação sexual, tá?) Achei que era implicância minha com o Fábio, não consigo entender como uma pessoa que se supõe ter uma boa formação cultural e um acesso amplo a informação em geral, possa ter posições tão tacanhas e pequenas a respeito de assuntos tão importantes. Parece um "mauricinho" chateado com o papai, por não ter ganhado uma mercedes no aniversário, só um alfa romeo. Coisa de comunista, claro! Que outra explicação ele daria? Bem, mas ele não é o foco. Invejo imensamente, no bom sentido (tem?), a sua "paciência explicativa" para responder à coluna do dito cujo. Eu não tenho esse dom, acabo chutando o pau da barraca. Por isso fique quieta, como se não tivesse lido aquelas bobagens. A forma como você colocou, ficou até interessante voltar a ler o assunto, apesar de acabar irritada do mesmo jeito. Tenho um filho acabando a faculdade, na Federal de São Carlos, e ele tem a consciência de que, caso tudo seja privatizado, as irmãs (3) não terão a menor chance, e ele briga pelo que acredita. Apesar de não ser considerada como de baixa renda, nossa família não tem esses luxos de poder pagar o que qualquer um pedir. Tenho acompanhado a briga sobre o ensino, e fiquei mesmo irada com a (descom)postura do Fábio no texto. Preferia não ter lido, diminuiu a minha esperança de um mundo mais justo. Mas, em parte, você restabeleceu essa esperança. Beijos e mais beijos, Sonia.
[Leia outros Comentários de Sonia Pereira]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Lheure de Jesus
Abbé Gaston Coutois
Fleurus
(1952)



Quilombo no Leblon, um - 1ª Edição
Luciana Sandroni
Pallas
(2011)



Direito Eleitoral Descomplicado
Rodrigo Martiniano Ayres Lins
Ferreira
(2012)



Os Sete Passos para a Calma
A. M. Mattews
Ediouro Publicações
(1999)



Perspectivas Em Fisica Vol 2
Daniel Braz / Reginaldo Tadeu dos Santos
Escala Educacional
(2010)



Curso de Direito Comercial Direito de Empresa Volume 3
Fábio Ulhoa Coelho
Saraiva
(2007)



Balanço Encerramento e Análise Volume 1
Roque Jacintho e Eduardo Jacintho
Brasiliense
(1983)



Eletricidade Básica: Teoria e Prática I
Wilson e Kaufman
Rideel



A Casa dos Blessings
Anna Quindlen
Objetiva
(2003)



Curso Direito Internacional Público- Vol 2
Celso D. de Albuquerque
Freitas Bastos
(1982)





busca | avançada
88566 visitas/dia
2,4 milhões/mês