O primeiro Show do Milhão a gente nunca esquece | Daniela Sandler | Digestivo Cultural

busca | avançada
49702 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> De Kombi na Praça - Pateo do Collegio
>>> Primeiras edições de Machado de Assis são objeto de exposição e catálogos lançados pela USP
>>> Projeto lança minidocumentário sobre a cultura do Gambá na Amazônia
>>> Cinema itinerante leva sessões gratuitas a cidades do Sudeste e do Sul
>>> Artistas abrem campanha de financiamento para publicação de graphic novel
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Jô Soares (1938-2022)
>>> Casos de vestidos
>>> Elvis, o genial filme de Baz Luhrmann
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
>>> Sexo, cinema-verdade e Pasolini
>>> O canteiro de poesia de Adriano Menezes
>>> As maravilhas do modo avião
Colunistas
Últimos Posts
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
Últimos Posts
>>> Direitos e Deveres, a torto e a direita
>>> Os chinelos do Dr. Basílio
>>> Ecléticos e eficazes
>>> Sarapatel de Coruja
>>> Descartável
>>> Sorria
>>> O amor, sempre amor
>>> The Boys: entre o kitsch, a violência e o sexo
>>> Dura lex, só Gumex
>>> Ponto de fuga
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Hasta la vista, baby
>>> O amor é importante, porra
>>> Por uma arquitetura de verdade
>>> O criador do algoritmo do YouTube
>>> Cisne Negro: por uma inversão na ditadura do gozar
>>> Filosofia teen
>>> Extraordinary Times
>>> O melhor programa cultural
>>> As estrelas e os mitos
>>> Open Culture
Mais Recentes
>>> Dia de confissão de Allan Folsom pela Rocco (2004)
>>> Evolução uma Introdução de Stephen C. Stearns e Rolf F. Hoekstra pela Atheneu (2003)
>>> O x da questão de Eike Batista pela Primeira pessoa (2011)
>>> Ruth Cardoso - Fragmentos de uma vida de Ignácio de Loyola Brandão pela Globo (2010)
>>> O trem partiu de Maria Luiza Pereira Ervilha pela Thessaurus (2013)
>>> O pomar de laranjeiras de Kathryn Harrisson pela Objetiva (1995)
>>> Como Trabalhar para um Idiota de John Hoover pela Futura (2005)
>>> O Segredo de Luísa de Fernando Dolabela pela Cultura (2002)
>>> As sete irmãs de Lucinda Riley pela Novo conceito (2014)
>>> Manual ilustrado dos remédios florais do Dr. Bach de Philip M. Chancellor pela Pensamento (1995)
>>> Star Wars : Sombras do império (como novo) de Steve Perry pela Aleph (2015)
>>> Princesa de Jean P. Sasson pela Best Seller (2002)
>>> O desafio japonês de Hakan Hedberg pela Lia (1970)
>>> História do Automóvel - Fascículo 4 de Expressão e Cultura pela Expressão e Cultura
>>> Pais Brilhantes - Professores Fascinantes de Augusto Cury pela Sextante (2003)
>>> Entardecer de Menotti Del Picchia pela MPM (1978)
>>> Viagem ao centro da Terra de Júlio Verne pela Pé da letra (2019)
>>> Introduccion a la economia (Espanhol) de Maurice Dobb pela Popular (1959)
>>> Under the duvet de Marian Keyes pela Penguin books (2001)
>>> Bala na agulha de Marcelo Rubens Paiva pela Siciliano (1992)
>>> Número zero de Umberto Eco pela Record (2015)
>>> Perspectivas do novo sindicalismo de José Ibrahim pela Loyola
>>> A Direção do Olhar do Adolescente de Ana Luiza O. Buratto / Maria Rita C. Dantas pela Artmed (1998)
>>> A vida da igreja de Dong Yu Lan pela Alimento diário (2012)
>>> A mídia e a modernidade de John B. Thompson pela Vozes (1998)
COLUNAS

Quarta-feira, 8/8/2001
O primeiro Show do Milhão a gente nunca esquece
Daniela Sandler

+ de 12100 Acessos

Assisti a um Show do Milhão pela primeira vez na semana retrasada. Apesar de eu lutar contra os preconceitos, em especial os meus próprios, um resquício de empáfia me fazia dizer, até então, com orgulho, que minhas retinas nunca haviam sido expostas ao dito programa. Achava que não precisava ver para saber do que se tratava. Engano! O Show do Milhão trata de coisas que eu nunca imaginara. Claro, trata-se também de um programa de perguntas que imita produtos similares norte-americanos e que atrai gente por oferecer dinheiro em troca de conhecimentos diversos. Mas isso eu já sabia, e vocês também. Não é disso que estou falando.

Concedo que o programa pode ser criticado de inúmeras maneiras, a começar da macaquice. Todo o esquema - título, música, cenário, proposta - é calcado no programa Who Wants to Be a Millionaire (Quem Quer Ser Milionário), que passa nos Estados Unidos. Para o meu gosto, pelo menos, os shows - tanto o brasileiro quanto o americano - são duvidosos e bregas. Aqueles universitários em traje de gala, os brilhos e luzes em cena, a trilha sonora... ou talvez seja a voz do Lombardi, já indelevelmente ligada à memória da Porta da Esperança, do Show de Calouros, do Domingo no Parque e outras pérolas do SBT que me deprimiam na infância.

Talvez se possa também questionar a exploração de um saber aleatório, às vezes superficial, um conhecimento de variedades vazio e sem sentido - como sempre, tudo vira produto, de uma forma ou de outra. O conhecimento só vale pelo valor em dinheiro da resposta. Falando em dinheiro, citemos também o dinheiro que o programa deve render, não só em audiência e anúncios como na venda das revistinhas.

E, por fim, há o incômodo voyeurismo de platéia e audiência, vendo a vida ao vivo se desenrolar - o nervosismo das pessoas, que muitas vezes mal conseguem sorrir, a voz baixa e tênue, os olhos brilhando sob os holofotes. O gozo vicário se perpetua, no público televisivo, na satisfação de dizer: essa eu sei!, cantando a resposta para os familiares ou quem mais estiver perto da tevê.

Ao começar a ver o show, no entanto, fui sentindo coisas bem diferentes, além de pensar todas essas. Silvio Santos, cuja figura imutável já é icônica - o microfone preso ao pescoço, o sorriso cheio de dentes, os cabelos arruivados -, entrevista os candidatos sorteados e seus acompanhantes. Silvio Santos sabe entrevistar e extrair da entrevista a "carne humana" que interessa ao público de seus programas. As perguntas básicas - de onde a pessoa vem, o que faz, de quanto dinheiro precisa, para quê - são seguidas de comentários baseados nas respostas, em que o apresentador espreme o sumo pessoal, quase íntimo, e ao mesmo tempo universal dos candidatos. "Sua mãe vai usar o dinheiro para quê?", pergunta ao menino de uns dez anos, que responde: "Para uma casa, um carro, pagar uma dívida e um aparelho para os meus dentes." "Você precisa de aparelho? Deixe eu ver os dentes". A câmara enquadra os dentinhos tortos. "É", diz Silvio, quase carinhoso, "acho que você precisa mesmo". O menino sorri. Não está encabulado nem ofendido. Quase à minha revelia, sinto ternura pelo menino e começo a torcer por seu aparelho. "Mas o seu aparelho vem por último? O que sua mãe vai fazer primeiro com o dinheiro?" "Tem a casa, o carro, a dívida..." "Mas é nessa ordem?" Close do menino. Silvio continua, terno: "Não é o aparelho que vem primeiro?" "É", o menino concede, dando a Silvio - e a nós - o que queremos ouvir.

Ao meu lado, diante da tevê, uma espectadora assídua me explica: "O Silvio adora garotinhos. Ele só teve filhas, acho que era louco para ter um filho homem. Olha só como ele está gostando do menino". Ela me conta os detalhes. Segundo ela, o Silvio protege candidatos que parecem ter mais necessidade dos prêmios. "Ele ajuda mesmo", diz, convencida. Não importa, aqui, se ele ajuda ou não - o que seria uma acusação grave. Importa a impressão que ele passa de envolvimento num drama real.

A estratégia é essa: o show seria sem graça, sem emoção e sem novidade se não tivesse entonação dramática - "drama" não no sentido de exagero emocional, mas de encenação, enredo, caracterização de personagens. Uma pitada de novela, uma pitada de documentário. Para confirmar minha impressão, um clipe mostrando a mudança na vida de uma participante após ganhar dinheiro no programa. Lombardi apresenta o clipe dizendo algo como "gostamos de mostrar o que aconteceu na vida das pessoas que já participaram".

Mas não é só isso, simplesmente. A inclinação - ou, por assim dizer, a "mensagem" - é clara. Silvio dá a tudo um tom social. Não só porque é gente simples que está na tela e diante dela, mas porque o apresentador se investe de benfeitor: meio pai dos pobres, assim como era na Porta da Esperança. Quase como se tivesse a missão social de ajudar as classes baixas, de contentá-las duplamente: com o espetáculo televisivo e com a matéria concreta dos prêmios. Sua figura mistura os ingredientes do paternalismo: seu tom é simpático, às vezes terno, às vezes complacente, sempre interessado e atento; no centro e no comando do show, deixa claro quem tem o poder, num autoritarismo disfarçado que às vezes se revela, por exemplo, nas brincadeiras benevolentes que faz com os candidatos.

Criticar essa estratégia do pão e circo seria óbvio, assim como seria óbvio espinafrar a demagogia comercial do programa. Não vou fazer isso aqui. Acho que esse tipo de fenômeno cultural - não só esse, mas todos - merece uma análise complexa, que inclua todas as nuances em vez de simplificar e cair em crítica maniqueísta.

Sim, sei que o Silvio não vai resolver a pobreza do Brasil. A esperança de ganhar dinheiro no jogo de perguntas ou de ver atendido o pedido atrás da porta é inebriante, anestesia, adia o problema sem resolvê-lo. Por outro lado, e apesar de isso também fazer parte da estratégia toda, fiquei impressionada com o interesse e o envolvimento do Silvio nesse universo social, cultural e econômico, em seu imaginário e em suas vidas reais. Fiquei me perguntando por que ele enveredou por esse caminho até meio messiânico, por que se fixou nas faixas C e D (como diz o frio alfabeto das pesquisas de mercado), mundo que, com certeza, é bem diferente de sua própria fortuna construída, claro, sobre essa mesma vertente.

Mas não acho que a escolha tenha sido simplesmente mercadológica. É preciso talento para conquistar. Sempre ouço dizer que o próprio Silvio tem origem humilde, trabalhou como camelô e mascate. Não sei se é verdade, mas, de novo, o que importa aqui é a força da história (sic), o apelo que tem. Senor Abravanel, de família imigrante, judia, de nome estranho, adotou não só o nome comum e brasileiro como também a cultura simples e gentia. Por um momento, ao ver seu show, eu me comovi, vi um interesse genuíno pelo povo, uma espécie de missão social. Não vejo muito esses programas, mas duvido que eu vá me sentir assim ao ver Gugu, Ratinho ou Faustão. Talvez o Chacrinha fosse meio como o Silvio, imagino. Sei que faz parte do show, mas não sei se é tudo cenário.



Daniela Sandler
Riverside, 8/8/2001


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A resistência, de Ernesto Sabato de Rafael Rodrigues
02. Machado e a AR-15 de Pilar Fazito
03. O carnaval e a cidade de Almandrade
04. Casa de espelhos de Daniela Sandler


Mais Daniela Sandler
Mais Acessadas de Daniela Sandler em 2001
01. O primeiro Show do Milhão a gente nunca esquece - 8/8/2001
02. Quiche e Thanksgiving - 21/11/2001
03. A língua da comida - 29/5/2001
04. Mas isso é arte??? - 29/8/2001
05. Notícias do fim-do-mundo - 24/10/2001


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Ao Deus Desconhecido: Um Ensaio Ontológico
Wilson Silva
Kúrios
(2015)



Curso de Direito Comercial - Falência e Recuperação de Empresa
Sérgio Campinho
Saraiva Jur
(2018)



Reiki Universal (Sistema Usui, Tibetano, Osho, Kahuna)
Johnny De' Carli
Madras
(1999)



O Estado Babá
David Harsanyi
Litteris
(2011)



Sampaio Bruno Prosa
Joel Serrão
Agir
(1960)



Saude - Série Bem-estar (2007)
Lilian Rossetti; Heloisa Noronha
Publifolha
(2007)



Tex Nº 104
G. L. Bonelli
Vecchi
(1979)



Administração de Hotelaria Hospitalar
Fadi Antoine Taraboulsi
Atlas
(2003)



Batismo de Fogo
Mario Vargas Llosa
Record/Altaya
(1995)



De La Grâce et de Lhumanité de Jésus
Jacques Maritain
Desclee de Brouwer
(1967)





busca | avançada
49702 visitas/dia
2,0 milhão/mês