O primeiro Show do Milhão a gente nunca esquece | Daniela Sandler | Digestivo Cultural

busca | avançada
36804 visitas/dia
957 mil/mês
Mais Recentes
>>> Drago, o novo álbum de Marcos Sacramento
>>> 'Festivalzinho', para pais e filhos, acontece neste domingo no CCBB/RJ
>>> O escritor Klaus K.S. faz tarde de autógrafos irreverente para sua obra Crônicas da Insônia
>>> Ensaios fora de circulação de Jacques Rancière ganham edição em português
>>> Terça Aberta no Kasulo reúne trabalhos com temática LGBTQ
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O tigre de papel que ruge
>>> Alice in Chains, Rainier Fog (2018)
>>> Cidades do Algarve
>>> Gosta de escrever? Como não leu este livro ainda?
>>> Assum Preto, Me Responde?
>>> Os olhos de Ingrid Bergman
>>> Não quero ser Capitu
>>> Desdizer: a poética de Antonio Carlos Secchin
>>> Pra que mentir? Vadico, Noel e o samba
>>> De quantos modos um menino queima?
Colunistas
Últimos Posts
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
>>> Sarau Libertário em BH
Últimos Posts
>>> Casa de couro I
>>> Millôr no IMS Paulista
>>> A dignidade da culpa, em Graciliano Ramos
>>> O conservadorismo e a refrega de símbolos
>>> Ingmar Bergman, cada um tem o seu
>>> Em defesa do preconceito, de Theodore Dalrymple
>>> BRASIL, UM CORPO SEM ALMA E ACÉFALO
>>> Meus encontros com Luiz Melodia
>>> Evasivas admiráveis, de Theodore Dalrymple
>>> O testemunho nos caminhos de Israel
Blogueiros
Mais Recentes
>>> As noites insanas de Zizi Possi
>>> Mariana sob as brumas: a arte de Elias Layon
>>> No meio do caminho: 80 anos
>>> Piratas do Tietê no teatro
>>> Xilogravura na Graphias
>>> Caderno de caligrafia
>>> Ligações e contas perigosas
>>> Your mother should know
>>> 10 palavrões 1 livro didático e ninguém no governo
>>> Man in the Arena testa o iPad
Mais Recentes
>>> O Xangô de Baker Street de Jô Soares pela Companhia das Letras (1995)
>>> O errante de Kahlil Gibran pela Claridade (2003)
>>> Histórias extraordinárias de Fernando Bonassi pela Conrad (2005)
>>> Histórias curtas de Rubem Fonseca pela Nova Fronteira (2015)
>>> Histórias de amor de Rubem Fonseca pela Nova Fronteira (2012)
>>> Contos como eu conto de Jurema Waack pela Ônix (2008)
>>> Lucky Luke, volume 4: 1956-1957 de Morris & Goscinny pela Zarabatana Books (2014)
>>> O jogo das contas de vidro de Hermann Hesse pela Record (2003)
>>> Las mejores fábulas de Esopo, La Fontaine et al. pela Biblioteca Popular (1994)
>>> Paixões de Rosa Montero pela Ediouro (2005)
>>> Por um teatro do povo e da terra de Luiz Maurício Britto Carvalheira pela Fundarpe (1986)
>>> História da música no Brasil de Vasco Mariz pela Civilização Brasileira (1994)
>>> As aventuras sexuais de Luís Ensinada de Vinicius Vianna pela Record (2000)
>>> Uivo - Kaddish e outros poemas de Allen Ginsberg pela L&PM (1999)
>>> História concisa do teatro brasileiro de Décio de Almeida Prado pela Edusp (1999)
>>> História da música no Brasil de Vasco Mariz pela Nova Fronteira (2000)
>>> Burguesia e cinema: o caso Vera Cruz de Maria Rita Galvão pela Civilização Brasileira (1981)
>>> Amor Vale a Pena - Reflexões, Contos e Poemas de Fábio Salgueiro pela Bb (2016)
>>> Histórias de Atréfora de Ismael Artur/Layane Ventura pela Chiado (2014)
>>> O Mestre da Vida - Análise da Inteligência de Cristo de Augusto Cury pela Academia de Inteligencia (2002)
>>> Rua da alegria de Frances Parkinson Keyes pela Itatiaia (1969)
>>> A Fonte da Juventude - Os Segredos Seculares dos Monges Tibetanos para o Rejuvenescimento Perene de Peter Kelder pela Best Seller (1998)
>>> Da cova para o trono - a graça de Deus na vida de Jose de Jamê nobre pela Naos (2003)
>>> Travesía Español 1 de Amendola, Roberta pela Moderna (2017)
>>> O Ser Emocional de Valéria de Castro pela Ediouro (1998)
>>> Psicologia Geral e Infantil de Fernanda Barcellos pela Ediouro (1982)
>>> Ancestrais, Vida Intrauterina e Libertação do Homem de Maria Luiza Zanchetta pela Berthier (1982)
>>> Os Relaxamentos de Suzanne Masson pela Manole (1986)
>>> Elementos de Psicologia de Iva Waisberg Bonow pela Melhoramentos (1972)
>>> Feito Homem de Norah Vincent pela Planeta do Brasil (2006)
>>> Hospital Santa Catarina 1906 - 2006 de Textos e fotos; Claudio Pastro pela Grafa (2006)
>>> O Segredo das Crianças Felizes de Steve Biddulph pela Fundamento Educacional (2003)
>>> Criando Meninos de Steve Biddulph pela Fundamento Educacional (2002)
>>> Isto Não É Amor de Patrick J. Carnes pela Best Seller/ Círculo do Livro (1991)
>>> Vidas em Arco-Íris de Edith Modesto pela Record (2006)
>>> Guia de Orientação Sexual de Marta Suplicy et alii pela Casa do Psicólogo (1994)
>>> Sexualidade: A Difícil Arte do Encontro de Lidia Rosenberg Aratangy pela Ática (1996)
>>> Psicomotricidade: Da Educação Infantil à Gerontologia de Carlos Alberto Mattos Ferreira pela Lovise (2000)
>>> João do Rio - O dandi e a especulação de Raul Antelo pela Taurus (1989)
>>> O Português do Brasil - perspectivas da pesquisa atual de Wolf Dietrich e Volker Noll (orgs.) pela Vevuert /Iberoamericana (2004)
>>> Moderna Dramaturgia Brasileira de Sábato Magaldi pela Perspectiva (1998)
>>> Desafio aos Deuses de Peter L.Bernstein pela Campus/Elsevier (1997)
>>> Maus samaritanos- O mito do livre comércio e a história secreta do capitalismo de Chang,Ha-Joon pela Campus/Elsevier (2008)
>>> Os piores textos de washington olivetto de Editora planeta pela Planeta
>>> Tendencias contemporaneas de gestao de Jose meireles de sousa pela Pc editorial
>>> Transtornos bipolares,avances clinicos e terapeuticos. de E.vieta pela Novartis
>>> Estudos de politecnia e saude--4. de Mauricio monken pela Fio cruz
>>> Manual de gestao e programaçao financeira de pagamentos. de Carlos donato reis e jose vittorano neto. pela Edicta
>>> A cura e a saude pela natureza de Ernst schneider pela Casa
>>> Lexplication dans les sciences de la vie de Michel daune pela Centre national de la reicherche scientifique
COLUNAS

Quarta-feira, 8/8/2001
O primeiro Show do Milhão a gente nunca esquece
Daniela Sandler

+ de 9400 Acessos

Assisti a um Show do Milhão pela primeira vez na semana retrasada. Apesar de eu lutar contra os preconceitos, em especial os meus próprios, um resquício de empáfia me fazia dizer, até então, com orgulho, que minhas retinas nunca haviam sido expostas ao dito programa. Achava que não precisava ver para saber do que se tratava. Engano! O Show do Milhão trata de coisas que eu nunca imaginara. Claro, trata-se também de um programa de perguntas que imita produtos similares norte-americanos e que atrai gente por oferecer dinheiro em troca de conhecimentos diversos. Mas isso eu já sabia, e vocês também. Não é disso que estou falando.

Concedo que o programa pode ser criticado de inúmeras maneiras, a começar da macaquice. Todo o esquema - título, música, cenário, proposta - é calcado no programa Who Wants to Be a Millionaire (Quem Quer Ser Milionário), que passa nos Estados Unidos. Para o meu gosto, pelo menos, os shows - tanto o brasileiro quanto o americano - são duvidosos e bregas. Aqueles universitários em traje de gala, os brilhos e luzes em cena, a trilha sonora... ou talvez seja a voz do Lombardi, já indelevelmente ligada à memória da Porta da Esperança, do Show de Calouros, do Domingo no Parque e outras pérolas do SBT que me deprimiam na infância.

Talvez se possa também questionar a exploração de um saber aleatório, às vezes superficial, um conhecimento de variedades vazio e sem sentido - como sempre, tudo vira produto, de uma forma ou de outra. O conhecimento só vale pelo valor em dinheiro da resposta. Falando em dinheiro, citemos também o dinheiro que o programa deve render, não só em audiência e anúncios como na venda das revistinhas.

E, por fim, há o incômodo voyeurismo de platéia e audiência, vendo a vida ao vivo se desenrolar - o nervosismo das pessoas, que muitas vezes mal conseguem sorrir, a voz baixa e tênue, os olhos brilhando sob os holofotes. O gozo vicário se perpetua, no público televisivo, na satisfação de dizer: essa eu sei!, cantando a resposta para os familiares ou quem mais estiver perto da tevê.

Ao começar a ver o show, no entanto, fui sentindo coisas bem diferentes, além de pensar todas essas. Silvio Santos, cuja figura imutável já é icônica - o microfone preso ao pescoço, o sorriso cheio de dentes, os cabelos arruivados -, entrevista os candidatos sorteados e seus acompanhantes. Silvio Santos sabe entrevistar e extrair da entrevista a "carne humana" que interessa ao público de seus programas. As perguntas básicas - de onde a pessoa vem, o que faz, de quanto dinheiro precisa, para quê - são seguidas de comentários baseados nas respostas, em que o apresentador espreme o sumo pessoal, quase íntimo, e ao mesmo tempo universal dos candidatos. "Sua mãe vai usar o dinheiro para quê?", pergunta ao menino de uns dez anos, que responde: "Para uma casa, um carro, pagar uma dívida e um aparelho para os meus dentes." "Você precisa de aparelho? Deixe eu ver os dentes". A câmara enquadra os dentinhos tortos. "É", diz Silvio, quase carinhoso, "acho que você precisa mesmo". O menino sorri. Não está encabulado nem ofendido. Quase à minha revelia, sinto ternura pelo menino e começo a torcer por seu aparelho. "Mas o seu aparelho vem por último? O que sua mãe vai fazer primeiro com o dinheiro?" "Tem a casa, o carro, a dívida..." "Mas é nessa ordem?" Close do menino. Silvio continua, terno: "Não é o aparelho que vem primeiro?" "É", o menino concede, dando a Silvio - e a nós - o que queremos ouvir.

Ao meu lado, diante da tevê, uma espectadora assídua me explica: "O Silvio adora garotinhos. Ele só teve filhas, acho que era louco para ter um filho homem. Olha só como ele está gostando do menino". Ela me conta os detalhes. Segundo ela, o Silvio protege candidatos que parecem ter mais necessidade dos prêmios. "Ele ajuda mesmo", diz, convencida. Não importa, aqui, se ele ajuda ou não - o que seria uma acusação grave. Importa a impressão que ele passa de envolvimento num drama real.

A estratégia é essa: o show seria sem graça, sem emoção e sem novidade se não tivesse entonação dramática - "drama" não no sentido de exagero emocional, mas de encenação, enredo, caracterização de personagens. Uma pitada de novela, uma pitada de documentário. Para confirmar minha impressão, um clipe mostrando a mudança na vida de uma participante após ganhar dinheiro no programa. Lombardi apresenta o clipe dizendo algo como "gostamos de mostrar o que aconteceu na vida das pessoas que já participaram".

Mas não é só isso, simplesmente. A inclinação - ou, por assim dizer, a "mensagem" - é clara. Silvio dá a tudo um tom social. Não só porque é gente simples que está na tela e diante dela, mas porque o apresentador se investe de benfeitor: meio pai dos pobres, assim como era na Porta da Esperança. Quase como se tivesse a missão social de ajudar as classes baixas, de contentá-las duplamente: com o espetáculo televisivo e com a matéria concreta dos prêmios. Sua figura mistura os ingredientes do paternalismo: seu tom é simpático, às vezes terno, às vezes complacente, sempre interessado e atento; no centro e no comando do show, deixa claro quem tem o poder, num autoritarismo disfarçado que às vezes se revela, por exemplo, nas brincadeiras benevolentes que faz com os candidatos.

Criticar essa estratégia do pão e circo seria óbvio, assim como seria óbvio espinafrar a demagogia comercial do programa. Não vou fazer isso aqui. Acho que esse tipo de fenômeno cultural - não só esse, mas todos - merece uma análise complexa, que inclua todas as nuances em vez de simplificar e cair em crítica maniqueísta.

Sim, sei que o Silvio não vai resolver a pobreza do Brasil. A esperança de ganhar dinheiro no jogo de perguntas ou de ver atendido o pedido atrás da porta é inebriante, anestesia, adia o problema sem resolvê-lo. Por outro lado, e apesar de isso também fazer parte da estratégia toda, fiquei impressionada com o interesse e o envolvimento do Silvio nesse universo social, cultural e econômico, em seu imaginário e em suas vidas reais. Fiquei me perguntando por que ele enveredou por esse caminho até meio messiânico, por que se fixou nas faixas C e D (como diz o frio alfabeto das pesquisas de mercado), mundo que, com certeza, é bem diferente de sua própria fortuna construída, claro, sobre essa mesma vertente.

Mas não acho que a escolha tenha sido simplesmente mercadológica. É preciso talento para conquistar. Sempre ouço dizer que o próprio Silvio tem origem humilde, trabalhou como camelô e mascate. Não sei se é verdade, mas, de novo, o que importa aqui é a força da história (sic), o apelo que tem. Senor Abravanel, de família imigrante, judia, de nome estranho, adotou não só o nome comum e brasileiro como também a cultura simples e gentia. Por um momento, ao ver seu show, eu me comovi, vi um interesse genuíno pelo povo, uma espécie de missão social. Não vejo muito esses programas, mas duvido que eu vá me sentir assim ao ver Gugu, Ratinho ou Faustão. Talvez o Chacrinha fosse meio como o Silvio, imagino. Sei que faz parte do show, mas não sei se é tudo cenário.



Daniela Sandler
São Paulo, 8/8/2001


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Cidades do Algarve de Elisa Andrade Buzzo
02. Gosta de escrever? Como não leu este livro ainda? de Renato Alessandro dos Santos
03. O tigre de papel que ruge de Celso A. Uequed Pitol
04. Um Furto de Ricardo de Mattos
05. O massacre da primavera de Renato Alessandro dos Santos


Mais Daniela Sandler
Mais Acessadas de Daniela Sandler em 2001
01. O primeiro Show do Milhão a gente nunca esquece - 8/8/2001
02. Quiche e Thanksgiving - 21/11/2001
03. A língua da comida - 29/5/2001
04. Mas isso é arte??? - 29/8/2001
05. Notícias do fim-do-mundo - 24/10/2001


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




REFRÃO DA FOME
J.M.G.CLÉZIO
COSACNAIFY
(2018)
R$ 40,00



ANTES QUE OS PÁSSAROS ACORDEM
JOSUÉ MONTELLO
NOVA FRONTEIRA
(1987)
R$ 15,90
+ frete grátis



ENQUANTO ESCORRE O TEMPO
PATRICIA GEBRIM
PENSAMENTO
(2010)
R$ 14,90



AS AVENTURAS DE TOM SAWYER
MARK TWAIN AVENTURAS TOM SAWYER
MARTIN CLARET
(2016)
R$ 7,90



OS ENSAIOS - LIVRO III
MICHEL EYQUEM DE MONTAIGNE
MARTINS FONTES
(2001)
R$ 55,00



104 ERROS QUE OS CASAIS NÃO PODEM COMETER
JOSUE GONÇALVES
MENSAGEM PARA TODOS
(2009)
R$ 10,00



SAÚDE: EXERCÍCIO DA VIDA
FRANCISCO BICUDO
SALESIANA
(2013)
R$ 3,00



JOGO DO DINHEIRO - 2ª EDIÇÃO
ADAM SMITH
EXPRESSÃO / CULTURA
(1969)
R$ 8,49



COMO SE ESCREVE? VERBOS VOL 1
EDUARDO PERÁCIO (COLABORADOR)
ABRIL RECREIO
R$ 5,00



A CELESTINA
FERNANDO DE ROJAS
FRANCISCO ALVES
(1988)
R$ 20,00





busca | avançada
36804 visitas/dia
957 mil/mês