Quiche e Thanksgiving | Daniela Sandler | Digestivo Cultural

busca | avançada
55373 visitas/dia
2,0 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Unil oferece abordagem diferenciada da gramática a preparadores e revisores de texto
>>> Conversas no MAB com Sergio Vidal e Ana Paula Lopes
>>> Escola francesa de Design, Artes e Comunicação Visual inaugura campus em São Paulo
>>> TEATRO & PODCAST_'Acervo e Memória', do Célia Helena, relembra entrevista com Nydia Licia_
>>> Projeto Cultural Samba do Caxinha cria arrecadação virtual para gravação de seu primeiro EP
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Aos nossos olhos (e aos de Ernesto)
>>> Carol Sanches, poesia na ratoeira do mundo
>>> O fim dos livros físicos?
>>> A sujeira embaixo do tapete
>>> Moro no Morumbi, mas voto em Moema
>>> É breve a rosa alvorada
>>> Alameda de água e lava
>>> Entrevista: o músico-compositor Livio Tragtenberg
>>> Cabelo, cabeleira
>>> A redoma de vidro de Sylvia Plath
Colunistas
Últimos Posts
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
Últimos Posts
>>> O poder da história
>>> Caraminholas
>>> ETC. E TAL
>>> Acalanto para a alma
>>> Desde que o mundo é mundo
>>> O velho suborno
>>> Normal!
>>> Os bons companheiros, 30 anos
>>> Briga de foice no escuro
>>> Alma nua
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Aos aspirantes a escritor
>>> Literatura Falada (ou: Ora, direis, ouvir poetas)
>>> A Web 2.0 Critique
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> O do contra
>>> American Dream
>>> Todas as Tardes, Escondido, Eu a Contemplo
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - II
>>> Delicado, vulnerável, sensível
Mais Recentes
>>> Rousseaus Politische Philosophie: Zur Geschichte des demokratischen Freiheitsbegriffs de Iring Fetscher pela Hermann Luchterhand (1960)
>>> Poesia de Jake pela Pallotti
>>> La métamorphose de Franz Kafka pela Flamarion (1988)
>>> The Invisible bridge de Julie Orringer pela Random House (2011)
>>> ... E o mundo silenciou de Ben Abraham pela Parma (1979)
>>> Minha Alma Gêmea de Adélia Bastos Krefta pela Santa Mônica (1999)
>>> Como falar com as mães de Alec Greven pela Record (2009)
>>> O doce veneno do escorpião de Bruna Surfistinha pela Panda Books (2005)
>>> Aprender a Viver de Luc Ferry pela Objetiva (2007)
>>> The Buenos Aires Affair de Manuel Puig pela Nova Cultural (1987)
>>> Enquanto o Amor não vem. de Lyanda Vanzant pela Sextante (1999)
>>> Meninas Boazinhas vão para o céu, as más vão à luta. de Ute Ehrhardt pela Objetiva Mulher (1996)
>>> Poeta, Mostra a Tua Cara de Berecyl Garay pela Toazza (1992)
>>> Medida Provisória 1 6 1 de Ademir Antonio Bacca pela Toazza
>>> Eu amo Hollywood de Lindsey Kelk pela Fundamento (2013)
>>> A Torre Invisível de Nils Johnson-Shelton pela Intrinseca (2013)
>>> De Volta ao Paraíso de Gwen Davis pela Nova Epoca
>>> Karma =A Justiça Infalível de A.C.Bhaktivedanta pela Associação BBT Brasil (2011)
>>> Como a Starbucks salvou minha vida. de Michael Gates Gill pela Sextante (2008)
>>> Conspiração Telefone de Walter Wager pela Circulo do livro
>>> Perdida - Um Amor Que Ultrapassa as Barreiras do Tempo de Carina Rissi pela Verus (2013)
>>> Bosque da Solidão de Nilson Luiz May pela Seriptum (2017)
>>> Respostas para o Jovem Phn de Dunga pela Canção Nova (2013)
>>> Administração Pública de Augustinho Paludo pela Gen (2019)
>>> 130 anos - Em Busca da República de 9788551004968 pela Intrínseca (2019)
>>> Encontro Marcado de Raul Moreau pela Portal Mix (2010)
>>> No Ritmo em Que o Vento Assovia de Raul Moreau pela Portal Mix (2011)
>>> Quase Memória de Carlos Heitor Cony pela Alfaguara (2020)
>>> Estudos = Design & Tecnologia de Abimóvel - Promóvel pela Alternativa (2002)
>>> Battle Royale - the Novel de Koushun Takami pela Haika Soru (2009)
>>> Querência em Prosa de Manoel Lopes Haygert pela Do autor. (1991)
>>> Aspectos jurídicos do atendimento às vítimas de violência sexual. de Delano de Aquino Silva pela Ms (2011)
>>> Antes de dizer Sim de Jaime Kemp pela Mundo Cristão (1999)
>>> Fallen de Lauren Kate pela Galera Record (2012)
>>> Nu entre os lobos de Bruno Apitz pela Nosso Tempo (1971)
>>> Coisas que toda garota deve saber. de Samantha Rugen pela Melhoramentos (1997)
>>> A Queda para o Alto de Herzer pela Vozes (1983)
>>> As Vantagens de Ser Invisível de Stephen Chbosky pela Rocco (2007)
>>> Doces Venenos de Lidia Rosenberg Aratangy pela Olho Dágua (2008)
>>> A máquina extraviada de José J. Veiga pela Civilização brasileira (1974)
>>> Cara ou coroa ? de Fernando Sabino pela Ática (2000)
>>> Conte Sua História de São Paulo de Milton Jung pela Globo (2006)
>>> Letras Perdidas de Luís Dill pela Oceano Indústria Gráfica (2006)
>>> Minhas vidas passadas de Mario Prata pela Planeta (2012)
>>> A Cadeira do Dentista & Outras Crônicas de Carlos Eduardo Novaes pela Ática (2002)
>>> Os Recicláveis de Toni Brandão pela A Caixa verde (2010)
>>> Sete desafios para ser rei de Jan Terlouw pela Atica (2003)
>>> Quem Diria Que Viver ia Dar Nisso de Martha Medeiros pela L&PM (2018)
>>> Entre os Monges do Tibete de Lobsang Rampa pela Record (1960)
>>> O menino do dedo verde de Maurice Druon pela José Olympio (2013)
COLUNAS

Quarta-feira, 21/11/2001
Quiche e Thanksgiving
Daniela Sandler

+ de 9000 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Bruno Weiszflog

Amanhã é Thanksgiving, o dia de Ação de Graças dos norte-americanos. O feriado é quase tão importante quanto o Natal - para alguns, até mais. Nas universidades, as aulas cessam um dia antes para que os alunos tenham tempo de viajar até suas cidades de origem e passar a data com a família. Quase tudo fecha, quase todo mundo emenda a sexta-feira, e na quinta-feira propriamente dita todos se reúnem para a grande e longa refeição.

Eu já tinha ouvido falar de Thanksgiving, vagamente, antes de vir para cá. Achava que era a mesma coisa que o nosso dia de Ação de Graças, que para ser bem sincera até hoje não sei o que é. Meu calendário acadêmico foi minha primeira fonte de informação: descobri que Thanksgiving é um feriadão, três dias sem aula muito oportunos na época mais sobrecarregada do semestre.

A primeira suspeita de que Thanksgiving devia ser uma data especial veio depois, quando fui convidada para três jantares no mesmo dia. Com todo mundo comemorando, algo de importante devia ser... algo assim como um direito básico, a ser garantido até para os desgarrados, os que vivem longe da família, nós, os "soltos no mundo". Mais ou menos como alguém passando um Natal solitário numa terra estrangeira. Numa data em que a celebração é privada, familiar, a impressão que se tem é que "o mundo" está comemorando: o "mundo", claro, sendo as salas de jantar de cada casa e de cada apartamento.

Assim como o Natal tem peru e castanhas, Thanksgiving tem comidas especiais. Mas eu nada sabia de seus ritos - passei meu primeiro semestre americano alienada, sem televisão ou revista, vivendo na universidade, que é um mundo à parte. Minha fonte de informação, veja só, era o supermercado, onde via gente comprando peru, batata-doce e molho de cranberry (fruta cuja tradução eu e meu dicionário ignoramos). Bom, pensei, comidas típicas, sim, assim como as natalinas; e, assim como elas, elementos básicos com espaço para variações e gosto pessoal, enfim, para qualquer outra coisa que se queira servir num jantar especial.

E, pensando assim, comprometi-me (ah, que ingênua!) a fazer uma quiche de gruyère e cogumelos para o jantar que teria com meus amigos. Lucy, minha amiga canadense, polidamente não disse nada, mas preparou, além do recheio do peru, a torta de abóbora e o purê de squash (um tipo de moranga) - e felizmente Cyril cuidou da batata-doce! Sim, a quiche ficou boa e todo mundo gostou, mas foi também o atestado da minha condição de noviça cultural.

O significado da quiche

Foi só depois que me dei conta da dimensão do meu faux-pas e do significado da quiche. Thanksgiving não é prá qualquer um vir inventando moda, enfiando prato alheio, ingrediente estrangeiro ou sabor diverso. Há variações, sim; regionalismos, também; mas tudo de acordo com o roteiro básico e dentro de uma gama determinada de opções. Coisas estranhas, quando aparecem, são invencionice vanguardeira ou idiossincrasia. De resto, o comensal quer o peru "and all the trimmings", todas as guarnições. Que têm lá sua razão de ser, ainda que mítica.

Pois Thanksgiving celebra os pioneiros, os primeiros colonos a domar o solo e a pátria (sem contar os índios, pois mitos patrióticos não são politicamente corretos), a ceia primal, primeira refeição, primeiros frutos da colheita. É um feriado secular, cívico, um marco de fundação e identidade nacional. As comidas, em tese, remetem àquilo que os pioneiros teriam comido, ainda que historicamente isso não seja exato: muitos pratos sumiram, foram adicionados ou tornaram-se mais sofisticados; e nos primeiros anos colheitas ruins fizeram do Thanksgiving uma refeição quase miserável. Em todo caso, fixou-se o simbolismo da reunião anual para dar graças pela colheita, pela comida, pela sobrevivência no novo mundo, pela nova vida. América!

Arranjo lógico

Ainda que tempero, métodos e forma final variem, Thanksgiving que se preze tem uma fórmula clara e básica de combinação de comida. No centro, claro, o peru assado, que pode ser recheado ou não. Sempre há recheio, ainda que ele não tenha sido assado dentro do peru. Recheio chama-se stuffing ou dressing, e é parente da nossa farofa (iguaria desconhecida por aqui). Stuffing é feito de croûtons, aos quais se adicionam temperos e outros ingredientes, que quase sempre incluem salsão, cebola, alecrim e tomilho, e que podem também integrar castanhas, frutas secas, maçãs, tubérculos, cogumelos, pimentões, bacon e lingüiça.

Batatas são obrigatórias, inteiras ou em purê. Tradicionais mesmo são as batatas-doces - as daqui, de uma variedade diferente das que comemos no Brasil, têm intensa cor-de-laranja e sabor delicado. Podem vir assadas ou amassadas, comumente regadas com suco de laranja ou xarope de maple, e quase sempre encimadas por cubinhos de marshmallow (não, não é sobremesa). Outros itens sempre presentes são os molhos: o gravy feito com caldo e miúdos de peru; e o molho das tais cranberries, que são frutinhas vermelhas muitíssimo azedas. E, por fim, a torta de abóbora, em que o recheio é de regra temperado com cravo, canela e gengibre (a combinação é vendida, junto aos tubinhos de ervas e especiarias, como "pumpkin pie spice" - como se tivesse na natureza uma tal coisa já pronta, assim como o orégano ou o cardamomo!).

Essa mesa básica pode ser visitada por outros vegetais, dependendo do gosto e da região: purês ou sopas de squash, vagem, ervilhas, cenouras. Às vezes, inclui uma peça de presunto. Minha quiche, no entanto, só mostrou que eu não sabia mesmo nada de Thanksgiving. Ainda que esse prato francês seja familiar ao gosto americano (afinal, omelete e stratta são típicas comidas de café-da-manhã), é no entanto totalmente estranho ao paladar de Thanksgiving. Por certo há explicações gastronômicas, nutricionais e históricas - por exemplo, o peru e seu gravy já têm gordura demais, tornando o ovo e o creme da quiche supérfluos; não havia queijo na época dos pioneiros; o gosto marcante e untuoso da quiche "brigaria" com o resto da refeição. Mas para mim a explicação é simples, auto-evidente, e só pode ser demonstrada na prática.

Você está convidado(a)

Sente-se à mesa de Thanksgiving nesta quinta-feira que é mais um desses dias gelados de fim de novembro, em que lá fora o vento faz uma zona com as folhas que apodrecem no chão. Dentro da sala aquecida o relógio marca 5 da tarde: você sabe, os americanos jantam cedo. As luzes estão todas acesas porque a esta hora já começou a escurecer. O resto de luz diurna dá ao céu um tom azul fosforecente e uniforme, recortado pela janela. Todos os seus amigos já chegaram, já tiraram os sapatos como é costume em país que neva, e todo mundo já tem uma taça de vinho na mão.

No seu prato, alinhados como representantes diplomáticos na liga das nações, estão o peru and all the trimmings: um pouco de cada um. Fatias de peru branquinhas, talvez até um pouco secas, mas não importa, porque você vai cobri-las com o molho de cranberries, cor-de-vinho, brilhante e perfumado com casca-de-laranja; no começo, você talvez pense que esse molho é geléia e que foi parar por engano na mesa do jantar (testemunhei essa reação num jantar de brasileiros), mas depois você entenderá que o peru e as frutinhas foram feitos um para o outro. Ao lado do peru alguém pôs em seu prato uma porção enorme de stuffing, que a essa altura é um aglomerado úmido de croûtons e temperos, cheio de texturas diferentes, coberto pelo gravy marrom e espesso.

Ainda que com desconfiança, você se serviu da batata-doce com marshmallow - não muitos marshmallows, uns dois ou três só prá constar (depois, claro, você vai se arrepender e desejar ter posto mais). O prato transborda, quase não há espaço para enfiar o garfo, haverá espaço para a torta de abóbora de sobremesa?; mas que pergunta, você logo lembra que Thanksgiving, assim como o Natal, é ocasião de exagerada comilança.

Enfim, como eu disse, sente-se à mesa de Thanksgiving, assim como eu fiz, embora na minha primeira vez não tivesse exatamente uma mesa, mas sim umas cadeiras toscas e um sofá improvisado (casa de estudante). E depois de saborear o mosaico alimentar fundido na impressão geral do jantar - em sua língua dançando ainda a memória gustativa do conjunto - você há de entender, assim como eu, o significado da quiche, do peru and all the trimmings. Assim como eu, na próxima vez em que você for a um jantar de Thanksgiving, vai preparar, isso sim, uma bela travessa de stuffing, como se deve (e enquanto você lê esta coluna eu estou picando aipos e maçãs). E, claro, no espírito da festa, assim como fez minha amiga Lucy, você delicadamente não vai dizer nada se o noviço da vez aparecer com uma bandeja de sushi - porque isso também faz parte de todos os trimmings.


Daniela Sandler
Riverside, 21/11/2001


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Os Doze Trabalhos de Mónika. Prólogo. Sem Alarde de Heloisa Pait
02. Thoreau, Mariátegui e a experiência americana de Celso A. Uequed Pitol
03. Sejamos multiplicadores de Fabio Gomes
04. Solitária cidadã do mundo de Elisa Andrade Buzzo
05. Exógeno & Endógeno de Guilherme Pontes Coelho


Mais Daniela Sandler
Mais Acessadas de Daniela Sandler em 2001
01. O primeiro Show do Milhão a gente nunca esquece - 8/8/2001
02. Quiche e Thanksgiving - 21/11/2001
03. A língua da comida - 29/5/2001
04. Mas isso é arte??? - 29/8/2001
05. Notícias do fim-do-mundo - 24/10/2001


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
23/11/2001
02h41min
Voce foi muito "feliz" no que escreveu, moro aqui na America e ja participei de jantares de Thanksgiving. Acho que e tao mais importante que o Natal. Valeu Dani...
[Leia outros Comentários de Cecilia]
23/11/2001
12h30min
Daniela, Acho muito interessante como vc sempre consegue traduzir pra "brasileiro" o american way of life. E com muita graça. Espero que vc tenha tido um ótimo thanksgiving! Abraços, Ana
[Leia outros Comentários de Ana Veras]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O IRMÃO QUE VEIO DE LONGE - COL. NOVELA VOLUME 3
MOACYR SCLIAR
COMPANHIA DAS LETRINHAS
(2002)
R$ 7,00



ENQUANTO MINHA QUERIDA DORME - BEST BOLSO
MARY HIGGINS CLARK
BESTBOLSO
(2009)
R$ 8,00



LIVRO DAS MIL E UMA NOITES VOL 1 -LITERATURA
RAMO SIRIO
GLOBO
R$ 55,00



CORAÇÃO DE BONECA
ILKA BRUNHILDE LAURITO
MODERNA
(1991)
R$ 5,00



AS NOVE LIÇÕES ESSENCIAIS QUE APRENDI SOBRE A VIDA
HAROLD S. KUSHNER
BEST SELLER
(2016)
R$ 23,00



DRAGON SLAYERS ACADEMY VOL. 16 WORLDS OLDEST LIVING DRAGON
KATE MCMULLAN
GROSSET E DUNLAP
(2010)
R$ 25,00



CAÇADOR DE FANTASMAS
MICHELLE PAVER
ROCCO
(2011)
R$ 20,00



COMPÊNDIO DE SAÚDE FÍSICA E MENTAL 3
JORGE CATALÃO JUNIOR E ANDRÉ DE SOUZA BARROS
A. LOPES
R$ 10,00



CANTIGAS, ADVINHAS E OUTROS VERSO
GABRIEL LEVY, ANA RUY VIEIRA E THAIS COCA - PESQUISADORES
MELHORAMENTOS
(2010)
R$ 7,00



DEPOIMENTOS III - ENTREVISTAS COM ATORES E ATRIZES
ORLANDO MIRANDA (ORG.)
MEC/SNT/FUNARTE
(1977)
R$ 28,00





busca | avançada
55373 visitas/dia
2,0 milhões/mês