A dama brasileira do crime | Luis Eduardo Matta | Digestivo Cultural

busca | avançada
29267 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Terça-feira, 28/6/2005
A dama brasileira do crime
Luis Eduardo Matta

+ de 5400 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Ao me deparar, durante uma visita casual a uma livraria carioca, no ano passado, com o livro 25 mulheres que estão fazendo a nova literatura brasileira (Record; 368 páginas; 2004), compilação de contos organizada por Luiz Ruffato, duas ausências me saltaram, de imediato, aos olhos. A primeira foi a de Angela Dutra de Menezes, autora de obras como Mil Anos Menos Cinqüenta e O Avesso do Retrato, que acabou (com o ótimo conto "Teoria Freudiana do Medo") incluída, agora, na continuação da coletânea, intitulada Mais 30 mulheres que estão fazendo a nova literatura brasileira (Record; 304 páginas; 2005). A segunda ausência - um pouco mais sentida, até -, foi a de uma autora, não propriamente nova em termos de carreira, mas que vem imprimindo, de certa maneira um pouco na contramão dos escritores em atividade, uma marca própria e independente no panorama literário brasileiro: Vera Carvalho Assumpção.

Conheci Vera Carvalho Assumpção no final de 2003, quando ela preparava-se para lançar seu primeiro romance policial, o instigante e surpreendente Paisagens Noturnas (Landscape; 198 páginas; 2003), já devidamente analisado aqui no Digestivo Cultural, em maio de 2004, numa bela resenha assinada pelo meu querido colega Fabio Silvestre Cardoso. Interessei-me pelo livro de pronto, não apenas por ser um grande leitor de ficção policial e de suspense, como principalmente por enxergar na sua chegada às livrarias, um reforço nas fileiras da ainda escassa Literatura brasileira de entretenimento, a dita LPB, um tema recorrente nos meus artigos e de cuja defesa não abro mão. Muita gente, certamente, não se deu conta disso, mas o fato é que Paisagens Noturnas inaugurou uma linguagem nova dentro da Literatura policial nacional, ao abordar questões caras à atualidade (mundo das drogas, deterioração das relações familiares, violência nas grandes cidades brasileiras, no caso, São Paulo), sem, contudo, resvalar para a estética marginal e, por vezes, árida e repulsiva que tem marcado a prosa de muitos ficcionistas devotados à temática do submundo urbano e do crime. Vera brinda os seus leitores com um estilo refinado; limpo, porém não asséptico e, por isso mesmo, não-limitado. Ou seja: a sua linguagem elegante não impede, absolutamente, que sejam postos em relevo todos os matizes da nossa múltipla e ensandecida sociedade, das angústias humanas cada vez mais pungentes, dos inevitáveis conflitos pessoais numa atualidade ferreamente competitiva e individualista, enfim: todos os ângulos da realidade, muitos dos quais preferimos ignorar diariamente em nome de um ideal de felicidade, beleza e segurança.

Vera Carvalho Assumpção acertou em cheio ao abraçar a Literatura policial, tornando-se, talvez sem saber, a única escritora-mulher em atividade no gênero no Brasil, a nossa "dama do crime". Com isso, ela criou um dos mais simpáticos personagens surgidos na ficção nacional nos últimos tempos: o detetive Alyrio Cobra, protagonista de Paisagens Noturnas, um legítimo flâneur paulistano, amante da boa conversa e do bom vinho, além de um espectador atento da vida e da paisagem da sua amada São Paulo. Alyrio está, também, presente em Formas Fragilizadas e O Rigor da Forma, duas ótimas tramas policiais - que tive o privilégio de ler ainda nos originais -, previstas para serem lançadas em breve. Percebe-se na narrativa de Vera Carvalho Assumpção um somatório de influências, que vão de Patrícia Highsmith a Ruth Rendell, passando por Simenon e Dashiell Hammett. Seu protagonista, no entanto, guarda inegáveis semelhanças com Pepe Carvalho, o célebre dublê de detetive e gourmet criado pelo catalão Manuel Vázquez Montalbán, estrela de livros como Os Mares do Sul e Assassinato no Comitê Central.

Dada a maneira como ela conduz a narrativa, mantendo um clima de suspense constante e construindo com maestria suas galerias de personagens, podemos afirmar, sem exagero, que Vera Carvalho Assumpção é uma voz inovadora e necessária na nova Literatura brasileira de mistério. Mas, engana-se quem pensa que a sua carreira está circunscrita ao âmbito da ficção policial. A trajetória da "dama brasileira do crime" como escritora já conta mais de duas décadas e é pontuada por iniciativas ousadas e lances inusitados. A estréia de Vera na Literatura aconteceu em 1983, com a publicação do romance Maria Eugênia, pelas Edições Excelsior, divisão da finada editora T. A. Queiroz, que narra os conflitos de uma mulher, Maria Eugênia, dentro de um casamento convulsionado. O livro é, de certo modo, um libelo feminista entremeado por linhas de profunda introspecção psicológica, uma narrativa perturbadora da qual não se sai incólume após uma leitura atenta.

Escritora incansável e grande empreendedora, ao longo desses mais de vinte anos, Vera foi agraciada com diversos prêmios obtidos em concursos literários, aqui e no exterior, como o da Universidade de Évora, em Portugal, o Gralha Azul - patrocinado pelo extinto Banestado do Paraná -, e um honroso segundo lugar no Guimarães Rosa, da Radio France Internationale, o que não é pouco. Mas, foi em 1993, que teve lugar um dos episódios mais curiosos de toda a sua carreira: a abertura de uma pequena editora, a Papa-Formiga, para a publicação de uma série de livros intitulada A Saga de Sofia. Escritos pela própria Vera e assinados com o sugestivo pseudônimo de Mila Oakley, a saga era algo como um equivalente brasileiro das famosas histórias de Angélica (Angélica, Marquesa dos Anjos; Angélica e o Rei; A Revolta de Angélica; etc.), idealizadas pelo casal francês Serge e Anne Golon e que cativaram legiões de leitores mundo afora. A diferença era que, em lugar da França do século XVII, A Saga de Sofia se passava numa São Paulo distante no tempo, quando esta deixava de ser um pouso de tropas e começava a se formar como cidade. Trabalhando praticamente sozinha (até as capas dos livros foram feitas por ela), Vera chegou a publicar dois títulos da série com êxito, mas diversos problemas de ordem pessoal a impediram de tocar a empreitada e a editora acabou fechando as portas. Mas, talvez não fosse má idéia reabri-la. As histórias publicadas de A Saga de Sofia (Os Suplícios de uma Provinciana e A Chegada entre os Papa-Formiga) são para lá de interessantes, adocicadas como convém a um bom folhetim, porém emolduradas por uma rica ambientação histórica e, naturalmente, pedem uma continuação.

Atualmente, além dos romances policiais, Vera Carvalho Assumpção vem se dedicando, com igual afinco, à Literatura juvenil e já conta com dois livros publicados. O primeiro deles é o envolvente Viagem Virtual (Larousse; 112 páginas; 2004), cuja história gira em torno de Camila, uma menina de treze anos que, através de fotografias deixadas por sua falecida e querida avó no computador, embarca com ela por uma fascinante incursão à tranqüila São Paulo do século XIX. Já no segundo livro, recém-lançado, Na Caravela Virtual (Larousse; 98 páginas; 2005), Vera conta a história do menino Pedro, que vai com sua tia a uma lan house, fazer um trabalho para a escola. Lá, eles experimentam um novo super-computador, entram num site e acabam parando dentro de uma das históricas expedições guarda-costas. Estas expedições, organizadas pela coroa portuguesa entre 1516 e 1528 e comandadas pelo fidalgo português Cristóvão Jacques, tinham por objetivo policiar a costa brasileira contra a ação de corsários estrangeiros, principalmente franceses. No livro, Pedro e a tia encontram piratas roubando pau-brasil, vistoriam feitorias e vivem várias aventuras. Tangencialmente, Vera mostra, entre outras coisas, um pouco da gênese da raça brasileira com índios e europeus e a devastação das matas, com a exploração predatória do pau-brasil e o seu contrabando sistemático. Na Caravela Virtual, além de um livro saboroso, nos apresenta um período decisivo - e pouquíssimo estudado - da nossa História, já que foi o fracasso das expedições guarda-costas (insuficientes para patrulhar todo o extenso litoral brasileiro) que deu início ao povoamento do país, visto, então, como a única solução para afastar a ameaça dos corsários.

Por tudo o que conheço de Vera, por toda a sua cultura, criatividade, determinação e dinamismo, não creio ser demasiado afirmar que ela é uma escritora que exerce a sua vocação por inteiro, entregando-se plenamente a todas as vertentes da criação literária e auferindo indiscutíveis vitórias, ainda que estas não tenham sido - ainda - devidamente contabilizadas pela mídia e pelo imaginário coletivo. Esperemos que Luiz Ruffato, caso dê prosseguimento à sua série sobre as novas escritoras brasileiras, assim como fez, recentemente, com Angela Dutra de Menezes, da próxima vez preste mais atenção em Vera Carvalho Assumpção, que embora não seja - volto a dizer - uma escritora "nova", tem muito de novo a oferecer à nossa Literatura. Afinal é de bons contadores de histórias, desvinculados da volúpia dos hermetismos intelectuais e distantes dos devaneios experimentais, que estamos necessitados, acima de tudo.

Nota do Editor
Confira aqui a promoção de livros de Vera Carvalho Assumpção.

Para ir além












Luis Eduardo Matta
Rio de Janeiro, 28/6/2005


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A boa literatura brasileira de Rafael Rodrigues
02. A descida aos subterrâneos do humano de Guilherme Conte


Mais Luis Eduardo Matta
Mais Acessadas de Luis Eduardo Matta em 2005
01. Moda e modismos prêt-à-porter - 29/3/2005
02. O discreto charme dos sebos - 11/1/2005
03. Um romance de terror e de sombras - 1/3/2005
04. Henry Moore: o Rodin do século XX - 26/7/2005
05. O primeiro código de Brown - 10/5/2005


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
29/6/2005
08h02min
Li alguns contos e todos os seus livros, são ótimos. Indico seus contos e livros a todos.
[Leia outros Comentários de PauloRobertoCardoso]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




COMO VIVER COM UM INFARTO (E COMO EVITAR UM)
DR ROBERT A MILLER
ARTENOVA
(1974)
R$ 31,50
+ frete grátis



ACONSELHAMENTO DE ADULTOS: UMA ABORDAGEM EVOLUTIVA
WILLIAM H. VAN HOOSE & MAUREEN ROUSSET WORTH
ZAHAR
(1985)
R$ 18,00



IVANHOÉ
WALTER SCOTT
NOVA CULTURAL
(2003)
R$ 36,45
+ frete grátis



A VIDA ETERNA - COLEÇÃO DOIS MUNDOS
JACQUES ATTALI
LIVROS DO BRASIL
(1991)
R$ 54,78



GINSENG - A RAIZ QUE CURA TODOS OS MALES
NATHAN S. BENNET
GLOBAL
(1983)
R$ 10,00



O TRONCO DO IPÊ - COLEÇÃO JABUTI
JOSÉ DE ALENCAR
SARAIVA
(1972)
R$ 8,00



BUSINESS DICTIONARY: NOVO DICIONÁRIO DE TERMOS DE NEGÓCIOS
PAULO N. MIGLIAVACCA
EDICTA
(2000)
R$ 25,00



IN TOUCH - STUDENTS BOOK 2
OSCAR CASTRO / VICTORIA KIMBROUGH
LONGMAN
(1988)
R$ 15,00



O ÚLTIMO TANGO DE SALVADOR ALLENDE
ROBERTO AMPUERO
BENVIRÁ
(2014)
R$ 28,00



O RISO DOURADO DA VILA
JOÃO AMILCAR SALGADO
BELO HORIZONTE
(2003)
R$ 85,00





busca | avançada
29267 visitas/dia
1,1 milhão/mês