A dama brasileira do crime | Luis Eduardo Matta | Digestivo Cultural

busca | avançada
24646 visitas/dia
922 mil/mês
Mais Recentes
>>> Comédia dirigida por Darson Ribeiro, Homens no Divã faz curta temporada no Teatro Alfredo Mesquita
>>> Companhia de Danças de Diadema leva projeto de dança a crianças de escolas públicas da cidade
>>> Cia. de Teatro Heliópolis encerra temporada da montagem (IN)JUSTIÇA no dia 19 de maio
>>> Um passeio imersivo pelos sebos, livrarias e cafés históricos do Rio de Janeiro
>>> Gaitista Jefferson Gonçalves se apresenta em quinteto de blues no Sesc Belenzinho
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A cidade e o que se espera dela
>>> De pé no chão (1978): sambando com Beth Carvalho
>>> Numa casa na rua das Frigideiras
>>> Como medir a pretensão de um livro
>>> Nenhum Mistério, poemas de Paulo Henriques Britto
>>> Nos braços de Tião e de Helena
>>> Era uma casa nada engraçada
>>> K 466
>>> 2 leituras despretensiosas de 2 livros possíveis
>>> Minimundos, exposição de Ronald Polito
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jornada Escrita por Mulheres
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 3
>>> Juntos e Shallow Now
>>> Dicionário de Imprecisões
>>> Weezer & Tears for Fears
>>> Gryphus Editora
>>> Por que ler poesia?
>>> O Livro e o Mercado Editorial
>>> Mon coeur s'ouvre à ta voix
>>> Palestra e lançamento em BH
Últimos Posts
>>> Diagnóstico falho
>>> Manuscrito
>>> Expectativas
>>> Poros do devir
>>> Quites
>>> Pós-graduação
>>> Virtuosismo
>>> Evanescência
>>> Um Certo Olhar de Cinema
>>> PROCURA-SE
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Um jantar levantino
>>> Se eu fosse você 2
>>> Sou diabético
>>> Um olhar sobre Múcio Teixeira
>>> O Barril
>>> Como escrever bem — parte 1
>>> Quatro Mitos sobre Internet - parte 1
>>> Da capo
>>> Elesbão: escravo, enforcado, esquartejado
>>> 5ª MUMIA em BH
Mais Recentes
>>> A Era do Capital de Eric Hobsbawm pela Paz e Terra (2002)
>>> A Era das Revoluções de Eric Hobsbawm pela Paz e Terra (2001)
>>> Medo, Reverência, Terror - Quatro ensaios de iconografia política de Carlo Ginzburg pela Companhia das letras (2014)
>>> Cinema de Garganta de Ericson Pires pela Azougue (2002)
>>> Criando Meninas de Gisela Preuschoff pela Fundamento (2006)
>>> A Revolução Russa de 1917 de Marc Ferro pela Perspectiva (1980)
>>> A Revolução Russa de 1917 de Marc Ferro pela Perspectiva (1980)
>>> Os Últimos Anos de Bukharin de Roy Medvedev pela Civilização Brasileira (1980)
>>> Os Últimos Anos de Bukharin de Roy Medvedev pela Civilização Brasileira (1980)
>>> A Primeira Reportagem (Vaga- lume) de Sylvio Pereira pela Ática/ SP. (1991)
>>> A Primeira Reportagem (Vaga- lume) de Sylvio Pereira pela Ática/ SP. (1984)
>>> A Primeira Reportagem (Vaga- lume) de Sylvio Pereira pela Ática/ SP. (1984)
>>> A Primeira Reportagem (Vaga- lume) de Sylvio Pereira pela Ática/ SP. (1995)
>>> Lógica da Lógica de Paulo Roberto Melo Volker (org.) pela Fafich/ Fumec (1983)
>>> Diccionario de Psicología (Encadernado) de Howard C. Warren (Compilador) pela Fondo de Cultura/ México (1991)
>>> Nietzsche para Estressados (99 Doses de Filosofia para Despertar a Mente e Combater as Preocupações de Allan Percy pela Sextante (2001)
>>> Nietzsche para Estressados (99 Doses de Filosofia para Despertar a Mente e Combater as Preocupações de Allan Percy pela Sextante (2001)
>>> Os Melhores contos de Natal de Charles Dickens-Jack London- Nathaniel Hawthorne- O. Henry pela Circulo do Livro/ SP. (1990)
>>> Sete Vozes Falam (Sem uso) de Catharose de Petri pela Rosa Cruz Áurea/ Sp. (1982)
>>> Questionamos 2: Psicanálise Institucional e Psicanálise S/ Instituição de Marie Langer: Compilação pela Interlivros (1977)
>>> Por Que Fazer Terapia?/ Capa Dura de Luiz Carlos Teixeira de Freitas pela Circulo do Livro/ SP. (1990)
>>> Um Rosto No computador/ Vaga- lume de Marcos rey pela Ática/ SP. (1992)
>>> Um Rosto No computador/ Vaga- lume de Marcos rey pela Ática/ SP. (1992)
>>> Um Rosto No computador/ Vaga- lume de Marcos rey pela Ática/ SP. (1995)
>>> Um Rosto No computador/ Vaga- lume de Marcos rey pela Ática/ SP. (1999)
>>> Sozinha no Mundo de Marcos Rey pela Ática/ SP. (1984)
>>> Sozinha no Mundo de Marcos Rey pela Ática/ SP. (2004)
>>> Tonic e Carniça/ Vaga- lume de José Rezende Filho/ Assis Brasil pela Ática/ SP. (1989)
>>> Tonic e Carniça/ Vaga- lume de José Rezende Filho/ Assis Brasil pela Ática/ SP. (1982)
>>> Tonic e Carniça/ Vaga- lume de José Rezende Filho/ Assis Brasil pela Ática/ SP. (2002)
>>> O Segredo dos Sinais Mágicos/ Vaga-lume de Sérsi Bardari/ Ilustr.: Edgar Rodrigues pela Ática/ SP. (1993)
>>> O Segredo dos Sinais Mágicos/ Vaga-lume de Sérsi Bardari/ Ilustr.: Edgar Rodrigues pela Ática/ SP. (1993)
>>> Desvendando Mistérios - Chacras, Kundalini, os sete corpos e outros de Osho pela Alaúde (2011)
>>> O Segredo dos Sinais Mágicos/ Vaga-lume de Sérsi Bardari/ Ilustr.: Edgar Rodrigues pela Ática/ SP. (1993)
>>> O Segredo dos Sinais Mágicos/ Vaga-lume de Sérsi Bardari/ Ilustr.: Edgar Rodrigues pela Ática/ SP. (1993)
>>> Tonico de José Rezende Filho pela Ática/ SP. (1978)
>>> Tonico de José Rezende Filho pela Ática/ SP. (1988)
>>> Tonico de José Rezende Filho pela Ática/ SP. (1978)
>>> Por Onde Andou Meu Coração de Maria Helena Cardoso pela Nova Fronteira/ RJ. (1984)
>>> O Brasileiro Perplexo de Rachel de Queiroz pela Edautor (1963)
>>> Se a Memória não Me Falha de Sylvia Orthof/ Ilustrações: Tato pela Nova Fronteira/ RJ. (1987)
>>> João Miguel de Rachel de Queiroz pela Siciliano/ SP. (1992)
>>> Maria Ruth de Ruth Escobar/ Prefácio: Hélio Pellegrino pela Guanabara/ RJ. (1986)
>>> voce Tem Personalidade? de Pedro Bloch pela Bloch editores (1979)
>>> voce Tem Personalidade? de Pedro Bloch pela Bloch editores (1979)
>>> O Menino Mágico de Rachel de Queiroz/ Ilustrações: Gian Calvi pela Livr. José Olympio Edit. (1987)
>>> O Menino Mágico de Rachel de Queiroz/ Ilustrações: Gian Calvi pela Livr. José Olympio Edit. (1982)
>>> Um Nome pra Matar (Prêmio Walmap) de Maria Alice Barroso/ Prefácio: Antonio Olinto pela Bloch editores (1967)
>>> Uma cidade Fora do mapa de Eliane Ganem pela Livr. José Olympio Edit. (1985)
>>> Uma cidade Fora do mapa de Eliane Ganem pela Livr. José Olympio Edit. (1987)
COLUNAS

Terça-feira, 28/6/2005
A dama brasileira do crime
Luis Eduardo Matta

+ de 5100 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Ao me deparar, durante uma visita casual a uma livraria carioca, no ano passado, com o livro 25 mulheres que estão fazendo a nova literatura brasileira (Record; 368 páginas; 2004), compilação de contos organizada por Luiz Ruffato, duas ausências me saltaram, de imediato, aos olhos. A primeira foi a de Angela Dutra de Menezes, autora de obras como Mil Anos Menos Cinqüenta e O Avesso do Retrato, que acabou (com o ótimo conto "Teoria Freudiana do Medo") incluída, agora, na continuação da coletânea, intitulada Mais 30 mulheres que estão fazendo a nova literatura brasileira (Record; 304 páginas; 2005). A segunda ausência - um pouco mais sentida, até -, foi a de uma autora, não propriamente nova em termos de carreira, mas que vem imprimindo, de certa maneira um pouco na contramão dos escritores em atividade, uma marca própria e independente no panorama literário brasileiro: Vera Carvalho Assumpção.

Conheci Vera Carvalho Assumpção no final de 2003, quando ela preparava-se para lançar seu primeiro romance policial, o instigante e surpreendente Paisagens Noturnas (Landscape; 198 páginas; 2003), já devidamente analisado aqui no Digestivo Cultural, em maio de 2004, numa bela resenha assinada pelo meu querido colega Fabio Silvestre Cardoso. Interessei-me pelo livro de pronto, não apenas por ser um grande leitor de ficção policial e de suspense, como principalmente por enxergar na sua chegada às livrarias, um reforço nas fileiras da ainda escassa Literatura brasileira de entretenimento, a dita LPB, um tema recorrente nos meus artigos e de cuja defesa não abro mão. Muita gente, certamente, não se deu conta disso, mas o fato é que Paisagens Noturnas inaugurou uma linguagem nova dentro da Literatura policial nacional, ao abordar questões caras à atualidade (mundo das drogas, deterioração das relações familiares, violência nas grandes cidades brasileiras, no caso, São Paulo), sem, contudo, resvalar para a estética marginal e, por vezes, árida e repulsiva que tem marcado a prosa de muitos ficcionistas devotados à temática do submundo urbano e do crime. Vera brinda os seus leitores com um estilo refinado; limpo, porém não asséptico e, por isso mesmo, não-limitado. Ou seja: a sua linguagem elegante não impede, absolutamente, que sejam postos em relevo todos os matizes da nossa múltipla e ensandecida sociedade, das angústias humanas cada vez mais pungentes, dos inevitáveis conflitos pessoais numa atualidade ferreamente competitiva e individualista, enfim: todos os ângulos da realidade, muitos dos quais preferimos ignorar diariamente em nome de um ideal de felicidade, beleza e segurança.

Vera Carvalho Assumpção acertou em cheio ao abraçar a Literatura policial, tornando-se, talvez sem saber, a única escritora-mulher em atividade no gênero no Brasil, a nossa "dama do crime". Com isso, ela criou um dos mais simpáticos personagens surgidos na ficção nacional nos últimos tempos: o detetive Alyrio Cobra, protagonista de Paisagens Noturnas, um legítimo flâneur paulistano, amante da boa conversa e do bom vinho, além de um espectador atento da vida e da paisagem da sua amada São Paulo. Alyrio está, também, presente em Formas Fragilizadas e O Rigor da Forma, duas ótimas tramas policiais - que tive o privilégio de ler ainda nos originais -, previstas para serem lançadas em breve. Percebe-se na narrativa de Vera Carvalho Assumpção um somatório de influências, que vão de Patrícia Highsmith a Ruth Rendell, passando por Simenon e Dashiell Hammett. Seu protagonista, no entanto, guarda inegáveis semelhanças com Pepe Carvalho, o célebre dublê de detetive e gourmet criado pelo catalão Manuel Vázquez Montalbán, estrela de livros como Os Mares do Sul e Assassinato no Comitê Central.

Dada a maneira como ela conduz a narrativa, mantendo um clima de suspense constante e construindo com maestria suas galerias de personagens, podemos afirmar, sem exagero, que Vera Carvalho Assumpção é uma voz inovadora e necessária na nova Literatura brasileira de mistério. Mas, engana-se quem pensa que a sua carreira está circunscrita ao âmbito da ficção policial. A trajetória da "dama brasileira do crime" como escritora já conta mais de duas décadas e é pontuada por iniciativas ousadas e lances inusitados. A estréia de Vera na Literatura aconteceu em 1983, com a publicação do romance Maria Eugênia, pelas Edições Excelsior, divisão da finada editora T. A. Queiroz, que narra os conflitos de uma mulher, Maria Eugênia, dentro de um casamento convulsionado. O livro é, de certo modo, um libelo feminista entremeado por linhas de profunda introspecção psicológica, uma narrativa perturbadora da qual não se sai incólume após uma leitura atenta.

Escritora incansável e grande empreendedora, ao longo desses mais de vinte anos, Vera foi agraciada com diversos prêmios obtidos em concursos literários, aqui e no exterior, como o da Universidade de Évora, em Portugal, o Gralha Azul - patrocinado pelo extinto Banestado do Paraná -, e um honroso segundo lugar no Guimarães Rosa, da Radio France Internationale, o que não é pouco. Mas, foi em 1993, que teve lugar um dos episódios mais curiosos de toda a sua carreira: a abertura de uma pequena editora, a Papa-Formiga, para a publicação de uma série de livros intitulada A Saga de Sofia. Escritos pela própria Vera e assinados com o sugestivo pseudônimo de Mila Oakley, a saga era algo como um equivalente brasileiro das famosas histórias de Angélica (Angélica, Marquesa dos Anjos; Angélica e o Rei; A Revolta de Angélica; etc.), idealizadas pelo casal francês Serge e Anne Golon e que cativaram legiões de leitores mundo afora. A diferença era que, em lugar da França do século XVII, A Saga de Sofia se passava numa São Paulo distante no tempo, quando esta deixava de ser um pouso de tropas e começava a se formar como cidade. Trabalhando praticamente sozinha (até as capas dos livros foram feitas por ela), Vera chegou a publicar dois títulos da série com êxito, mas diversos problemas de ordem pessoal a impediram de tocar a empreitada e a editora acabou fechando as portas. Mas, talvez não fosse má idéia reabri-la. As histórias publicadas de A Saga de Sofia (Os Suplícios de uma Provinciana e A Chegada entre os Papa-Formiga) são para lá de interessantes, adocicadas como convém a um bom folhetim, porém emolduradas por uma rica ambientação histórica e, naturalmente, pedem uma continuação.

Atualmente, além dos romances policiais, Vera Carvalho Assumpção vem se dedicando, com igual afinco, à Literatura juvenil e já conta com dois livros publicados. O primeiro deles é o envolvente Viagem Virtual (Larousse; 112 páginas; 2004), cuja história gira em torno de Camila, uma menina de treze anos que, através de fotografias deixadas por sua falecida e querida avó no computador, embarca com ela por uma fascinante incursão à tranqüila São Paulo do século XIX. Já no segundo livro, recém-lançado, Na Caravela Virtual (Larousse; 98 páginas; 2005), Vera conta a história do menino Pedro, que vai com sua tia a uma lan house, fazer um trabalho para a escola. Lá, eles experimentam um novo super-computador, entram num site e acabam parando dentro de uma das históricas expedições guarda-costas. Estas expedições, organizadas pela coroa portuguesa entre 1516 e 1528 e comandadas pelo fidalgo português Cristóvão Jacques, tinham por objetivo policiar a costa brasileira contra a ação de corsários estrangeiros, principalmente franceses. No livro, Pedro e a tia encontram piratas roubando pau-brasil, vistoriam feitorias e vivem várias aventuras. Tangencialmente, Vera mostra, entre outras coisas, um pouco da gênese da raça brasileira com índios e europeus e a devastação das matas, com a exploração predatória do pau-brasil e o seu contrabando sistemático. Na Caravela Virtual, além de um livro saboroso, nos apresenta um período decisivo - e pouquíssimo estudado - da nossa História, já que foi o fracasso das expedições guarda-costas (insuficientes para patrulhar todo o extenso litoral brasileiro) que deu início ao povoamento do país, visto, então, como a única solução para afastar a ameaça dos corsários.

Por tudo o que conheço de Vera, por toda a sua cultura, criatividade, determinação e dinamismo, não creio ser demasiado afirmar que ela é uma escritora que exerce a sua vocação por inteiro, entregando-se plenamente a todas as vertentes da criação literária e auferindo indiscutíveis vitórias, ainda que estas não tenham sido - ainda - devidamente contabilizadas pela mídia e pelo imaginário coletivo. Esperemos que Luiz Ruffato, caso dê prosseguimento à sua série sobre as novas escritoras brasileiras, assim como fez, recentemente, com Angela Dutra de Menezes, da próxima vez preste mais atenção em Vera Carvalho Assumpção, que embora não seja - volto a dizer - uma escritora "nova", tem muito de novo a oferecer à nossa Literatura. Afinal é de bons contadores de histórias, desvinculados da volúpia dos hermetismos intelectuais e distantes dos devaneios experimentais, que estamos necessitados, acima de tudo.

Nota do Editor
Confira aqui a promoção de livros de Vera Carvalho Assumpção.

Para ir além












Luis Eduardo Matta
Rio de Janeiro, 28/6/2005


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Desbloqueie seu cartão, aumente seu pênis de Luís Fernando Amâncio
02. Free: o futuro dos preços é ser grátis de Marcelo Spalding
03. Sete tecnologias que marcaram meu 2006 de Ram Rajagopal


Mais Luis Eduardo Matta
Mais Acessadas de Luis Eduardo Matta em 2005
01. Moda e modismos prêt-à-porter - 29/3/2005
02. O discreto charme dos sebos - 11/1/2005
03. Um romance de terror e de sombras - 1/3/2005
04. Henry Moore: o Rodin do século XX - 26/7/2005
05. O primeiro código de Brown - 10/5/2005


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
29/6/2005
08h02min
Li alguns contos e todos os seus livros, são ótimos. Indico seus contos e livros a todos.
[Leia outros Comentários de PauloRobertoCardoso]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




PSICOSOCIOLOGIA DAS RELAÇÕES PUBLICAS
CANDIDO TEOBALDO DE SOUZA ANDRADE (2ª EDIÇÃO)
LOYOLA (SP)
(1989)
R$ 26,28



LA POLITIQUE DE LA FAMILLE
RONALD D. LAING
STOCK PLUS
(1972)
R$ 28,82



BRASIL HOLANDÊS: 1624-1654
REVISTA TEMAS BRASILEIROS - EDIÇÃO ESPECIAL
DUETTO
R$ 22,82



PAIS QUE MUDARAM O MUNDO
COOK COMMUNICATIONS
HEBACUC
(2007)
R$ 30,00
+ frete grátis



O ENSINO POR PROJETOS NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA
BEATRIZ GONÇALVES SAMPAIO
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 251,00



DIETA E ATIVIDADE ALIMENTAR DE PROCHILODUS LINEATUS
FABIANO GONÇALVES
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 251,00



LOTEAMENTOS FECHADOS E CONDOMÍNIOS RESIDENCIAIS
SILVIA RODRIGUES
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 258,00



FILHOS DO ÉDEN 3 - PARAÍSO PERDIDO
EDU
EDUARDO SPOHR
(2015)
R$ 35,00



BELO HORIZONTE: O FÉRTIL SOLO HUMANO (CAPA DURA)
MÁRCIA MARIA DE SIQUE (TEXTO)
SALAMANDRA
(1997)
R$ 17,28



BÍBLIA ARMÊNIA - 1958
VÁRIOS AUTORES
ND
(1958)
R$ 145,00





busca | avançada
24646 visitas/dia
922 mil/mês