Moda e modismos prêt-à-porter | Luis Eduardo Matta | Digestivo Cultural

busca | avançada
28258 visitas/dia
890 mil/mês
Mais Recentes
>>> Palavraria Conversa e Versa
>>> Supercombo no Templo Music: Tour “Adeus, Aurora'
>>> Barracão Cultural estreia montagem de rua a partir de livro de Eva Furnari
>>> Marina Peralta lança novo EP, 'Leve'
>>> Dan Stulbach faz ensaio aberto de Morte Acidental de um Anarquista para alunos da Escola Wolf Maya
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A Copa, o Mundo, é das mulheres
>>> O espelho quebrado da aurora, poemas de Tito Leite
>>> Carta ao(à) escritor(a) em sua primeira edição
>>> Paris branca de neve
>>> A cidade e o que se espera dela
>>> De pé no chão (1978): sambando com Beth Carvalho
>>> Numa casa na rua das Frigideiras
>>> Como medir a pretensão de um livro
>>> Nenhum Mistério, poemas de Paulo Henriques Britto
>>> Nos braços de Tião e de Helena
Colunistas
Últimos Posts
>>> Mirage, um livro gratuito
>>> Lançamento de livro
>>> Jornada Escrita por Mulheres
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 3
>>> Juntos e Shallow Now
>>> Dicionário de Imprecisões
>>> Weezer & Tears for Fears
>>> Gryphus Editora
>>> Por que ler poesia?
>>> O Livro e o Mercado Editorial
Últimos Posts
>>> Efervescências
>>> Justoresoluto
>>> Em segundo plano
>>> A ver navios
>>> As esquinas dos amores
>>> Pelagem de flor I: VERMELHO
>>> Idade Mídia
>>> Quando a alma é visível
>>> A MECÂNICA CELESTE
>>> Diagnóstico falho
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O assassinato de Herzog na arte
>>> Animismo
>>> Para tudo existe uma palavra
>>> Lendo Virgílio, ou: tentando ler os clássicos
>>> Entrevista com André Fonseca
>>> Google: utopia ou distopia?
>>> Como medir a pretensão de um livro
>>> A Casa do Saber no Rio de Janeiro
>>> Marcel Proust e o tempo reencontrado
>>> Pedro Paulo de Sena Madureira
Mais Recentes
>>> Luna Clara & Apolo Onze de Adriana Falcão pela Salamandra (2002)
>>> A Casa Soturna de Charles Dickens pela Nova Fronteira (1986)
>>> Robinson Crusoé - Português/Inglês - Ilustrado de Daniel Defoe pela Ciranda (2017)
>>> Terrores da Noite - Quando a Noite Cai, os Morcegos Atacam de Martin Cruz Smith pela Record (1977)
>>> Códigos Eternos de Legrand pela Soler (2004)
>>> O Livro das Cortesães de Susan Griffin pela Susan Griffin (2003)
>>> O Mundo e Suas Maravilhas -A Aventura do Homem no Espaço e no Tempo de R. Argentiere pela Anchieta (1945)
>>> Escaldado em água fria de John Straley pela Globo (2002)
>>> O Oitavo Mandamento de Lawrence Sanders pela Nova Cultural (1989)
>>> Ninguém Quer Um Coração de J. M. simmel pela Círculo do Livro (1987)
>>> Leituras Indispensáveis de Aziz Ab'Sáber pela Ateliê (2008)
>>> O Enforcado de Maigtret Simenon pela Nova Fronteira (1983)
>>> De Profundis de Oscar Wilde pela Editorial Tor/ Buenos Aires (1942)
>>> El Ruiseñor y La Rosa de Oscar Wilde pela Edit. Renovacción/ B. Aires (1944)
>>> Perlas Negras - Mistica - las Voces (Pesias) de Amado Nervo pela Editorial Tor/ Buenos Aires
>>> L Tragedia de un Hombre Fuerte de Manuel Galvez pela Editorial Tor/ Buenos Aires
>>> Acampou no meio de nós para orar os mistérios da infancia de Jesus de Alvaro Barreiro,Sj pela Loyola (1995)
>>> Um Longo Lamento de Amanda Stern pela Rocco (2005)
>>> Galvez, Imperador do Acre (Sem uso) de Márcio de Souza pela Record/ RJ. (2001)
>>> Galvez, Imperador do Acre de Márcio de Souza pela Marco Zero (1985)
>>> Galvez, Imperador do Acre de Márcio de Souza pela Civilização Brasileira (1978)
>>> A Maior dádiva e o mais precioso tesouro de Edgar F.Hallock & Swllengrebel,Ph.D. pela Juerp (2000)
>>> Galvez, Imperador do Acre de Márcio de Souza pela Brasília (1978)
>>> Galvez, Imperador do Acre de Márcio de Souza pela Brasília (1978)
>>> Quebra Canela A engenharia Brasileira na Campanha da Itália de General Raul da Cruz Lima Junior pela Biblioteca do Exército (1982)
>>> A arte da dedução de Sherlock Holmes 2 de Vários pela Coquetel (2013)
>>> Striding Folly de Dorothy L. Sayers pela Hodder & Stoughton (1973)
>>> Camanha da Birmânia Campanhas 18 de Michael Calvert pela Renes (1978)
>>> O Vencedor de Frei Beto pela Atica (2002)
>>> Please Pass The Guilt de Rex Stout pela Fontana (1973)
>>> O Livro dos Manuais de Paulo Coelho pela Brmalls (2008)
>>> A Grande Sintese de Pietro Ubaldi pela Lake (1979)
>>> O Processo Maurizius de Jakob Wassermann pela Victor Civita (1982)
>>> Candy (o sexo nos Estados Unidos, depois dêste livro, nunca será o mesmo - Revista Life) de Terry Southern- Mason Hoffrenberg (tradução de Nelson Rodrigues) pela Eldorado (1969)
>>> Mística Cidade de Deus de Tradução e resumo por um vicentino pela Louva Deus (1971)
>>> A Velha Senhora de Georges Simenon pela Nova Cultural (1987)
>>> Economie Sociale: Les Institutions de Progrès Social (Encad) de Charles Gide pela Libr. Recueil Sirey/ Paris (2019)
>>> Homem Total e Parapsicologia de Albino Aresi pela Edições Loyola (1983)
>>> Homem Total e Parapsicologia de Albino Aresi pela Edições Loyola (1983)
>>> Eu Sei Que Vou te Amar de Arnaldo Jabor pela Record/ RJ. (1986)
>>> Miguel Strogoff - A Invasão vol 2 de Julio Verne pela Bertrand (1978)
>>> Técnica da Pintura de João Medeiros pela Cia. Edit. Americana (1972)
>>> Seja Voce Mesmo Seu Melhor Amigo: um Diálogo Com Dois Psicanalistas de Mildred Newman & Bernard Berkowitz pela Livr. José Olympio Edit. (1985)
>>> A Intertextualidade das Formas Simples: Aplicada Ao Romance a Pedra do Reino, de Ariano Suassuna de Elizabeth Marinheiro: Posfácio: Ariano Suassuna pela Rio de Janeiro (1977)
>>> Sofrer e Amar: Psicologia do Sofrimento de Agir pela Agir/ RJ. (1955)
>>> Golem, um Jogo Incontrolável - Volume 1 (Sm uso) de Lorris; Elvire e Marie- Aude Murail pela Record/ RJ. (2002)
>>> Psicoterapia Com L. S. D. e Outros Alucinógenos de Fontana (alberto E) pela Mestre Jou (1969)
>>> Os Meninos da Planície: Histórias de um Brasil Antigo de Cástor Cartelle/ Ilustr.: Sandra Bianchi pela Formato/ Belo Horizonte (2001)
>>> Bioética de Moderna pela Moderna (2001)
>>> Até Parece o Paraíso de John Cheever pela Companhia das Letras/SP. (1986)
COLUNAS

Terça-feira, 29/3/2005
Moda e modismos prêt-à-porter
Luis Eduardo Matta

+ de 15700 Acessos
+ 3 Comentário(s)

A Moda está na moda. Nunca o mundinho fashion ganhou tanta evidência no Brasil como agora. Da consagração de grifes nacionais aqui e no exterior, ao lançamento de guias sobre elegância e estilo assinados por especialistas como Gloria Kalil, Fernando de Barros e Julio Rego, passando pela realização de megaeventos no Rio e em São Paulo à maneira das grandes semanas prêt-à-porter da Europa e Estados Unidos, a sociedade brasileira, - ou, pelo menos os seus núcleos mais privilegiados - vai se familiarizando cada vez mais com o assunto e reduzindo dramaticamente a distância entre as nossas vitrines e as novíssimas tendências lançadas nas passarelas dos grandes centros irradiadores de estilo. E já que moda também é cultura, nada mais natural que ela venha figurar também aqui nas páginas do Digestivo Cultural, ainda porque o tema merece ser, de vez em quando, debatido sob outras luzes que não as dos holofotes dos grandes desfiles e as dos flashes dos fotógrafos especializados em clicar top models e figurinos das novas coleções.

Não sou um aficionado por moda e nem tampouco uma autoridade no assunto. No entanto, precisei mergulhar um pouco nesse universo há alguns anos para escrever um livro, um thriller chamado 120 Horas, no qual uma das personagens é uma renomada estilista em Beirute, no Líbano, casada com um físico às voltas com um sigiloso projeto militar. O ateliê e a butique desta estilista constituem um dos núcleos centrais da trama e, para um leigo no assunto como eu era, foi preciso realizar uma enorme pesquisa para compor com fidelidade os cenários, personagens e retratar todo processo de preparação e montagem de um desfile que se preze. Um dos campos da minha pesquisa foi, obviamente, Paris, centro nervoso da indústria da moda internacional. Lá, tive a oportunidade, por exemplo, de visitar a maison Christian Dior, onde, logo na chegada, me apresentei como romancista, dizendo que estava fazendo uma pesquisa para o meu novo trabalho e que gostaria de conhecer a loja e saber um pouco sobre o seu funcionamento. A senhora que me atendeu, muito simpática e solícita por sinal, pareceu até honrada (tudo bem, tudo bem, pode ter sido impressão minha) por eu haver batido à porta da maison Dior, em vez de ter optado por alguma das várias outras lojas de badalados designers internacionais como Yves Saint-Laurent, Christian Lacroix, Valentino e Inès de la Fressange, distribuídas bem ali, ao longo da avenue Montaigne e cercanias, o enclave mais sofisticado para compras na capital francesa. Ela me escancarou as portas da loja, me conduziu por suas diversas dependências e me forneceu informações que foram de imensa valia no processo de composição do livro.

Uma pesquisa como essa traz muitas revelações. A primeira delas talvez seja a constatação de que a história da moda está intrinsecamente ligada à história da sociedade. Sua evolução acompanhou a mudança nos costumes de cada época. Durante séculos, o modo de vestir e de se portar publicamente adaptou-se a essas mudanças, refletindo as demandas dos novos tempos. Que mulher urbana, nos tempos atuais, se imagina enfiada em corpetes apertados, anáguas e saias enormes com camadas de babados típicos do século XIX ou mesmo nas roupas "bufantes", comuns na Europa do século XV? Foi a célebre estilista francesa Gabrielle "Coco" Chanel quem, nos anos 20, revolucionou para sempre a moda feminina ao inventar um novo conceito de se vestir, abolindo a rígida indumentária adotada até então e introduzindo um estilo em que sobressaíam cortes retos, blazers, tailleurs, roupas de duas peças. Uma nova mulher nascia, então: independente, sensual, com estilo, personalidade e uma vida que começava a escapar dos tradicionais limites domésticos. A moda foi, na época, um acessório fundamental para acompanhar essa evolução histórica, que abria as primeiras rachaduras num sistema patriarcal de 5 mil anos.

A indústria da moda cresceu num ritmo vertiginoso através das últimas décadas, refletindo o ritmo alucinado do século XX, durante o qual o mundo assistiu a mudanças numa velocidade nunca antes vista e acabou se convertendo numa força motriz de imensurável influência na economia e no imaginário das pessoas. Hoje, são centenas de grifes de renome espalhadas pelas grandes cidades do mundo, lançando periodicamente suas criações durante eventos grandiosos e badalados. As coleções mal esfriam nas vitrines e já são substituídas por outras. A renovação é constante, numa velocidade que o público não consegue acompanhar. A moda deixou de simplesmente reinventar-se de acordo com as necessidades do seu tempo para passar a ditar os rumos estéticos da sociedade. Quem assiste ao desfile de um grande estilista, dificilmente imaginará pessoas comuns vestindo aquelas peças no dia-a-dia, afinal um desfile não serve para apresentar modelitos e sim para lançar tendências. Mas, são tantos desfiles, tantas novas coleções sendo apresentadas, tantas grifes disputando espaço nas passarelas ao mesmo tempo, que fica difícil assimilar tudo e eu fico me perguntando se a sociedade realmente necessita dessa overdose de novas tendências ou se tudo não passa de uma grande ilusão de consumo e estilo, na qual as pessoas foram condicionadas a acreditar.

Na verdade, é preciso fazer uma distinção entre o que é moda e o que é apenas modismo. Moda é um estilo estabelecido, durável, que permanece em voga por algum tempo e entra em declínio gradualmente, acompanhando as próprias mudanças no tempo e na sociedade. Modismos são modas que aparecem de forma meteórica, contagiam o mercado consumidor e desaparecem com a mesma rapidez, sendo facilmente relegados ao esquecimento. Parodiando Andy Warhol, os modismos seriam a moda nos seus quinze minutos de fama. Eles não possuem uma base para se sustentar, apenas imagem; são gasosos, enquanto a moda é sólida. E seu principal atrativo por assim dizer, é o fato de ser novidade, enquanto a moda é o que é, por satisfazer a necessidades concretas de um meio. Levando-se, então, em conta esses argumentos e considerando que, anualmente, uma infinidade de novas tendências é lançada mundo afora numa velocidade avassaladora, decretando, automaticamente, a obsolescência das tendências anteriores antes mesmo que estas pudessem ser totalmente assimiladas, seria exagerado afirmar que a indústria da moda tal qual a conhecemos, não passa, na verdade, de uma indústria de modismos?

Vivemos atualmente uma era de ode ao descartável. Até aparelhos como televisão e geladeira, que no passado eram fabricados para durar, hoje são feitos com material inferior para que, dali a três, cinco anos, precisem de algum conserto e, quem sabe até, de uma troca por um similar mais novo e com um design mais moderno e arrojado, ainda que suas funções sejam exatamente as mesmas. Os modismos estão por toda parte, não apenas no vestuário. Um aparelho de celular de dois anos atrás já é considerado antiquado, pesado, cafona. O fato é que, olhando de uma maneira funcional e objetiva, a sociedade não precisa que os produtos se renovem esteticamente com a velocidade supersônica com a qual vem se renovando. Se isso acontece é porque indústrias como a da moda movimentam vultosas somas em dinheiro e empregam um exército de pessoas, direta e indiretamente. Se não houver uma renovação constante de tendências, essa enorme estrutura que se formou não conseguirá se sustentar. O "X" da questão é, portanto, meramente econômico. Afinal de contas, analisando friamente, que diferença faz se a cor dessa estação vai ser o bege perolado ou o verde grama; se o cós da calça vai estar um pouco acima ou um pouco abaixo da cintura; se a lapela do paletó vai estar dois milímetros mais larga ou estreita ou se ir para a praia usando uma canga sobre o biquini, da noite para o dia, tornou-se demodé, apesar do seu conforto e praticidade?

São exageros como esses que permeiam os textos e depoimentos de jornalistas de moda que, com a cara mais bisonha do mundo, despejam, pomposamente, regras e mais regras de estilo para o público, como se estivessem anunciando, em cadeia nacional, as resoluções de um ato institucional do regime militar. Estilo é um termo muito relativo e varia consideravelmente de pessoa para pessoa. Não existe uma regra universal que se aplique a todos. Uma pessoa pode ser muito elegante, usando peças de roupas de vários anos atrás, desde que elas estejam de acordo com a sua personalidade e o seu modo de ser. Aliás, as pessoas notoriamente mais elegantes não seguem com rigor a última moda, ainda que a incensem abertamente. Cada qual mantêm o seu estilo próprio, que pode variar com o tempo, sempre obedecendo a uma lógica individual e não coletiva.

Enquanto isso, os estilistas vão desfilando suas novas coleções, expondo-as nas suas vitrines iluminadas e decretando o que está dentro e fora de moda. E como são criativos esses estilistas...! Criativos até demais. Basta ver a quantidade de desfiles dos quais participam e da extravagância cada vez maior dos modelitos que desenham. Volta e meia eu me pergunto onde irá parar essa criatividade impressionante. Será ela inesgotável? Ou será que algum dia, quando não houver mais nada de realmente interessante e impactante para ser criado ou reciclado, veremos algum estilista desfilando uma coleção originalíssima com figurinos feitos, por exemplo, à base de fraldas descartáveis ou de gesso hospitalar e bandagens? Juro que não ficarei surpreso se essa moda - ou modismo - pegar por aí.


Luis Eduardo Matta
Rio de Janeiro, 29/3/2005


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A vida dos pardais e outros esquisitos pássaros de Elisa Andrade Buzzo
02. Brasil em Cannes de Guilherme Carvalhal
03. Seriados made in the USA de Juliana Lima Dehne
04. A Serbian Film: Indefensável? de Duanne Ribeiro
05. Qual é a alma da cidade? de Ana Elisa Ribeiro


Mais Luis Eduardo Matta
Mais Acessadas de Luis Eduardo Matta em 2005
01. Moda e modismos prêt-à-porter - 29/3/2005
02. O discreto charme dos sebos - 11/1/2005
03. Um romance de terror e de sombras - 1/3/2005
04. Henry Moore: o Rodin do século XX - 26/7/2005
05. O primeiro código de Brown - 10/5/2005


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
30/3/2005
00h24min
Texto otimo! Quanto 'a sua pergunta se a criatividade e' inesgotavel, e o que acontecera quando esgotar, a resposta se encontra no que as casas de moda em Nova Iorque andam fazendo: trazendo de volta a moda retro... Ou seja, daqui a um tempo, talvez a moda va' ser corpetes apertados, anaguas, etc, etc. Mas certas coisas da moda, como os lindos desfiles de biquini com a Gisele continuam valendo a pena.
[Leia outros Comentários de Ram]
28/5/2005
03h03min
Até há bem pouco tempo, considerava essa história de moda (moda mesmo, não modismo) como mais uma bobagem e futilidade do ser humano. Mudei de opinião e por várias razões. A indústria da moda emprega milhares de pessoas, ocupa-se de beleza, dá oportunidade a manifestações artisticas, marca uma época,estimula a criatividade, etc... Feliz e mais saudável seria o nosso planeta se houvesse mais indústrias de moda, desfiles, modelos... etc. do que indústria de armamentos, guerras que dão vazão a essa indústria e soldados, quase meninos, aprendendo a "arte" do manejo de um fuzil. Entre a arte de fazer moda e a de fazer a guerra, fico com a primeira.
[Leia outros Comentários de regina mas]
6/5/2006
23h28min
Muito boa esta reportagem. Adorei!!! Espero mais notícias a este respeito...
[Leia outros Comentários de William Diego]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




TEATRO 76
ASSOCIAÇÃO CARIOCA DE CRÍTICOS TEATRAIS
SNT
(1976)
R$ 12,00



O SONHO DE EVA
CHICO ANES
NOVO CONCEITO
(2012)
R$ 24,00



THE BEATLES - GRAVAÇÕES COMENTADAS E DISCOGRAFIA COMPLETA
JEFF RUSSEL
LAFONTE
(2009)
R$ 155,00



TÊNIS: CATARSE MODERNA
EDMUNDO GIFFONI
FEPLAM (PORTO ALEGRE)
(1989)
R$ 24,28



PERSPECTIVAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: AMÉRICA LATINA
MEC - MINISTÉRIO EDUCAÇÃO E CULTURA
MEC
(1998)
R$ 19,28



SEGREDOS DA BEL PARA MENINAS
FRAN E BEL
ÚNICA
(2016)
R$ 9,90



TODO MUNDO TEM DÚVIDA INCLUSIVE VOCÊ
ÉDISON DE OLIVEIRA
SAGRA-DC LUZZATO
(1992)
R$ 10,00



CONHECIMENTO E PRÁTICA DE ENFERMEIROS SOBRE FERIDAS
CÁSSIA MARQUES DA ROCHA HOELZ, TAÍS LOPES SARANHOLI UND LUCIANA P. F. ABBADE
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 230,00



O QUE E O FUTURO?
FRANCESCO MORACE
ESTAÇAO DAS LETRAS
(2013)
R$ 23,00
+ frete grátis



RIOS E LAGOS
CECILIA FITZSIMONS
CONTEXTO
(1992)
R$ 12,86





busca | avançada
28258 visitas/dia
890 mil/mês