Moda e modismos prêt-à-porter | Luis Eduardo Matta | Digestivo Cultural

busca | avançada
56501 visitas/dia
1,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Spanish Town All Stars: de SP a Spanish Town
>>> Céu lança discografia em vinil no Sesc Belenzinho
>>> Sesc Belenzinho traz Cesar Camargo Mariano Trio no projeto Estação Brasileira
>>> Sesc Belenzinho realiza apresentações do espetáculo de dança Mulheres do Àse - Performance Ritual
>>> Zé Guilherme lança novo videoclipe com faixa do álbum ALUMIA
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> As Lavadeiras, duas pinturas de Elias Layon
>>> T.É.D.I.O. (com um T bem grande pra você)
>>> As palmeiras da Politécnica
>>> Como eu escrevo
>>> Goeldi, o Brasil sombrio
>>> Do canto ao silêncio das sereias
>>> Vespeiro silencioso: "Mayombe", de Pepetela
>>> A barata na cozinha
>>> Uma Receita de Bolo de Mel
>>> O Voto de Meu Pai
Colunistas
Últimos Posts
>>> Mon coeur s'ouvre à ta voix
>>> Palestra e lançamento em BH
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
Últimos Posts
>>> A Nova Era do Rádio
>>> Assim eu quero a vida
>>> Um sujeito chamado Benício
>>> A imaginação educada, de Northrop Frye
>>> Direções da véspera (Introdução)
>>> O tempo nos ensina - frase
>>> O Cinema onde os fracos não tem vez
>>> Senhor do Corpo e da alma - poema
>>> Fotogenia
>>> É Natal
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Infinitely Fascinating People
>>> Em defesa de Nuno Ramos e da arte
>>> O blog no espelho
>>> Head to head
>>> Uma seleção de fracassados
>>> Se minha gramática falasse
>>> Do canto ao silêncio das sereias
>>> Um conselho: não leia Germinal
>>> O que mata o prazer de ler?
>>> Doce presença
Mais Recentes
>>> Além do rio de Ziraldo pela Melhoramentos (1996)
>>> Tratado de Fisiologia Médica de Guyton & Hall pela Elsevier Saunders (2011)
>>> Morreu tio eurico! Rubião ficou rico! de Lilian Sypriano pela Formato (2007)
>>> Aprendiz de inventor de João anzanello carrascoza pela Atica (2012)
>>> Lembrançinhas pintadas lá do fundo de Pedro bandeira pela Objetiva (2006)
>>> Histologia Essencial de Leslie P. Gartner e James L. Hiatt pela Elsevier Saunders (2012)
>>> O princípio da Capacidade Contributiva no Estado democrático de Direito de Marcelo Saldanha Rohenkohl pela Quartier Latin (2007)
>>> Um fio de prosa de Diversos autores pela Global (2004)
>>> The top floor de David Evans pela Summertown Publishing (2011)
>>> O santinho de Luis fernando verissimo pela Alfaguara (2002)
>>> Fundamentos da Bioquímica de Fernanda Galante e Marcus Vinicius Ferreira de Araújo pela Rideel (2014)
>>> As aventuras do capitão cueca de Dav pilkey pela Cosacnaif (2019)
>>> Dicionário Compacto Ilustrado de Saúde de Carlos Roberto Lyra da Silva, Roberto Carlos Lyra da Silva, Dirce Laplaca Viana pela Yendis (2011)
>>> Capitao cueca e a revoltante revanche da robocueca radiotiva de Dav pilkey pela Cosacnaif (2013)
>>> Diario de um banana Rodrick é o cara de Jeff kinney pela VeR (2012)
>>> 1000 Curiosidades insólitas que um garoto deveria saber para descobrir que no mundo so tem louco de Anibal litvin pela VeR (2010)
>>> Vencer o Cancer de Mama de Antonio Carlos Buzaid e Fernando Maluf pela Dendrix (2015)
>>> Martini seco- coleçao rosa dos ventos de Fernando sabino pela Atica (1987)
>>> Quase 1.000 Absurdos de Todos Os Tempos de Anibal litvin pela VeR (2011)
>>> Diario de um banana segurando vela de Jeff kinney pela VeR (2012)
>>> A lógica do consumo de Martin Lindstrom pela Nova Fronteira S.A. (2009)
>>> Essais sur l'Histoire des Idées Socialistes de l'Antiquité à la Fin du XVIII Siècle de V. Volguine pela Editions du Progrès (1981)
>>> As aventuras de ook e gluk de Jorge beard pela Cosacnaify (2011)
>>> Mentes e manias TOC: Transtorno Obsessivo-Compulsivo de Ana Beatriz Barbosa Silva pela Fontanar (2011)
>>> O meu pé de laranja lima de José mauro de vasconcelos pela Melhoramentos (2014)
>>> O Jovem Torless de Robert Musil pela Record (1986)
>>> Scott pilgrim contra o mundo de Bryan lee o´malley pela Quadrinos na cia (2010)
>>> A droga do amor de Pedro bandeira pela Moderna (2014)
>>> Novo Código Tributário Alemão de Vários pela Forense (1978)
>>> Diario de um banana, maré de azar de Jeff kinney pela VeR (2013)
>>> Todos contra dante de Luis dill pela Seguinte (2014)
>>> O princípio da Boa-Fé e o Planejamento Tributário de Elcio Fonseca Reis pela Quartier Latin (2008)
>>> The walking dead, a ascensão do governador de Robert kirkman pela Galera (2014)
>>> Viagem ao centro da terra de Julio verne pela Melhoramentos (2010)
>>> O menino no espelho de Fernanda sabino pela Record (2014)
>>> Asa da palavra de Adriano bitarães netto pela Maza (2005)
>>> A odisséia de Homero pela Dlc (2013)
>>> Percy jackson e os olimpianos de Rick riordan pela Intrínsica (2014)
>>> Eu sou malala de Malala yousafzai pela Companhia das letras (2013)
>>> Histórias Para ler no Cemitério de Alfred Hitchcock Apresenta pela Record (1973)
>>> Os Irmãos Leme de Paulo Setúbal pela Saraiva (1959)
>>> Medeia de Eurípedes pela Martin claret (2013)
>>> Diario inventado de Flavia Saravy pela FTD (2010)
>>> A Colmeia de Camilo José Cela pela Bertrand Brasil (1992)
>>> Planejamento Fiscal - Aspectos Teóricos e Práticos de Pedro Anan Jr (Coordenação) pela Quartier Latin (2005)
>>> Cegueira Moral de Zygmunt Bauman & Leonidas Donskis pela Zahar (2014)
>>> Luna clara e apolo onze de Adriana Falcão pela Salamandra (2013)
>>> Ludi e os fantasmas da Biblioteca Nacional (Nova Ortografia) de Luciana Sandroni pela Manati (2011)
>>> Memórias de Uma Guerra Suja de Cláudio Guerra pela TopBooks (2012)
>>> Imposto de Renda Pessoa Jurídica - Teoria e Prática de Pedro Anan Jr. (Coordenador) pela Quartier Latin (2006)
COLUNAS

Terça-feira, 29/3/2005
Moda e modismos prêt-à-porter
Luis Eduardo Matta

+ de 15600 Acessos
+ 3 Comentário(s)

A Moda está na moda. Nunca o mundinho fashion ganhou tanta evidência no Brasil como agora. Da consagração de grifes nacionais aqui e no exterior, ao lançamento de guias sobre elegância e estilo assinados por especialistas como Gloria Kalil, Fernando de Barros e Julio Rego, passando pela realização de megaeventos no Rio e em São Paulo à maneira das grandes semanas prêt-à-porter da Europa e Estados Unidos, a sociedade brasileira, - ou, pelo menos os seus núcleos mais privilegiados - vai se familiarizando cada vez mais com o assunto e reduzindo dramaticamente a distância entre as nossas vitrines e as novíssimas tendências lançadas nas passarelas dos grandes centros irradiadores de estilo. E já que moda também é cultura, nada mais natural que ela venha figurar também aqui nas páginas do Digestivo Cultural, ainda porque o tema merece ser, de vez em quando, debatido sob outras luzes que não as dos holofotes dos grandes desfiles e as dos flashes dos fotógrafos especializados em clicar top models e figurinos das novas coleções.

Não sou um aficionado por moda e nem tampouco uma autoridade no assunto. No entanto, precisei mergulhar um pouco nesse universo há alguns anos para escrever um livro, um thriller chamado 120 Horas, no qual uma das personagens é uma renomada estilista em Beirute, no Líbano, casada com um físico às voltas com um sigiloso projeto militar. O ateliê e a butique desta estilista constituem um dos núcleos centrais da trama e, para um leigo no assunto como eu era, foi preciso realizar uma enorme pesquisa para compor com fidelidade os cenários, personagens e retratar todo processo de preparação e montagem de um desfile que se preze. Um dos campos da minha pesquisa foi, obviamente, Paris, centro nervoso da indústria da moda internacional. Lá, tive a oportunidade, por exemplo, de visitar a maison Christian Dior, onde, logo na chegada, me apresentei como romancista, dizendo que estava fazendo uma pesquisa para o meu novo trabalho e que gostaria de conhecer a loja e saber um pouco sobre o seu funcionamento. A senhora que me atendeu, muito simpática e solícita por sinal, pareceu até honrada (tudo bem, tudo bem, pode ter sido impressão minha) por eu haver batido à porta da maison Dior, em vez de ter optado por alguma das várias outras lojas de badalados designers internacionais como Yves Saint-Laurent, Christian Lacroix, Valentino e Inès de la Fressange, distribuídas bem ali, ao longo da avenue Montaigne e cercanias, o enclave mais sofisticado para compras na capital francesa. Ela me escancarou as portas da loja, me conduziu por suas diversas dependências e me forneceu informações que foram de imensa valia no processo de composição do livro.

Uma pesquisa como essa traz muitas revelações. A primeira delas talvez seja a constatação de que a história da moda está intrinsecamente ligada à história da sociedade. Sua evolução acompanhou a mudança nos costumes de cada época. Durante séculos, o modo de vestir e de se portar publicamente adaptou-se a essas mudanças, refletindo as demandas dos novos tempos. Que mulher urbana, nos tempos atuais, se imagina enfiada em corpetes apertados, anáguas e saias enormes com camadas de babados típicos do século XIX ou mesmo nas roupas "bufantes", comuns na Europa do século XV? Foi a célebre estilista francesa Gabrielle "Coco" Chanel quem, nos anos 20, revolucionou para sempre a moda feminina ao inventar um novo conceito de se vestir, abolindo a rígida indumentária adotada até então e introduzindo um estilo em que sobressaíam cortes retos, blazers, tailleurs, roupas de duas peças. Uma nova mulher nascia, então: independente, sensual, com estilo, personalidade e uma vida que começava a escapar dos tradicionais limites domésticos. A moda foi, na época, um acessório fundamental para acompanhar essa evolução histórica, que abria as primeiras rachaduras num sistema patriarcal de 5 mil anos.

A indústria da moda cresceu num ritmo vertiginoso através das últimas décadas, refletindo o ritmo alucinado do século XX, durante o qual o mundo assistiu a mudanças numa velocidade nunca antes vista e acabou se convertendo numa força motriz de imensurável influência na economia e no imaginário das pessoas. Hoje, são centenas de grifes de renome espalhadas pelas grandes cidades do mundo, lançando periodicamente suas criações durante eventos grandiosos e badalados. As coleções mal esfriam nas vitrines e já são substituídas por outras. A renovação é constante, numa velocidade que o público não consegue acompanhar. A moda deixou de simplesmente reinventar-se de acordo com as necessidades do seu tempo para passar a ditar os rumos estéticos da sociedade. Quem assiste ao desfile de um grande estilista, dificilmente imaginará pessoas comuns vestindo aquelas peças no dia-a-dia, afinal um desfile não serve para apresentar modelitos e sim para lançar tendências. Mas, são tantos desfiles, tantas novas coleções sendo apresentadas, tantas grifes disputando espaço nas passarelas ao mesmo tempo, que fica difícil assimilar tudo e eu fico me perguntando se a sociedade realmente necessita dessa overdose de novas tendências ou se tudo não passa de uma grande ilusão de consumo e estilo, na qual as pessoas foram condicionadas a acreditar.

Na verdade, é preciso fazer uma distinção entre o que é moda e o que é apenas modismo. Moda é um estilo estabelecido, durável, que permanece em voga por algum tempo e entra em declínio gradualmente, acompanhando as próprias mudanças no tempo e na sociedade. Modismos são modas que aparecem de forma meteórica, contagiam o mercado consumidor e desaparecem com a mesma rapidez, sendo facilmente relegados ao esquecimento. Parodiando Andy Warhol, os modismos seriam a moda nos seus quinze minutos de fama. Eles não possuem uma base para se sustentar, apenas imagem; são gasosos, enquanto a moda é sólida. E seu principal atrativo por assim dizer, é o fato de ser novidade, enquanto a moda é o que é, por satisfazer a necessidades concretas de um meio. Levando-se, então, em conta esses argumentos e considerando que, anualmente, uma infinidade de novas tendências é lançada mundo afora numa velocidade avassaladora, decretando, automaticamente, a obsolescência das tendências anteriores antes mesmo que estas pudessem ser totalmente assimiladas, seria exagerado afirmar que a indústria da moda tal qual a conhecemos, não passa, na verdade, de uma indústria de modismos?

Vivemos atualmente uma era de ode ao descartável. Até aparelhos como televisão e geladeira, que no passado eram fabricados para durar, hoje são feitos com material inferior para que, dali a três, cinco anos, precisem de algum conserto e, quem sabe até, de uma troca por um similar mais novo e com um design mais moderno e arrojado, ainda que suas funções sejam exatamente as mesmas. Os modismos estão por toda parte, não apenas no vestuário. Um aparelho de celular de dois anos atrás já é considerado antiquado, pesado, cafona. O fato é que, olhando de uma maneira funcional e objetiva, a sociedade não precisa que os produtos se renovem esteticamente com a velocidade supersônica com a qual vem se renovando. Se isso acontece é porque indústrias como a da moda movimentam vultosas somas em dinheiro e empregam um exército de pessoas, direta e indiretamente. Se não houver uma renovação constante de tendências, essa enorme estrutura que se formou não conseguirá se sustentar. O "X" da questão é, portanto, meramente econômico. Afinal de contas, analisando friamente, que diferença faz se a cor dessa estação vai ser o bege perolado ou o verde grama; se o cós da calça vai estar um pouco acima ou um pouco abaixo da cintura; se a lapela do paletó vai estar dois milímetros mais larga ou estreita ou se ir para a praia usando uma canga sobre o biquini, da noite para o dia, tornou-se demodé, apesar do seu conforto e praticidade?

São exageros como esses que permeiam os textos e depoimentos de jornalistas de moda que, com a cara mais bisonha do mundo, despejam, pomposamente, regras e mais regras de estilo para o público, como se estivessem anunciando, em cadeia nacional, as resoluções de um ato institucional do regime militar. Estilo é um termo muito relativo e varia consideravelmente de pessoa para pessoa. Não existe uma regra universal que se aplique a todos. Uma pessoa pode ser muito elegante, usando peças de roupas de vários anos atrás, desde que elas estejam de acordo com a sua personalidade e o seu modo de ser. Aliás, as pessoas notoriamente mais elegantes não seguem com rigor a última moda, ainda que a incensem abertamente. Cada qual mantêm o seu estilo próprio, que pode variar com o tempo, sempre obedecendo a uma lógica individual e não coletiva.

Enquanto isso, os estilistas vão desfilando suas novas coleções, expondo-as nas suas vitrines iluminadas e decretando o que está dentro e fora de moda. E como são criativos esses estilistas...! Criativos até demais. Basta ver a quantidade de desfiles dos quais participam e da extravagância cada vez maior dos modelitos que desenham. Volta e meia eu me pergunto onde irá parar essa criatividade impressionante. Será ela inesgotável? Ou será que algum dia, quando não houver mais nada de realmente interessante e impactante para ser criado ou reciclado, veremos algum estilista desfilando uma coleção originalíssima com figurinos feitos, por exemplo, à base de fraldas descartáveis ou de gesso hospitalar e bandagens? Juro que não ficarei surpreso se essa moda - ou modismo - pegar por aí.


Luis Eduardo Matta
Rio de Janeiro, 29/3/2005


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Wanda Louca Liberal de Marta Barcellos
02. Sexo e luxúria na antiguidade de Gian Danton
03. Sobre o caso Idelber Avelar de Julio Daio Borges
04. A vida exemplar de Eric Voegelin de Celso A. Uequed Pitol
05. Mamãe de Julio Daio Borges


Mais Luis Eduardo Matta
Mais Acessadas de Luis Eduardo Matta em 2005
01. Moda e modismos prêt-à-porter - 29/3/2005
02. O discreto charme dos sebos - 11/1/2005
03. Um romance de terror e de sombras - 1/3/2005
04. Henry Moore: o Rodin do século XX - 26/7/2005
05. O primeiro código de Brown - 10/5/2005


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
30/3/2005
00h24min
Texto otimo! Quanto 'a sua pergunta se a criatividade e' inesgotavel, e o que acontecera quando esgotar, a resposta se encontra no que as casas de moda em Nova Iorque andam fazendo: trazendo de volta a moda retro... Ou seja, daqui a um tempo, talvez a moda va' ser corpetes apertados, anaguas, etc, etc. Mas certas coisas da moda, como os lindos desfiles de biquini com a Gisele continuam valendo a pena.
[Leia outros Comentários de Ram]
28/5/2005
03h03min
Até há bem pouco tempo, considerava essa história de moda (moda mesmo, não modismo) como mais uma bobagem e futilidade do ser humano. Mudei de opinião e por várias razões. A indústria da moda emprega milhares de pessoas, ocupa-se de beleza, dá oportunidade a manifestações artisticas, marca uma época,estimula a criatividade, etc... Feliz e mais saudável seria o nosso planeta se houvesse mais indústrias de moda, desfiles, modelos... etc. do que indústria de armamentos, guerras que dão vazão a essa indústria e soldados, quase meninos, aprendendo a "arte" do manejo de um fuzil. Entre a arte de fazer moda e a de fazer a guerra, fico com a primeira.
[Leia outros Comentários de regina mas]
6/5/2006
23h28min
Muito boa esta reportagem. Adorei!!! Espero mais notícias a este respeito...
[Leia outros Comentários de William Diego]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




AÍDA
GIUSEPPE VERDI
FTD
(2012)
R$ 35,50



A FÊMEA DA ESPÉCIE
JOYCE CAROL OATES
RECORD
(2008)
R$ 19,00



ALEGRIA, ALEGRIA - CAETANO VELOSO (LITERATURA-MÚSICA BRASILEIRA)
CAETANO VELOSO
PEDRA Q RONCA
(1977)
R$ 120,00



DIETA NOTA 10 - COMER E EMAGRECER É MAIS SIMPLES DO QUE VOCÊ IMAGINA
DR. GUILHERME DE AZEVEDO RIBEIRO
BERTRAND BRASIL
(2006)
R$ 14,42



CADEIRAS PROIBIDAS - 5ª EDIÇÃO
IGNÁCIO DE LOYOLA BRANDÃO
GLOBAL
(1988)
R$ 4,90



TODOS OS FOGOS, O FOGO
JULIO CORTÁZAR
CIVILIZAÇÃO BRASILEIRA
(1984)
R$ 15,00



DISCOVERING WINE HARDCOVER
JOANNA SIMON
MITCHELL BEAZLEY
(2018)
R$ 50,00



5º CAVALEIRO
JAMES PATTERSON
ARQUEIRO
(2011)
R$ 6,00



ROUSSEAU - COLEÇÃO OS PENSADORES
ABRIL CULTURAL
ABRIL CULTURAL
(1978)
R$ 20,94



A PORTEIRA DO MUNDO
HERMILO BORBA FILHO
MERCADO ABERTO
(1994)
R$ 10,00





busca | avançada
56501 visitas/dia
1,0 milhão/mês