Moda e modismos prêt-à-porter | Luis Eduardo Matta | Digestivo Cultural

busca | avançada
75359 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Cia Fragmento de Dança lança seminário “Amor Mundi – Pensando com Hannah Arendt”
>>> Realidade e ficção na Terça Aberta na Quarentena de agosto
>>> OBMJazz: OBMJ lança primeiro clipe de novo projeto
>>> Serginho Rezende é entrevistado por Zé Guilherme na série EntreMeios
>>> TOGETHER WE RISE TRAZ UMA HOMENAGEM ÀS PESSOAS QUE FIZERAM PARTE DA HISTÓRIA DO GREEN VALLEY
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
>>> Filmes de guerra, de outro jeito
>>> Meu reino por uma webcam
>>> Quincas Borba: um dia de cão (Fuvest)
>>> Pílulas Poéticas para uma quarentena
>>> Ficção e previsões para um futuro qualquer
>>> Freud explica
>>> Alma indígena minha
Colunistas
Últimos Posts
>>> Uma aula com Thiago Salomão do Stock Pickers
>>> MercadoLivre, a maior empresa da América Latina
>>> Víkingur Ólafsson toca Rameau
>>> Philip Glass tocando Mad Rush
>>> Elena Landau e o liberalismo à brasileira
>>> O autoritarismo de Bolsonaro avança
>>> Prelúdio e Fuga em Mi Menor, BWV 855
>>> Blooks Resiste
>>> Ambulante teve 3 mil livros queimados
>>> Paul Lewis e a Sonata ao Luar
Últimos Posts
>>> Coincidência?
>>> Gabbeh
>>> Dos segredos do pão
>>> Diário de um desenhista
>>> Uma pedra no caminho...
>>> Sustentar-se
>>> Spiritus sanus
>>> Num piscar de olhos
>>> Sexy Shop
>>> Assinatura
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Nelson Freire em DVD e Celso Furtado na Amazônia
>>> Um caos de informações inúteis
>>> Asia de volta ao mapa
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Parei de fumar
>>> Ford e Eastwood: cineastas da (re)conciliação
>>> Amor à segunda vista
>>> O Gmail (e o E-mail)
>>> Diogo Salles no podcast Guide
Mais Recentes
>>> Em Meu Próprio Caminho de Allan Watts pela Siciliano (1992)
>>> Cama de Gato de Kurt Vonnegut pela Record (1991)
>>> A História Secreta de Donna Tartt pela Companhia das Letras (1995)
>>> Os Invictos de William Faulkner pela Arx (2003)
>>> Paralelo 42 de John dos Passos pela Rocco (1987)
>>> Para onde você vai com Tanta Pressa de Christiane Singer pela Martins Fontes (2005)
>>> Carta Sobre o Comércio do Livro de Denis Diderot pela Casa da Palavra (2002)
>>> Rimas da Vida e da Morte de Amos Óz Amós Oz pela Companhia das Letras (2008)
>>> Uma Desolação de Yasmina Reza pela Rocco (2001)
>>> O Fio Perigoso Das Coisas de Michelangelo Antonioni pela Nova Fronteira (1990)
>>> Hacia un Teatro Pobre de Jerzy Grotowski pela Siglo Veintuno (1970)
>>> Este é Orson Welles de Peter Bogdanovich pela Globo (1995)
>>> À Espera do Tempo Filmando Com Kurosawa de Teruyo Nogami pela Companhia das Letras (2010)
>>> Invisible Man de Ralph Ellison pela Penguin (2009)
>>> The Plot Against America de Philip Roth pela Vintage (2005)
>>> Vida, o Filme. Como o Entretenimento Conquistou a Realidade de Neal Gabler pela Companhia das Letras (1999)
>>> Rituais de Sofrimento de Silvia Viana pela Boitempo (2012)
>>> Um Sussuro nas trevas de H. P. Lovecraft pela Francisco Alves (1983)
>>> O Aleph de Jorge Luis Borges pela Globo (1992)
>>> O Deslumbramento (le Ravissement de Lol. V. Stein) de Marguerite Duras pela Nova Fronteira (1986)
>>> O Segredo do Padre Brown de G. K. Chesterton pela Círculo do Livro (1986)
>>> Se Não Agora, Quando? de Primo Levi pela Companhia das Letras (1999)
>>> O compromisso da fé de Emmanuel Mounier pela Duas Cidades (1971)
>>> A Doutrina Secreta - Vol. 6 de Helena Petrovna Blavatsky pela Pensamento (1989)
>>> A Doutrina Secreta - Vol. 2 de Helena Petrovna Blavatsky pela Pensamento (1989)
>>> O Livro Tibetano Dos Mortos de Hans Evans-Wentz pela Pensamento (1989)
>>> Milarepa de Hans Evans-Wentz pela Pensamento (1990)
>>> A Jornada do Herói Vida - Obra Joseph Campbell de Phil Cousineau pela Saraiva (1994)
>>> O Tarô Mitológico - uma Nova Abordagem para a Leitura do Tarô de Juliet Sharman-burke e Liz Greene pela Siciliano (2002)
>>> Curso De Psicologia Geral Vol. IV de A. R. Luria pela Civilização Brasileira (1979)
>>> Breton - Trotski: por uma Arte Revolucionaria Independente de Valentim Facioli (org) pela Paz e Terra (1985)
>>> Manifestos do Surrealismo de André Breton pela Moraes (1969)
>>> Os Cantos de Maldoror de Conde de Lautréamont pela Moraes (1970)
>>> Escritos de Antonin Artaud de Artaud e Claudio Willer (org.) pela Lpm (1983)
>>> Memória de um Amnésico de Erik Satie pela Hiena (1992)
>>> Contos Cruéis de Villiers de Lisle-adam pela Iluminuras (1987)
>>> A Cruzada das Crianças de Marcel Schwob pela Iluminuras (1987)
>>> Moralidades Lendárias Fábulas Filosóficas de Jules Laforgue pela Iluminuras (1989)
>>> Caos - Crônicas Políticas de Pier Paolo Pasolini pela Brasiliense (1982)
>>> Os Jovens Infelizes - Antologia de Ensaios Corsários de Pier Paolo Pasolini pela Martins Fontes (2013)
>>> A Maçã no Escuro de Clarice Lispector pela Francisco Alves (1992)
>>> As Ultimas Palavras do Herege de Pier Paolo Pasolini pela Brasiliense (1983)
>>> Triângulo das Águas de Caio Fernando Abreu pela Siciliano (1997)
>>> Romanceiro da Inconfidência de Cecília Meireles pela Nova Fronteira (1989)
>>> A Importância do Ato de Ler de Paulo Freire pela Cortez (1989)
>>> As Idades da Vida de Romano Guardini pela Quadrante (1997)
>>> Cruz E Sousa E Baudelaire Satanismo Poético de Márie Helene Catherine Torres pela Ufsc (1998)
>>> A Morte dos Deuses de Michel Henry pela Jorge Zahar (1985)
>>> Vida Emocional dos Civilizados de Melanie Klein / Joan Riviere pela Zahar (1962)
>>> Um Simples Livro De Culinária Para As Classes Trabalhadoras de Charles Elmé Franvatelli pela Angra (2001)
COLUNAS

Terça-feira, 29/3/2005
Moda e modismos prêt-à-porter
Luis Eduardo Matta

+ de 16200 Acessos
+ 3 Comentário(s)

A Moda está na moda. Nunca o mundinho fashion ganhou tanta evidência no Brasil como agora. Da consagração de grifes nacionais aqui e no exterior, ao lançamento de guias sobre elegância e estilo assinados por especialistas como Gloria Kalil, Fernando de Barros e Julio Rego, passando pela realização de megaeventos no Rio e em São Paulo à maneira das grandes semanas prêt-à-porter da Europa e Estados Unidos, a sociedade brasileira, - ou, pelo menos os seus núcleos mais privilegiados - vai se familiarizando cada vez mais com o assunto e reduzindo dramaticamente a distância entre as nossas vitrines e as novíssimas tendências lançadas nas passarelas dos grandes centros irradiadores de estilo. E já que moda também é cultura, nada mais natural que ela venha figurar também aqui nas páginas do Digestivo Cultural, ainda porque o tema merece ser, de vez em quando, debatido sob outras luzes que não as dos holofotes dos grandes desfiles e as dos flashes dos fotógrafos especializados em clicar top models e figurinos das novas coleções.

Não sou um aficionado por moda e nem tampouco uma autoridade no assunto. No entanto, precisei mergulhar um pouco nesse universo há alguns anos para escrever um livro, um thriller chamado 120 Horas, no qual uma das personagens é uma renomada estilista em Beirute, no Líbano, casada com um físico às voltas com um sigiloso projeto militar. O ateliê e a butique desta estilista constituem um dos núcleos centrais da trama e, para um leigo no assunto como eu era, foi preciso realizar uma enorme pesquisa para compor com fidelidade os cenários, personagens e retratar todo processo de preparação e montagem de um desfile que se preze. Um dos campos da minha pesquisa foi, obviamente, Paris, centro nervoso da indústria da moda internacional. Lá, tive a oportunidade, por exemplo, de visitar a maison Christian Dior, onde, logo na chegada, me apresentei como romancista, dizendo que estava fazendo uma pesquisa para o meu novo trabalho e que gostaria de conhecer a loja e saber um pouco sobre o seu funcionamento. A senhora que me atendeu, muito simpática e solícita por sinal, pareceu até honrada (tudo bem, tudo bem, pode ter sido impressão minha) por eu haver batido à porta da maison Dior, em vez de ter optado por alguma das várias outras lojas de badalados designers internacionais como Yves Saint-Laurent, Christian Lacroix, Valentino e Inès de la Fressange, distribuídas bem ali, ao longo da avenue Montaigne e cercanias, o enclave mais sofisticado para compras na capital francesa. Ela me escancarou as portas da loja, me conduziu por suas diversas dependências e me forneceu informações que foram de imensa valia no processo de composição do livro.

Uma pesquisa como essa traz muitas revelações. A primeira delas talvez seja a constatação de que a história da moda está intrinsecamente ligada à história da sociedade. Sua evolução acompanhou a mudança nos costumes de cada época. Durante séculos, o modo de vestir e de se portar publicamente adaptou-se a essas mudanças, refletindo as demandas dos novos tempos. Que mulher urbana, nos tempos atuais, se imagina enfiada em corpetes apertados, anáguas e saias enormes com camadas de babados típicos do século XIX ou mesmo nas roupas "bufantes", comuns na Europa do século XV? Foi a célebre estilista francesa Gabrielle "Coco" Chanel quem, nos anos 20, revolucionou para sempre a moda feminina ao inventar um novo conceito de se vestir, abolindo a rígida indumentária adotada até então e introduzindo um estilo em que sobressaíam cortes retos, blazers, tailleurs, roupas de duas peças. Uma nova mulher nascia, então: independente, sensual, com estilo, personalidade e uma vida que começava a escapar dos tradicionais limites domésticos. A moda foi, na época, um acessório fundamental para acompanhar essa evolução histórica, que abria as primeiras rachaduras num sistema patriarcal de 5 mil anos.

A indústria da moda cresceu num ritmo vertiginoso através das últimas décadas, refletindo o ritmo alucinado do século XX, durante o qual o mundo assistiu a mudanças numa velocidade nunca antes vista e acabou se convertendo numa força motriz de imensurável influência na economia e no imaginário das pessoas. Hoje, são centenas de grifes de renome espalhadas pelas grandes cidades do mundo, lançando periodicamente suas criações durante eventos grandiosos e badalados. As coleções mal esfriam nas vitrines e já são substituídas por outras. A renovação é constante, numa velocidade que o público não consegue acompanhar. A moda deixou de simplesmente reinventar-se de acordo com as necessidades do seu tempo para passar a ditar os rumos estéticos da sociedade. Quem assiste ao desfile de um grande estilista, dificilmente imaginará pessoas comuns vestindo aquelas peças no dia-a-dia, afinal um desfile não serve para apresentar modelitos e sim para lançar tendências. Mas, são tantos desfiles, tantas novas coleções sendo apresentadas, tantas grifes disputando espaço nas passarelas ao mesmo tempo, que fica difícil assimilar tudo e eu fico me perguntando se a sociedade realmente necessita dessa overdose de novas tendências ou se tudo não passa de uma grande ilusão de consumo e estilo, na qual as pessoas foram condicionadas a acreditar.

Na verdade, é preciso fazer uma distinção entre o que é moda e o que é apenas modismo. Moda é um estilo estabelecido, durável, que permanece em voga por algum tempo e entra em declínio gradualmente, acompanhando as próprias mudanças no tempo e na sociedade. Modismos são modas que aparecem de forma meteórica, contagiam o mercado consumidor e desaparecem com a mesma rapidez, sendo facilmente relegados ao esquecimento. Parodiando Andy Warhol, os modismos seriam a moda nos seus quinze minutos de fama. Eles não possuem uma base para se sustentar, apenas imagem; são gasosos, enquanto a moda é sólida. E seu principal atrativo por assim dizer, é o fato de ser novidade, enquanto a moda é o que é, por satisfazer a necessidades concretas de um meio. Levando-se, então, em conta esses argumentos e considerando que, anualmente, uma infinidade de novas tendências é lançada mundo afora numa velocidade avassaladora, decretando, automaticamente, a obsolescência das tendências anteriores antes mesmo que estas pudessem ser totalmente assimiladas, seria exagerado afirmar que a indústria da moda tal qual a conhecemos, não passa, na verdade, de uma indústria de modismos?

Vivemos atualmente uma era de ode ao descartável. Até aparelhos como televisão e geladeira, que no passado eram fabricados para durar, hoje são feitos com material inferior para que, dali a três, cinco anos, precisem de algum conserto e, quem sabe até, de uma troca por um similar mais novo e com um design mais moderno e arrojado, ainda que suas funções sejam exatamente as mesmas. Os modismos estão por toda parte, não apenas no vestuário. Um aparelho de celular de dois anos atrás já é considerado antiquado, pesado, cafona. O fato é que, olhando de uma maneira funcional e objetiva, a sociedade não precisa que os produtos se renovem esteticamente com a velocidade supersônica com a qual vem se renovando. Se isso acontece é porque indústrias como a da moda movimentam vultosas somas em dinheiro e empregam um exército de pessoas, direta e indiretamente. Se não houver uma renovação constante de tendências, essa enorme estrutura que se formou não conseguirá se sustentar. O "X" da questão é, portanto, meramente econômico. Afinal de contas, analisando friamente, que diferença faz se a cor dessa estação vai ser o bege perolado ou o verde grama; se o cós da calça vai estar um pouco acima ou um pouco abaixo da cintura; se a lapela do paletó vai estar dois milímetros mais larga ou estreita ou se ir para a praia usando uma canga sobre o biquini, da noite para o dia, tornou-se demodé, apesar do seu conforto e praticidade?

São exageros como esses que permeiam os textos e depoimentos de jornalistas de moda que, com a cara mais bisonha do mundo, despejam, pomposamente, regras e mais regras de estilo para o público, como se estivessem anunciando, em cadeia nacional, as resoluções de um ato institucional do regime militar. Estilo é um termo muito relativo e varia consideravelmente de pessoa para pessoa. Não existe uma regra universal que se aplique a todos. Uma pessoa pode ser muito elegante, usando peças de roupas de vários anos atrás, desde que elas estejam de acordo com a sua personalidade e o seu modo de ser. Aliás, as pessoas notoriamente mais elegantes não seguem com rigor a última moda, ainda que a incensem abertamente. Cada qual mantêm o seu estilo próprio, que pode variar com o tempo, sempre obedecendo a uma lógica individual e não coletiva.

Enquanto isso, os estilistas vão desfilando suas novas coleções, expondo-as nas suas vitrines iluminadas e decretando o que está dentro e fora de moda. E como são criativos esses estilistas...! Criativos até demais. Basta ver a quantidade de desfiles dos quais participam e da extravagância cada vez maior dos modelitos que desenham. Volta e meia eu me pergunto onde irá parar essa criatividade impressionante. Será ela inesgotável? Ou será que algum dia, quando não houver mais nada de realmente interessante e impactante para ser criado ou reciclado, veremos algum estilista desfilando uma coleção originalíssima com figurinos feitos, por exemplo, à base de fraldas descartáveis ou de gesso hospitalar e bandagens? Juro que não ficarei surpreso se essa moda - ou modismo - pegar por aí.


Luis Eduardo Matta
Rio de Janeiro, 29/3/2005


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Entrevista com Gerald Thomas de Jardel Dias Cavalcanti
02. Dilapidare de Elisa Andrade Buzzo
03. Vaidade, inveja e violência de Carla Ceres
04. Por uma lógica no estudo da ortografia de Marcelo Spalding
05. Lula, ardis do poder e destino de Humberto Pereira da Silva


Mais Luis Eduardo Matta
Mais Acessadas de Luis Eduardo Matta em 2005
01. Moda e modismos prêt-à-porter - 29/3/2005
02. O discreto charme dos sebos - 11/1/2005
03. Um romance de terror e de sombras - 1/3/2005
04. Henry Moore: o Rodin do século XX - 26/7/2005
05. O primeiro código de Brown - 10/5/2005


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
30/3/2005
00h24min
Texto otimo! Quanto 'a sua pergunta se a criatividade e' inesgotavel, e o que acontecera quando esgotar, a resposta se encontra no que as casas de moda em Nova Iorque andam fazendo: trazendo de volta a moda retro... Ou seja, daqui a um tempo, talvez a moda va' ser corpetes apertados, anaguas, etc, etc. Mas certas coisas da moda, como os lindos desfiles de biquini com a Gisele continuam valendo a pena.
[Leia outros Comentários de Ram]
28/5/2005
03h03min
Até há bem pouco tempo, considerava essa história de moda (moda mesmo, não modismo) como mais uma bobagem e futilidade do ser humano. Mudei de opinião e por várias razões. A indústria da moda emprega milhares de pessoas, ocupa-se de beleza, dá oportunidade a manifestações artisticas, marca uma época,estimula a criatividade, etc... Feliz e mais saudável seria o nosso planeta se houvesse mais indústrias de moda, desfiles, modelos... etc. do que indústria de armamentos, guerras que dão vazão a essa indústria e soldados, quase meninos, aprendendo a "arte" do manejo de um fuzil. Entre a arte de fazer moda e a de fazer a guerra, fico com a primeira.
[Leia outros Comentários de regina mas]
6/5/2006
23h28min
Muito boa esta reportagem. Adorei!!! Espero mais notícias a este respeito...
[Leia outros Comentários de William Diego]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




DIREITO E PROCESSO DO TRABALHO- COLEÇÃO OAB NACIONAL
ANDRÉ HORTA MORENO VENEZIANO
SARAIVA
(2009)
R$ 35,91



MADRU - A LENDA DA GRANDE FLORESTA
FREDERIK HETMANN
PENSAMENTO
(1995)
R$ 15,00



ECONOMIA BRASILEIRA CONTEMPORÂNEA: PARA CURSOS DE ECON. ADMINISTRATIVA
MARCO ANTONIO SANDOVAL DE VASCONCELLOS / AMAURY P.
ATLAS
(1996)
R$ 6,90



DO FEUDALISMO AO CAPITALISMO - UMA DISCUSSÃO HISTÓRICA
THEO SANTIAGO
CONTEXTO
(1988)
R$ 23,57



TEATRO COMPLETO DE ARAÚJO PORTO-ALEGRE - TOMO II
EDWALDO CAFEZEIRO E RENATA GUERRA ( ORG. )
FUNARTE
(1997)
R$ 12,00



REVISTA CARTA NA ESCOLA N° 10
N/D
CONFIANÇA
(2006)
R$ 23,00



VOCABULÁRIO JURIDICO VOLS. 1, 2, 3 E 4, 2 EM 2
DE PLÁCIDO DA SILVA
FORENSE
(1996)
R$ 39,95



BRASIL-MENINO
FÁTIMA MIGUEZ
DCL DIFUSÃO CULTURAL DO LIVRO
(2006)
R$ 25,00



A GRANDE ESPERANÇA
ELLEN G. WHITE
CASA PUBLICADORA BRASILEIRA
(2012)
R$ 12,04



REI BRANCO RAINHA NEGRA
PAULO AMADOR
LE
(1992)
R$ 5,00





busca | avançada
75359 visitas/dia
2,6 milhões/mês