Três comentários | Evandro Ferreira | Digestivo Cultural

busca | avançada
42881 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Terça-feira, 6/8/2002
Três comentários
Evandro Ferreira

+ de 2900 Acessos

Minhas Férias

Titia Zara (o nome é em homenagem à minha professora de primário) pediu para eu escrever uma redação sobre as minhas férias. Eu não sei direito o que escrever, então vou só contar as coisas que eu fiz e as coisas que eu vi. Fui para Brasília, que não é nenhuma praia, mas é a coisa mais parecida que consegui.

Quando cheguei lá, comecei a observar as coisas. Não tem muitas coisas lá, mas mesmo assim consegui observar algumas. Observei, por exemplo, que não se vendem cervejas em postos de gasolina depois das dez horas da noite porque a lei não deixa. A lei também não deixa nos bares, mas aí ninguém respeita porque também já é demais.

Também fui a um café, tomar alguma coisa e fumar um cigarro (essa a tia Zara não pode saber). Chegando lá, vi cartazes de um candidato político pregados nas paredes e panfletos espalhados por toda parte. Perguntei pra minha mãe se isso estava certo e ela respondeu "não, meu filho, isso é muito feio", e também falou qualquer coisa sobre eu não fazer isso quando crescer.

Fiz algumas outras coisas também, mas nenhuma delas é muito importante, então vou acabar minha redação por aqui mesmo. Ah, e o som do meu carro foi roubado. Registrei ocorrência na delegacia e o funcionário me disse que o poder judiciário solta todos os ladrões que eles prendem.

No geral, acho que Brasília não é uma cidade para pessoas normais, ou melhor, para ser feliz em Brasília é preciso ser extremamente normal ou então extremamente maluco. Tem uma escritora que disse que as pessoas de Brasília também foram projetadas, como a cidade, pois elas foram colocadas lá depois que a cidade estava pronta. Eu sempre me lembro dela quando vejo aquelas maquetes de Brasília, com todas aquelas pessoinhas em meio aos prédios, servindo de escala para você saber o tamanho dos monumentos. O nome da escritora era Clarice Lispector.

De qualquer maneira, é legal andar de bicicleta, correr e tomar Sol em Brasília. Sobre os políticos, não vou nem falar nada. Afinal, que tipo de indivíduo vem para o meio do cerrado, vestir um terno e falar de cidadania o dia inteiro? Minha mãe falou que toda essa maluquice começou com aquele que eles chamam de JK. O carinha deixou o Rio de Janeiro na mão e mandou todo mundo ir para uns poleiros que um tal de Niemeyer construiu no meio do nada. Dá pra acreditar?

Os poleiros são bonitos. Tem até pombal (pra pombos mesmo, e não gente)! Mas, sinceramente, construir monumentos no meio do nada e prédios iguais na cidade inteira parece mais uma idéia de gente pirada. Desculpe, tia Zara. Acho que é melhor eu parar de escrever, né?


O eu

Transcrevo um trecho do número 82 da revista cultural "Humboldt", do Instituto Goethe: "Jacques Lacan certa vez chamou o eu de 'doença mental do ser humano'. O eu é a grande armadilha, e justamente na civilização ocidental - toda a civilização ocidental é uma cultura desvairada do eu - a chance que a mulher tem é sair dessa fala que gira em torno do eu e alcançar um plano totalmente diferente".

Bem, se alguma mulher estiver lendo este artigo, só peço uma coisa: não atenda esse chamado.

Gostaria de ressaltar a parte que menciona a "fala que gira em torno do eu". Para a maioria dos acadêmicos, o eu é apenas uma "fala". E isso ainda é pouco, pois para Lacan ele é uma doença. Pois bem, então eu quero fazer uma perguntinha. Você existe? Presumo que a resposta que todos darão é "sim". Então, se você existe, a coisa que existe e da qual estamos falando pode ser descrita como "você", como vemos a partir da própria frase. E "você" visto de dentro pode ser descrito como "eu", não é? Então, que diabos de ser humano vivente pode existir sem ter um "eu"? Esse ser diria algo como "eu não sou eu"? Ou será que diria "sou", escondendo o eu hipocritamente? Ou será que diria apenas "ser", no infinitivo mesmo, para não ter que se estressar com esse problema do "eu"?

Não é à toa que Lacan encarava a linguagem como uma prisão. Alguém que pensa que o eu é uma doença só pode mesmo querer se livrar da linguagem, pois ela é uma prova viva da absurdidade de tal teoria. Se o eu fosse mesmo uma doença, precisaríamos abolir a conjugação verbal, para curar a "doença".


Rembrandt

Algumas das gravuras de Rembrandt estão expostas no Centro Cultural Banco do Brasil, em Brasília, e eu fui ver. Fiquei pensando nas pessoas e nos cães que estavam retratados naquelas gravuras. Todos eles tão bem figurados, os rostos e corpos tão perfeitamente avolumados e as sombras tão realistas. Nenhum deles existe mais, exceto algumas paisagens, mesmo assim transformadas pelo tempo.

O interessante da arte da gravura é estar em contato tão direto com a técnica e ver como é paradoxal a distância entre a realidade a se retratar e todos os materiais e procedimentos usados para isso. O paradoxo está no resultado final. A placa de cobre parece tão nula. Aqueles arranhões na placa não inspiram o mínimo de respeito. Todos aqueles instrumentos parecem inúteis e você simplesmente não acredita que eles vão "fabricar" pessoas. Mas fabricam. E a placa de cobre, ao ser posta em contato com o papel, acaba mostrando um mundo com pessoas e cães e árvores. Acho que o bom artista é acima de tudo uma pessoa paciente. Ele tem de ficar pelejando com aqueles instrumentos, arranhando e borrando até que apareça um mundo qualquer.

Isso me faz lembrar de quando tentei aprender a tocar violão. Fiquei contorcendo minhas mãos por dois meses, tentando fazer aquele instrumento emitir algum som aceitável, até que desisti. Então fiquei pensando em quão longo é o caminho que leva da técnica à arte. Minhas mãos teriam que se contorcer por anos, até que o contorcionismo passasse a ser algo natural para elas, algo que elas passariam a fazer sem nem prestar muita atenção. Talvez então eu conseguisse fazer o violão emitir arte! Mas não tive paciência para tanto.

É claro que hoje em dia há atalhos. O mais curto deles costuma ser chamado de arte experimental. Mas arte é algo que se constrói no caminho, e não algo que se encontra pronto do outro lado dele. E é por isso que eu sempre achei que atalhos são para espertinhos e oportunistas, ou para o que hoje se costuma chamar de "pessoas bem intencionadas".


Evandro Ferreira
Belo Horizonte, 6/8/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Tarifa de ônibus: estamos prontos p/ pagar menos? de Adriana Baggio
02. Não Vou Blogar Mais de Lisandro Gaertner
03. O céu tornou-se legível de Carla Ceres
04. Xamãs & Concurseiros de Guilherme Pontes Coelho
05. Saleté S.A. de Elisa Andrade Buzzo


Mais Evandro Ferreira
Mais Acessadas de Evandro Ferreira em 2002
01. Apesar da democracia - 24/9/2002
02. Pensando sozinho - 27/8/2002
03. Babação do popular - 13/8/2002
04. O pensamento biônico - 23/7/2002
05. O underground e o Estado - 10/9/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O MENINO DO TRIÂNGULO IMAGENS E HISTÓRIAS DE ARARAS
JOSÉ CARLOS VICTORELLO
NESTLÉ
(1996)
R$ 100,00



ENCICLOPÉDIA ILUSTRADA DA CIÊNCIA
VÁRIOS
GLOBO
(1993)
R$ 15,00



O LIVRO DOS ESPÍRITOS
ALLAN KARDEC
INSTITUTO DE DIFUSÃO ESPÍRITA
(1983)
R$ 5,00



ESTRUTURA ELETRÔNICA & LIGAÇÃO QUIMICA
DONALD K SEBERA
POLÍGONO
(1968)
R$ 18,00



A VAGA DE CALOR
URBANO TAVARES RODRIGUES
PUBLICAÇÕES EUROPA - AMÉRICA
(1986)
R$ 15,63



HISTÓRIAS SOBRE ÉTICA
MARISA LAJOLO (COORD)
ÁTICA
(2000)
R$ 30,00



O BUROCRATA E O PRESIDENTE
AFONSO OLIVEIRA DE ALMEIDA
GERAÇÃO
(2011)
R$ 21,00



AS AVENTURAS DO CAÇA-FEITIÇO - A MALDIÇÃO
JOSÉ DELANEY
BERTRAND
(2010)
R$ 45,00



A FADA AFILHADA
MÁRCIO VASSALLO; BEBEL CALLAGE
SALAMANDRA
(2001)
R$ 20,00



BEIJINHO BEIJA FLOR
ADEILSON SALLES
FEB
(2010)
R$ 12,00





busca | avançada
42881 visitas/dia
1,2 milhão/mês