Ficção e previsões para um futuro qualquer | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
45137 visitas/dia
2,3 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Circomuns Com Circo Teatro Palombar
>>> Prêmio AF de Arte Contemporânea abre inscrições para a edição comemorativa de 10 anos
>>> Inscrições abertas para o Prêmio LOBA Festival: objetivo é fomentar o protagonismo de escritoras
>>> 7ª edição do Fest Rio Judaico acontece no domingo (16 de junho)
>>> Instituto SYN realiza 4ª edição da campanha de arrecadação de agasalhos no RJ
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pulsão Oblómov
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jensen Huang, da Nvidia, na Computex
>>> André Barcinski no YouTube
>>> Inteligência Artificial Física
>>> Rodrigão Campos e a dura realidade do mercado
>>> Comfortably Numb por Jéssica di Falchi
>>> Scott Galloway e as Previsões para 2024
>>> O novo GPT-4o
>>> Scott Galloway sobre o futuro dos jovens (2024)
>>> Fernando Ulrich e O Economista Sincero (2024)
>>> The Piper's Call de David Gilmour (2024)
Últimos Posts
>>> O mais longo dos dias, 80 anos do Dia D
>>> Paes Loureiro, poesia é quando a linguagem sonha
>>> O Cachorro e a maleta
>>> A ESTAGIÁRIA
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Micronarrativa e pornografia
>>> Os dois lados da cerca
>>> A primeira vez de uma leitora
>>> Se eu fosse você 2
>>> Banana Republic
>>> Da Poesia Na Música de Vivaldi
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Construção de um sonho
>>> Quem é mesmo massa de manobra?
>>> A crise dos 28
Mais Recentes
>>> Coleção Enciclopédia Disney - 8 Volumes de Disney pela Planeta (2001)
>>> Fórum dos Coordenadores de Joaquim Barbosa / Bárbara Sicardi pela Metodista (2003)
>>> O Último Portal de Eliana Martins / Rosana Rios pela Seguinte (2003)
>>> Batman Planetary - Edição de Luxo de Warren Ellis - John Cassaday - Dc Comics pela Panini (2014)
>>> Mentes Tranquilas, Almas Felizes de Joyce Meyer pela Thomas Nelson (2001)
>>> Democracia Francesa de V Giscard D Estaing pela Difel (1977)
>>> Esperança Viva - Uma Escolha Inteligente de Ivan Saraiva pela Casa Publicadora (2016)
>>> Manual Merck de Veterinaria de Merck pela Roca (2001)
>>> Conjugar Es Fácil En Español De España Y De América (spanish Edition) de González Hermoso, Alfredo pela Edelsa Grupo Didascalia (1997)
>>> Amy, Minha Filha - Amy, My Daughter de Micht Winehouse pela Record (2012)
>>> Avaliação da Inteligência de Marília Ancona-Lopez pela E.p.u (1987)
>>> O Menino do Dedo Verde de Maurice Druon pela Jose Olympio (1973)
>>> Contos E Lendas - Os Doze Trabalhos De Hércules de Christian Grenier - Carlos Fonseca ilustrador pela Cia Das Letrinhas (2013)
>>> Educação do Olhar Vol2 de Vários Autores pela Mec (1998)
>>> Tres Sombras de Cyril Pedrosa pela Quadrinhos Na Cia (2019)
>>> Federico Garcia Lorca - Obra Poetica Completa de Federico Garcia Lorca pela Unb - Martins Fontes (1990)
>>> Postura Profissional do Educador de Ana Maria Santana Martins pela Jcr (1999)
>>> Fale Tudo Em Inglês! - Inclui Cd Audio de José Roberto A. Igreja pela Disal (2007)
>>> Prazeres da Docência de Magalli B. Picchi pela Arte & Ciência (2003)
>>> Pequeno Dicionário Ilustrado Palavras Inventadas de Marcelo Godoi pela Sagui (2007)
>>> O que é Música de J. Jota de Moraes pela Brasiliense (1983)
>>> Para os Filhos dos Filhos dos Nossos Filhos de José Pacheco pela Papirus (2008)
>>> Liderando Crianças com Excelêcia de Márcia S.Ribeiro pela Videira (2008)
>>> Linguagem e Escola: Uma Perspectiva Social de Magda Soares pela Atica (1986)
>>> Regras Oficiais De Voleibol de Vários Autores pela Nd-sprint (1998)
COLUNAS

Sexta-feira, 22/5/2020
Ficção e previsões para um futuro qualquer
Ana Elisa Ribeiro
+ de 3200 Acessos

Geralmente, o que estava na literatura já adiantava o que poderia nos acontecer. Na ficção, há inúmeros exercícios de imaginação - ou planejamento? - das tragédias e bizarrices que poderíamos viver ou ser obrigados/as a viver. Muitos/as de nós têm exemplos para dar, menos e mais sofisticados.

Hoje mesmo, no café da manhã, me peguei falando em uma possível reforma que faria no mundo, caso alguém me desse um cargo de presidente de algum conselho para melhorias. É claro que isso jamais acontecerá, e muito menos a mim, mas nada me impede de conjeturar, tomando café e olhando perdidamente o céu pela janela gradeada da cozinha. Eu pensava nas coisas que alteraria completamente, nas rotinas de que não sentiria a menor falta, do trabalho de um jeito mais humano, de relações de amizade mais sinceras, de pessoas assim & assado, mas era tudo pura imaginação. No fundo, acredito mais nas pioras e na correria por uma espécie de compensação, quando tudo isto se amenizar.

Quando me vi pensando em reformas, logo veio a capa de um livro de Monteiro Lobato, A reforma da natureza, que li quando bem jovem e de que me lembro até hoje, tais foram as curiosidades que me marcaram nele. Uma protagonista livre para imaginar já me soava suficientemente relevante. E as ideias dela, que pareciam inicialmente boas, mostravam-se logo sem funcionalidade. Que pena. Talvez a minha reforma também não ficasse bem, em curto tempo, mas não custa tentar, ao menos nos meus pensamentos.

Muitos/as de nós podemos compor uma lista de livros e de filmes que prenunciaram - agora até parece que foi isso - diferentes crises mundiais ou nacionais; fins de mundo de todo jeito, sob todas as mitologias; ataques alienígenas de diferentes feições e níveis de violência; genocídios em variadas modalidades; alterações em diversas dimensões. Até uma pandemia semelhante à do Coronavírus já pintou por aí, em filmes, pelo menos. E quem acreditaria? A gente saía do cinema sorrindo, comendo pipoca, jogando perdigotos nos/as amigos/as e ia logo se sentar na lanchonete mais próxima, sem lavar as mãos. Tudo ficção. Só que não.

Além de trabalhar loucamente de dentro de casa - o que não me desagrada, confesso -, passo bastante tempo, ainda hoje, perplexa com o fato de viver, intensamente, uma pandemia digna dos livros de História. Se não formos exterminados, ou pelo vírus ou pela política, e chegarmos lá, mais adiante no tempo, teremos o que contar aos/às netos/as, quando fizerem trabalhos de escola. E como estará a escola?

A escola é uma das personagens centrais desta encrenca toda. Está entre as instituições mais atingidas, e por todos os lados. Já que, no Brasil, educação nunca foi assunto sério, a escola sofre porque teve de se adaptar numa espécie de "se vira nos 30" e porque só leva bordoada, para onde quer que olhe. A escola, que nunca-jamais foi digital, nem as particulares, de repente teve de migrar tudo para alguma plataforma que surgiu magicamente. Uma parte boa do que se faz em escolas, hoje, está dentro de plataformas privadas que não são da própria escola. Professores/as em pânico, pais/mães também em pânico, gestores/as igualmente, mas nem sempre pelas mesmas razões.

A escola tem um papel fundamental na organização geral de nossas vidas. As crianças vão à escola para aprender, é claro, para desenvolver competências, para se socializarem, etc. Mas também vão à escola para não estarem em casa, para estarem sob os cuidados de outras pessoas, que cuidarão delas e de sua segurança, ao longo de várias horas de um dia, por anos a fio, até que cresçam e sejam mais autônomas. Não se deixa uma criança sozinha em casa. Tecnicamente, isso dá polícia e conselho tutelar. Mas quem disse que as condições, no Brasil, são essas? Incontáveis mulheres pobres precisam deixar seus filhos sozinhos ou uns cuidando dos outros enquanto trabalham nas casas de outras mulheres, que deixam seus filhos com aquelas primeiras e assim as coisas funcionam. Há o que fazer? Não há. E este costuma ser um esquema entre mulheres, infelizmente só elas.

Nesta bizarrice toda que vivemos hoje, além das infinitas explicações sobre epidemiologia na TV, remédios e testes científicos, ouvimos falar em aumentos de violência, inclusive contra crianças, e a piração geral a que foram levadas as instituições escolares: umas pelo excesso, outras pela falta. As escolas públicas, em sua maioria, não conseguem fazer muito porque não alcançam imensa parte de seus/suas estudantes digitalmente. Quem não sabia que é assim ou é muito distraído/a ou está de brincadeira.

Em todo caso, este cenário confuso tem servido também para me fazer pensar, ali diante das grades da janela, no que nós, pesquisadores de educação e tecnologias, andamos falando ao longo dos últimos vinte ou trinta anos. Claramente, podemos ser separados/as em alas, para as quais vou propor nomes que sirvam para os dias de hoje, dos mais otimistas aos menos: entusiastas desmedidos/as, ponderados/as-meio-inocentes e medrosões/onas-de-carteirinha. Não sei mais onde me incluir. Só sei que me sinto excluída como professora de estudantes sem banda larga, sem hardware, sem os cliques para usar programas interessantes e plataformas inteligentes. Como me senti inútil e ignorada... nos últimos dois meses. Só não me senti mais triste porque não fui da ala que quis crer que nossa educação podia contar com tecnologias digitais, que os equipamentos já estavam nas mãos de todos/as e que seria possível dar um salto em direção ao futuro. Quando eu lia isso, eu só pensava: uai, que coisa! Estão falando do mesmo país que eu? Euzinha, que dou aulas também no ensino médio e que senti tantos olharezinhos de desprezo justamente por isso.

Estava na ficção. Estava lá que o mundo se acabaria numa bagunça infernal. Estava em todos os enredos que haveria uma luta entre o bem e o mal. A gente saiu do cinema rindo e brincando, mas estava lá. Era aviso? Não era. Era prenúncio? Não sei. Só não era imaginação pura. Era medo, certamente. A gente sempre teve medo do que não controla. Agora precisa respeitar o que não controla e não vê. Ainda passarei alguns dias do lado de dentro das grades da janela, tentando acreditar que teremos condições razoáveis de repensar a vida para depois desta pandemia, incluindo as condições ridículas e desiguais em que as escolas funcionam, simplesmente porque têm de tocar o barco, mesmo com tanto vento contrário.


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 22/5/2020

Quem leu este, também leu esse(s):
01. A imaginação do escritor de Renato Alessandro dos Santos
02. Parque de Diversão Brasil de Daniel Bushatsky
03. Blog é coisa séria. Já a Veja... de Rafael Lima


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2020
01. Nem morta! - 4/9/2020
02. Ler, investir, gestar - 17/1/2020
03. Meu reino por uma webcam - 19/6/2020
04. Aos nossos olhos (e aos de Ernesto) - 27/11/2020
05. Filmes de guerra, de outro jeito - 10/7/2020


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O Caçador De Pipas
Khaled Hosseini
Globo
(2013)



Brasil: Anos 60
José Geraldo Couto
Ática
(1999)



Boca do Lixo - Sexo Suspense e Tragédia no Submundo Paulista
Silvio de Abreu
Panda Books
(2003)



Ben Hur - Clássicos da Literatura Juvenil
Lewis Wallace; Carlos Heitor Cony (adap.)
Abril Cultural
(1972)



Coleção 24 Livros Sigmund Freud Edição Standard Brasileira Completa A Interpretação dos Sonhos + Gradiva de Jensen + O Caso de Schreber + Além do Princípio do Prazer
Sigmund Freud; Anna Freud; James Strachey
Imago
(1990)



A alma é imortal
Gabriel Delanne
Feb
(1978)



Livro Psicologia Um Olhar Sobre a Família Trajetória e Desafios de uma ONG
Celia Valente
Agora
(2004)



O Corretor
John Grisham
Rocco
(2005)



Os Donos do Poder Vol. 1
Raymundo Faoro
Abril



Brinque-book conta fabulas - O conselho do leão e outras historias
Bob Hartman
Brinque Book
(2006)





busca | avançada
45137 visitas/dia
2,3 milhões/mês