Ficção e previsões para um futuro qualquer | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
87666 visitas/dia
2,7 milhões/mês
Mais Recentes
>>> “Bella Cenci” Estreia em formato virtual com a atriz Thais Patez
>>> Espetáculo teatral conta a história de menina que sonha em ser astronauta
>>> Exposição virtual 'Linha de voo', de Antônio Augusto Bueno e Bebeto Alves
>>> MAB FAAP seleciona artista para exposição de 2022
>>> MIRADAS AGROECOLÓGICAS - COMIDA MANIFESTO
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
>>> Fernando Cirne sobre o e-commerce no pós-pandemia
>>> André Barcinski por Gastão Moreira
>>> Massari no Music Thunder Vision
>>> 1984 por Fabio Massari
>>> André Jakurski sobre o pós-pandemia
>>> Carteiros do Condado
>>> Max, Iggor e Gastão
Últimos Posts
>>> A lei natural da vida
>>> Sem voz, sem vez
>>> Entre viver e morrer
>>> Desnudo
>>> Perfume
>>> Maio Cultural recebe “Uma História para Elise”
>>> Ninguém merece estar num Grupo de WhatsApp
>>> Izilda e Zoroastro enfrentam o postinho de saúde
>>> Acentuado
>>> Mãe, na luz dos olhos teus
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Carma & darma
>>> Sultão & Bonifácio, parte II
>>> Ensaio autobiográfico, de Jorge Luis Borges
>>> O código dos gênios
>>> A forca de cascavel — Angústia (Fuvest)
>>> Para você estar passando adiante
>>> Blogs roubam audiência
>>> O enigma da 21ª letra
>>> Crise dos 40
>>> Marcelotas
Mais Recentes
>>> Livro A Maldição do Titã de Rick Riordan pela Intrínseca (2014)
>>> Livro Se Eu Ficar de Gayle Forman pela Novo Conceito (2019)
>>> Querido John de Nicholas Sparks pela Novo Conceito (2013)
>>> Saudável aos 100 Anos de John Robbins pela Fontanar (2009)
>>> Chico Buarque Letra e Música - 2 Volumes de Chico Buarque de Hollanda pela Companhia das Letras (1989)
>>> Songbook Caetano Veloso - Vol. 2 de Almir Chediak pela Lumiar
>>> Songbook Bossa Nova - Vol. 1 de Almir Chediak pela Lumiar
>>> Médio Dicionário Aurélio de Aurélio Buarque de Holanda Ferreira pela Nova Fronteira (1980)
>>> Dicionário Etimológico Nova Fronteira da Língua Portuguesa de Antônio Geraldo da Cunha pela Nova Fronteira (1982)
>>> Dolce Casa - Manuale Di Sopravvivenza Domestica de Grazia Dominici pela La Spiga (1984)
>>> Meu Mundo Caiu. a Bossa e a Fossa de Maysa. a Bossa e a Fossa de Maysa de Eduardo Logullo pela Novo Século (2007)
>>> Haroldo Costa de Vários Autores pela Rio (2003)
>>> Cancioneiro Popular Português e Brasileiro de Nuno Ctharino Cardoso pela Portugal-brasil Ltda (1921)
>>> Retratos - Dadá Cardoso de Dada Cardoso pela Avatar (1999)
>>> A Informação no Rádio de Gisela Swetlana Ortriwano pela Summus Editorial (1985)
>>> Yes, nos Temos Bananas - História e Receitas de Heloisa de Freitas Valle; Márcia Masca pela Senac São Paulo (2003)
>>> Manual de Modelismo de Albert Jackson; David Day pela Hermann Blume (1981)
>>> Madeira-mamoré. Patrimônio da Humanidade de Hércules Góes pela Ecoturismo (2005)
>>> Uma História de Agendas de João Rothschild pela Ernesto Rothschild (1990)
>>> Estética. La Cuestion del Arte de Elena Oliveras pela Aemecé (2007)
>>> Conheça o Pantanal de Nicia Wendel de Magalhães pela Terragraph (1992)
>>> Corpo de Baile de João Guimarães Rosa pela José Olympio (1956)
>>> Línguas de Fogo. Ensaio Sobre Clarice Lispector de Claire Varin pela Limiar (2002)
>>> Pedagogia Diferemciada : das Intenções à Ação de Philippe Perrenoud pela Artmed (2000)
>>> Um General na Biblioteca de Italo Calvino pela Companhia das Letras (2007)
COLUNAS

Sexta-feira, 22/5/2020
Ficção e previsões para um futuro qualquer
Ana Elisa Ribeiro

+ de 2200 Acessos

Geralmente, o que estava na literatura já adiantava o que poderia nos acontecer. Na ficção, há inúmeros exercícios de imaginação - ou planejamento? - das tragédias e bizarrices que poderíamos viver ou ser obrigados/as a viver. Muitos/as de nós têm exemplos para dar, menos e mais sofisticados.

Hoje mesmo, no café da manhã, me peguei falando em uma possível reforma que faria no mundo, caso alguém me desse um cargo de presidente de algum conselho para melhorias. É claro que isso jamais acontecerá, e muito menos a mim, mas nada me impede de conjeturar, tomando café e olhando perdidamente o céu pela janela gradeada da cozinha. Eu pensava nas coisas que alteraria completamente, nas rotinas de que não sentiria a menor falta, do trabalho de um jeito mais humano, de relações de amizade mais sinceras, de pessoas assim & assado, mas era tudo pura imaginação. No fundo, acredito mais nas pioras e na correria por uma espécie de compensação, quando tudo isto se amenizar.

Quando me vi pensando em reformas, logo veio a capa de um livro de Monteiro Lobato, A reforma da natureza, que li quando bem jovem e de que me lembro até hoje, tais foram as curiosidades que me marcaram nele. Uma protagonista livre para imaginar já me soava suficientemente relevante. E as ideias dela, que pareciam inicialmente boas, mostravam-se logo sem funcionalidade. Que pena. Talvez a minha reforma também não ficasse bem, em curto tempo, mas não custa tentar, ao menos nos meus pensamentos.

Muitos/as de nós podemos compor uma lista de livros e de filmes que prenunciaram - agora até parece que foi isso - diferentes crises mundiais ou nacionais; fins de mundo de todo jeito, sob todas as mitologias; ataques alienígenas de diferentes feições e níveis de violência; genocídios em variadas modalidades; alterações em diversas dimensões. Até uma pandemia semelhante à do Coronavírus já pintou por aí, em filmes, pelo menos. E quem acreditaria? A gente saía do cinema sorrindo, comendo pipoca, jogando perdigotos nos/as amigos/as e ia logo se sentar na lanchonete mais próxima, sem lavar as mãos. Tudo ficção. Só que não.

Além de trabalhar loucamente de dentro de casa - o que não me desagrada, confesso -, passo bastante tempo, ainda hoje, perplexa com o fato de viver, intensamente, uma pandemia digna dos livros de História. Se não formos exterminados, ou pelo vírus ou pela política, e chegarmos lá, mais adiante no tempo, teremos o que contar aos/às netos/as, quando fizerem trabalhos de escola. E como estará a escola?

A escola é uma das personagens centrais desta encrenca toda. Está entre as instituições mais atingidas, e por todos os lados. Já que, no Brasil, educação nunca foi assunto sério, a escola sofre porque teve de se adaptar numa espécie de "se vira nos 30" e porque só leva bordoada, para onde quer que olhe. A escola, que nunca-jamais foi digital, nem as particulares, de repente teve de migrar tudo para alguma plataforma que surgiu magicamente. Uma parte boa do que se faz em escolas, hoje, está dentro de plataformas privadas que não são da própria escola. Professores/as em pânico, pais/mães também em pânico, gestores/as igualmente, mas nem sempre pelas mesmas razões.

A escola tem um papel fundamental na organização geral de nossas vidas. As crianças vão à escola para aprender, é claro, para desenvolver competências, para se socializarem, etc. Mas também vão à escola para não estarem em casa, para estarem sob os cuidados de outras pessoas, que cuidarão delas e de sua segurança, ao longo de várias horas de um dia, por anos a fio, até que cresçam e sejam mais autônomas. Não se deixa uma criança sozinha em casa. Tecnicamente, isso dá polícia e conselho tutelar. Mas quem disse que as condições, no Brasil, são essas? Incontáveis mulheres pobres precisam deixar seus filhos sozinhos ou uns cuidando dos outros enquanto trabalham nas casas de outras mulheres, que deixam seus filhos com aquelas primeiras e assim as coisas funcionam. Há o que fazer? Não há. E este costuma ser um esquema entre mulheres, infelizmente só elas.

Nesta bizarrice toda que vivemos hoje, além das infinitas explicações sobre epidemiologia na TV, remédios e testes científicos, ouvimos falar em aumentos de violência, inclusive contra crianças, e a piração geral a que foram levadas as instituições escolares: umas pelo excesso, outras pela falta. As escolas públicas, em sua maioria, não conseguem fazer muito porque não alcançam imensa parte de seus/suas estudantes digitalmente. Quem não sabia que é assim ou é muito distraído/a ou está de brincadeira.

Em todo caso, este cenário confuso tem servido também para me fazer pensar, ali diante das grades da janela, no que nós, pesquisadores de educação e tecnologias, andamos falando ao longo dos últimos vinte ou trinta anos. Claramente, podemos ser separados/as em alas, para as quais vou propor nomes que sirvam para os dias de hoje, dos mais otimistas aos menos: entusiastas desmedidos/as, ponderados/as-meio-inocentes e medrosões/onas-de-carteirinha. Não sei mais onde me incluir. Só sei que me sinto excluída como professora de estudantes sem banda larga, sem hardware, sem os cliques para usar programas interessantes e plataformas inteligentes. Como me senti inútil e ignorada... nos últimos dois meses. Só não me senti mais triste porque não fui da ala que quis crer que nossa educação podia contar com tecnologias digitais, que os equipamentos já estavam nas mãos de todos/as e que seria possível dar um salto em direção ao futuro. Quando eu lia isso, eu só pensava: uai, que coisa! Estão falando do mesmo país que eu? Euzinha, que dou aulas também no ensino médio e que senti tantos olharezinhos de desprezo justamente por isso.

Estava na ficção. Estava lá que o mundo se acabaria numa bagunça infernal. Estava em todos os enredos que haveria uma luta entre o bem e o mal. A gente saiu do cinema rindo e brincando, mas estava lá. Era aviso? Não era. Era prenúncio? Não sei. Só não era imaginação pura. Era medo, certamente. A gente sempre teve medo do que não controla. Agora precisa respeitar o que não controla e não vê. Ainda passarei alguns dias do lado de dentro das grades da janela, tentando acreditar que teremos condições razoáveis de repensar a vida para depois desta pandemia, incluindo as condições ridículas e desiguais em que as escolas funcionam, simplesmente porque têm de tocar o barco, mesmo com tanto vento contrário.


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 22/5/2020


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O Véu, de Luis Eduardo Matta de Fabio Silvestre Cardoso
02. Não existe pote de ouro no arco-íris do escritor de Julio Daio Borges
03. De volta às férias I de Eduardo Carvalho
04. Dez Autores, Dez Vidas de Martim Vasques da Cunha
05. Entrevista com o poeta Júlio Castañon Guimarães de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2020
01. Ler, investir, gestar - 17/1/2020
02. Nem morta! - 4/9/2020
03. Meu reino por uma webcam - 19/6/2020
04. Filmes de guerra, de outro jeito - 10/7/2020
05. Aos nossos olhos (e aos de Ernesto) - 27/11/2020


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Pesquisa Sobre Evolução dos Aluguéis
Neurb; Puc Rj
Neurb; Puc Rj
(1978)



El Dominio Maritimo del Estado Sobre La Zona Economica Exclusiva
D. José Luis de Azcarraga y Bustamante
Real Academia de Jurisprudenci
(1983)



Vamos para Casa: uma História de Amor
Maria do Carmo Lima de Rezende (dedicatória)
7letras
(2004)



O Projeto Dragão
Rubens Teixeira Scavone
Scipione
(1988)



Spain & Portugal (glovebox Atlas)
Automobile Association
Automobile Association
(1998)



Os 350 Melhores Restaurantes do Rio de Janeiro: Guia Gastronômico
André Luiz Pereira da Silva (capa Dura)
Caras
(2003)



El Concepto de Clases Sociales de Marx a Nuestros Dias
Georges Gurvitchi
Nueva Vision
(1957)



Manual de Termos Técnicos do Comércio Exterior e Transportes Marítimos
Abinael Morais Leal
Tempo
(1996)



O Nascimento da Terra
Roselis Von Sass
Ordem do Graal na Terra
(1990)



Praga Judia
Marie Vitochová, Jindrich Kejr e Miloslav Husek
Jitka Kejrová (praga)
(2004)





busca | avançada
87666 visitas/dia
2,7 milhões/mês