Filmes de guerra, de outro jeito | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
75949 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Guerreiros e Guerreiras do Mundo pelas histórias narradas por Daniela Landin
>>> Conheça Incêndio no Museu. Nova obra infantil da autora Isa Colli fala sobre união e resgate cultura
>>> Arte do Granja
>>> Prorrogadas as inscrições para 20ª Mostra de Cinema Infantil de Florianópolis
>>> Projeto Trovadores Urbanos 30 anos, live cinco, “Serenata para Silvio Caldas”, segunda dia 19 de abr
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
>>> Curtíssimas: mostra virtual estreia sexta, 16.
>>> Estreia: Geração# terá sessões virtuais gratuitas
>>> Gota d'agua
>>> Forças idênticas para sentidos opostos
>>> Entristecer
>>> Na pele: relação Brasil e Portugal é tema de obra
>>> Single de Natasha Sahar retrata vida de jovem gay
>>> A melancolia dos dias (uma vida sem cinema)
>>> O zunido
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O que querem os homens? Do Sertão a Hollywood
>>> 8 de Junho #digestivo10anos
>>> Voltar com ex e café requentado
>>> Vinicius de Moraes Reeditado pela Companhia das Letras
>>> Deep Purple Made in Japan
>>> The Newspaper of the Future
>>> Se eu fosse você 2
>>> Lady Gaga, uma aula do pastiche
>>> Comunicado importante: TV mata!
>>> A bolha da blogosfera
Mais Recentes
>>> É Hora! É Hora! de Anna Claudia Ramos pela Nova Fronteira (2005)
>>> Tempo de Voo de Bartolomeu Campos de Queirós pela SM Paradidático (2009)
>>> Brasília: de cerrado a capital da república de Jô Oliveira pela Cortez (2008)
>>> Sujo, eu? de David Roberts pela Companhia Nacional (2006)
>>> Corpo humano de Charline Zeitoun pela Companhia Nacional (2006)
>>> As cores do arco-íris de Jennifer Moore Mallinos pela Companhia Nacional (2008)
>>> O Dom de Sabedoria na mente ,vida e obra de Plinio Correa De Oliveira - 3 Vol - Ver Descrição de Mons. João Scognamiglio Cla Dias , Ep pela Vaticana (2016)
>>> Ana E O Gato de Gusmao Marta^Gusmao Tania pela Franco (2011)
>>> Uma história do mundo de David Coimbra pela L&Pm (2012)
>>> Figura na sombra de Luiz Antonio De Assis Brasil pela L&Pm (2012)
>>> O bem de Cristina Von pela Callis (2011)
>>> Drogas de Leslie Iversen pela L&Pm (2012)
>>> Peanuts: ninguém gosta de mim de Charles M. Schulz pela L&Pm (2013)
>>> Teatro Para A Juventude de Tatiana Belinky pela Companhia Nacional (2005)
>>> Pré-história de Cris Gosden pela L&Pm (2012)
>>> Razão e sentimento: de Jane Austen pela L&Pm (2012)
>>> A interpretação dos sonhos - volume 2 de Sigmund Freud pela L&Pm (2012)
>>> A interpretação dos sonhos - volume 1 de Sigmund Freud pela L&Pm (2012)
>>> Veja--2654--ia dar um tiro nele e me suicidar de Abril pela Abril (2019)
>>> O cão da morte de Agatha Christie pela L&Pm (2012)
>>> Viagem ao centro da terra de Julio Verne pela L&Pm (2012)
>>> Cleo E Daniel de Roberto Freire pela L&Pm (2012)
>>> Platão de Julia Annas pela L&Pm (2012)
>>> Veja--2601--especial--1960 a 2010. de Abril pela Abril (2018)
>>> Fábulas Chinesas de Sérgio Capparelli pela L&Pm (2012)
COLUNAS

Sexta-feira, 10/7/2020
Filmes de guerra, de outro jeito
Ana Elisa Ribeiro

+ de 2500 Acessos

Havia apenas alguns dias que eu assistira ao remake de The Beguiled (em português, O estranho que nós amamos), lançado em 2017 e dirigido por Sofia Coppola. Ainda não tinha dado para digerir aquela história de suspense - adaptada de um livro de Thomas P. Cullinan, que se passava no século XIX, em tempos de guerra civil, nos Estados Unidos. Que medo, que mistério, que ansiedade. Um grupo de mulheres e meninas isoladas num internato, no meio do nada, e um soldado inimigo trazido por uma delas para dentro de casa para ser cuidado. Bom, o tal cuidado a gente vê no que dá...

Bárbaro. Eu estava achando incômodo e bárbaro, no bom sentido. Conforme li, depois, em vários sites gringos de cinema, a versão de Coppola mudava a perspectiva, dava tudo a ver sob o ponto de vista das moças; mostrava melhor aquelas mulheres em diferentes fases da vida, trancadas numa edificação imensa e escura, tentando cuidar de um homem desconhecido e, ao mesmo tempo, sentindo curiosidade e desejo por ele.

Ainda não tinha dado para repensar. E foi aí que pintou na área Agnus dei, dirigido por Anne Fontaine, coprodução de 2015 entre Franca, Polônia e Bélgica. Ao que parece, originalmente tem o título de Les innocentes, mas de inocente pouca coisa tem. Não fosse o modo absolutamente delicado e cuidadoso como foi filmado e narrado, seria um dos filmes mais "pesados" que alguém poderia ver. Bom, deve arrepiar muita gente "sensível". Eu amei.

Freiras grávidas. Preciso dizer mais? Sim, claro que sim. E isso não se deve a nenhuma lascívia delas, sistemáticas e obedientes como o quê. Deve-se, sim, a soldados russos, no fim da Segunda Guerra Mundial, que, como tantos outros soldados, em toda guerra, usam o estupro como forma de dominação e exibição de força. Toda guerra esconde histórias horrendas e infelizmente o que aprendemos na escola é maquiado demais. Mas o estupro está sob toda narrativa de dominação, seja ela menos ou mais visível e explosiva que uma guerra.

Em poucos minutos de película, fui lançada no espaço de um convento polonês isolado, num clima muito frio, diante de freiras atônitas que pareciam precisar de ajuda. Uma delas sai da edificação e, sem autorização, vai a pé até a cidade procurar médicos na Cruz Vermelha. Embora seja inicialmente ignorada, logo é vista por uma médica francesa, que a expulsa dali. No entanto, a médica resolve atender a freirinha quando a vê rezando, no frio, pela janela.

Começam então as visitas furtivas ao convento, onde Mathilde Beaulieu descobre não uma, mas dezenas de freiras grávidas, todas vítimas de estupro por soldados russos. Fiquei entre o horror, a pena, o nojo e o desânimo com a humanidade. Quem vai contar histórias de guerra como esta? Bem, elas acontecem e ficam sob o tapete, escamoteadas por narrativas de honra e glória. O fato de o filme mostrar um convento é extremo, deixa um gosto amargo na boca, afinal... sequer se trata de um grupinho de periguetes, para deliciar a língua dos preconceituosos e misóginos de plantão. Não, são freiras beneditinas trancadas num convento isolado. Pois então.

Mathilde cuida dessas mulheres violadas, faz partos, vários, ganha a confiança e a desconfiança das religiosas e de sua seríssima madre superiora, etc. Não vou dar spoilers demais. Mas além das freiras prenhes, ainda tive de lidar com o destino das crianças que nasciam... Enfim, são mostradas ainda questões da vida particular da própria médica, sua relação com um colega judeu; a relação entre as freiras; entre as freiras que se tornam mães e suas crianças e muito mais.

Como não fosse suficiente narrar uma situação como essa, descobre-se, lá pelas tantas, que os bebês nascidos às escondidas, dentro do convento, são entregues à morte. Pronto... desolação total. E aí... aí é que o filme me pegou de vez. Como é importante a insubordinação! Nessas organizações muito rígidas, cheias de regras duras, pessoas endurecidas e cegamente obedientes, diante de uma situação atroz, desumana e nova, como é importante haver alguém que ainda seja capaz de sentir, pensar e agir. Penso nisso sempre, em muitas situações, em circunstâncias de emburrecimento coletivo, etc. E penso em como um ou dois insubordinados ou insubordinadas, se não forem mais atrozes do que a organização, são fundamentais para a mudança bem-vinda, para a abertura das mentes, para a salvação de outros/as, para a correção de rumos.

Em Agnus dei, não apenas uma ou duas freiras se insubordinam, sem violência, mas com diligência. A médica da Cruz Vermelha também toma esse necessário rumo, diante do que encontra dentro daquele convento cheio de vítimas da guerra. Vítimas silenciosas, constrangidas, envergonhadas, dupla ou triplamente punidas, várias inocentes, lançadas da virgindade ao estupro, em uma lição. As freiras estavam grávidas; e sequer a madre superiora escapara: estava com sífilis em estágio avançado, mas não se deixou tocar e curar, nem pela médica. Ficou doente, pôs a culpa em Deus.

Tanto as freiras quanto a médica insubordinada, desobediente, foram punidas por seus/suas superiores. Mathilda leva um esbregue de seu comandante na Cruz Vermelha, mas mantém o segredo das religiosas intacto. Mantém também, apesar das dificuldades e restrições maiores, o compromisso de atendê-las na calada da noite. Consome-se, não dorme, não compartilha aquela dura situação com ninguém, até certo ponto... A freira mais atrevida também leva suas broncas, mas fica firme na consciência de que precisa ajudar a salvar mães e bebês, assim como a dignidade naquele convento.

Aqui e ali, outras ocorrências surgem, mais motivos para reflexão e perplexidade, mas o filme termina de modo que se encontre solução para tudo. No entanto, tais soluções são decorrentes, claramente, da humanidade e da insubordinação de algumas pessoas; estas capazes de pensar em meio ao caos e de decidir quando regras e regulamentos não estão acima de tudo. Que alívio! Que bom que existam essas pessoas de consciência clara e independente.

Não faço uma apologia à desobediência agressiva, gratuita; nem à insolência e à arrogância, que são outras coisas; nem à polemização cansativa e à toa. Não. Não digo que cada um pense por si e tome atitudes contra seus superiores. De forma alguma. O que digo é que a insubordinação (e pensar a subordinação é outro aspecto) é, muitas vezes, necessária, quando se percebe que as coisas vão mal, mesmo que pareçam organizadas e "como sempre foram". Alguns segredos são prejudiciais, algumas regras causam o mal e a morte de inocentes. Esses/as insubordinados/as, sim, são heróis. Os soldados estupradores, embora ganhem medalhas e faixas diante dos presidentes e dos reis, não. Não são. Não por acaso, tratei aqui de dois filmes de duas diretoras.

LeP



Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 10/7/2020


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Histórias pra Ninar Gente Grande de Rennata Airoldi


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2020
01. Ler, investir, gestar - 17/1/2020
02. Nem morta! - 4/9/2020
03. Filmes de guerra, de outro jeito - 10/7/2020
04. Meu reino por uma webcam - 19/6/2020
05. Aos nossos olhos (e aos de Ernesto) - 27/11/2020


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Liberalização da Conta de Capitais
Cesar Rodrigues Van Der Laan
Bndes
(2007)



Novissimo Dizionario Portoghese-italiano
Enzio Di Poppa Volture
Lello & Irmão



Para Viver a Grande Mensagem
Richard Simonetti
Feb
(1987)



Direito Financeiro e Tributário
Kiyoshi Harada
Atlas
(2009)
+ frete grátis



Eu - Leio - a Volta ao Mundo Em Oitenta Dias
Júlio Verne
Ática
(2002)



Um Crime Entre Cavalheiros - Coleção Supertítulos
John Le Carré
Klick
(1997)



Grande Dicionário Enciclopédico Brasileiro - Ilustrado 10 Volumes
Novo Brasil
Ed Especial de Luxo
(1978)



Language Or Race? the Choice of Core Values in the Development Of
Ethnic and Racial Studies: Vol 13 - Nº 1 Jan
Routledge Journals
(1990)



Max Steel Dupla Em Ação - Livro de Colorir Com Atividades
Ciranda Cultural
Ciranda Cultural
(2016)



Críticos da Sociedade: o Pensamento Radical na América do Norte
T. B. Bottomore
Zahar
(1970)





busca | avançada
75949 visitas/dia
2,6 milhões/mês