Filmes de guerra, de outro jeito | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
65683 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Pauta: E-books de Suspense Grátis na Pandemia!
>>> Hugo França integra a mostra norte-americana “At The Noyes House”
>>> Sesc 24 de Maio apresenta programação de mágica para toda família
>>> Videoaulas On Demand abordam as relações do Homem com a natureza e a imagem
>>> Irene Ravache & Alma Despejada na programação online do Instituto Usiminas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Nem morta!
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - I
>>> Contentamento descontente: Niketche e poligamia
>>> Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
>>> Filmes de guerra, de outro jeito
Colunistas
Últimos Posts
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
>>> Sebo de Livros do Seu Odilon
>>> Sucharita Kodali no Fórum 2020
>>> Leitura e livros em pauta
>>> Soul Bossa Nova
>>> Andreessen Horowitz e o futuro dos Marketplaces
>>> Clair de lune, de Debussy, por Lang Lang
>>> Reid Hoffman sobre Marketplaces
>>> Frederico Trajano sobre a retomada
>>> Stock Pickers ao vivo na Expert 2020
Últimos Posts
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
>>> Deu branco
>>> Entre o corpo e a alma
>>> Amuleto
>>> Caracóis me mordam
>>> Nome borrado
>>> De Corpo e alma
>>> Lamentável lamento
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Eat the Rich
>>> El fin de la inocencia
>>> So I have a blog
>>> Maria Bethânia em Amor Festa Devoção
>>> Para ler o Pato Donald
>>> A Faculdade de Letras
>>> 13 de Setembro #digestivo10anos
>>> 21 de Março #digestivo10anos
>>> 4 de Janeiro #digestivo10anos
>>> A morte de Sardanapalo de Delacroix
Mais Recentes
>>> O Mistério das Aranhas Verdes de Carlos Heitor Cony; Anna Lee pela Salamandra (2001)
>>> Bem do seu tamanho de Ana Maria Machado; Mariana Massarani pela Salamandra (2003)
>>> Ponte para Terabítia de Katherine Paterson pela Salamandra (2006)
>>> Slam Dunk de Takehiko Inoque pela Conrad (2006)
>>> Slam Dunk de Takehiko Inoque pela Conrad (2006)
>>> Neon Genesis Evangelion the Iron Maiden 6 de Funino Hayashi - GAINAX pela Conrad (2006)
>>> Neon Genesis Evangelion the Iron Maiden 5 de Funino Hayashi - GAINAX pela Conrad (2003)
>>> Minha vida de menina de Helena Morley pela Companhia das Letras (2020)
>>> Minha formação de Joaquim Nabuco pela 34 (2020)
>>> Mestre da Critica de Vários autores pela Topbooks (2020)
>>> Memórias para servir à História do Reino do Brasil de Luís Gonçalves dos Santos pela Senado (2020)
>>> Memórias de um Sargento de Milícias de Manuel Antônio de Almeida pela Abc (2020)
>>> A Unica Esperança de Alejandro Bullon pela Casa Publicadora Brasileira (2013)
>>> Memórias de Carlota Joaquina de Marsilio Cassotti pela Planeta (2020)
>>> Marquês de São Vicente de Eduardo Kugelmas pela 34 (2020)
>>> Machado de Assis & Joaquim Nabuco. Correspondência de Graça Aranha pela Topbooks (2020)
>>> Obra Completa de Luis De Camoes pela Nova (2020)
>>> Literatura e Sociedade de Antônio Candido pela Ouro sobre Azul (2020)
>>> O Tigre na Sombra de Lya Luft pela Record (2012)
>>> Juca Paranhos, o Barão do Rio Branco de Luís Cláudio Villafañe G. Santos pela Companhia das Letras (2020)
>>> Ingleses no Brasil de Gilberto Freyre pela UniverCidade (2020)
>>> Histórias da Gente Brasileira. República. Memórias. 1889-1950 - Volume 3 de Mary Del Priore pela Leya (2020)
>>> Histórias da gente brasileira - Império - Vol. 2 de Mary Del Priore pela Leya (2020)
>>> Histórias da gente brasileira - Colônia - Vol. 1 de Mary Del Priore pela Leya (2020)
>>> Tensoes Mundiais Volume 4 Numero 5 de Manoel Domingos Neto e Monica Dias Martins pela Observatorio das Nacionalidades (2008)
>>> História econômica do Brasil de Roberto C. Simonsen pela Senado (2020)
>>> História dos Fundadores do Império do Brasil - 7 volumes - coleção completa de Otávio Tarquínio de Sousa pela Senado (2020)
>>> História do Brasil: Uma interpretação de Mota, Carlos Guilherme and Lopez, Adriana pela 34 (2020)
>>> História do Brasil de Boris Fausto pela Edusp (2020)
>>> Historia da Vida Privada Em Portugal: Volume 1 Idade Média de Direção de José Mattoso pela Abc (2020)
>>> Historia da Vida Privada Em Portugal: OS Nossos Dias de Direção de José Mattoso pela Abc (2020)
>>> História da saúde no Brasil de Luiz Antonio Teixeira (Compilador), Tânia Salgado Pimenta (Compilador), Gilberto Hochman (Compilador) pela Hucitec (2020)
>>> História da Arte no Brasil: Textos de Síntese de Myriam Andrade Ribeiro de Oliveira, Angela Ancora da Luz, Sonia Gomes Pereira pela Ufrj (2020)
>>> Temas de Direito Constitucional Volume 1 de Luís Roberto Barroso pela Renovar (2002)
>>> História Da América Portuguesa de Sebastião Da Rocha Pita pela Senado (2020)
>>> História da Alimentação no Brasil de Luís da Câmara Cascudo pela Global (2020)
>>> No caminho de Swann. de Marcel Proust pela Globo (2003)
>>> Hipólito José da Costa de Sergio Goes de Paula pela 34 (2020)
>>> Serious Candida Infections: Risk Factors, Treatment and Prevention de John H. Rex e Françoise Meunier Editores pela Pfizer (1995)
>>> Grande Reforma Urbana Do Rio De Janeiro, A: Pereira Passos, Rodrigues Alves E As Ideias De Civilização E Progresso de Andre Nunes De Azevedo pela PUC Rio (2020)
>>> Natural Racional Social - Razão Médica e Racionalidade Científica Moderna. de Madel T. Luz pela Campus (1988)
>>> Getúlio 3 (1945-1954) de Lira Neto pela Companhia das Letras (2020)
>>> Getulio 1930-1945: Do Governo Provisorio Ao Estado Novo de Lira Neto pela Companhia das Letras (2020)
>>> Para gostar de ler. Vol.4 - Crônicas.. de Vários pela Ática (1980)
>>> Getúlio 1 (1882-1930) de Lira Neto pela Companhia das Letras (2020)
>>> Viver o Amor. de José Carlos Pedroso pela Edições Paulinas (1978)
>>> General Osorio de Doratioto, Francisco pela Companhia das Letras (2020)
>>> Ganhadores: A greve negra de 1857 na Bahia de João José Reis pela Companhia das Letras (2020)
>>> Formação de Cidades no Brasil Colonial de Santos, Paulo Ferreira pela Ufrj - IPHAN (2020)
>>> Flores votos e balas de Alonso, Angela pela Companhia das Letras (2020)
COLUNAS

Sexta-feira, 10/7/2020
Filmes de guerra, de outro jeito
Ana Elisa Ribeiro

+ de 1900 Acessos

Havia apenas alguns dias que eu assistira ao remake de The Beguiled (em português, O estranho que nós amamos), lançado em 2017 e dirigido por Sofia Coppola. Ainda não tinha dado para digerir aquela história de suspense - adaptada de um livro de Thomas P. Cullinan, que se passava no século XIX, em tempos de guerra civil, nos Estados Unidos. Que medo, que mistério, que ansiedade. Um grupo de mulheres e meninas isoladas num internato, no meio do nada, e um soldado inimigo trazido por uma delas para dentro de casa para ser cuidado. Bom, o tal cuidado a gente vê no que dá...

Bárbaro. Eu estava achando incômodo e bárbaro, no bom sentido. Conforme li, depois, em vários sites gringos de cinema, a versão de Coppola mudava a perspectiva, dava tudo a ver sob o ponto de vista das moças; mostrava melhor aquelas mulheres em diferentes fases da vida, trancadas numa edificação imensa e escura, tentando cuidar de um homem desconhecido e, ao mesmo tempo, sentindo curiosidade e desejo por ele.

Ainda não tinha dado para repensar. E foi aí que pintou na área Agnus dei, dirigido por Anne Fontaine, coprodução de 2015 entre Franca, Polônia e Bélgica. Ao que parece, originalmente tem o título de Les innocentes, mas de inocente pouca coisa tem. Não fosse o modo absolutamente delicado e cuidadoso como foi filmado e narrado, seria um dos filmes mais "pesados" que alguém poderia ver. Bom, deve arrepiar muita gente "sensível". Eu amei.

Freiras grávidas. Preciso dizer mais? Sim, claro que sim. E isso não se deve a nenhuma lascívia delas, sistemáticas e obedientes como o quê. Deve-se, sim, a soldados russos, no fim da Segunda Guerra Mundial, que, como tantos outros soldados, em toda guerra, usam o estupro como forma de dominação e exibição de força. Toda guerra esconde histórias horrendas e infelizmente o que aprendemos na escola é maquiado demais. Mas o estupro está sob toda narrativa de dominação, seja ela menos ou mais visível e explosiva que uma guerra.

Em poucos minutos de película, fui lançada no espaço de um convento polonês isolado, num clima muito frio, diante de freiras atônitas que pareciam precisar de ajuda. Uma delas sai da edificação e, sem autorização, vai a pé até a cidade procurar médicos na Cruz Vermelha. Embora seja inicialmente ignorada, logo é vista por uma médica francesa, que a expulsa dali. No entanto, a médica resolve atender a freirinha quando a vê rezando, no frio, pela janela.

Começam então as visitas furtivas ao convento, onde Mathilde Beaulieu descobre não uma, mas dezenas de freiras grávidas, todas vítimas de estupro por soldados russos. Fiquei entre o horror, a pena, o nojo e o desânimo com a humanidade. Quem vai contar histórias de guerra como esta? Bem, elas acontecem e ficam sob o tapete, escamoteadas por narrativas de honra e glória. O fato de o filme mostrar um convento é extremo, deixa um gosto amargo na boca, afinal... sequer se trata de um grupinho de periguetes, para deliciar a língua dos preconceituosos e misóginos de plantão. Não, são freiras beneditinas trancadas num convento isolado. Pois então.

Mathilde cuida dessas mulheres violadas, faz partos, vários, ganha a confiança e a desconfiança das religiosas e de sua seríssima madre superiora, etc. Não vou dar spoilers demais. Mas além das freiras prenhes, ainda tive de lidar com o destino das crianças que nasciam... Enfim, são mostradas ainda questões da vida particular da própria médica, sua relação com um colega judeu; a relação entre as freiras; entre as freiras que se tornam mães e suas crianças e muito mais.

Como não fosse suficiente narrar uma situação como essa, descobre-se, lá pelas tantas, que os bebês nascidos às escondidas, dentro do convento, são entregues à morte. Pronto... desolação total. E aí... aí é que o filme me pegou de vez. Como é importante a insubordinação! Nessas organizações muito rígidas, cheias de regras duras, pessoas endurecidas e cegamente obedientes, diante de uma situação atroz, desumana e nova, como é importante haver alguém que ainda seja capaz de sentir, pensar e agir. Penso nisso sempre, em muitas situações, em circunstâncias de emburrecimento coletivo, etc. E penso em como um ou dois insubordinados ou insubordinadas, se não forem mais atrozes do que a organização, são fundamentais para a mudança bem-vinda, para a abertura das mentes, para a salvação de outros/as, para a correção de rumos.

Em Agnus dei, não apenas uma ou duas freiras se insubordinam, sem violência, mas com diligência. A médica da Cruz Vermelha também toma esse necessário rumo, diante do que encontra dentro daquele convento cheio de vítimas da guerra. Vítimas silenciosas, constrangidas, envergonhadas, dupla ou triplamente punidas, várias inocentes, lançadas da virgindade ao estupro, em uma lição. As freiras estavam grávidas; e sequer a madre superiora escapara: estava com sífilis em estágio avançado, mas não se deixou tocar e curar, nem pela médica. Ficou doente, pôs a culpa em Deus.

Tanto as freiras quanto a médica insubordinada, desobediente, foram punidas por seus/suas superiores. Mathilda leva um esbregue de seu comandante na Cruz Vermelha, mas mantém o segredo das religiosas intacto. Mantém também, apesar das dificuldades e restrições maiores, o compromisso de atendê-las na calada da noite. Consome-se, não dorme, não compartilha aquela dura situação com ninguém, até certo ponto... A freira mais atrevida também leva suas broncas, mas fica firme na consciência de que precisa ajudar a salvar mães e bebês, assim como a dignidade naquele convento.

Aqui e ali, outras ocorrências surgem, mais motivos para reflexão e perplexidade, mas o filme termina de modo que se encontre solução para tudo. No entanto, tais soluções são decorrentes, claramente, da humanidade e da insubordinação de algumas pessoas; estas capazes de pensar em meio ao caos e de decidir quando regras e regulamentos não estão acima de tudo. Que alívio! Que bom que existam essas pessoas de consciência clara e independente.

Não faço uma apologia à desobediência agressiva, gratuita; nem à insolência e à arrogância, que são outras coisas; nem à polemização cansativa e à toa. Não. Não digo que cada um pense por si e tome atitudes contra seus superiores. De forma alguma. O que digo é que a insubordinação (e pensar a subordinação é outro aspecto) é, muitas vezes, necessária, quando se percebe que as coisas vão mal, mesmo que pareçam organizadas e "como sempre foram". Alguns segredos são prejudiciais, algumas regras causam o mal e a morte de inocentes. Esses/as insubordinados/as, sim, são heróis. Os soldados estupradores, embora ganhem medalhas e faixas diante dos presidentes e dos reis, não. Não são. Não por acaso, tratei aqui de dois filmes de duas diretoras.

LeP



Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 10/7/2020


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Uma vida para James Joyce de Daniel Lopes


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2020
01. Ler, investir, gestar - 17/1/2020
02. Meu reino por uma webcam - 19/6/2020
03. Filmes de guerra, de outro jeito - 10/7/2020
04. Ficção e previsões para um futuro qualquer - 22/5/2020
05. Relatório de compra - 7/2/2020


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




PORTUGUÊS 7º ANO PARA VIVER JUNTOS
CIBELE LOPRESTI COSTA / ELIANE GOUVÊA LOUSADA E OUTROS
SM
(2012)
R$ 17,00



TECNOBUROCRACIA E CONTESTAÇÃO
I. C. BRESSER PEREIRA
VOZES
(1972)
R$ 15,00



RECIFE, TRAÇOS DO PASSADO
EDVALDO ARLÉGO
EDIFICANTES
(2010)
R$ 64,90



O RETORNO DO REI - A GRANDE VOLTA DE ELVIS PRESLEY
GILLIAN G. GAAR
MADRAS
(2011)
R$ 30,00



DIREITOS DA MULHER
VÁRIOS AUTORES
LE
(1990)
R$ 6,90



REVISTA DE PORTUGAL - LINGUA PORTUGUESA Nª 188 VOL. 25
ANTÓNIO H. DE AZEVEDO PINTO
ND
(1960)
R$ 19,84



ANUÁRIO DA GRANDE MÃE
MIRELLA FAUR
ALFABETO
(2016)
R$ 89,00



KATHARINA UND DIE RUSSISCHE SEELE
MARY LAVATER - SLOMAN
MORGARTEN
(1941)
R$ 85,00



COMPLEXO DE CINDERELA
COLETTE DOWLING
MELHORAMENTOS
(1981)
R$ 6,90



A FELICIDADE DAS BORBOLETAS
PATRÍCIA ENGEL SECCO
MELHORAMENTOS
(2006)
R$ 12,94





busca | avançada
65683 visitas/dia
2,2 milhões/mês