Filmes de guerra, de outro jeito | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
51542 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> “É Hora de Arte” realiza oficinas gratuitas de circo, grafite, teatro e dança
>>> MOSTRA DO MAB FAAP GANHA NOVAS OBRAS A PARTIR DE JUNHO
>>> Ibevar e Fia-Labfin.Provar realizam uma live sobre Oportunidades de Carreira no Mercado de Capitais
>>> PAULUS Editora promove a 6º edição do Simpósio de Catequese
>>> Victor Arruda, Marcus Lontra, Daniela Bousso e Francisco Hurtz em conversa na BELIZARIO Galeria
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Mamãe falhei
>>> Sobre a literatura de Evando Nascimento
>>> Velha amiga, ainda tão menina em minha cabeça...
>>> G.A.L.A. no coquetel molotov de Gerald Thomas
Colunistas
Últimos Posts
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
>>> Trader, investidor ou buy and hold?
>>> Slayer no Monsters of Rock (1998)
>>> Por que investir no Twitter (TWTR34)
Últimos Posts
>>> Parei de fumar
>>> Asas de Ícaro
>>> Auto estima
>>> Jazz: 10 músicas para começar
>>> THE END
>>> Somos todos venturosos
>>> Por que eu?
>>> Dizer, não é ser
>>> A Caixa de Brinquedos
>>> Nosferatu 100 anos e o infamiliar em nós*
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Pensando sozinho
>>> Aventuras pelo discurso de Foucault
>>> Chega de Escola
>>> Hipermediocridade
>>> A luta mais vã
>>> História da leitura (I): as tábuas da lei e o rolo
>>> Sinatra e Bennett (1988)
>>> La Cena
>>> YouTube, lá vou eu
>>> Uma história da Sambatech
Mais Recentes
>>> Auto da Barca do Inferno de Gilvicente pela Estadão
>>> Bússola - a Invenção Que Mudou o Mundo de Amir D. Aczel pela Zahar (2002)
>>> A Democracia como Proposta de Francisco Weffort pela Ibasa (1991)
>>> Ações de Combate a Pobreza Rural - Vol 6 de Carlos Miranda e Cristina Costa pela Iica (2007)
>>> Propaganda para quem pqga a conta de Plínio Cabral pela Summus (2001)
>>> Gestão do Conhecimento de Harvard Business Review pela Elsevier (2000)
>>> Vitoriosa espinhos e perfumes de Lazara lessonier pela Artesanal (1988)
>>> Melyssa Em um Mundo Secreto de Bernardes pela Partners
>>> O Silêncio dos Velho Jamelões de Frendly Persuasione pela Percy Pacheco (2010)
>>> Crônica 6 de Carlos Eduardo Novaes e Outros pela Ática (2013)
>>> Conecte Literatura Brasileira - Parte 1 de William Cereja; Thereza Cochar pela Saraiva (2013)
>>> O misterio no colegio de Ganymedes Jose pela ao livro tecnico (2001)
>>> Direito do Trabalho - 1100 Questoes Comentadas de Stevao Gandh Costa pela Sintagma (2012)
>>> Sharpe Em Trafalgar de Bernard Cornwell pela Record (2006)
>>> Amala de Hana de Karen Levine pela Melhoramentos (2007)
>>> Os Venenos da Coroa de Maurice Druon pela Círculo do Livro
>>> Liberando o Fluir do Avivamento de Gregory R Frizzell pela Printmark (2005)
>>> A Cerimonia do Cha de Paulo Coelho pela Caras (1999)
>>> More Ups Than Downs de David Buck pela The Memoir Club (2001)
>>> Spatial Resilience in Social-ecological Systems de Graeme Cumming pela Springer (2011)
>>> Plano de Marketing de John Westwood pela Clio (2007)
>>> Vamos Aquecer o Sol de José Mauro de Vasconcelos pela Melhoramento (2006)
>>> Magnificat III de Silvia Maria D. Domingos pela Scortecci (2014)
>>> Juarez de Biblioteca de historia pela Tres (1990)
>>> Os Subterrâneos do Vaticano de André Gide pela Abril Cultural (1971)
COLUNAS

Sexta-feira, 10/7/2020
Filmes de guerra, de outro jeito
Ana Elisa Ribeiro

+ de 3000 Acessos

Havia apenas alguns dias que eu assistira ao remake de The Beguiled (em português, O estranho que nós amamos), lançado em 2017 e dirigido por Sofia Coppola. Ainda não tinha dado para digerir aquela história de suspense - adaptada de um livro de Thomas P. Cullinan, que se passava no século XIX, em tempos de guerra civil, nos Estados Unidos. Que medo, que mistério, que ansiedade. Um grupo de mulheres e meninas isoladas num internato, no meio do nada, e um soldado inimigo trazido por uma delas para dentro de casa para ser cuidado. Bom, o tal cuidado a gente vê no que dá...

Bárbaro. Eu estava achando incômodo e bárbaro, no bom sentido. Conforme li, depois, em vários sites gringos de cinema, a versão de Coppola mudava a perspectiva, dava tudo a ver sob o ponto de vista das moças; mostrava melhor aquelas mulheres em diferentes fases da vida, trancadas numa edificação imensa e escura, tentando cuidar de um homem desconhecido e, ao mesmo tempo, sentindo curiosidade e desejo por ele.

Ainda não tinha dado para repensar. E foi aí que pintou na área Agnus dei, dirigido por Anne Fontaine, coprodução de 2015 entre Franca, Polônia e Bélgica. Ao que parece, originalmente tem o título de Les innocentes, mas de inocente pouca coisa tem. Não fosse o modo absolutamente delicado e cuidadoso como foi filmado e narrado, seria um dos filmes mais "pesados" que alguém poderia ver. Bom, deve arrepiar muita gente "sensível". Eu amei.

Freiras grávidas. Preciso dizer mais? Sim, claro que sim. E isso não se deve a nenhuma lascívia delas, sistemáticas e obedientes como o quê. Deve-se, sim, a soldados russos, no fim da Segunda Guerra Mundial, que, como tantos outros soldados, em toda guerra, usam o estupro como forma de dominação e exibição de força. Toda guerra esconde histórias horrendas e infelizmente o que aprendemos na escola é maquiado demais. Mas o estupro está sob toda narrativa de dominação, seja ela menos ou mais visível e explosiva que uma guerra.

Em poucos minutos de película, fui lançada no espaço de um convento polonês isolado, num clima muito frio, diante de freiras atônitas que pareciam precisar de ajuda. Uma delas sai da edificação e, sem autorização, vai a pé até a cidade procurar médicos na Cruz Vermelha. Embora seja inicialmente ignorada, logo é vista por uma médica francesa, que a expulsa dali. No entanto, a médica resolve atender a freirinha quando a vê rezando, no frio, pela janela.

Começam então as visitas furtivas ao convento, onde Mathilde Beaulieu descobre não uma, mas dezenas de freiras grávidas, todas vítimas de estupro por soldados russos. Fiquei entre o horror, a pena, o nojo e o desânimo com a humanidade. Quem vai contar histórias de guerra como esta? Bem, elas acontecem e ficam sob o tapete, escamoteadas por narrativas de honra e glória. O fato de o filme mostrar um convento é extremo, deixa um gosto amargo na boca, afinal... sequer se trata de um grupinho de periguetes, para deliciar a língua dos preconceituosos e misóginos de plantão. Não, são freiras beneditinas trancadas num convento isolado. Pois então.

Mathilde cuida dessas mulheres violadas, faz partos, vários, ganha a confiança e a desconfiança das religiosas e de sua seríssima madre superiora, etc. Não vou dar spoilers demais. Mas além das freiras prenhes, ainda tive de lidar com o destino das crianças que nasciam... Enfim, são mostradas ainda questões da vida particular da própria médica, sua relação com um colega judeu; a relação entre as freiras; entre as freiras que se tornam mães e suas crianças e muito mais.

Como não fosse suficiente narrar uma situação como essa, descobre-se, lá pelas tantas, que os bebês nascidos às escondidas, dentro do convento, são entregues à morte. Pronto... desolação total. E aí... aí é que o filme me pegou de vez. Como é importante a insubordinação! Nessas organizações muito rígidas, cheias de regras duras, pessoas endurecidas e cegamente obedientes, diante de uma situação atroz, desumana e nova, como é importante haver alguém que ainda seja capaz de sentir, pensar e agir. Penso nisso sempre, em muitas situações, em circunstâncias de emburrecimento coletivo, etc. E penso em como um ou dois insubordinados ou insubordinadas, se não forem mais atrozes do que a organização, são fundamentais para a mudança bem-vinda, para a abertura das mentes, para a salvação de outros/as, para a correção de rumos.

Em Agnus dei, não apenas uma ou duas freiras se insubordinam, sem violência, mas com diligência. A médica da Cruz Vermelha também toma esse necessário rumo, diante do que encontra dentro daquele convento cheio de vítimas da guerra. Vítimas silenciosas, constrangidas, envergonhadas, dupla ou triplamente punidas, várias inocentes, lançadas da virgindade ao estupro, em uma lição. As freiras estavam grávidas; e sequer a madre superiora escapara: estava com sífilis em estágio avançado, mas não se deixou tocar e curar, nem pela médica. Ficou doente, pôs a culpa em Deus.

Tanto as freiras quanto a médica insubordinada, desobediente, foram punidas por seus/suas superiores. Mathilda leva um esbregue de seu comandante na Cruz Vermelha, mas mantém o segredo das religiosas intacto. Mantém também, apesar das dificuldades e restrições maiores, o compromisso de atendê-las na calada da noite. Consome-se, não dorme, não compartilha aquela dura situação com ninguém, até certo ponto... A freira mais atrevida também leva suas broncas, mas fica firme na consciência de que precisa ajudar a salvar mães e bebês, assim como a dignidade naquele convento.

Aqui e ali, outras ocorrências surgem, mais motivos para reflexão e perplexidade, mas o filme termina de modo que se encontre solução para tudo. No entanto, tais soluções são decorrentes, claramente, da humanidade e da insubordinação de algumas pessoas; estas capazes de pensar em meio ao caos e de decidir quando regras e regulamentos não estão acima de tudo. Que alívio! Que bom que existam essas pessoas de consciência clara e independente.

Não faço uma apologia à desobediência agressiva, gratuita; nem à insolência e à arrogância, que são outras coisas; nem à polemização cansativa e à toa. Não. Não digo que cada um pense por si e tome atitudes contra seus superiores. De forma alguma. O que digo é que a insubordinação (e pensar a subordinação é outro aspecto) é, muitas vezes, necessária, quando se percebe que as coisas vão mal, mesmo que pareçam organizadas e "como sempre foram". Alguns segredos são prejudiciais, algumas regras causam o mal e a morte de inocentes. Esses/as insubordinados/as, sim, são heróis. Os soldados estupradores, embora ganhem medalhas e faixas diante dos presidentes e dos reis, não. Não são. Não por acaso, tratei aqui de dois filmes de duas diretoras.

LeP



Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 10/7/2020


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Fondo de Cultura Económica: 70 anos de uma missão de Celso A. Uequed Pitol
02. Equador, de Miguel Sousa Tavares de Ricardo de Mattos


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2020
01. Nem morta! - 4/9/2020
02. Ler, investir, gestar - 17/1/2020
03. Filmes de guerra, de outro jeito - 10/7/2020
04. Meu reino por uma webcam - 19/6/2020
05. Aos nossos olhos (e aos de Ernesto) - 27/11/2020


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O Brasil: Território e Sociedade no Inicio do Século XXI
Milton Santos e Maria Laura Silveira
Record
(2001)



Lamenin
Pólo Noel Atan
Ação Mental Interplanetária
(1999)



Amores Infernais
Melissa Marr e Outros
Galera
(2011)



Bruce
Peter Ames Carlin; Paulo Roberto Maciel Santos
Nossa Cultura
(2013)



Ágape
Padre Marcelo Rossi
Globo
(2010)



O Que é Energia Nuclear
José Goldemberg
Brasiliense
(1981)



Você Pode Enteder a Bíblia !
Watch Towe Bible and Tract Society
Watch Towe Bible and Tract Soc
(2016)



Curso de Direito Administrativo
Aloísio Zimmer Júnior
Metodo
(2009)



Desastre na Mata
Pedro Bandeira
Melhoramentos
(2003)



The French art of tea
Mariage Frères
Mariage Frères
(2002)





busca | avançada
51542 visitas/dia
1,8 milhão/mês