Boccacio sobre a peste | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
41871 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Namíbia, Não! curtíssima temporada no Sesc Bom Retiro
>>> Ceumar no Sesc Bom Retiro
>>> Mestrinho no Sesc Bom Retiro
>>> Edições Sesc promove bate-papo com Willi Bolle sobre o livro Boca do Amazonas no Sesc Pinheiros
>>> SÁBADO É DIA DE AULÃO GRATUITO DE GINÁSTICA DA SMART FIT NO GRAND PLAZA
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Modernismo e além
>>> Pelé (1940-2022)
>>> Obra traz autores do século XIX como personagens
>>> As turbulentas memórias de Mark Lanegan
>>> Gatos mudos, dorminhocos ou bisbilhoteiros
>>> Guignard, retratos de Elias Layon
>>> Entre Dois Silêncios, de Adolfo Montejo Navas
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> A moça do cachorro da casa ao lado
>>> A relação entre Barbie e Stanley Kubrick
>>> Um canhão? Ou é meu coração? Casablanca 80 anos
>>> Saudades, lembranças
>>> Promessa da terra
>>> Atos não necessários
>>> Alma nordestina, admirável gênio
>>> Estrada do tempo
>>> A culpa é dele
>>> Nosotros
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Freud segundo Zweig
>>> Informação, Redes Sociais e a Revolução
>>> Raul Gil e sua usina de cantores
>>> Os Rolling Stones deveriam ser tombados
>>> Manual prático do ódio
>>> Por que Faraco é a favor da mudança ortográfica
>>> Modernismo e Modernidade
>>> A favor do voto obrigatório
>>> O último estudante-soldado na rota Lisboa-Cabul
>>> Sobre o Ronaldo gordo
Mais Recentes
>>> Como Administrar Pequenas Empresas: Série Gestão Empresarial de Hélvio T. Cury Prazeres pela Centro de Produções Técnicas
>>> De Dores Somos: Para Todas as Mães que Perderam seus Filhos de Lauricy Belletti Rodrigues pela São José (2016)
>>> A História de Águida de Águida Duarte Perdigão pela Do Autor (2004)
>>> O Ouro e o Altar de Edir Macedo pela Unipro (2018)
>>> Nascido da Luz de Marcelo Drumond Furtado pela Código (2011)
>>> Degraus de Glória de Antônio E. S. Moreira pela Do Autor
>>> O Tempo Nosso de Cada Dia de Ruibran Januário dos Reis pela Tcs (2014)
>>> De Volta à Essência de José Moreira Guedes Filho pela Sinai (2009)
>>> Esquizofrenia: Dois Enfoques Complementares de Mário Rodrigues Louzã; Luiz Barros; Itiro Shirakawa pela Lemos (1999)
>>> Work in Progress de Michael Eisner; Tony Schwartz pela First Paperback (1999)
>>> 150 Maneiras de Enlouquecer um Homem na Cama de Jennifer Keller pela Ediouro (2005)
>>> Chi Prega Si Salva de Joseph Ratzinger pela 3Ogiorni (2005)
>>> Donum Vitae: Istruzione e Commenti: Congregazione per La Dotrina Della Fedde de Joseph Ratzinger pela Vaticana (1990)
>>> Il Calice di don Mario de Associazone Amici di Mario Gerlin pela Edizioni (2004)
>>> Per l Opera di un Altro: Vita de Don Virgilio Resi de Gianfranco Lauretano pela Raffaelli (2012)
>>> Cristo Speranza dell Umanità de Don Mario Pieracci pela Pro Sanctitate (2007)
>>> Che Cosa Cercate? de Comunione e Liberazione pela Tracce Quaderni (2008)
>>> Un Metro Lungo Cinque de Lorenzo Vecchio pela Editrice (2005)
>>> Il Tesoro Nascosto e La Perla Preziosa de Tarcisio Bertone pela Fassicomo (2004)
>>> Apertura Dell Anno Della Fede de Cappella Papale pela Vaticana (2012)
>>> La Giustizia è Uguale per Tutti, ma... de Franco Coppi pela 3Ogiorni (2004)
>>> Sono Stanco di Subire! Soltanto Io? de Tommaso Calculli pela Omaggio Dell Autore (2015)
>>> Riscoprire l Eucaristia de Laici Oggi: Pontificium Consilium Pro Laicis pela Vaticana (2004)
>>> Redescubrir la Eucaristia de Laicos Hoy: Pontificium Consilium Pro Laicis pela Vaticana (2005)
>>> Un Prete di Montagna: Gli Anni Bellunesi di Albino Luciani de Patrizia Luciani pela Messagero (2003)
COLUNAS

Segunda-feira, 23/3/2020
Boccacio sobre a peste
Julio Daio Borges
+ de 2000 Acessos

Estou lendo a “História da Literatura Ocidental” (1959), de Otto Maria Carpeaux. Desde que li a “Odisséia”, de Homero, no final de 2012, venho me embrenhando pela Antiguidade clássica.

A “História da Literatura”, de Carpeaux, estava fora de catálogo, mas a Livraria Cultura, antes da recuperação judicial, reeditou-a, em dez volumes de bolso.

Cruzei com o primeiro volume, “A literatura greco-latina”, numa promoção de dez reais. Li com grande prazer e, na sequência, comprei o próximo, que é, justamente, “A Idade Média”.

Coincidência ou não - nestes tempos de coronavírus -, estava eu no Capítulo V, intitulado “O Trecento” (século XIV), quando me deparei, obviamente, com Dante, Petrarca e Boccaccio.

Carpeaux fala “en passant” sobre a peste, no “Decamerão”, de Boccaccio. Como tenho uma edição de banca, da coleção “Imortais da Literatura Universal” (1996), fui dar uma olhada…

*

Boccaccio começa localizando a peste no tempo (a tradução é de Torrieri Guimarães):

“(...) tínhamos atingido já o ano bem farto da Encarnação do Filho de Deus, de 1348, quando, na mui excelsa cidade de Florença, cuja beleza supera a de qualquer outra da Itália, sobreveio a mortífera pestilência.”

Boccaccio, então, localiza sua origem geográfica:

“(...) tivera início nas regiões orientais, há alguns anos. Tal praga ceifara, naquelas plagas, uma enorme quantidade de pessoas vivas. Incansável, fora de um lugar para o outro; e estendera-se, de forma miserável, para o Ocidente.”

Já naquela época, a Itália sofria barbaramente:

“Na cidade de Florença, nenhuma prevenção foi válida, nem valeu a pena qualquer providência dos homens. A praga, a despeito de tudo, começou a mostrar(...) de modo horripilante(...) os seus efeitos.”

Boccaccio, na sequência, descreve uma espécie de “lockdown”:

“A cidade ficou purificada de muita sujeira, graças a funcionários que foram admitidos para esse trabalho. A entrada nela de qualquer enfermo foi proibida. Muitos conselhos foram divulgados para a manutenção do bom estado sanitário.”

Boccacio, então, descreve os sintomas da peste negra, mas eu pulo essa parte - que não nos diz tanto respeito - e emendo com o seguinte trecho (sobre a medicina da época):

“Nem conselho médico, nem virtude de mezinha alguma parecia trazer cura ou proveito para o tratamento de tais doenças. Ao contrário. Fosse porque a natureza da enfermidade não aceitava nada disso, fosse porque a ignorância dos curandeiros não lhes indicasse de que ponto partir e, por isso mesmo, não se dava o remédio adequado.”

Boccaccio prossegue com o charlatanismo:

“Tornara-se enorme a quantidade de curandeiros, assim como de cientistas. Contavam-se entre eles homens e mulheres que nunca haviam recebido uma lição de medicina.”

E as consequências:

“Assim como era certo que poucos se curavam, também é certo que, ao contrário desses, quase todos, após o terceiro dia do surgimento dos sinais(...), faleciam. Sucumbiam uns mais cedo, outros mais tarde; a maioria ia-se para o túmulo sem qualquer(...) outra complicação.”

Boccaccio, então, descreve o contágio:

“Não apenas o conversar e o cuidar de enfermos contagiavam os sãos com esta doença(...), porém mesmo o ato de mexer nas roupas, ou em qualquer outra coisa que tivesse sido tocada, ou utilizada por aqueles enfermos, parecia transferir, ao que bulisse, a doença referida.”

E a reação das pessoas:

“De tais circunstâncias(...), nasciam muitos temores e muitos lances de imaginação, naqueles que ainda estavam vivos. E quase tudo era dirigido para um fim bastante cruel: o de se ficar enojado dos enfermos e de se fugir das suas coisas, e deles. Agindo assim, cada um supunha estar garantindo a saúde para si mesmo.”

Nasciam divisões:

“Formando seu grupo exclusivista, tais pessoas viviam longe das demais. Recolhiam-se e trancavam-se em casas onde nenhum doente estivera(...) Não ficavam a palestrar com ninguém, nem queriam ouvir falar de nenhum caso de morte, ou doença, daqueles que estavam do lado de fora da casa que habitavam. Passavam as horas entretidos(...) com os prazeres que pudessem ter.”

E mais divisões:

“Outras pessoas, levadas a uma opinião diversa desta, declaravam que, para tão imenso mal, eram remédios eficazes o beber abundantemente, o gozar com intensidade, o ir cantando de uma parte a outra, o divertir-se de todas as maneiras, o satisfazer o apetite fosse de que coisa fosse, o rir e o troçar do que acontecesse, ou pudesse suceder.”

Ainda sobre esse grupo:

“(...)bebiam imoderadamente e sem modos. E com mais desbragamento agiam na casa alheia, obrigando os donos a escutar o que lhes desse na telha dizer. E podiam agir assim sem grandes preocupações, porque cada um - quase como se não houvesse mais viver - já deixara ao léu as suas coisas, assim como deixara ao deus-dará a própria pessoa.”

Sobre a propriedade privada:

“Por isso, a maior parte das casas ficou sendo moradia comum; utilizava-se delas o estranho, que as adentrasse, como delas teria feito uso o próprio dono. E, com este proceder inteiramente bestial, as pessoas punham-se sempre longe dos doentes, tanto quanto possível.”

Não havia mais autoridade:

“Ministros e executores das leis, tanto quanto os outros homens, todos estavam mortos, ou doentes, ou haviam perdido os seus familiares, e assim não podiam exercer nenhuma função. Em consequência de tal situação, permitia-se a todos fazer aquilo que melhor lhes aprouvesse.”

Boccaccio ainda conta dos “moderados” que evitavam o “odor nauseabundo dos corpos mortos, das doenças e dos remédios”. E dos “vagantes”, que “deixaram a própria cidade, as próprias moradias, os seus lugares, seus parentes e suas coisas”.

Sobre as classes mais baixas:

“O tratamento dado às pessoas mais pobres, e à maioria da gente da classe média, era ainda de maior miséria. Em sua maioria, tal gente era retida nas próprias casas, ou por esperança, ou por pobreza.”

Boccaccio prossegue:

“Ficando, deste modo, nas proximidades dos doentes e dos mortos, os que sobreviviam ficavam doentes aos milhares por dia; como não eram medicados, nem recebiam ajuda de espécie alguma, morriam todos quase sem redenção(...) De pessoas assim e de outras, que faleciam em toda parte, as casas estavam cheias.”

E continua:

“Tão grande era o número de mortos que, escasseando os caixões, os cadáveres eram postos em cima de simples tábuas. Não foi um só o caixão a receber dois ou três mortos simultaneamente.”

Boccaccio detalha:

“Também não sucedeu uma vez apenas que esposa e marido, ou dois ou três irmãos, ou pai e filho, foram encerrados no mesmo féretro.”

“Não era suficiente a terra já sagrada”, Boccaccio complementa:

“(...) punham-se nessas igrejas, às centenas, os cadáveres que iam chegando; e eles eram empilhados como mercadorias nos navios; cada caixão era coberto, no fundo da sepultura, com pouca terra; sobre ele, outro era posto, o qual, por sua vez, era recoberto, até que atingisse a boca da cova, ao rés do chão.”

E no campo:

“(...) faleciam não como homens, e sim como animais, nas ruas, nas plantações, nas casas, dia e noite, ao deus-dará.”

E sobre os animais propriamente ditos:

“Sucedeu, pois, que os bois, os muares, as ovelhas, as cabras, os porcos, as galinhas, e mesmo os cachorros, tão fiéis sempre aos homens, passarem a perambular pelos campos, indiferentemente, por se verem expulsos da moradia de seus donos.”

Boccaccio tenta contabilizar a tragédia:

“(...)no período que vai de março a julho, mais de 100.000 pessoas é certo que foram arrebatadas da vida, no circuito dos muros da cidade de Florença? Nesse número estão incluídos tanto aqueles que foram levados pela força da pestífera doença, como aqueles que, doentes, foram mal atendidos, ou abandonados às contingências, em razão do medo que os sãos alimentavam.”

E conclui com desalento:

“Quantos vastos palácios, quantas casas magníficas, quantas residências nobres, antes cheias de famílias, de senhores e de senhoras, ficaram vagos, perdendo até o derradeiro serviçal!”

Prossegue:

“Quantas linhagens memoráveis, quantas heranças importantes, quantas riquezas famosas foram despojadas de sucessor legítimo!”

E ainda:

“Quantos valorosos homens, quantas mulheres belíssimas, quantos galantes moços - que Galeno teria considerado mais do que sadios, assim como Hipócrates, Esculápio e outros - tomaram o seu almoço de manhã com os seus parentes, colegas, e, em seguida, na tarde desse mesmo dia, jantaram no outro mundo, em companhia de seus antepassados!”.

*

Esses trechos fazem parte do começo do “Decamerão”. São pouco mais de dez páginas. Confesso que omiti três ou quatro trechos que assinalei, pois não tive estômago para publicar.

Se a História não fosse cíclica, eu diria que Giovanni Boccaccio (1313-1375) foi um profeta. (Reparem que não é o “Apocalipse”, e nem está na Bíblia - que, na verdade, não passa de um conjunto de livros...). Aconteceu...

Sinceramente, espero que a profecia não se realize. Ao mesmo tempo, olhando para a Itália agora, é impossível não encontrar similitudes...

Quando não sabemos o que vai acontecer, sempre podemos recorrer à História (que está coalhada de exemplos). E à literatura.

Me surpreendeu menos a semelhança com o que está acontecendo e, muito mais, as possíveis consequências…

*

P.S. - Se forem comprar Boccaccio, Carpeaux, ou mesmo Dante e Petrarca, lembrem-se de comprar no Portal dos Livreiros.


Julio Daio Borges
São Paulo, 23/3/2020

Mais Julio Daio Borges
Mais Acessadas de Julio Daio Borges em 2020
01. Doutor Eugênio (1949-2020) - 7/12/2020
02. Minha biblioteca de sobrevivência - 30/3/2020
03. Confissões pandêmicas - 13/12/2020
04. Eddie Van Halen (1955-2020) - 9/10/2020
05. Zuza Homem de Mello (1933-2020) - 12/10/2020


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Em Minas
Carlos de Laet
Globo
(1993)



Povos do Passado - Aventuras do Conhecimento
Nicola Baxter
Stampley
(1997)



Poderosa - Volume 2
Sergio Klein
Fundamento
(2006)



Tomie: Cerejeiras na Noite
Ana Miranda
Companhia das Letrinhas
(2011)



A última Musica
Nicholas Sparks
Novo Conceito
(2010)



Glossolalia - Voz e Poesia
Vários Autores
Vide)
(1993)



Anais do I Congresso Brasileiro de Mecânica dos Solos Volume Iii
Associação Brasileira de Mecânica dos Solos
Associação Brasileira de Mecân
(1954)



O Voo da Gaivota
Vera Lucia Marinzeck de Carvalho
Petit
(1996)



Give Me Five! 2: Activaty Book
Joanne Ramsden e Donna Sha
Macmillan Education
(2018)



Crianças Índigo: uma Geração de Ponte Com Outras Dimensões... No
Tereza Guerra
Madras
(2007)





busca | avançada
41871 visitas/dia
1,4 milhão/mês