Boccacio sobre a peste | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
55373 visitas/dia
2,0 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Unil oferece abordagem diferenciada da gramática a preparadores e revisores de texto
>>> Conversas no MAB com Sergio Vidal e Ana Paula Lopes
>>> Escola francesa de Design, Artes e Comunicação Visual inaugura campus em São Paulo
>>> TEATRO & PODCAST_'Acervo e Memória', do Célia Helena, relembra entrevista com Nydia Licia_
>>> Projeto Cultural Samba do Caxinha cria arrecadação virtual para gravação de seu primeiro EP
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Aos nossos olhos (e aos de Ernesto)
>>> Carol Sanches, poesia na ratoeira do mundo
>>> O fim dos livros físicos?
>>> A sujeira embaixo do tapete
>>> Moro no Morumbi, mas voto em Moema
>>> É breve a rosa alvorada
>>> Alameda de água e lava
>>> Entrevista: o músico-compositor Livio Tragtenberg
>>> Cabelo, cabeleira
>>> A redoma de vidro de Sylvia Plath
Colunistas
Últimos Posts
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
Últimos Posts
>>> O poder da história
>>> Caraminholas
>>> ETC. E TAL
>>> Acalanto para a alma
>>> Desde que o mundo é mundo
>>> O velho suborno
>>> Normal!
>>> Os bons companheiros, 30 anos
>>> Briga de foice no escuro
>>> Alma nua
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Aos aspirantes a escritor
>>> Literatura Falada (ou: Ora, direis, ouvir poetas)
>>> A Web 2.0 Critique
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> O do contra
>>> American Dream
>>> Todas as Tardes, Escondido, Eu a Contemplo
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - II
>>> Delicado, vulnerável, sensível
Mais Recentes
>>> Le Cid de Pierre Corneille pela Didier (1978)
>>> Memórias do Visconde de Taunay de Alfredo D´Escragnolle Taunay pela Melhoramentos (1946)
>>> Fé e Fogo de Marco Adolfs pela Brasiliense (2008)
>>> Ana Sem Terra de Alcy Cheuiche pela Sulina (2001)
>>> A Retirada da Laguna de Visconde de Taunay pela Melhoramentos (1942)
>>> Antigone de Jean Anouilh pela Didier (1978)
>>> Callíope A Mulher de Atenas de Cintia de Faria Pimentel Marques pela Letras Jurídicas (2004)
>>> Cinemarden de Marden Machado pela Arte e Letra (2018)
>>> A Luneta Mágica de Joaquim Manuel De Macedo pela Ática (2012)
>>> Abismo de Pompília Lopes dos Santos pela Repro-set (1985)
>>> Enquanto o dorso do tigre não se completa de Sérgio Rubens Sossélla pela Gráfica União
>>> Maria e outros poemas de J. Cardias pela Do autor (1991)
>>> Fênix de Carlos Barros pela Arte Quintal (1989)
>>> Rousseaus Politische Philosophie: Zur Geschichte des demokratischen Freiheitsbegriffs de Iring Fetscher pela Hermann Luchterhand (1960)
>>> Poesia de Jake pela Pallotti
>>> La métamorphose de Franz Kafka pela Flamarion (1988)
>>> The Invisible bridge de Julie Orringer pela Random House (2011)
>>> ... E o mundo silenciou de Ben Abraham pela Parma (1979)
>>> Minha Alma Gêmea de Adélia Bastos Krefta pela Santa Mônica (1999)
>>> Como falar com as mães de Alec Greven pela Record (2009)
>>> O doce veneno do escorpião de Bruna Surfistinha pela Panda Books (2005)
>>> Aprender a Viver de Luc Ferry pela Objetiva (2007)
>>> The Buenos Aires Affair de Manuel Puig pela Nova Cultural (1987)
>>> Enquanto o Amor não vem. de Lyanda Vanzant pela Sextante (1999)
>>> Meninas Boazinhas vão para o céu, as más vão à luta. de Ute Ehrhardt pela Objetiva Mulher (1996)
>>> Poeta, Mostra a Tua Cara de Berecyl Garay pela Toazza (1992)
>>> Medida Provisória 1 6 1 de Ademir Antonio Bacca pela Toazza
>>> Eu amo Hollywood de Lindsey Kelk pela Fundamento (2013)
>>> A Torre Invisível de Nils Johnson-Shelton pela Intrinseca (2013)
>>> De Volta ao Paraíso de Gwen Davis pela Nova Epoca
>>> Karma =A Justiça Infalível de A.C.Bhaktivedanta pela Associação BBT Brasil (2011)
>>> Como a Starbucks salvou minha vida. de Michael Gates Gill pela Sextante (2008)
>>> Conspiração Telefone de Walter Wager pela Circulo do livro
>>> Perdida - Um Amor Que Ultrapassa as Barreiras do Tempo de Carina Rissi pela Verus (2013)
>>> Bosque da Solidão de Nilson Luiz May pela Seriptum (2017)
>>> Respostas para o Jovem Phn de Dunga pela Canção Nova (2013)
>>> Administração Pública de Augustinho Paludo pela Gen (2019)
>>> 130 anos - Em Busca da República de 9788551004968 pela Intrínseca (2019)
>>> Encontro Marcado de Raul Moreau pela Portal Mix (2010)
>>> No Ritmo em Que o Vento Assovia de Raul Moreau pela Portal Mix (2011)
>>> Quase Memória de Carlos Heitor Cony pela Alfaguara (2020)
>>> Estudos = Design & Tecnologia de Abimóvel - Promóvel pela Alternativa (2002)
>>> Battle Royale - the Novel de Koushun Takami pela Haika Soru (2009)
>>> Querência em Prosa de Manoel Lopes Haygert pela Do autor. (1991)
>>> Aspectos jurídicos do atendimento às vítimas de violência sexual. de Delano de Aquino Silva pela Ms (2011)
>>> Antes de dizer Sim de Jaime Kemp pela Mundo Cristão (1999)
>>> Fallen de Lauren Kate pela Galera Record (2012)
>>> Nu entre os lobos de Bruno Apitz pela Nosso Tempo (1971)
>>> Coisas que toda garota deve saber. de Samantha Rugen pela Melhoramentos (1997)
>>> A Queda para o Alto de Herzer pela Vozes (1983)
COLUNAS

Segunda-feira, 23/3/2020
Boccacio sobre a peste
Julio Daio Borges

+ de 800 Acessos

Estou lendo a “História da Literatura Ocidental” (1959), de Otto Maria Carpeaux. Desde que li a “Odisséia”, de Homero, no final de 2012, venho me embrenhando pela Antiguidade clássica.

A “História da Literatura”, de Carpeaux, estava fora de catálogo, mas a Livraria Cultura, antes da recuperação judicial, reeditou-a, em dez volumes de bolso.

Cruzei com o primeiro volume, “A literatura greco-latina”, numa promoção de dez reais. Li com grande prazer e, na sequência, comprei o próximo, que é, justamente, “A Idade Média”.

Coincidência ou não - nestes tempos de coronavírus -, estava eu no Capítulo V, intitulado “O Trecento” (século XIV), quando me deparei, obviamente, com Dante, Petrarca e Boccaccio.

Carpeaux fala “en passant” sobre a peste, no “Decamerão”, de Boccaccio. Como tenho uma edição de banca, da coleção “Imortais da Literatura Universal” (1996), fui dar uma olhada…

*

Boccaccio começa localizando a peste no tempo (a tradução é de Torrieri Guimarães):

“(...) tínhamos atingido já o ano bem farto da Encarnação do Filho de Deus, de 1348, quando, na mui excelsa cidade de Florença, cuja beleza supera a de qualquer outra da Itália, sobreveio a mortífera pestilência.”

Boccaccio, então, localiza sua origem geográfica:

“(...) tivera início nas regiões orientais, há alguns anos. Tal praga ceifara, naquelas plagas, uma enorme quantidade de pessoas vivas. Incansável, fora de um lugar para o outro; e estendera-se, de forma miserável, para o Ocidente.”

Já naquela época, a Itália sofria barbaramente:

“Na cidade de Florença, nenhuma prevenção foi válida, nem valeu a pena qualquer providência dos homens. A praga, a despeito de tudo, começou a mostrar(...) de modo horripilante(...) os seus efeitos.”

Boccaccio, na sequência, descreve uma espécie de “lockdown”:

“A cidade ficou purificada de muita sujeira, graças a funcionários que foram admitidos para esse trabalho. A entrada nela de qualquer enfermo foi proibida. Muitos conselhos foram divulgados para a manutenção do bom estado sanitário.”

Boccacio, então, descreve os sintomas da peste negra, mas eu pulo essa parte - que não nos diz tanto respeito - e emendo com o seguinte trecho (sobre a medicina da época):

“Nem conselho médico, nem virtude de mezinha alguma parecia trazer cura ou proveito para o tratamento de tais doenças. Ao contrário. Fosse porque a natureza da enfermidade não aceitava nada disso, fosse porque a ignorância dos curandeiros não lhes indicasse de que ponto partir e, por isso mesmo, não se dava o remédio adequado.”

Boccaccio prossegue com o charlatanismo:

“Tornara-se enorme a quantidade de curandeiros, assim como de cientistas. Contavam-se entre eles homens e mulheres que nunca haviam recebido uma lição de medicina.”

E as consequências:

“Assim como era certo que poucos se curavam, também é certo que, ao contrário desses, quase todos, após o terceiro dia do surgimento dos sinais(...), faleciam. Sucumbiam uns mais cedo, outros mais tarde; a maioria ia-se para o túmulo sem qualquer(...) outra complicação.”

Boccaccio, então, descreve o contágio:

“Não apenas o conversar e o cuidar de enfermos contagiavam os sãos com esta doença(...), porém mesmo o ato de mexer nas roupas, ou em qualquer outra coisa que tivesse sido tocada, ou utilizada por aqueles enfermos, parecia transferir, ao que bulisse, a doença referida.”

E a reação das pessoas:

“De tais circunstâncias(...), nasciam muitos temores e muitos lances de imaginação, naqueles que ainda estavam vivos. E quase tudo era dirigido para um fim bastante cruel: o de se ficar enojado dos enfermos e de se fugir das suas coisas, e deles. Agindo assim, cada um supunha estar garantindo a saúde para si mesmo.”

Nasciam divisões:

“Formando seu grupo exclusivista, tais pessoas viviam longe das demais. Recolhiam-se e trancavam-se em casas onde nenhum doente estivera(...) Não ficavam a palestrar com ninguém, nem queriam ouvir falar de nenhum caso de morte, ou doença, daqueles que estavam do lado de fora da casa que habitavam. Passavam as horas entretidos(...) com os prazeres que pudessem ter.”

E mais divisões:

“Outras pessoas, levadas a uma opinião diversa desta, declaravam que, para tão imenso mal, eram remédios eficazes o beber abundantemente, o gozar com intensidade, o ir cantando de uma parte a outra, o divertir-se de todas as maneiras, o satisfazer o apetite fosse de que coisa fosse, o rir e o troçar do que acontecesse, ou pudesse suceder.”

Ainda sobre esse grupo:

“(...)bebiam imoderadamente e sem modos. E com mais desbragamento agiam na casa alheia, obrigando os donos a escutar o que lhes desse na telha dizer. E podiam agir assim sem grandes preocupações, porque cada um - quase como se não houvesse mais viver - já deixara ao léu as suas coisas, assim como deixara ao deus-dará a própria pessoa.”

Sobre a propriedade privada:

“Por isso, a maior parte das casas ficou sendo moradia comum; utilizava-se delas o estranho, que as adentrasse, como delas teria feito uso o próprio dono. E, com este proceder inteiramente bestial, as pessoas punham-se sempre longe dos doentes, tanto quanto possível.”

Não havia mais autoridade:

“Ministros e executores das leis, tanto quanto os outros homens, todos estavam mortos, ou doentes, ou haviam perdido os seus familiares, e assim não podiam exercer nenhuma função. Em consequência de tal situação, permitia-se a todos fazer aquilo que melhor lhes aprouvesse.”

Boccaccio ainda conta dos “moderados” que evitavam o “odor nauseabundo dos corpos mortos, das doenças e dos remédios”. E dos “vagantes”, que “deixaram a própria cidade, as próprias moradias, os seus lugares, seus parentes e suas coisas”.

Sobre as classes mais baixas:

“O tratamento dado às pessoas mais pobres, e à maioria da gente da classe média, era ainda de maior miséria. Em sua maioria, tal gente era retida nas próprias casas, ou por esperança, ou por pobreza.”

Boccaccio prossegue:

“Ficando, deste modo, nas proximidades dos doentes e dos mortos, os que sobreviviam ficavam doentes aos milhares por dia; como não eram medicados, nem recebiam ajuda de espécie alguma, morriam todos quase sem redenção(...) De pessoas assim e de outras, que faleciam em toda parte, as casas estavam cheias.”

E continua:

“Tão grande era o número de mortos que, escasseando os caixões, os cadáveres eram postos em cima de simples tábuas. Não foi um só o caixão a receber dois ou três mortos simultaneamente.”

Boccaccio detalha:

“Também não sucedeu uma vez apenas que esposa e marido, ou dois ou três irmãos, ou pai e filho, foram encerrados no mesmo féretro.”

“Não era suficiente a terra já sagrada”, Boccaccio complementa:

“(...) punham-se nessas igrejas, às centenas, os cadáveres que iam chegando; e eles eram empilhados como mercadorias nos navios; cada caixão era coberto, no fundo da sepultura, com pouca terra; sobre ele, outro era posto, o qual, por sua vez, era recoberto, até que atingisse a boca da cova, ao rés do chão.”

E no campo:

“(...) faleciam não como homens, e sim como animais, nas ruas, nas plantações, nas casas, dia e noite, ao deus-dará.”

E sobre os animais propriamente ditos:

“Sucedeu, pois, que os bois, os muares, as ovelhas, as cabras, os porcos, as galinhas, e mesmo os cachorros, tão fiéis sempre aos homens, passarem a perambular pelos campos, indiferentemente, por se verem expulsos da moradia de seus donos.”

Boccaccio tenta contabilizar a tragédia:

“(...)no período que vai de março a julho, mais de 100.000 pessoas é certo que foram arrebatadas da vida, no circuito dos muros da cidade de Florença? Nesse número estão incluídos tanto aqueles que foram levados pela força da pestífera doença, como aqueles que, doentes, foram mal atendidos, ou abandonados às contingências, em razão do medo que os sãos alimentavam.”

E conclui com desalento:

“Quantos vastos palácios, quantas casas magníficas, quantas residências nobres, antes cheias de famílias, de senhores e de senhoras, ficaram vagos, perdendo até o derradeiro serviçal!”

Prossegue:

“Quantas linhagens memoráveis, quantas heranças importantes, quantas riquezas famosas foram despojadas de sucessor legítimo!”

E ainda:

“Quantos valorosos homens, quantas mulheres belíssimas, quantos galantes moços - que Galeno teria considerado mais do que sadios, assim como Hipócrates, Esculápio e outros - tomaram o seu almoço de manhã com os seus parentes, colegas, e, em seguida, na tarde desse mesmo dia, jantaram no outro mundo, em companhia de seus antepassados!”.

*

Esses trechos fazem parte do começo do “Decamerão”. São pouco mais de dez páginas. Confesso que omiti três ou quatro trechos que assinalei, pois não tive estômago para publicar.

Se a História não fosse cíclica, eu diria que Giovanni Boccaccio (1313-1375) foi um profeta. (Reparem que não é o “Apocalipse”, e nem está na Bíblia - que, na verdade, não passa de um conjunto de livros...). Aconteceu...

Sinceramente, espero que a profecia não se realize. Ao mesmo tempo, olhando para a Itália agora, é impossível não encontrar similitudes...

Quando não sabemos o que vai acontecer, sempre podemos recorrer à História (que está coalhada de exemplos). E à literatura.

Me surpreendeu menos a semelhança com o que está acontecendo e, muito mais, as possíveis consequências…

*

P.S. - Se forem comprar Boccaccio, Carpeaux, ou mesmo Dante e Petrarca, lembrem-se de comprar no Portal dos Livreiros.


Julio Daio Borges
São Paulo, 23/3/2020


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Lições literárias de Gian Danton
02. Referências de Eduardo Mineo
03. Exercício de Egocentrismo Contido de Daniel Aurelio
04. Dilbert de Nemo Nox


Mais Julio Daio Borges
Mais Acessadas de Julio Daio Borges em 2020
01. Eddie Van Halen (1955-2020) - 9/10/2020
02. Zuza Homem de Mello (1933-2020) - 12/10/2020
03. Minha biblioteca de sobrevivência - 30/3/2020
04. Boccacio sobre a peste - 23/3/2020
05. Rubem Fonseca (1925-2020) - 16/4/2020


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




AS 7 CHAVES DO PAI-NOSSO
SEVERINO MENEZES
DPL
(2003)
R$ 7,87



ABRINDO COM SUCESSO O PRÓPRIO NEGÓCIO
ROGÉRIO CHÉR
MALTESE
(1996)
R$ 9,90



DO CONCEITO DO DIREITO - ESSÊNCIA E EXISTÊNCIA
PAULINO JACQUES
FORENSE
(1964)
R$ 5,97



BIG- PARA LEVAR SEMPRE COM VOCÊ
DISNEY
ABRIL
(2013)
R$ 30,00



ESTRELAS E BORBOLETAS - PT - ORIGENS E QUESTÕES DE UM PARTIDO...
CLAUDIO GURGEL
PAPAGAIO
(1989)
R$ 10,00



ESTUDOS DE LITERATURA BRASILEIRA
DOUGLAS TUFANO
MODERNA
R$ 5,00



AMERICAN SHINE TEENS: STUDENT BOOK 3
PROWSE
MACMILLAN EDUCATION
(2002)
R$ 19,90



REPRESENTAÇÃO COMERCIAL
RICARDO NACIM SAAD
SARAIVA
(1998)
R$ 9,02



HISTORIA DE LA VIDA PRIVADA Nº 09 8113
PHILIPPE ARIÉS Y GEORGES DUBY
TAURUS
(1991)
R$ 30,00



PEREGRINO
LUIZ DE ALBUQUERQUE
FCA
(2009)
R$ 10,40





busca | avançada
55373 visitas/dia
2,0 milhões/mês