Minha biblioteca de sobrevivência | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
62663 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Segunda-feira, 30/3/2020
Minha biblioteca de sobrevivência
Julio Daio Borges

+ de 1100 Acessos

Por que a gente monta uma biblioteca? Certamente não é porque se espera um momento de pandemia (para ler).

A minha - como acho que a da maioria - foi sendo montada, organicamente, ao longo da vida. Livros que eu queria ler; livros que eu já tinha lido e queria reler.

Nesta fase em que as pessoas estão meio perdidas, tentando manter sua rotina. Ou, simplesmente, procurando alguma coisa para fazer - que não seja acompanhar o noticiário -, resolvi falar dos livros que guardei. Quem sabe, estimulo alguém a ler.

Fiquei pensando em como descreveria a minha biblioteca. Pelos autores, ao longo do tempo? Começando pelos antigos e indo até os contemporâneos? Com certeza não seria começando em ordem alfabética... Também, não, por editora. Por assunto, então?

Concluí que a melhor forma era tentar reconstituir a minha biblioteca por ordem de aquisição, explicando como foi sendo formada. Assim, conseguiria organizar melhor o texto na minha cabeça e ir justificando as escolhas.

Biblioteca, eu acho que a gente começa a formar quando tem um impulso de adquirir livros por conta própria, independente da biblioteca da família e, também, das leituras obrigatórias, sejam as da escola, as da faculdade ou as de trabalho.

O início da minha biblioteca tem muito a ver com o fato de que eu descobri que sabia escrever no ano do cursinho e fui cursar faculdade de Engenharia.

Enquanto me ocupava com as matérias da Poli, continuei lendo e escrevendo. E, dessa época, destacaria os livros do Rubem Fonseca, que devorei, desde “O buraco na parede” (1995) até “Os prisioneiros” (1963), passando por “Lúcia McCartney”, “O caso Morel” e “Vastas Emoções e Pensamentos Imperfeitos” (cito aqueles de que gostei mais).

Mais tarde, nos primeiros anos do Digestivo, lembro de “A Confraria dos Espadas” (1998), sobre o qual escrevi e o Rubem Fonseca me respondeu com um telegrama, também “Pequenas criaturas” (2002). Guardei para um futuro, que pode ser agora, “O Selvagem da Ópera”, “O Doente Molière” e “José”, o mais próximo de uma autobiografia.

Da mesma época da faculdade, é a minha coleção da produção jornalística do Nélson Rodrigues, pela Companhia das Letras, com organização do Ruy Castro. Começando com “O óbvio ululante” (1995), o primeiro que me fisgou, até “O remador de Ben-Hur” (1996), passando por “A vida como ela é...” e “A menina sem estrela”, seu livro de memórias.

Li todos os onze volumes, com exceção das crônicas esportivas, que não me interessavam tanto, e de “Asfalto Selvagem”, que guardei para depois. Li os volumes da Suzana Flag também, quando Nélson escrevia como se fosse uma mulher.

E li todo o teatro, ou acho que li, graças ao volume da Nova Aguilar, que ganhei da minha namorada, quando me formei. O teatro do Nélson, como se sabe, é uma monstruosidade, e eu destacaria “Álbum de família”, “Viúva, porém honesta” e “Os sete gatinhos” (cito as peças que mais me marcaram, em vez de citar as mais óbvias).

Dessa mesma época de formação, digamos assim, eu citaria os livros do Paulo Francis, que eu lia religiosamente, no jornal, às quintas e aos domingos. “Waaal” (1996), que eu já li, reli, “tresli”, como ele diria. Também “Trinta Anos Esta Noite” (1994) e “O afeto que se encerra” (1982), livro de memórias.

Por incrível que pareça, nunca li a ficção do Paulo Francis, nunca engrenei. Nem li as compilações que a Folha lançou, pelo selo Três Estrelas, com artigos dele dos anos 70. Mas estão, aqui, à minha espera.

Do Nélson e do Francis, eu queria passar às minhas coleções do Book of the Month Club, ao qual eu me associei, nos anos 90, porque era barato - quando um real valia um dólar - e para ler em inglês.

Editado pelo BOMC, tenho, por exemplo, toda a obra da Jane Austen, que permanece intocada, bem como toda a obra de Hemingway, de quem li “Adeus às Armas”, sobre a Primeira Guerra, e os contos, onde ele foi um mestre, em língua inglesa, durante o século XX.

Tenho, ainda, os romances de Henry James e uma coleção de psicanálise/ psicologia, com o irmão dele, William James, também Freud e Jung. Um volume para cada um, com seleções dos principais textos.

Freud, confesso que já tentei ler de muitos jeitos... Tentei “A Interpretação dos Sonhos”, li arrastado “O mal-estar da civilização”, tentei até as palestras e os ensaios, tentei em outras línguas e traduções, mas, nada. Concluí que prefiro “ler *sobre* Freud” a “ler Freud”.

Três coleções de banca que foram muito importantes para mim e que eu fui comprando na época da faculdade, a R$ 9,99 cada volume: “Mestres da Literatura Contemporânea” (praticamente século XX), “Mestres da Literatura Brasileira e Portuguesa” e “Imortais da Literatura Universal”.

Da primeira, cito Saramago, “O Evangelho Segundo Jesus Cristo”, Jorge Amado, “Dona Flor e seus dois maridos” (que contraste) e “Lolita”, de Nabokov, que eu li, na época, e que me impressionaram. Mas tem Graham Greene, que eu também tenho pelo BOMC, e Norman Mailer, que eu ainda quero ler.

Da segunda coleção: mais Saramago, Jorge Amado, também Guimarães Rosa, que eu tenho em diversos formatos, e João Ubaldo Ribeiro, que eu prefiro ler pela Nova Aguilar. E da terceira coleção: “Ana Karenina”, que eu li na faculdade, “Os Irmãos Karamázov”, que eu li na Bahia (sim, em Trancoso), e “As Relações Perigosas”, uma aula sobre amor e relacionamentos.

Nesse embalo, comprei, ainda, uma coleção de Machado de Assis, com as obras completas. A poesia dele não me impressiona, nem o teatro. Acho interessante a parte jornalística e a crítica. Mas acabo preferindo, mesmo, os contos e os romances da fase realista.

Mesmo tendo lido Machado na escola, por obrigação, fui descobri-lo na faculdade, com “O Alienista”, que tem tudo a ver com esta nossa época de prender (e soltar) as pessoas, e “Quincas Borba”, que eu li despretensiosamente, e me encantei com a Sofia, sabedoria, segundo os gregos e um professor meu de literatura.

No embalo do Machado, adquiri uma coleção do Érico Veríssimo, mas li pouca coisa. “Olhai os lírios do campo”, para mim, é mais um bom título do que um bom livro. Não li “O Tempo e o Vento” inteiro, talvez devesse, preferi ficar com a boa impressão de “Um certo capitão Rodrigo” (ainda da escola). Folheei “Incidente em Antares”, as memórias e sua história da literatura. Hoje, ollhando, me chamou a atenção uma biografia romanceada da Joana d’Arc (quem diria).

Um pedaço significativo da minha biblioteca são os livros em francês, que adquiri principalmente quando fui estudar a língua em Paris. Óbvio que privilegiei os autores da França, desde os românticos como Victor Hugo e os Dumas até gigantes como Balzac, Flaubert e Proust.

A propósito, estou no terceiro volume da “Recherche”, mas leio a tradução que poetas como Drummond e Quintana fizeram, pela editora Globo. Proust é daqueles autores que te ensinam a escrever na sua própria língua (eu não teria como ler em francês diretamente).

Saindo um pouco da literatura, tenho muitos livros de filosofia em francês. Ou porque comprei, como Rousseau e Voltaire, ou porque o Tio Papi, meu tio filósofo, praticamente um francês, me mandou, como Hannah Arendt e Hegel.

Estudei alemão, mas só três anos (não o suficiente para ler, quero dizer). Tio Papi me mandou os Irmãos Grimm, mas não me aventurei. Me mandou, também, a poesia de Trakl, o amigo de Wittgenstein. (Aliás, este é mais um que li mais “sobre ele” do que “o próprio”.)

Em espanhol, castelhano, por incrível que pareça, não tenho muita coisa. Apesar de que foram leituras marcantes. Minha primeira foi “Cem Anos de Solidão”, em que me embrenhei e li em uma semana. “Dom Quixote”, numa praia, em 2009, é o melhor romance que já li. E Borges - que terminei em português, quando a Companhia das Letras relançou.

Ainda me esperam “La Rayuela”, de Cortázar, “El Laberinto de la Soledad”, de Octavio Paz, e um Roberto Bolaño, que, para mim, é o maior contemporâneo, em língua espanhola, depois de García Márquez (eu prefiro o Vargas Llosa ensaísta ao ficcionista).

Através do Digestivo, eu recebi um sem número de livros. Algumas editoras nos mandavam tudo, como Companhia das Letras e Grupo Record, por exemplo. Com Globo, Grupo Ediouro, Intrínseca, Campus Elsevier (entre outras), tivemos parceria. Sobre as demais, valia o seguinte: eu podia solicitar o livro que quisesse, elas me mandariam.

A maioria, eu passava pra frente, era impossível ler tudo. Se eu separasse um livro por dia, para mim, seriam trinta livros no final do mês. Enviávamos caixas, aos colaboradores, para que resenhassem (afinal, era isso que as editoras queriam de nós).

Afora as resenhas, o Digestivo remunerava os colunistas com livros. Também sorteávamos livros entre os leitores. E ainda sobravam muitos, que ninguém queria ler, e que eu desovava na Estante Virtual. Foi aí que eu descobri o e-commerce, que me levou até aqui.

Enfim: mesmo com esse movimento todo, de leituras, resenhas e até vendas, minha biblioteca, hoje, é resultado, também, dessa fase.

Tenho, praticamente, as obras completas desde os mestres como Ruy Castro, Sérgio Augusto e Millôr Fernandes, até os meus pares, e admirações, como Daniel Piza, Luís Antônio Giron e Ricardo Alexandre.

Fora os colunistas que já eram autores, ou se tornaram mais ainda, como Ana Elisa Ribeiro, Luís Eduardo Matta, Paulo Polzonoff Jr. (entre tantos outros).

Contudo, a fim de não esgotar a paciência do leitor, vou tentar concluir, agora, indicando para onde eu acho que a minha biblioteca está indo.

Quando saí do dia a dia do jornalismo cultural, com o Portal dos Livreiros - e me senti menos obrigado a ler, e a comentar, tudo o que estava sendo lançado -, resolvi me dedicar aos clássicos, que eu achava que havia lido pouco, ou quase nada.

Por uma dessas confluências da vida, esse momento coincide com o início da coleção da Penguin Companhia, através da qual eu li, e sempre cito, Homero, pela tradução do Frederico Lourenço, Ovídio, Montaigne e Goethe (entre outros).

Graças a esses, cheguei a Virgílio, por exemplo. Tenho Horácio, mas não engrenei. Em compensação, li a primeiro biografia de Fernando Pessoa e estou conseguindo ler as obras completas dele.

Considero que descobri a poesia graças a “Alguma Poesia”, do Drummond, e a “O Guardador de Rebanhos”, do Alberto Caeiro. Só ano passado concluí a leitura de todo Álvaro de Campos. E o Ricardo Reis só fez sentido, para mim, porque eu passei pelos romanos.

De um livreiro do Portal, adquiri, a um preço imbatível, as obras completas de Murilo Mendes, depois as da Cecília Meireles. Qual é o maior poeta brasileiro no século XX? Não tenho uma resposta definitiva ainda, mas desconfio que seja Vinicius de Moraes, porque ele realizou a travessia.

Meu ideal, hoje, é a Loeb Classical Library. Se um dia eu tiver a biblioteca deles, de gregos e de romanos, e conseguir ler a maior parte, poderei dizer que, como leitor, missão cumprida.

Termino, aqui, deixando lacunas e cometendo injustiças, evidentemente, pois não existe biblioteca perfeita, nem, muito menos, leitor perfeito.

O que eu acho importante, neste momento em que nossa civilização está em xeque, é não perdermos contato com o que nos faz humanos.

E, para mim, muito do que nos faz humanos está... nos livros! E a literatura, claro, é a melhor história de nossas vidas.

P.S. - Peço desculpas, antecipadamente, pelos erros de digitação. Escrevi andando, percorrendo a minha biblioteca, e devo ter errado alguma coisa.

P.P.S. - Ah, e se você quer comprar, já sabe onde ir, né? Portal dos Livreiros ;-)


Julio Daio Borges
São Paulo, 30/3/2020


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Minha plantinha de estimação de Elisa Andrade Buzzo
02. O Brasil não é a Seleção Brasileira de Diogo Salles


Mais Julio Daio Borges
Mais Acessadas de Julio Daio Borges
01. Quem é (e o que faz) Julio Daio Borges - 29/1/1974
02. Freud e a mente humana - 21/11/2003
03. A internet e o amor virtual - 5/7/2002
04. Frida Kahlo e Diego Rivera nas telas - 25/4/2003
05. Como detectar MAVs (e bloquear) - 22/10/2014


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A CONTESTAÇÃO JUVENIL
JOSÉ M.ª CARANDELL
BIBLIOTECA SALVAT
(1979)
R$ 5,00



DR HOUSE
TONI DE LA TORRE
LUA DE PAPEL
(2010)
R$ 15,00



CAPITALISMO
JOHN KENNETH GALBRAITH
ZAHAR EDITORES
(1964)
R$ 12,00



HISTÓRIAS QUE OS JORNAIS NÃO CONTAM
MOACYR
AGIR
(2009)
R$ 18,50



ALONGUE-SE
BOB ANDERSON
SUMMUS
(1983)
R$ 42,00



EM BUSCA DO TESOURO DE MAGRITTE
RICARDO DA CUNHA LIMA
FTD
(1999)
R$ 5,00



VIVER UM GRANDE AMOR
TELMA GUIMARÃES/ CASTRO ANDRADE
SCIPIONE
(2003)
R$ 6,00



A RELÍQUIA
EÇA DE QUEIRÓS
CIRANDA
(2018)
R$ 20,00



O ÔNIBUS MÁGICO – VIAGEM PELA ELETRICIDADE
JOANNA COLE; ILUSTRAÇÕES DE BRUCE DEGEN; TRADUÇÃO DE LAURA NEVES
ROCCO
(2020)
R$ 8,00



O RAMO DE PRATA - VOL. 2
ROSEMARY SUTCLIFF
GALERA RECORD
(2012)
R$ 30,00





busca | avançada
62663 visitas/dia
2,6 milhões/mês