Confissões pandêmicas | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
82722 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Clube do Conto outubro - Sesc Carmo - literatura infantojuvenil
>>> Projeto seleciona as melhores imagens de natureza produzida por fotógrafos de Norte a Sul do país
>>> Infantil com a Companhia de Danças de Diadema tem sessão presencial em Ilhabela e Caraguatatuba
>>> Teatro do Incêndio realiza roda de conversa na Rua 13 de Maio sobre carnaval e identidade do Bixiga
>>> Mauro Mendes Dias lança Entre Baratas e Rinocerontes no encerramento da Semana da Estupidez
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
>>> Uma história da Chilli Beans
>>> Depeche Mode no Kazagastão
>>> Uma história da Sambatech
>>> Uma história da Petz
Últimos Posts
>>> Mundo Brasil
>>> Anônimos
>>> Eu tu eles
>>> Brasileira muda paisagens de Veneza com exposição
>>> Os inocentes do crepúsculo
>>> Inação
>>> Fuga em concerto
>>> Unindo retalhos
>>> Gente sem direção
>>> Além do ontem
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Escrevo deus com letra minúscula
>>> O Anvil e o amor à música
>>> Devendra Banhart
>>> Reflexões praianas
>>> 2006 e os meus CDs
>>> Executivos
>>> Gripe Suína por Nani
>>> O filme é uma merda, mas o diretor é genial
>>> Christiane F., 13 anos, drogada, prostituída...
>>> O que é ser jornalista?
Mais Recentes
>>> O Romantismo - Coleção Stylus/ST. 03 de J. Guinsburg (Organização) pela Perspectiva (2013)
>>> Os Cangaceiros de Carlos D. Fernandes pela Fundação Ernani Sátyro (1997)
>>> Lampião As Mulheres E O Cangaço de Antonio A.C. Araujo pela Traço (2012)
>>> Lampião Contra o Mata Sete de Archimedes Marques pela Info Graphiqs (2012)
>>> Lampião e Zé Saturnino16 Anos de Luta de José Alves Sobrinho pela Bagaço (2006)
>>> Assim Morreu Lampião de Antonio Amaury Correa de Araujo pela Traço (2013)
>>> Geografia do Cangaço: Nomenclatura de Paulo Medeiros Gastão pela Sebo Vermelho (2016)
>>> Lampião o Rei dos Cangaceiros de Billy James Chandler pela Paz e Terra (1980)
>>> Medo de Voar de Erica Jong pela Nova Cultural (1986)
>>> Pecadores de Jackie Collins pela Nova Cultural (1986)
>>> Cérebro de Robin Cook pela Abril Cultural (1985)
>>> Os Insaciáveis de Harold Robbins pela Rio Gráfica (1985)
>>> Sempre um Colegial de John Le Carré pela Rio Gráfica (1985)
>>> O Cemitério de Stephen King pela Rio Gráfica (1986)
>>> Lembranças de Um Dia de Verão de Irwin Shaw pela Nova Cultural (1986)
>>> Amante Indócil de Janet Dailey pela Nova Cultural (1986)
>>> Máquinas Mortais de Philip Reeve pela Harper Collins (2018)
>>> O Chalé de Moorland de Elizabeth Gaskell pela Pedrazul (2019)
>>> Maria Madalena de Margaret George pela Geracao Editorial (2002)
>>> Stonehenge de Bernand Cornell pela Record (2008)
>>> Aves De Rapina de wILLBUR sMITH pela Record (2005)
>>> Cruzada: No Reino do Paraíso de H.Rider Haggard pela Geracao Editorial (2005)
>>> A Missao - A pergunta e a Resposta - Livro 2 de Patrick Ness pela PandorgA (2012)
>>> Traição em Veneza de Steve Berry pela Record (2010)
>>> Autografado - Noite Americana Doris Day By Night de Ronaldo Werneck pela Ibis Libris (2006)
COLUNAS

Domingo, 13/12/2020
Confissões pandêmicas
Julio Daio Borges

+ de 2000 Acessos

Acabei não escrevendo sobre a pandemia. Achei que seria clichê.

Mas confesso a vocês que acordei algumas vezes, de madrugada, achando que estava com falta de ar.

Nas primeiras vezes, descia as escadas e lia o jornal do dia inteirinho. Depois, ficava com sono, deitava e dormia de novo.

Então, prometia a mim mesmo que iria correr na praça no dia seguinte - ou no mesmo dia -, para tirar a prova dos nove.

Até que, nas últimas vezes, fui correr de madrugada mesmo. Na verdade, nem era tão de madrugada assim. Quando eu ia ver, eram quatro horas da manhã. E, quando eu chegava na praça, já eram quatro e meia. De modo que - quando eu voltava, tomava banho etc. - coincidia, praticamente, com o meu horário de levantar, entre seis e meia e quinze para as sete.

Hoje, por exemplo, foi assim. Eram umas quatro horas da manhã e eu acordei como se fosse de um pesadelo. Me ocorreu a falta de ar, mas era só o calor do quarto mesmo, que - quando eu desci, eu percebi - estava uma sauna.

Na dúvida, sempre pego um perfume da Tia Techy para cheirar. Se consigo, é porque não é Covid-19. E tem dado certo até agora. (Ah, e eu também fico em casa a maior parte do tempo.)

Minha prova dos nove é a corrida porque, se eu consigo dar uma volta correndo, significa que meus pulmões, obviamente, não foram atingidos.

Sou meio hipocondríaco, eu admito. Quando a Aids apareceu, no final dos anos 80, assisti a um Globo Repórter e já imaginei que estava contaminado.

Impossível; já que eu era um pré-adolescente imberbe, não era hemofílico e o mais perto que passei de uma transfusão de sague foi, aos dezoito anos, quando, dispensado do serviço militar (obrigado, Tio Ronaldo), fui obrigado a doar.

Fiquei maravilhado quando me entregaram um cartão vermelho com meu tipo de sangue (type O positive) e lá dizia, também, que eu era HIV negativo.

Guardei aquele cartão durante anos, como um amuleto. Funcionou.

Meus mal-estares (é assim que se escreve, acabo de conferir) estão relacionados à digestão. Fígado. Quando estou preocupado, alguma taquicardia. Pressão. Aí, paro de tomar café no dia seguinte. Depois, volto. E assim vamos indo.

Em teoria, eu tenho menos medo de morrer do que de deixar as coisas por fazer. Projetos que eu gostaria de terminar. (Um dia, quem sabe, falo sobre eles.)

E tem, naturalmente, a Catarina. Tem muita coisa que eu gostaria de fazer com ela ainda. Muita coisa.

As pessoas nunca falam sobre a própria morte numa rede social, talvez porque não combine com a ostentação digital da vida.

Mas duvido que, nestes últimos meses, nunca tenham parado para pensar nisso. Afinal: se ocorreu de maneira tão aleatória para algumas pessoas... poderia ter ocorrido para todas.

Não faço campanha para as pessoas ficarem em casa. Vai da cabeça de cada um.

Tenho sorte de poder trabalhar de casa, de poder fazer as minhas coisas de casa. Mas e quem não tem? Não sou eu quem vai julgar.

Sobre a vacina, não tenho opinião formada. No sentido de que não arriscaria uma data. Torço para que ela venha, porque acho que já estamos todos cansados e não imagino um outro ano assim. Mas não sou cientista; não tenho respostas.

Não posso reclamar, porque a pandemia foi boa para o meu negócio. Só acho ruim pela Catarina, que sofreu por não poder ir à escola. Os demais sobreviveram.

Não me arrisco a desejar um bom Ano Novo. Uma boa segunda onda? (Uma segunda quarentena?)

Estou soando clichê agora; então é melhor parar.

Fiquem bem - eis o que posso desejar.

Para ir além
Curtir, comentar, compartilhar


Julio Daio Borges
São Paulo, 13/12/2020


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Pobre rua do Vale Formoso de Elisa Andrade Buzzo
02. Sobreviver à quarentena de Luís Fernando Amâncio
03. Ourivesaria fantasista: Saramago nas alturas de Renato Alessandro dos Santos
04. 40 anos sem Carpeaux de Celso A. Uequed Pitol
05. A vida dos pardais e outros esquisitos pássaros de Elisa Andrade Buzzo


Mais Julio Daio Borges
Mais Acessadas de Julio Daio Borges em 2020
01. Doutor Eugênio (1949-2020) - 7/12/2020
02. Confissões pandêmicas - 13/12/2020
03. Minha biblioteca de sobrevivência - 30/3/2020
04. Eddie Van Halen (1955-2020) - 9/10/2020
05. Zuza Homem de Mello (1933-2020) - 12/10/2020


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Minha sombra
Sérgio Capparelli
L&Pm
(2001)



Dois Gigantes do Espiritismo
Orson Peter Carrara
Solidum
(2012)



O Tatuador de Auschwitz
Heather Morris
Planeta
(2019)
+ frete grátis



Dinastia Filipina (1581 - 1640) - uma cronologia
Fernando de Castro Brandão
Europress
(2012)



Diga Não À Violência Sexual Contra Crianças e Adolescentes ...
Maria Conceição O. Costa (coord.)
Do Autor
(2012)



The Beatles Complete-Piano Vocal - Easy Organ
Ray Connolly (org.)
Wise Publications /
(1976)



Outrarias
Paulo Ludmer
Massao Ohno
(1998)



Curso e Concurso - Direito Constitucional Volume 1
Barruffini Jose Carlos Tosetti
Saraiva
(2005)



O gênio nacional da historia do brasil
Roberto Sisson
Unidade
(1966)



Sherlock Holmes - o Vale do Terror
Sir Arthur Conan Doyle
Melhoramentos
(2006)





busca | avançada
82722 visitas/dia
1,8 milhão/mês