Confissões pandêmicas | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
51542 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> “É Hora de Arte” realiza oficinas gratuitas de circo, grafite, teatro e dança
>>> MOSTRA DO MAB FAAP GANHA NOVAS OBRAS A PARTIR DE JUNHO
>>> Ibevar e Fia-Labfin.Provar realizam uma live sobre Oportunidades de Carreira no Mercado de Capitais
>>> PAULUS Editora promove a 6º edição do Simpósio de Catequese
>>> Victor Arruda, Marcus Lontra, Daniela Bousso e Francisco Hurtz em conversa na BELIZARIO Galeria
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Mamãe falhei
>>> Sobre a literatura de Evando Nascimento
>>> Velha amiga, ainda tão menina em minha cabeça...
>>> G.A.L.A. no coquetel molotov de Gerald Thomas
Colunistas
Últimos Posts
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
>>> Trader, investidor ou buy and hold?
>>> Slayer no Monsters of Rock (1998)
>>> Por que investir no Twitter (TWTR34)
Últimos Posts
>>> Parei de fumar
>>> Asas de Ícaro
>>> Auto estima
>>> Jazz: 10 músicas para começar
>>> THE END
>>> Somos todos venturosos
>>> Por que eu?
>>> Dizer, não é ser
>>> A Caixa de Brinquedos
>>> Nosferatu 100 anos e o infamiliar em nós*
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Pensando sozinho
>>> Aventuras pelo discurso de Foucault
>>> Chega de Escola
>>> Hipermediocridade
>>> A luta mais vã
>>> História da leitura (I): as tábuas da lei e o rolo
>>> Sinatra e Bennett (1988)
>>> La Cena
>>> YouTube, lá vou eu
>>> Uma história da Sambatech
Mais Recentes
>>> Auto da Barca do Inferno de Gilvicente pela Estadão
>>> Bússola - a Invenção Que Mudou o Mundo de Amir D. Aczel pela Zahar (2002)
>>> A Democracia como Proposta de Francisco Weffort pela Ibasa (1991)
>>> Ações de Combate a Pobreza Rural - Vol 6 de Carlos Miranda e Cristina Costa pela Iica (2007)
>>> Propaganda para quem pqga a conta de Plínio Cabral pela Summus (2001)
>>> Gestão do Conhecimento de Harvard Business Review pela Elsevier (2000)
>>> Vitoriosa espinhos e perfumes de Lazara lessonier pela Artesanal (1988)
>>> Melyssa Em um Mundo Secreto de Bernardes pela Partners
>>> O Silêncio dos Velho Jamelões de Frendly Persuasione pela Percy Pacheco (2010)
>>> Crônica 6 de Carlos Eduardo Novaes e Outros pela Ática (2013)
>>> Conecte Literatura Brasileira - Parte 1 de William Cereja; Thereza Cochar pela Saraiva (2013)
>>> O misterio no colegio de Ganymedes Jose pela ao livro tecnico (2001)
>>> Direito do Trabalho - 1100 Questoes Comentadas de Stevao Gandh Costa pela Sintagma (2012)
>>> Sharpe Em Trafalgar de Bernard Cornwell pela Record (2006)
>>> Amala de Hana de Karen Levine pela Melhoramentos (2007)
>>> Os Venenos da Coroa de Maurice Druon pela Círculo do Livro
>>> Liberando o Fluir do Avivamento de Gregory R Frizzell pela Printmark (2005)
>>> A Cerimonia do Cha de Paulo Coelho pela Caras (1999)
>>> More Ups Than Downs de David Buck pela The Memoir Club (2001)
>>> Spatial Resilience in Social-ecological Systems de Graeme Cumming pela Springer (2011)
>>> Plano de Marketing de John Westwood pela Clio (2007)
>>> Vamos Aquecer o Sol de José Mauro de Vasconcelos pela Melhoramento (2006)
>>> Magnificat III de Silvia Maria D. Domingos pela Scortecci (2014)
>>> Juarez de Biblioteca de historia pela Tres (1990)
>>> Os Subterrâneos do Vaticano de André Gide pela Abril Cultural (1971)
COLUNAS

Domingo, 13/12/2020
Confissões pandêmicas
Julio Daio Borges

+ de 2200 Acessos

Acabei não escrevendo sobre a pandemia. Achei que seria clichê.

Mas confesso a vocês que acordei algumas vezes, de madrugada, achando que estava com falta de ar.

Nas primeiras vezes, descia as escadas e lia o jornal do dia inteirinho. Depois, ficava com sono, deitava e dormia de novo.

Então, prometia a mim mesmo que iria correr na praça no dia seguinte - ou no mesmo dia -, para tirar a prova dos nove.

Até que, nas últimas vezes, fui correr de madrugada mesmo. Na verdade, nem era tão de madrugada assim. Quando eu ia ver, eram quatro horas da manhã. E, quando eu chegava na praça, já eram quatro e meia. De modo que - quando eu voltava, tomava banho etc. - coincidia, praticamente, com o meu horário de levantar, entre seis e meia e quinze para as sete.

Hoje, por exemplo, foi assim. Eram umas quatro horas da manhã e eu acordei como se fosse de um pesadelo. Me ocorreu a falta de ar, mas era só o calor do quarto mesmo, que - quando eu desci, eu percebi - estava uma sauna.

Na dúvida, sempre pego um perfume da Tia Techy para cheirar. Se consigo, é porque não é Covid-19. E tem dado certo até agora. (Ah, e eu também fico em casa a maior parte do tempo.)

Minha prova dos nove é a corrida porque, se eu consigo dar uma volta correndo, significa que meus pulmões, obviamente, não foram atingidos.

Sou meio hipocondríaco, eu admito. Quando a Aids apareceu, no final dos anos 80, assisti a um Globo Repórter e já imaginei que estava contaminado.

Impossível; já que eu era um pré-adolescente imberbe, não era hemofílico e o mais perto que passei de uma transfusão de sague foi, aos dezoito anos, quando, dispensado do serviço militar (obrigado, Tio Ronaldo), fui obrigado a doar.

Fiquei maravilhado quando me entregaram um cartão vermelho com meu tipo de sangue (type O positive) e lá dizia, também, que eu era HIV negativo.

Guardei aquele cartão durante anos, como um amuleto. Funcionou.

Meus mal-estares (é assim que se escreve, acabo de conferir) estão relacionados à digestão. Fígado. Quando estou preocupado, alguma taquicardia. Pressão. Aí, paro de tomar café no dia seguinte. Depois, volto. E assim vamos indo.

Em teoria, eu tenho menos medo de morrer do que de deixar as coisas por fazer. Projetos que eu gostaria de terminar. (Um dia, quem sabe, falo sobre eles.)

E tem, naturalmente, a Catarina. Tem muita coisa que eu gostaria de fazer com ela ainda. Muita coisa.

As pessoas nunca falam sobre a própria morte numa rede social, talvez porque não combine com a ostentação digital da vida.

Mas duvido que, nestes últimos meses, nunca tenham parado para pensar nisso. Afinal: se ocorreu de maneira tão aleatória para algumas pessoas... poderia ter ocorrido para todas.

Não faço campanha para as pessoas ficarem em casa. Vai da cabeça de cada um.

Tenho sorte de poder trabalhar de casa, de poder fazer as minhas coisas de casa. Mas e quem não tem? Não sou eu quem vai julgar.

Sobre a vacina, não tenho opinião formada. No sentido de que não arriscaria uma data. Torço para que ela venha, porque acho que já estamos todos cansados e não imagino um outro ano assim. Mas não sou cientista; não tenho respostas.

Não posso reclamar, porque a pandemia foi boa para o meu negócio. Só acho ruim pela Catarina, que sofreu por não poder ir à escola. Os demais sobreviveram.

Não me arrisco a desejar um bom Ano Novo. Uma boa segunda onda? (Uma segunda quarentena?)

Estou soando clichê agora; então é melhor parar.

Fiquem bem - eis o que posso desejar.

Para ir além
Curtir, comentar, compartilhar


Julio Daio Borges
São Paulo, 13/12/2020


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Uma noite de julho de Celso A. Uequed Pitol
02. O amor nos tempos da rebeldia de Marcelo Barbão
03. Tem fim do mundo para todo mundo de Alexandre Ramos


Mais Julio Daio Borges
Mais Acessadas de Julio Daio Borges em 2020
01. Doutor Eugênio (1949-2020) - 7/12/2020
02. Confissões pandêmicas - 13/12/2020
03. Minha biblioteca de sobrevivência - 30/3/2020
04. Eddie Van Halen (1955-2020) - 9/10/2020
05. Zuza Homem de Mello (1933-2020) - 12/10/2020


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O Brasil: Território e Sociedade no Inicio do Século XXI
Milton Santos e Maria Laura Silveira
Record
(2001)



Lamenin
Pólo Noel Atan
Ação Mental Interplanetária
(1999)



Amores Infernais
Melissa Marr e Outros
Galera
(2011)



Bruce
Peter Ames Carlin; Paulo Roberto Maciel Santos
Nossa Cultura
(2013)



Ágape
Padre Marcelo Rossi
Globo
(2010)



O Que é Energia Nuclear
José Goldemberg
Brasiliense
(1981)



Você Pode Enteder a Bíblia !
Watch Towe Bible and Tract Society
Watch Towe Bible and Tract Soc
(2016)



Curso de Direito Administrativo
Aloísio Zimmer Júnior
Metodo
(2009)



Desastre na Mata
Pedro Bandeira
Melhoramentos
(2003)



The French art of tea
Mariage Frères
Mariage Frères
(2002)





busca | avançada
51542 visitas/dia
1,8 milhão/mês