Eddie Van Halen (1955-2020) | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
105 mil/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Novo livro de Nélio Silzantov, semifinalista do Jabuti de 2023, aborda geração nos anos 90
>>> PinForPeace realiza visita à Exposição “A Tragédia do Holocausto”
>>> ESTREIA ESPETÁCULO INFANTIL INSPIRADO NA TRAGÉDIA DE 31 DE JANEIRO DE 2022
>>> Documentário 'O Sal da Lagoa' estreia no Prime Box Brazil
>>> Mundo Suassuna viaja pelo sertão encantado do grande escritor brasileiro
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
Colunistas
Últimos Posts
>>> Glenn Greenwald sobre a censura no Brasil de hoje
>>> Fernando Schüler sobre o crime de opinião
>>> Folha:'Censura promovida por Moraes tem de acabar'
>>> Pondé sobre o crime de opinião no Brasil de hoje
>>> Uma nova forma de Macarthismo?
>>> Metallica homenageando Elton John
>>> Fernando Schüler sobre a liberdade de expressão
>>> Confissões de uma jovem leitora
>>> Ray Kurzweil sobre a singularidade (2024)
>>> O robô da Figure e da OpenAI
Últimos Posts
>>> Salve Jorge
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
>>> Ícaro e Satã
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Feliz Natal, Charlie Brown!
>>> O dinossauro de Augusto Monterroso
>>> Marketing de cabras
>>> Simplesmente tive sorte
>>> Sete tecnologias que marcaram meu 2006
>>> Maria Helena
>>> Sombras
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Aconselhamentos aos casais ― módulo II
>>> Perfil (& Entrevista)
Mais Recentes
>>> Elas e as Letras de Aldirene Máximo e Julie Veiga (org.) pela Versejar (2018)
>>> América Latina hoje: conceitos e interpretações de José Maurício Domingues e Maria Maneiro pela Civilização Brasileira (2006)
>>> Biblioteca de Ouro da Literatura Universal - O Cortiço - Tomo 1 de Aluísio Azevedo pela Minha (1988)
>>> Encadernado em capa dura: Wolverine - Thor - Camelot 3000 de Chris Claremont. Frank Miller. Walter Simonson. Mike W. Barr e Brian Bolland pela Abril Jovem (1987)
>>> Evolução Sócio-Econômica do Brasil de Otto Alcides Ohlweiler pela Tchê! (1988)
>>> Avenida Presidente Vargas: Um desfile pela história do Brasil de Eduardo Bueno. Paula Taitelbaum. Fernando Bueno e Dudu Contursi pela Arco (2010)
>>> A Mangueira da nossa infância de Alexandre Nobre pela Ficções (2012)
>>> Sobre a universidade de Max Weber pela Cortez (1989)
>>> Em Busca do Tempo Perdido vol 4 de Marcel Proust pela Nova Fronteira (2014)
>>> A relíquia de Eça de Queirós pela Ática (1999)
>>> Acqua Toffana de Patrícia Melo pela Companhia das Letras (1994)
>>> Anjos travados de Zé Elias pela n/d (1984)
>>> Legado de Mateus Ornellas e Lua Costa pela Independente (2016)
>>> Trato de Sara Lambranho pela Fundação Clóvis Salgado (2013)
>>> O Perfume de Patrick Süskind pela Círculo do Livro (1985)
>>> O Mestre de Quéops de Albert Salvaó pela Ediouro (2000)
>>> Garten der Lüste de Hieronymus Bosch pela Prestel (2003)
>>> A Cidade e as Serras de Eça de Queiroz pela Ática (2009)
>>> Inimigo Rumor 20 de Vários autores pela 7 letras/ Cosac Naify (2007)
>>> As Aventuras de Tartufo do Majestoso Mississipi de Phyllis Shalant pela Bertrand Brasil (2008)
>>> Bellini e a esfinge de Tony Bellotto pela Companhia das Letras (1995)
>>> The Black Angel de John Connolly pela Pocket Books International (2005)
>>> Na Casamata de Si de Pedro Tostes pela Patuá (2018)
>>> Cineastas e Imagens do Povo de Jean-Claude Bernardet pela Brasiliense (1985)
>>> Médée de Pier Paolo Pasolini pela Arléa (2007)
COLUNAS

Sexta-feira, 9/10/2020
Eddie Van Halen (1955-2020)
Julio Daio Borges
+ de 2700 Acessos

Nossa, como eu ouvi Van Halen. Poderia escrever um texto sobre cada álbum, sobre cada faixa. Cada qual numa época diferente da minha adolescência e juventude.

“1984” - quando eu mal sabia o que era rock. A gente começando a sair, nas matinês da Up&Down - onde, justamente, a música de abertura era “1984”, do álbum homônimo. (David Lee Roth, fã de dance music, teria gostado.)

E, numa época próxima, “OU812”, quando assistíamos aos primeiros videoclipes, na televisão - com Beto Rivera, da Jovem Pan - e o de “When it’s love” me fazia pensar na menina de quem eu gostava, claro.

“5150”, quando eu já estava no colegial, cobiçando o CD (depois o Papai me traria de Nova York). A gente assistia aos clipes, já na MTV, e havia aquele, impressionante, de “5150” ao vivo, do álbum homônimo.

Live without a net” foi um show que eu e meu amigo Bruno assistimos até cansar. Em VHS, com aquela abertura eletrizante, “There’s only one way to rock...” - que deixou estupefata até uma colaboradora do Digestivo, baby-boomer, décadas mais tarde.

Acho que copiei a fita do Bruno, porque levei para o meu professor de violão/guitarra, no Clam - que tinha parado em AC/DC dos anos 70 e que tinha Jimmy Page como grande herói da guitarra roqueira.

“É, realmente, aquela hora em que ele senta no palco...”, admitia o meu professor. Era o momento do solo, em que Eddie executava “Eruption”. Confesso que nunca tentei fazer aquilo em casa. Eu não chegava perto daquele negócio.

O mais perto a que cheguei foi de “Panama” - que até o John Mayer, que é originalmente um cantor, toca. Mal e porcamente, mas toca. Era como eu tocava. (Felizmente, não registrei nada.)

No final da escola, Joe Satriani e Steve Vai já haviam se juntado ao nosso panteão de heróis. E, quando descobrimos os aniversários deles, um amigo guitarrista veio me provocar: “Eu faço aniversário na mesma época em que o Steve Vai. E você?”. Tive de responder na lata: “Eu faço aniversário na mesma época em que Eddie Van Halen. Ele é do dia 26, eu sou do dia 29”.

Aliás, procurei as declarações recentes de Vai e Satriani, só por curiosidade. De Vai, havia uma assim: “Van Halen é um gênio; não posso me comparar com ele”. Já Satriani perferiu se concentrar na parceria dos irmãos Alex (baterista) e Edward Van Halen.

Satriani acrescentou que o Van Halen chegou tirando aquele clima pesado que assobrava o rock desde o advento do heavy metal e do Black Sabbath. Confesso que ainda sinto algo de sombrio nos primeiros discos do Van Halen e, por ter sido contemporâneo do “Van Hagar”, tenho mais lembranças dessa fase.

Não que não fosse um acontecimento cada movimento de Dave Lee Roth. Começando pela banda que ele montou, para fazer frente ao Van Halen. Terminando com sua volta triunfal... ao Van Halen!

Horas e horas de discussões e análises, eu e meus amigos, sobre cada solo, cada efeito, cada performance. Nossa vida era música e eu só não fui músico porque, como executante, eu era uma lástima. (Obrigado por me colocar no meu lugar, Eddie Van Halen.)

Eu poderia continuar relembrando uma porção de histórias. Como quando eu fui a primeira vez num Hard Rock Café, localizei uma guitarra do Van Halen e pedi para a minha irmã Carolina tirar uma foto. (Ela também me fotografou com o Johnny Ramone, guitarrista dos Ramones, que encontrei, por acaso, em Nova York.)

Eu fico imaginando o que deve ter sido a perda de um Paganini ou mesmo a de um Mozart. Calculo a perda de um Jimi Hendrix, porque vivi a perda de um Raphael Rabello, a de um Paco De Lucia - e, agora, a de Edward Van Halen.

Os virtuoses são como uma força da natureza. Existe algo de sobre-humano neles, algo de sobrenatural - como se pairassem acima de nós, reles mortais que somos. Não é à toa que correm lendas envolvendo pactos e encruzilhadas.

Virtuoses são divinos e, ao mesmo tempo, assustadores. Eddie Van Halen tocando guitarra no palco era como se um alienígena tivesse descido de uma nave. Ele não era deste mundo. Era alguém de outro planeta.

Dizer, para mim, que Eddie Van Halen morreu é como dizer que o Super Homem está morto. Não é possível. Super-heróis não morrem. Semideuses, como Aquiles, até morrem - só que desfrutam de gloria eterna. É o que desejo a você, Edward Lodewijk Van Halen.


Julio Daio Borges
São Paulo, 9/10/2020

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Régis Bonvicino: voyeur-flânerie e estado crítico de Jardel Dias Cavalcanti
02. Um livro canibal de Carla Ceres
03. Cheiro de papel podre de Carlos Goetteanuer
04. Fórum das Letras de Ouro Preto de Rafael Rodrigues
05. Batchan, elas são lindas... de Daniela Mountian


Mais Julio Daio Borges
Mais Acessadas de Julio Daio Borges em 2020
01. Doutor Eugênio (1949-2020) - 7/12/2020
02. Minha biblioteca de sobrevivência - 30/3/2020
03. Eddie Van Halen (1955-2020) - 9/10/2020
04. Confissões pandêmicas - 13/12/2020
05. Zuza Homem de Mello (1933-2020) - 12/10/2020


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Pareidolia
Luiz Franco
Escape
(2016)



Der Seewolf
Jack London
Deutsche Buch-Gemeinschaft
(1954)



Livro de bolso Guerra Primeira Guerra Mundial Pocket Encyclopaedia 886
Michael Howard
Lpm
(2013)



Invente alguma coisa
Chuck Palahniuk
Leya
(2020)



Automóveis de Ouro para um Povo Descalço
Vasconcelos Torres
Brasília
(1977)



Iniciação ao Estudo da Sociologia
Caroline B. Rose
Zahar
(1976)



A sabedoria do não 334
Mariliz Vargas
Rosea Nigra
(2009)



Curso Completo de Fotografia 1
Diversos
Rio Gráfica
(1981)



Intervalos
Francisco C. Xavier
O Clarim
(1981)



Privatização das Prisões
João Marcello de Araujo Junior
Revista dos Tribunais
(1995)





busca | avançada
105 mil/dia
2,0 milhão/mês