Eddie Van Halen (1955-2020) | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
48369 visitas/dia
1,6 milhão/mês
Mais Recentes
>>> OBRAS INSPIRADAS DURANTE A PANDEMIA GANHAM DESTAQUE NO INSTITUTO CERVANTES, EM SÃO PAULO
>>> Sempre Um Papo com Silvio Almeida
>>> FESTIVAL DE ORQUESTRAS JUVENIS
>>> XIII Festival de Cinema da Fronteira divulga Programação
>>> Centro em Concerto: ¡Navidad Nuestra!
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Entre Dois Silêncios, de Adolfo Montejo Navas
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
>>> O segredo para não brigar por política
>>> Endereços antigos, enganos atuais
>>> Rodolfo Felipe Neder (1935-2022)
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> Nosotros
>>> Berço de lembranças
>>> Não sou eterno, meus atos são
>>> Meu orgulho, brava gente
>>> Sem chance
>>> Imcomparável
>>> Saudade indomável
>>> Às avessas
>>> Amigo do tempo
>>> Desapega, só um pouquinho.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Por que Dilma tem de sair agora
>>> A árvore da vida
>>> Endereços antigos, enganos atuais
>>> Garanto que você não vai gostar
>>> Colunismo em 2004
>>> Frases de Drummond
>>> Luciano do Valle (1947-2014)
>>> 28 de Junho #digestivo10anos
>>> 19 de Julho #digestivo10anos
>>> Citizen Kane
Mais Recentes
>>> Eu sou Macuxi e outras histórias de Julie Dorrico pela Caos e Letras (2019)
>>> As festas no Brasil colonial de José Ramos Tinhorão pela 34 (2000)
>>> Brasil: Mito fundador e sociedade autoritária de Marilena Chaui pela Fundação Perseu Abramo (2000)
>>> Jetstream - pre-intermediate A- Student's Book & Workbook -c/Audio CD de Jane Revell - Mary Tomalin pela Helbling (2015)
>>> Jetstream - intermediate- Student's Book de Jeremy Harmer - Jane Revell pela Helbling (2015)
>>> Araribá Plus Geografia 8 de Cesar Brumini Dellore pela Moderna (2020)
>>> Tudo sobre cinema de Philip Kemp (Editor geral) pela Sextante (2011)
>>> Insta English 1 - Student's Book & Workbook de Emma Heyderman - Fiona Mauchline e outros pela Macmillan (2019)
>>> Cara, Cadê o Meu País? de David S. Moore pela Francis (2004)
>>> História da igreja católica de Philip Hughes pela Dominus (1962)
>>> Diário de Bordo de Noé de Francesca Bosca pela Ftd (2007)
>>> A 3ª Visão de Lobsang Rampa pela Record
>>> Guardiao Sete - O Chanceler do Amor de Rubens Saraceni pela Madras (2004)
>>> 200 Crônicas escolhidas de Rubem Braga pela Círculo do livro
>>> Na Praia e no Luar, Tartaruga quer o Mar de Ana Maria Machado pela Ática (2010)
>>> A Dieta do Tipo Sanguíneo: Para Prevenção e Tratamento da Artrite de Peter D'Adamo e Catherine Whitney pela Campus (2004)
>>> As duas vidas de Audrey Rose de Frank de Felitta pela Francisco Alves (1977)
>>> O Mistério da Casa Verde de Moacyr Scliar pela Ática (2008)
>>> Teláris Arte 7 de Eliane Pougy - André Vilela e outros pela Ática (2019)
>>> Por amor a Audrey Rose de Frank de Felitta pela Francisco Alves (1983)
>>> Adestramento Inteligente de Alexandre Rossi pela Cms (2004)
>>> Aumente o Poder do Seu Subconsciente Para Vencer o Medo e a Ansiedade de Dr. Joseph Murphy pela Nova Era (2006)
>>> Eles não Usam Black-tie de Gianfrancesco Guarnieri pela Civilização Brasileira (2018)
>>> O Poder do Agora de Eckhart Tolle pela Sextante (2002)
>>> A Menina que Descobriu o Brasil de Ilka Brunhilde Laurito pela Ftd (2001)
COLUNAS

Sexta-feira, 9/10/2020
Eddie Van Halen (1955-2020)
Julio Daio Borges

+ de 2300 Acessos

Nossa, como eu ouvi Van Halen. Poderia escrever um texto sobre cada álbum, sobre cada faixa. Cada qual numa época diferente da minha adolescência e juventude.

“1984” - quando eu mal sabia o que era rock. A gente começando a sair, nas matinês da Up&Down - onde, justamente, a música de abertura era “1984”, do álbum homônimo. (David Lee Roth, fã de dance music, teria gostado.)

E, numa época próxima, “OU812”, quando assistíamos aos primeiros videoclipes, na televisão - com Beto Rivera, da Jovem Pan - e o de “When it’s love” me fazia pensar na menina de quem eu gostava, claro.

“5150”, quando eu já estava no colegial, cobiçando o CD (depois o Papai me traria de Nova York). A gente assistia aos clipes, já na MTV, e havia aquele, impressionante, de “5150” ao vivo, do álbum homônimo.

Live without a net” foi um show que eu e meu amigo Bruno assistimos até cansar. Em VHS, com aquela abertura eletrizante, “There’s only one way to rock...” - que deixou estupefata até uma colaboradora do Digestivo, baby-boomer, décadas mais tarde.

Acho que copiei a fita do Bruno, porque levei para o meu professor de violão/guitarra, no Clam - que tinha parado em AC/DC dos anos 70 e que tinha Jimmy Page como grande herói da guitarra roqueira.

“É, realmente, aquela hora em que ele senta no palco...”, admitia o meu professor. Era o momento do solo, em que Eddie executava “Eruption”. Confesso que nunca tentei fazer aquilo em casa. Eu não chegava perto daquele negócio.

O mais perto a que cheguei foi de “Panama” - que até o John Mayer, que é originalmente um cantor, toca. Mal e porcamente, mas toca. Era como eu tocava. (Felizmente, não registrei nada.)

No final da escola, Joe Satriani e Steve Vai já haviam se juntado ao nosso panteão de heróis. E, quando descobrimos os aniversários deles, um amigo guitarrista veio me provocar: “Eu faço aniversário na mesma época em que o Steve Vai. E você?”. Tive de responder na lata: “Eu faço aniversário na mesma época em que Eddie Van Halen. Ele é do dia 26, eu sou do dia 29”.

Aliás, procurei as declarações recentes de Vai e Satriani, só por curiosidade. De Vai, havia uma assim: “Van Halen é um gênio; não posso me comparar com ele”. Já Satriani perferiu se concentrar na parceria dos irmãos Alex (baterista) e Edward Van Halen.

Satriani acrescentou que o Van Halen chegou tirando aquele clima pesado que assobrava o rock desde o advento do heavy metal e do Black Sabbath. Confesso que ainda sinto algo de sombrio nos primeiros discos do Van Halen e, por ter sido contemporâneo do “Van Hagar”, tenho mais lembranças dessa fase.

Não que não fosse um acontecimento cada movimento de Dave Lee Roth. Começando pela banda que ele montou, para fazer frente ao Van Halen. Terminando com sua volta triunfal... ao Van Halen!

Horas e horas de discussões e análises, eu e meus amigos, sobre cada solo, cada efeito, cada performance. Nossa vida era música e eu só não fui músico porque, como executante, eu era uma lástima. (Obrigado por me colocar no meu lugar, Eddie Van Halen.)

Eu poderia continuar relembrando uma porção de histórias. Como quando eu fui a primeira vez num Hard Rock Café, localizei uma guitarra do Van Halen e pedi para a minha irmã Carolina tirar uma foto. (Ela também me fotografou com o Johnny Ramone, guitarrista dos Ramones, que encontrei, por acaso, em Nova York.)

Eu fico imaginando o que deve ter sido a perda de um Paganini ou mesmo a de um Mozart. Calculo a perda de um Jimi Hendrix, porque vivi a perda de um Raphael Rabello, a de um Paco De Lucia - e, agora, a de Edward Van Halen.

Os virtuoses são como uma força da natureza. Existe algo de sobre-humano neles, algo de sobrenatural - como se pairassem acima de nós, reles mortais que somos. Não é à toa que correm lendas envolvendo pactos e encruzilhadas.

Virtuoses são divinos e, ao mesmo tempo, assustadores. Eddie Van Halen tocando guitarra no palco era como se um alienígena tivesse descido de uma nave. Ele não era deste mundo. Era alguém de outro planeta.

Dizer, para mim, que Eddie Van Halen morreu é como dizer que o Super Homem está morto. Não é possível. Super-heróis não morrem. Semideuses, como Aquiles, até morrem - só que desfrutam de gloria eterna. É o que desejo a você, Edward Lodewijk Van Halen.


Julio Daio Borges
São Paulo, 9/10/2020


Mais Julio Daio Borges
Mais Acessadas de Julio Daio Borges em 2020
01. Doutor Eugênio (1949-2020) - 7/12/2020
02. Minha biblioteca de sobrevivência - 30/3/2020
03. Confissões pandêmicas - 13/12/2020
04. Eddie Van Halen (1955-2020) - 9/10/2020
05. Zuza Homem de Mello (1933-2020) - 12/10/2020


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Agonia de uma Oração
Michael Bruckner
imago
(2002)



Bastidores da Mediunidade
Emanuel Cristiano
allan kardec
(2004)



São Marcos de Palestra Italia
Celso de Campos Jr
Realejo
(2011)



Livro - Os Filhos Vêm do Céu
John Gray
Rocco
(2003)



As Boas Mulheres da China: Vozes Ocultas
Xinran
Companhia das Letras
(2007)



Hei de Vencer
Arthur Riedel
Pensamento
(1999)



Redes Solidárias
Maria Tereza Maldonado
Saraiva
(2009)



Na Minha Cadeira Ou na Tua?
Juliana Carvalho
Terceiro Nome
(2010)



O Brilho da Estrela
Danielle Steel
Altaya Record
(2001)



O Código da Bíblia
Michael Drosnin
cultrix
(1997)





busca | avançada
48369 visitas/dia
1,6 milhão/mês