Barba e bigode | Guga Schultze | Digestivo Cultural

busca | avançada
56914 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> EcoPonte apresenta exposição Conexões a partir de 16 de julho em Niterói
>>> Centro em Concerto - Palestras
>>> Crônicas do Não Tempo – lançamento de livro sobre jovem que vê o passado ao tocar nos objetos
>>> 10º FRAPA divulga primeiras atrações
>>> Concerto cênico Realejo de vida e morte, de Jocy de Oliveira, estreia no teatro do Sesc Pompeia
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
>>> Sexo, cinema-verdade e Pasolini
>>> O canteiro de poesia de Adriano Menezes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
Colunistas
Últimos Posts
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
Últimos Posts
>>> PANFLETO AMAZÔNICO
>>> Coruja de papel
>>> Sou feliz, sou Samuel
>>> Andarilhos
>>> Melhores filme da semana em Cartaz no Cinema
>>> Casa ou Hotel: Entenda qual a melhor opção
>>> A lantejoula
>>> Armas da Primeira Guerra Mundial.
>>> Você está em um loop e não pode escapar
>>> O Apocalipse segundo Seu Tião
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Literatura Falada (ou: Ora, direis, ouvir poetas)
>>> Machado de Assis: assassinado ou esquecido?
>>> O problema do escritor
>>> Cadáveres
>>> A teoria do caos
>>> Ainda o mesmo assunto...
>>> Contradições da 30ª Mostra
>>> Chinese Democracy: grande disco
>>> 50 Anos de Preguiça e Insubmissão
>>> Dos Passos: duplamente grande
Mais Recentes
>>> A Volta ao Mundo Em 80 Dias de Julio Verne pela Via Leitura / Edipro (2017)
>>> Propaganda: o Caminho das Pedras de Humberto Mendes pela Nversos
>>> Tratado de Medicina Interna Vols I e II de Cecil Loeb pela Interamericana (1977)
>>> Nem Sofá, Nem Culpa de Luisa Cretella Micheletti pela Touro Bengala (2017)
>>> A Política Explicada aos Nossos Filhos de Myriam Revault Dallonnes pela Unesp (2018)
>>> A Família Em Primeiro Lugar de William J. Doherty pela Cultrix (2004)
>>> Se Eu Pudesse Viver Minha Vida Novamente de Rubem Alves pela Verus (2010)
>>> Brasilian Journal of Geology Vl 45 Number 2 June 2015 de Varios Autores pela Sbgeo (2015)
>>> A Casa do Poeta Trágico de Carlos Heitor Cony; Carlos Heitor Cony pela Objetiva (2005)
>>> Processo Civil - Volume unico de Rinaldo Mouzalas de Souza e Silva pela Juspodivm (2016)
>>> Mergulho Gilberto Salvador de Fabio Magalhaes pela Fundação Gilberto Salvador (2013)
>>> 200 Dias de Leitura e Escrita na Escola de Rossana Ramos pela Cortez (2008)
>>> Desarrollo Jurisprudencial de Primera Corte Constitucional 2012-2015 de Alfredo Ruiz Gusman pela Corte Constitucional del Ecuad (2015)
>>> Realidades e Ficções na Trama Fotográfica de Boris Kossoy pela Ateliê (2016)
>>> Caderno de Cinema do Professor: Dois - Luz, Câmera... Educação! de Devanil Tozzi (org.) ; Outros pela Fde Ed. (2009)
>>> Mulherzinhas - Edição Integral de Louisa May Alcott pela Via Leitura / Edipro (2020)
>>> Em Diálogo Com Tomás de Aquino - Conferencias e Ensaios de Jean Lauand pela Mandruvá (2002)
>>> A Balconista de Steve Martin pela Record (2002)
>>> O Tigre Branco de Aravind Adiga pela Agir (2015)
>>> Diário de uma Mãe Verdadeira de Daniela Barros pela Bb (2012)
>>> Marcas uma historia de amor mercadologica 1978 2003 de Varios autores pela Ripasa (2003)
>>> Tratamento de Direito Privado 13 de Vilson Rodrigues Alves pela Bookman (2000)
>>> A Luneta Magica de Joaquim Manuel de Macedo pela Paulus
>>> Complexo Dsgn-book de Rogério Hideki; Outros pela V. Rom (2006)
>>> Tobin Or Not Tobin - Porque Tributar o Capital Financeiro... de François Chesnais pela Unesp (1999)
COLUNAS

Quarta-feira, 4/7/2007
Barba e bigode
Guga Schultze

+ de 10100 Acessos
+ 6 Comentário(s)

Tenho que admitir que, às vezes, me fascina olhar pra cara de um sujeito e imaginar de onde ele tirou a idéia.

Aquilo é uma idéia, aquela minúscula barbicha na ponta do queixo, aquele cavanhaque todo estiloso, finamente torneado, a costeleta pontuda, à la Star Trek, colocados no rosto de forma a passar uma mensagem específica:

"Eu sou um sujeito original, sou moderno (sic), sou diferente e com muita personalidade. Cê não tá vendo?"

Pra falar a verdade, não vejo não. Estou apenas imaginando a arte necessária para manter uma barbicha dessas. Espelhos, ângulos e certa maestria com o aparelho de barba. Uma maestria "delicada", diga-se de passagem. Ou então imagino que exista um barbeiro que entenda a psicologia particular desses caras. Quem precisa de terapia com um barbeiro desses?

Além disso, geralmente existe um piercing, um brinco na orelha, alguma coisa furando o canto dos lábios, das sobrancelhas, alguma coisa espetando a narina. Imagino que dentro da água isso deve criar problemas. Nunca vi esses caras nadando, por exemplo. Em dias de chuva e trovoada, esses caras devem ficar escondidos, dentro de casa, com medo dos raios.

Já ouvi falar de um caso em que um sujeito desses tomou um raio no nariz, falando num celular. Os amigos, os outros membros da tribo, acrescentaram mais piercings na cara, porque acreditaram que Deus, ou alguma outra divindade gótica, finalmente, estava olhando pra eles. Hã...

Mas estou falando é de um atributo físico masculino que me fascina um pouco (êpa!) nas suas múltiplas manifestações. Calma. Acalmai-vos. Meu interesse é puramente filosófico; pensei até em fazer uma investigação histórica a respeito, mas não quero compactuar com o ridículo da coisa, porque quando a gente começa a estudar, pesquisar, aquilo vai ficando importante e, mais dia, menos dia, a gente perde o foco crítico original. Começa a entender do assunto, e entender é justificar. Barba e bigode. Estou falando disso.

Já escrevi sobre cabelos femininos. Agora, talvez, esteja olhando o outro lado da moeda. E é só para encerrar minha "bilogia" capilar (por que tudo tem que ser uma "trilogia"?), ou então é porque os carecas, volta e meia, pensam em cabelos. Deve ser por isso.

A primeira coisa que a gente vê, num homem barbudo, é que ele não tem face. Tem meia face, se tanto. É o homem da face oculta, um belo título e, por não ter metade do rosto à mostra, consegue esconder, num primeiro contato, muito mais que a metade de suas fraquezas.

A barba, a barba grande, gera uma impressão de pétrea impassibilidade no sujeito que a cultiva. Dependendo do sujeito, essa impressão pode durar até um eventual segundo encontro. Excepcionalmente, até o terceiro, vá lá. Daí pra frente a gente percebe, geralmente, que o barbudo é só mais um sujeito normal, mal escondido atrás da moita. Um sujeito que morde os lábios, trinca os dentes, treme o queixo, engole em seco, empalidece, cora, engasga, balbucia, tem espinhas e engole sapo, como todo mundo.

E essa touceira, que cresce contínua e insistentemente nas faces do indivíduo como uma erva daninha, imune à maldição dos genes da calvície, é uma espécie de aberração da natureza. O homem, como espécie animal, é bastante feioso. Digo, o ser humano. Se você já viu um campo de nudismo sabe o que estou falando. Por falar nisso, é interessante notar como as pessoas mais horrorosas são as que mais gostam de ficar peladas. Mas isso é outra história.

A barba é um atributo masculino e só começou a ser domesticada quando o homem desenvolveu um mínimo de tecnologia capaz de gerar a fabricação de instrumentos cortantes. (É bom, de vez em quando, poder se referir ao gênero humano assim: "o homem". As feministas não gostam nada disso mas, nesse caso, é o termo correto. Em todos os sentidos).

Deve ser difícil fazer a barba com uma pedra lascada, então é de se supor que, a partir da Idade do Bronze, lá por volta de 3.000 A.C. (ou antes), o homem começou a descobrir seu próprio rosto. Também em todos os sentidos.

A sombra dos reis barbudos (que muito tempo depois ia virar título do livro de José J. Veiga, e que não tem nada a ver) ainda era comum nas paredes dos palácios do mundo e, imagino, quantas vezes um rei se encaminhou lentamente para seus aposentos reais, à luz dos archotes, com toda sua hirsuta dignidade inalterada, depois de ouvir as notícias que um mensageiro qualquer trouxe:

"Os vikings estão aí fora, botando fogo na cidade toda, ó, meu senhor!"

Debaixo da grande e imponente barba os dentes batiam incontrolavelmente, o queixo tremia num choro convulso e o rei ia murmurando uma prece, "ai, mamãe, tô ferrado...". Mas, para a sorte daquele rei barbudo, ninguém via nada, a não ser que ele era um valoroso rei, impávido na adversidade. Santa barba.

Pedro I, o czar russo apelidado de Pedro, o Grande, quis abolir a barba do reino, lá pelo início do séc. XVIII, numa tentativa de modernização da antiga Rússia. Todos os camponeses russos eram barbudos. Ninguém me tira da cabeça que Pedro, o Grande, lançou as sementes da revolução que acabou com os czares, dois séculos depois.

Lidando com a própria barba. Foi só um passo para que a conturbada e complexa mente masculina começasse a perceber que ela, a barba, podia ser uma espécie de bandeira particular, um aviso, tipicamente masculino, de homem pra homem e dali para o mundo: eu sou fodão. E começaram, os homens, a viajar na maionese. E como.

Alguém já reparou no nosso Pedro I, imperador do Brasil? Aquela barba? O que é aquilo, santa mãe do céu. Duque de Caxias? La même chose. Era a tentativa de imitar um elefante marinho ou o quê?

O almirantado inglês, séc. XVIII e XIX, usava muito essa combinação de suíças ao vento com bigodões. É uma barba de capitão de navios. A explicação pode ser simples: os ventos do mar crestam os lábios e os capitães usavam uma echarpe cobrindo a boca. Aquilo incomodava a barba do queixo e era melhor raspar ali. Alem disso eles ficavam mais parecidos com aquelas morsas que punham a cabeça pra fora da água, pra ver os navios, e os capitães achavam os bichos bacanas.

O cavanhaque, a combinação de pêlos rodeando a boca, até o queixo, é mais simples para se deduzir de onde se originou: cavaleiros medievais usavam uma cota de malhas, como um véu, caindo dos lados do rosto. Uma cota de malhas metálicas belisca insistentemente as bochechas, principalmente se tiver cabelos presentes. O pobre templário não podia decapitar os sarracenos direito com as bochechas pinicando o tempo todo, então era melhor raspar a barba dos lados da cara.

Eles eram maus, aqueles caras. Tanto que o cavanhaque foi transplantado para adornar a cara do capeta, e a imagem pegou. O capeta ganhou seu famoso cavanhaque pelas estripulias que ele mesmo inspirou àqueles bravos cavanhaques, digo, cavaleiros defensores da fé.

A gente entende um Barba Negra, por exemplo, o famoso pirata que aterrorizou a marinha mercante européia, entre os séc. XVII e XVIII. Ou a barba de um Walt Whitman, tão densa e lírica quanto sua poesia. Tolstói, Karl Marx e suas tramas intrincadas, capilares. Rasputin e sua rede de intrigas palacianas, mais negra que a cor da barba. A gente entende os Hell's Angels, a gangue de motoqueiros que barbarizava na Califórnia, nos anos 50 e 60, como vikings ressuscitados. Todos barbudos, ou seja, bárbaros.

A etimologia dessas palavras deve ser convergente, claro. Os bárbaros que assolaram Roma eram simplesmente aqueles barbudos nortistas. E ainda tripudiavam dos caras-pelada. Genseric, rei dos vândalos, fazia umas trancinhas na ponta dos bigodes. As mulheres se penduravam ali... êta.

Agora, o mais difícil é a seção dos bigodes. Compreender Nietzche não é difícil. O difícil é compreender o bigode de Nietzche. Supondo que ele escrevesse à mão e sentado, como é que ele via o que estava escrevendo? Como disse uma amiga minha, Cida Velásquez, não dá pra confiar num sujeito que tem o bigode maior que o cérebro, santo deus.

Os bigodudos são homens nervosos, na maioria. São tensos e exigentes. Se o cara for baixinho então, é um inferno. Existem também os apenas "aflitos", mas aí já é outra coisa. Nos poucos centímetros quadrados entre o lábio superior e o nariz, existe uma quantidade incrível de mensagens subliminares possíveis. Bigodões, como o de Stalin, que servia para ocultar seu sorriso de satisfação quando sabia que alguém tinha morrido. Quanto mais, melhor. Já o de Grouxo Marx era pra rir discretamente dos vivos, que nunca eram mais vivos que ele. O bigode histriônico de Chaplin, um quadradinho preto da largura do nariz. Funcionava como foco visual no rosto maquiado de branco. A gente via de longe o danado. Em Hitler o mesmo bigode era pavorosamente associado àquela estética rígida, abrupta e mecanicista que o nazismo desenvolveu, ou pretendeu desenvolver. A passo de ganso.

Há ainda o bigodão português, em forma de arco de cupido. Há o bigodinho fino, rente ao lábio, metido a cruel, do gigolô. Há os espetados, tipo dez para as duas (velhos relógios...), dos espadachins franceses. Palitavam os dentes com aquilo.

Há o do Cantinflas, só nos cantos da boca. O do Fu Manchu, que é o mesmo, mas comprido, imitando salgueiros chorões, coisa de chinês. A variedade é notável, assim como a criatividade é altíssima e inversamente proporcional ao senso de ridículo. Ok, ao bom senso, então. Ainda não inventaram o "monogode", ou seja, o bigode pela metade, de um lado só. Mas não custa muito e já aparecem uns por aí.

Curiosamente, algumas facções bárbaras não são barbudas nem bigodudas. Gangsters, por exemplo. O negócio de gangster é a costeleta. Padres católicos, em geral. Médicos, com aquelas caras brancas, parecendo um sabonete com olhos e boca. E eventualmente com um conselho sobre a higiene.

Lembrei-me, outra vez, do Millôr Fernandes: "O cabelo humano é um negócio engraçado: cresce na cara do calvo/ mas não na careca do barbado."

Ouço, outra vez, na memória, aquela voz, que vinha da TV, naquele programa inesquecível, há muitos anos: "meu nome é Enéas!", e penso que está na hora de botar as barbas de molho.

E os homens de cara limpa, na verdade, estão mais escondidos ou são menos transparentes que os peludos, mas não se iludam: ali dentro tem um barbudo em potencial, tão doido quanto os demais.


Guga Schultze
Belo Horizonte, 4/7/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Poesia vira imagem: Ronald Polito e Guto Lacaz de Jardel Dias Cavalcanti
02. A derrota do Marketing Político de Fabio Silvestre Cardoso
03. Dados para dissecar um colunista? de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Guga Schultze
Mais Acessadas de Guga Schultze em 2007
01. Outra leitura para O pequeno Príncipe - 17/1/2007
02. Pela estrada afora - 14/11/2007
03. Barba e bigode - 4/7/2007
04. Tropikaos - 19/12/2007
05. Lennon engano - 14/2/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
28/6/2007
11h01min
Meu caro Guga, usei uma barbicha dos 17 até pouco tempo atrás. Lembro que a primeira vez que minha mãe me viu, ela disse "onde você pensa que vai com essa coisa ridícula?", mas depois se acostumou e estranhou quando eu tirei. É como cigarro, você sabe que é ruim, mas uma vez com barba, você não larga mais. Quando eu a tirava, eu me sentia nu. Mas agora tirei. E não foi por sem-vergonhice de querer me sentir pelado, mas porque sei lá, passou. O ruim é que durante o primeiro mês, ficou aquela marca patética branca em torno do queixo hehe.
[Leia outros Comentários de Eduardo Mineo Bloom]
4/7/2007
12h20min
Parabéns, Guga. Você conseguiu fazer uma interessante visão histórica dessa questão. Gostei muito de tentar entender desde os nobres, passando pelos piratas, até Nietzsche, senti falta só dos comunistas e socialistas, que sempre envergaram barba e bigode. Bigode é uma questão de estilo, até mais do que de barba. Atualmente, para um homem envergar apenas um bigode, ele geralmente é porteiro ou cobrador. Há alguns casos de músicos novatos no samba-rock de raiz, mas vá lá, bigode é algo muito estiloso mesmo. Já barba é algo que confesso, sempre gostei. Não sei explicar bem, mas homens que a deixam crescer simplesmente por preguiça evocam uma aura de primitivismo. Além de cócegas e arranhões no rosto da amada. Piercings, tô fora, mas concordo com você, envergar pêlos no rosto é uma atitude hoje em dia.
[Leia outros Comentários de Bia Cardoso]
4/7/2007
14h26min
Muito bom, isso! Ri muito. Eu nunca entendi o bigode. Como pode alguém, principalmente as mulheres, gostar? Sempre achei que caras do tipo Olivio Dutra, Aloizio Mercadante, José Sarney e quase todos os nossos intrépidos senadores, têm alguma coisa a menos (ou a mais, dependendo da coisa) na cabeça. Todos têm, no fundo, um quê de Pedro de Lara...
[Leia outros Comentários de Jose Bueno Franco Ne]
4/7/2007
14h46min
Super divertido, Guga! Já tinha gostado do seu texto sobre cabelos, esse está bárbaro também! E a ilustração idem. beijos!
[Leia outros Comentários de Adriana Carvalho]
5/7/2007
13h15min
Guga, esse negócio de barba e bigode é interessante mesmo. Chego a dizer que é paradoxal. Quando a gente vai pra roça, interior mesmo, é cheio de capiau com bigode e barba meio esquisitas também. E do outro lado, vemos intelectuais, políticos, tribais e afins cultivando esses pêlos. Quando o cara é bonito, interessante, com a barba por fazer, concordo com a Bia, é bem sensual, tipo homem animal primitivo civilizado. Mas, se o cara for um sujeito medíocre, a barba e o bigode o tornam ainda mais medíocre, e até repugnante. Acho que o seu estudo sobre barba e bigode foi bem sério e engraçado... como a barba e o bigode. Se você fizer uma pesquisa com mulheres, acho que ficaria meio a meio, ou seja, metade adora barba, bigode, cavanhaque. Outras, odeiam! O bigode sozinho, penso que a maioria não gosta. Só se o cara for foda mesmo! Agora, o pior é quando mulher tem bigode e até mesmo barba. Aí, é mais assunto para um próximo estudo. É uma sugestão. Adorei o seu texto. Beijo. Dri
[Leia outros Comentários de Adriana]
7/7/2007
00h14min
A barba sempre me deu uma idéia de abandono e liberdade e, talvez, liberdade para se abandonar. Já o bigode tem um certo narcisismo, uma construção apurada da imagem, que se não é para ocultar um defeito, com certeza é para torna-lo explícito. Tem uns personagens históricos que ficariam menores sem estes artifícios: Stalin, Fidel, Pedro II, Rasputin... Então fico pensando... e os caras-peladas, o que são? Temem o enfrentamento com algum alter ego? Será que irão incorporar o Saddam? Faltou ainda desvendar a barba cristã e a barba dos rebelados. Merecemos ainda, ainda que vire uma trilogia, um ensaio para os cara-peladas ou cabeças-peladas, que seja...
[Leia outros Comentários de Carlos E. F. Oliveir]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Crabb´s english synonymes
George Crabb
Grosset & Dunlap



Vade Mecum Civil e Empresarial
Cristiano Sobral e Outros
Metodo
(2014)



Igreja e Contracepçao - Urgencia de uma Mudança
Odila Aparecida de Queiroz
Loyola
(2010)



F. U. R. I. a Cyberpunk
Peter Larubia
Luva
(2019)



Decifrando a Obesidade
Dr. João Pinheiro
Celebris



Jack Definitivo - Segredos do Executivo do Século
Jack Welch
Campus
(2001)



Dos Crimes Contra a Pessoa
Victor Eduardo Rios Gonçalves
Saraiva
(1999)



A gralha azul
Lucília J de Almeida Prado
Melhoramentos
(1994)



Managing Evolutionary Growth
Bill Harris
Centerpointe Press
(2007)



Direito Administrativo - Vol. 1
Gustavo Henrique Pinheiro de Amorim
Bf&a
(2006)





busca | avançada
56914 visitas/dia
1,8 milhão/mês