Como Passar Um Ano Sem Facebook | Dani Arrais | Digestivo Cultural

busca | avançada
62220 visitas/dia
1,6 milhão/mês
Mais Recentes
>>> FESTIVAL DE ORQUESTRAS JUVENIS
>>> XIII Festival de Cinema da Fronteira divulga Programação
>>> Centro em Concerto: ¡Navidad Nuestra!
>>> Edital Retomada Cultural apresenta Conexão Brasil-Portugal: podcast produzido pelo Coletivo Corpos p
>>> CANTORA E ATRIZ SANDRA PÊRA NO SESC BELENZINHO
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
>>> O segredo para não brigar por política
>>> Endereços antigos, enganos atuais
>>> Rodolfo Felipe Neder (1935-2022)
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
>>> Jô Soares (1938-2022)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> Nosotros
>>> Berço de lembranças
>>> Não sou eterno, meus atos são
>>> Meu orgulho, brava gente
>>> Sem chance
>>> Imcomparável
>>> Saudade indomável
>>> Às avessas
>>> Amigo do tempo
>>> Desapega, só um pouquinho.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Frases de Drummond
>>> Luciano do Valle (1947-2014)
>>> 28 de Junho #digestivo10anos
>>> 19 de Julho #digestivo10anos
>>> Citizen Kane
>>> Gal Costa (1945-2022)
>>> Vida conjugal
>>> Querem acabar com as livrarias
>>> Cisne Negro
>>> Avassalador
Mais Recentes
>>> Cantos do Rio de Roberto Acízelo de Souza (org) pela Ponteio (2019)
>>> Joana d'Arc: Jovem, Líder, Bruxa, Santa - A Surpreendente História da Heroína que Comandou o Exército Francês de Helen Castor pela Gutenberg (2018)
>>> Brunner & Suddarth Tratado de Enfermagem Médico-Cirúrgica Nº 4 de Suzanne C. Smeltzer e Brenda G. Bare pela Guanabara (1996)
>>> Exclusão Social e Questões de Gênero de Valdir Pretto pela Educs (2015)
>>> Corpos secos: um romance de Luisa Geisler/ Marcelo Ferroni e outros pela Alfaguara (2020)
>>> Triste fim de Policarpo Quaresma de Lima Barreto pela Ftd (2013)
>>> Investimento privado e desenvolvimento : balanço e desafios de Marta Porto (org.) pela Senac Rio (2005)
>>> Sherlock Holmes o Vale do Terror de Arthur Conan Doyle pela Martin Claret (2018)
>>> ABC da Palavra Fácil 346 de Sharon Bower pela Círculo do Livro
>>> O Colapso do Universo 346 de Isaac Asimov pela Círculo do Livro
>>> Crime, Drogas e Políticas de Paulo Cesar Pontes Fraga pela Editus (2010)
>>> 2666 de Roberto Bolaño pela Companhia Das Letras (2010)
>>> Livro - O Livro de Kristine Oconnell George pela Paulinas (2007)
>>> Genocídio Americano: A Guerra do Paraguai 346 de Julio José Chiavenatto pela Círculo do Livro
>>> Teresa de Ávila de Marcelle Auclair pela Quadrante (1995)
>>> Livro - Juca Brasileiro e o Hino Nacional de Patricia Angel Secco pela Fund. Educar Dpaschoal
>>> Fernão Capelo Gaivota 346 de Richard Bach pela Círculo do Livro
>>> Livro - Aprendendo com os Animais: Campeão Tem Dor de Dentes de Vani Mehra pela Edic (2013)
>>> O Livro Tibetano dos Mortos de W. Y. Evans Wentz pela Pensamento (1993)
>>> Quincas Borba de Machado de Assis pela Ftd (2011)
>>> Livro - Mundo de Coisas de Marcelo Xavier pela Formato (2009)
>>> O Holograma Humano: O Paradigma Holográfico e suas Aplicações na Medicina, na Psicologia e na Vida Diária de Dr. Robin Kelly pela Cultrix (2015)
>>> Livro - A Organização do Trabalho no Século 20 de Geraldo Augusto Pinto pela Expressão Popular (2010)
>>> O Naufrágio do Titanic de Hans Magnus e Enzens Berger pela Companhia das Letras (2000)
>>> Livro - O Menino Que Espiava pra Dentro de Ana Maria Machado; Alê Abreu pela Global (2008)
COLUNAS

Terça-feira, 27/5/2014
Como Passar Um Ano Sem Facebook
Dani Arrais

+ de 4500 Acessos

Há um ano, decidi deletar meu Facebook. E recomendo a experiência. Se você está cogitando deletar o seu, minha sugestão é a seguinte: pense um tanto no assunto, veja se sair da rede social vai fazer você continuar pensando bastante nela; se não for o caso, se delete. É mais simples do que você pensa, e faz menos falta do que você espera.

Por que decidi deletar meu Facebook:
- Estava cansada dos excessos de posts, da quantidade de "amigos" (tinha mais de duas mil, socorro!) e, principalmente, das tantas opiniões formadas rapidamente sobre absolutamente tudo;

- Tinha diminuído consideravelmente a quantidade de leitura. Me acostumei a acompanhar as notícias que as pessoas compartilhavam no meu feed. E daí percebi que na maioria das vezes elas eram trágicas ou sensacionalistas. E que a minha atenção durava o tempo do primeiro parágrafo. Queria voltar a ler jornal, revista, sites e blogs que me interessavam, e não necessariamente os mais populares da timeline;

- Passava muito tempo stalkeando a vida de quem não devia;

- Às vezes sentia que a vida dos outros era melhor que a minha. Isso era forte na época em que descobri a expressão Fomo (fear of missing out, ou medo de perder o bonde), tão adequada para aqueles momentos em que você está feliz no sofá fazendo nada, abre o Facebook e descobre que cada um está aproveitando o feriado de um jeito melhor que o outro e, então, você pensa que devia estar fazendo o mesmo.;

- Me sentia num looping interminável. Enquanto eu estivesse no computador, o Facebook estava aberto. E como eu passo muitas horas por dia usando a internet, aí já viu.;

- Não tive paciência para reorganizar, separar as pessoas por grupo, ocultar algumas, deletar outras, coisas que me recomendaram para voltar a aproveitar melhor a rede. Ia dar tanto trabalho. E, como pra mim as coisas funcionam mais na base do oito ou oitenta mesmo, voilá!

O que eu ganhei ao deletar meu Facebook:
- Voltei a ler as notícias pelas quais eu me interessava, e não as que pipocavam na minha frente;

- Voltei a ler mais livros. Antes eu ficava dispersa muito mais tempo, hoje me concentro mais;

- Domei minha caixa de emails. Eles vão ser sempre uns Gremlins, eu sei, mas consegui responder uma quantidade absurda de emails, mesmo aqueles que tinham sido enviados para mim há dois anos. Hoje consigo ter uma caixa de entrada organizada e funcional. Tem dias em que o negócio aperta, claro, mas sinto que isso deixou de ser uma questão;

- Algumas perguntas. No começo era uma vibe mais "nossa, por que você deletou?" que vinha com um tom meio de "tá se achando". Depois comecei a ouvir muito coisas do tipo "nossa, queria muito fazer isso também, mas não posso por conta de x, y, z". Ah, pra continuar atualizando as páginas da Contente e o Don't Touch My Moleskine, eu e a Lu temos um perfil genérico, sem amigos, que serve como administrador. Então dá pra continuar trabalhando nele sem ter uma conta de pessoa física;

- Voltei a aproveitar a minha internet e a achá-la gigante e surpreendente. Deixei o RSS de lado, reorganizei meu links preferidos na tradicional e old school barra de favoritos (e deu super certo!) e vou vendo o que quero de acordo com o mood. Hoje é dia de ver meus blogs preferidos? Vamos lá. Amanhã vou ver umas coisas de decoração e, no dia seguinte, pesquisar umas receitas e uns restaurantes legais;

- Parei de acompanhar uma polêmica urgente por dia. Ufa!

- Voltei a usar o Twitter, que continua sendo um lugar excelente pra gente se informar bem sobre vários assuntos. Basta fazer uma boa seleção de fontes pra seguir e daí conseguimos acompanhar o que quisermos com consistência, sem esquecer, claro, de todo o humor que dá as caras por lá;

- Passei a trocar emails longos, como se fossem cartas, com alguns poucos amigos (há quanto tempo não fazia isso?). Outros também lembraram de me convidar para suas festas e aniversário, o que achei de uma gentileza bonita nesses tempos tão corridos e sempre cheios de notificações.

O que eu perdi quando deletei meu Facebook:
- Deixei de acompanhar discussões interessantes, principalmente em grupos. Deixei de ver o engajamento do meu irmão, de alguns amigos que acompanham de perto vários assuntos importantes;

- Deixei de ver minha família usando o Face, o que é quase sempre motivo de interjeições de fofura;

- Deixei de saber muito do que alguns amigos e conhecidos estão fazendo. É impressionante como cada vez menos gente troca emails. É melhor fazer o broadcast para os seus mil amigos do que escrever para aqueles dez mais importantes. Uma amiga lançou um livro e fez o convite pelo Face. Perdi o bonde. Devo ter perdido outras coisas também, mas não soube.

- Fechei a porta para o contato de desconhecidos, semiconhecidos, paqueras e todos aqueles que poderiam ter puxado uma conversa que vira alguma coisa.

No meio tempo, quando o Facebook virou assunto na minha vida:
- Quando o Mark passou a exibir os posts pra cada vez menos gente, fiquei #chatiada. Do que adianta ter 26 mil fãs e ter seu conteúdo exibido pra cem pessoas, caso você não coloque uma grana para impulsioná-lo? Chato. Cada vez que uma coisa desse tipo acontece, cresce mais o meu amor por outras redes, como o Instagram e o Twitter;

- Participei de uma mesa super legal na Campus Party, conheci mulheres incríveis que fazem projetos que misturam jornalismo e internet. Foi tão legal que depois marcamos um almoço, trocamos um monte de ideias. Ao fim, combinou-se de continuar a discussão em um grupo no Facebook. Eu não tinha Facebook. Logo, não participei. Isso acabou acontecendo mais uma ou duas vezes. E fiquei pensando se ficar off não estaria me fazendo perder algumas coisas legais de verdade;

- Quando as pessoas falavam "mas você vai perder contatos de trabalho". Não aconteceu, viu? Não deixei de encontrar as pessoas que eu queria porque não tinha Face. Nem acho que elas deixaram de me encontrar também. Existem outros canais de comunicação - e nem tô falando do LinkedIn, que não uso. Mas email é uma coisa que se espalha, deixá-lo acessível ajuda muito. E tem o About.me também, que num Google a galera acha.

Um ano depois, fiz um novo perfil:
Um ano e e três dias depois de ter cometido Facebookcídio, criei um novo perfil. Foi uma dilema grande, fiquei pensando "ó, não, eu não quero voltar, minha vida tá ótima sem ele, discordo de tanta coisa que prefiro manter a coerência, nãaaao quero!". No balanço, ganhei tão mais do que perdi ao deletar meu perfil.

Mesmo assim, decidi voltar. Por um motivo que provavelmente vai virar post por aqui no futuro, voltei no domingo de Páscoa. Um amigo bem engraçadinho logo comentou: "E Dani Arrais ressuscitou no terceiro dia". Ri. E lembrei que o Facebook também pode ser leve e divertido.

Sei que quero a máxima "menos é mais". Menos amigos, páginas e grupos. E tô gostando da oportunidade de começar do zero. Agora, a cada vez que adiciono uma pessoa, a classifico em um grupo: queridos, família, galera da internet, da publicidade, jornalistas etc. Quando os posts vão aparecendo na timeline, vejo o que me interessa ou não - e vou deixando de seguir algumas pessoas. O resultado é um feed com começo, meio e fim (sem scroll eterno, aleluia!) e com um conteúdo diversificado que me ajuda a consumir a internet de forma mais ampla todos os dias.

E vocês? Quem aí já deletou o perfil? Quem depois voltou? Quem nunca mais voltou? Vou adorar ouvir os relatos de vocês!

Nota do Editor:
Texto gentilmente cedido pela autora. Originalmente publicado no blog Contente.


Dani Arrais
São Paulo, 27/5/2014


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Blogs, livros e blooks de Vicente Escudero
02. Los Hermanos de Marcelo Maroldi


Mais Dani Arrais
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Um Estudo da História
Arnold Toynbee
Martins Fontes
(1987)



Investigando a Reencarnação
John Algeo
teosófica
(1995)



Escolas, Conhecimentos e Culturas
Adélia Maria Nehme Simão e Koff
7letras
(2009)



A Relação Adulto-Criança
Dora M. de Almeida Sousa Tedrus
unicamp
(1998)



Cultura da Reclamação O Desgaste Americano
Robert Hughes
companhia das letras
(1993)



Travessuras da menina má
Mario Vargas Llosa
Alfaguara
(2006)



Memorização Cybernetic Learning Systems Volume 2 Etapa 7
Varios
Personal Ind



Como Fazer Simpatias
Maria Bebiana Ferreira dos Santos
eco



O Céu Está Caindo
Sidney Sheldon
record
(2000)



História & Livro e Leitura
André Belo
autentica
(2008)





busca | avançada
62220 visitas/dia
1,6 milhão/mês