Como Passar Um Ano Sem Facebook | Dani Arrais | Digestivo Cultural

busca | avançada
82631 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Curitiba On-line: atividades culturais disponíveis para fazer em casa
>>> Luis Stuhlberger, um dos maiores gestores de fundos do país, participa do próximo Dilemas Éticos
>>> Cia. Palhadiaço faz temporada online de Depósito acompanhada por oficinas grátis
>>> GRUPO MORPHEUS TEATRO leva obra audiovisual “BERENICES” para teatros públicos do munícipio de São Pa
>>> II Bibliofest debate Agenda 2030 da ONU/IFLA em bate-papos literários e oficinas culturais
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
>>> Cem encontros ilustrados de Dirce Waltrick
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Geração# terá estreia no feriado de 21 de abril
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
>>> Curtíssimas: mostra virtual estreia sexta, 16.
>>> Estreia: Geração# terá sessões virtuais gratuitas
>>> Gota d'agua
>>> Forças idênticas para sentidos opostos
>>> Entristecer
>>> Na pele: relação Brasil e Portugal é tema de obra
>>> Single de Natasha Sahar retrata vida de jovem gay
>>> A melancolia dos dias (uma vida sem cinema)
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Deficiente capilar
>>> A imaginação do escritor
>>> Caindo de paraquedas na escrita
>>> Inteligência artificial
>>> Rimbaud, biografia do poeta maldito
>>> 7 de Setembro
>>> Deixa se manifestar
>>> Auctoritas
>>> A arte do cinema imita o caos. Ou vice-versa
>>> Toca Raul!
Mais Recentes
>>> José Duarte- um Maquinita da Historia de Luiz Momesso pela 8 de Março (1988)
>>> Perfil Literário dos Presidentes das Sobrames Regionais- 2000/2002 de Varios Autores pela Santa Rita (2002)
>>> Dragões do Eter Vol. 3 - Círculos de Chuva de Raphael Draccon pela Leya (2010)
>>> Tecnica e Sociedade no Brasil - de Diana Gonsalves Vidal pela Contexto (1988)
>>> Projeto Resgate Pernambucano-vol. 01 de Varios Autores pela Alepe-pe (2007)
>>> Oásis do Meier de Altamir Tojal pela Calibar (2010)
>>> Redação para o 2 grau- Pensando lendo e escrevendo de Ernani e Nicola pela Scipione (1996)
>>> Gestao Radical: As Licoes Do Programa De Gestao Avancada Da Harvard Business de Mark Stevens pela Campus (2001)
>>> Os Vigilantes de Philip Cornford pela Record (1991)
>>> Inferno na Torre de Richard Martin Stern pela Record
>>> Contos Fluminenses-edições Criticas de Machado de Assis pela Civilização Brasileira (1975)
>>> Discursos- Vol. 01 - 1974 de Ernesto Geisel pela Assessoria Imprensa Nacional (1975)
>>> Cantos do Brasil - o Caminho das Pedras de Shirley Souza pela Escala Educacional (2000)
>>> Remedio Amargo de Arthur Hailey pela Record
>>> A Câmera do Sumiço de Laura Bergallo pela Dcl (2007)
>>> Turismo Em Cronicas de Geraldo Granja Falcão pela Do Autor (1977)
>>> Bonecos na Ladeira de Adriana Victor pela Publikimagem (2011)
>>> Operação Rhinemann de Robert Ludlum pela Record (1974)
>>> Abilio Diniz. Caminhos E Escolhas de Renato pela Campus (2004)
>>> Historias Que o Tempo Esqueceu de Melchiades Montenegro Filho pela Fac Form (2011)
>>> A Saga da Wilson Sons de Patricia Saboia pela Index (1997)
>>> Respostas ao Criador das Frutas de Sonia Carneiro Leão pela Do Autor (2010)
>>> Envolvido pela Luz - 3ª de Betty J. Eadie pela Nova Era (1994)
>>> A Era Da Mulher de Alison Maitland pela Campus (2008)
>>> Mais rápido, barato e melhor de Michael Hammer e Outros pela Campus (2011)
COLUNAS

Terça-feira, 27/5/2014
Como Passar Um Ano Sem Facebook
Dani Arrais

+ de 3700 Acessos

Há um ano, decidi deletar meu Facebook. E recomendo a experiência. Se você está cogitando deletar o seu, minha sugestão é a seguinte: pense um tanto no assunto, veja se sair da rede social vai fazer você continuar pensando bastante nela; se não for o caso, se delete. É mais simples do que você pensa, e faz menos falta do que você espera.

Por que decidi deletar meu Facebook:
- Estava cansada dos excessos de posts, da quantidade de "amigos" (tinha mais de duas mil, socorro!) e, principalmente, das tantas opiniões formadas rapidamente sobre absolutamente tudo;

- Tinha diminuído consideravelmente a quantidade de leitura. Me acostumei a acompanhar as notícias que as pessoas compartilhavam no meu feed. E daí percebi que na maioria das vezes elas eram trágicas ou sensacionalistas. E que a minha atenção durava o tempo do primeiro parágrafo. Queria voltar a ler jornal, revista, sites e blogs que me interessavam, e não necessariamente os mais populares da timeline;

- Passava muito tempo stalkeando a vida de quem não devia;

- Às vezes sentia que a vida dos outros era melhor que a minha. Isso era forte na época em que descobri a expressão Fomo (fear of missing out, ou medo de perder o bonde), tão adequada para aqueles momentos em que você está feliz no sofá fazendo nada, abre o Facebook e descobre que cada um está aproveitando o feriado de um jeito melhor que o outro e, então, você pensa que devia estar fazendo o mesmo.;

- Me sentia num looping interminável. Enquanto eu estivesse no computador, o Facebook estava aberto. E como eu passo muitas horas por dia usando a internet, aí já viu.;

- Não tive paciência para reorganizar, separar as pessoas por grupo, ocultar algumas, deletar outras, coisas que me recomendaram para voltar a aproveitar melhor a rede. Ia dar tanto trabalho. E, como pra mim as coisas funcionam mais na base do oito ou oitenta mesmo, voilá!

O que eu ganhei ao deletar meu Facebook:
- Voltei a ler as notícias pelas quais eu me interessava, e não as que pipocavam na minha frente;

- Voltei a ler mais livros. Antes eu ficava dispersa muito mais tempo, hoje me concentro mais;

- Domei minha caixa de emails. Eles vão ser sempre uns Gremlins, eu sei, mas consegui responder uma quantidade absurda de emails, mesmo aqueles que tinham sido enviados para mim há dois anos. Hoje consigo ter uma caixa de entrada organizada e funcional. Tem dias em que o negócio aperta, claro, mas sinto que isso deixou de ser uma questão;

- Algumas perguntas. No começo era uma vibe mais "nossa, por que você deletou?" que vinha com um tom meio de "tá se achando". Depois comecei a ouvir muito coisas do tipo "nossa, queria muito fazer isso também, mas não posso por conta de x, y, z". Ah, pra continuar atualizando as páginas da Contente e o Don't Touch My Moleskine, eu e a Lu temos um perfil genérico, sem amigos, que serve como administrador. Então dá pra continuar trabalhando nele sem ter uma conta de pessoa física;

- Voltei a aproveitar a minha internet e a achá-la gigante e surpreendente. Deixei o RSS de lado, reorganizei meu links preferidos na tradicional e old school barra de favoritos (e deu super certo!) e vou vendo o que quero de acordo com o mood. Hoje é dia de ver meus blogs preferidos? Vamos lá. Amanhã vou ver umas coisas de decoração e, no dia seguinte, pesquisar umas receitas e uns restaurantes legais;

- Parei de acompanhar uma polêmica urgente por dia. Ufa!

- Voltei a usar o Twitter, que continua sendo um lugar excelente pra gente se informar bem sobre vários assuntos. Basta fazer uma boa seleção de fontes pra seguir e daí conseguimos acompanhar o que quisermos com consistência, sem esquecer, claro, de todo o humor que dá as caras por lá;

- Passei a trocar emails longos, como se fossem cartas, com alguns poucos amigos (há quanto tempo não fazia isso?). Outros também lembraram de me convidar para suas festas e aniversário, o que achei de uma gentileza bonita nesses tempos tão corridos e sempre cheios de notificações.

O que eu perdi quando deletei meu Facebook:
- Deixei de acompanhar discussões interessantes, principalmente em grupos. Deixei de ver o engajamento do meu irmão, de alguns amigos que acompanham de perto vários assuntos importantes;

- Deixei de ver minha família usando o Face, o que é quase sempre motivo de interjeições de fofura;

- Deixei de saber muito do que alguns amigos e conhecidos estão fazendo. É impressionante como cada vez menos gente troca emails. É melhor fazer o broadcast para os seus mil amigos do que escrever para aqueles dez mais importantes. Uma amiga lançou um livro e fez o convite pelo Face. Perdi o bonde. Devo ter perdido outras coisas também, mas não soube.

- Fechei a porta para o contato de desconhecidos, semiconhecidos, paqueras e todos aqueles que poderiam ter puxado uma conversa que vira alguma coisa.

No meio tempo, quando o Facebook virou assunto na minha vida:
- Quando o Mark passou a exibir os posts pra cada vez menos gente, fiquei #chatiada. Do que adianta ter 26 mil fãs e ter seu conteúdo exibido pra cem pessoas, caso você não coloque uma grana para impulsioná-lo? Chato. Cada vez que uma coisa desse tipo acontece, cresce mais o meu amor por outras redes, como o Instagram e o Twitter;

- Participei de uma mesa super legal na Campus Party, conheci mulheres incríveis que fazem projetos que misturam jornalismo e internet. Foi tão legal que depois marcamos um almoço, trocamos um monte de ideias. Ao fim, combinou-se de continuar a discussão em um grupo no Facebook. Eu não tinha Facebook. Logo, não participei. Isso acabou acontecendo mais uma ou duas vezes. E fiquei pensando se ficar off não estaria me fazendo perder algumas coisas legais de verdade;

- Quando as pessoas falavam "mas você vai perder contatos de trabalho". Não aconteceu, viu? Não deixei de encontrar as pessoas que eu queria porque não tinha Face. Nem acho que elas deixaram de me encontrar também. Existem outros canais de comunicação - e nem tô falando do LinkedIn, que não uso. Mas email é uma coisa que se espalha, deixá-lo acessível ajuda muito. E tem o About.me também, que num Google a galera acha.

Um ano depois, fiz um novo perfil:
Um ano e e três dias depois de ter cometido Facebookcídio, criei um novo perfil. Foi uma dilema grande, fiquei pensando "ó, não, eu não quero voltar, minha vida tá ótima sem ele, discordo de tanta coisa que prefiro manter a coerência, nãaaao quero!". No balanço, ganhei tão mais do que perdi ao deletar meu perfil.

Mesmo assim, decidi voltar. Por um motivo que provavelmente vai virar post por aqui no futuro, voltei no domingo de Páscoa. Um amigo bem engraçadinho logo comentou: "E Dani Arrais ressuscitou no terceiro dia". Ri. E lembrei que o Facebook também pode ser leve e divertido.

Sei que quero a máxima "menos é mais". Menos amigos, páginas e grupos. E tô gostando da oportunidade de começar do zero. Agora, a cada vez que adiciono uma pessoa, a classifico em um grupo: queridos, família, galera da internet, da publicidade, jornalistas etc. Quando os posts vão aparecendo na timeline, vejo o que me interessa ou não - e vou deixando de seguir algumas pessoas. O resultado é um feed com começo, meio e fim (sem scroll eterno, aleluia!) e com um conteúdo diversificado que me ajuda a consumir a internet de forma mais ampla todos os dias.

E vocês? Quem aí já deletou o perfil? Quem depois voltou? Quem nunca mais voltou? Vou adorar ouvir os relatos de vocês!

Nota do Editor:
Texto gentilmente cedido pela autora. Originalmente publicado no blog Contente.


Dani Arrais
São Paulo, 27/5/2014


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A literatura em transe de Marta Barcellos
02. Uma lição de solfejo de Carina Destempero
03. Uma lição de solfejo de Carina Destempero
04. Guerras sujas: a democracia nos EUA e o terrorismo de Humberto Pereira da Silva
05. Era uma vez de Carina Destempero


Mais Dani Arrais
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A Criança e a Violência na Mídia
Ulla Carlsson e Cecilia Von Feilitzen (orgs.)
Cortez
(2001)



Estruturas Filosóficas e Afins
Paulo Augusto Proença Rosa
Do Autor



A Vida e o Sagrado - 9º Ano
Coleção a Vida e o Sagrado
A Vida é Mais
(2012)



El Espiritu En El átomo: una Discusión Sore los Misterios de La Física
P. C. W. Davies - J. R. Brown
Alianza
(1989)



EXPERT nutriçao
Rejane Teixeira Mendonça
Ridel
(2016)



Grammar Practice 1 a Complete Grammar Workout For Teen Students
Herbert Puchta
Helbling
(2012)



Ciência e Violência
I de L Neves Manta e Edmundo Vasconcelos
Livraria São José (rj)
(1972)



O Menino Que Via o Além
José Ewerton Neto
Escrituras
(2003)



O Olhar Amoroso Textos Sobre Arte Brasileira
Olivio Tavares de Araujo
Momesso
(2002)



A Arte de Correr na Chuva
Garth Stein
Ediouro
(2008)





busca | avançada
82631 visitas/dia
2,6 milhões/mês