Como Passar Um Ano Sem Facebook | Dani Arrais | Digestivo Cultural

busca | avançada
31161 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Terça-feira, 27/5/2014
Como Passar Um Ano Sem Facebook
Dani Arrais

+ de 3300 Acessos

Há um ano, decidi deletar meu Facebook. E recomendo a experiência. Se você está cogitando deletar o seu, minha sugestão é a seguinte: pense um tanto no assunto, veja se sair da rede social vai fazer você continuar pensando bastante nela; se não for o caso, se delete. É mais simples do que você pensa, e faz menos falta do que você espera.

Por que decidi deletar meu Facebook:
- Estava cansada dos excessos de posts, da quantidade de "amigos" (tinha mais de duas mil, socorro!) e, principalmente, das tantas opiniões formadas rapidamente sobre absolutamente tudo;

- Tinha diminuído consideravelmente a quantidade de leitura. Me acostumei a acompanhar as notícias que as pessoas compartilhavam no meu feed. E daí percebi que na maioria das vezes elas eram trágicas ou sensacionalistas. E que a minha atenção durava o tempo do primeiro parágrafo. Queria voltar a ler jornal, revista, sites e blogs que me interessavam, e não necessariamente os mais populares da timeline;

- Passava muito tempo stalkeando a vida de quem não devia;

- Às vezes sentia que a vida dos outros era melhor que a minha. Isso era forte na época em que descobri a expressão Fomo (fear of missing out, ou medo de perder o bonde), tão adequada para aqueles momentos em que você está feliz no sofá fazendo nada, abre o Facebook e descobre que cada um está aproveitando o feriado de um jeito melhor que o outro e, então, você pensa que devia estar fazendo o mesmo.;

- Me sentia num looping interminável. Enquanto eu estivesse no computador, o Facebook estava aberto. E como eu passo muitas horas por dia usando a internet, aí já viu.;

- Não tive paciência para reorganizar, separar as pessoas por grupo, ocultar algumas, deletar outras, coisas que me recomendaram para voltar a aproveitar melhor a rede. Ia dar tanto trabalho. E, como pra mim as coisas funcionam mais na base do oito ou oitenta mesmo, voilá!

O que eu ganhei ao deletar meu Facebook:
- Voltei a ler as notícias pelas quais eu me interessava, e não as que pipocavam na minha frente;

- Voltei a ler mais livros. Antes eu ficava dispersa muito mais tempo, hoje me concentro mais;

- Domei minha caixa de emails. Eles vão ser sempre uns Gremlins, eu sei, mas consegui responder uma quantidade absurda de emails, mesmo aqueles que tinham sido enviados para mim há dois anos. Hoje consigo ter uma caixa de entrada organizada e funcional. Tem dias em que o negócio aperta, claro, mas sinto que isso deixou de ser uma questão;

- Algumas perguntas. No começo era uma vibe mais "nossa, por que você deletou?" que vinha com um tom meio de "tá se achando". Depois comecei a ouvir muito coisas do tipo "nossa, queria muito fazer isso também, mas não posso por conta de x, y, z". Ah, pra continuar atualizando as páginas da Contente e o Don't Touch My Moleskine, eu e a Lu temos um perfil genérico, sem amigos, que serve como administrador. Então dá pra continuar trabalhando nele sem ter uma conta de pessoa física;

- Voltei a aproveitar a minha internet e a achá-la gigante e surpreendente. Deixei o RSS de lado, reorganizei meu links preferidos na tradicional e old school barra de favoritos (e deu super certo!) e vou vendo o que quero de acordo com o mood. Hoje é dia de ver meus blogs preferidos? Vamos lá. Amanhã vou ver umas coisas de decoração e, no dia seguinte, pesquisar umas receitas e uns restaurantes legais;

- Parei de acompanhar uma polêmica urgente por dia. Ufa!

- Voltei a usar o Twitter, que continua sendo um lugar excelente pra gente se informar bem sobre vários assuntos. Basta fazer uma boa seleção de fontes pra seguir e daí conseguimos acompanhar o que quisermos com consistência, sem esquecer, claro, de todo o humor que dá as caras por lá;

- Passei a trocar emails longos, como se fossem cartas, com alguns poucos amigos (há quanto tempo não fazia isso?). Outros também lembraram de me convidar para suas festas e aniversário, o que achei de uma gentileza bonita nesses tempos tão corridos e sempre cheios de notificações.

O que eu perdi quando deletei meu Facebook:
- Deixei de acompanhar discussões interessantes, principalmente em grupos. Deixei de ver o engajamento do meu irmão, de alguns amigos que acompanham de perto vários assuntos importantes;

- Deixei de ver minha família usando o Face, o que é quase sempre motivo de interjeições de fofura;

- Deixei de saber muito do que alguns amigos e conhecidos estão fazendo. É impressionante como cada vez menos gente troca emails. É melhor fazer o broadcast para os seus mil amigos do que escrever para aqueles dez mais importantes. Uma amiga lançou um livro e fez o convite pelo Face. Perdi o bonde. Devo ter perdido outras coisas também, mas não soube.

- Fechei a porta para o contato de desconhecidos, semiconhecidos, paqueras e todos aqueles que poderiam ter puxado uma conversa que vira alguma coisa.

No meio tempo, quando o Facebook virou assunto na minha vida:
- Quando o Mark passou a exibir os posts pra cada vez menos gente, fiquei #chatiada. Do que adianta ter 26 mil fãs e ter seu conteúdo exibido pra cem pessoas, caso você não coloque uma grana para impulsioná-lo? Chato. Cada vez que uma coisa desse tipo acontece, cresce mais o meu amor por outras redes, como o Instagram e o Twitter;

- Participei de uma mesa super legal na Campus Party, conheci mulheres incríveis que fazem projetos que misturam jornalismo e internet. Foi tão legal que depois marcamos um almoço, trocamos um monte de ideias. Ao fim, combinou-se de continuar a discussão em um grupo no Facebook. Eu não tinha Facebook. Logo, não participei. Isso acabou acontecendo mais uma ou duas vezes. E fiquei pensando se ficar off não estaria me fazendo perder algumas coisas legais de verdade;

- Quando as pessoas falavam "mas você vai perder contatos de trabalho". Não aconteceu, viu? Não deixei de encontrar as pessoas que eu queria porque não tinha Face. Nem acho que elas deixaram de me encontrar também. Existem outros canais de comunicação - e nem tô falando do LinkedIn, que não uso. Mas email é uma coisa que se espalha, deixá-lo acessível ajuda muito. E tem o About.me também, que num Google a galera acha.

Um ano depois, fiz um novo perfil:
Um ano e e três dias depois de ter cometido Facebookcídio, criei um novo perfil. Foi uma dilema grande, fiquei pensando "ó, não, eu não quero voltar, minha vida tá ótima sem ele, discordo de tanta coisa que prefiro manter a coerência, nãaaao quero!". No balanço, ganhei tão mais do que perdi ao deletar meu perfil.

Mesmo assim, decidi voltar. Por um motivo que provavelmente vai virar post por aqui no futuro, voltei no domingo de Páscoa. Um amigo bem engraçadinho logo comentou: "E Dani Arrais ressuscitou no terceiro dia". Ri. E lembrei que o Facebook também pode ser leve e divertido.

Sei que quero a máxima "menos é mais". Menos amigos, páginas e grupos. E tô gostando da oportunidade de começar do zero. Agora, a cada vez que adiciono uma pessoa, a classifico em um grupo: queridos, família, galera da internet, da publicidade, jornalistas etc. Quando os posts vão aparecendo na timeline, vejo o que me interessa ou não - e vou deixando de seguir algumas pessoas. O resultado é um feed com começo, meio e fim (sem scroll eterno, aleluia!) e com um conteúdo diversificado que me ajuda a consumir a internet de forma mais ampla todos os dias.

E vocês? Quem aí já deletou o perfil? Quem depois voltou? Quem nunca mais voltou? Vou adorar ouvir os relatos de vocês!

Nota do Editor:
Texto gentilmente cedido pela autora. Originalmente publicado no blog Contente.


Dani Arrais
São Paulo, 27/5/2014


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Esboços de uma biografia precoce não autorizada de Cassionei Niches Petry
02. Soluções geniais para a escola e a educação de Ana Elisa Ribeiro
03. Terra, chão de primavera de Elisa Andrade Buzzo
04. O fim do livro, não do mundo de Marta Barcellos
05. Eugène Delacroix, um quadro uma revolução de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Dani Arrais
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




7 MANGA MAI A GAROTA SENSITIVA
KAZUYA KUDO
ABRIL
R$ 12,00



O ENIGMA DO PÁSSARO DE PEDRA
IVAN YAZBECK
SCIPIONE
(1990)
R$ 7,00



HISTÓRIAS DE UM NOVO TEMPO
DIVERSOS
CODECRI
(1977)
R$ 20,00



SOCIOLOGY FOR A NEW CENTURY
YORK W. BRADSHAW/JOSEPH F. HEALEY/ REBECCA SMITH
PINE FORGE PRESS
(2001)
R$ 195,00
+ frete grátis



O SENHOR EMBAIXADOR
ERICO VERISSINO
ED. GLOBO
R$ 6,90



TEATRO COMPLETO 1
JOAQUIM MANUEL DE MACEDO
GRÁFICA DO LIVRO
(1979)
R$ 10,00



ALEGRIA, ALEGRIA - CAETANO VELOSO (LITERATURA-MÚSICA BRASILEIRA)
CAETANO VELOSO
PEDRA Q RONCA
(1977)
R$ 120,00



CURSO BÁSICO DE MEDIDAS ELÉTRICAS - VOLUME 2
MELVILLE B. STOUT
LIVROS TÉCNICOS E CIENTÍFICOS
(1975)
R$ 15,00



REVELAÇÕES - 2754
SOPHY BURNHAM
BERTRAND BRASIL
(1995)
R$ 15,00



ALELUIA PARA UMA MULHER-JARDIM
RENÉ DEPESTRE
JOSÉ OLYMPIO
(1988)
R$ 10,00





busca | avançada
31161 visitas/dia
1,3 milhão/mês