Como Passar Um Ano Sem Facebook | Dani Arrais | Digestivo Cultural

busca | avançada
114 mil/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Festival Halleluya em São Paulo realizará ação solidária para auxiliar as famílias no RS
>>> Povo Fulni-ô Encontra Ponto BR
>>> QUEÑUAL
>>> Amilton Godoy Show 70 anos. Participação especial de Proveta
>>> Bacco’s promove evento ao ar livre na Lagoa dos Ingleses, em Alphaville
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pulsão Oblómov
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
Colunistas
Últimos Posts
>>> Rodrigão Campos e a dura realidade do mercado
>>> Comfortably Numb por Jéssica di Falchi
>>> Scott Galloway e as Previsões para 2024
>>> O novo GPT-4o
>>> Scott Galloway sobre o futuro dos jovens (2024)
>>> Fernando Ulrich e O Economista Sincero (2024)
>>> The Piper's Call de David Gilmour (2024)
>>> Glenn Greenwald sobre a censura no Brasil de hoje
>>> Fernando Schüler sobre o crime de opinião
>>> Folha:'Censura promovida por Moraes tem de acabar'
Últimos Posts
>>> A ESTAGIÁRIA
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Sobre as ilusões perdidas
>>> Mistérios Literários
>>> Vendem-se explicações do Planeta dos Macacos
>>> Caminho para a Saúde
>>> Romance breve
>>> Prefeito dará a carros bela vista da universidade
>>> O assassinato de Herzog na arte
>>> A revista Bizz
>>> Cheech & Chong reloaded
>>> A Istambul de Orhan Pamuk
Mais Recentes
>>> O Sonho Transdisciplinar E As Razões Da Filosofia de Hilton Japiassu pela Imago (2006)
>>> A Importância De Ser Prudente, Um Marido Ideal E Outras Peças de Oscar Wilde pela Veríssimo (2024)
>>> O Sucesso Jamais Será Perdoado - A Autobiografia Do Barão De Mauá de Irineu Evangelista De Souza pela Avis Rara (2024)
>>> O Passado Promete - Um Novo Brasil No Retrovisor de Guilherme Fiuza pela Avis Rara (2024)
>>> 1177 A.c.: O Ano Em Que A Civilização Entrou Em Colapso de Eric H. Cline pela Avis Rara (2023)
>>> Racismo Woke - Como A Militância Traiu O Movimento de John McWhorter pela Faro (2024)
>>> 2041. Como A Inteligencia Artificial Vai Mudar Sua Vida Nas Proximas Decadas de Kai-fu Lee E Chen Qiufan pela Globo (2022)
>>> Vambizomem Entre Vampiros, Zumbis E Lobisomens ( Do Roteirista De Bob Esponja, O Filme ) de Steven Banks pela Milk Shakespeare (2024)
>>> O Renascimento Italiano e a Poesia Lírica de Camões de Barbara Spaggiari, Leodegario A. De Azevedo Filho, Jose Antonio Sabio Pinilla pela Tempo Brasileiro (1992)
>>> Antes De Me Libertar De Você de Kennedy Ryan pela Faro Editorial (2024)
>>> Um Dia Em Outra Vida de Charlotte Rixon pela Faro Edit (2024)
>>> Macunaíma da Literatura ao Cinema de Heloisa Buarque de Hollanda pela Aeroplano (2002)
>>> Diga O Fraco Sou Forte de Rodolfo Beuttenmuller pela Gospel
>>> Reflexologia Podal: Sua Saude Atraves Dos Pes de Osni Tadeu Lourenco pela Ground (2010)
>>> O Valor dos Valores de Swami Dayananda Saraswati pela Vidya-Mandir (1998)
>>> Os Artigos Federalistas de Alexander Hamilton E John Jay; James Madison pela Avis Rara (2021)
>>> Matadores De Dragão Princesas Resgatadas de Francisco Vaz Da Silva pela Temas E Debates (2012)
>>> Pelo Sertão - Histórias e Paisagens de Afonso Arinos pela Academia Brasileira de Letras (2005)
>>> Nova Luz Sobre A Antropologia - Coleção Antropologia Social de Cliford Geertz pela Jorge Zahar (2001)
>>> Expresso Da Meia-noite de Billy Hayes , William Hoffer pela Vestigio - Autentica (2016)
>>> Incidents de Roland Barthes pela Seuil (1987)
>>> Dicionário De Dificuldades Da Língua Portuguesa de Domingos Paschoal Cegalla pela Lexikon Edit Digital (2018)
>>> Interação fármaco-nutriente limitação à terapeutica racional de Rosane Maria Salvi; Karen Magnus pela Edipucrs (2014)
>>> Rincões dos Frutos de Ouro - Contos Regionais da Bahia de Saboia Ribeiro pela Editus (2005)
>>> The Cambridge Companion To Marx de Terrell Carver pela Cambridge University Press (2006)
COLUNAS

Terça-feira, 27/5/2014
Como Passar Um Ano Sem Facebook
Dani Arrais
+ de 4800 Acessos

Há um ano, decidi deletar meu Facebook. E recomendo a experiência. Se você está cogitando deletar o seu, minha sugestão é a seguinte: pense um tanto no assunto, veja se sair da rede social vai fazer você continuar pensando bastante nela; se não for o caso, se delete. É mais simples do que você pensa, e faz menos falta do que você espera.

Por que decidi deletar meu Facebook:
- Estava cansada dos excessos de posts, da quantidade de "amigos" (tinha mais de duas mil, socorro!) e, principalmente, das tantas opiniões formadas rapidamente sobre absolutamente tudo;

- Tinha diminuído consideravelmente a quantidade de leitura. Me acostumei a acompanhar as notícias que as pessoas compartilhavam no meu feed. E daí percebi que na maioria das vezes elas eram trágicas ou sensacionalistas. E que a minha atenção durava o tempo do primeiro parágrafo. Queria voltar a ler jornal, revista, sites e blogs que me interessavam, e não necessariamente os mais populares da timeline;

- Passava muito tempo stalkeando a vida de quem não devia;

- Às vezes sentia que a vida dos outros era melhor que a minha. Isso era forte na época em que descobri a expressão Fomo (fear of missing out, ou medo de perder o bonde), tão adequada para aqueles momentos em que você está feliz no sofá fazendo nada, abre o Facebook e descobre que cada um está aproveitando o feriado de um jeito melhor que o outro e, então, você pensa que devia estar fazendo o mesmo.;

- Me sentia num looping interminável. Enquanto eu estivesse no computador, o Facebook estava aberto. E como eu passo muitas horas por dia usando a internet, aí já viu.;

- Não tive paciência para reorganizar, separar as pessoas por grupo, ocultar algumas, deletar outras, coisas que me recomendaram para voltar a aproveitar melhor a rede. Ia dar tanto trabalho. E, como pra mim as coisas funcionam mais na base do oito ou oitenta mesmo, voilá!

O que eu ganhei ao deletar meu Facebook:
- Voltei a ler as notícias pelas quais eu me interessava, e não as que pipocavam na minha frente;

- Voltei a ler mais livros. Antes eu ficava dispersa muito mais tempo, hoje me concentro mais;

- Domei minha caixa de emails. Eles vão ser sempre uns Gremlins, eu sei, mas consegui responder uma quantidade absurda de emails, mesmo aqueles que tinham sido enviados para mim há dois anos. Hoje consigo ter uma caixa de entrada organizada e funcional. Tem dias em que o negócio aperta, claro, mas sinto que isso deixou de ser uma questão;

- Algumas perguntas. No começo era uma vibe mais "nossa, por que você deletou?" que vinha com um tom meio de "tá se achando". Depois comecei a ouvir muito coisas do tipo "nossa, queria muito fazer isso também, mas não posso por conta de x, y, z". Ah, pra continuar atualizando as páginas da Contente e o Don't Touch My Moleskine, eu e a Lu temos um perfil genérico, sem amigos, que serve como administrador. Então dá pra continuar trabalhando nele sem ter uma conta de pessoa física;

- Voltei a aproveitar a minha internet e a achá-la gigante e surpreendente. Deixei o RSS de lado, reorganizei meu links preferidos na tradicional e old school barra de favoritos (e deu super certo!) e vou vendo o que quero de acordo com o mood. Hoje é dia de ver meus blogs preferidos? Vamos lá. Amanhã vou ver umas coisas de decoração e, no dia seguinte, pesquisar umas receitas e uns restaurantes legais;

- Parei de acompanhar uma polêmica urgente por dia. Ufa!

- Voltei a usar o Twitter, que continua sendo um lugar excelente pra gente se informar bem sobre vários assuntos. Basta fazer uma boa seleção de fontes pra seguir e daí conseguimos acompanhar o que quisermos com consistência, sem esquecer, claro, de todo o humor que dá as caras por lá;

- Passei a trocar emails longos, como se fossem cartas, com alguns poucos amigos (há quanto tempo não fazia isso?). Outros também lembraram de me convidar para suas festas e aniversário, o que achei de uma gentileza bonita nesses tempos tão corridos e sempre cheios de notificações.

O que eu perdi quando deletei meu Facebook:
- Deixei de acompanhar discussões interessantes, principalmente em grupos. Deixei de ver o engajamento do meu irmão, de alguns amigos que acompanham de perto vários assuntos importantes;

- Deixei de ver minha família usando o Face, o que é quase sempre motivo de interjeições de fofura;

- Deixei de saber muito do que alguns amigos e conhecidos estão fazendo. É impressionante como cada vez menos gente troca emails. É melhor fazer o broadcast para os seus mil amigos do que escrever para aqueles dez mais importantes. Uma amiga lançou um livro e fez o convite pelo Face. Perdi o bonde. Devo ter perdido outras coisas também, mas não soube.

- Fechei a porta para o contato de desconhecidos, semiconhecidos, paqueras e todos aqueles que poderiam ter puxado uma conversa que vira alguma coisa.

No meio tempo, quando o Facebook virou assunto na minha vida:
- Quando o Mark passou a exibir os posts pra cada vez menos gente, fiquei #chatiada. Do que adianta ter 26 mil fãs e ter seu conteúdo exibido pra cem pessoas, caso você não coloque uma grana para impulsioná-lo? Chato. Cada vez que uma coisa desse tipo acontece, cresce mais o meu amor por outras redes, como o Instagram e o Twitter;

- Participei de uma mesa super legal na Campus Party, conheci mulheres incríveis que fazem projetos que misturam jornalismo e internet. Foi tão legal que depois marcamos um almoço, trocamos um monte de ideias. Ao fim, combinou-se de continuar a discussão em um grupo no Facebook. Eu não tinha Facebook. Logo, não participei. Isso acabou acontecendo mais uma ou duas vezes. E fiquei pensando se ficar off não estaria me fazendo perder algumas coisas legais de verdade;

- Quando as pessoas falavam "mas você vai perder contatos de trabalho". Não aconteceu, viu? Não deixei de encontrar as pessoas que eu queria porque não tinha Face. Nem acho que elas deixaram de me encontrar também. Existem outros canais de comunicação - e nem tô falando do LinkedIn, que não uso. Mas email é uma coisa que se espalha, deixá-lo acessível ajuda muito. E tem o About.me também, que num Google a galera acha.

Um ano depois, fiz um novo perfil:
Um ano e e três dias depois de ter cometido Facebookcídio, criei um novo perfil. Foi uma dilema grande, fiquei pensando "ó, não, eu não quero voltar, minha vida tá ótima sem ele, discordo de tanta coisa que prefiro manter a coerência, nãaaao quero!". No balanço, ganhei tão mais do que perdi ao deletar meu perfil.

Mesmo assim, decidi voltar. Por um motivo que provavelmente vai virar post por aqui no futuro, voltei no domingo de Páscoa. Um amigo bem engraçadinho logo comentou: "E Dani Arrais ressuscitou no terceiro dia". Ri. E lembrei que o Facebook também pode ser leve e divertido.

Sei que quero a máxima "menos é mais". Menos amigos, páginas e grupos. E tô gostando da oportunidade de começar do zero. Agora, a cada vez que adiciono uma pessoa, a classifico em um grupo: queridos, família, galera da internet, da publicidade, jornalistas etc. Quando os posts vão aparecendo na timeline, vejo o que me interessa ou não - e vou deixando de seguir algumas pessoas. O resultado é um feed com começo, meio e fim (sem scroll eterno, aleluia!) e com um conteúdo diversificado que me ajuda a consumir a internet de forma mais ampla todos os dias.

E vocês? Quem aí já deletou o perfil? Quem depois voltou? Quem nunca mais voltou? Vou adorar ouvir os relatos de vocês!

Nota do Editor:
Texto gentilmente cedido pela autora. Originalmente publicado no blog Contente.


Dani Arrais
São Paulo, 27/5/2014

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Gal Costa (1945-2022) de Julio Daio Borges
02. O começo do fim da hegemonia 'de esquerda' de Julio Daio Borges
03. Qualquer diversão é bem-vinda de Arcano9


Mais Dani Arrais
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Catalogo Generale Della Ditta Fratelli Bertarelli
Tanfani & Bertarelli
Casa Consociata



Complete Baby and Child Care
Dr. Miriam Stoppard
Dk
(1995)



Organizar do Zero - A História do Mercado de Organização no Brasil
José Luiz Cunha
Cosmos
(2022)



A Flauta Mágica
Barros Ferreira
Clube do Livro
(1976)



O Altar Supremo - uma Historia do Sacrificio Humano
Patrick Tierney
Bertrand Brasil
(1993)



Ivanhoé
Walter Scott
Scipione
(1998)



Sabrina Sensual Nº 13: Sublime Tentação
Kate Huntington
Nova Cultural Ltda
(2006)



Nietzsche em 90 minutos 409
Paul Strathern
Jorge Zahar
(1997)



Into the Dark
Gena Showalter
Harlequin Books
(2010)



Finite Element Modeling For Stress Analysis
Robert D. Cook
Ie Wiley
(1995)





busca | avançada
114 mil/dia
2,4 milhões/mês