A Letras, como ela é? | Verônica Mambrini | Digestivo Cultural

busca | avançada
56027 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Indígenas é tema de exposição de Dani Sandrini no SESI Itapetininga
>>> SESI A.E. Carvalho recebe As Conchambranças de Quaderna, de Suassuna, em sessões gratuitas
>>> Sesc Belenzinho recebe cantora brasiliense Janine Mathias
>>> Natália Carreira faz show de lançamento de 'Mar Calmo' no Sesc Belenzinho
>>> Miltinho Edilberto e Mariana Aydar trazem Forró, Flor & Cultura ao Sesc Belenzinho
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Mamãe falhei
>>> Sobre a literatura de Evando Nascimento
>>> Velha amiga, ainda tão menina em minha cabeça...
>>> G.A.L.A. no coquetel molotov de Gerald Thomas
>>> O último estudante-soldado na rota Lisboa-Cabul
Colunistas
Últimos Posts
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
>>> Trader, investidor ou buy and hold?
>>> Slayer no Monsters of Rock (1998)
>>> Por que investir no Twitter (TWTR34)
>>> Como declarar ações no IR
Últimos Posts
>>> Auto estima
>>> Jazz: 10 músicas para começar
>>> THE END
>>> Somos todos venturosos
>>> Por que eu?
>>> Dizer, não é ser
>>> A Caixa de Brinquedos
>>> Nosferatu 100 anos e o infamiliar em nós*
>>> Sexta-feira santa de Jesus Cristo.
>>> Fé e dúvida
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Como ler mais livros
>>> Debate Democrata na CNN
>>> A esquerda nunca foi popular no Brasil
>>> Narcos
>>> Dez Anos que Encolheram o Mundo, de Daniel Piza
>>> A minha Flip
>>> O Casulo vai à escola
>>> Cinema Independente (5.1)
>>> Conceitos musicais: blues, fusion, jazz, soul, R&B
>>> O silêncio dos intelectuais
Mais Recentes
>>> Rogai por Nós Agora e na Hora da Nossa Morte de Biba Arruda pela Gente (1999)
>>> Napló 1968 - 1975 de Márai Sándor pela Vorosvary Publishing (1968)
>>> Tributo ao Mercado - Desequilibrio Concorrencial de Etco pela Saraiva (2010)
>>> História Em Aberto - a Revolta da Vacina de Nicolau Sevcenko pela Scipione (1993)
>>> Bacharéis Criminologistas e Juristas de Marcos César Alvarez pela Ibccrim
>>> Ever After High - Vilania Geral de Suzanne Selfors pela Salamandra (2015)
>>> Português- nos Dias de Hoje 7 de Faraco; Moura e Campopiano pela Leya (2015)
>>> Macht Und Herrschaft in Der Bunderepublik de Urs Jaeggi pela Fischer
>>> A Cidade e as Serras de Eça de Queirós pela Núcleo (1994)
>>> O Diário de Bordo do Etevaldo de Anna Muylaert pela Companhia Das Letras (1995)
>>> Mensagens de Luz por Chico Xavie de André Luiz por Chico Xavier pela Interágil Comunicação (1978)
>>> Os Melhores Jornais do Mundo de Matias M. Molina pela Globo (2007)
>>> A Vida Não É Real de Francisco de Assis Brasil pela Clube do Livro (1976)
>>> Os 100 Segredos das Pessoas Felizes de David Niven pela Sextante (2001)
>>> Michaelis Pequeno Dicionário - Espanhol Português - Português Espanhol de Michaelis pela Melhoramentos (1992)
>>> O Livro dos Monstros de Fran Parnell e Sophie Fatus pela Companhia Das Letras (2011)
>>> Sinopses Jurídicas - Direito das Coisas Volume 3 de Carlos Roberto Gonçalves pela Saraiva (1997)
>>> Regulamento do Hospital de Niversindo Antonio Cherubim pela Edições Loyola + Sao Camilo (2011)
>>> O Enigma do Quatro de Ian Caldwell; Dustin Thomason pela Planeta do Brasil (2005)
>>> O Silêncio dos Amantes de Lya Luft pela Record (2008)
>>> História de Sinais de Luzia Faraco Ramos pela Ática (1992)
>>> Sou Insensato de Cristovam Buarque pela Garamond (2007)
>>> Pelé, a Autobiografia de Edson Arantes do Nascimento pela Sextante (2006)
>>> As Constituições Imperiais Como Fonte do Direito Romano de Acacio Vaz de Lima Filho pela Ícone (2006)
>>> O Diário de Bridget Jones de Helen Fielding; Beatriz Horta pela Record (1998)
COLUNAS

Segunda-feira, 19/3/2007
A Letras, como ela é?
Verônica Mambrini

+ de 6600 Acessos
+ 8 Comentário(s)

Tudo de novo: fazer matrícula, aula magna, mais uns bons anos por aí lendo muitas xerox, alguns fins-de-semana escrevendo trabalhos, artigos, análises, ensaios. Pontinha de inveja daqueles que antes de acabar a faculdade já estão com a pós-graduação engatilhada e sabem exatamente o querem fazer da vida. Incrível eu não saber, porque antes da faculdade eu tinha certeza absoluta de que pós eu queria. Agora que eu me formei — faz um ano — não sei mais nada. E não é que eu não queira me especializar. Meu problema é que eu quero me especializar em tudo. Eu sempre tive uma dificuldade em circunscrever limites para meus campos de estudo, lazer... Drummondianamente, o mundo é vasto, mas mais ainda é meu coração.

Fiz Cásper Líbero, e meu curso passou pelo pior ano dos últimos anos do curso de jornalismo. A saber, foi 2003, ano em que houve uma crise política (um eufemismo para a guerra de egos que tomou conta da coordenadoria do curso), greve, professores se demitindo em massa. O que sobrou foi um bando de alunos desestimulados, um punhado de professores que continuaram dando suas aulas como se nada tivesse acontecido e muitos substitutos convocados às pressas para substituir os desfalques, que praticamente improvisaram as aulas até o fim do ano. Trazidos diretamente do mercado para a sala de aula, os professores substitutos "pegaram o bonde andando", sem necessariamente terem uma vocação ou talento especial para dar aulas (formação específica para isso, então, nem pensar). Mesmo sendo um curso considerado muito bom pelo mercado, não consigo me lembrar de nenhum formando do meu ano satisfeito com a formação casperiana. Eu certamente não estou.

No fim, resolvi prestar vestibular de novo. Acabei passando: Letras, na USP. O que eu espero de uma segunda faculdade, na FFLCH (Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas)? Formação humanística. Ainda que a melhor parte da Cásper Líbero tenham sido as aulas teóricas, como Sociologia da Comunicação e Comunicação Comparada (dadas por professores de carreira que têm uma noção vagamente melhor do que fazer com aquelas dezenas de pessoas acomodadas em carteiras a cada aula), a sensação ao terminar o curso é que tudo falta: referenciais técnicos e teóricos. As maiores ferramentas para filtrar, entender e alterar o mundo ainda não foram dominadas. Então resolvi procurar mais algumas, num outro campo.

Véspera da primeira aula e nada da sensação de tout nouveau, tout beau que eu esperava. Domingo à noite, resolvo dar uma espiada na pequena pilha de papéis que me entregaram no momento da matrícula. O primeiro é um boletim do "Comitê Contra a Repressão e pelas Liberdades Democráticas", que recebi antes mesmo de efetivamente me tornar aluna, na fila da matrícula. Relata repressão em campi de várias universidades, sem dispensar um tom irônico e dramático na maior parte dos textos. Diz o boletim que alunos estão sendo presos por pichações políticas. Festas estão sendo proibidas. E reclamam ainda de "grades, câmeras, punições, segurança privada e PM". As catracas e carteiras de identificação também são vilanizadas. A sensação é de que não saímos mesmo da repressão ditatorial miliar de décadas atrás... mas ao mesmo tempo, leio nos jornais e escuto comentários de amigos sobre estupros e assaltos na Cidade Universitária. Certamente os alunos perderam a batalha: algumas mudanças são irrefreáveis; mas, pior ainda, me parece que as reivindicações estão erradas. A teia social é mais complexa do que situar a segurança privada num extremo do mal. É ruim precisar de segurança privada — é o fim de mais um espaço público que conversava com a comunidade livremente. Mas é ainda pior que os próprios alunos ataquem o paliativo em vez da doença... um verdadeiro tiro no pé por burrice.

Boas-vindas de papel
No meio da papelada inicial, recebi um simpático "Manual do Calouro". Algumas informações úteis, mais um pouco de protesto e raivosas reivindicações do movimento estudantil, e uma porção de erros de português. Ao identificar os deslizes, fiquei chocada. Na seqüência, me reprimi. Passou pela a cabeça a idéia de que talvez seja proposital, de que se esteja adotando uma variante da língua que não a norma culta. Depois a idéia me pareceu absurda. No fim, ainda não cheguei a uma conclusão. Os "erros" não me parecem deliberados; mas na primeira semana, assisto à primeira aula de Introdução à Língua Portuguesa, que promete estudar e valorizar as diferentes formas de usar o idioma, adequadas aos mais diferentes contextos. Fico com a severa impressão de que o mais adequado para o manualzinho era linguagem jornalística, mas lembro que a faculdade de jornalismo doutrina o uso da linguagem de uma forma quase fascista. Melhor deixar para pensar nisso semestre que vem.

(Acabou caindo na minha mão o manual dos calouros da Mauá, faculdade de engenharia em que meu irmão acaba de ingressar. Ele passou os últimos meses repetindo o bordão de cursinho pré-vestibular "errar é humanas" de forma irritante, cada vez que via um erro — de digitação que fosse — em jornais e revistas que lhe caíam na mão. Claro que pululam problemas de ortografia, concordância e afins no manual feito pelos alunos da faculdade dele. Perguntei se ele queria que eu revisasse. Ele não quer. Disse que "engenharia é assim mesmo, não precisa saber falar português". E arrematou: "Além disso, vão me zoar se eu tentar corrigir". Tem algo de errado com as visões de mundo.)

Passo para o próximo folheto: agora um informativo oficial da FFLCH, de boas-vindas aos ingressantes. O português é impecável. A diagramação, elegante, embora pouco moderna. Mas tão ilegível quanto o anterior! O problema, dessa vez, é o texto pesado, com um vago cheiro de ácaros de biblioteca. Arrastado, sisudo. Precisa ser assim para atender à norma culta? Por que esse abismo aparentemente intransponível?

Não dá para saber até onde os problemas são endêmicos de cada faculdade (na minha experiência, jornalismo na Cásper Líbero e agora, ainda que bem recente, Letras na USP) porque não há avaliações, raios-x confiáveis do ensino superior no Brasil. Não posso generalizar, mas em conversas com estudantes de ensino superior, não vejo grandes diferenças. As expectativas caem por terra, no máximo, até o fim do segundo ano.

Vale lembrar que esse texto não é uma transposição da radiografia que meu editor neste Digestivo, Julio Daio Borges, fez da Politécnica no texto célebre "A Poli como ela é", — que no próximo setembro completa dez anos. É muito mais uma inquirição pessoal do que se pode esperar do ensino superior, filtrado pela minha experiência pessoal. "A Poli como ela é", de qualquer modo, continua uma referência para se pensar na faculdade desde linhas gerais (como a grade curricular) ao cotidiano (como o problema de salas sem ventilador ou banheiros em estado lamentável). Até porque com uma semana de curso, se percebe muita coisa no ar, mas não se pode afirmar nada. Ou quase nada: por um erro nos programas da primeira semana distribuídos aos calouros e pregados nas paredes, foi divulgado que Antonio Candido daria as aulas inaugurais aos dois períodos (matutino e noturno). Na verdade, era apenas uma aula para as duas turmas, no matutino, que eu perdi. Com um pouco de sorte, posso tentar ver de novo ano que vem, se Candido repetir a palestra inaugural. Diz muito, não?

Apesar de algumas dificuldades que já sinalizaram que devem me acompanhar por um bom tempo (como a infra-estrutura kafkiana, que burocratiza e atrasa tudo), eu acho que esse curso vai ser legal. Me desejem boa sorte nesses próximos quatro, cinco anos?


Verônica Mambrini
São Paulo, 19/3/2007


Mais Verônica Mambrini
Mais Acessadas de Verônica Mambrini em 2007
01. Por onde andam os homens bonitos? - 17/12/2007
02. 453 – São Paulo para gregos e troianos - 29/1/2007
03. A Letras, como ela é? - 19/3/2007
04. A Arte da Entrevista - 8/10/2007
05. Insuportavelmente feliz - 17/9/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
13/3/2007
12h05min
Verônica, boa sorte mesmo! A USP parece ainda mais embolorada do que a UFMG, onde me formei, e muito bem, em Letras. Concluo o doutoramento este ano, mas ainda me lembro de que grande parte do que aprendi e das boas experiências que tive não foram em sala de aula, mas nos gabinetes dos professores, em conversas e atividades na companhia deles. É um universo diferente daquele das aulinhas. Outra grande parte do que me pareceu interessante e formativo pintou porque eu procurei. Teria procurado (e encontrado) nas bibliotecas do campus, na Internet, numa universidade privada ou pública. Tanto faz. Mas há coisas inteligentes que só uma universidade pública se preocupará em fazer e oferecer bem-feito (cursos de Letras, por exemplo). Encontre seu caminho apesar de professores, banheiros, cantinas, traças, retroprojetores emperrados. Isso não é o principal. Mais bacana é ter Antônio Cândido como professor. Mais ninguém tem.
[Leia outros Comentários de Ana Elisa Ribeiro]
19/3/2007
09h02min
Fique chocada ao ler o texto pois meu sonho é fazer Letras na USP mas tudo bem... Bom, eu também faço Letras... Estudo na UCDB (Universidade Católica Dom Bosco). No 1º semestre tive a oportunidade de ter Raquel Naveira como ilustre professora, até ela ser convidada a trabalhar na UFRJ... Já no 2º semestre tive Latim e Mitologia, matérias essas que revolucionaram minha visão sobre o curso... Atualmente estou caminhando no 3º semestre, apaixonada pela Literatura Brasileira, Lingüística e Filosofia... Engraçado que eu estou gostando do curso mais do que eu esperava...
[Leia outros Comentários de Aline Nogueira]
22/3/2007
10h26min
Verônica, vc tem coragem mesmo. Se fazer uma faculdade já é um ato de heroísmo, duas, então... acho que deveriam condecorar os que se aventuram em empreitadas como essa. E não é só pelo mais completo estado de indigência do ensino superior, ou pela burocracia que nos sufoca ou mesmo pela estupidez de reitores e professores, mas sim pelo enorme vazio que as faculdades hoje nos proporcionam. Desejo-te sorte!
[Leia outros Comentários de Diogo Salles]
26/3/2007
07h07min
Verônica, sei que conselho não vale nada, mas acho meio perda de tempo para uma pessoa empreendedora, curiosa, e criativa fazer uma segunda faculdade. O que você como todo mundo precisa é de um espaço para estudar e pensar, não de uma repartição pública encarregada de elaborar grades horárias e expedir diplomas. Se quer continuar estudando, considere uma pós graduação, que pode ser menos amarrada. E se a USP sugerir que "pós não é para pessoas de outra área, tem que fazer a nossa graduação primeiro", pense em estudar fora, o pessoal do Digestivo vai confirmar que serve mais para abrir as idéias do que qualquer curso da USP...
[Leia outros Comentários de F Pait]
26/3/2007
08h50min
Verônica, sorte acredito não ser necessário pois você é muito inteligente e esperta para sobrepor tudo isso. Não pense que és a única a penser, refletir, trocar idéias quando o assunto é a educação. Quantos de você existe neste país? Quantos de nós temos idéias e ideais tão parecidos? Por que o ensino é tão "obsoleto"? Porque simplesmente só aprende quem quer e só se ensina aqueles que "gostam" de ensinar e ver seus "alunos" se destacarem e levar o seu "conhecimento" ao próximo. Faculdade é apenas "abertura de mente" pois os nossos dias, o nosso coditiano não "ensina" muito mais do que aparenta ser. O digestivo além de ser um meio de comunicação, é também um meio de educação. Sim, um meio de educação onde se "aprende" conversando. E não se esqueça de que bar tembém é cultura. Não desista pois sempre haverá alguém para ensinar e a aprender. Um abraço, Reinaldo Santana
[Leia outros Comentários de reinaldo]
30/3/2007
01h53min
Me formei em Odontologia e agora faço Letras (UFMG). Não tentaria vestibular em nenhum outro lugar, a não ser em Recife, na UFPE e na UFES, em Vitória. Bom, concordo com o F Pait e acho, ainda, que não é necessário ir para a faculdade de Letras para escrever. Mas estar ali dá prazer... na pós ou na graduação, sempre é válido, não creio que seja perda de tempo. Viajar, estudar fora (fora do Brasil ou mesmo dentro do nosso país, fora do estado de origem) certamente ensina demais. O que a gente nunca vai aprender, mesmo com 15 graduações, é que a felicidade não existe. Por isso a gente continua correndo atrás dela.
[Leia outros Comentários de Juliana]
30/3/2007
22h51min
Verônica, vou me ater ao seu texto. Lamento informar que essa sensação de desnorteamento não vai mais passar. Com a cultura que vem vindo, o relativo sucesso profissional e a vida pessoal que vai andando, você deixa essa sensação se atenuar... mas é só. Na realidade, penso que é uma constante, hoje, não nos sentirmos preparados: para prestar vestibular, para ingressar na faculdade, para sair dela, para trabalhar, para casar, para sair de casa, para ter filhos etc. Assisti aulas na Letras, ainda no tempo da Poli. Não gostei de tudo o que vi. Não prestaria. Prestei Filosofia, como te contei, e não consegui continuar. As prioridades são outras... Você resolve ir adquirindo cultura "como todo mundo", à medida em que dá. Não tem tempo, mais, de “parar” e fazer uma faculdade. É triste, mas é verdade... A frustração nesse âmbito, como em outros tão importantes, é incurável. O “consolo” é que, reclamando, estamos fazendo alguma coisa. Pelos outros. Em setembro, falo mais a respeito. Nunca acaba... Boa sorte, sempre! Julio
[Leia outros Comentários de Julio Daio Borges]
6/4/2007
15h07min
À Verônica e outros que possam interessar. A comunicação e expressão é algo difícil de realizar. Todos os minutos de nossa vida tentamos nos comunicar e não somos entendidos. Desde que o mundo é mundo (desculpe a redundância) o homem tenta se comunicar e através deste recurso concretizar seus objetivos. Para finalizar este texto reflita sobre esta mensagem. "O conhecimento é vaidade, tudo é vaidade" (Salomão, em Eclesiastes). Quando passamos a entender uma língua adquirimos uma mente crítica e passamos a julgar tudo que lemos e ouvimos. Verônica acredito que o verdadeiro pensador, educador já está em voce, pois ao nos decidirmos cursar letras já temos dentro de nós 90% da realização. Continue lendo, ouvindo, criticando porque na verdade você está exercitando, vivendo letras mais do que nunca. Um abraço, Moacyr.
[Leia outros Comentários de Moacyr Félix de Lima]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Turismo Religioso Ensaios Antropológicos Sobre Religião e Turismo
Edin Sued Abumanssur
Papirus
(2003)



A Oração
Papa Francisco; Sandra Martha Dolinsky
Benvira
(2013)



Era Lisboa e chovia
Dário Moreira de Castro Alves
Nórdica
(1984)



O Maníaco Magee - Lendas Não Nascem Feitas, São Criadas
Jerry Spinelli
34
(2012)



A morena da estação
Ignácio de Loyola Brandão
Moderna
(2010)



Os 50 Hábitos Altamente Eficazes do Vendedor Pit Bull
Luis Paulo Luppa
Landscape
(2006)



O Jeito Apple de Fazer Design (lacrado)
John Edson
Saraiva
(2013)



Textos Sentidos, Leituras e Circulação
Maria Flávia Figueiredo e Outros (org)
Unifran
(2014)



Chico, Eu e a Oitava Séria
Lino de Albergaria
Saraiva
(2010)



Anúncios de serviços de prostituição em cafetões
Israel Neich
The EU
(2006)





busca | avançada
56027 visitas/dia
1,8 milhão/mês