Insuportavelmente feliz | Verônica Mambrini | Digestivo Cultural

busca | avançada
46447 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Novo livro de Vera Saad resgata política brasileira dos anos 90 para destrinchar traumas familiares
>>> Festival de Cinema da Fronteira e Sur Frontera WIP LAB abrem inscrições
>>> O Pequeno Príncipe in Concert
>>> Estreia da Orquestra Jovem Musicarium ocorre nesta quarta, dia 21, com apresentação gratuita
>>> Banda Yahoo se apresenta na Blue Note SP
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
>>> The Nothingness Club e a mente noir de um poeta
>>> Minha história com o Starbucks Brasil
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jensen Huang, o homem por trás da Nvidia (2023)
>>> Philip Glass tocando Opening (2024)
>>> Vision Pro, da Apple, no All-In (2024)
>>> Joel Spolsky, o fundador do Stack Overflow (2023)
>>> Pedro Cerize, o antigestor (2024)
>>> Andrej Karpathy, ex-Tesla, atual OpenAI (2022)
>>> Inteligência artificial em Davos (2024)
>>> Bill Gates entrevista Sam Altman, da OpenAI (2024)
>>> O maior programador do mundo? John Carmack (2022)
>>> Quando o AlphaGo venceu a humanidade (2020)
Últimos Posts
>>> Sem noção
>>> Ícaro e Satã
>>> Ser ou parecer
>>> O laticínio do demônio
>>> Um verdadeiro romântico nunca se cala
>>> Democracia acima de tudo
>>> Podemos pegar no bufê
>>> Desobituário
>>> E no comércio da vida...
>>> HORA MARCADA
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A Loja de Tudo - Jeff Bezos e a Era da Amazon, de Brad Stone
>>> De perto, ninguém é normal
>>> 14 de Outubro #digestivo10anos
>>> Scott Henderson, guitarrista fora-de-série
>>> O primeiro parágrafo
>>> O prazer da literatura em perigo
>>> Aulas de filosofia on-line
>>> Mezzo realidade, mezzo ficção
>>> Telemarketing, o anti-marketing dos idiotas
>>> Esquema Dilma opta por Russomano
Mais Recentes
>>> O Poder Do Subconsciente de Dr Joseph Murphy pela Best Seller (2015)
>>> A Viagem de Uma Alma de Peter Richelieu; Nair Lacerda pela Pensamento (2011)
>>> Conversando Sobre Mediunidade: Retratos de Alvorada Nova de Cairbar Schutel; Abel Glaser pela O Clarim (1993)
>>> O Homem em Busca de Deus de Torre de Vigia pela Watch Tower (2015)
>>> Eu Posso e Sou Capaz de Rosalino X. de Souza pela Da Autore
>>> As Provas do Nosso Amor a Deus de Márcio Valadão pela Batista da Lagoinha
>>> Conheça o Deus Verdadeiro de J. E. Lourenço; S. Vilarindo Lima pela Ibcb (1987)
>>> Orixás, Caboclos e Guias: Deuses ou Demônios Evangélico de Edir Macedo pela Unipro (2019)
>>> Palamanda: Quando as Deusas se Vingam de Omar Carvalho pela Comunicação (1983)
>>> Sofrimento e Paz para uma Libertação Pessoal de Inácio Larranaga; José Carlos Corrêa Pedroso (trad.) pela Vozes (1988)
>>> Demian de Herman Hesse; Ivo Barroso (trad.) pela Record
>>> O Poder Oculto de Pe. Reginaldo Manzotti pela Petra (2019)
>>> Os Pilares da Terra: Volume 2 de Ken Follett; Paulo Azevedo (trad.) pela Rocco (1992)
>>> A Missa Parte por Parte de Luiz Cechinato pela Vozes (1993)
>>> Missionário de Amor, Luz e Redenção de Frei Rogério Neuhaus pela Da Autore (1997)
>>> Amor e Mudança de Júlio Cesar Faria Machado pela Fênix (1996)
>>> Terra à Vista: Descobrimento ou Invasão? de Benedito Prezia; Osvaldo Sequetin (ilustr.) pela Moderna (1992)
>>> A Filha do Feiticeiro: Uma Lenda Viking de Chris Conover; Sergio Flaksman (trad.) pela Ática (1996)
>>> Sexo para Adolescentes de Marta Suplicy; Paulo Freire (pref.) pela Ftd
>>> Las Botas de Siete Leguas de Christian Perrault pela Edic
>>> Venecia Guía Fotográfica de Loretta Santini pela Fotorapidacolor Terni (1973)
>>> Guia de Cadastramento de Famílias Indígenas de Cidadania pela Mds Senarc (2010)
>>> Flausino Vale: 1894/1954 de Jerzy Milewski pela Europa (1985)
>>> Ócio: Poesia e Provocações: Capa Dura de Mauro Felippe; Rael Dionisio pela Urussanga (2016)
>>> Caças a Jato: Aviões Supersônicos de Alfredo Guilherme Galliano; José Américo Motta Pessanha pela Abril Cultural (1975)
COLUNAS >>> Especial Auto-ajuda

Segunda-feira, 17/9/2007
Insuportavelmente feliz
Verônica Mambrini
+ de 7400 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Outro dia, discuti com uma pessoa. Discordamos, e rapidamente a alternância entre sarcasmo e respostas agressivas virou um bate-boca. Não me importo muito com embates e cada vez menos me altero com eles. Por outro lado, a pessoa gritava cada vez mais alto, me insultava e acabou me ameaçando. Quase levei uma bofetada. O motivo da discussão era pífio, o que é comum no mundo do estresse em que a maior parte das pessoas socialmente integradas vive. Ironicamente, um pouco antes, na mesma tarde, vi a pessoa em questão entretida com a leitura de Inteligência Emocional, best-seller de Daniel Goleman, PhD, que defende a tese de que o sucesso pessoal depende muito mais da capacidade de ser gentil e amável nos relacionamentos do que da capacidade intelectual das pessoas.

Ela lia por que achava que precisava desse tipo de livro? Ou por outro motivo qualquer?

Livros de auto-ajuda são de uma canalhice quase inconcebível. Voltam-se a pessoas carentes, doentes da alma ou ambiciosas, com sede de sucesso. Não duvido do poder deles, já que a maioria se baseia no conceito da mentalização: é preciso ver a coisa feita na mente antes que aconteça na realidade. Mas duvido que seja preciso escrever tantos livros, com variações das fórmulas de sucesso, para descobrir isso. Tento me cercar de pessoas agradáveis e, se possível, otimistas. Ou de pessimistas inteligentes, e sei que é cada vez mais difícil achá-los. Nossa era padece de um mal terrível: a obrigação de ser feliz. Insuportavelmente feliz.

Meu avô trabalhava na Sears, loja de departamentos de que os mais velhos vão se lembrar. Nessa época, uma pessoa como ele podia ser feliz, simplesmente. Ele não tinha estudado até o nível superior, mas a formação técnica lhe dava um trabalho capaz de suprir as necessidades de sua família, uma esposa linda e amada, três filhos inteligentes e saudáveis, uma casa confortável, ainda que sem luxos. Não sei se no íntimo meu avô era feliz, mas quando eu era criança, brincávamos em parquinhos, ele me ensinou a reconhecer canto de sabiá e de bem-te-vi, fazer dobraduras, ouvir histórias e amar cavalos (ele era viciado nas corridas do Jóquei, embora não apostasse). Não acho que uma pessoa infeliz fique satisfeita com esses pequenos prazeres; pelo contrário, mal consegue se dar conta de que eles existem. E isso é o mal de uma época: por processos midiáticos, econômicos e sociais, tudo é ambição e expectativa. No plano profissional, por exemplo, ter um emprego e salário digno não bastam: é preciso ser realizado. E a mesma ciranda roda em todos os aspectos da vida.

Muitas palavras-chave fazem o inferno da vida contemporânea: fama, poder, motivação, reconhecimento, independência, liberdade, sucesso, amor. Um ciclo de esforços infindável se desenrola: faculdade, cursos de idiomas que nunca serão praticados, pós-graduação, aparelhos eletrônicos sofisticadíssimos e que logo serão obsoletos, redes de relacionamento virtuais, maquiagens, o par perfeito, o relacionamento afetivo sem tremores, álbuns de viagens com fotos de lugares descolados, horas de malhação na academia e tratamentos estéticos. Tudo isso para quê? Para satisfazer a quem? Não sou uma adepta voraz da vida simples nem neohippie à deriva. Mas acredito que os livros de auto-ajuda são um efeito colateral de uma sociedade que está tão imersa em seus processos de evolução que não se dá conta de que eles existem. Assimilar a criação social que nos cerca como um fato natural é perigoso. Perde-se a consciência de si e do outro, e há o sentimento de ânsia permanente. Nada mais lógico, portanto, do que buscar uma resposta qualquer para a vida que parece tão sem sentido, tão à espera de que algo mais finalmente aconteça.

Dou a cara à tapa, contudo: li um livro muito interessante, que abriu meus horizontes. Era de auto-ajuda financeira: Mulheres boazinhas não enriquecem, de Lois P. Frankel. Não espero enriquecer por causa dele, mas pelo menos percebi porque o dinheiro não pára na minha mão. A tese central do livro é que as mulheres não valorizam o dinheiro e carreira em causa própria, e sim com a finalidade de cuidar das pessoas amadas e lhes proporcionar bem-estar. Descrições de alguns padrões de comportamento femininos, puras e simples, acompanhadas de dezenas de exemplos e dicas práticas, me pareceram sensatos e razoáveis, factíveis. Além de adaptáveis a vários tipos de problemas, desde sair do vermelho no cartão de crédito a como pleitear um salário mais condizente com as qualificações profissionais. Desse, gostei bastante.

Em termos de auto-ajuda emocional, ficção me parece muito mais eficaz do que os guias que forram as prateleiras das livrarias. A literatura é cheia de histórias capazes de mudar o ser humano. O dilema de Antígona, na tragédia grega, entre atender a um dever de Estado e deixar o irmão insepulto, ou cumprir a obrigação familiar e os costumes e prover-lhe um enterro, me valeu por anos de terapia e vários tratados de ética. Mais recentemente, encontrei um verdadeiro refrigério moral e emocional na série de TV House. O personagem principal é um médico que faz escolhas nos planos pessoal e profissional extremamente radicais, fundadas num sistema de valores complexo e pessoal. O ganho que a série me trouxe (como fizeram vários livros, discos e filmes) foi uma percepção nova sobre minha realidade. Livros de auto-ajuda trazem respostas; a arte geralmente traz perguntas. Por escolha pessoal, fico com a arte.

A auto-ajuda se baseia um mundo irreal onde tudo pode dar certo, onde perder não é uma opção. Não me parece uma opção para evoluir e amadurecer, embora muitas vezes esses livros estejam recheados de boas dicas pessoais e profissionais. Vale a pena buscá-las, é um paliativo tão útil como assistir Top Hat, musical de 1935. A cena em que Ginger Rogers e Fred Astaire dançam ao som de "Cheek to Cheek" é capaz de curar, por cinco minutos que seja, qualquer ferida na alma. Não à toa, é com essa cena que termina A Rosa Púrpura do Cairo, filme de Woody Allen em que Cecília, a personagem de Mia Farrow, volta a ter esperança depois de ter sua vida arrasada, com essa tomada. O filme é um acalanto, uma resposta a um país em crise. Mas muito mais do que de respostas, o ser humano precisa de perguntas, que os livros de auto-ajuda nunca trarão.


Verônica Mambrini
São Paulo, 17/9/2007

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Paris branca de neve de Renato Alessandro dos Santos
02. Meus melhores discos de 2008 de Rafael Rodrigues
03. Blog precisa ser jornalismo? de Rafael Fernandes
04. O Gmail (e o E-mail) de Julio Daio Borges
05. Apesar de vocês de Alexandre Petillo


Mais Verônica Mambrini
Mais Acessadas de Verônica Mambrini em 2007
01. Por onde andam os homens bonitos? - 17/12/2007
02. 453 – São Paulo para gregos e troianos - 29/1/2007
03. Insuportavelmente feliz - 17/9/2007
04. A Letras, como ela é? - 19/3/2007
05. A Arte da Entrevista - 8/10/2007


Mais Especial Auto-ajuda
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
12/9/2007
12h17min
Verônica, ótimo texto. Seus questionamentos são importantíssimos. Nosso mundo de hoje é repleto de frases feitas, idéias pasteurizadas e soluções mágicas para tudo. Falta reflexão. É muito mais fácil abraçar uma idéia alheia do que ter uma própria. Eu também não gosto desses livros de auto-ajuda, pois são vazios e pueris.
[Leia outros Comentários de Diogo Salles]
17/9/2007
21h10min
Veronica, ótimo e oportuno; o massacre da auto-ajuda tem conexão direta com este altíssimo nível de exigência que o mundo vem exigindo atualmente. Vira e mexe ecoa na minha cabeça a abertura do "Poema em linha reta" (Fernando Pessoa via Álvaro de Campos), e vejo que vivemos num mundo de invencíveis e quando a equação real não fecha somos sufocados pelo que de fato somos; então tome auto-ajuda, prozac e toda sorte de venenos antimonotonia como dizia o poeta. A felicidade que conhecemos através dos nossos pais e avós está desfigurada pelo fervor capitalista que insiste que tudo tem um preço. O que mais gostei foi a sua sensata reflexão sobre a necessidade de desvendar (questionar), que foi substituida pela ânsia do esclarecimento (resposta), que nos transformou numa sociedade monocórdia, de tendências e juízos emprestados. Acredito também que a arte é um dos poucos caminhos do diálogo possível, principalmente pelo seu caráter único que não se presta a servir nenhum estereótipo. Um grande texto.
[Leia outros Comentários de Carlos E. Oliveira]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Arte de projetar em arquitetura
Ernst Neufert
Gustavo Gili



Charlotte Street
Danny Wallace
Novo Conceito
(2012)



Método de Guitarra
Fernando Azevedo
Bruno Quaino
(2007)



Férias em Crome
Aldous Huxley
Livros do Brasil Lisboa



Comunicação no Plural Estudos de Comunicação no Brasil e na Itália
Maria Immacolata Vassallo de Lopes
Educ
(2000)



A Dieta Do Abdômen
David Zinczenko
Sextante



Livro Literatura Estrangeira Istambul Memória e Cidade
Orhan Pamuk
Companhia das Letras
(2007)



Maschere Nude
Luigi Pirandello
A. Mondadori
(1938)



Sexo - O Prazer Sem Limites - Livro de Bolso
Graham Masterton
Ediouro
(1999)



Ética Empresarial
Robert Henry Srour
Campus
(2003)





busca | avançada
46447 visitas/dia
1,8 milhão/mês