Lennon engano | Guga Schultze | Digestivo Cultural

busca | avançada
84380 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Novo livro de Nélio Silzantov, semifinalista do Jabuti de 2023, aborda geração nos anos 90
>>> PinForPeace realiza visita à Exposição “A Tragédia do Holocausto”
>>> ESTREIA ESPETÁCULO INFANTIL INSPIRADO NA TRAGÉDIA DE 31 DE JANEIRO DE 2022
>>> Documentário 'O Sal da Lagoa' estreia no Prime Box Brazil
>>> Mundo Suassuna viaja pelo sertão encantado do grande escritor brasileiro
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
Colunistas
Últimos Posts
>>> Glenn Greenwald sobre a censura no Brasil de hoje
>>> Fernando Schüler sobre o crime de opinião
>>> Folha:'Censura promovida por Moraes tem de acabar'
>>> Pondé sobre o crime de opinião no Brasil de hoje
>>> Uma nova forma de Macarthismo?
>>> Metallica homenageando Elton John
>>> Fernando Schüler sobre a liberdade de expressão
>>> Confissões de uma jovem leitora
>>> Ray Kurzweil sobre a singularidade (2024)
>>> O robô da Figure e da OpenAI
Últimos Posts
>>> Salve Jorge
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
>>> Ícaro e Satã
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Feliz Natal, Charlie Brown!
>>> O dinossauro de Augusto Monterroso
>>> Marketing de cabras
>>> Simplesmente tive sorte
>>> Sete tecnologias que marcaram meu 2006
>>> Maria Helena
>>> Sombras
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Aconselhamentos aos casais ― módulo II
>>> Perfil (& Entrevista)
Mais Recentes
>>> Tumular de Thunder Dellú pela Avec (2021)
>>> A Canção de Bêlit - Tomo 1: A Tigresa e o Leão de Rodolfo Martínez & Robert E. Howard pela Avec (2021)
>>> A Liga Extraordinária apresenta: Nemo As Rosas de Berlin de Alan Moore pela Devir (2018)
>>> O Diabo no Corpo de Raymond Radiguet pela Brasiliense (1985)
>>> O Amante de Lady Chatterley de D. H. Lawrence pela Companhia Editora Nacional (1985)
>>> Meu Coração Desnudado de Charles Baudelaire pela Nova Fronteira (1981)
>>> As Crias de Hastur - A Irmandade do Olho do Corvo - Tomo I de A. Z. Cordenonsi pela Avec (2021)
>>> Artemis Fowl O Menino Prodígio do Crime de Eoin Colfer pela Record (2001)
>>> História de Mayta de Mario Vargas Llosa pela Francisco Alves (1984)
>>> Superman & Batman As Duas Faces da Justiça (três edições. completa) de Karl Kesel e Dave Taylor pela Abril (2002)
>>> Multiverso Pulp Vol. 1: Espada e Feitiçaria de Duda Falcão (org.) pela Avec (2020)
>>> O Ciclope de Eurípedes pela Ofícios Terrestres (2021)
>>> Defensores nº 2 de Joe Kelly. Kano e Phil Jimenez pela Abril (2002)
>>> As Rãs de Mo Yan pela Companhia das Letras (2015)
>>> Linguagem Jornalística de Nilson Lage pela Ática (2003)
>>> DC Especial nº 8 - Poderosa de Paul Kupperberg e Mary Wilshire pela Abril Jovem (1991)
>>> The Demon-Haunted World - Science as a candle in the dark de Carl Sagan pela Headline (1997)
>>> Auto da Barca do Inferno de Gil Vicente pela Saraiva (2008)
>>> A Fábrica Automática e a Organização do Trabalho de Angelo Dina pela Vozes (1987)
>>> Cavaleiro das Trevas III A Raça Superior Livro Cinco de Frank Miller, Brian Azzarelo, Andy Kubert pela Panini (2016)
>>> A arte da tese de Michel Beaud pela Best bolso (2018)
>>> Luluzinha Teen e sua turma nº 1 de Renato Fagundes pela Pixel (2009)
>>> Libro tardío del retorno / Le livre lent swa retrouvailles de Julio Heredia pela Bérénice (2004)
>>> Liga da Justiça nº 5 de Mark Waid. Bryan Hitch e Mike S. Miller pela Abril (2002)
>>> Cenas de um Casamento de Ingmar Bergman pela Nórdica (1977)
COLUNAS

Quarta-feira, 14/2/2007
Lennon engano
Guga Schultze
+ de 8500 Acessos
+ 7 Comentário(s)

John Lennon

Eu estava lendon Leno, digo, Leno lenndo, ôpa, lendo Lennon. De novo. De vez em quando dá vontade de reler alguma coisa, como há pouco. Chovia, uma chuva fina, english rain, sem raios que me partam, céus baixíssimos e essa cidade, abençoada com a neblina escura, parecia um novo início da velha era do gelo.

Há muitos anos atrás - a redundância é mais legal - Lennon caminhava nas ruas de Londres. Jovem pagão que o velho Jeová não assustava, que o controvertido Brian talvez admirasse mais do que gostaria, que a loura Cynthia de cabelos amarelos amava. Sem dúvida alguma cheio de indagações, mas não indignado; bochechudo, míope, sem óculos, nos antigos anos sessenta e poucos. Ele e seus poucos camaradas, cabelos como capacetes alemães da II Guerra, numa foto em preto e branco (ou em branco e preto, depende da cor que a gente vê primeiro), indo para a entrada do prédio da rádio BBC.

Lá dentro Lennon recitou uma breve estrofe de um poema obscuro antes de cantar no rádio. Voz áspera, nasal, riso abafado, gozando o apresentador que permitiu porque Lennon já era um beatle entre os Beatles e os Beatles estavam batendo seu martelo na pedra imóvel da ilha.

Pouca gente sabe que John Lennon era um escritor. Ele próprio não pertencia a esse grupo. Nunca se levou a sério. Escrevia "desde sempre" e, como ele mesmo disse, seus dois livros eram uma coletânea de coisas que ele rabiscava desde a escola secundária. Também admitia não ter paciência para uma obra de fôlego maior. Mas o que, afinal de contas, seria um fôlego maior? O livro de Lennon respira tão bem quanto na época em que surgiu, em meados da década de sessenta.

Na verdade foram dois livros: In his own write, título que é um trocadilho, usando a expressão in his own right, que, em português, significaria algo como "em seu legítimo direito". In his own write tem a pronuncia semelhante mas quer dizer "na sua escrita particular", ou algo desse tipo.

A Spaniard in the Works foi o segundo - outro trocadilho ou brincadeira com a expressão a spanner in the works, que significa literalmente uma chave inglesa jogada nas engrenagens de alguma máquina no intuito de danificá-la, um estratagema de operários lutando contra o desemprego ocasionado pelas máquinas da Revolução Industrial, na Inglaterra. A expressão significa algo que está sendo estragado, destruído, um tilt. Lennon troca spanner por spaniard e o humor se instala na figura de um espanhol que não deveria estar ali e que talvez seja mais prejudicial ao bom andamento das coisas do que uma simples chave inglesa. Ele ainda é autor de um terceiro volume, póstumo, Skywriting by the Word of Mouth. Esse eu não li, e talvez não leia nunca, porque nele está a sombra irritante da Yoko Ono.

Nos anos oitenta foi publicada no Brasil, pela Brasiliense, a versão/tradução de Paulo Leminski, Um Atrapalho no Trabalho. Tem a enorme vantagem de ser uma edição bilíngue, atestando o esforço de Leminski em recriar no português a prosa extremamente criativa de John Lennon. É uma coletânea de pequenos contos e poemas onde Lennon se revela um prestidigitador da língua materna. Humor constante, sarcasmo divertido e, por que não, aqui e ali pontadas de dor. Trocadilhos e neologismos aos montes. A crítica (inglesa) pensou ver a influência de Joyce, que Lennon descartou. Não leu Joyce, disse, leu Lewis Carroll.

Millôr Fernandes fez também sua versão de algumas partes do livro. Entre elas o conto de onde o título saiu e que, na tradução do Millôr, ficou como Um Estranhol no Trabalho, o que é um verdadeiro achado. Um dos textos:

"UM CÃO BACÃONO" (John Lennon/ trad. Millôr)

"Era uma vaz, uma voz, uma vez, numa terra ingrata, a Ingraterra, distante do longinqüo, lá afãstada de qualquer proximidade, muito além de montes de montanhas, do mar e de outros assimdentes, um poco mais drá lá di ondi a diaba perdeu as batas, 39 pessoas que ali viviam pazcatamente. Mente ou não mente? Quando e sempre que vinha e xegava a é pouca, muito pouca, da colheita, essa miltidão festejava com festas baca paca. Pereira (Pereira era o prefeito, Pereira era perfeito, prefeira era pereito) fazia sempre um festáço baca paca, pacanáço! E todu anu monstrava sempre uma nuvidade, quase sempre molher noa. Mas desta vez, lá no dinstanti que falhei, Pereira ultra-ultrapassou sipróprio e apresentou um Cão peão de Luta Livre. Mas quem é que ia lutar com esse cão-chorro? Eu? Nunca."

Depois de sua morte John Lennon foi transformado numa espécie de ícone parecido com a pomba da paz. Lennon engano, ledo engano. Pra começar, ele próprio nunca teve isso: paz. John era órfão, na pior espécie de orfandade conhecida. Foi abandonado pelos pais. Perder os pais já é uma experiência terrível pra qualquer criança; ser rejeitado pode ser pior.

Por volta dos dezessete anos de idade, com o pai desaparecido desde sempre, soube que sua mãe morava mais ou menos perto de onde ele próprio morava, a casa de sua tia, Mimi. Começou a se aproximar da mãe (a iniciativa foi dele) que o recebeu até bem. Mas Julia (o nome dela) me parece ter sido dessas (raras) mulheres inaptas para a maternidade. Dizem que era alegre e brincalhona, menos mal, mas, fora os namorados, não queria ninguém pendurado em suas saias. John, a despeito de ser um semidelinqüente juvenil (sic), queria exatamente isso. Imagino o esforço do adolescente áspero, rebelde, experimentando o medo de trazer à tona uma doçura, que era secreta, na tentativa de conquistar a própria mãe. Nessa ocasião, Julia morre, atropelada na rua. Sem comentários.

John cresceu numa cidade portuária, industrial - Liverpool - culturalmente sem significado algum, na época. A saída foi música (rock, música maldita e emergente) e amigos. Um deles, extremamente talentoso, igualmente órfão de mãe, mostrou a John que era possível compor seus próprios riffs de rock n'roll. O resto é história.

Mas há coisas que tendem a ser esquecidas e, uma delas, é a acidez que John desenvolveu - nada mais próximo de uma lima, um limão, lemon, do que Lennon - ele não era uma pessoa fácil. Discutir com ele era praticamente impossível, ele era bom demais nisso e conseguia desmoralizar qualquer um, em particular. Tinha a língua ferina. Teve que se retratar mais de uma vez com a opinião pública e com amigos. Casou-se com uma "boa moça inglesa" (os dois muito jovens ainda) que engravidou, talvez na tentativa de segurá-lo. Conheceu Yoko Ono que o fascinou porque - não sou psicólogo nem pretendo ser, mas aposto minhas fichas nisso - era parecida com a mãe. Fria, condescendente, via o tormento atrás da fachada de Beatle famoso e não dava a mínima. Julia, por exemplo, costumava usar óculos sem lentes e coçar o olho através deles, desconcertando as pessoas. Para Yoko, que era "artista plástica", a arte passava por aí, nessas pequenas performances circenses. John talvez experimentasse com ela o mesmo sentimento que sua mãe lhe despertava. Quem sabe? Não importa mais.

Lennon morreu assassinado por uma das pessoas, mais uma, que ele conseguiu irritar. Deu azar do sujeito ser psicótico. Não há nada de pacífico nisso. Eu estava ouvindo "I'm the Walrus", do Magical Mistery Tour, de 1967(!) e, mais uma vez, considerei a poesia (eu e, pelo menos, Alan Ginsberg, que é para eu não ficar sozinho aqui), tão instigante e poderosa quanto o rock jamais foi. A melodia, sozinha, o arranjo, a produção - ainda são vanguarda, hoje. Notadamente hoje, nessa época de clichês. O escritor está ali, com sua veia cáustica, sua retórica sem frescuras:

"...Yellow matter custard, dripping from a dead dog's eye/ Crabalocker fishwife, pornographic priestess/ Boy, you been a naughty girl you let your knickers down..."

Parafraseando o velho Obi-Wan Kenobi, de Guerra nas Estrelas, quando fala pro jovem Luke Skywalker: "isso foi antes do Império, antes do advento do lado negro da força..." - essa malta de politicamente corretos que querem (e quase conseguiram) transformar o cabo das tormentas em piscina pré-aquecida.

À medida que o tempo passa, acredito que os livros de John Lennon ficarão mais visíveis como boa literatura. Infelizmente tenho que digerir a "fase Yoko". Give peace a chance. Legal. Mas você, meu caro, não era esse homem.


Guga Schultze
Belo Horizonte, 14/2/2007

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Amy Winehouse: uma pintura de Jardel Dias Cavalcanti
02. Amor aos pedaços de Vicente Escudero
03. Troquei meus feeds RSS pelo Twitter de Julio Daio Borges
04. Alterações pernambucanas de Fabio Silvestre Cardoso
05. Onze pontos sobre literatura de Alexandre Soares Silva


Mais Guga Schultze
Mais Acessadas de Guga Schultze em 2007
01. Outra leitura para O pequeno Príncipe - 17/1/2007
02. Pela estrada afora - 14/11/2007
03. Barba e bigode - 4/7/2007
04. Tropikaos - 19/12/2007
05. Lennon engano - 14/2/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
14/2/2007
09h40min
Genial! Maravilha! Adoro John Lennon, mas nunca li nenhum livro seu por, confesso, receio de que não achasse tão rico quanto sua música. Mudei de idéia. Belo texto - sensível e realista. Parabéns. :o)
[Leia outros Comentários de Vitor Diel]
14/2/2007
11h17min
Guga, o mais legal dos seus textos é que você descobre cada coisa incrível. Lennon nunca foi da paz. Essa sua suposição, por exemplo, da Yoko ser comparada à mãe de John Lennon é a mais pura verdade! Descobri mais duas qualidades em você: um investigador à la Holmes e um psicanalista à la Freud. Em tempo: esta ilustração do Lennon também é sua??? Se for, aí meu, você é mais artista do que eu pensava. Valeu!
[Leia outros Comentários de Henrique Boschi]
14/2/2007
12h32min
Só posso dizer mais uma vez, vc foi grande, vc foi bom, vc foi John e Lennon no seu artigo, ou lendo o seu artigo, tenho certeza de que o lado negro da força vai ter que arrepiar muito pra vencer uns caras como ele, como o Tom, como vc. Bj.
[Leia outros Comentários de Adriana]
15/2/2007
10h43min
Caro, Guga. Não tinha paciência para ler sobre o John. Musicalmente ele era mais extrovertido que o Paul. Mas quando abria a boca para dar uma entrevista, hum... tinha o mesmo mau hálito de todos os músicos ingleses. As analogias que vc dá como exemplo são hilárias. O Lennon ficou até interessante e, por um instante, me deu vontade de ler o que ele escreveu. Mas, passou... Aquela tradução do Millôr: aquilo é sério? Abrajos.
[Leia outros Comentários de Caiocito]
16/2/2007
14h45min
Lennon não teve paz. Era tão ácido quanto um limão. Por motivos edipianos casou-se com uma chatonilda... Guga, mais uma vez você nos trouxe novidades, focos diferentes, expostos de maneira especial. Lennon e Elis Regina (que dupla mais estrambólica!!!) eram considerados chatos. Irriquietos, inteligentes e em constante inferno astral. Ainda bem que fizeram da arte válvula de escape. Senão, ninguém iria aguentá-los. Valeu.
[Leia outros Comentários de Bruno Sales]
17/2/2007
16h25min
Entre o fim do mundo e o fim do mês; Entre a verdade e o rock inglês; Entre morsas, hipopótamos, galos e cachorros, existe um gênio de humor ácido, corrosivo e anacrônico. Vida longa ao mestre Lennon, filósofo da juventude e dos maus costumes britânicos! Obrigada pelo texto, Abreijos da Dâni.
[Leia outros Comentários de Dâni Éla Gô Dóy]
2/3/2007
21h23min
Gostei desse texto, já tinha lido o tradução de Leminski, acho-a inventiva. Só que se fosse eu ou algum outro escritor brasileiro que escrevesse textos como aqueles, críticos como você - ou como Millôr Fernandes, que achou Idade da Terra, do Glauber, uma "josta" - jamais publicariam, não é, camarada habitante do Mar da Direita, esse oceano não-assumido...
[Leia outros Comentários de Lúcio Emílio]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Livro Biografia Yves Montand: a Vida Continua
Jorge Semprun
Nova Fronteira
(1983)



A Metamorfose
franz Kafka
Pé da Letra
(2017)



Os Irmãos Inimigos 408
Nikos Kazantzakis
Círculo do Livro



Como Serão as Coisas no Futuro
Richard W. Oliver
Negócio
(1999)



Anna Liza e o Consultório Feliz
Eoin Colfer
Galera Junior
(2017)



Infinito - Série Os Imortais Vol. 6
Alyson Noël
Intrínseca
(2011)



Livro Literatura Brasileira Castelos Tropicais
Clara Baccarin
Chiado
(2015)



Livro Administração Money Boss Você Vai Mandar no Seu Dinheiro!
Marcos Silvestre
Valores Editorial
(2017)



Brasil Nos Arquivos Britânicos E Irlandeses: Guia de Fontes
Oliver Marshall
‎ Centre for Brazilian Studies
(2007)



Gramática Española para Brasileños
Vicente Masip
Parábola
(2010)





busca | avançada
84380 visitas/dia
2,0 milhão/mês