Outra leitura para O pequeno Príncipe | Guga Schultze | Digestivo Cultural

busca | avançada
52947 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> O Buraco d’Oráculo leva dois espetáculos de seu repertório a praça em São Miguel Paulista
>>> Eleições 2022: Bolsonaro ganha no Nordeste e Lula no Sul e Sudeste, mas abstenções ganhará em todo o
>>> Paisagens Sonoras (1830-1880)
>>> III Seminário Sesc Etnicidades acontece no Sesc 24 de Maio nos dias 10, 11 e 12 de agosto.
>>> Longa nacional 'Dog Never Raised' estreia no 50º Festival de Gramado
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Elvis, o genial filme de Baz Luhrmann
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
>>> Sexo, cinema-verdade e Pasolini
>>> O canteiro de poesia de Adriano Menezes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
Últimos Posts
>>> Os chinelos do Dr. Basílio
>>> Ecléticos e eficazes
>>> Sarapatel de Coruja
>>> Descartável
>>> Sorria
>>> O amor, sempre amor
>>> The Boys: entre o kitsch, a violência e o sexo
>>> Dura lex, só Gumex
>>> Ponto de fuga
>>> Leite, Coalhada e Queijo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O Uso do Twitter no Brasil
>>> Górgias, de Platão, por Daniel R.N. Lopes
>>> Brothers Gather Round
>>> Poesia em Fibonacci
>>> Freud pela Companhia das Letras
>>> Parangolé: anti-obra de Hélio Oiticica
>>> Da Poesia Na Música de Vivaldi
>>> O novo sempre vem
>>> Música para olhar
>>> Uma outra visão do jornalismo
Mais Recentes
>>> Mulheres de Marilyn French pela Riográfica (1986)
>>> A Pesada Memória da Noite de Arioto Augusto de Oliveira pela Oficina de Livros (1991)
>>> Livro - Plano Real Pára Ou Continua de Roberto Luis Troster e Marcel Solimeo Edits pela Makron Books (1997)
>>> Tratado de Economia Política de Jean-baptiste Say pela Abril Cultural (1983)
>>> A Economia do Insumo-produto de Wassily Leontief pela Abril Cultural (1983)
>>> Dona Flor e Seus Dois Maridos de Jorge Amado pela Record/altaya
>>> A Evolução do Capitalismo de Maurice Dobb pela Abril Cultural (1983)
>>> Compêndio dos Elementos de Economia Política Pura de Léon Walras pela Abril Cultural (1983)
>>> A Carícia Essencial uma Pisicologia do Afeto de Roberto Shinyashiki pela Gente
>>> Princípios de Economia Política e Tributação de David Ricardo pela Abril Cultural (1982)
>>> Sorrindo de Neymar de Barros pela L Oren
>>> Matemática de Varios Autores pela Saraiva
>>> Férias de Arrepiar de Graziela Bozano Hetzel pela Atual
>>> Antologia de Famosos Discursos Estrangeiros de Não Consta pela Logos
>>> Bausteine Fachdeutsch Fur Wissenschaftler de Julio Gross Verlag Heidelberg pela Pedagogia Universitária
>>> Banco de Henri Charriére pela Círculo do Livro
>>> Galeria Fosca de Erico Verissímo pela Globo
>>> Amiro de Wilma Ary pela Sol
>>> O Gigante de Botas de Ofélia e Narbal Fontes pela Atica
>>> A Escola e a Compreensão da Realidade de Maria Teresa Nidelcoff pela Brasilense
>>> Líder 8 de Não Consta pela Vitória Pública
>>> Sangue Fresco de João Carlos Marinho pela Global
>>> Women in Reformation and Counter-Reformation Europe de Sherrin Marshall pela Indiana University Press (1989)
>>> Livro - o Vingador de Frederick Forsyth pela Record (2004)
>>> Raça Como Questão - história, ciência e identidades no Brasil de Marcos Chor Maio e Ricardo Ventura Santos (ogr.) pela Fiocruz (2010)
COLUNAS

Quarta-feira, 17/1/2007
Outra leitura para O pequeno Príncipe
Guga Schultze

+ de 35300 Acessos
+ 8 Comentário(s)

O Pequeno Principe, aquarela de Saint-Exupery

Mexendo nas minhas estantes - os livros indisciplinados como membros de uma gangue preguiçosa - encontro o pequeno volume, meio rasurado, marcas do tempo sujando a lombada, pequenos rasgos nas pontas e com aquele desenho do menino vestindo uma espécie de fardão da Academia Brasileira de Letras (aquelas famosas aquarelas, tão melhores que tanta coisa por aí).

Faz muito tempo que não o seguro nas mãos; me falta coragem - o pequeno livro atraiu para si o desprezo maciço de intelectuais fajutos (mas intelectuais de qualquer forma) e, pior ainda, de humoristas-intelectuais que apreciam mais, digamos, um Nelson Rodrigues. Através desses caras fomos informados que todas as "misses", todas as moças (que eles gostariam de jogar numa cama) leram na vida esse único livro e choram de emoção só de enunciar o título.

O pequeno Príncipe (Agir, 2006, 94 págs.) gerou uma tsunami de lágrimas que varreu o planeta, desde que foi lançado pouco antes do final da Segunda Guerra Mundial. O poder desse relativamente pequeno manuscrito é assustador: intelectuais se sentem extremamente desconfortáveis olhando para o garotinho louro cuja aparência é uma síntese de todos os símbolos "burgueses" da ternura: cachecóis, pantalonas, sapatinhos delicados, bochechas rosadas, cabelos louros levemente desarrumados; anjinho, em suma. Principezinho. E de lambuja todo o simbolismo do sentimentalismo explícito, aquelas flores, aquelas estrelas, a solidão, o vento, suspiros, a morte que rodeia em silêncio um amor puro (sic) que não terá tempo de se realizar, a gente pressente, não terá outra chance. Mas o texto é bom. É infernalmente bom, é uma areia movediça. A gente afunda fácil. A única alternativa para não ser absorvido é ler depressa, passando os olhos e mantendo em mente que aquilo é piegas mas, se vacilar, se abrandar a marcha, o piegas nos pega.

O texto força a construção de barricadas constantes contra o mar de lágrimas que, se bobear, acha a fresta e rompe o dique. Quem não tem dique nenhum alegremente se afoga, vai a pique. O tom é pausado, grave, reflexivo. Existencial (é francês, n'est pas?). Saint-Exupéry nos deixa malucos porque se move livremente num sentimentalismo que, a experiência nos diz, é paralisante. Era pra ser. Toda breguice é ruim porque, entre outras coisas, paralisa o discernimento; mas Saint-Exupéry sobrevoa seu deserto bizarro e o faz de uma altura considerável. Daí resulta uma situação meio paradoxal na leitura do Pequeno Príncipe: aquele sentimentalismo todo é quase impessoal.

Algumas cenas memoráveis (resisti à palavra "antológicas" porque são passagens em que o contexto é fundamental, não podem deixar o livro, fugir da obra e respirar separadamente), como o diálogo do pequeno, sentado no alto das ruínas de um muro, no meio do deserto, com a serpente. Através do narrador ouvimos apenas as falas do menino e, juntamente com o narrador, ficamos aterrorizados ao perceber que o pequeno negociava, com uma serpente, a passagem de volta ao seu planeta longínquo, ou seja, negociava a própria morte.

E as ilustrações, as aquarelas simples (e quase simplórias) de Saint-Exupéry conseguiram cristalizar com uma propriedade rara o que o livro tem de apelo emocional. Como disse um velho amigo, a gente tomando umas e vendo um álbum de formatura onde ele reconhecia algumas antigas namoradas, ele já meio tonto, "são shurikens (lâminas em forma de estrela) lançados por um ninja malvado, bem no coração". As ilustrações de Saint-Exupéry caberiam nessa categoria. A imagem não é de todo má.

Quantas vezes li O pequeno Príncipe? Umas cinco ou seis, a maior parte delas antes de chegar a adolescência. Depois veio a "idade crítica da razão", mas o eco da voz de Exupéry é profundo e também facilmente identificável em "n" produções de quinta categoria, josés mauros de vasconcelos, paulos coelhos, fernãos capelos gaivotas e similares que, inclusive, deram sua decisiva contribuição para deturpar, talvez de modo irreversível, o charme do original.

O pequeno Príncipe deflagrou uma onda de lugares-comuns - que se tornaram comuns depois dele - sobre relacionamentos e coisas tais, mas que não são, na verdade. Há, pairando por ali, uma sabedoria real que os dissipa.

E eu consegui uma fórmula pessoal para enfrentar o problema do Pequeno Príncipe: me concentro no fato de que é literatura fantástica, quase uma ficção-científica, no final das contas. Um homem perdido num deserto encontra um pequeno alienígena que encarna, por um exercício misterioso de cósmica e profunda bondade, sua (desse homem) própria infância. Um homem marcado para morrer se encontra consigo mesmo, na sua pureza original, num lugar ermo da Terra. Sabemos que o lugar existe (o Saara), mas não como está no livro. Ali é um deserto visionário, o que restou dos Jardins do Éden, com suas criaturas mitológicas, a raposa, as rosas e a serpente, um poço de água fresca com balde e roldanas; um deserto transformado numa espécie de paraíso pela presença do pequeno ser que veio de outro planeta. Naquele pequeno alien o homem vê o reflexo de si mesmo - e de todos os homens que um dia foram pequenos e príncipes em seus minúsculos e breves domínios.

As questões pertinentes a essa revelação são aquelas que estão discutidas no livro, escrito exatamente antes do fim da Segunda Guerra, quando então Antoine de Saint-Exupéry era capitão e piloto de aviões. Fazia reconhecimentos aéreos e morreu em sua última missão, em 1944, aos quarenta e quatro anos de idade, velho demais para o rock'n'roll ensurdecedor dos combates e jovem demais para morrer. Seu corpo nunca foi encontrado e eu quero crer que o livro, escrito (ou publicado) um ano antes, tenha sido uma premonição do que seriam seus últimos momentos - e quem poderia morrer de uma maneira melhor? Ele caiu, com seu avião, em algum lugar deserto e seu principezinho veio e o levou.

Para ir além






Guga Schultze
Belo Horizonte, 17/1/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Das construções todas do sentir de Elisa Andrade Buzzo
02. Bruxas no banheiro de Marta Barcellos
03. Abelardo e Heloísa de Gian Danton
04. Do amanhecer ao adormecer: leitura, ato de amor de Marcela Ortolan
05. O Precioso Livro da Miriam de Marilia Mota Silva


Mais Guga Schultze
Mais Acessadas de Guga Schultze em 2007
01. Outra leitura para O pequeno Príncipe - 17/1/2007
02. Pela estrada afora - 14/11/2007
03. Barba e bigode - 4/7/2007
04. Tropikaos - 19/12/2007
05. Lennon engano - 14/2/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
17/1/2007
09h24min
Valeu, Guga. Honras a quem merece. Você já me cativou... agora é responsável. Texto comovente.
[Leia outros Comentários de Claudia Serretti]
20/1/2007
13h13min
É, fico aqui quebrando a cabeça para poder falar algo sem dizer besteira ou muita besteira, mas vc tem o dom de mexer com as nossas cabeças com textos enxutos e bem escritos como esse. Incrível como um olhar para uma estante de livros desarrumada pode gerar um artigo inteligente, com uma visão diferenciada sobre um livro tão criticado, até por quem não o leu, talvez fruto da ignorância, machismo, ou só porque a inteclualidade de botequim junto com a esquerda festiva o taxou de "livro das misses"... O Pequeno Príncipe voltou à moda com a peça encenada pela Luana Piovani que cortou os cabelos para se assemelhar ao Príncipe; fico com o original, que tem como imagem um sorriso franco e inocente, não sorri com a boca torta dos pedantes. Guga, se fosse tivesse sido miss e loura, não conseguiria ganhar nenhum título, mesmo tendo lido o livro umas cinco vezes, porque vc pensa e escreve muito bem. O povo quer saber: quando sairá o primeiro livro? Se já o escreveu, não o conheço.
[Leia outros Comentários de José Universo Soares]
24/1/2007
18h21min
Li o Pequeno Príncipe ainda criança. O seu bom artigo lembrou-me da solidão e da inquietude que senti sem saber muito o que eram na época... As aquarelas eram realmente incríveis e penso agora nos detalhes. Acho que, na verdade, poucas coisas foram e são originais. Os sentimentos se repetem nas pessoas, daí os clichês. Mas o mérito do livro está, também, na sua abrangência, no montante de emoções que ele provocou e provoca.
[Leia outros Comentários de Janaina C Godoy]
31/1/2007
09h37min
Parabéns. Muito bom texto, quase tão envolvente quanto o livro.
[Leia outros Comentários de Marcelo Telles]
18/4/2007
10h58min
Puta que o pariu, Guga. Muito bom o texto. Fiquei emocionado. Valeu demais! Abraços do Buda.
[Leia outros Comentários de Daniel Rubens Prado]
27/6/2007
09h35min
Guga, ii hoje teu texto sobre a pirâmide e gostei muito, concordo com a tua lista, mas também lembrei de vários outros para incluir. Aí cheguei neste texto sobre o pequeno príncipe e gostei mais ainda. Tentei apresentar aos meus filhos muitos títulos, mas só a menina, agora com 22 anos, leu O pequeno príncipe e agora mesmo estava me ajudando a convencer uma sobrinha, de 10 anos, a ler o livro. Ainda não conseguimos, mas tenho esperanças. Só para atualizar notícias sobre o autor, dá uma olhada neste site. O avião foi encontrado em 2003, mas todo mundo continua dizendo que nunca foi encontrado. Virou um tipo de lenda urbana, que todo mundo sabe e continua repetindo, mesmo com novas provas. Um abraço, Irene
[Leia outros Comentários de Irene Fagundes Silva]
7/7/2007
09h52min
Tentei resistir a comentar, Guga, mas não deu. O livro é um dos que releio quando preciso de afeto (ninguém é de ferro) e sempre encontro encanto; parece que o príncipe pequenino me pega pela mão e sai a levar pela fantasia... A flor é mais humanizada do que ele, imaginação pura, uma mistura de sabedoria e inocência totalmente arrebatadora, representando a eterna busca de sentido pra vida. Por não suportar as exigências e vaidades da sua rosa, tão humana rosa, foge dela, para então descobrir que a ama, do jeito que é, quando já não pode mais amá-la. Me faz perguntar se amor é sempre algo monstruoso ou impossível. Mas adoro a negociação com a serpente: "Teu veneno é do bom? Estás certa de que não vou sofrer muito?", como se ela fosse responder a verdade, ou pudesse fazê-lo. E fico feliz por ele ter morrido (ele morre mesmo?), porque tenho a certeza de que não foi corrompido. Fecho o livro sentindo que o final foi feliz, a pureza foi preservada. Muito bom! Parabéns!! Com ternura, Cristin
[Leia outros Comentários de Cristina Sampaio]
24/10/2007
03h18min
Esse artigo é realmente muito bom. A estória d'O pequeno príncipe se enquadra em uma linda história: a da minha vida, onde sou a rosa e tenho um pequeno príncipe. Daí tudo que leio a respeito desse livro, positivamente, me cativa ainda mais pelo meu príncipe. Obrigada
[Leia outros Comentários de Noemia]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Llosa - Pantaleón e as Visitadoras Livro
Mario Vargas
Folha
(2003)



Ana Terra 34ª Edição Texto Integral Aventura de Ler
Erico Verissimo
Globo
(1993)



Aumente a Sua Empregabilidade
Sandra Schamas
Idéia e Ação
(2005)



Livro - Deriva
Andre Fernandes
Hedra
(2008)



Segundo Casamento
Frederick Barthelme
Circulo do Livro



Diálogos Fabulosíssimos
Gilles Eduar
Companhia das Letrinhas
(2011)



Retrato da arte moderna
Katia Canton
Martins Fontes
(2010)



Zé Carioca Nº 1848
Walt Disney
Abril
(1989)



O Ego Sem Medo: a cura pela emoção
Chris Griscom
Siciliano
(1991)



Trabalhar por Conta Própria: uma Opção Que Pode Dar Certo
José Augusto Minarelli
Gente





busca | avançada
52947 visitas/dia
2,0 milhão/mês