O suplício da pele | Elisa Andrade Buzzo | Digestivo Cultural

busca | avançada
101 mil/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Povo Fulni-ô Encontra Ponto BR
>>> QUEÑUAL
>>> Amilton Godoy Show 70 anos. Participação especial de Proveta
>>> Bacco’s promove evento ao ar livre na Lagoa dos Ingleses, em Alphaville
>>> Vera Athayde é convidada do projeto Terreiros Nômades em ação na EMEF Ana Maria Benetti sobre Cavalo
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
Colunistas
Últimos Posts
>>> Rodrigão Campos e a dura realidade do mercado
>>> Comfortably Numb por Jéssica di Falchi
>>> Scott Galloway e as Previsões para 2024
>>> O novo GPT-4o
>>> Scott Galloway sobre o futuro dos jovens (2024)
>>> Fernando Ulrich e O Economista Sincero (2024)
>>> The Piper's Call de David Gilmour (2024)
>>> Glenn Greenwald sobre a censura no Brasil de hoje
>>> Fernando Schüler sobre o crime de opinião
>>> Folha:'Censura promovida por Moraes tem de acabar'
Últimos Posts
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
Blogueiros
Mais Recentes
>>> The Matrix Reloaded
>>> Por que as curitibanas não usam saia?
>>> Jobim: maestro ou compositor?
>>> 7 de Outubro #digestivo10anos
>>> A insignificância perfeita de Leonardo Fróes
>>> Soco no saco
>>> De Siegfried a São Jorge
>>> O Paulinho da Viola de Meu Tempo é Hoje
>>> Pelas curvas brasileiras
>>> A pintura admirável de Glória Nogueira
Mais Recentes
>>> Ao Redor do Mundo de Fernando Dourado Filho pela Fernando Dourado Filho (2000)
>>> O Administrador do Rei - coleção aqui e agora de Aristides Fraga Lima pela Scipione (1991)
>>> Memória do Cinema de Henrique Alves Costa pela Afrontamento (2024)
>>> Os Filhos do Mundo - a face oculta da menoridade (1964-1979) de Gutemberg Alexandrino Rodrigues pela Ibccrim (2001)
>>> Arranca-me a Vida de Angeles Mastretta pela Siciliano (1992)
>>> Globalizacão, Fragmentacão E Reforma Urbana: O Futuro Das Cidades Brasileiras Na Crise de Luiz Cezar de Queiroz Ribeiro; Orlando Alves dos Santos Junior pela Civilização Brasileira (1997)
>>> Movimento dos Trabalhadores e a Nova Ordem Mundial de Clat pela Clat (1993)
>>> Falso Amanhecer: Os Equívocos Do Capitalismo Global de John Gray pela Record (1999)
>>> Os Colegas de Lygia Bojunga pela Casa Lygia Bojunga (1986)
>>> Amazonas um Rio Conta Historias de Sergio D. T. Macedo pela Record (1962)
>>> A História de Editora Sextante pela Sextante (2012)
>>> Villegagnon, Paixaƒo E Guerra Na Guanabara: Romance de Assis Brasil pela Rio Fundo (1991)
>>> A Política de Aristóteles pela Ediouro
>>> A Morte no Paraíso a tragédia de Stefan Zweig de Alberto Dines pela Nova Fronteira (1981)
>>> Rin Tin Tin a vida e a lenda de Susan Orlean pela Valentina (2013)
>>> Estudos Brasileiros de População de Castro Barretto pela Do Autor (1947)
>>> A Origem do Dinheiro de Josef Robert pela Global (1989)
>>> Arquitetos De Sonhos de Ademar Bogo pela Expressão Popular (2024)
>>> Desafio no Pacífico de Robert Leckie pela Globo (1970)
>>> O Menino do DedoVerde de Maurice Druon pela José Olympio (1983)
>>> A Ciencia Da Propaganda de Claude Hopkins pela Cultrix (2005)
>>> Da Matriz Ao Beco E Depois de Flavio Carneiro pela Rocco (1994)
>>> Testemunho de Darcy Ribeiro pela Edições Siciliano (1990)
>>> Tarzan e o Leão de Ouro de Edgar Rice Burroughs pela Record (1982)
>>> Viagem de Graciliano Ramos pela Record (1984)
COLUNAS

Quinta-feira, 7/4/2011
O suplício da pele
Elisa Andrade Buzzo
+ de 4000 Acessos


Foto: Magaly Bátory

Em uma passagem do livro A hora da estrela, de Clarice Lispector, Macabéa enamora-se de uma propaganda de "creme para pele de mulheres que simplesmente não eram ela". Sente desejo de comê-lo às colheradas, diretamente do pote. Faltava-lhe gordura ao organismo, dá como explicação a narradora. Seria este creme, tal qual licor espesso, que poderia lhe restituir um pouco da vida que não tivera? A partir de qual momento necessitamos dele?

Não me parece estranho a personagem, tão carente de vida, necessitar não só do creme, de suas propriedades benéficas e nutritivas, como de sua ideia em geral: consistência, espessura, gordura. E até mesmo, senão principalmente, seu sentido figurado de principal, nata, escol. A palavra até enche a boca do poeta quando ele fala do café, Café Creme. A conhecida cereja no topo do bolo ou o crème de la crème. Brilhante metáfora e ironia clariciana.

Outro dia me perguntei: em qual ponto da vida meu organismo sentiu necessidade de engomar-se, besuntar-se em uma camada de óleo e olor; se até então tinha aversão à viscosidade que o creme imprimia à pele? Por que será que os cremes se tornaram tantos e necessários que nos exigem dinheiro e dedicação? Vamos nos resumir a observar a questão pelas bordas.

A história começa com um pote de vidro com creme de amêndoas. Avermelhado, parecia até mesmo de comer. Mas o cheiro era enjoativo, extremamente adocicado, aquele cheiro de fêmea lisongeira, que chega a dar dor de barriga. Não teria sido de propóstio que a filha deixou o pote escapar das mãos? O vidro do pote, trincado, a gordura estatelada já não teria mais uso.

Vamos voltar para um pouco mais próximos do presente. Também está aí o creme como lembrança da sensualidade. O creme é necessário, sacramental, se o que se trata é a conquista da languidez. A mão que acaria o próprio corpo, o emoliente e flácido contato entre peles, há algo de uma lascívia implícita aí. O rosto rebrilha ao longe e ao se aproximar para um beijo, sente-se o cheiro forte, encorpado.

Ela usaria tanto creme para quê? Retardar o envelhecimento? Hidratar a pele? Protegê-la do sol? Ou era sua vida tão exuberantemente vívida, cheia de si, que transbordava, reluzia. Em que momento, afinal, se dá o estalo em que a necessidade de creme é premente? Teria algo a ver com a verdadeira idade adulta, mulheril, o ato de usá-los, aos montes?

Apenas o banho não basta, é o início de um ritual maior que está por vir. O creme não é o elixir da juventude, mas auxilia em um ponto chave: a manutenção. Ele não vai deixar ninguém mais jovem, nem mais bonito, mas vai varrer as escadas, tirar as traças da parede, as ranhuras das superfícies metálicas para então ostentá-las numa oferta ao toque ― pele exposta suplicante. Sinta o breve bem-estar de se contemplar a casa limpa, desepere-se com a impreterível sujeira. O recomeço. Basta usá-lo uma vez para se fazer um escravo do creme.

Quantas vezes não se avistou a necessidade de um creme em uma perna descamada, um cotovelo cinza e áspero, um calcanhar rachado e duro? Tudo isso porque um só produto não basta. O mercado oferece uma infinidade de produtos hidratantes, aromas e cores, creme para os pés, creme para as mãos, creme para o corpo, creme para o rosto, creme para a área dos olhos, todo tipo de bálsamo para acalmar feridas, atritos, decepções. Como vimos, o creme ameniza problemas, não os resolve, não cerra fendas, não cura rugas, se é que elas deveriam ser curadas.

A era dos cremes veio com uma nova mania: o gosto por observar as farmácias. Passei a adivinhar, talvez prevendo o futuro, as novas necessidades que podem surgir no decorrer da vida, xeretei produtos que não vinha dando a mínima atenção. Cremes e óleos à base de amêndoas para evitar estrias relacionadas à gravidez, cremes para alérgicos, esfoliantes. Atenção, nos rótulos, para o uso equilibrado dos verbos: evitar, amenizar, prevenir.

Duas mulheres jogam conversa fora pelo celular. A mais velha diz: "a gente vai ficando velha, a pele vai murchando". Não deixei de notar no tom brincalhão da voz. Estava aí, talvez, o motivo do creme à Macabéa: a gordura vai embora, o viço, logo a mocidade da pele (que, no caso, a personagem de Clarice Lispector nunca teve a chance de ter, quanto mais de um dia perder. Mas não será no rasgo de sua morte que a essência se mostra?).

Assim como a escuridão não cai de uma vez sobre a luz do dia, é aos poucos, quase imperceptivelmente, que a fome de creme aparece, cresce. Até o ponto em que ― como se nos víssemos diante da noite ― nos damos conta de que, afinal, é chegada a hora.


Elisa Andrade Buzzo
São Paulo, 7/4/2011

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Espírito Olímpico ou de porco? de Verônica Mambrini
02. Discurso de Amor em Fragmentos de Alessandro Garcia


Mais Elisa Andrade Buzzo
Mais Acessadas de Elisa Andrade Buzzo em 2011
01. Triste fim de meu cupcake - 17/2/2011
02. No tempo da ficha telefônica - 12/5/2011
03. Adeus, Belas Artes - 20/1/2011
04. História de um papagaio de papel - 3/11/2011
05. Um mundo além do óbvio - 28/4/2011


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Alexandre e Outros Heróis
Graciliano Ramos
Record
(1978)



Livro Esoterismo Planets in Aspect Understanding Your Inner Dynamics
Robert Pelletier
Whitford Press
(1974)



Os Três Anos de Vigência do Novo Código de Processo Civíl
Mattos Filho
Do Autor
(2019)



The Burnt House
Faye Kellerman
Harper
(2007)



Mistério e magia do amor
Krishan Chopra
Larousse
(2008)



Comunicação/incomunicação no Brasil
José Marques de Melo
Loyola
(1976)



Livro História do Brasil Pesquisas e Depoimentos para a História Reconquista do Brasil Nova Série Volume 60
Tobias Monteiro
Itatiaia
(1982)



Tudo aquilo que nunca foi dito
Marc Levy
Suma
(2008)



Perfis Problemas na Literatura Brasileira
Eduardo Portella e Outros
Tempo Brasileiro
(1985)



Livro Infanto Juvenis
Júlio Verne
Ftd
(2007)





busca | avançada
101 mil/dia
2,4 milhões/mês