Todas as Tardes, Escondido, Eu a Contemplo | Duanne Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
89721 visitas/dia
2,7 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Castelo realiza piqueniques com contemplação do pôr do sol ao ar livre
>>> A bailarina Ana Paula Oliveira dança com pássaro em videoinstalação de Eder Santos
>>> Festival junino online celebra 143 da cidade de Joanópolis
>>> Nova Exposição no Sesc Santos tem abertura online nessa quinta, 17/06
>>> Arte dentro de casa: museus e eventos culturais com exposições virtuais
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
>>> Fernando Cirne sobre o e-commerce no pós-pandemia
>>> André Barcinski por Gastão Moreira
>>> Massari no Music Thunder Vision
>>> 1984 por Fabio Massari
>>> André Jakurski sobre o pós-pandemia
>>> Carteiros do Condado
>>> Max, Iggor e Gastão
Últimos Posts
>>> Virtual: Conselheiro do Sertão estreia quinta, 24
>>> A lei natural da vida
>>> Sem voz, sem vez
>>> Entre viver e morrer
>>> Desnudo
>>> Perfume
>>> Maio Cultural recebe “Uma História para Elise”
>>> Ninguém merece estar num Grupo de WhatsApp
>>> Izilda e Zoroastro enfrentam o postinho de saúde
>>> Acentuado
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A literatura contra o sistema
>>> Asia de volta ao mapa
>>> Uma vida para James Joyce
>>> As Classes e as Redes Sociais
>>> Crônica de um jantar em São Paulo
>>> Defesa eloqüente do Twitter
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Margarita Paksa: Percepção e Política
>>> A primeira ofensa recebida sobre algo que escrevi
>>> Perguntas sagradas
Mais Recentes
>>> Noli me tangere e poemas selecionados de José Rizal pela Ex libris (1886)
>>> América Pré-colombiana de Joathan Norton Leonard pela José Olympo (1967)
>>> Lixo e limpeza urbana: entender para educar. de Emílio Maciel Eigenheer e João Alberto Ferreira pela UERJ: Depext (2011)
>>> Enciclopédia dos Museus. Museu de Belas-artes Boston de Diversos Autores pela Mirador (1969)
>>> Fumar ou não fumar. A decisão é sua. de Lair Ribeiro pela Prestígio (2001)
>>> 70 Anos - Gerações a Serviço da Advocacia de Aasp. - Associação dos Advogados de São Pauço pela Dba (2013)
>>> A Droga da Obediência de Pedro Bandeira pela Moderna (1997)
>>> The heart of the city towards the humanisation of urban life de Varios Autores pela Lund humphries (1952)
>>> Bagagem de Adélia Prado pela Record (2012)
>>> Dicionário de Símbolos de Jean Chevalier Alain Cheerbrant pela José Olympio (1991)
>>> Figuras de Linguagem, Col. Tópicos de Linguagem, Gramática de Hélio de Seixas Guimarães e Ana Cecília Lessa pela Atual (1988)
>>> O Ritmo da Vida de Matthew Kelly pela Sextante (2006)
>>> Kama Sutra para lésbicas. Para viver livremente a sexualidade. de Alicia Gallotti pela Planeta (2005)
>>> Operação Cavalo de Tróia 5 - os Outros Mundos de J. J. Benitez pela Mercuryo (1996)
>>> Folclore do Brasil de Luís da Câmara Cascudo pela Fundo de Cultura (1967)
>>> O Ladrão de Raios - Percy Jackson e os Olimpianos Livro Um de Rick Riordan pela Intrínseca (2009)
>>> O Ponto Cego de Lya Luft pela Record (2004)
>>> Um Jogo Chamado Futuro de Douglas Rushkoff pela Revan (1999)
>>> América Pré-colombiana de Joathan Norton Leonard pela José Olympo (1967)
>>> Vampiros Emocionais - Como Lidar Com Pessoas Que Sugam Você de Albert J. Bernstein pela Campus (2001)
>>> Mesopotâmia: o Berço da Civilização de Samuel Noah Kramer pela José Olympio (1969)
>>> Alimentos Prejudiciais como Substituí-los de Rômulo França pela Do Autor (2008)
>>> Deus quer que Você seja Feliz de Fábio Teruel pela Do Autor
>>> Antologia Mediúnica do Natal de Francisco Cândido Xavier pela Feb (1943)
>>> Como Evitar Preocupações e Começar a Viver de Dale Carnigie pela Companhia Nacional (1987)
COLUNAS

Terça-feira, 21/5/2013
Todas as Tardes, Escondido, Eu a Contemplo
Duanne Ribeiro

+ de 3300 Acessos

Todas as Tardes, solo de dança interpretado por Sílvia Geraldi, ocorre na antesala dos relacionamentos. A comunicação de que a atração existe, a negociação para o avanço, a sinalização de que se está satisfeito: os movimentos de um jogo de tabuleiro, cálculo e emoção, emoção no cálculo e cálculo na emoção, percebidos pelo ponto de vista de um dos dois jogadores; ele, para quem o outro é uma janela aberta, porém uma janela aberta para o quê. No espetáculo, a coreografia descontextualiza gestos e põe a nu as tensões; e o texto, as poucas falas, descreve a paixão - que pretendemos explosiva, romântica - mais travada, mais engatinhante, mais incerteza.

A montagem foi realizada no Centro Cultural São Paulo, em abril. Dirigida por Mariana Muniz, é baseada livremente no livro A Invenção de Morel, de Adolfo Bioy Casares, em que um homem, isolado em uma ilha, esquecido da convivência humana e fugindo da justiça por conta de um crime do qual se diz inocente, é surpreendido por visitantes repentinos. Entre eles, uma mulher que exerce forte atração sobre o fugitivo. Abandonando precauções, ele quer conhecê-la, e tropeça em palavras e engenhos nessa aproximação. O título da peça surge desse encontro temerário:

"Contempla o pôr do sol todas as tardes; escondido, eu a contemplo. Ontem, hoje, novamente, descobri que minhas noites e meus dias esperam por essa hora. A mulher, com a sensualidade de uma cigana e com o seu lenço de cores, demasiado grande, parece-me ridícula. Entretanto sinto, talvez um pouco de brincadeira, que, se pudesse ser olhado um instante por ela, lhe falado um instante, afluiria de uma só vez o socorro que o homem tem nos amigos, nas namoradas e nos que estão no seu próprio sangue."

Todas as Tardes, no entanto, não é e não se pretende uma transposição direta do livro. Nem cenografia nem texto fazem referências expressas à Invenção de Morel. O folheto de divulgação nos avisa, apenas. É menos na narrativa e mais no núcleo sentimental da obra de Casares que se inspira o espetáculo. Assim, tanto o receio da própria imagem - "(...) minha enorme dificuldade seja momentânea: vencer a primeira impressão. Esse falso impostor não me derrotará" - quanto a dificuldade do primeiro contato - "eu me tinha colocado na obrigação de lhe falar hoje mesmo. (...) Dizer algo era um expediente alarmante. Nem sabia se teria voz" - entre outros elementos, transparecem no corpo e nos movimentos da atriz, formando não uma história linear, mas situações.

Dança na Fronteira
Sílvia contracena com três objetos de metal, molduras retângulares e vazias, cinzentas e com rodinhas. O maior digamos que tenha dois metros; os demais possuem um metro ou menos. Estão no fundo do palco; mais a frente está largado no chão um gravador. Os dois elementos cenográficos se relacionam com as duas cenas fundamentais de Todas as Tardes. Na primeira, a mulher trata do flerte; na segunda, ela dança no limiar.

O gravador é ligado e emite uma fala no estilo da autoajuda e monótona: como se portar quando flertamos com alguém. A atriz repete as fases gravadas fora do tempo, mudando pouco ou nada o que é dito. Os dois discursos soam ainda mais mecânicos. Decretam: o flerte é como um tema único a partir do qual uma orquestra faz múltiplas variações - e essa tema único diz nada além de: você me interessa. Fixe, por um tempo maior do que o da curiosidade momentânea, o olhar na pessoa-alvo. Interrompa-o de tempo em tempo e volte a dar atenção ao seu objeto de desejo. Se não conseguir chamar atenção, reinicie o processo. Vê-se, há pouca fantasia e encanto em dizer dessa forma - a sedução torna-se mais algo do campo de estudo de um comunicólogo, fria, objetiva.

É essa mesma paixão métodica que vemos quando a mulher, de costas para nós, de pé, forçando o corpo incomodamente para o lado, gira uma mecha de cabelo nos dedos. No cotidiano, eis um gesto que é às vezes sinal de nervosismo e às vezes um tique gracioso: aqui apreendemos nele o que há de tenso. Também temos o senso desse racionalismo na sequência em que a dançarina como que não representa com o corpo inteiro, mas dando acento a determinadas partes dele; cobrindo o rosto com a saia, é só perna, contorcendo-se no chão, é só bunda. Um baile de frações corporais específicas, que me fez pensar no apuro das vestimentas, no que querem esconder ou ressaltar, com efeitos projetados.

O amor aqui não é, deste modo, o arrebatamento de Romeu e Julieta. É uma faísca e os nossos esforços subsequentes para animá-la e torná-la um incêndio. Encontramos, em A Invenção de Morel, um trecho que parece consonante a essa ideia:

"Depois de tomar banho, limpo e mais desordenado (por efeito da umidade na barba e no cabelo), fui vê-la. Tinha traçado esse plano: esperá-la nas rochas; a mulher, ao chegar, me encontraria absorto no pôr-do-sol; a surpresa, o provável receio, teriam tempo de se transformar em curiosidade; mediaria favoravelmente a nossa comum devoção à tarde; ela me perguntaria quem sou; ficaríamos amigos..."

Ela me encontraria absorto no pôr-do-sol... existe aí uma teatralidade, uma construção de cena avessa ao romantismo pueril.

Noutro momento, a intérprete baila com as molduras de ferro. Ela os distribui em locais distintos; dança ao redor, se escora na borda, desliza pelo palco. Quero entender que os objetos são as janelas a que me referi em metáfora do primeiro parágrafo - o outro. O indivíduo que circundamos em perseguição, no qual nos apoiamos e observamos o que há no fundo, com o qual avançamos. É sempre à beira deste sujeito que a dança ocorre. Ela não atravessa, não passa de um lado a outro. Fronteira.

Há alegria quando enfim a vontade se concretiza, uma alegria ingênua, saltos infantis e sorriso. O você me interessa em um novo desenvolvimento melódico, um você me fez bem. E aí os atos nos quais nos escondemos: arrumar a camisa sobre a calça, girar o anel no dedo, mexer a chave no bolso. As frases pelas quais nos lançamos com esperança: "Que bom que você gostou!"; "Seria ótimo ir com você!". Todas as Tardes desenha as oscilações do sentimento, conforme deixamos de lado o que é seguro e - similar ao homem foragido não mais recluso na ilha - nos aventuramos.


Duanne Ribeiro
São Paulo, 21/5/2013


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Uma Receita de Bolo de Mel de Heloisa Pait
02. Vocês, que não os verei mais de Elisa Andrade Buzzo
03. O Natal de Charles Dickens de Celso A. Uequed Pitol
04. Notas confessionais de um angustiado (V) de Cassionei Niches Petry
05. Narciso revisitado na obra de Fabricius Nery de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Duanne Ribeiro
Mais Acessadas de Duanne Ribeiro em 2013
01. As Aventuras de Pi - 19/2/2013
02. Discutir, debater, dialogar - 29/1/2013
03. Margarita Paksa: Percepção e Política - 12/3/2013
04. American Horror Story: Asylum - 13/8/2013
05. Passe Livre, FdE e Black Blocs - enquanto Mídia - 10/9/2013


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Poesia Completa: Poemas Longos - Tomo Dois
Luiz Delfino (capa Dura) Dedicatória
Edições Acl (florianópolis)
(2001)



Direito do Marketing
Fernando Guerardini Santos
Revista dos Tribunais (sp)
(2000)



Études de Textes Français. Nouvelle Série. Tome Ii : Xvie Siècle
Roland Derche
Sedes
(1965)



Beijing: China Travel Kit Series
Xu Mingqiang
Foreign Language Press
(1997)



La Tortue Sauvage des Maures Ou Tortue Dhermann
Bernard Devaux
Sang de La Terre
(1988)



Processo Civil
Fernando da Fonseca
Juspodivm
(2012)



Guia Londres. o Guia de Viagem Mais Fácil de Usar
Publifolha
Publifolha
(2009)



Remuneração Estratégica a Nova Vantagem Competitiva
Thomaz Wood Jr.; Vicente Wood Jr.
Atlas
(1999)



Troca-troca
Maria Helena Portilho
Conquista
(1989)



Nosso Cães
Alberto Apfel
Melhoramentos





busca | avançada
89721 visitas/dia
2,7 milhões/mês