Todas as Tardes, Escondido, Eu a Contemplo | Duanne Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
37900 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
>>> Banco Inter É uma BOLHA???
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Luciano do Valle (1947-2014)
>>> Por que as velhas redações se tornaram insustentáveis on-line
>>> Ação Social
>>> Dá-lhe, Villa!
>>> forças infernais
>>> 20 de Abril #digestivo10anos
>>> Pensando sozinho
>>> Minha casa, minha cama, minha mesa
>>> Aranhas e missangas na Moçambique de Mia Couto
>>> Novos Melhores Blogs
Mais Recentes
>>> O Beijo da Mulher Aranha de Manuel Puig pela Codecri/ RJ. (1981)
>>> A Traição de Rita Hayworth/ Capa Dura de Manuel Puig pela Circulo do Livro/ SP. (1993)
>>> Boquitas Pintadas/ Capa Dura de Manuel Puig pela Circulo do Livro/ SP. (1988)
>>> Kit De Estudo Para Concursos: Só concursos (3 CDs + Folheto) + Guia do Concurseiro + Redação para Concursos de Equipe Mundial Editorial pela DCL - difusão cultural do livro (2016)
>>> Numa Terra Estranha de James Baldwin pela Rio Gráfica (1986)
>>> 1934 de Alberto Moravia pela Rio Gráfica (1986)
>>> Mil Platôs Vol. 1 de Gilles Deleuze e Félix Guattari pela 34 (2011)
>>> A Menina que Roubava Livros de Markus Zusak pela Intrínseca/RJ. (2007)
>>> Mil Platôs Vol. 2 de Gilles Deleuze e Félix Guattari pela 34 (2011)
>>> Mil Platôs Vol. 3 de Gilles Deleuze e Félix Guattari pela 34 (2012)
>>> Ajin - Demi-Human #01 de Gamon Sakurai pela Panini (2016)
>>> Ajin - Demi-Human #02 de Gamon Sakurai pela Panini (2016)
>>> Ajin - Demi-Human #03 de Gamon Sakurai pela Panini (2016)
>>> Incendio de Troia (capa dura couro) de Marion ZimmerBradley pela Circulo do Livro/ SP. (1994)
>>> Ajin - Demi-Human #04 de Gamon Sakurai pela Panini (2017)
>>> Ajin - Demi-Human #05 de Gamon Sakurai pela Panini (2017)
>>> Ajin - Demi-Human #06 de Gamon Sakurai pela Panini (2017)
>>> Ajin - Demi-Human #07 de Gamon Sakurai pela Panini (2017)
>>> Ajin - Demi-Human #08 de Gamon Sakurai pela Panini (2017)
>>> Ajin - Demi-Human #09 de Gamon Sakurai pela Panini (2017)
>>> The Buenos Aires Affair de Manuel Puig pela Nova Cultural (1987)
>>> Ajin - Demi-Human #10 de Gamon Sakurai pela Panini (2018)
>>> Ajin - Demi-Human #11 de Gamon Sakurai pela Panini (2018)
>>> Estratégia da Decepção de Paul Virilio pela Estação Liberdade (2000)
>>> Ajin - Demi-Human #12 de Gamon Sakurai pela Panini (2019)
>>> The Buenos Aires Affair de Manuel Puig pela Circulo do Livro/ SP. (1989)
>>> The Buenos Aires Affair de Manuel Puig pela Codecri (1981)
>>> Fort of Apocalypse #10 de Yu Kuraishi, Kazu Inabe pela JBC/Ink Comics (2016)
>>> The Buenos Aires Affair de Manuel Puig pela Codecri (1981)
>>> Fort of Apocalypse #09 de Yu Kuraishi, Kazu Inabe pela JBC/Ink Comics (2016)
>>> Fort of Apocalypse #08 de Yu Kuraishi, Kazu Inabe pela JBC/Ink Comics (2016)
>>> Festa Sob as Bombas - Os Anos Ingleses de Elias Canetti pela Estação Liberdade (2009)
>>> Fort of Apocalypse #07 de Yu Kuraishi, Kazu Inabe pela JBC/Ink Comics (2016)
>>> Fort of Apocalypse #06 de Yu Kuraishi, Kazu Inabe pela JBC/Ink Comics (2016)
>>> Fort of Apocalypse #05 de Yu Kuraishi, Kazu Inabe pela JBC/Ink Comics (2016)
>>> Fort of Apocalypse #04 de Yu Kuraishi, Kazu Inabe pela JBC/Ink Comics (2016)
>>> Antologia da Poesia Parnasiana Brasileira de João Ribeiro Francisca Júlia/ Alberto Oliveira... pela Cia. Ed. Nacional/ Lazuli (2008)
>>> Antologia Poética de Ernesto Cardenal pela Salamandra (1979)
>>> Fort of Apocalypse #03 de Yu Kuraishi, Kazu Inabe pela JBC/Ink Comics (2016)
>>> Fort of Apocalypse #02 de Yu Kuraishi, Kazu Inabe pela JBC/Ink Comics (2016)
>>> Da Natureza da Guerra de Julian Lider pela Biblex/ RJ. (1987)
>>> Fort of Apocalypse #01 de Yu Kuraishi, Kazu Inabe pela JBC/Ink Comics (2016)
>>> Pubis Angelical de Manuel Puig pela Nova Fronteira/ Rj. (1981)
>>> Teoria Geral do Processo de Antonio Carlos de Araujo Cintra e Ada P. Grinover e Câncico R. Dinamarco pela Revista dos Tribunais (1991)
>>> Pubis Angelical de Manuel Puig pela Nova Fronteira/ Rj. (1981)
>>> Pubis Angelical de Manuel Puig pela Nova Fronteira/ Rj. (1981)
>>> O que é a conscienciologia de Waldo Vieira pela Instituto Internacional de Projeciiologia
>>> The Promised Neverland #02 de Kaiu Shirai, Posuka Demizu pela Panini (2018)
>>> The Promised Neverland #01 de Kaiu Shirai, Posuka Demizu pela Panini (2018)
>>> Pubis Angelical de Manuel Puig pela Nova Fronteira/ Rj. (1981)
COLUNAS

Terça-feira, 21/5/2013
Todas as Tardes, Escondido, Eu a Contemplo
Duanne Ribeiro

+ de 2700 Acessos

Todas as Tardes, solo de dança interpretado por Sílvia Geraldi, ocorre na antesala dos relacionamentos. A comunicação de que a atração existe, a negociação para o avanço, a sinalização de que se está satisfeito: os movimentos de um jogo de tabuleiro, cálculo e emoção, emoção no cálculo e cálculo na emoção, percebidos pelo ponto de vista de um dos dois jogadores; ele, para quem o outro é uma janela aberta, porém uma janela aberta para o quê. No espetáculo, a coreografia descontextualiza gestos e põe a nu as tensões; e o texto, as poucas falas, descreve a paixão - que pretendemos explosiva, romântica - mais travada, mais engatinhante, mais incerteza.

A montagem foi realizada no Centro Cultural São Paulo, em abril. Dirigida por Mariana Muniz, é baseada livremente no livro A Invenção de Morel, de Adolfo Bioy Casares, em que um homem, isolado em uma ilha, esquecido da convivência humana e fugindo da justiça por conta de um crime do qual se diz inocente, é surpreendido por visitantes repentinos. Entre eles, uma mulher que exerce forte atração sobre o fugitivo. Abandonando precauções, ele quer conhecê-la, e tropeça em palavras e engenhos nessa aproximação. O título da peça surge desse encontro temerário:

"Contempla o pôr do sol todas as tardes; escondido, eu a contemplo. Ontem, hoje, novamente, descobri que minhas noites e meus dias esperam por essa hora. A mulher, com a sensualidade de uma cigana e com o seu lenço de cores, demasiado grande, parece-me ridícula. Entretanto sinto, talvez um pouco de brincadeira, que, se pudesse ser olhado um instante por ela, lhe falado um instante, afluiria de uma só vez o socorro que o homem tem nos amigos, nas namoradas e nos que estão no seu próprio sangue."

Todas as Tardes, no entanto, não é e não se pretende uma transposição direta do livro. Nem cenografia nem texto fazem referências expressas à Invenção de Morel. O folheto de divulgação nos avisa, apenas. É menos na narrativa e mais no núcleo sentimental da obra de Casares que se inspira o espetáculo. Assim, tanto o receio da própria imagem - "(...) minha enorme dificuldade seja momentânea: vencer a primeira impressão. Esse falso impostor não me derrotará" - quanto a dificuldade do primeiro contato - "eu me tinha colocado na obrigação de lhe falar hoje mesmo. (...) Dizer algo era um expediente alarmante. Nem sabia se teria voz" - entre outros elementos, transparecem no corpo e nos movimentos da atriz, formando não uma história linear, mas situações.

Dança na Fronteira
Sílvia contracena com três objetos de metal, molduras retângulares e vazias, cinzentas e com rodinhas. O maior digamos que tenha dois metros; os demais possuem um metro ou menos. Estão no fundo do palco; mais a frente está largado no chão um gravador. Os dois elementos cenográficos se relacionam com as duas cenas fundamentais de Todas as Tardes. Na primeira, a mulher trata do flerte; na segunda, ela dança no limiar.

O gravador é ligado e emite uma fala no estilo da autoajuda e monótona: como se portar quando flertamos com alguém. A atriz repete as fases gravadas fora do tempo, mudando pouco ou nada o que é dito. Os dois discursos soam ainda mais mecânicos. Decretam: o flerte é como um tema único a partir do qual uma orquestra faz múltiplas variações - e essa tema único diz nada além de: você me interessa. Fixe, por um tempo maior do que o da curiosidade momentânea, o olhar na pessoa-alvo. Interrompa-o de tempo em tempo e volte a dar atenção ao seu objeto de desejo. Se não conseguir chamar atenção, reinicie o processo. Vê-se, há pouca fantasia e encanto em dizer dessa forma - a sedução torna-se mais algo do campo de estudo de um comunicólogo, fria, objetiva.

É essa mesma paixão métodica que vemos quando a mulher, de costas para nós, de pé, forçando o corpo incomodamente para o lado, gira uma mecha de cabelo nos dedos. No cotidiano, eis um gesto que é às vezes sinal de nervosismo e às vezes um tique gracioso: aqui apreendemos nele o que há de tenso. Também temos o senso desse racionalismo na sequência em que a dançarina como que não representa com o corpo inteiro, mas dando acento a determinadas partes dele; cobrindo o rosto com a saia, é só perna, contorcendo-se no chão, é só bunda. Um baile de frações corporais específicas, que me fez pensar no apuro das vestimentas, no que querem esconder ou ressaltar, com efeitos projetados.

O amor aqui não é, deste modo, o arrebatamento de Romeu e Julieta. É uma faísca e os nossos esforços subsequentes para animá-la e torná-la um incêndio. Encontramos, em A Invenção de Morel, um trecho que parece consonante a essa ideia:

"Depois de tomar banho, limpo e mais desordenado (por efeito da umidade na barba e no cabelo), fui vê-la. Tinha traçado esse plano: esperá-la nas rochas; a mulher, ao chegar, me encontraria absorto no pôr-do-sol; a surpresa, o provável receio, teriam tempo de se transformar em curiosidade; mediaria favoravelmente a nossa comum devoção à tarde; ela me perguntaria quem sou; ficaríamos amigos..."

Ela me encontraria absorto no pôr-do-sol... existe aí uma teatralidade, uma construção de cena avessa ao romantismo pueril.

Noutro momento, a intérprete baila com as molduras de ferro. Ela os distribui em locais distintos; dança ao redor, se escora na borda, desliza pelo palco. Quero entender que os objetos são as janelas a que me referi em metáfora do primeiro parágrafo - o outro. O indivíduo que circundamos em perseguição, no qual nos apoiamos e observamos o que há no fundo, com o qual avançamos. É sempre à beira deste sujeito que a dança ocorre. Ela não atravessa, não passa de um lado a outro. Fronteira.

Há alegria quando enfim a vontade se concretiza, uma alegria ingênua, saltos infantis e sorriso. O você me interessa em um novo desenvolvimento melódico, um você me fez bem. E aí os atos nos quais nos escondemos: arrumar a camisa sobre a calça, girar o anel no dedo, mexer a chave no bolso. As frases pelas quais nos lançamos com esperança: "Que bom que você gostou!"; "Seria ótimo ir com você!". Todas as Tardes desenha as oscilações do sentimento, conforme deixamos de lado o que é seguro e - similar ao homem foragido não mais recluso na ilha - nos aventuramos.


Duanne Ribeiro
São Paulo, 21/5/2013


Mais Duanne Ribeiro
Mais Acessadas de Duanne Ribeiro em 2013
01. As Aventuras de Pi - 19/2/2013
02. Discutir, debater, dialogar - 29/1/2013
03. Margarita Paksa: Percepção e Política - 12/3/2013
04. Passe Livre, FdE e Black Blocs - enquanto Mídia - 10/9/2013
05. American Horror Story: Asylum - 13/8/2013


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A CHAVE GENÉTICA
BIBLIOTECA SALVAT DE GRANDES TEMAS
SALVAT
(1979)
R$ 4,50



A ORAÇÃO DE SÃO FRANCISCO
ANDERSON CAVALCANTE & GABRIEL PERISSÉ
SEXTANTE
(2013)
R$ 10,00



A CONDUÇÃO DE REUNIÕES
ROGER MUCCHIELLI
MARTINS FONTES
(1981)
R$ 14,00



QB VII
LEON URIS
CÍRCULO DO LIVRO
R$ 19,90
+ frete grátis



O JARDIM DO ÉDEN
ERNEST HEMINGWAY
EUROPA-AMÉRICA
(1986)
R$ 12,00



MEMÓRIA DA FAZENDA BELA ALIANÇA
EDGARD CARONE
OFICINA DE LIVROS
(1991)
R$ 15,00



DANE- SE A ORGANIZAÇÃO
ROBERT TOWNSEND
ED. BEST SELLER
R$ 4,90



AS PALAVRAS DE GANDHI
RICHARD ATTENBOROUGH

R$ 10,00



JUSTIÇA A QUALQUER PREÇO
JOHN GRISHAN
ARQUEIRO
(2017)
R$ 35,00
+ frete grátis



CUBA LIBRE
YOANI SÁNCHEZ
RANDOM HOUSE ARG
(2010)
R$ 35,00





busca | avançada
37900 visitas/dia
1,3 milhão/mês